Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos


Sob os céus do Cayo Los Pájaros
Timoneiro na popa de barco, junto ao Cayo Los Pájaros de Los Haitises.
Ancoradouro escuro
Barco entra na Boca de Tiburon de Los Haitises
Cayo de Los Pájaros
Fragatas sobrevoam o Cayo de Los Pájaros, em Los Haitises.
Uma Espera (des) Comunal
Guias de passeios a cavalo aguardam clientes para os levar à Cascada Limón.
Puro exibicionismo
Fragata macho junto ao Cayo Los Pájaros em Los Haitises.
Vaca Ensopada
Vaca assustada deixa a lagoa da Cascada Limón, na Península de Samaná.
O Pouso do dono
Arara sobre tratador em frente à Cascata Limón, na Península de Samaná.
Luz desse dia
Abertura numa das muitas grutas de los Haitises, ao largo da Península de Samaná.
O último golo
Casal na beira-mar de uma praia de Las Terrenas, na Península de Samaná.
Vaca perdida
Vaca na selva, junto à Cascada Limón, Península de Samaná.
Lida da casa Las Ballenas
Eduardo Cancu engoma embalagens de charutos Las Ballenas.
Ao sol
Guia sob uma abertura de uma das muitas grutas de Los Haitises.
Currucupaco
Visitante da Cascada Limón segura uma arara azul.
Cueva de La Línea para trás
Barco prestes a deixar o manguezal que envolve a Cueva de la Línea, Los Haitises.
Península de Prata
Banhistas na beira-mar de Las Terrenas na Península de Samaná
No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.

O Caribe Revolto de Las Terrenas

Estamos a chegar ao fim de Setembro.

A época oficial de furações das Caraíbas vai a meio. Temos tido sorte. As tempestades que por esta altura se formavam para leste do Atlântico flectiam para norte.

Dias mais tarde, uma delas, a Lorenzo, fortalecida até furacão de categoria 5, desafiou qualquer lógica do clima. Avançou Atlântico do Norte acima e fustigou os Açores. Ainda teve energia para atormentar o litoral da Irlanda e da Grã-Bretanha.

Também a beira-mar caribenha de Las Terrenas que nos acolhia mostrava uma face distinta da solarenga turquesa-esmeralda que atraía veraneantes de outras partes do mundo em catadupa.

Agitado por uma tal de tempestade tropical Karen que curvou abruptamente para norte ao passar para lá das pequenas Antilhas, o mar escurecido e revolto estendia-se em vagas vigorosas e espumosas até à base dos coqueiros e ao limiar do areal já de si encurtado.

Praia de Las Terrenas, Península de Samaná, República Dominicana

Banhistas na beira-mar de Las Terrenas na Península de Samaná

Para frustração adicional dos banhistas, por esses dias, os nadadores-salvadores dos hotéis ao largo erguiam a bandeira vermelha e seguiam instruções para lhes proibirem a entrada na água, mesmo que fosse para meros mergulhos refrescantes. Sobravam as piscinas de ladrilhos luzentes e águas doces. Não era a mesma coisa. Nem ao que ali tinham ido.

Decidimos caminhar para fora do seu raio de acção. Umas centenas de metros para leste, a entrada no mar era menos profunda e problemática. Percebemos que não existiam correntes, apenas o movimento normal e controlável das vagas, tão habitual nas nossas praias portuguesas. Divertimo-nos a enfrentá-las e delas apanharmos boleias, até vermos a copa dos coqueiros bem acima das cabeças.

Retomamos a caminhada. Ao nos aproximarmos de uma tal de Punta Bonita da Península de Samaná, apercebemo-nos que parte dos empreendimentos – os mais expostos ao mar – ainda não tinham recuperado os danos de furacões ou tempestades da época passada.

E como os caprichos do clima tornavam voláteis investimentos feitos a pensar sobretudo na longa bonança caribenha de Dezembro a Maio, quando aquele mesmo litoral e os do Caribe em geral assumem os seus visuais de mar, céu e vegetação luxuriante imaculados.

Cascada Limón, Charutos de Outros Aromas

O dia seguinte amanhece radiante. Deixamos o hotel às oito num camião descapotável que começou por compor a sua lotação com passageiros provindos de outros hotéis à beira-mar e de paragens distantes e em breve frígidas do mundo: canadianos, franceses, alemães, americanos, entre outros.

