Helsínquia, Finlândia

A Filha Suomi do Báltico


Paarautatieasema
Electrizado
Pouso Czar Alexandre II
A Catedral Ortodoxa
A Fachada da Estação
Os 3 Ferreiros
Helsinquiense algo Gótico
Quase Noite Báltica
Jean Sibelius
Soldado Agasalhado
A Catedral Subterrânea
Transeuntes e Passageiros
A Catedral no Cimo (versão diurna)
Mannerheim
Stockman
Os Tubos do Sibelius Park
Helsinquiense
A Catedral no Cimo de Helsínquia
Viagem com Vista
Várias cidades cresceram, emanciparam-se e prosperaram à beira deste mar interior do Norte. Helsínquia lá se destacou como a capital monumental da jovem nação finlandesa.

Relatórios como este valem o que valem. Helsínquia é porta de entrada do país considerado, nos anos de 2016 a 2023, o “Mais Feliz do Mundo”.

A meteorologia da cidade, para começar e, logo, a sobriedade dos helsinquienses geram, em qualquer visitante do sul da Europa ou dos trópicos, forte suspeição. Chegados do cimo da Finlândia para, por fim, dedicarmos alguns dias à capital, começamos por nos indignar com o tempo.

Em Inari, Oulu, Saariselka e Kuusamo, tínhamos apanhado entre -12 e -34º , bem suportados, até agradáveis, sob as diversas camadas de roupa e o afago de um sol árctico ou sub-árctico que insistia em nos estimular.

O Clima sempre Caprichoso de Helsínquia

Chegados a Helsínquia, estão 0º, ou um pouco menos. Sobras de nevões cobrem porções das ruas mais sombrias, as margens de lagos e parte da panóplia de monumentos criativos e sofisticados que adornam a cidade. Enfrentamos uma atmosfera ventosa e cinzenta, salpicada de neve que já cai no solo aguada.

A gente local, pouco dada a espanpanâncias, adepta de uma humildade elegante, abriga-se em vestes escuras.

Como é apanágio de urbes que enfrentam o mar, a meteorologia muta depressa. Um dia e meio depois, o sol reage à afronta. Daí em diante, a partir das dez e meia, onze da manhã, irrompe. Revela as verdadeiras cores da Stadi, ainda sem gerar risos ou sorrisos gratuitos nos transeuntes.

Cada povo tem o seu jeito de viver. Nesta que é a capital mais setentrional da União Europeia, como noutras de semelhante latitude, o clima inclemente tornou mais raro os momentos em que a felicidade, a euforia e a interacção vencem a sobriedade.

Uma Capital Luterana, Ortodoxa e de outras Fés

E, no entanto, com o sol, os tons de pastel reluzem. O branco, a cúpula verde e os retoques de dourado da Catedral luterana – o edifício icónico da cidade – brilham acima da linha de telhados.

Desafiam-na a catedral rival, a ortodoxa de Uspenski, feita de tijolos, comparável à moscovita de São Basílio, se lhe retirarmos os adornos quase Disney, mirabolantes.

Foi o imperador russo Alexandre I que, decretou, em 1814, um imposto sobre a importação de sal, destinado a subsidiar dois templos, um ortodoxo e um luterano.

Entre ambas, passamos pelo Palácio Presidencial. Um soldado solitário, elegante, resiste ao sacrifício, em frente à guarida, aconchegado sob um gorro de pelo árctico e numa gabardina corta-vento.

Detemo-nos para o fotografar e à sua sofrida dignidade.

Espartano, o militar quase não pestaneja.

Prosseguimos na direcção de outra catedral luterana famosa, a Temppeliaukio, de 1969, e bem mais recente que as congéneres.

Temppeliaukio exibe-nos uma arquitectura revolucionária.

Em vez de sobranceira, é subterrânea, com paredes de rocha e entulho, o altar instalado numa fenda glaciar da idade do gelo.

A sua acústica provou-se de tal maneira especial que recebe frequentes concertos e recitais.

Vista de cima, parece-nos uma lapa incrustada.

A Estação de Caminhos de Ferro Grandiosa e Emblemática

A terceira estrutura que detectamos elevada face aos telhados, é a torre da Estação Ferroviária Central.

