Ilhéu de Cima, Porto Santo, Portugal

A Primeira Luz de Quem Navega de Cima


Cargueiro à Vista
De volta ao Sopé
Grupo do tour desce a escadaria de volta à base do Ilhéu de Cima.
Transparência
Dragoeiro “Juvenil”
Dragoeiro recém-plantado pelas autoridades com o fim de recuperar a vegetação que em tempos proliferava no Ilhéu do Farol.
O Farol
A fachada frontal do farol do Ilhéu de Cima, entre duas alas habitacionais.
Lancha a caminho
Lancha aproxima-se do ponto de ancoragem no sopé do Ilhéu do Farol.
Um Santo Porto e Abrigo
Veleiros ancorados na marina de Porto Santo, a oeste da Ponta do Passo.
Os Murais da Marina
Atleta corre ao longo do muro que isola a marina do Porto Santo.
De Frente para a Ponta do Passo
A vista da ponta noroeste do Ilhéu do Farol para a Ponta do Passo de Porto Santo.
À Vela
Navegador em pleno momento de diversão, ao largo do Ilhéu do Farol.
Breve Snorkeling
Tempo de banhos e snorkeling ao largo do Ilhéu do Farol.
Integra o grupo dos seis ilhéus em redor da Ilha de Porto Santo mas está longe de ser apenas mais um. Mesmo sendo o ponto limiar oriental do arquipélago da Madeira, é o ilhéu mais próximo dos portosantenses. À noite, também faz do fanal que confirma às embarcações vindas da Europa o bom rumo.

Chegamos a Domingo. Porto Santo prenda-nos com um dos poucos amanheceres solarengos.

Sobre as 9h30, como combinado, estamos à porta do hotel prontos para seguirmos. Os miúdos da família que dali nos acompanhariam, aparecem sonolentos e de chinelos de praia.

O guia da Mar Dourado avisa-os de que, calçados daquela maneira, a caminhada os ia fazer sofrer. Nem assim consegue vencer, primeiro a indecisão, depois, a inércia juvenil de grupo.

Victor encolhe os ombros. Valida a partida. Atravessamos toda a Vila Baleira ao ritmo domingueiro a que a povoação se entregava. Não tarda, a estrada ladeada de casas e negócios dá lugar a uma outra, desafogada, baptizada de Estudante Jorge de Freitas e paralela ao areal dourado do sul da ilha dourada.

Chegados ao sopé da Portela, entramos na marina. Encontramo-la disputada por atletas estimulados pela pista de asfalto entre os rochedos do molhe e o muro repleto de pinturas murais náuticas acima.

Ilhéu do Farol, Ilhéu de Cima, Marina de Porto Santo

Atleta corre ao longo do muro que isola a marina do Porto Santo.

Victor reúne os passageiros.

Passa-lhes a informação relativa à navegação e ao destino. Instantes depois, zarparmos para o Atlântico manso a sul do cais.

Ilhéu do Farol, Ilhéu de Cima, Marina de Porto Santo

Veleiros ancorados na marina de Porto Santo, a oeste da Ponta do Passo.

A Navegação Suave Rumo ao Ilhéu do Farol

O semi-rígido progride na direcção da Ponta do Passo. Da iminência desta península, com vista para a praia aconchegada na sua base, apontamos à extremidade norte do Ilhéu de Cima, uma espécie de cenário invertido a que a geologia e a erosão soltaram amarras.

Não obstante a separação, o Ilhéu de Cima continua por ali. É o mais íntimo da constelação de quase-ilhas vulcânicas e áridas que cercam o Porto Santo. Dista meros 380 metros do limiar sudeste da ilha principal.

Ilhéu do Farol, Ilhéu de Cima, À Vela

Navegador em pleno momento de diversão, ao largo do Ilhéu do Farol.

O semi-rigído progride tão próximo das suas escarpas ocidentais que, malgrado a sombra, conseguimos apreciar vários tubos de lava que parecem ter sido injectados a posteriori na rocha.

Conseguimos também identificar a formação vulcânica excêntrica que Victor nos aponta, baptizada como Pedra do Sol, por razões que a sua configuração torna bem óbvias.

Estima-se que há cerca de 18 milhões de anos, fluxos de lava velozes e de temperaturas elevadas entraram em contacto com o mar bem mais frio. A lava solidificou em pouco tempo. Assumiu uma estrutura raiada, radial, que evoca o visual do grande astro e que forma um dos principais geossítios do Ilhéu de Cima.

Decorridos mais uns minutos, amaramos no pequeno ancoradouro imposto à costa e a salvo do mar do Norte.

