PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário


Wilderness Wolves
Jukka Nordman e um dos seus huskies.
Husky
Um dos mais de 200 cães de dog sled de Era Susi.
Mais Combustível
Era Susi traz mais lenha para junto da fogueira.
Reconforto
Era Susi acende fogueira de aquecimento em pleno PN Oulanka.
Juhla
Um pacote de Jukla Mokka. O café estimula milhões de finlandeses a reagir à falta de luz e de Sol.
Café de fogo
Pormenor da fogueira acesa por Era Susi próximo do rio Oulankajokki.
Hora do café
Jukka Nordman serve café acabado de ferver.
Apelo por mais caminhada
Husky reclama o dono Era Susi.
Desembrulhada
Era Susi prende os seus cães para uma pausa na caminhada pelo Parque Nacional Oulanka.
Ave da Oportunidade
Gaio Siberiano mantem-se de olho em oportunidades alimentares, durante um pequeno churrasco na neve.
A Reboque
Jukka Era Susi Nordman caminha puxado por um dos seus huskies.
Uma Equipa Ansiosa
Cães aguardam o recomeço da marcha durante um trecho de dog sled.
Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.

O pequeno-almoço robusto e bem quente de papa de aveia deixa-nos aconchegados para novo dia boreal. Uma viagem sobre estradas semi-nevadas em redor de Kuusamo leva-nos ao Centro de Visitantes do Parque Nacional Oulanka.

O normal, por estas paragens, no início do Inverno, é sermos recebidos por gente com trajes sintéticos sofisticados que os protegem da frigidez que se apodera dos cenários. Também surgem equipados com a mais recente tecnologia de telecomunicações, nem sempre de produção nacional, para mal das finanças e auto-estima finlandesas.

Era Susi: uma Personagem Singular da Lapónia Finlandesa

Quando nos deparamos com Era Susi, a excepção salta de tal maneira à vista que nos chega a inquietar.

Vemos pela frente um espécime humano de baixa estatura, algo raro para a população suomi. Longas barbas castanho-claras ligeiramente grisalhas pendem-lhe da face rosada de que se destacam olhos de um azul profundo.

As barbas fundem-se com uma gola e colarinho quase da mesma cor e roçam numa camisola de pele integral que faz conjunto com calças já gastas e luvas amarelo-torradas.

A vestimenta vem toda na mesma matéria-prima de origem animal e confecção artesanal. Remete para uma espécie de estilo Crocodile Dundee do árctico. Percebemos que o modelo a usa há muito tempo. Que nela se sente confortável e integrado na Natureza que nos rodeia.

Originário do sul, desde cedo que “Susi” se sentiu confortável na taiga do norte da Finlândia. Ali instalou o seu modo de vida favorito que interrompe apenas para uma outra visita a Helsínquia ou Turku, ou ao estrangeiro.

“Olá, eu sou o Jukka Nordman, mais conhecido por Wolf, sejam bem-vindos. Estive a ver como evoluía o tempo e… começou a nevar a sério tarde demais. Só vai chegar para um passeio a pé mas puxados pelos cães. E, por falar neles, estes são o Miska e a Funny, os vossos motores. Como podem ver, estão desejosos de correr. Vamos embora?“

Jukka Nordman cumpria nesse mesmo dia os seus 51 anos de idade. Só tínhamos que lhe fazer todas as vontades.

Caminhada a Reboque de Huskies Endiabrados

Wolf passa-nos dois arneses para as mãos. Colocamo-los e o dono atrela-nos aos seus huskies. Miska é um líder alasquense, Funny é siberiana. À vontade no cenário florestado e polvilhado de branco mas destacados das habituais equipas de oito ou dez outros cães, a dupla arranca tresloucada caminho fora.

Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia

Jukka Era Susi Nordman caminha puxado por um dos seus huskies.

O percurso começa por se revelar plano ou a subir o que nos ajuda a controlar o seu ímpeto mas as primeiras descidas não tardam. Nas mais íngremes, perdemos a tracção. Somos forçados a correr e a patinar para evitarmos quedas eminentes e trechos a reboque mas espojados no chão gélido.

Avançamos desta forma trôpega por alguns quilómetros ao longo do rio Oulanka que, por sua vez, serpenteia pelo parque nacional a que deu nome. Vencida uma distância considerável, Wolf rejubila por termos todos os membros intactos e constata a desadequação das botas que usávamos.

