Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos


Sob os céus do Cayo Los Pájaros
Timoneiro na popa de barco, junto ao Cayo Los Pájaros de Los Haitises.
Ancoradouro escuro
Barco entra na Boca de Tiburon de Los Haitises
Cayo de Los Pájaros
Fragatas sobrevoam o Cayo de Los Pájaros, em Los Haitises.
Uma Espera (des) Comunal
Guias de passeios a cavalo aguardam clientes para os levar à Cascada Limón.
Puro exibicionismo
Fragata macho junto ao Cayo Los Pájaros em Los Haitises.
Vaca Ensopada
Vaca assustada deixa a lagoa da Cascada Limón, na Península de Samaná.
O Pouso do dono
Arara sobre tratador em frente à Cascata Limón, na Península de Samaná.
Luz desse dia
Abertura numa das muitas grutas de los Haitises, ao largo da Península de Samaná.
O último golo
Casal na beira-mar de uma praia de Las Terrenas, na Península de Samaná.
Vaca perdida
Vaca na selva, junto à Cascada Limón, Península de Samaná.
Lida da casa Las Ballenas
Eduardo Cancu engoma embalagens de charutos Las Ballenas.
Ao sol
Guia sob uma abertura de uma das muitas grutas de Los Haitises.
Currucupaco
Visitante da Cascada Limón segura uma arara azul.
Cueva de La Línea para trás
Barco prestes a deixar o manguezal que envolve a Cueva de la Línea, Los Haitises.
Península de Prata
Banhistas na beira-mar de Las Terrenas na Península de Samaná
No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.

O Caribe Revolto de Las Terrenas

Estamos a chegar ao fim de Setembro.

A época oficial de furações das Caraíbas vai a meio. Temos tido sorte. As tempestades que por esta altura se formavam para leste do Atlântico flectiam para norte.

Dias mais tarde, uma delas, a Lorenzo, fortalecida até furacão de categoria 5, desafiou qualquer lógica do clima. Avançou Atlântico do Norte acima e fustigou os Açores. Ainda teve energia para atormentar o litoral da Irlanda e da Grã-Bretanha.

Também a beira-mar caribenha de Las Terrenas que nos acolhia mostrava uma face distinta da solarenga turquesa-esmeralda que atraía veraneantes de outras partes do mundo em catadupa.

Agitado por uma tal de tempestade tropical Karen que curvou abruptamente para norte ao passar para lá das pequenas Antilhas, o mar escurecido e revolto estendia-se em vagas vigorosas e espumosas até à base dos coqueiros e ao limiar do areal já de si encurtado.

Praia de Las Terrenas, Península de Samaná, República Dominicana

Banhistas na beira-mar de Las Terrenas na Península de Samaná

Para frustração adicional dos banhistas, por esses dias, os nadadores-salvadores dos hotéis ao largo erguiam a bandeira vermelha e seguiam instruções para lhes proibirem a entrada na água, mesmo que fosse para meros mergulhos refrescantes. Sobravam as piscinas de ladrilhos luzentes e águas doces. Não era a mesma coisa. Nem ao que ali tinham ido.

Decidimos caminhar para fora do seu raio de acção. Umas centenas de metros para leste, a entrada no mar era menos profunda e problemática. Percebemos que não existiam correntes, apenas o movimento normal e controlável das vagas, tão habitual nas nossas praias portuguesas. Divertimo-nos a enfrentá-las e delas apanharmos boleias, até vermos a copa dos coqueiros bem acima das cabeças.

Retomamos a caminhada. Ao nos aproximarmos de uma tal de Punta Bonita da Península de Samaná, apercebemo-nos que parte dos empreendimentos – os mais expostos ao mar – ainda não tinham recuperado os danos de furacões ou tempestades da época passada.

E como os caprichos do clima tornavam voláteis investimentos feitos a pensar sobretudo na longa bonança caribenha de Dezembro a Maio, quando aquele mesmo litoral e os do Caribe em geral assumem os seus visuais de mar, céu e vegetação luxuriante imaculados.

Cascada Limón, Charutos de Outros Aromas

O dia seguinte amanhece radiante. Deixamos o hotel às oito num camião descapotável que começou por compor a sua lotação com passageiros provindos de outros hotéis à beira-mar e de paragens distantes e em breve frígidas do mundo: canadianos, franceses, alemães, americanos, entre outros.

