Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos


Sob os céus do Cayo Los Pájaros
Timoneiro na popa de barco, junto ao Cayo Los Pájaros de Los Haitises.
Ancoradouro escuro
Barco entra na Boca de Tiburon de Los Haitises
Cayo de Los Pájaros
Fragatas sobrevoam o Cayo de Los Pájaros, em Los Haitises.
Uma Espera (des) Comunal
Guias de passeios a cavalo aguardam clientes para os levar à Cascada Limón.
Puro exibicionismo
Fragata macho junto ao Cayo Los Pájaros em Los Haitises.
Vaca Ensopada
Vaca assustada deixa a lagoa da Cascada Limón, na Península de Samaná.
O Pouso do dono
Arara sobre tratador em frente à Cascata Limón, na Península de Samaná.
Luz desse dia
Abertura numa das muitas grutas de los Haitises, ao largo da Península de Samaná.
O último golo
Casal na beira-mar de uma praia de Las Terrenas, na Península de Samaná.
Vaca perdida
Vaca na selva, junto à Cascada Limón, Península de Samaná.
Lida da casa Las Ballenas
Eduardo Cancu engoma embalagens de charutos Las Ballenas.
Ao sol
Guia sob uma abertura de uma das muitas grutas de Los Haitises.
Currucupaco
Visitante da Cascada Limón segura uma arara azul.
Cueva de La Línea para trás
Barco prestes a deixar o manguezal que envolve a Cueva de la Línea, Los Haitises.
Península de Prata
Banhistas na beira-mar de Las Terrenas na Península de Samaná
No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.

O Caribe Revolto de Las Terrenas

Estamos a chegar ao fim de Setembro.

A época oficial de furações das Caraíbas vai a meio. Temos tido sorte. As tempestades que por esta altura se formavam para leste do Atlântico flectiam para norte.

Dias mais tarde, uma delas, a Lorenzo, fortalecida até furacão de categoria 5, desafiou qualquer lógica do clima. Avançou Atlântico do Norte acima e fustigou os Açores. Ainda teve energia para atormentar o litoral da Irlanda e da Grã-Bretanha.

Também a beira-mar caribenha de Las Terrenas que nos acolhia mostrava uma face distinta da solarenga turquesa-esmeralda que atraía veraneantes de outras partes do mundo em catadupa.

Agitado por uma tal de tempestade tropical Karen que curvou abruptamente para norte ao passar para lá das pequenas Antilhas, o mar escurecido e revolto estendia-se em vagas vigorosas e espumosas até à base dos coqueiros e ao limiar do areal já de si encurtado.

Praia de Las Terrenas, Península de Samaná, República Dominicana

Banhistas na beira-mar de Las Terrenas na Península de Samaná

Para frustração adicional dos banhistas, por esses dias, os nadadores-salvadores dos hotéis ao largo erguiam a bandeira vermelha e seguiam instruções para lhes proibirem a entrada na água, mesmo que fosse para meros mergulhos refrescantes. Sobravam as piscinas de ladrilhos luzentes e águas doces. Não era a mesma coisa. Nem ao que ali tinham ido.

Decidimos caminhar para fora do seu raio de acção. Umas centenas de metros para leste, a entrada no mar era menos profunda e problemática. Percebemos que não existiam correntes, apenas o movimento normal e controlável das vagas, tão habitual nas nossas praias portuguesas. Divertimo-nos a enfrentá-las e delas apanharmos boleias, até vermos a copa dos coqueiros bem acima das cabeças.

Retomamos a caminhada. Ao nos aproximarmos de uma tal de Punta Bonita da Península de Samaná, apercebemo-nos que parte dos empreendimentos – os mais expostos ao mar – ainda não tinham recuperado os danos de furacões ou tempestades da época passada.

E como os caprichos do clima tornavam voláteis investimentos feitos a pensar sobretudo na longa bonança caribenha de Dezembro a Maio, quando aquele mesmo litoral e os do Caribe em geral assumem os seus visuais de mar, céu e vegetação luxuriante imaculados.

Cascada Limón, Charutos de Outros Aromas

O dia seguinte amanhece radiante. Deixamos o hotel às oito num camião descapotável que começou por compor a sua lotação com passageiros provindos de outros hotéis à beira-mar e de paragens distantes e em breve frígidas do mundo: canadianos, franceses, alemães, americanos, entre outros.