Numa altura em que a Finlândia se preservava um Grande Ducado subordinado ao Império Russo, o Imperador Alexandre II reclamou que a cidade necessitava com urgência da sua Helsingin Päärautatieasema.

O czar lamentava-se que o território carecia de ligações entre o interior pejado de rios e lagos e o litoral do Mar Báltico.

O próprio lugar em que se encontra a estação era, à partida, leito marinho.

Carl Albert Edelfelt, um arquitecto sueco, foi incumbido de vários projectos distintos para a estação. As autoridades reprovaram um edifício em madeira, menos dispendioso, mas altamente combustível.

Validaram um dos seus projectos onerosos, com três andares e uma fachada de estilo neogótico e neo-renascentista, diz-se que inspirado na estação russa de Petergof.

Sobretudo sobre o lusco-fusco, sobressai da sua frente o duo de granito dos Portadores das Lanternas.

São guardiães de um resplendor misterioso e secular que seduz os transeuntes, diz-se que com corte de cabelo sugerido pelos membros de um movimento religioso luterano finlandês.

O “Despertar”, teve origem em duas províncias do centro e leste. Mais tarde, integrou o Luteranismo finlandês considerado corrente.

No século e pouco volvido, os guardiães validaram a chegada de centenas de milhares de junantuomat, traduzível como “trazidos pelo comboio”, os nascidos no campo imenso dos País dos Mil Lagos, que migraram para a capital.

Lapões, Samis, Karelianos, toda essa gente que fez aumentar a população de Helsínquia de 190.000, no início do século XX, para os actuais quase 680.000 habitantes.

Capital e única Metrópole da Finlândia

Este número e a confluência de etnias e de línguas, reforçada pelos milhares de expatriados atraídos pela qualidade de vida insuperável, fizeram de Helsínquia à única metrópole suómi.

O aumento continuo de helsinquienses nunca chegou a representar um aperto. Em média, habitam pouco mais de três mil pessoas por m2 da cidade. Em Lisboa, são quase 5.500 por m2.

Cidade do Báltico repleta de Ilhas

Quanto mais a percorremos, mais constatamos como a abundância de parques, florestas e vida vegetal noutras formas, compensa o pior da meteorologia.

Mas há mais. Helsínquia é ainda arejada por uma linha costeira com 130km, com centenas de ilhas e ilhéus ao largo, a salpicarem o Báltico.

Ocultam domínios díspares e surpreendentes, algumas, servidas por ferries públicos e empresas de tours, as restantes, ao alcance dos proprietários de embarcações.

Por motivos distintos, visitamos duas das mais importantes, Suomenlinna e Seurasaari, situadas em extremos opostos da área urbana.

Viajamos até à ainda enregelada Seuraasari. Em época de Semana Santa e Páscoa, lá acompanhamos uma celebração pagã.

A Inevitável Influência Sueca e Russa

Em Suomenlinna, exploramos a fortaleza erguida pela Suécia, no período em que a Finlândia estava sob o seu jugo, com o objectivo de reter a provável expansão do Império Russo, expansão que, como já assinalámos, se veio a verificar.

O ferry para Suomenlinna parte da marginal de Kauppatori, o mercado estrela de Helsínquia, lugar de confluência da comida e bebida tradicional suómi, bem como de artesanato.

Em Outubro, o Kauppatori acolhe ainda um dos mercados específicos mais antigos deste norte da Europa, o Mercado de Arenque do Báltico, realizado desde 1743.

O trajecto do ferry permite-nos admirar a frente histórica e arquitectónica de Helsínquia: o seu Porto Sul.

Completam-no docas alinhadas em frente de alguns dos prédios mais antigos e resplandecentes da cidade, edifícios que, com o afastamento do navio, observamos a devolver o protagonismo à Catedral Luterana sobranceira.

Por altura do terminal de cruzeiros Olympia, vemo-la de tal forma destacada que percebemos a estátua de bronze azinhavre em homenagem ao Imperador Alexandre II, “O Libertador”, a sua cabeça, um pouso predilecto das gaivotas.

Tendo estado tantos anos sob o jugo russo e sueco, vizinha desses ex-impérios, Helsínquia sofreu óbvias influências arquitectónicas e urbanísticas de Estocolmo e, ainda mais, de São Petersburgo, a Janela Russa para a Europa.