Logo, seguimos caminho por terrinhas e terreolas verdejantes e pitorescas da península de Samaná. Como é da praxe ocorrer nestes tours, a empresa tinha uma paragem programada numa loja local, no caso de charutos. Tratava-se da Las Ballenas, situada em El Cruce. Descemos. Atravessamos a estrada após darmos passagem a dois jovens surgidos do fundo da estrada a galope sobre cavalos enfezados.

Entramos. Sentimos de imediato o cheiro disseminado a tabaco natural, com laivos dos vários aromas em que os charutos ali eram fabricados: mango, baunilha, conhaque e outros. Um cigarrero que trabalha à mão detrás de um pequeno balcão concentra as atenções.

Atrai um grupo curioso de espectadores que segue as suas mãos atarefadas a cortar e enrolar as folhas de tabaco até chegar a outro dos charutos artesanais que deram nome à marca. E a outro. E a outro mais.

As distintas embalagens Las Ballenas cercam-nos. Numa pequena estação laboral à parte, um artesão mais novo munido de um velho ferro de engomar e vestido com uma t-shirt de basquete dos Oklahoma City Thunder, trata de as aumentar. Abordamo-lo e inteiramo-nos melhor do seu ofício.

Funcionário na loja de charutos Las Ballenas, Península de Samaná, República Dominicana

Eduardo Cancu engoma embalagens de charutos Las Ballenas.

Com receio de inutilizar as embalagens que estava incumbido de finalizar, Eduardo Cancu mal tira os olhos do ferro. Mesmo assim, dá-nos corda suficiente para percebermos que processa umas boas centenas por dia. E que, “graças a Deus, não é aquela a única tarefa que leva a cabo na empresa”.

Regressamos todos ao camião e ao modo de viagem. Por meros 2km, os mesmos que dali distava o Rancho Limón de onde era suposto partirmos rumo à queda d’água homónima.

Mal descemos de volta ao solo, damos de caras com uma pequena multidão expectante de dominicanos da zona, cada qual a segurar o seu cavalo. Chegam mais forasteiros. Um responsável pela operação de lhes dar montada, chama os conterrâneos segundo um qualquer critério.

Aos poucos, os estrangeiros são convidados a montar o cavalo atribuído e seguem floresta adentro guiados pelos seus escudeiros apeados.

Guias de passeios a cavalo, Cascada Limón, Península Samaná, República Dominicana

Guias de passeios a cavalo aguardam clientes para os levar à Cascada Limón.

Não somos dos primeiros a receber cavalo, nem nada que se pareça. Para compensar, os guias que nos calham são jovens, divertidos e inconscientes. Momentos depois de partirmos, já nos incitam a puxarmos pelo trote do cavalo. Por eles, poderíamos até ter cumprido o percurso a galope, ao que não será de todo alheio o facto de um deles se chamar Gerónimo.

Só que o percurso era pedregoso, irregular e lamacento, pouco convidativo a grandes coboiadas. Mesmo assim, conquistamos a dianteira num ápice.

Já na derradeira descida sinuosa para a cascata, passamos por uma vaca perdida que espreitava toda esta acção com ar desconfiado do meio da floresta tropical. Ora, ao desmontarmos já com vista para a cascada Limón, sem percebermos nem como nem porquê, essa ou outra vaca quase igual, nadava em pânico, às voltas, dentro da lagoa da queda d’água.

Vaca ensopada, Cascada Limón, Península de Samaná, República Dominicana

Vaca assustada deixa a lagoa da Cascada Limón, na Península de Samaná.

A vaca dá mais duas voltas, percebe que só há saída pelo lado em que os humanos assistem, incrédulos, à natação que praticava e resigna-se. Por fim, deixa a lagoa, atabalhoada e descontrolada. Obriga-nos a todos a nos refugiarmos da sua imprevisível trajectória. Quando a maior parte dos passageiros do camião ali se juntaram, já o animal se havia sumido.

Devido à falta de chuva nas semanas prévias, a Cascada Limón exibia um caudal contido. Assim sendo, o protagonismo passou quase directamente do bovídeo para duas araras que empresários oportunistas para ali levaram para ganharem uns pesos de cada vez que alguém cedia à atracção cromática e instagramica de com elas se fotografar.

Visitante com arara, Cascada Limón, Península de Samaná, República Dominicana

Visitante da Cascada Limón segura uma arara azul.

