Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido


Banco improvisado

Três amigas da ilha descansam numa piroga que a maré-vazia deixou em seco.

Linha de costa de Ibo

Perspectiva do litoral da vila do Ibo com a maré a subir. A Igreja de Nª Srª do Rosário vê-se ao fundo com três coqueiros a coroá-la.

Igreja numa ilha do Islão

A igreja de Nª Senhora do Rosário, entre dois dos fortes que em tempos defenderam a ilha Ibo de incursões.

Ilha de tempo

Monumento de rocha-coral legado pela erosão no leito da baía em frente da povoação de Ibo.

Diversão litoral

Crianças brincam junto a vários dhows ancorados no litoral junto ao Forte de São João Baptista.

Pele de Mussiro

Nativa protegida do sol tropical por máscara de mussiro.

Patrulha da maré

Moradores da ilha Ibo vasculham o leito arenoso em frente à povoação homónima em busca de crustáceos e moluscos.

A estranhar a visita

Moradores de uma das aldeias de palhotas e cubatas que abundam nos arredores da vila de Ibo.

Caminhada a 2

Duas mulheres percorrem um trilho de Ibo entre dois embondeiros majestosos.

Lota improvisada

Pescadores ancoram junto ao litoral coralífero aguardados por uma pequena multidão de compradores do seu peixe.

Patrulha da maré Jr.

Miúdos fazem-se ao leito ensopado pelo subir da maré, em frente ao Forte de São João Baptista.

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.

De Pemba a Ibo: uma Epopeia de Chapa e de Bote

As Quirimbas e a sua ilha Ibo, em particular, são outros daqueles lugares que receamos difíceis de alcançar mas a que, mais tempo menos tempo, acabamos por chegar sem percalços. Após persistente investigação, tínhamos apurado que os “chapas” saíam de Pemba por volta das quatro da manhã.

Conseguimos convencer Chaga, um dos motoristas, a apanhar-nos às 3h30. Apesar do despertar sofrido, a essa hora estávamos de malas feitas à entrada do hotel. Chaga fez jus ao nome. À hora combinada ainda se debatia com os lençóis. Só conseguiu encher o “chapa” e sair de Pemba por volta das 5h.

Deixámos as voltas pela cidade embalar-nos e dormitámos o mais que pudemos. Decorridas quatro horas e meia por estradas de areia ladeadas de milheirais e mandiocais ressequidos salpicados de embondeiros, esbarrámos com o limiar terrestre da aldeia de Tandanhangue.

Ali, várias embarcações aguardavam que a maré subisse e tornasse os canais do mangal para diante navegáveis. Por volta das onze, um dhow zarpou à pinha de nativos e das suas cargas, enfeitado pelas muitas capulanas, camisas, hijabs e lenços de cabeça das mulheres a bordo.

Demorava mais duas horas que um pequeno barco a motor alternativo. Metemo-nos, assim, neste último e partilhámos o derradeiro trajecto aquático com dez outros passageiros, entre residentes e visitantes de Ibo.

Desembarcámos à uma da tarde, instalámo-nos no hotel Miti Miwiri, como o nome no dialecto quimuâni traduzia, situado entre duas grandes árvores, em plena Praça dos Trabalhadores, de frente para o depósito de sacas de carvão que servia a ilha.

As Primeiras Deambulações por Ibo

O hotel foi reconstruído das ruínas por dois jovens amigos, um alemão e um francês. Jörg, o alemão, tinha-se enamorado por Ibo e por Mãezinha, em tempos, mera empregada, agora, companheira e braço direito do proprietário. O despertar madrugador e a longa viagem levaram-nos todas as energias.

Pouco depois do check in, cedemos ao cansaço. Só acordamos na madrugada seguinte, desejosos de um bom pequeno-almoço e de inaugurarmos a descoberta da ilha.

O seu forte de São João Baptista, em particular, baptizado em honra do santo padroeiro da ilha e representativo do passado colonial português em Moçambique, seduzia-nos.

Encontramo-lo ocupado por um exército de artesãos. Os dedicados à bijuteria de prata e pedras preciosas e semi-preciosas surgem instalados na ala contígua ao portão de entrada. Outros, os prendados na arte maconde da escultura do pau negro e outras madeiras, trabalhavam retirados em salas interiores. Examinamos o trabalho minucioso de todos. Em seguida, ascendemos ao nível superior.

Grandes nuvens brancas desfilam no céu azulão da época seca. É sob a sua sombra intermitente que percorremos os adarves adaptados à forma poligonal da fortaleza, erguida numa posição que permitia alvejar as embarcações inimigas, obrigadas a contornar o recorte norte da ilha para se aproximarem da sua principal povoação.

A maré está uma vez mais vazia. Para norte, vultos recém-desembarcados atravessavam o lodaçal que precedia o caudal recolhido do Canal de Moçambique, bem mais para norte da ilha Bazaruto que tínhamos explorado alguns dias antes. Contornamos o forte com a ideia de nos aproximarmos.