A Longa Rampa e Escadaria para o topo do Ilhéu de Cima

Victor alerta os participantes que, em termos de esforço, tinha chegado o momento da verdade. Como quem não quer a coisa, olha de soslaio para a miudagem e para os seus pés achinelados. “Vamos lá então. São 713 degraus até lá acima. Paramos de quantos em quantos que as vistas cá para baixo são boas.”

Boas… era como quem dizia. Detemo-nos num dos “descansos dos burros”. A escadaria contava com alguns mais, determinados pelos pontos em que os jumentos que antes carregavam os víveres, mercadorias, fosse o que fosse, até ao cimo do farol, eram amarrados de maneira a evitar acidentes.

Desse patamar murado, o mar exibia um incrível esplendor cromático: no imediato, uma faixa esmeralda translúcida que deixava perceber as rochas submersas ao pormenor. Dessa faixa em diante, uma vastidão de água-turquesa a que só o sul de Porto Santo impunha fim.

Ilhéu do Farol, Porto Santo, Ilhéu de Cima, Porto Santo, Lancha a caminho

Lancha aproxima-se do ponto de ancoragem no sopé do Ilhéu do Farol.

Faltavam umas centenas de degraus para o cimo do ilhéu. Dali para cima, a transparência e a aparência do mar só se aperfeiçoaram.

O cenário suscita-nos anseios súbitos de mergulhos, banhos e natações. Com a ascensão, se calhar, nem a meio, arrumamo-los no subconsciente e retomamos a conquista do farol.

A escadaria chega a um recanto. Dobra para trás. Mais umas boas dezenas de degraus e lança-nos sobre a terra estável do topo do ilhéu.

Pré-informado de que participávamos com uma missão à parte, Victor dá-nos a soltura necessária para nos adiantarmos e chegarmos à ponta noroeste do ilhéu com tempo de fotografarmos o seu confronto grandioso com a do Passo.

Incursão à Ponta Noroeste do Ilhéu do Farol

Quase corremos. Evitamos um ataque de gaivotas furiosas pelo trespasse do seu território onde, por certo, teriam ninho.

Assim mesmo, atrapalhados pelo vento cimeiro e pela ameaça asada, progredimos sobre a crista apertada, ao mesmo tempo que admirávamos o panorama sombrio e vertiginoso à direita.

Por fim, a crista abre para um trecho um pouco mais amplo e espalmado. Tiramos as mochilas das costas, estabilizamos a respiração ofegante.

Logo, desatamos a fotografar. Sobretudo o Pico Branco, a sua Terra Chã e outros picos que se erguiam acima da Ponta do Passo, destacados do maciço dourado do Porto Santo, apenas separados da ponta que nos sustinha por um estreito de mar raso, esverdeado.

Ilhéu do Farol, Porto Santo, Ilhéu de Cima, Porto Santo, de Frente para a Ponta do Passo.

A vista da ponta noroeste do Ilhéu do Farol para a Ponta do Passo de Porto Santo.

Já estávamos atrasados. Retrocedemos com o mesmo cuidado. Vemos a fila liderada por Victor ao longe. Victor, detecta-nos e reclama-nos.

Quando nos reunimos, o grupo faz-se a uma ladeira que cruza a secção mais larga do ilhéu e sobe para o topo das arribas que encerram o seu leste, abrigo das cenouras-da-rocha endémicas da Macaronésia.

O trilho surge demarcado pela ausência da vegetação baixa e ressequida predominante em redor, salpicada apenas por umas poucas árvores de folhas afiadas que, tudo indicava, seriam juvenis. Intrigados, perguntamos a Victor de que se tratavam.

Os Dragoeiros que, em tempos, Abundavam na Ilha e em todo Porto Santo

O guia esclarece-nos. “São dragoeiros. Agora, pode-vos parecer impossível mas este Ilhéu de Cima e Porto Santo em geral já estiveram repletos de grandes dragoeiros.

No Ilhéu de Cima, em particular, foram tantos que chegou a ser chamado de Ilhéu dos Dragoeiros.

Ilhéu do Farol, Ilhéu de Cima, Porto Santo, dragoeiro

Dragoeiro recém-plantado pelas autoridades com o fim de recuperar a vegetação que em tempos proliferava no Ilhéu do Farol.

As árvores e o sentido do nome desapareceram porque, com a colonização, veio a procura de madeira e a extracção do sangue-de-drago, alastradas a quase toda a Macaronésia.

O cronista açoriano Gaspar Frutuoso (1522, Ponta Delgada; 1591, Ribeira Grande, Madeira) narrou, nas suas crónicas que, com os troncos dos dragoeiros milenares, os colonos do Porto Santo construíram barcos capazes de levar seis ou sete homens à pesca.