Logo, seguimos caminho por terrinhas e terreolas verdejantes e pitorescas da península de Samaná. Como é da praxe ocorrer nestes tours, a empresa tinha uma paragem programada numa loja local, no caso de charutos. Tratava-se da Las Ballenas, situada em El Cruce. Descemos. Atravessamos a estrada após darmos passagem a dois jovens surgidos do fundo da estrada a galope sobre cavalos enfezados.

Entramos. Sentimos de imediato o cheiro disseminado a tabaco natural, com laivos dos vários aromas em que os charutos ali eram fabricados: mango, baunilha, conhaque e outros. Um cigarrero que trabalha à mão detrás de um pequeno balcão concentra as atenções.

Atrai um grupo curioso de espectadores que segue as suas mãos atarefadas a cortar e enrolar as folhas de tabaco até chegar a outro dos charutos artesanais que deram nome à marca. E a outro. E a outro mais.

As distintas embalagens Las Ballenas cercam-nos. Numa pequena estação laboral à parte, um artesão mais novo munido de um velho ferro de engomar e vestido com uma t-shirt de basquete dos Oklahoma City Thunder, trata de as aumentar. Abordamo-lo e inteiramo-nos melhor do seu ofício.

Funcionário na loja de charutos Las Ballenas, Península de Samaná, República Dominicana

Eduardo Cancu engoma embalagens de charutos Las Ballenas.

Com receio de inutilizar as embalagens que estava incumbido de finalizar, Eduardo Cancu mal tira os olhos do ferro. Mesmo assim, dá-nos corda suficiente para percebermos que processa umas boas centenas por dia. E que, “graças a Deus, não é aquela a única tarefa que leva a cabo na empresa”.

Regressamos todos ao camião e ao modo de viagem. Por meros 2km, os mesmos que dali distava o Rancho Limón de onde era suposto partirmos rumo à queda d’água homónima.

Mal descemos de volta ao solo, damos de caras com uma pequena multidão expectante de dominicanos da zona, cada qual a segurar o seu cavalo. Chegam mais forasteiros. Um responsável pela operação de lhes dar montada, chama os conterrâneos segundo um qualquer critério.

Aos poucos, os estrangeiros são convidados a montar o cavalo atribuído e seguem floresta adentro guiados pelos seus escudeiros apeados.

Guias de passeios a cavalo, Cascada Limón, Península Samaná, República Dominicana

Guias de passeios a cavalo aguardam clientes para os levar à Cascada Limón.

Não somos dos primeiros a receber cavalo, nem nada que se pareça. Para compensar, os guias que nos calham são jovens, divertidos e inconscientes. Momentos depois de partirmos, já nos incitam a puxarmos pelo trote do cavalo. Por eles, poderíamos até ter cumprido o percurso a galope, ao que não será de todo alheio o facto de um deles se chamar Gerónimo.

Só que o percurso era pedregoso, irregular e lamacento, pouco convidativo a grandes coboiadas. Mesmo assim, conquistamos a dianteira num ápice.

Já na derradeira descida sinuosa para a cascata, passamos por uma vaca perdida que espreitava toda esta acção com ar desconfiado do meio da floresta tropical. Ora, ao desmontarmos já com vista para a cascada Limón, sem percebermos nem como nem porquê, essa ou outra vaca quase igual, nadava em pânico, às voltas, dentro da lagoa da queda d’água.

Vaca ensopada, Cascada Limón, Península de Samaná, República Dominicana

Vaca assustada deixa a lagoa da Cascada Limón, na Península de Samaná.

A vaca dá mais duas voltas, percebe que só há saída pelo lado em que os humanos assistem, incrédulos, à natação que praticava e resigna-se. Por fim, deixa a lagoa, atabalhoada e descontrolada. Obriga-nos a todos a nos refugiarmos da sua imprevisível trajectória. Quando a maior parte dos passageiros do camião ali se juntaram, já o animal se havia sumido.

Devido à falta de chuva nas semanas prévias, a Cascada Limón exibia um caudal contido. Assim sendo, o protagonismo passou quase directamente do bovídeo para duas araras que empresários oportunistas para ali levaram para ganharem uns pesos de cada vez que alguém cedia à atracção cromática e instagramica de com elas se fotografar.