Quando o fazemos, uma fileira de mulheres com fardos à cabeça surge de entre a colónia de cactos que envolve o monumento e instala-se num dhow que aguarda a subida do mar.

Ascensão e o Súbito Sumiço da História de Moçambique

Até então, era aquele o padrão da vida local que mais se destacava. De 1609 em diante, Ibo teve a sua era de protagonismo, de eventos e de comoções. A partir de 1902, com a passagem da capital da província moçambicana de Cabo Delgado para Porto Amélia (hoje, Pemba), a ilha ficou entregue ao fluir do tempo e das marés.

Do Índico, pouco mais chegavam e chegam que a praia-mar, os pescadores e um ou outro forasteiro, como nós, atraído pelo seu enigmático retiro.

O forte foi erguido em 1791, quase 300 anos depois da altura em que se diz que Vasco da Gama aportou e repousou na ilha, 270 desde que substituiu o Fortim de São José do Ibo, a sua primeira fortificação. Na eminência do século XVIII, Ibo vivia o apogeu económico, conseguido graças ao profícuo comércio de escravos.

A povoação tinha acabado de ser promovida a vila e, logo, a capital da província de Cabo Delgado. Com o governo residente assistido por uma Câmara Municipal e um tribunal, o reforço da defesa da ilha tornou-se premente. Além do de São João, meio século depois, seria erguido o de Santo António do Ibo.

Do forte de São João Baptista, recuamos até ao molhe principal da povoação, situado à entrada da enseada, aquém do forte de São José e da igreja de pedra coralina e cal de Nª Senhora do Rosário.

Ibo e as Quirimbas. Uma Vida ao Sabor das Marés

Mais que um embarcadouro, o pontão elevado ora sobre o mar ora sobre o lodo, serve de ponto de repouso e de convívio para uma clientela de moradores que lá se encontram e partilham as raras novidades do dia. Com a maré no seu auge, grupos de crianças, lá se reunem munidos de linha e anzol e passam o tempo numa sempre útil pesca lúdica.

Regressamos ao âmago da cidade, entretanto com a companhia de Isufo, um jovem nativo que acabámos por acolher como guia. Juntos, passamos entre a igreja e a pequena estátua de homenagem a Samora Machel.

Quando percorremos a Rua da República, entre os alpendres colunados das velhas moradias, umas restauradas, outras decrépitas e até mesmo em ruína, reparamos que, à esquerda, dela ramificava uma Rua Almirante Reis. Voltamos ao Miti Miwiri e cortamos para a Rua Maria Pia. A familiaridade histórica de Ibo, não cessava de aumentar.

Nesta via também ela alpendorada damos com a casa do Sr. João Baptista, antigo 3º oficial da administração colonial. Por altura da nossa visita, com 90 anos e há muitos reformado, Sr. João assume-se como conselheiro e historiador da ilha.

Até há algum tempo, uma placa redonda dependurada do seu alpendre, identificava-o como tal. Mal o encontramos, surpreende-nos a forma física, a jovialidade do seu rosto e, em particular, o riso e restantes expressões, levemente infantis e matreiras.

Sr. João Baptista, o Ancião que Resiste do Período Colonial

O Sr. João gosta de ser fotografado no seu cadeirão de madeira indiana escura pelo que lhe fazemos a vontade. Por momentos lá instalado, entretanto, abrigado do sol, João Baptista descreve-nos boa parte da sua vida. “Pois, eu fui o primeiro preto a poder frequentar a escola primária local, entre brancos.

Mais tarde, com a educação necessária, entrei ao serviço do estado. Trabalhei na Beira e noutros lugares. Ao fim de muitos anos longe da terra natal, consegui que me transferissem para cá. Durante a guerra da independência, Ibo estava tão longe do continente e dos palcos de guerra que tudo se manteve tranquilo.

Só apanhei um susto quando um independentista, por pura maldade, me acusou de ser colaboracionista e me prenderam. Mas, depois, como não tinham nada a apontar-me, lá me soltaram e deixaram-me em paz.”

A João Baptista agradava tanto a sua história como a de Ibo que, afinal, se entrecruzavam com óbvia frequência. É com prazer que nos resume como se desenvolveu a civilização que nela encontramos. “Na origem, habitavam a ilha e outras das Quirimbas, os pretos e pretas naturais destas paragens.

Os árabes foram os primeiros forasteiros a aportar as estas partes setentrionais de Moçambique. Cá fundaram um entreposto comercial fortificado. De cá despachavam, ouro, marfim e escravos para Zanzibar e outros destinos do mundo árabe.

Quando os portugueses chegaram, encontraram uma ilha que, ao contrário do que estavam habituados, tinha vários poços de água bem distribuídos. Chamaram-lhe Ilha Bem Organizada. Dessa qualificação, surgiu o termo IBO.

Encontram ainda população negra indígena, alguma suaíli e árabe. Os árabes centrados na ilha de Quirimba recusaram-se a comerciar com eles. Furiosos, os portugueses incendiaram-lhes a povoação, afundaram-lhes boa parte dos dhows, mataram dezenas de rivais e apoderaram-se das suas mercadorias.