Com os séculos, o Porto Santo e os seus ilhéus perderam-nos a todos mas os dragos mantêm lugar definitivo nas armas do município da cidade que, na prática, abrange toda a ilha.

As autoridades ambicionam recuperá-los. Tratando-se de árvores de crescimento lento, têm muito que plantar. E ainda mais que esperar.

O Farol por que Também é Conhecido o Ilhéu do Farol

O farol, esse, não tardou.

Uns passos adicionais, já a 120 metros de altitude, esbarramos com a sua frente, virada a oeste, Compõem-na duas alas habitacionais gémeas, com uma torre de quinze metros no meio, por sua vez, coroada por uma campânula vermelha.

Ilhéu do Farol, Ilhéu de Cima, Porto Santo, o Farol

A fachada frontal do farol do Ilhéu de Cima, entre duas alas habitacionais.

Victor e os colegas instalam-se junto às mesas de descanso e refeições que equipam a estrutura. Lá se dedicam a preparar os comes e bebes que a comitiva fizera por merecer.

Aproveitamos para investigar o entorno do farol. Não vamos longe.

Quando lhe damos a volta, confirmamos que havia sido inaugurado, em Maio de 1901, quase sobre os penhascos leste do ilhéu, num ponto elevado que facilitava o avistamento da sua luz rotativa pelas embarcações nas rotas de entrada e saída da Europa.

O Farol do Ilhéu de Cima continua a ser, há que sublinhá-lo, o primeiro a guiar os barcos provenientes do norte, fosse dos litorais atlânticos europeus, fosse do Mar Mediterrânico.

Até 1956, a sua luz foi alimentada a petróleo. Desse ano em diante, o farol funcionou com uma lâmpada de 3000 watts, remodelada, em 1982, quando passou a ter um alcance de quase 40km e tornou desnecessária a intervenção de faroleiros.

Por improvável que possa parecer, decorrida uma década, o farol foi desligado sem aviso.

O Desembarque Atribulado de Migrantes Marroquinos que Desligaram o Farol

Estamos já sentados numa das mesas da petiscada quando  Victor nos conta o sucedido: “olhem, desactivaram-no quatro marroquinos que aqui chegaram em desespero.

Tinham embarcado num navio panamiano, em Casablanca, de forma clandestina.

Entretanto, a tripulação descobriu-os e o comandante tomou a medida mais radical. Largou-os no mar aqui próximo. A muito esforço, conseguiram chegar cá acima mas não havia aqui ninguém, nem sequer água.

Por isso, decidiram desligar o farol de maneira a que os viessem socorrer.

A Dentista Beirã Lurdes e o Mergulho no Atlântico Delicioso ao Largo do Ilhéu de Cima

Victor entrega-se a deveres de anfitrião noutras mesas. Na continuação da conversa, conhecemos melhor uma parceira da nossa.

Chamava-se Lurdes. Era de Viseu, onde trabalhava como dentista. Fazia cinco anos que migrara da Beira Alta para o Porto Santo, com a filha que, nessa altura, já ia com onze anos e tinha trocado o sotaque beirão pelo profeta.

Lurdes delicia-nos com particularidades das suas consultas, em que os pacientes lhe ofereciam de tudo um pouco, como sempre foi hábito dos beirões e da gente do interior de Portugal.

Finda-se o repasto. Invertemos o caminho para onde o semi-rígido nos aguardava, a essa altura, já com os adolescentes dos chinelos a rogarem pragas à sua teimosia comunal.

Ilhéu do Farol, Ilhéu de Cima, Porto Santo

Grupo do tour desce a escadaria de volta à base do Ilhéu de Cima.

Informado de que teria tempo para se refrescar, o grupo atinge o fundo da escadaria num ápice. Já sobre a laje vulcânica que fazia de doca, mergulhamos no Atlântico amornado ao largo.

Rejubilamos com o banho inaugural em Porto Santo. Ditou a azáfama exploradora e fotográfica que tivesse sido o único.

Ilhéu do Farol, Ilhéu de Cima, Snorkeling

Tempo de banhos e snorkeling ao largo do Ilhéu do Farol.

