Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio


Bairrinho
A obra usa fragmentos de porcelana de Arabia que a autora Anne Siirtola recolheu dos campos de Vanhankaupunginlahti em que eram colocados as sobras da fábrica.
A Fábrica de Arabia
Antiga fábrica de Arabia, no coração de um bairro de Design, por excelência.
Edificio e chamine Arabia-Helsinquia
Luzes Perpétuas
Estátuas art deco na fachada da estação de caminho de ferro de Helsínquia.
Goth
Morador de Helsínquia com visual gótico.
Kiasma
Linhas simples mas arrojadas do Museu de Arte Contemporãnea Kiasma, criado pelo norte-americano Steven Holl.
O Ninho de Metal
Nest of Metal - Da autoria de Markku Hakuri, esta obra também serve de varanda para os utilizadores da sauna comunal do edifício em que está instalada.
Helsinquia Helenica
Obra de inspiração helénica destacada desde 1943 da parede emblemática da fábrica de Arabia.
Design World
Painel que anuncia uma exposição de Design durante o Helsínquia Capital do Mundo do Design.
Sirocco II
Sirocco, de Tuuli e Kivi Sotamaa, na altura sobre a neve, parte do percurso artístico The Treasures of Arabia.
Rikhla
Rikhla, uma obra de arte temporária em destaque sobre uma plataforma de onde se avista o mar em redor do bairro de Arabia.
Sinalização-Helsinquia
Sirocco
Sirocco, de Tuuli e Kivi Sotamaa, na altura sobre a neve, parte do percurso artístico The Treasures of Arabia.
The Arjen Palasia
The Arjen Palasia de Anne Siirtola, um painel feito com mosaicos antigos da fábrica Arabia.
Negócios de Valtteri
Compradores e vendedores procuram bons negócios na feira da Ladra de Valtteri, onde são transaccionados produtos com design clássico.
Walls Speaking Walls
De nome completo “Walls Speaking Walls, Summer Winters” trata-se de uma parede com inscrições de ciclistas de diferentes idades.
Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.

Quem chega à capital finlandesa por estes dias Invernais, gélidos e nevosos depressa desenvolve a impressão de que não há mais nada para fazer, de que é a única coisa que a cidade tem para mostrar.

Em 2009, o Conselho Internacional das Sociedades de Design Industrial (ICSID) escolheu-a como a 3ª Capital Mundial do Design, após Turim (2008) e Seul (2010) e entre 46 cidades de 27 países.

Helsínquia bateu Eindhoven na fase final e, apesar do título garantido, ao longo do ano do certame, manteve intacta a sua competitividade com a cooperação empenhada das 4 cidades parceiras: Espoo, Vantaa, Kauniainen e Lahti.

Já no balcão do turismo do aeroporto Helsinki-Vantaa tínhamos reparado na predominância incontornável de folhetos e brochuras sobre exposições, itinerários e eventos relacionados com o design.

Na delegação do centro da capital, o paradigma repete-se reforçado com as indicações que as funcionárias de serviço fazem questão de prestar e desenvolver.

Painel Exposicao de Design, Helsinquia

Painel que anuncia uma exposição de Design durante o Helsínquia Capital do Mundo do Design.

Emma – Espoo: o Primeiro Inusitado Contacto com o Design e a Arte de Helsínquia

Se não os podes vencer, junta-te a eles. Na manhã seguinte acordamos com as galinhas para espreitar o Emma – Espoo Museum of Modern Art.

Uma funcionária da municipalidade espera-nos à saída do autocarro e começa por se mostrar surpreendida “Ah são vocês. Tenho que confessar que não esperava que fossem.

Estão vestidos como nós. Por norma, os jornalistas do sul da Europa aparecem-nos muito mal preparados para estas temperaturas, de calças de ganga e a tremer. “Rimo-nos com a honestidade da observação e trocamos mais alguns reparos humorísticos.