Logo, seguimos caminho por terrinhas e terreolas verdejantes e pitorescas da península de Samaná. Como é da praxe ocorrer nestes tours, a empresa tinha uma paragem programada numa loja local, no caso de charutos. Tratava-se da Las Ballenas, situada em El Cruce. Descemos. Atravessamos a estrada após darmos passagem a dois jovens surgidos do fundo da estrada a galope sobre cavalos enfezados.

Entramos. Sentimos de imediato o cheiro disseminado a tabaco natural, com laivos dos vários aromas em que os charutos ali eram fabricados: mango, baunilha, conhaque e outros. Um cigarrero que trabalha à mão detrás de um pequeno balcão concentra as atenções.

Atrai um grupo curioso de espectadores que segue as suas mãos atarefadas a cortar e enrolar as folhas de tabaco até chegar a outro dos charutos artesanais que deram nome à marca. E a outro. E a outro mais.

As distintas embalagens Las Ballenas cercam-nos. Numa pequena estação laboral à parte, um artesão mais novo munido de um velho ferro de engomar e vestido com uma t-shirt de basquete dos Oklahoma City Thunder, trata de as aumentar. Abordamo-lo e inteiramo-nos melhor do seu ofício.

Funcionário na loja de charutos Las Ballenas, Península de Samaná, República Dominicana

Eduardo Cancu engoma embalagens de charutos Las Ballenas.

Com receio de inutilizar as embalagens que estava incumbido de finalizar, Eduardo Cancu mal tira os olhos do ferro. Mesmo assim, dá-nos corda suficiente para percebermos que processa umas boas centenas por dia. E que, “graças a Deus, não é aquela a única tarefa que leva a cabo na empresa”.

Regressamos todos ao camião e ao modo de viagem. Por meros 2km, os mesmos que dali distava o Rancho Limón de onde era suposto partirmos rumo à queda d’água homónima.

Mal descemos de volta ao solo, damos de caras com uma pequena multidão expectante de dominicanos da zona, cada qual a segurar o seu cavalo. Chegam mais forasteiros. Um responsável pela operação de lhes dar montada, chama os conterrâneos segundo um qualquer critério.

Aos poucos, os estrangeiros são convidados a montar o cavalo atribuído e seguem floresta adentro guiados pelos seus escudeiros apeados.

Guias de passeios a cavalo, Cascada Limón, Península Samaná, República Dominicana

Guias de passeios a cavalo aguardam clientes para os levar à Cascada Limón.

Não somos dos primeiros a receber cavalo, nem nada que se pareça. Para compensar, os guias que nos calham são jovens, divertidos e inconscientes. Momentos depois de partirmos, já nos incitam a puxarmos pelo trote do cavalo. Por eles, poderíamos até ter cumprido o percurso a galope, ao que não será de todo alheio o facto de um deles se chamar Gerónimo.

Só que o percurso era pedregoso, irregular e lamacento, pouco convidativo a grandes coboiadas. Mesmo assim, conquistamos a dianteira num ápice.

Já na derradeira descida sinuosa para a cascata, passamos por uma vaca perdida que espreitava toda esta acção com ar desconfiado do meio da floresta tropical. Ora, ao desmontarmos já com vista para a cascada Limón, sem percebermos nem como nem porquê, essa ou outra vaca quase igual, nadava em pânico, às voltas, dentro da lagoa da queda d’água.

Vaca ensopada, Cascada Limón, Península de Samaná, República Dominicana

Vaca assustada deixa a lagoa da Cascada Limón, na Península de Samaná.

A vaca dá mais duas voltas, percebe que só há saída pelo lado em que os humanos assistem, incrédulos, à natação que praticava e resigna-se. Por fim, deixa a lagoa, atabalhoada e descontrolada. Obriga-nos a todos a nos refugiarmos da sua imprevisível trajectória. Quando a maior parte dos passageiros do camião ali se juntaram, já o animal se havia sumido.

Devido à falta de chuva nas semanas prévias, a Cascada Limón exibia um caudal contido. Assim sendo, o protagonismo passou quase directamente do bovídeo para duas araras que empresários oportunistas para ali levaram para ganharem uns pesos de cada vez que alguém cedia à atracção cromática e instagramica de com elas se fotografar.

Visitante com arara, Cascada Limón, Península de Samaná, República Dominicana

Visitante da Cascada Limón segura uma arara azul.

Vaca fora, humanos dentro. A lagoa não tardou a encher-se de banhistas desejosos de se refrescarem do calor húmido e clorofilino da floresta tropical. Também lá mergulhamos e descontraímos por algum tempo. Após o que regressamos à cavalgada, desta feita, encosta acima.