Reserve o Tour ao Ilhéu de Cima com a Mar Dourado:

+351 96 397 07 89

[email protected]

Vereda Terra Chã e Pico Branco, Porto Santo

Pico Branco, Terra Chã e Outros Caprichos da Ilha Dourada

No seu recanto nordeste, Porto Santo é outra coisa. De costas voltadas para o sul e para a sua grande praia, desvendamos um litoral montanhoso, escarpado e até arborizado, pejado de ilhéus que salpicam um Atlântico ainda mais azul.
Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo

Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.
Paul do Mar a Quebrada Nova, Madeira, Portugal

À Descoberta da Finisterra Madeirense

Curva atrás de curva, túnel atrás de túnel, chegamos ao sul solarengo e festivo de Paul do Mar. Arrepiamo-nos com a descida ao retiro vertiginoso da Quebrada Nova. Voltamos a ascender e deslumbramo-nos com o cabo derradeiro de Ponta do Pargo. Tudo isto, nos confins ocidentais da Madeira.
Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

A Ponta Leste, algo Extraterrestre da Madeira

Inóspita, de tons ocres e de terra crua, a Ponta de São Lourenço surge, com frequência, como a primeira vista da Madeira. Quando a percorremos, deslumbramo-nos, sobretudo, com o que a mais tropical das ilhas portuguesas não é.
Pico do Arieiro - Pico Ruivo, Madeira, Portugal

Pico Arieiro ao Pico Ruivo, Acima de um Mar de Nuvens

A jornada começa com uma aurora resplandecente aos 1818 m, bem acima do mar de nuvens que aconchega o Atlântico. Segue-se uma caminhada sinuosa e aos altos e baixos que termina sobre o ápice insular exuberante do Pico Ruivo, a 1861 metros.
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha da Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos

De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.
San Cristobal de Las Casas, Chiapas, Zapatismo, México, Catedral San Nicolau
UNESCO
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Cabana de Bay Watch, Miami beach, praia, Florida, Estados Unidos,
Arquitectura & Design
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Cerimónias e Festividades
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Anoitecer no Parque Itzamna, Izamal, México
Cidades
Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Casal Gótico
Cultura

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Em Viagem
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
MAL(E)divas
Étnico
Malé, Maldivas

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, Malé, a capital das Maldivas, pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano  genuíno que as brochuras turísticas omitem.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Mosteiro de Tawang, Arunachal Pradesh, Índia
História
Tawang, Índia

O Vale Místico da Profunda Discórdia

No limiar norte da província indiana de Arunachal Pradesh, Tawang abriga cenários dramáticos de montanha, aldeias de etnia Mompa e mosteiros budistas majestosos. Mesmo se desde 1962 os rivais chineses não o trespassam, Pequim olha para este domínio como parte do seu Tibete. De acordo, há muito que a religiosidade e o espiritualismo ali comungam com um forte militarismo.
Ocaso, Santo Antão, Cabo Verde
Ilhas
Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda

Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Sombra vs Luz
Literatura
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Buracos dos cozidos das Furnas, São Miguel, Açores, Portugal
Natureza
Vale das Furnas, São Miguel

O Calor Açoriano do Vale das Furnas

Surpreendemo-nos, na maior ilha dos Açores, com uma caldeira retalhada por minifúndios agrícolas, massiva e profunda ao ponto de abrigar dois vulcões, uma enorme lagoa e quase dois mil micaelenses. Poucos lugares do arquipélago são, ao mesmo tempo, tão grandiosos e acolhedores como o verdejante e fumegante Vale das Furnas.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Terraços de Sistelo, Serra do Soajo, Arcos de Valdevez, Minho, Portugal
Parques Naturais
Peneda-Gerês, Portugal

Do “Pequeno Tibete Português” às Fortalezas do Milho

Deixamos as fragas da Srª da Peneda, rumo a Arcos de ValdeVez e às povoações que um imaginário erróneo apelidou de Pequeno Tibete Português. Dessas aldeias socalcadas, passamos por outras famosas por guardarem, como tesouros dourados e sagrados, as espigas que colhem. Caprichoso, o percurso revela-nos a natureza resplandecente e a fertilidade verdejante destas terras da Peneda-Gerês.
Passageira agasalhada-ferry M:S Viking Tor, Aurlandfjord, Noruega
Património Mundial UNESCO
Flam a Balestrand, Noruega

Onde as Montanhas Cedem aos Fiordes

A estação final do Flam Railway, marca o término da descida ferroviária vertiginosa das terras altas de Hallingskarvet às planas de Flam. Nesta povoação demasiado pequena para a sua fama, deixamos o comboio e navegamos pelo fiorde de Aurland abaixo rumo à prodigiosa Balestrand.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Personagens
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Dunas da ilha de Bazaruto, Moçambique
Praias
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Forte de São Filipe, Cidade Velha, ilha de Santiago, Cabo Verde
Religião
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

A Toy Train story
Sobre carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Mini-snorkeling
Sociedade
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Vida Selvagem
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.