Pausa para Café, Fogueira e Adoração do PN Oulanka

Aproveita e dita uma pausa já merecida para descanso e reaquecimento. Instalamo-nos numa clareira humilde, cercados de faias enregeladas e a pouca distância do caudal fluvial azulado.

Ali, sob a vigilância ansiosa de vários gaios da Sibéria, apressa-se a trazer cavacos de lenha de uma cabana próxima e prepara uma fogueira piramidal que acende em três tempos. Instantes depois, já tem uma cafeteira chamuscada ao lume.

Era Susi com lenha, Oulanka, Finlandia

Era Susi traz mais lenha para junto da fogueira.

Despeja parte de um saco de Paulig Juhla Mokka que abre com uma faca até então enfiada num coldre pendurado das calças.

“Café está bem para vocês?”, pergunta-nos. “Cá na Finlândia bebemos em quantidades industriais. Sabem como é. Há pouca luz, metade do ano faz frio a sério, nós próprios não somos lá muito expansivos. Com o café lá vamos mantendo o ânimo mais elevado.”

Cafeteira ao lume, Oulanka, Finlandia

Pormenor da fogueira acesa por Era Susi próximo do rio Oulankajokki.

O fumegar vaporoso da cafeteira indicia um ponto de quase ebulição. Wolf dá-nos canecas com visual e textura orgânica, serve-nos a bebida escura e espessa, passa-nos o açúcar e sandes de salmão.

Também nos prenda com salsichas que espetamos em varas para as assarmos no fogo, um dos rituais de convívio ao ar livre incontornáveis da Lapónia.

A partir dos ramos mais próximos, os gaios ganham confiança e aventuram-se em incursões calculadas sobre pedaços de pão oferecidos ou extraviados. Susi também recompensa os três canídeos pelo seu empenho.

Gaio da sibéria, Oulanka, Finlandia

Gaio Siberiano mantem-se de olho em oportunidades alimentares, durante um pequeno churrasco na neve.

A Enorme Matilha do Wilderness Wolf

São mais de duzentos e cinquenta os cães que Jukka Nordman e a sua parceira Mirja Pyysiainen criam em três bases distintas, com o covil principal no Parque Oulanka, a apenas dois quilómetros da fronteira com a Rússia. Por ano, só de Novembro a Abril, o casal leva mais de 5000 visitantes a passear nos seus trenós.

Wolf diz-nos que sabem os nomes de todos os cães e que os conseguem reconhecer pelos seus visuais e pelos uivos. “Mas, na realidade, o seu carácter tem mais importância que os nomes.

“É o que determina onde os colocamos nas equipas que puxam os trenós.” Continuamos a falar dos cães, por largo tempo, polvilhados por flocos de neve flutuantes que entretanto haviam começado a cair.

Iditarod e Afins: uma Conversa Deliciosa sobre o Dog Sledding do Mundo

Falamos-lhe de experiências nossas de dog sledding em Ushuaia e em diferentes partes do Alasca e os olhos do criador-tratador brilham ainda mais. “Mas esses são os meus grandes rivais!”

Era Susi e caes, Oulanka, Finlandia

Era Susi prende os seus cães para uma pausa na caminhada pelo Parque Nacional Oulanka.

Encontro-os quando participamos nas maiores provas internacionais. Já ouviram falar na Iditarod, certo? “ Já tínhamos ouvido e de que maneira.

“Pois eu participo com os meus melhores cães de trenó. Mas são competições duríssimas. E, no Alasca, cruzam os huskies e outras raças com lobos. Em Ushuaia, a última moda é cruzarem-nas com dingos australianos. Dão origem a cães de trenó incríveis, os mais rápidos de todos! “

O Glutão, a Perda da Carélia Finlandesa e o Respeito pela Rússia e os Russos

À imagem dos flocos de neve cada vez mais abundantes, a conversa flui e deriva.

Confessamos-lhe que nos fascina há muito um animal  da tundra em particular, o glutão. Wolf compreende a nossa admiração e professa-nos a sua. “É um animal realmente incrível. Se os conhecem sabem por certo que podem matar dezenas de renas só numa noite.

