Edfu a Kom Ombo, Egipto

Nilo Acima, pelo Alto Egipto Ptolomaico


Forças de Segurança
Polícias de uniformes espartanos durante um período eleitoral, em Edfu.
Polícia à Porta
Guarda de um negócio com pouco para fazer.
Gerações a Remos
Agricultores cruzam o Nilo num pequeno barco a remos carregado de erva.
Transporte do Nilo
Barco de transporte navega ao longo do rio Nilo.
Comboio à beira Nilo
Comboio avança ao longo de uma margem elevada do Nilo.
Pastores e Manada
Vaqueiros conversam junto a uma margem do Nilo, enquanto uma manada pasta.
Ocaso Egípcio
Sol põe-se a oeste do rio Nilo.
Corvos-marinhos
Bando de corvos-marinhos sobrevoa o rio Nilo.
Faluca do Nilo
Faluca prestes a amarar numa margem do rio Nilo.
Moda Jilaba
Vendedor de roupa em frente à sua loja da doca de Kom Ombo.
Ferries no Nilo
Ferries navegam nas águas azuis do rio Nilo.
Faluca num Nilo Verdejante
Faluca numa margem verdejante do Nilo.
O Templo de Edfu
Fachada principal do Templo Ptolomaico de Edfu.
Guardião do Templo de Edfu
Vigilante em frente à fachada do Templo de Edfu.
Vigilante Emoldurado do templo
Guardião requentado numa mancha de sol do templo de Edfu.
Vigilante do Templo Edfu
Guia explica hieroglifos
Guia ajuda visitantes a decifrar inscrições numa parede do templo de Edfu.
Família Egípcia em Kom Ombo
Marinheiros do Nilo
Marinheiros na proa de um dos ferries que percorrem o rio Nilo.
Gravuras de Kom Ombo
Cumprida a embaixada incontornável a Luxor, à velha Tebas e ao Vale dos Reis, prosseguimos contra a corrente do Nilo. Em Edfu e Kom Ombo, rendemo-nos à magnificência histórica legada pelos sucessivos monarcas Ptolomeu.

São quase oito da manhã. Há muito que o sol sobe, disparado, para o céu azulão.

O navio atracara durante a noite. Quando despertamos, 110 km a sul de Luxor, temos como vista a zona ribeirinha de Edfu e a estação de charretes que a servem. Instalamo-nos numa delas. Eid, o guia, dá ordem de partida.

Ao ritmo do seu espanhol arabizado e do trote da parelha equina, percorremos as ruelas da cidade.

Polui-a um sortido incaracterístico de faixas e outros formatos eleitorais, de dezenas de rivais esperançosos. Em tempos de ansiedade democrática e do afluxo diminuído de turistas, Edfu protegia-se com medidas especiais.

Passamos por dois grandes camiões-cela, separados por elementos de uma qualquer força de segurança.

Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima, forças de segurança

Polícias de uniformes espartanos durante um período eleitoral, em Edfu.

Distinguia-os um uniforme coroado de boné, negro dos pés à cabeça, escuro como os niqabs das mulheres islâmicas tradicionalistas que por ali passavam, junto à base de prédios com fachadas gastas, repletos de letreiros de negócios.

Vendedores de citrinos promoviam a sua fruta, essa, de tons naturais bem vivos, junto a uma loja de jilabas, vestidos e restante vestuário, exposto numa montra elevada acima da entrada.

Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima, moda Jilaba

Vendedor de roupa em frente à sua loja da doca de Kom Ombo.

Edfu entrava, em pleno, na sua azáfama contemporânea quando, umas centenas de metros para poente, o labirinto de ruelas se abre para o reduto milenar e arenoso local da era egípcia Ptolomaica.

Templo de Edfu: a Porta de Entrada Majestosa para a Dinastia Ptolomaica

Mesmo àquela hora, encontramos o Templo de Edfu quase deserto, condizente com o Saara em redor. Intacto, como poucos outros edifícios erguidos no Antigo Egipto e monumental à altura.

Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima, Templo de Edfu

Fachada principal do Templo Ptolomaico de Edfu.

Trinta e seis metros, para sermos mais exactos, a medida impressionante da fachada de adobe que nos deixa embasbacados, com as suas linhas caídas e quebradas, reflexo de uma criatividade e riqueza arquitectónica a que só líderes poderosos podiam almejar.

Neste caso, todos eles tiveram origem macedónia. Do primeiro ao oitavo rei da Dinastia, todos eles se intitulavam Ptolomeu.

Admiramos o edifício a partir do início da alameda, algo incrédulos.