Entretanto, Hanna Saari lembra-se da exigência da sua missão e atalha para um briefing exaustivo sobre o design finlandês e os seus últimos projectos. Desbobina frases intermináveis repletas de termos como sustentabilidade, integração, natureza, inovação, desenvolvimento e interacção e fá-lo de cor e salteado, fruto de um aturado estudo prévio e da repetição.

Não lhe dizemos mas, entre nós, temos que ser tão honestos como ela. Toda aquela conversa soa-nos a nada. A confirmar as suspeitas, logo à terceira questão absolutamente leiga que lhe colocamos já se sente desconfortável. É suposto o design assegurar o oposto: “Sabem, assumi o cargo há pouco tempo.

Ainda me estou a familiarizar com estas lógicas e terminologias. Vou ligar a um colega mais informado e já vos respondo a isso” diz-nos sem perder a compostura para logo dar ao dedo no ecrã táctil do terceiro iPhone com que traiu a pátria.

Por nós, nem valia a pena. Só por si, as teorias do Design nunca nos levariam a lado nenhum.

Em Busca do Calor do Design Finlandês

Queríamos ver soluções reais e peças revolucionárias. Para lá de tanto folheto e lengalenga, Helsínquia e as suas satélites estão cheias delas.

Encontramos a primeira no WeeGee Exhibition Center – o edifício recuperado de uma velha e gigantesca gráfica –  organizada sob o conceito de DesignEspoo!, em redor da maquete urbanística daquela cidade e com um espaço dedicado à participação activa dos moradores que são convidados a deixar sugestões inovadoras num painel já repleto de post-its coloridos.

Há imagens da casa-OVNI Futuro, uma habitação desenhada por Matti Suuronen com objectivo de produção em massa, com fé inabalável num porvir tecnológico, aprazível e nómada, também na conquista do Espaço. Até que, a meio da década de 70, a Crise do Petróleo fez os preços dos combustíveis disparar e, com eles o do plástico.

A Futuro foi retirada do mercado mas, hoje, cerca de 50 exemplares subsistem um pouco por todo o mundo. A 001 pertence a Espoo.

O céu azul instala-se e o frio intensifica-se com a brisa húmida e veloz que o Golfo da Finlândia lança sobre a cidade. Fazemo-nos fortes. Exploramos o epicentro do estilo da capital, Punavuori.

O Design District de Punavuori

Trata-se de um bairro actualmente etiquetado como o seu Design District nem que seja porque concentra mais de 150 bares, cafés, restaurantes e ateliês com decorações, ambientes e objectos originais num grelha de ruas que se estende da avenida central de Mannerheimintie até aos antiquários do porto, confrontados pela fortaleza de Suomenlinna e à Feira da Ladra de Hietalahti.

Feira da Ladra de Valtteri Helsinquia

Compradores e vendedores procuram bons negócios na feira da Ladra de Valtteri, onde são transaccionados produtos com design clássico.

Nos anos 70, os criadores finlandeses pegaram no design dinamarquês e no sueco como exemplos e desenvolveram as suas próprias marcas e uma identidade nacional com expoente na figura histórica de Alvar Aalto, autor premiado de dezenas de edifícios revolucionários da Finlândia e do Mundo e de várias peças premiadas.

Os produtos que encontramos um pouco por todo o lado, de cadeiras de pé alto excêntricas até chaleiras minimais têm preços a condizer com esta distinção que aparecem sempre marcados em Euros.

Se não se é escandinavo, russo multimilionário ou finlandês, dificilmente se encontra uma pechincha.

Felizmente tornámo-nos numa espécie de nómadas modernos. Damos mais valor à descoberta que ao conforto e às soluções domiciliárias e encaramos esta atmosfera helsinquiana como uma de tantas realidades do Mundo, não como uma oportunidade comercial.

Arte de Rua, Arabia, Helsinquia

A obra usa fragmentos de porcelana de Arabia que a autora Anne Siirtola recolheu dos campos de Vanhankaupunginlahti em que eram colocados as sobras da fábrica.