Arrancam-lhes os olhos e mordem-lhes os tendões de Aquiles até ficarem muito feridas. Depois, perseguem-nas o tempo que for necessário e acabam por comer as que conseguem. Os criadores de renas odeiam-nos. E não há lobo ou urso que os consiga derrotar”.

Ocaso, PN Oulanka, Finlândia

Ocaso sobre o Parque Nacional Oulanka.

Voltamos a falar da Iditarod e Wolf confessa-nos ainda que se considera um privilegiado. Já viajou por uns 25 países. “Gosto muito da Rússia. Ao contrário de muitos finlandeses que preferem cultivar o ressentimento pela perda de parte da Carélia no fim da 2ª Guerra Mundial, tenho até muita admiração por eles.

“A Rússia tem as suas particularidades burocráticas, chamemos-lhe assim. Eu vejo-as como uma boa maneira de o país se proteger dos ricos e ambiciosos.

São Petersburgo é uma cidade cultural incrível. Moscovo é mais uma espécie de grande aldeia. Têm que lá ir o quanto antes.”

Não demorou muito. No ano seguinte fizemos uma longa viagem pelo lado de lá da fronteira e descobrimos ambas as cidades e a maior parte da Carélia agora russa, infelizmente não a zona remota do parque Panajarvi que se prolonga para lá dos limites orientais do Oulanka.

Também regressámos à Finlândia, em pleno Inverno. Em Rokua – nos arredores de Oulu – como por todo país, a neve era já muito mais abundante. Voltámos andar rebocados por cães de trenó.

Matilha de cães de trenó, Oulanka, Finlandia

Cães aguardam o recomeço da marcha durante um trecho de dog sled.

Não tardámos a perceber que até ali, a centenas de quilómetros do quartel-general de Oulanka, os cães de trenó que nos puxavam eram do grande Era Susi.

Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum "Barco do Amor". Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Ilha Hailuoto, Finlândia

À pesca do verdadeiro peixe fresco

Abrigados de pressões sociais indesejadas, os ilhéus de Hailuoto sabem sustentar-se. Sob o mar gelado de Bótnia capturam ingredientes preciosos para os restaurantes de Oulu, na Finlândia continental.
Inari, Finlândia

O Parlamento Babel da Nação Sami

A Nação sami integra quatro países, que ingerem nas vidas dos seus povos. No parlamento de Inari, em vários dialectos, os sami governam-se como podem.
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. O imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Parques nacionais
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Indígena Coroado
Cerimónias e Festividades
Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes da Venezuela em Fiesta

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.
Canal de Lazer
Cidades
Amesterdão, Holanda

Numa Holanda Surreal (Sempre a Mudar de Canal)

Liberal no que a drogas e sexo diz respeito, Amesterdão acolhe uma multidão de forasteiros. Entre canais, bicicletas, coffee shops e montras de bordéis, procuramos, em vão, pelo seu lado mais pacato.
Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Noiva entra para carro, casamento tradicional, templo Meiji, Tóquio, Japão
Cultura
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Vista do John Ford Point, Monument Valley, Nacao Navajo, Estados Unidos
Em Viagem
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Transbordo
Étnico

Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Champagne Beach, Espiritu Santo, Vanuatu
História
Espiritu Santo, Vanuatu

Divina Melanésia

Pedro Fernandes de Queirós pensava ter descoberto a Terra Australis. A colónia que propôs nunca se chegou a concretizar. Hoje, Espiritu Santo, a maior ilha de Vanuatu, é uma espécie de Éden.
Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Ilhas
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Praia Islandesa
Natureza

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Parques Naturais
Glaciares

Planeta Azul-Gelado

Formam-se nas grandes latitudes e/ou altitudes. No Alasca ou na Nova Zelândia, na Argentina ou no Chile, os rios de gelo são sempre visões impressionantes de uma Terra tão frígida quanto inóspita.
Via Conflituosa
Património Mundial UNESCO
Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem a Via Dolorosa, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Mme Moline popinée
Praias

Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.

Hinduismo Balinês, Lombok, Indonésia, templo Batu Bolong, vulcão Agung em fundo
Religião
Lombok, Indonésia

Lombok: Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito
Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Dia da Austrália, Perth, bandeira australiana
Sociedade
Perth, Austrália

Dia da Austrália: em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.
manada, febre aftosa, carne fraca, colonia pellegrini, argentina
Vida Quotidiana
Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Vida Selvagem
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.