Helsínquia carece da expansão e grandiosidade de São Petersburgo, de praças e palácios imensos como o conjunto da Praça do Palácio e o Hermitage. E de réplicas palacianas de Versailles, casos dos Palácios de Peterhof e de Catarina.

A partir da independência de 1917, as autoridades focaram-se em erguer edifícios homenageantes do nacionalismo suómi, alinhados com o progressismo político-social decorrente da implantação da república.

Arquitectura e Design Há Muito Inspiradores

Instigados pelo clima austero, a urbanizar, construir, equipar e decorar sem mácula, os países nórdicos formaram alguns dos melhores urbanistas, arquitectos e decoradores do Mundo.

Sobretudo durante a década de 1950, mas também daí em diante, Helsínquia beneficiou do talento de arquitectos e designers finlandeses que, ainda por cima, surgiram aos pares e aos trios:

Alvaar, Aino e Elissa Alto, Eero e Eliel Saarinen, Eero Arnio, Lars Sonck e afins, autores de obras como a igreja de Temppeliaukio, a biblioteca Oodi, o Salão da Finlândia, o Ateneu, o Palácio de Vidro e o Museu de Arte Amos Rex, o Museu de Arte Contemporânea Kiasma e, tantos outros.

Só a arquitectura da cidade dar-nos-ia que fazer para mais de um mês. E ainda há o design, a que já dedicámos um anterior artigo.

Com menos tempo do que desejávamos, sacrificamos momentos de lazer em esplanadas e bares.

Em vez, cirandamos, a pé, de autocarro e a bordo dos eléctricos verdes-amarelos emblemáticos.

Em busca das obras criativas que distinguem Helsínquia das restantes grandes urbes bálticas:

o monumento em forma de órgão musical ao compositor Jean Sibelius, no Sibelius Park.

Logo, a estátua inusitada dos três ferreiros, um dos pontos de encontro favoritos dos helsiquienses.

Mais pelo sistema de aquecimento instalado sob a rua Aleksanterikatu que previne a neve e o gelo, mesmo quando fazem -10ºC, que pela companhia dos trabalhadores encalorados e nus.

Conflitos Europeus que deixaram Marcas

A estátua, da autoria de Felix Nylund, preserva danos causados por um bombardeamento durante a Guerra da Continuação (1941-1944) quando, num contexto complexo e ameaçador, a Finlândia se viu forçada a aliar-se com a Alemanha Nazi, contra a União Soviética que bombardeou posições Nazis em vésperas do início da Operação Barbarrossa.

Com a reviravolta no conflito e a supremacia Soviética, a Finlândia viu-se forçada a ceder em definitivo à U.R.S.S. três partes do seu território, o seu “braço direito” de Petsamo, a região de Salla e a Karélia finlandesa. Mesmo assim mutilada, a jovem nação suómi sobreviveu ao pior conflito de sempre.

Helsínquia, essa, sofreu os danos de 350 bombas soviéticas, cerca de 50 edifícios destruídos, 90 vítimas mortais. Uma destruição comedida, se tivermos em conta a que devassou boa parte da Europa e do Mundo.

Para felicidade dos muitos forasteiros que, como nós, a descobrimos e voltamos a descobrir.

Kemi, Finlândia

Não é Nenhum "Barco do Amor". Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Ilha Hailuoto, Finlândia

À Pesca do Verdadeiro Peixe Fresco

Abrigados de pressões sociais indesejadas, os ilhéus de Hailuoto sabem sustentar-se. Sob o mar gelado de Bótnia capturam ingredientes preciosos para os restaurantes de Oulu, na Finlândia continental.
Inari, Finlândia

O Parlamento Babel da Nação Sami

A Nação sami integra quatro países, que ingerem nas vidas dos seus povos. No parlamento de Inari, em vários dialectos, os sami governam-se como podem.
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Helsínquia, Finlândia

A Páscoa Pagã de Seurasaari

Em Helsínquia, o sábado santo também se celebra de uma forma gentia. Centenas de famílias reúnem-se numa ilha ao largo, em redor de fogueiras acesas para afugentar espíritos maléficos, bruxas e trolls
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. O imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Helsínquia, Finlândia

