Ilha de Goa, Ilha de Moçambique, Moçambique

A Ilha que Ilumina a de Moçambique


Embarque-Desembarque
Donos de dhows tratam das suas embarcações enquanto a maré desce.
Navegação de Dhow
Pescadores
Ancoragem
Pés em Terra
Omar e o Guia
O Encosto do Farol
Sede de Omar
Silhueta no Janelo
A Calibração Possível
Vista lá de Cima
À Janela
Pesca ao Pé
De Volta do Farol
Vida de Dhow
A Ilha de Moçambique

A pequena ilha de Goa sustenta um farol já secular à entrada da Baía de Mossuril. A sua torre listada sinaliza a primeira escala de um périplo de dhow deslumbrante em redor da velha Ilha de Moçambique.

Após uma aturada selecção e negociação, por fim, chegamos a um acordo.

Apesar da atenção e do discernimento empregues, falha-nos um pormenor. Irrisório, senão cómico. Ainda assim, por via da história associada, uma mácula que preferíamos ter evitado.

Dos vários dhows ancorados em frente ao pontão, sob a supervisão da estátua de bronze de Vasco da Gama, acabamos por embarcar num baptizado de “Titanic”.

Embarque-Desembarque

Nessa manhã, tínhamos voltado a cruzar-nos com Omar, um jovem vendedor de chamuças que percorria a Ilha de Moçambique com um grande frasco ao ombro.

Como era expectável, os lucros diários obtidos pelo rapaz provavam-se comedidos. De tal maneira assim era que, em vez de se entregar ao seu ofício, Omar opta por nos acompanhar no passeio.

Os donos do dhow conhecem-no.

Admitem-no a bordo e ao boião que o miúdo carregava como um apêndice de plástico gorduroso.

A Partida Matinal da Ilha de Moçambique

Instalamo-nos numa zona da embarcação que o capitão nos indica e em que não atrapalharíamos as manobras do trio de tripulantes. Instantes depois, zarpamos para a baía de Mossuril, apontados ao extremo norte da Ilha de Moçambique e à saída para o Canal de Moçambique.

O dhow rasa o forte de São Sebastião. Passa por uma frota de pescadores artesanais a bordo das suas pirogas movidas a pagaia única. Ao contornarmos a península ocupada pela fortaleza, flectimos para sudeste.

Entregamo-nos à imensidão do canal.

Nesse tempo, refastelados entre o assento e o fundo do casco, admiramos a perícia com que o capitão e os seus ajudantes ajustam a vela ao vento, como a esticam e fazem oscilar com uma fluidez que mal nos perturba no nosso trono panorâmico.

À medida que nos aproximamos da ilha da Goa, o tráfico marítimo diminui a olhos vistos.

Aos poucos, de um mero vislumbre, define-se uma torre listada, branca e vermelha, acima de uma crista densa da vegetação que preenche o oriente da ilha, para lá de uma costa feita de duas linhas.

Uma primeira, de recife castanho e áspero. Outra, logo acima, de uma areal alvo que antecede o verde arbustivo.

O “Titanic” aproxima-se do recife rochoso. Navega paralelo, a determinada altura, já ao longo do litoral sul e de seus sucessivos recortes. Um deles, revela-se mais profundo que os anteriores.

Acolhe uma pequena angra com leito de areia molhada. O capitão aponta o “Titanic” àquele portinho natural e de águas cristalinas.

Virada a sul e de mar tranquilo a condizer, a enseada concede-nos um desembarque suave.

Ilha de Goa, Ilha de Moçambique, Nampula, ancoragem

Ilha de Goa: o Desembarque na Ilha ainda Deserta

Num ápice, vêmo-nos em terra firme. Subimos para uma laje intermédia forrada a pedra-coral.

Dali, já com um duo de tripulantes do “Titanic” a fazer de guias e Omar a acompanhar-nos, seguimos um trilho de pedra-coral, recto, sulcado na vegetação.

Ilha de Goa, Ilha de Moçambique, Nampula, Omar e guia

Uma de duas vias abertas e que, em forma de cruz, abrangiam a ilha de Goa de sul a norte e de leste a oeste.