Constatamos que a maior parte dos pseudo-jóqueis tinham-se detido numa pequena venda de artesanato e comidas no cimo da rampa. Desmontamos para a investigarmos e comprarmos a água de garrafa que já nos escasseava. Um vendedor ouve-nos tagarelar.

Mesmo se falávamos o nosso habitual português original, não o brasileiro, reconhece a língua. “Portugueses? A minha banca é boa para vocês! Ninguém vende tão barato. Mais barato só no Pingo Doce!”, atira, divertido.

Tratando-se da República Dominicana, um destino há muito em promoção em Portugal, não nos espantava por aí além que um cibao do interior rural de Hispaniola estivesse a par dos slogans publicitários dos supermercados lusos.

Incursão a Los Haitises, a “Terra das Montanhas” Dominicana

Havia algum tempo que cirandávamos pela península de Samaná, da costa norte ao interior ranchero. Decorridos três dias, estava na hora de nos fazermos à sua baía. De Las Terrenas viajamos na diagonal para o litoral sul da península, rumo à cidade portuária de Samaná.

Entramos numa lancha de perfil piscatório. Em três tempos, zarpamos do molhe para a baía em frente à cidade. Navegamos sob a Puente Peatonal de Cayo Samaná. Pouco depois, encaramos uma floresta cerrada com uma concentração incrível de coqueiros estendidos da beira-mar até ao cimo da encosta.

Seguimos a favor da ondulação pelo que, sem tráfico marítimo que o condicionasse, o barco avança estabilizado, a grande velocidade e na diagonal, de um lado ao outro da baía.

Meia hora depois, vislumbramos a colónia de outeiros arredondados e florestados com entre 30 a 50 metros – lomitas, assim lhes chamam os dominicanos – que sinaliza a entrada da Bahia de San Lorenzo e o acesso ao Parque Nacional Los Haitises, mais para o interior.

À medida que nos embrenhamos no parque passamos por algumas destas lomitas independentizadas. Umas, surgem sós, outras, em duos ou trios que parecem flutuar sobre o mar.

Barco Boca de Tiburón, Los Haitises

Barco entra na Boca de Tiburon de Los Haitises

Conhecedores destes domínios labirínticos, o timoneiro e o guia levam-nos directos a uma gruta conhecida por Boca de Tiburón, o interior oco de um haiti (montanha no dialecto tribal Taíno) a que não tardamos a nos entregar.

Devagar, devagarinho, ancoram o barco na praia oculta no interior da gruta. Desembarcamos para o areal ensopado e inspeccionamos o cenário invertido na sua moldura de calcário esculpida pelo tempo.

De regresso aos Haitises solarengos, apontamos ao Cayo de los Pájaros, uma formação rochosa coroada de vegetação e que, mesmo aquela distância, víamos sobrevoada por dezenas de aves.

Fragatas, Cayo de Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana

Fragatas sobrevoam o Cayo de Los Pájaros, em Los Haitises.

Aproximamo-nos mais um pouco. O suficiente para apreciarmos os voos peculiares das fragatas que nos remetiam para o imaginário pré-histórico de bandos conflituosos de pterossauros. E, em oito ou nove fragatas macho, em particular, os corações escarlates que possuem sob o papo e que fazem inflar para conquistarem as fêmeas para acasalamento.

Fragata macho, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana

Fragata macho junto ao Cayo de Los Pájaros em Los Haitises.

Alguns abutres que pairavam no mesmo espaço aéreo acima do ilhéu verdejante quebravam a exclusividade das fragatas sem desrespeitarem a uniformidade da negrura que salpicava o céu azulão.

Do Haiti avícola do Cayo de los Pájaros, zarpamos para outra das várias grutas do parque, recheada de pictogramas e petróglifos ali legados pelos ancestrais dos indígenas Taínos encontrados por Cristovão Colombo e seus homens nestas paragens.

Guia em gruta, Los Haitises, República Dominicana

Guia sob uma abertura de uma das muitas grutas de Los Haitises.

De maneira a evitar a profanação deste património, as autoridades mantêm guardas no pequeno-ancoradouro que dá acesso à gruta. Um deles descansa sentado numa cadeira. Traja boné e t-shirt cinzentos, calças verde tropa e galochas. Sobre a barriga e o peito, mantém uma caçadeira de canos-serrados, pronta para o que desse e viesse.

Daquela gruta, navegamos para uma das zonas de manguezal do parque. Percorremos um canal delimitado pelas raízes anfíbias destas árvores até que damos com nova doca.