O Design Obsessivo mas Nem de Longe Imaculado de Helsínquia

Conhecemos, no entanto, os limites da razoabilidade. O pequeno-almoço buffet do hotel Sokos Vaakuna é diversificado, nutritivo, robusto e, claro está, servido em decoração, mobiliário, loiça e utensílios com design finlandês. Mas não disfarça as dores que se formaram durante a noite e nos apoquentam.

Estamos habituados a este tipo de problemas nos países menos desenvolvidos e quando o quarto custa uma bagatela. Não é o caso e temos mais 4 noites pela frente.

Antes de sairmos para a rua escolhemos o alvo entre os empregados alinhados atrás do balcão e refilamos com a melhor disposição possível: “Desculpe, mas há aqui qualquer coisa que não estamos a perceber.

Passamos o dia todo a ver design nesta cidade e o vosso hotel obriga-nos a dormir sobre um colchão que afunda e nos arruina as costas? Faça-nos lá o favor de trocarem a cama ou coisa assim.” O recepcionista alourado sorri e mantém a dignidade. Dá-nos a ideia que já ouviu a queixa centenas de vezes.

A resposta deixa-nos desarmados: “Infelizmente todos os nossos colchões são assim. É um modelo novo, americano. Custaram um balúrdio mas reconheço que muitos dos clientes não os apreciam. Acho que não vos posso ajudar.”

Helsínquia tinha borrado ligeiramente a pintura. Ainda assim, deixamos a persistência para mais tarde.

Estátuas art deco, estacao caminho ferro, Helsinquia

Estátuas art deco na fachada da estação de caminho de ferro de Helsínquia.

Logo ao lado do hotel, gigantes de granito iluminam e protegem a estação central de comboios desenhada por Eliel Saarinen.

Diz-se que inspiraram visuais de Gotham City no primeiro filme da saga Batman. Ali próximo, damos com as formas pouco ortodoxas do museu Kiasma que abriga nova galeria de arte moderna.

Museu Kiasma, Helsinquia

Linhas simples mas arrojadas do Museu de Arte Contemporãnea Kiasma, criado pelo norte-americano Steven Holl.

Segue-se o eloquente Concert Hall e, no extremo oposto do lago central gelado, vislumbramos outra das criações de Aalto, o Estádio Olímpico da capital.

Arabia: a Nova Meca do Design e da Arte de Rua Finlandesa

Em 1965, o território soviético era inacessível aos realizadores norte-americanos. Enquanto admiramos o pragmatismo de regra e esquadro da Praça do Senado, percebemos porque serviu para fazer de São Petersburgo no clássico de David Lean, “Doutor Jivago”.

Há muita mais arquitectura divinal para explorar em redor mas, nessa tarde, mudamo-nos para a periferia em busca de uma Arabia local.

Mal saímos do autocarro, detectamos ao fundo a chaminé emblemática do edifício da velha fábrica homónima de porcelana, faiança e barro, inaugurada em 1873 e que, à laia de Vista Alegre, conquistou um lugar especial no coração suomi.

Nos dias que correm, o prédio rejuvenescido e alguns edifícios complementares acolheram uma panóplia de pequenas lojas de design, uma biblioteca e a Escola Universitária de Arte e Design de Aalto.

O bairro de Arabia e a vizinhança abrigam ainda restaurantes, cafés e alguns dos domicílios mais bem equipados de toda a Finlândia.

The Arjen Palasia, Arabia, Helsinquia

The Arjen Palasia de Anne Siirtola, um painel feito com mosaicos antigos da fábrica Arabia.

Ao mesmo tempo, revela-se um museu ao ar livre que nos propõe uma espécie de prova de orientação artística.

Munidos de um mapa e ao longo de duas horas, tentamos detectar na paisagem urbana e examinar 24 obras criadas e instaladas por personagens famosas dos vários ramos da arte.

Rikhla, Arabia, Helsinquia

Rikhla, uma obra de arte temporária em destaque sobre uma plataforma de onde se avista o mar em redor do bairro de Arabia.