Vaca fora, humanos dentro. A lagoa não tardou a encher-se de banhistas desejosos de se refrescarem do calor húmido e clorofilino da floresta tropical. Também lá mergulhamos e descontraímos por algum tempo. Após o que regressamos à cavalgada, desta feita, encosta acima.

Constatamos que a maior parte dos pseudo-jóqueis tinham-se detido numa pequena venda de artesanato e comidas no cimo da rampa. Desmontamos para a investigarmos e comprarmos a água de garrafa que já nos escasseava. Um vendedor ouve-nos tagarelar.

Mesmo se falávamos o nosso habitual português original, não o brasileiro, reconhece a língua. “Portugueses? A minha banca é boa para vocês! Ninguém vende tão barato. Mais barato só no Pingo Doce!”, atira, divertido.

Tratando-se da República Dominicana, um destino há muito em promoção em Portugal, não nos espantava por aí além que um cibao do interior rural de Hispaniola estivesse a par dos slogans publicitários dos supermercados lusos.

Incursão a Los Haitises, a “Terra das Montanhas” Dominicana

Havia algum tempo que cirandávamos pela península de Samaná, da costa norte ao interior ranchero. Decorridos três dias, estava na hora de nos fazermos à sua baía. De Las Terrenas viajamos na diagonal para o litoral sul da península, rumo à cidade portuária de Samaná.

Entramos numa lancha de perfil piscatório. Em três tempos, zarpamos do molhe para a baía em frente à cidade. Navegamos sob a Puente Peatonal de Cayo Samaná. Pouco depois, encaramos uma floresta cerrada com uma concentração incrível de coqueiros estendidos da beira-mar até ao cimo da encosta.

Seguimos a favor da ondulação pelo que, sem tráfico marítimo que o condicionasse, o barco avança estabilizado, a grande velocidade e na diagonal, de um lado ao outro da baía.

Meia hora depois, vislumbramos a colónia de outeiros arredondados e florestados com entre 30 a 50 metros – lomitas, assim lhes chamam os dominicanos – que sinaliza a entrada da Bahia de San Lorenzo e o acesso ao Parque Nacional Los Haitises, mais para o interior.

À medida que nos embrenhamos no parque passamos por algumas destas lomitas independentizadas. Umas, surgem sós, outras, em duos ou trios que parecem flutuar sobre o mar.

Barco Boca de Tiburón, Los Haitises

Barco entra na Boca de Tiburon de Los Haitises

Conhecedores destes domínios labirínticos, o timoneiro e o guia levam-nos directos a uma gruta conhecida por Boca de Tiburón, o interior oco de um haiti (montanha no dialecto tribal Taíno) a que não tardamos a nos entregar.

Devagar, devagarinho, ancoram o barco na praia oculta no interior da gruta. Desembarcamos para o areal ensopado e inspeccionamos o cenário invertido na sua moldura de calcário esculpida pelo tempo.

De regresso aos Haitises solarengos, apontamos ao Cayo de los Pájaros, uma formação rochosa coroada de vegetação e que, mesmo aquela distância, víamos sobrevoada por dezenas de aves.

Fragatas, Cayo de Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana

Fragatas sobrevoam o Cayo de Los Pájaros, em Los Haitises.

Aproximamo-nos mais um pouco. O suficiente para apreciarmos os voos peculiares das fragatas que nos remetiam para o imaginário pré-histórico de bandos conflituosos de pterossauros. E, em oito ou nove fragatas macho, em particular, os corações escarlates que possuem sob o papo e que fazem inflar para conquistarem as fêmeas para acasalamento.

Fragata macho, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana

Fragata macho junto ao Cayo de Los Pájaros em Los Haitises.

Alguns abutres que pairavam no mesmo espaço aéreo acima do ilhéu verdejante quebravam a exclusividade das fragatas sem desrespeitarem a uniformidade da negrura que salpicava o céu azulão.

Do Haiti avícola do Cayo de los Pájaros, zarpamos para outra das várias grutas do parque, recheada de pictogramas e petróglifos ali legados pelos ancestrais dos indígenas Taínos encontrados por Cristovão Colombo e seus homens nestas paragens.

Guia em gruta, Los Haitises, República Dominicana

Guia sob uma abertura de uma das muitas grutas de Los Haitises.