Sempre em fila, ou quase fila, chegados ao centro da ilha, cortamos para a sua perpendicular.

No término dessa continuação, com a costa oriental de novo à vista, esbarramos com a torre listada do farol.

“Comi duas chamuças.

Com este calor, estou a morrer de sede” desabafa Omar, no português básico com que se desenvencilhava com os visitantes lusos, à margem do dialecto macua em que os nativos daquelas paragens comunicam.

Aqui e ali, com recurso adicional a línguas vizinhas, casos do quimuane e do suaíli, úteis para conversas com tanzanianos e até mesmo com quenianos.

Sem que o esperássemos, o rapaz serve-se de um poço coberto. Lança para o seu fundo um garrafão atado a uma corda. Recupera-o, cheio de água.

Enche um copo de metal também ali ao dispor, providencial naquele reduto desprovido de outras infraestruturas e castigado pelo sol tropical.

Omar bebe o copo de um trago único. Restabelecido, insta-nos a subirmos ao cimo do farol. “Vamos! É muito bonito lá de cima.”

Ascendemos a escadaria, sem pressas. Mais que guias, os dois tripulantes provam-se escoltas. Por muito que a ilha tivesse por contar, pouco mais sabem que por ali se orientarem, o suficiente para nos conduzirem aos seus pontos fulcrais.

Deixamo-los ganharem avanço.

A meio de um dos lances da escadaria, Omar detém-se a contemplar a vista por um janelo arredondado, já sem vidros.

Atentos aos seus movimentos, apercebemo-nos como a sua face gerava uma silhueta perfeita, contra os azuis do Canal de Moçambique e do horizonte pouco nublado acima.

Retomamos a ascensão.

Ao chegarmos ao cimo, já os guias por lá cirandavam, entretidos a investigarem se as intempéries e os vendavais teriam causado estragos.

Ilha de Goa e o Cimo Panorâmico do Velho Farol

Um deles, segura o invólucro de acrílico da lâmpada eléctrica, como a testar a sua estabilidade.

Apercebemo-nos que tinha as unhas das mãos pintadas de vermelho bem vivo.

Omar também repara. Confrontamos olhares intrigados. Omar furta-se a observar o que quer que fosse, com o conterrâneo por perto.

Mais tarde, confessa-nos que também achava estranho. “Não sei… achou piada e pintou. Por cá, nem sempre quer dizer nada.”

Sem ter como se alongar no tema, o miúdo aproveita o inesperado protagonismo.

Pousa, mais uma vez, o frasco das chamuças e enquadra-se na campânula enferrujada do farol, a apreciar as vistas em redor.

Ilha de Goa, Ilha de Moçambique, Nampula, Omar no Farol

Voltamos a fotografá-lo, naquela sua inadvertida fotogenia.

Enquanto o fazemos, reparamos em vários respingos, longínquos, ainda assim, bem destacados acima do azulão-profundo do Canal de Moçambique.

As Baleias Irrequietas no Canal de Moçambique

Trocamos de objectivas. Quando os enquadramos e magnificamos, percebemos que se tratavam de baleias, entregues a repetidos saltos e exibicionismos afins.

Há milénios que o Canal de Moçambique está na rota migratória de distintas espécies de cetáceos, sobretudo de baleias-jubarte, e de bossa. Nos meses mais frios, estas espécies deixam as águas demasiado gélidas do Mar Antárctico rumo a norte. 

De Junho a Setembro, sobem o sul da costa de África e circulam entre Moçambique, Madagascar, com passagens frequentes ao largo do arquipélago das Comoros.

A sua presença sazonal nestas paragens chegou a justificar que, em tempos em que a caça à baleia carecia de regulamentação, duas empresas, diz-se que norueguesas, instalassem estações baleeiras na província de Inhambane, em Linga-Linga.

Mais tarde, abandonaram-nas, ainda antes de o abate dos cetáceos ser inviabilizado pela sua protecção e pelo estabelecimento de distintas eco-reservas terrestres e marinhas moçambicanas.

E a História Secular do Farol da Ilha de Goa

O farol de que continuávamos a apreciar o panorama índico em redor, esse, foi erguido em 1876, com o fim de assinalar a entrada para a Baía de Mossuril.