Daí em diante, Ibo e outras Quirimbas foram usadas como escala das suas transacções de marfim e de escravos. Até que os frequentes ataques de corsários e forças holandesas e vindas de Madagáscar os obrigaram a fortificar-se como nunca. Ibo foi dos últimos lugares de África a acatar a imposição britânica do fim do tráfico de escravos.”

Continuámos a falar até repararmos que ocaso se afirmava no horizonte. Interrompemos o encontro com a promessa de que voltaríamos. O Sr. João despediu-se com a mesma cordialidade com que nos recebera. Vemos o sol afundar-se na floresta anfíbia de mangue que envolvia boa parte da ilha. Com o escuro instalado, recolhemos ao Miti Miwiri.

Novo dia, a Mesma Ibo Perdida no Tempo

Às 8h da manhã seguinte, Isufo já nos aguardava à porta, disposto a mostrar-nos o âmago de Ibo e alguns dos recantos menos expostos dos seus 10 por 5 km. Espreitamos o velho cemitério. Nele encontramos um inesperado sortido de sepulturas de portugueses, de iboenses e outros moçambicanos mas também de britânicos e de chineses.

Metemo-nos por caminhos interiores, salpicados por coqueiros e embondeiros. Cruzamos aldeias que agrupam palhotas ou cubatas de barro, onde as mulheres de mussiros dourados pilam a mandioca e o milho e as maçanicas secam ao sol.

As crianças infernizam os adultos com as suas diabruras ao ar livre e recebem-nos com saudações persistentes de muzungo! muzungo! com que nos identificam como brancos, fontes de novidade, de entretenimento, com sorte, também de alguma pequena dádiva.

Regressamos às imediações do forte de São João Baptista. A maré subia já laje de coral acima numa secção da costa onde os pescadores ancoravam os seus dhows e vendiam o pescado da tarde a uma multidão colorida e excitada. Caminhamos para cá e para lá, sobre a pedra marinha afiada, atentos ao desenrolar do reboliço.

Admiramos os afazeres dos pescadores e a ansiedade dos compradores que estranham mas toleram a nossa maçadora acção fotográfica. Acompanhamos de igual forma o esforço dos homens robustos que carregam dhows maiores que todos os outros com sacas, barris, motas e até frigoríficos.

Perguntamos a um dos compradores do peixe entretanto exposto num oleado para onde vão zarpar com tal carga. “Mais logo, saem para o sul da Tanzânia, responde-nos. Há algum movimento de pessoas para cá e para lá.”

À parte da chegada e partida dos visitantes e dos melhoramentos levados a cabo para melhor os receber e impressionar, foi dos poucos sintomas do fim da longa estagnação a que a ilha Ibo se viu votada que pudemos constatar.

Mais informação sobre a Ilha Ibo e as Quirimbas em na página respectiva da UNESCO.

Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Montanha da Mesa sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Príncipe, São Tomé e Príncipe

O Nobre Retiro de Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
Ilha de Moçambique

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.

Elmina, Gana 

O Primeiro Jackpot dos Descobrimentos Portugueses

No séc. XVI, Mina gerava à Coroa mais de 310 kg de ouro anuais. Este proveito suscitou a cobiça da Holanda e da Inglaterra que se sucederam no lugar dos portugueses e fomentaram o tráfico de escravos para as Américas. A povoação em redor ainda é conhecida por Elmina mas, hoje, o peixe é a sua mais evidente riqueza.

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Lagoas fumarentas
Aventura

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Nana Kwame V
Cerimónias e Festividades
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
No coração amarelo de San Cristóbal
Cidades

San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.

Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Mar-de-Parra
Cultura

Mendoza, Argentina

A Eno-Província Argentina

Os missionários espanhóis perceberam, no século XVI, que a zona estava talhada para a produção do “sangue de Cristo”. Hoje, Mendoza está no centro da maior região vinícola da América Latina.

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Deserto (Pouco) Branco
Em Viagem
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Insólito Balnear
Étnico

Sul do Belize

A Estranha Vida ao Sol do Caribe Negro

A caminho da Guatemala, constatamos como a existência proscrita do povo garifuna, descendente de escravos africanos e de índios arawaks, contrasta com a de vários redutos balneares bem mais airosos.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Pastéis nos ares
História
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Tempo de surf
Ilhas

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Pico Rosa
Natureza
Pico, Açores

Com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. O Pico é a sua montanha aguçada mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Mini-dinossauro
Parques Naturais
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
Praia soleada
Património Mundial Unesco

Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Flórida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.

Palestra
Personagens

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

Pedaço de Maldivas
Praia

Maldivas

De Atol em Atol

Trazido de Fiji para navegar nas Maldivas, o Princess Yasawa adaptou-se bem aos novos mares. Por norma, bastam um ou dois dias de itinerário, para a genuinidade e o deleite da vida a bordo virem à tona.

Natal de todas as cores
Religião
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

Erika Mae
Sociedade

Filipinas

Os Donos da Estrada

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas

Fim da Viagem
Vida Quotidiana

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Um rasto na madrugada
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.