Mesmo a essa distância, conseguimos distinguir as figuras inscritas na fachada, perceber a diversidade de personagens e suas acções, adicionadas de ambos os lados do pórtico conhecido como pilão.

Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima, visitantes no templo de Edfu

Visitantes tentam decifrar um mapa sob o olhar de um guardião do templo de Edfu.

A Longa e Profícua Dinastia Ptolomaica do Egipto

O templo de Edfu começou a ser erguido no século 237 a.C., em pleno Reino Ptolomaico do Egipto, fundado por Ptolomeu I Sóter na sequência da morte intrigante de Alexandre o Grande.

Com apenas 32 anos, Alexandre pereceu no palácio do rei Nabucodonosor da Babilónia, de malária, febre tifoide, de intoxicação alcoólica ou de envenenamento, continua por apurar um motivo indisputado.

Contra a gradual desintegração do império legado por Alexandre, um dos mais vastos da História, Ptolomeu I Sóter apoderou-se do Egipto, declarou-se o Faraó sucessor e fez expandir os territórios dominados pela sua Dinastia até à longínqua Núbia, a sul de Assuão. A capital do Reino Ptolomaico recaiu em Alexandria.

Com o passar dos anos, os macedónios assimilaram boa parte da etnicidade, da cultura e dos modos egípcios. Passaram a louvar os deuses egípcios de sempre.

Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima, gravuras de Kom Ombo

Pormenor de um das muitas gravuras que ilustram o templo de Kom Ombo.

O templo de Edfu foi só um dos vários que lhes dedicaram de forma incondicional e persistente, como o prova o facto de a sua construção se ter arrastado até 57 a.C.

Templo de Edfu. o Grande Santuário Egípcio do deus Hórus

Aproximamo-nos da entrada. Guardam-na duas estátuas de falcões coroados, uma de cada lado, abaixo de outras imagens que exibem versões humanizadas da ave. Em qualquer caso, representam Horus, deus egípcio do céu e da realeza, filho de Osíris e de Isis.

Edfu, ou a cidade antiga de Nekhen que por ali existiu, sempre foi o principal centro de culto de Horus. Coincidência ou não, o templo de Edfu é um dos mais bem conservados de todo o Egipto.

Entramos. A primeira visão que temos é a de um guardião do templo, vestido de jilaba, com um turbante enrolado em volta da cabeça. Encontramo-lo sentado na base de uma coluna, a absorver os raios solares que o destacavam da penumbra.

Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima, outro guardião

Guardião requentado numa mancha de sol do templo de Edfu.

O vigia dá-nos as boas-vindas. Logo, concede-nos uma fotografia. Por cinco libras egípcias, claro está, já nem esperávamos que fosse de outra maneira.

Progredimos para o interior do santuário, pelas capelas que o envolvem, por corredores com iluminação eléctrica e por outros expostos à luz solar, repletos de jogos de sombras, com os hieróglifos que preenchiam as paredes e as grandes colunas com mais ou menos relevo e definição, consoante o ângulo em que a luz neles incidia.

Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima, guia explica hieróglifos

Guia ajuda visitantes a decifrar inscrições numa parede do templo de Edfu.

Preservadas como se mantêm, estas inscrições prendaram os egiptólogos com pistas e dados cruciais ao conhecimento da civilização egípcia, da linguagem, da religião e mitologia em que assentava, incluindo o Drama Sagrado, o conflito divino entre Horus e Seth, este, o deus do caos, da guerra e da seca.

As inscrições e gravuras também contam episódios relevantes da própria edificação do templo. Prosseguimos à sua descoberta.

Não tarda, numa secção anexa e aberta, dividida por muros e colunas incompletas que não resistiram ao peso da história e à aridez do deserto.

Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima, guardião no templo de Edfu

Vigilante em frente à fachada do Templo de Edfu.

A Navegação Entre Edfu e Kom Ombo

Após o meio-dia, com o sol a pique e inclemente, voltamos a cruzar Edfu, rumo ao Nilo. Reembarcamos.

Pouco depois, retomamos a navegação pela artéria aorta da civilização egípcia, para seu montante.

Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima, feluca no Nilo

Faluca numa margem verdejante do Nilo.

Longe dos tempos das desejadas e profícuas inundações, o caudal do grande rio africano também flui a salvo das sequias geradas por Seth que os camponeses sempre temeram.

Revela-se suficientemente amplo para admitir três ou quatro barcos lado a lado.

Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima, ferries no Nilo

Ferries navegam nas águas azuis do rio Nilo.

Três deles navegam dessa maneira. Sulcam o azul intenso do Nilo, entre florestas de palmeiras, margens e ilhas de papiro, de erva e outros tipos de juncos e de vegetação pastadas por sucessivas manadas de vacas.

Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima, manada e vaqueiros

Vaqueiros conversam junto a uma margem do Nilo, enquanto uma manada pasta.

Passamos por falucas tradicionais, de convés raso, dois mastros e o mesmo número de velas, brancas.

E por barcos menores, a remos. Num deles, um adolescente toca pífaro, sentado contra um molho de erva recém-cortada, embalado pela ondulação provocada pelos ferries.

Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima, barco a remos

Agricultores cruzam o Nilo num pequeno barco a remos carregado de erva.

Bandos de corvos-marinhos negros, de bico amarelo, sobrevoam-nos, indiferentes ao trânsito fluvial e ao deleite granfino dos passageiros refastelados em volta das piscinas.

Kom Ombo e o Templo de Hórus e do deus Crocodilo Sobek

Sobre as quatro da tarde, atracamos numa doca escadeada e pejada de lojas, num meandro do Nilo acentuado pela ilha de Nagaa Al Jami.

O Templo de Kom Ombo insinuava-se, sobranceiro, com o seu conjunto de colunas destacado acima das árvores ribeirinhas.

Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima, casal no Templo de Kom Ombo

Jovem

Ao desembarque segue-se, de imediato, o trajecto pedestre para o monumento. O grande astro estava prestes a sumir-se para baixo do horizonte.

Sob a luz derradeira do dia, Kom Ombo ostentava um encanto redobrado que desejávamos viver tanto quanto possível.

Mesmo se, decorridos dois milénios desde a sua construção durante o reinado de Ptolomeu IV, se havia degradado mais que o de Edfu, danificado pelas enchentes do Nilo, diz-se que também por terramotos e pela imposição dos cristãos Coptas que, em tempos, o adaptaram a igreja e danificaram vários dos seus hieróglifos.

O que se sabe, hoje, é que o templo de Kom Ombo só foi finalizado nos últimos anos da Dinastia Ptolomaica, alguns acrescentos e aperfeiçoamentos levados a cabo já os Romanos eram donos e senhores destas partes do Egipto.

Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima, vigilante refastelado

Vigilante do templo de Kom Ombo instalado contra uma coluna.

Subsistem, agora, difusos, os seus salões, os dos tribunais, os santuários, os átrios e as câmaras, neste caso, erguidas na sequência de uma entrada dupla, em lados opostos, dispostos em louvor de um duo divino improvável, o formado por Horus e pelo deus crocodilo da fertilidade e da criação, Sobek.

Deambulamos entre as colunas, decididos a decifrarmos, por nossa conta, pelo menos uma ou duas das ilustrações intrincadas.

O Deus Sol Rá e o Ocaso Exuberante sobre o Alto Egipto

Andamos nestes trabalhos quando percebemos que Rá se dissolvia num drama de cor, para trás do Nilo, do palmeiral e do deserto do Saara infindável a oeste.

Visitantes de todas as partes, entre os quais, várias famílias egípcias, pressentem a transição mágica do dia para a noite.

Posicionam-se para a apreciar, dos laicos aos muçulmanos quase salafitas, cada qual nos seus modos e preparos, num vaivém frenético que capturarmos como curiosos arrastos fotográficos.

Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima,

Visitantes percorrem um corredor dourado do templo de Kom Ombo.

Momentos depois, Rá dá entrada no submundo Duat, a bordo da dupla barca solar Mesektet.

Ainda segundo a mitologia egípcia, já com cabeça de carneiro, na companhia de outras divindades, Sia, Hu e Heka e a salvo dos monstros da penumbra por Enéade e pelo inusitado e rebuscado Seth.

Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima, ocaso

Sol põe-se a oeste do rio Nilo.

Kom Ombo assumiu um curto turno crepuscular, com o céu a desistir do seu azul. Quando a escuridão raptou, por fim, o Egipto, regressamos à barca terrena em que seguíamos.

Lá recarregamos energias, à espera do transbordo de Rá para a sua embarcação matinal e do renovar da sua aurora divinal.

Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou o Templo de Karnak e a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.
Monte Sinai, Egipto

Força nas Pernas e Fé em Deus

Moisés recebeu os Dez Mandamentos no cume do Monte Sinai e revelou-os ao povo de Israel. Hoje, centenas de peregrinos vencem, todas as noites, os 4000 degraus daquela dolorosa mas mística ascensão.
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Matmata, Tataouine:  Tunísia

A Base Terrestre da Guerra das Estrelas

Por razões de segurança, o planeta Tatooine de "O Despertar da Força" foi filmado em Abu Dhabi. Recuamos no calendário cósmico e revisitamos alguns dos lugares tunisinos com mais impacto na saga.  
Tataouine, Tunísia

Festival dos Ksour: Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. O Festival dos Ksour presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.

