PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário


Wilderness Wolves
Jukka Nordman e um dos seus huskies.
Husky
Um dos mais de 200 cães de dog sled de Era Susi.
Mais Combustível
Era Susi traz mais lenha para junto da fogueira.
Reconforto
Era Susi acende fogueira de aquecimento em pleno PN Oulanka.
Juhla
Um pacote de Jukla Mokka. O café estimula milhões de finlandeses a reagir à falta de luz e de Sol.
Café de fogo
Pormenor da fogueira acesa por Era Susi próximo do rio Oulankajokki.
Hora do café
Jukka Nordman serve café acabado de ferver.
Apelo por mais caminhada
Husky reclama o dono Era Susi.
Desembrulhada
Era Susi prende os seus cães para uma pausa na caminhada pelo Parque Nacional Oulanka.
Ave da Oportunidade
Gaio Siberiano mantem-se de olho em oportunidades alimentares, durante um pequeno churrasco na neve.
A Reboque
Jukka Era Susi Nordman caminha puxado por um dos seus huskies.
Uma Equipa Ansiosa
Cães aguardam o recomeço da marcha durante um trecho de dog sled.
Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.

O pequeno-almoço robusto e bem quente de papa de aveia deixa-nos aconchegados para novo dia boreal. Uma viagem sobre estradas semi-nevadas em redor de Kuusamo leva-nos ao Centro de Visitantes do Parque Nacional Oulanka.

O normal, por estas paragens, no início do Inverno, é sermos recebidos por gente com trajes sintéticos sofisticados que os protegem da frigidez que se apodera dos cenários. Também surgem equipados com a mais recente tecnologia de telecomunicações, nem sempre de produção nacional, para mal das finanças e auto-estima finlandesas.

Era Susi: uma Personagem Singular da Lapónia Finlandesa

Quando nos deparamos com Era Susi, a excepção salta de tal maneira à vista que nos chega a inquietar.

Vemos pela frente um espécime humano de baixa estatura, algo raro para a população suomi. Longas barbas castanho-claras ligeiramente grisalhas pendem-lhe da face rosada de que se destacam olhos de um azul profundo.

As barbas fundem-se com uma gola e colarinho quase da mesma cor e roçam numa camisola de pele integral que faz conjunto com calças já gastas e luvas amarelo-torradas.

A vestimenta vem toda na mesma matéria-prima de origem animal e confecção artesanal. Remete para uma espécie de estilo Crocodile Dundee do árctico. Percebemos que o modelo a usa há muito tempo. Que nela se sente confortável e integrado na Natureza que nos rodeia.

Originário do sul, desde cedo que “Susi” se sentiu confortável na taiga do norte da Finlândia. Ali instalou o seu modo de vida favorito que interrompe apenas para uma outra visita a Helsínquia ou Turku, ou ao estrangeiro.

“Olá, eu sou o Jukka Nordman, mais conhecido por Wolf, sejam bem-vindos. Estive a ver como evoluía o tempo e… começou a nevar a sério tarde demais. Só vai chegar para um passeio a pé mas puxados pelos cães. E, por falar neles, estes são o Miska e a Funny, os vossos motores. Como podem ver, estão desejosos de correr. Vamos embora?“

Jukka Nordman cumpria nesse mesmo dia os seus 51 anos de idade. Só tínhamos que lhe fazer todas as vontades.

Caminhada a Reboque de Huskies Endiabrados

Wolf passa-nos dois arneses para as mãos. Colocamo-los e o dono atrela-nos aos seus huskies. Miska é um líder alasquense, Funny é siberiana. À vontade no cenário florestado e polvilhado de branco mas destacados das habituais equipas de oito ou dez outros cães, a dupla arranca tresloucada caminho fora.

Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia

Jukka Era Susi Nordman caminha puxado por um dos seus huskies.

O percurso começa por se revelar plano ou a subir o que nos ajuda a controlar o seu ímpeto mas as primeiras descidas não tardam. Nas mais íngremes, perdemos a tracção. Somos forçados a correr e a patinar para evitarmos quedas eminentes e trechos a reboque mas espojados no chão gélido.

Avançamos desta forma trôpega por alguns quilómetros ao longo do rio Oulanka que, por sua vez, serpenteia pelo parque nacional a que deu nome. Vencida uma distância considerável, Wolf rejubila por termos todos os membros intactos e constata a desadequação das botas que usávamos.

Pausa para Café, Fogueira e Adoração do PN Oulanka

Aproveita e dita uma pausa já merecida para descanso e reaquecimento. Instalamo-nos numa clareira humilde, cercados de faias enregeladas e a pouca distância do caudal fluvial azulado.

