Ilha de Goa, Ilha de Moçambique, Moçambique

A Ilha que Ilumina a de Moçambique


Embarque-Desembarque
Donos de dhows tratam das suas embarcações enquanto a maré desce.
Navegação de Dhow
Pescadores
Ancoragem
Pés em Terra
Omar e o Guia
O Encosto do Farol
Sede de Omar
Silhueta no Janelo
A Calibração Possível
Vista lá de Cima
À Janela
Pesca ao Pé
De Volta do Farol
Vida de Dhow
A Ilha de Moçambique

A pequena ilha de Goa sustenta um farol já secular à entrada da Baía de Mossuril. A sua torre listada sinaliza a primeira escala de um périplo de dhow deslumbrante em redor da velha Ilha de Moçambique.

Após uma aturada selecção e negociação, por fim, chegamos a um acordo.

Apesar da atenção e do discernimento empregues, falha-nos um pormenor. Irrisório, senão cómico. Ainda assim, por via da história associada, uma mácula que preferíamos ter evitado.

Dos vários dhows ancorados em frente ao pontão, sob a supervisão da estátua de bronze de Vasco da Gama, acabamos por embarcar num baptizado de “Titanic”.

Embarque-Desembarque

Nessa manhã, tínhamos voltado a cruzar-nos com Omar, um jovem vendedor de chamuças que percorria a Ilha de Moçambique com um grande frasco ao ombro.

Como era expectável, os lucros diários obtidos pelo rapaz provavam-se comedidos. De tal maneira assim era que, em vez de se entregar ao seu ofício, Omar opta por nos acompanhar no passeio.

Os donos do dhow conhecem-no.

Admitem-no a bordo e ao boião que o miúdo carregava como um apêndice de plástico gorduroso.

A Partida Matinal da Ilha de Moçambique

Instalamo-nos numa zona da embarcação que o capitão nos indica e em que não atrapalharíamos as manobras do trio de tripulantes. Instantes depois, zarpamos para a baía de Mossuril, apontados ao extremo norte da Ilha de Moçambique e à saída para o Canal de Moçambique.

O dhow rasa o forte de São Sebastião. Passa por uma frota de pescadores artesanais a bordo das suas pirogas movidas a pagaia única. Ao contornarmos a península ocupada pela fortaleza, flectimos para sudeste.

Entregamo-nos à imensidão do canal.

Nesse tempo, refastelados entre o assento e o fundo do casco, admiramos a perícia com que o capitão e os seus ajudantes ajustam a vela ao vento, como a esticam e fazem oscilar com uma fluidez que mal nos perturba no nosso trono panorâmico.

À medida que nos aproximamos da ilha da Goa, o tráfico marítimo diminui a olhos vistos.

Aos poucos, de um mero vislumbre, define-se uma torre listada, branca e vermelha, acima de uma crista densa da vegetação que preenche o oriente da ilha, para lá de uma costa feita de duas linhas.

Uma primeira, de recife castanho e áspero. Outra, logo acima, de uma areal alvo que antecede o verde arbustivo.

O “Titanic” aproxima-se do recife rochoso. Navega paralelo, a determinada altura, já ao longo do litoral sul e de seus sucessivos recortes. Um deles, revela-se mais profundo que os anteriores.

Acolhe uma pequena angra com leito de areia molhada. O capitão aponta o “Titanic” àquele portinho natural e de águas cristalinas.

Virada a sul e de mar tranquilo a condizer, a enseada concede-nos um desembarque suave.

Ilha de Goa, Ilha de Moçambique, Nampula, ancoragem

Ilha de Goa: o Desembarque na Ilha ainda Deserta

Num ápice, vêmo-nos em terra firme. Subimos para uma laje intermédia forrada a pedra-coral.

Dali, já com um duo de tripulantes do “Titanic” a fazer de guias e Omar a acompanhar-nos, seguimos um trilho de pedra-coral, recto, sulcado na vegetação.