Hampi, India

À Descoberta do Antigo Reino de Bisnaga

Em 1565, o império hindu de Vijayanagar sucumbiu a ataques inimigos. 45 anos antes, já tinha sido vítima da aportuguesação do seu nome por dois aventureiros portugueses que o revelaram ao Ocidente.

Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.
Jaffa, Israel

Onde Assenta a Telavive Sempre em Festa

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Ilha Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Safari
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Jardin Escultórico, Edward James, Xilitla, Huasteca Potosina, San Luis Potosi, México, Cobra dos Pecados
Arquitectura & Design
Xilitla, San Luís Potosi, México

O Delírio Mexicano de Edward James

Na floresta tropical de Xilitla, a mente inquieta do poeta Edward James fez geminar um jardim-lar excêntrico. Hoje, Xilitla é louvada como um Éden do surreal.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Cerimónias e Festividades
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Mesmo em tempos de paz, detectamos militares por todo o lado. A postos, nas cidades, cumprem missões rotineiras que requerem rigor e paciência.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Cidades
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Um contra todos, Mosteiro de Sera, Sagrado debate, Tibete
Cultura
Lhasa, Tibete

Sera, o Mosteiro do Sagrado Debate

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Em Viagem
Circuito Annapurna: 5º - Ngawal a BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Encontro das águas, Manaus, Amazonas, Brasil
Étnico
Manaus, Brasil

Ao Encontro do Encontro das Águas

O fenómeno não é único mas, em Manaus, reveste-se de uma beleza e solenidade especial. A determinada altura, os rios Negro e Solimões convergem num mesmo leito do Amazonas mas, em vez de logo se misturarem, ambos os caudais prosseguem lado a lado. Enquanto exploramos estas partes da Amazónia, testemunhamos o insólito confronto do Encontro das Águas.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

ocupação Tibete pela China, Tecto do Mundo, As forças ocupantes
História
Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete.
Roça Bombaim, Roça Monte Café, ilha São Tomé, bandeira
Ilhas
Centro de São Tomé, São Tomé e Príncipe

De Roça em Roça, Rumo ao Coração Tropical de São Tomé

No caminho entre Trindade e Santa Clara confrontamo-nos com o passado colonial terrífico de Batepá. À passagem pelas roças Bombaim e Monte Café, a história da ilha parece ter-se diluído no tempo e na atmosfera clorofilina da selva santomense.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
Almada Negreiros, Roça Saudade, São Tomé
Literatura
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Cahuita, Costa Rica, Caribe, praia
Natureza
Cahuita, Costa Rica

Um Regresso Adulto a Cahuita

Durante um périplo mochileiro pela Costa Rica, de 2003, deliciamo-nos com o aconchego caribenho de Cahuita. Em 2021, decorridos 18 anos, voltamos. Além de uma esperada, mas comedida modernização e hispanização do pueblo, pouco mais tinha mudado.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Parques Naturais
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
San Juan, Cidade Velha, Porto Rico, Reggaeton, bandeira em Portão
Património Mundial UNESCO
San Juan, Porto Rico (Parte 2)

Ao Ritmo do Reggaeton

Os porto-riquenhos irrequietos e inventivos fizeram de San Juan a capital mundial do reggaeton. Ao ritmo preferido da nação, encheram a sua “Cidade Muralhada” de outras artes, de cor e de vida.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Nova Gales do Sul Austrália, Caminhada na praia
Praias
Batemans Bay a Jervis Bay, Austrália

Nova Gales do Sul, de Baía em Baía

Com Sydney para trás, entregamo-nos à “South Coast” australiana. Ao longo de 150km, na companhia de pelicanos, cangurus e outras peculiares criaturas aussie, deixamo-nos perder num litoral recortado entre praias deslumbrantes e eucaliptais sem fim.
Passagem, Tanna, Vanuatu ao Ocidente, Meet the Natives
Religião
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Sociedade
Tongatapu, Tonga

A Última Monarquia da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma outra monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.
Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Rottnest Island, Wadjemup, Australia, Quokkas
Vida Selvagem
Wadjemup, Rottnest Island, Austrália

Entre Quokkas e outros Espíritos Aborígenes

No século XVII, um capitão holandês apelidou esta ilha envolta de um oceano Índico turquesa, de “Rottnest, um ninho de ratos”. Os quokkas que o iludiram sempre foram, todavia, marsupiais, considerados sagrados pelos aborígenes Whadjuk Noongar da Austrália Ocidental. Como a ilha edénica em que os colonos britânicos os martirizaram.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.