Ali, sob a vigilância ansiosa de vários gaios da Sibéria, apressa-se a trazer cavacos de lenha de uma cabana próxima e prepara uma fogueira piramidal que acende em três tempos. Instantes depois, já tem uma cafeteira chamuscada ao lume.

Era Susi com lenha, Oulanka, Finlandia

Era Susi traz mais lenha para junto da fogueira.

Despeja parte de um saco de Paulig Juhla Mokka que abre com uma faca até então enfiada num coldre pendurado das calças.

“Café está bem para vocês?”, pergunta-nos. “Cá na Finlândia bebemos em quantidades industriais. Sabem como é. Há pouca luz, metade do ano faz frio a sério, nós próprios não somos lá muito expansivos. Com o café lá vamos mantendo o ânimo mais elevado.”

Cafeteira ao lume, Oulanka, Finlandia

Pormenor da fogueira acesa por Era Susi próximo do rio Oulankajokki.

O fumegar vaporoso da cafeteira indicia um ponto de quase ebulição. Wolf dá-nos canecas com visual e textura orgânica, serve-nos a bebida escura e espessa, passa-nos o açúcar e sandes de salmão.

Também nos prenda com salsichas que espetamos em varas para as assarmos no fogo, um dos rituais de convívio ao ar livre incontornáveis da Lapónia.

A partir dos ramos mais próximos, os gaios ganham confiança e aventuram-se em incursões calculadas sobre pedaços de pão oferecidos ou extraviados. Susi também recompensa os três canídeos pelo seu empenho.

Gaio da sibéria, Oulanka, Finlandia

Gaio Siberiano mantem-se de olho em oportunidades alimentares, durante um pequeno churrasco na neve.

A Enorme Matilha do Wilderness Wolf

São mais de duzentos e cinquenta os cães que Jukka Nordman e a sua parceira Mirja Pyysiainen criam em três bases distintas, com o covil principal no Parque Oulanka, a apenas dois quilómetros da fronteira com a Rússia. Por ano, só de Novembro a Abril, o casal leva mais de 5000 visitantes a passear nos seus trenós.

Wolf diz-nos que sabem os nomes de todos os cães e que os conseguem reconhecer pelos seus visuais e pelos uivos. “Mas, na realidade, o seu carácter tem mais importância que os nomes.

“É o que determina onde os colocamos nas equipas que puxam os trenós.” Continuamos a falar dos cães, por largo tempo, polvilhados por flocos de neve flutuantes que entretanto haviam começado a cair.

Iditarod e Afins: uma Conversa Deliciosa sobre o Dog Sledding do Mundo

Falamos-lhe de experiências nossas de dog sledding em Ushuaia e em diferentes partes do Alasca e os olhos do criador-tratador brilham ainda mais. “Mas esses são os meus grandes rivais!”

Era Susi e caes, Oulanka, Finlandia

Era Susi prende os seus cães para uma pausa na caminhada pelo Parque Nacional Oulanka.

Encontro-os quando participamos nas maiores provas internacionais. Já ouviram falar na Iditarod, certo? “ Já tínhamos ouvido e de que maneira.

“Pois eu participo com os meus melhores cães de trenó. Mas são competições duríssimas. E, no Alasca, cruzam os huskies e outras raças com lobos. Em Ushuaia, a última moda é cruzarem-nas com dingos australianos. Dão origem a cães de trenó incríveis, os mais rápidos de todos! “

O Glutão, a Perda da Carélia Finlandesa e o Respeito pela Rússia e os Russos

À imagem dos flocos de neve cada vez mais abundantes, a conversa flui e deriva.

Confessamos-lhe que nos fascina há muito um animal  da tundra em particular, o glutão. Wolf compreende a nossa admiração e professa-nos a sua. “É um animal realmente incrível. Se os conhecem sabem por certo que podem matar dezenas de renas só numa noite.

Arrancam-lhes os olhos e mordem-lhes os tendões de Aquiles até ficarem muito feridas. Depois, perseguem-nas o tempo que for necessário e acabam por comer as que conseguem. Os criadores de renas odeiam-nos. E não há lobo ou urso que os consiga derrotar”.

Ocaso, PN Oulanka, Finlândia

Ocaso sobre o Parque Nacional Oulanka.

Voltamos a falar da Iditarod e Wolf confessa-nos ainda que se considera um privilegiado. Já viajou por uns 25 países. “Gosto muito da Rússia. Ao contrário de muitos finlandeses que preferem cultivar o ressentimento pela perda de parte da Carélia no fim da 2ª Guerra Mundial, tenho até muita admiração por eles.