Ilha de Goa, Ilha de Moçambique, Nampula, Omar e guia

Uma de duas vias abertas e que, em forma de cruz, abrangiam a ilha de Goa de sul a norte e de leste a oeste.

Sempre em fila, ou quase fila, chegados ao centro da ilha, cortamos para a sua perpendicular.

No término dessa continuação, com a costa oriental de novo à vista, esbarramos com a torre listada do farol.

“Comi duas chamuças.

Com este calor, estou a morrer de sede” desabafa Omar, no português básico com que se desenvencilhava com os visitantes lusos, à margem do dialecto macua em que os nativos daquelas paragens comunicam.

Aqui e ali, com recurso adicional a línguas vizinhas, casos do quimuane e do suaíli, úteis para conversas com tanzanianos e até mesmo com quenianos.

Sem que o esperássemos, o rapaz serve-se de um poço coberto. Lança para o seu fundo um garrafão atado a uma corda. Recupera-o, cheio de água.

Enche um copo de metal também ali ao dispor, providencial naquele reduto desprovido de outras infraestruturas e castigado pelo sol tropical.

Omar bebe o copo de um trago único. Restabelecido, insta-nos a subirmos ao cimo do farol. “Vamos! É muito bonito lá de cima.”

Ascendemos a escadaria, sem pressas. Mais que guias, os dois tripulantes provam-se escoltas. Por muito que a ilha tivesse por contar, pouco mais sabem que por ali se orientarem, o suficiente para nos conduzirem aos seus pontos fulcrais.

Deixamo-los ganharem avanço.

A meio de um dos lances da escadaria, Omar detém-se a contemplar a vista por um janelo arredondado, já sem vidros.

Atentos aos seus movimentos, apercebemo-nos como a sua face gerava uma silhueta perfeita, contra os azuis do Canal de Moçambique e do horizonte pouco nublado acima.

Retomamos a ascensão.

Ao chegarmos ao cimo, já os guias por lá cirandavam, entretidos a investigarem se as intempéries e os vendavais teriam causado estragos.

Ilha de Goa e o Cimo Panorâmico do Velho Farol

Um deles, segura o invólucro de acrílico da lâmpada eléctrica, como a testar a sua estabilidade.

Apercebemo-nos que tinha as unhas das mãos pintadas de vermelho bem vivo.

Omar também repara. Confrontamos olhares intrigados. Omar furta-se a observar o que quer que fosse, com o conterrâneo por perto.

Mais tarde, confessa-nos que também achava estranho. “Não sei… achou piada e pintou. Por cá, nem sempre quer dizer nada.”

Sem ter como se alongar no tema, o miúdo aproveita o inesperado protagonismo.

Pousa, mais uma vez, o frasco das chamuças e enquadra-se na campânula enferrujada do farol, a apreciar as vistas em redor.

Ilha de Goa, Ilha de Moçambique, Nampula, Omar no Farol

Voltamos a fotografá-lo, naquela sua inadvertida fotogenia.

Enquanto o fazemos, reparamos em vários respingos, longínquos, ainda assim, bem destacados acima do azulão-profundo do Canal de Moçambique.

As Baleias Irrequietas no Canal de Moçambique

Trocamos de objectivas. Quando os enquadramos e magnificamos, percebemos que se tratavam de baleias, entregues a repetidos saltos e exibicionismos afins.

Há milénios que o Canal de Moçambique está na rota migratória de distintas espécies de cetáceos, sobretudo de baleias-jubarte, e de bossa. Nos meses mais frios, estas espécies deixam as águas demasiado gélidas do Mar Antárctico rumo a norte. 

De Junho a Setembro, sobem o sul da costa de África e circulam entre Moçambique, Madagascar, com passagens frequentes ao largo do arquipélago das Comoros.

A sua presença sazonal nestas paragens chegou a justificar que, em tempos em que a caça à baleia carecia de regulamentação, duas empresas, diz-se que norueguesas, instalassem estações baleeiras na província de Inhambane, em Linga-Linga.