Embarcação em Los Haitises, República Dominicana

Barco prestes a deixar o manguezal que envolve a Cueva de la Línea, Los Haitises.

Estávamos à entrada da Cueva de la Línea, uma outra gruta patrulhada por morcegos e guarnecida com mais inscrições pictográficas. Também esta conta com uma abertura natural que exibe o verde resplandecente da floresta acima.

Uns visitantes atrás dos outros fazem-se fotografar naquele meio submundo. Até que uma inesperada sobrepopulação da caverna os obriga a todos a debandar. Percorremos o mesmo canal de manguezal.

Entretanto, voltamos ao mar recolhido de Los Haitises e à Bahia bem mais aberta de San Lorenzo. Cumprimos o regresso para o porto de Samaná contra o vento, com o barco sempre aos saltos sobre pequenas vagas. Bem menores que as que constatámos resistirem na volta às praias de Las Terrenas.

PN Henri Pittier, Venezuela

PN Henri Pittier: entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou
Ilha Margarita ao PN Mochima, Venezuela

Ilha Margarita ao Parque Nacional Mochima: um Caribe bem Caribenho

A exploração do litoral venezuelano justifica uma festa náutica de arromba. Mas, estas paragens também nos revelam a vida em florestas de cactos e águas tão verdes como a selva tropical de Mochima.
Guadalupe, Antilhas Francesas

Guadalupe: Um Caribe Delicioso, em Contra-Efeito Borboleta

Guadalupe tem a forma de uma mariposa. Basta uma volta por esta Antilha para perceber porque a população se rege pelo mote Pas Ni Problem e levanta o mínimo de ondas, apesar das muitas contrariedades.
Cartagena de Índias, Colômbia

A Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".

Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.  

Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
PN Tortuguero, Costa Rica, barco público
Parque Nacional
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
Tombolo e Punta Catedral, Parque Nacional Manuel António, Costa Rica
Parques nacionais
PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
planicie sagrada, Bagan, Myanmar
Arquitectura & Design
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Aventura
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Cerimónias e Festividades
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Cidade de Mindelo, São Vicente, Cabo Verde
Cidades
São Vicente, Cabo Verde

O Milagre de São Vicente

Uma volta a esta ilha revela uma aridez tão deslumbrante como inóspita. Contra todas as probabilidades, por um capricho da história, São Vicente viu o Mindelo prosperar como a segunda cidade mais populosa de Cabo Verde e a sua indisputada capital cultural.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Tombola, bingo de rua-Campeche, Mexico
Cultura
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Em Viagem
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Tatooine na Terra
Étnico
Matmata, Tataouine:  Tunísia

A Base Terrestre da Guerra das Estrelas

Por razões de segurança, o planeta Tatooine de "O Despertar da Força" foi filmado em Abu Dhabi. Recuamos no calendário cósmico e revisitamos alguns dos lugares tunisinos com mais impacto na saga.  
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
ilha de Alcatraz, Califórnia, Estados Unidos
História
Alcatraz, São Francisco, E.U.A.

De Volta ao Rochedo

Quarenta anos passados sobre o fim da sua pena, a ex-prisão de Alcatraz recebe mais visitas que nunca. Alguns minutos da sua reclusão explicam porque o imaginário do The Rock arrepiava os piores criminosos.
Windward Side, Saba, Caraíbas Holandesas, Holanda
Ilhas
Saba, Holanda

A Misteriosa Rainha Holandesa de Saba

Com meros 13km2, Saba passa despercebida até aos mais viajados. Aos poucos, acima e abaixo das suas incontáveis encostas, desvendamos esta Pequena Antilha luxuriante, confim tropical, tecto montanhoso e vulcânico da mais rasa nação europeia.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Natureza
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Mulher atacamenha, Vida nos limites, Deserto Atacama, Chile
Parques Naturais
Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites do Deserto de Atacama

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.
Abastecimento
Património Mundial UNESCO

PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.

Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Magníficos Dias Atlânticos
Praias
Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.
Chiang Khong a Luang prabang, Laos, Pelo Mekong Abaixo
Religião
Chiang Khong - Luang Prabang, Laos

Barco Lento, Rio Mekong Abaixo

A beleza do Laos e o custo mais baixo são boa razões para navegar entre Chiang Khong e Luang Prabang. Mas esta longa descida do rio Mekong pode ser tão desgastante quanto pitoresca.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Erika Mae
Sociedade
Filipinas

Os Donos da Estrada Filipina

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Devils Marbles, Alice Springs a Darwin, Stuart hwy, Caminho do Top End
Vida Selvagem
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.