De maneira a evitar a profanação deste património, as autoridades mantêm guardas no pequeno-ancoradouro que dá acesso à gruta. Um deles descansa sentado numa cadeira. Traja boné e t-shirt cinzentos, calças verde tropa e galochas. Sobre a barriga e o peito, mantém uma caçadeira de canos-serrados, pronta para o que desse e viesse.

Daquela gruta, navegamos para uma das zonas de manguezal do parque. Percorremos um canal delimitado pelas raízes anfíbias destas árvores até que damos com nova doca.

Embarcação em Los Haitises, República Dominicana

Barco prestes a deixar o manguezal que envolve a Cueva de la Línea, Los Haitises.

Estávamos à entrada da Cueva de la Línea, uma outra gruta patrulhada por morcegos e guarnecida com mais inscrições pictográficas. Também esta conta com uma abertura natural que exibe o verde resplandecente da floresta acima.

Uns visitantes atrás dos outros fazem-se fotografar naquele meio submundo. Até que uma inesperada sobrepopulação da caverna os obriga a todos a debandar. Percorremos o mesmo canal de manguezal.

Entretanto, voltamos ao mar recolhido de Los Haitises e à Bahia bem mais aberta de San Lorenzo. Cumprimos o regresso para o porto de Samaná contra o vento, com o barco sempre aos saltos sobre pequenas vagas. Bem menores que as que constatámos resistirem na volta às praias de Las Terrenas.

PN Henri Pittier, Venezuela

PN Henri Pittier: entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou
Ilha Margarita ao PN Mochima, Venezuela

Ilha Margarita ao Parque Nacional Mochima: um Caribe bem Caribenho

A exploração do litoral venezuelano justifica uma festa náutica de arromba. Mas, estas paragens também nos revelam a vida em florestas de cactos e águas tão verdes como a selva tropical de Mochima.
Guadalupe, Antilhas Francesas

Guadalupe: Um Caribe Delicioso, em Contra-Efeito Borboleta

Guadalupe tem a forma de uma mariposa. Basta uma volta por esta Antilha para perceber porque a população se rege pelo mote Pas Ni Problem e levanta o mínimo de ondas, apesar das muitas contrariedades.
Cartagena de Índias, Colômbia

A Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".

Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.  

Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Parques nacionais
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Aventura
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Cerimónias e Festividades
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Cores e sombras
Cidades

Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.

Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Parada e Pompa
Cultura
São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Em Viagem
Chefchouen a Merzouga, Marrocos

Marrocos de Cima a Baixo

Das ruelas anis de Chefchaouen às primeiras dunas do Saara revelam-se, em Marrocos, os contrastes bem marcados das primeiras terras africanas, como sempre encarou a Ibéria este vasto reino magrebino.
Desfile de nativos-mericanos, Pow Pow, Albuquerque, Novo México, Estados Unidos
Étnico
Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o pow wow "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Cidade dourada
História
Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.
Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico
Ilhas
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

El Nido, Palawan a Ultima Fronteira Filipina
Natureza
El Nido, Filipinas

El Nido, Palawan: A Última Fronteira Filipina

Um dos cenários marítimos mais fascinantes do Mundo, a vastidão de ilhéus escarpados de Bacuit esconde recifes de coral garridos, pequenas praias e lagoas idílicas. Para a descobrir, basta uma bangka.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

bandeira argentina no lago-glaciar perito moreno-argentina
Parques Naturais
Perito Moreno, Argentina

O Glaciar Que Resiste

O aquecimento é supostamente global mas não chega a todo o lado. Na Patagónia, alguns rios de gelo resistem.De tempos a tempos, o avanço do Perito Moreno provoca derrocadas que fazem parar a Argentina
Património Mundial UNESCO
Glaciares

Planeta Azul-Gelado

Formam-se nas grandes latitudes e/ou altitudes. No Alasca ou na Nova Zelândia, na Argentina ou no Chile, os rios de gelo são sempre visões impressionantes de uma Terra tão frígida quanto inóspita.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Personagens
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Vista da Casa Iguana, Corn islands, puro caribe, nicaragua
Praias
Corn Islands-Ilhas do Milho, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands ou Ilhas do Milho, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.
Promessa?
Religião
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

No coração amarelo de San Cristóbal
Sociedade

San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.

Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Crocodilos, Queensland Tropical Australia Selvagem
Vida Selvagem
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.