Mais tarde, abandonaram-nas, ainda antes de o abate dos cetáceos ser inviabilizado pela sua protecção e pelo estabelecimento de distintas eco-reservas terrestres e marinhas moçambicanas.

E a História Secular do Farol da Ilha de Goa

O farol de que continuávamos a apreciar o panorama índico em redor, esse, foi erguido em 1876, com o fim de assinalar a entrada para a Baía de Mossuril.

De orientar as embarcações ao largo, sobretudo as que tinham como destino a Ilha de Moçambique.

É considerado o mais antigo de Moçambique e estima-se que de toda a costa africana do Índico.

A sua arquitectura quadrangular, em vez de arredondada, serviu de padrão para vários outros entretanto edificados em Zanzibar e ao longo da costa sul da África Oriental Alemã, território colonial desmembrado após a derrota germânica na 1ª Guerra Mundial e que deu origem à actual Tanzânia.

Na origem, o farol da Ilha de Goa tinha meros doze metros de altura.

Em 1923, a sua torre foi aumentada para os trinta e um metros a que nos encontrávamos, dotada de uma nova luz e objectiva, provavelmente antecessoras das que o mantêm em serviço.

Partida da Ilha de Goa, Rumo à Cabaçeira

Como o tínhamos acordado, a Ilha de Goa e o seu emblemático farol eram apenas a primeira paragem de um itinerário mais amplo em redor da Ilha de Moçambique, com desembarque previsto na  não menos intrigante península da Cabaceira.

Ciente do valor do seu tempo, o capitão vê-nos a demorar no cimo da torre. Apesar da distância, consegue alertar os tripulantes-guias que está na hora de prosseguirmos.

Tiramos umas derradeiras fotos.

Após o que regressamos ao solo e ao colorido “Titanic”.

Dali, apontamos à ponta de Cabaceira, ao largo de colónias de embondeiros despidos de folhas que nos parecem saudar.

Esse percurso, cumprimo-lo já empurrados por um vento intenso que faz a vela do dhow empolar e o barco inclinar-se até ao limite da sua veloz flutuação.

O capitão nota-nos apreensivos.

Decide sossegar-nos. “Calma, amigos. Isto da parte da tarde é mesmo assim. Quando mais próximo do pôr-do-sol, mais intenso e rápido se torna.”

Ilha de Goa, Ilha de Moçambique, Nampula, a bordo de dhowAbstraímo-nos e aproveitarmos a inclinação. Tiramos fotos dos tripulantes em luta com a vela e com a oscilação causada pelas vagas.

Enquanto isso, o casario longínquo da Ilha de Moçambique desenrolava-se a ritmo condizente.

Ilha de Moçambique, Nampula, Moçambique

Por fim, o capitão faz o “Titanic” entrar num braço de mar raso, protegido de manguezais. Regressamos à bonança.

Caminhamos com a água pelos joelhos, entre caranguejos alarmados, até retornamos a terra firme. Tal como nos longos tempos coloniais, a Cabaceira confirmou-se uma expedição à parte.

A que, em breve dedicaremos, o seu merecido capítulo.

PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Ilha de Moçambique, Moçambique  

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Ilha Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Ilha do Ibo a Ilha QuirimbaMoçambique

Ibo a Quirimba ao Sabor da Maré

Há séculos que os nativos viajam mangal adentro e afora entre a ilha do Ibo e a de Quirimba, no tempo que lhes concede a ida-e-volta avassaladora do oceano Índico. À descoberta da região, intrigados pela excentricidade do percurso, seguimos-lhe os passos anfíbios.
Pemba, Moçambique

De Porto Amélia ao Porto de Abrigo de Moçambique

Em Julho de 2017, visitámos Pemba. Dois meses depois, deu-se o primeiro ataque a Mocímboa da Praia. Nem então nos atrevemos a imaginar que a capital tropical e solarenga de Cabo Delgado se tornaria a salvação de milhares de moçambicanos em fuga de um jihadismo aterrorizador.
Ilhéu de Cima, Porto Santo, Portugal