Visitante com arara, Cascada Limón, Península de Samaná, República Dominicana

Visitante da Cascada Limón segura uma arara azul.

Vaca fora, humanos dentro. A lagoa não tardou a encher-se de banhistas desejosos de se refrescarem do calor húmido e clorofilino da floresta tropical. Também lá mergulhamos e descontraímos por algum tempo. Após o que regressamos à cavalgada, desta feita, encosta acima.

Constatamos que a maior parte dos pseudo-jóqueis tinham-se detido numa pequena venda de artesanato e comidas no cimo da rampa. Desmontamos para a investigarmos e comprarmos a água de garrafa que já nos escasseava. Um vendedor ouve-nos tagarelar.

Mesmo se falávamos o nosso habitual português original, não o brasileiro, reconhece a língua. “Portugueses? A minha banca é boa para vocês! Ninguém vende tão barato. Mais barato só no Pingo Doce!”, atira, divertido.

Tratando-se da República Dominicana, um destino há muito em promoção em Portugal, não nos espantava por aí além que um cibao do interior rural de Hispaniola estivesse a par dos slogans publicitários dos supermercados lusos.

Incursão a Los Haitises, a “Terra das Montanhas” Dominicana

Havia algum tempo que cirandávamos pela península de Samaná, da costa norte ao interior ranchero. Decorridos três dias, estava na hora de nos fazermos à sua baía. De Las Terrenas viajamos na diagonal para o litoral sul da península, rumo à cidade portuária de Samaná.

Entramos numa lancha de perfil piscatório. Em três tempos, zarpamos do molhe para a baía em frente à cidade. Navegamos sob a Puente Peatonal de Cayo Samaná. Pouco depois, encaramos uma floresta cerrada com uma concentração incrível de coqueiros estendidos da beira-mar até ao cimo da encosta.

Seguimos a favor da ondulação pelo que, sem tráfico marítimo que o condicionasse, o barco avança estabilizado, a grande velocidade e na diagonal, de um lado ao outro da baía.

Meia hora depois, vislumbramos a colónia de outeiros arredondados e florestados com entre 30 a 50 metros – lomitas, assim lhes chamam os dominicanos – que sinaliza a entrada da Bahia de San Lorenzo e o acesso ao Parque Nacional Los Haitises, mais para o interior.

À medida que nos embrenhamos no parque passamos por algumas destas lomitas independentizadas. Umas, surgem sós, outras, em duos ou trios que parecem flutuar sobre o mar.

Barco Boca de Tiburón, Los Haitises

Barco entra na Boca de Tiburon de Los Haitises

Conhecedores destes domínios labirínticos, o timoneiro e o guia levam-nos directos a uma gruta conhecida por Boca de Tiburón, o interior oco de um haiti (montanha no dialecto tribal Taíno) a que não tardamos a nos entregar.

Devagar, devagarinho, ancoram o barco na praia oculta no interior da gruta. Desembarcamos para o areal ensopado e inspeccionamos o cenário invertido na sua moldura de calcário esculpida pelo tempo.

De regresso aos Haitises solarengos, apontamos ao Cayo de los Pájaros, uma formação rochosa coroada de vegetação e que, mesmo aquela distância, víamos sobrevoada por dezenas de aves.

Fragatas, Cayo de Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana

Fragatas sobrevoam o Cayo de Los Pájaros, em Los Haitises.

Aproximamo-nos mais um pouco. O suficiente para apreciarmos os voos peculiares das fragatas que nos remetiam para o imaginário pré-histórico de bandos conflituosos de pterossauros. E, em oito ou nove fragatas macho, em particular, os corações escarlates que possuem sob o papo e que fazem inflar para conquistarem as fêmeas para acasalamento.

Fragata macho, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana

Fragata macho junto ao Cayo de Los Pájaros em Los Haitises.

Alguns abutres que pairavam no mesmo espaço aéreo acima do ilhéu verdejante quebravam a exclusividade das fragatas sem desrespeitarem a uniformidade da negrura que salpicava o céu azulão.

Do Haiti avícola do Cayo de los Pájaros, zarpamos para outra das várias grutas do parque, recheada de pictogramas e petróglifos ali legados pelos ancestrais dos indígenas Taínos encontrados por Cristovão Colombo e seus homens nestas paragens.