De orientar as embarcações ao largo, sobretudo as que tinham como destino a Ilha de Moçambique.

É considerado o mais antigo de Moçambique e estima-se que de toda a costa africana do Índico.

A sua arquitectura quadrangular, em vez de arredondada, serviu de padrão para vários outros entretanto edificados em Zanzibar e ao longo da costa sul da África Oriental Alemã, território colonial desmembrado após a derrota germânica na 1ª Guerra Mundial e que deu origem à actual Tanzânia.

Na origem, o farol da Ilha de Goa tinha meros doze metros de altura.

Em 1923, a sua torre foi aumentada para os trinta e um metros a que nos encontrávamos, dotada de uma nova luz e objectiva, provavelmente antecessoras das que o mantêm em serviço.

Partida da Ilha de Goa, Rumo à Cabaçeira

Como o tínhamos acordado, a Ilha de Goa e o seu emblemático farol eram apenas a primeira paragem de um itinerário mais amplo em redor da Ilha de Moçambique, com desembarque previsto na  não menos intrigante península da Cabaceira.

Ciente do valor do seu tempo, o capitão vê-nos a demorar no cimo da torre. Apesar da distância, consegue alertar os tripulantes-guias que está na hora de prosseguirmos.

Tiramos umas derradeiras fotos.

Após o que regressamos ao solo e ao colorido “Titanic”.

Dali, apontamos à ponta de Cabaceira, ao largo de colónias de embondeiros despidos de folhas que nos parecem saudar.

Esse percurso, cumprimo-lo já empurrados por um vento intenso que faz a vela do dhow empolar e o barco inclinar-se até ao limite da sua veloz flutuação.

O capitão nota-nos apreensivos.

Decide sossegar-nos. “Calma, amigos. Isto da parte da tarde é mesmo assim. Quando mais próximo do pôr-do-sol, mais intenso e rápido se torna.”

Ilha de Goa, Ilha de Moçambique, Nampula, a bordo de dhowAbstraímo-nos e aproveitarmos a inclinação. Tiramos fotos dos tripulantes em luta com a vela e com a oscilação causada pelas vagas.

Enquanto isso, o casario longínquo da Ilha de Moçambique desenrolava-se a ritmo condizente.

Ilha de Moçambique, Nampula, Moçambique

Por fim, o capitão faz o “Titanic” entrar num braço de mar raso, protegido de manguezais. Regressamos à bonança.

Caminhamos com a água pelos joelhos, entre caranguejos alarmados, até retornamos a terra firme. Tal como nos longos tempos coloniais, a Cabaceira confirmou-se uma expedição à parte.

A que, em breve dedicaremos, o seu merecido capítulo.

PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Ilha de Moçambique, Moçambique  

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Ilha Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Ilha do Ibo a Ilha QuirimbaMoçambique

Ibo a Quirimba ao Sabor da Maré

Há séculos que os nativos viajam mangal adentro e afora entre a ilha do Ibo e a de Quirimba, no tempo que lhes concede a ida-e-volta avassaladora do oceano Índico. À descoberta da região, intrigados pela excentricidade do percurso, seguimos-lhe os passos anfíbios.
Pemba, Moçambique

De Porto Amélia ao Porto de Abrigo de Moçambique

Em Julho de 2017, visitámos Pemba. Dois meses depois, deu-se o primeiro ataque a Mocímboa da Praia. Nem então nos atrevemos a imaginar que a capital tropical e solarenga de Cabo Delgado se tornaria a salvação de milhares de moçambicanos em fuga de um jihadismo aterrorizador.
Ilhéu de Cima, Porto Santo, Portugal

A Primeira Luz de Quem Navega de Cima

Integra o grupo dos seis ilhéus em redor da Ilha de Porto Santo mas está longe de ser apenas mais um. Mesmo sendo o ponto limiar oriental do arquipélago da Madeira, é o ilhéu mais próximo dos portosantenses. À noite, também faz do fanal que confirma às embarcações vindas da Europa o bom rumo.
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Machangulo, Moçambique