A Primeira Luz de Quem Navega de Cima

Integra o grupo dos seis ilhéus em redor da Ilha de Porto Santo mas está longe de ser apenas mais um. Mesmo sendo o ponto limiar oriental do arquipélago da Madeira, é o ilhéu mais próximo dos portosantenses. À noite, também faz do fanal que confirma às embarcações vindas da Europa o bom rumo.
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Safari
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Muktinath a Kagbeni, Circuito Annapurna, Nepal, Kagbeni
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 14º - Muktinath a Kagbeni, Nepal

Do Lado de Lá do Desfiladeiro

Após a travessia exigente de Thorong La, recuperamos na aldeia acolhedora de Muktinath. Na manhã seguinte, voltamos a descer. A caminho do antigo reino do Alto Mustang e da aldeia de Kagbeni que lhe serve de entrada.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Aventura
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
A Crucificação em Helsínquia
Cerimónias e Festividades
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
Detalhe do templo de Kamakhya, em Guwahati, Assam, Índia
Cidades
Guwahati, India

A Cidade que Venera Kamakhya e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Cultura
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Iguana em Tulum, Quintana Roo, México
Em Viagem
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
Forte de São Filipe, Cidade Velha, ilha de Santiago, Cabo Verde
Étnico
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Pescadores em canoas, rio Volta, Gana
História
Volta, Gana

Uma Volta pelo Volta

Em tempos coloniais, a grande região africana do Volta foi alemã, britânica e francesa. Hoje, a área a leste deste rio majestoso da África Ocidental e do lago em que se espraia forma uma província homónima. E um recanto montanhoso, luxuriante e deslumbrante do Gana.
vista monte Teurafaatiu, Maupiti, Ilhas sociedade, Polinesia Francesa
Ilhas
Maupiti, Polinésia Francesa

Uma Sociedade à Margem

À sombra da fama quase planetária da vizinha Bora Bora, Maupiti é remota, pouco habitada e ainda menos desenvolvida. Os seus habitantes sentem-se abandonados mas quem a visita agradece o abandono.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Magníficos Dias Atlânticos
Natureza
Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Vista de La Graciosa de Lanzarote, Canárias, Espanha
Parques Naturais
La Graciosa, Ilhas Canárias

A Mais Graciosa das Ilhas Canárias

Até 2018, a menor das Canárias habitadas não contava para o arquipélago. Desembarcados em La Graciosa, desvendamos o encanto insular da agora oitava ilha.
Mergulhão contra pôr-do-sol, Rio Miranda, Pantanal, Brasil
Património Mundial UNESCO
Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Barcos fundo de vidro, Kabira Bay, Ishigaki
Praias
Ishigaki, Japão

Inusitados Trópicos Nipónicos

Ishigaki é uma das últimas ilhas da alpondra que se estende entre Honshu e Taiwan. Ishigakijima abriga algumas das mais incríveis praias e paisagens litorais destas partes do oceano Pacífico. Os cada vez mais japoneses que as visitam desfrutam-nas de uma forma pouco ou nada balnear.
auto flagelacao, paixao de cristo, filipinas
Religião
Marinduque, Filipinas

A Paixão Filipina de Cristo

Nenhuma nação em redor é católica mas muitos filipinos não se deixam intimidar. Na Semana Santa, entregam-se à crença herdada dos colonos espanhóis.A auto-flagelação torna-se uma prova sangrenta de fé
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Teleférico de Mérida, Renovação, Venezuela, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Sociedade
Mérida, Venezuela

A Renovação Vertiginosa do Teleférico mais Alto do Mundo

Em execução a partir de 2010, a reconstrução do teleférico de Mérida foi levada a cabo na Sierra Nevada por operários intrépidos que sofreram na pele a grandeza da obra.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Vida Selvagem
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
PT EN ES FR DE IT