Guia em gruta, Los Haitises, República Dominicana

Guia sob uma abertura de uma das muitas grutas de Los Haitises.

De maneira a evitar a profanação deste património, as autoridades mantêm guardas no pequeno-ancoradouro que dá acesso à gruta. Um deles descansa sentado numa cadeira. Traja boné e t-shirt cinzentos, calças verde tropa e galochas. Sobre a barriga e o peito, mantém uma caçadeira de canos-serrados, pronta para o que desse e viesse.

Daquela gruta, navegamos para uma das zonas de manguezal do parque. Percorremos um canal delimitado pelas raízes anfíbias destas árvores até que damos com nova doca.

Embarcação em Los Haitises, República Dominicana

Barco prestes a deixar o manguezal que envolve a Cueva de la Línea, Los Haitises.

Estávamos à entrada da Cueva de la Línea, uma outra gruta patrulhada por morcegos e guarnecida com mais inscrições pictográficas. Também esta conta com uma abertura natural que exibe o verde resplandecente da floresta acima.

Uns visitantes atrás dos outros fazem-se fotografar naquele meio submundo. Até que uma inesperada sobrepopulação da caverna os obriga a todos a debandar. Percorremos o mesmo canal de manguezal.

Entretanto, voltamos ao mar recolhido de Los Haitises e à Bahia bem mais aberta de San Lorenzo. Cumprimos o regresso para o porto de Samaná contra o vento, com o barco sempre aos saltos sobre pequenas vagas. Bem menores que as que constatámos resistirem na volta às praias de Las Terrenas.

PN Henri Pittier, Venezuela

PN Henri Pittier: entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou
Ilha Margarita ao PN Mochima, Venezuela

Ilha Margarita ao Parque Nacional Mochima: um Caribe bem Caribenho

A exploração do litoral venezuelano justifica uma festa náutica de arromba. Mas, estas paragens também nos revelam a vida em florestas de cactos e águas tão verdes como a selva tropical de Mochima.
Guadalupe, Antilhas Francesas

Guadalupe: Um Caribe Delicioso, em Contra-Efeito Borboleta

Guadalupe tem a forma de uma mariposa. Basta uma volta por esta Antilha para perceber porque a população se rege pelo mote Pas Ni Problem e levanta o mínimo de ondas, apesar das muitas contrariedades.
Cartagena de Índias, Colômbia

A Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".
Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
planicie sagrada, Bagan, Myanmar
Arquitectura & Design
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Cerimónias e Festividades
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
A Crucificação em Helsínquia
Cidades
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Cultura
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Em Viagem
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
ocupação Tibete pela China, Tecto do Mundo, As forças ocupantes
Étnico
Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete.
luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Capacete capilar
História
Viti Levu, Fiji

Canibalismo e Cabelo, Velhos Passatempos de Viti Levu, ilhas Fiji

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.
Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
Ilhas
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Natureza
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Viajante acima da lagoa gelada de Jökursarlón, Islândia
Parques Naturais
Lagoa Jökursarlón, Glaciar Vatnajökull, Islândia

Já Vacila o Glaciar Rei da Europa

Só na Gronelândia e na Antárctica se encontram geleiras comparáveis ao Vatnajökull, o glaciar supremo do velho continente. E no entanto, até este colosso que dá mais sentido ao termo Terra do Gelo se está a render ao cerco inexorável do aquecimento global.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Património Mundial UNESCO
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Fila Vietnamita
Praias

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

Kirkjubour, Streymoy, Ilhas Faroé
Religião
Kirkjubour, Streymoy, Ilhas Faroé

Onde o Cristianismo Faroense deu à Costa

A um mero ano do primeiro milénio, um missionário viquingue de nome Sigmundur Brestisson levou a fé cristã às ilhas Faroé. Kirkjubour, tornou-se o porto de abrigo e sede episcopal da nova religião.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Casamentos em Jaffa, Israel,
Sociedade
Jaffa, Israel

Onde Assenta a Telavive Sempre em Festa

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Glaciar Meares
Vida Selvagem
Prince William Sound, Alasca

Viagem por um Alasca Glacial

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do Alasca. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.