“A Rússia tem as suas particularidades burocráticas, chamemos-lhe assim. Eu vejo-as como uma boa maneira de o país se proteger dos ricos e ambiciosos.

São Petersburgo é uma cidade cultural incrível. Moscovo é mais uma espécie de grande aldeia. Têm que lá ir o quanto antes.”

Não demorou muito. No ano seguinte fizemos uma longa viagem pelo lado de lá da fronteira e descobrimos ambas as cidades e a maior parte da Carélia agora russa, infelizmente não a zona remota do parque Panajarvi que se prolonga para lá dos limites orientais do Oulanka.

Também regressámos à Finlândia, em pleno Inverno. Em Rokua – nos arredores de Oulu – como por todo país, a neve era já muito mais abundante. Voltámos andar rebocados por cães de trenó.

Matilha de cães de trenó, Oulanka, Finlandia

Cães aguardam o recomeço da marcha durante um trecho de dog sled.

Não tardámos a perceber que até ali, a centenas de quilómetros do quartel-general de Oulanka, os cães de trenó que nos puxavam eram do grande Era Susi.

Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum "Barco do Amor". Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Ilha Hailuoto, Finlândia

À pesca do verdadeiro peixe fresco

Abrigados de pressões sociais indesejadas, os ilhéus de Hailuoto sabem sustentar-se. Sob o mar gelado de Bótnia capturam ingredientes preciosos para os restaurantes de Oulu, na Finlândia continental.
Inari, Finlândia

O Parlamento Babel da Nação Sami

A Nação sami integra quatro países, que ingerem nas vidas dos seus povos. No parlamento de Inari, em vários dialectos, os sami governam-se como podem.
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. O imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
PN Tortuguero, Costa Rica, barco público
Parque Nacional
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
Tombolo e Punta Catedral, Parque Nacional Manuel António, Costa Rica
Parques nacionais
PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Desfile de nativos-mericanos, Pow Pow, Albuquerque, Novo México, Estados Unidos
Cerimónias e Festividades
Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o pow wow "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.
Lençóis da Bahia, Diamantes Eternos, Brasil
Cidades
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Capacete capilar
Cultura
Viti Levu, Fiji

Canibalismo e Cabelo, Velhos Passatempos de Viti Levu, ilhas Fiji

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Twelve Apostles, Great Ocean Road, Victoria, Austrália
Em Viagem
Great Ocean Road, Austrália

Oceano Fora, pelo Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
Dunas da ilha de Bazaruto, Moçambique
Étnico
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Composição sobre Nine Arches Bridge, Ella, Sri Lanka
História
PN Yala-Ella-Kandy, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
Caldeirão da Ilha do Corvo, Açores,
Ilhas
Corvo, Açores

O Abrigo Atlântico Inverosímil da Ilha do Corvo

17 km2 de vulcão afundado numa caldeira verdejante. Uma povoação solitária assente numa fajã. Quatrocentas e trinta almas aconchegadas pela pequenez da sua terra e pelo vislumbre da vizinha Flores. Bem-vindo à mais destemida das ilhas açorianas.
Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Península Banks, Akaroa, Canterbury, Nova Zelândia
Natureza
Península de Banks, Nova Zelândia

O Estilhaço de Terra Divinal da Península de Banks

Vista do ar, a mais óbvia protuberância da costa leste da Ilha do Sul parece ter implodido vezes sem conta. Vulcânica mas verdejante e bucólica, a Península de Banks confina na sua geomorfologia de quase roda-dentada a essência da sempre invejável vida neozelandesa.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Rio Matukituki, Nova Zelândia
Parques Naturais
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.
muralha da fortaleza de Novgorod e da Catedral Ortodoxa de Santa Sofia, Rússia
Património Mundial UNESCO
Novgorod, Rússia

A Avó Viking da Mãe Rússia

Durante quase todo o século que passou, as autoridades da U.R.S.S. omitiram parte das origens do povo russo. Mas a história não deixa lugar para dúvidas. Muito antes da ascensão e supremacia dos czares e dos sovietes, os primeiros colonos escandinavos fundaram, em Novgorod, a sua poderosa nação.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.
Cargueiro Cabo Santa Maria, Ilha da Boa Vista, Cabo Verde, Sal, a Evocar o Sara
Praias
Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boavista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
igreja, nossa senhora, virgem, guadalupe, mexico
Religião
San Cristobal de las Casas a Campeche, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Nossa Senhora de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.
A Toy Train story
Sobre carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Dia da Austrália, Perth, bandeira australiana
Sociedade
Perth, Austrália

Dia da Austrália: em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Patrulha réptil
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.