Em jeito de confirmação e de recordação, fotografamos cada um dos achados, das “Pedras Mágicas à Beira Mar” aos pequenos Pássaros “Viikki” camuflados contra uma parede do mesmo tom, passando pelo parque Tapio Wirkkala desenhado pelo americano Robert Wilson.

Sirocco, Arabia, Helsinquia

Sirocco, de Tuuli e Kivi Sotamaa, na altura sobre a neve, parte do percurso artístico The Treasures of Arabia.

A noite põe-se, o frio volta a apertar e a neve cai em abundância. Regressamos de Arabia enregelados e recuperamos a temperatura e as energias num café lounge do centro com estilo irrepreensível.

É nestas alturas que o prodigioso design finlandês faz mais sentido.

Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique

Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.
Helsínquia, Finlândia

A Fortaleza em Tempos Sueca da Finlândia

Destacada num pequeno arquipélago à entrada de Helsínquia, Suomenlinna foi erguida por desígnios político-militares do reino sueco. Durante mais de um século, a Rússia deteve-a. Desde 1917, que o povo suómi a venera como o bastião histórico da sua espinhosa independência.
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum "Barco do Amor". Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Ilha Hailuoto, Finlândia

À Pesca do Verdadeiro Peixe Fresco

Abrigados de pressões sociais indesejadas, os ilhéus de Hailuoto sabem sustentar-se. Sob o mar gelado de Bótnia capturam ingredientes preciosos para os restaurantes de Oulu, na Finlândia continental.
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
Inari, Finlândia

O Parlamento Babel da Nação Sami

A Nação sami integra quatro países, que ingerem nas vidas dos seus povos. No parlamento de Inari, em vários dialectos, os sami governam-se como podem.
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Helsínquia, Finlândia

A Páscoa Pagã de Seurasaari

Em Helsínquia, o sábado santo também se celebra de uma forma gentia. Centenas de famílias reúnem-se numa ilha ao largo, em redor de fogueiras acesas para afugentar espíritos maléficos, bruxas e trolls
Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. O imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Arquitectura & Design
Fortalezas

O Mundo à Defesa – Castelos e Fortalezas que Resistem

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Cerimónias e Festividades
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Cidades
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
ocupação Tibete pela China, Tecto do Mundo, As forças ocupantes
Cultura
Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
mural de extraterrestre, Wycliffe Wells, Australia
Em Viagem
Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliffe Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.
Salto para a frente, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu
Étnico
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Dia escuro
História

Lago Cocibolca, Nicarágua

Mar, Doce Mar

Os indígenas nicaraos tratavam o maior lago da América Central por Cocibolca. Na ilha vulcânica de Ometepe, percebemos porque o termo que os espanhóis converteram para Mar Dulce fazia todo o sentido.

Pequeno navegador
Ilhas
Honiara e Gizo, Ilhas Salomão

O Templo Profanado das Ilhas Salomão

Um navegador espanhol baptizou-as, ansioso por riquezas como as do rei bíblico. Assoladas pela 2ª Guerra Mundial, por conflitos e catástrofes naturais, as Ilhas Salomão estão longe da prosperidade.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Natureza
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Banhista, The Baths, Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas
Parques Naturais
Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os “Caribanhos” Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
Viajante acima da lagoa gelada de Jökursarlón, Islândia
Património Mundial UNESCO
Lagoa Jökursarlón, Glaciar Vatnajökull, Islândia

Já Vacila o Glaciar Rei da Europa

Só na Gronelândia e na Antárctica se encontram geleiras comparáveis ao Vatnajökull, o glaciar supremo do velho continente. E no entanto, até este colosso que dá mais sentido ao termo Terra do Gelo se está a render ao cerco inexorável do aquecimento global.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Personagens
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
Promessa?
Praias
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Detalhe do templo de Kamakhya, em Guwahati, Assam, Índia
Religião
Guwahati, India

A Cidade que Venera Kamakhya e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
Chepe Express, Ferrovia Chihuahua Al Pacifico
Sobre Carris
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Sociedade
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Maria Jacarés, Pantanal Brasil
Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
EN FR PT ES