A Península Dourada de Machangulo

A determinada altura, um braço de mar divide a longa faixa arenosa e repleta de dunas hiperbólicas que delimita a Baía de Maputo. Machangulo, assim se denomina a secção inferior, abriga um dos litorais mais grandiosos de Moçambique.
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Safari
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Sombra vs Luz
Arquitectura & Design
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Bom conselho Budista
Cerimónias e Festividades
Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.
A Crucificação em Helsínquia
Cidades
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
fogon de Lola, comida rica, Costa Rica, Guapiles
Comida
Fogón de Lola, Costa Rica

O Sabor a Costa Rica de El Fogón de Lola

Como o nome deixa perceber, o Fogón de Lola de Guapiles serve pratos confeccionados ao fogão e ao forno, segundo tradição familiar costarricense. Em particular, a família da Tia Lola.
Big Freedia e bouncer, Fried Chicken Festival, New Orleans
Cultura
New Orleans, Luisiana, Estados Unidos

Big Freedia: em Modo Bounce

New Orleans é o berço do jazz e o jazz soa e ressoa nas suas ruas. Como seria de esperar, numa cidade tão criativa, lá emergem novos estilos e actos irreverentes. De visita à Big Easy, aventuramo-nos à descoberta do Bounce hip hop.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
A Toy Train story
Em Viagem
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Espectáculo Impressions Lijiang, Yangshuo, China, Entusiasmo Vermelho
Étnico
Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Porfólio Got2Globe

O Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

Torshavn, Ilhas Faroe, remo
História
Tórshavn, Ilhas Faroé

O Porto Faroês de Thor

É a principal povoação das ilhas Faroé desde, pelo menos, 850 d.C., ano em que os colonos viquingues lá estabeleceram um parlamento. Tórshavn mantém-se uma das capitais mais diminutas da Europa e o abrigo divinal de cerca de um terço da população faroense.
Vista aérea de Moorea
Ilhas
Moorea, Polinésia Francesa

A Irmã Polinésia que Qualquer Ilha Gostaria de Ter

A meros 17km de Taiti, Moorea não conta com uma única cidade e abriga um décimo dos habitantes. Há muito que os taitianos veem o sol pôr-se e transformar a ilha ao lado numa silhueta enevoada para, horas depois, lhe devolver as cores e formas exuberantes. Para quem visita estas paragens longínquas do Pacífico, conhecer também Moorea é um privilégio a dobrar.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Sé Catedral, Funchal, Madeira
Natureza
Funchal, Madeira

Portal para um Portugal Quase Tropical

A Madeira está situada a menos de 1000km a norte do Trópico de Câncer. E a exuberância luxuriante que lhe granjeou o cognome de ilha jardim do Atlântico desponta em cada recanto da sua íngreme capital.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Kogi, PN Tayrona, Guardiães do Mundo, Colômbia
Parques Naturais
PN Tayrona, Colômbia

Quem Protege os Guardiães do Mundo?

Os indígenas da Serra Nevada de Santa Marta acreditam que têm por missão salvar o Cosmos dos “Irmãos mais Novos”, que somos nós. Mas a verdadeira questão parece ser: "Quem os protege a eles?"
Um contra todos, Mosteiro de Sera, Sagrado debate, Tibete
Património Mundial UNESCO
Lhasa, Tibete

Sera, o Mosteiro do Sagrado Debate

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Soufrière e Pitons, Saint Luci
Praias
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Mtshketa, Cidade Santa da Geórgia, Cáucaso, Catedral de Svetitskhoveli
Religião
Mtskheta, Geórgia

A Cidade Santa da Geórgia

Se Tbilissi é a capital contemporânea, Mtskheta foi a cidade que oficializou o Cristianismo no reino da Ibéria predecessor da Geórgia, e uma das que difundiu a religião pelo Cáucaso. Quem a visita, constata como, decorridos quase dois milénios, é o Cristianismo que lá rege a vida.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre Carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Tombola, bingo de rua-Campeche, Mexico
Sociedade
Campeche, México

Um Bingo tão lúdico que se joga com bonecos

Nas noites de sextas um grupo de senhoras ocupam mesas do Parque Independencia e apostam ninharias. Os prémios ínfimos saem-lhes em combinações de gatos, corações, cometas, maracas e outros ícones.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Vida Selvagem
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.