A Fortaleza em Tempos Sueca da Finlândia

Destacada num pequeno arquipélago à entrada de Helsínquia, Suomenlinna foi erguida por desígnios político-militares do reino sueco. Durante mais de um século, a Rússia deteve-a. Desde 1917, que o povo suómi a venera como o bastião histórico da sua espinhosa independência.
Porvoo, Finlândia

Uma Finlândia Medieval e Invernal

Uma das povoações anciãs da nação suómi, no início do século XIV, Porvoo era um entreposto ribeirinho atarefado e a sua terceira cidade. Com o tempo, Porvoo perdeu a importância comercial. Em troca, tornou-se um dos redutos históricos venerados da Finlândia.  
Oulu, Finlândia

Oulu: uma Ode ao Inverno

Situada no cimo nordeste do Golfo de Bótnia, Oulu é uma das cidades mais antigas da Finlândia e a sua capital setentrional. A meros 220km do Círculo Polar Árctico, até nos meses mais frígidos concede uma vida ao ar livre prodigiosa.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Safari
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Muktinath a Kagbeni, Circuito Annapurna, Nepal, Kagbeni
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 14º - Muktinath a Kagbeni, Nepal

Do Lado de Lá do Desfiladeiro

Após a travessia exigente de Thorong La, recuperamos na aldeia acolhedora de Muktinath. Na manhã seguinte, voltamos a descer. A caminho do antigo reino do Alto Mustang e da aldeia de Kagbeni que lhe serve de entrada.
Treasures, Las Vegas, Nevada, Cidade do Pecado e Perdao
Arquitectura & Design
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Cerimónias e Festividades
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Mesmo em tempos de paz, detectamos militares por todo o lado. A postos, nas cidades, cumprem missões rotineiras que requerem rigor e paciência.
Assuão, Egipto, rio Nilo encontra a África negra, ilha Elefantina
Cidades
Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Cabine Saphire, Purikura, Tóquio, Japão
Cultura
Tóquio, Japão

Fotografia Tipo-Passe à Japonesa

No fim da década de 80, duas multinacionais nipónicas já viam as fotocabines convencionais como peças de museu. Transformaram-nas em máquinas revolucionárias e o Japão rendeu-se ao fenómeno Purikura.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Sal Muito Grosso
Em Viagem
Salta e Jujuy, Argentina

Pelas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Étnico
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

O Terreno e o Celestial

Pitões das Júnias, Montalegre, Portugal
História
Montalegre, Portugal

Pelo Alto do Barroso, Cimo de Trás-os-Montes

Mudamo-nos das Terras de Bouro para as do Barroso. Com base em Montalegre, deambulamos à descoberta de Paredes do Rio, Tourém, Pitões das Júnias e o seu mosteiro, povoações deslumbrantes do cimo raiano de Portugal. Se é verdade que o Barroso já teve mais habitantes, visitantes não lhe deviam faltar.
Ilha Saona, República Dominicana, Piscina Playa Palmilla
Ilhas
Ilha Saona, República Dominicana

Uma Savona nas Antilhas

Durante a sua segunda viagem às Américas, Colombo desembarcou numa ilha exótica encantadora. Baptizou-a de Savona, em honra de Michele da Cuneo, marinheiro savonês que a percebeu destacada da grande Hispaniola. Hoje tratada por Saona, essa ilha é um dos édenes tropicais idolatrados da República Dominicana.

Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Maria Jacarés, Pantanal Brasil
Natureza
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
viajantes contemplam, monte fitz roy, argentina
Parques Naturais
El Chalten, Argentina

O Apelo de Granito da Patagónia

Duas montanhas de pedra geraram uma disputa fronteiriça entre a Argentina e o Chile.Mas estes países não são os únicos pretendentes.Há muito que os cerros Fitz Roy e Torre atraem alpinistas obstinados
Telhados cinza, Lijiang, Yunnan, China
Património Mundial UNESCO
Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Personagens
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Promessa?
Praias
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Religião
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
city hall, capital, oslo, noruega
Sociedade
Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Pisteiro San em acção na Torra Conservancy, Namibia
Vida Selvagem
Palmwag, Namíbia

Em Busca de Rinocerontes

Partimos do âmago do oásis gerado pelo rio Uniab, habitat do maior número de rinocerontes negros do sudoeste africano. Nos passos de um pisteiro bosquímano, seguimos um espécime furtivo, deslumbrados por um cenário com o seu quê de marciano.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.