Ilhéu de Cima, Porto Santo, Portugal

A Primeira Luz de Quem Navega de Cima


Cargueiro à Vista
De volta ao Sopé
Grupo do tour desce a escadaria de volta à base do Ilhéu de Cima.
Transparência
Dragoeiro “Juvenil”
Dragoeiro recém-plantado pelas autoridades com o fim de recuperar a vegetação que em tempos proliferava no Ilhéu do Farol.
O Farol
A fachada frontal do farol do Ilhéu de Cima, entre duas alas habitacionais.
Lancha a caminho
Lancha aproxima-se do ponto de ancoragem no sopé do Ilhéu do Farol.
Um Santo Porto e Abrigo
Veleiros ancorados na marina de Porto Santo, a oeste da Ponta do Passo.
Os Murais da Marina
Atleta corre ao longo do muro que isola a marina do Porto Santo.
De Frente para a Ponta do Passo
A vista da ponta noroeste do Ilhéu do Farol para a Ponta do Passo de Porto Santo.
À Vela
Navegador em pleno momento de diversão, ao largo do Ilhéu do Farol.
Breve Snorkeling
Tempo de banhos e snorkeling ao largo do Ilhéu do Farol.
Integra o grupo dos seis ilhéus em redor da Ilha de Porto Santo mas está longe de ser apenas mais um. Mesmo sendo o ponto limiar oriental do arquipélago da Madeira, é o ilhéu mais próximo dos portosantenses. À noite, também faz do fanal que confirma às embarcações vindas da Europa o bom rumo.

Chegamos a Domingo. Porto Santo prenda-nos com um dos poucos amanheceres solarengos.

Sobre as 9h30, como combinado, estamos à porta do hotel prontos para seguirmos. Os miúdos da família que dali nos acompanhariam, aparecem sonolentos e de chinelos de praia.

O guia da Mar Dourado avisa-os de que, calçados daquela maneira, a caminhada os ia fazer sofrer. Nem assim consegue vencer, primeiro a indecisão, depois, a inércia juvenil de grupo.

Victor encolhe os ombros. Valida a partida. Atravessamos toda a Vila Baleira ao ritmo domingueiro a que a povoação se entregava. Não tarda, a estrada ladeada de casas e negócios dá lugar a uma outra, desafogada, baptizada de Estudante Jorge de Freitas e paralela ao areal dourado do sul da ilha dourada.

Chegados ao sopé da Portela, entramos na marina. Encontramo-la disputada por atletas estimulados pela pista de asfalto entre os rochedos do molhe e o muro repleto de pinturas murais náuticas acima.

Ilhéu do Farol, Ilhéu de Cima, Marina de Porto Santo

Atleta corre ao longo do muro que isola a marina do Porto Santo.

Victor reúne os passageiros.

Passa-lhes a informação relativa à navegação e ao destino. Instantes depois, zarparmos para o Atlântico manso a sul do cais.

Ilhéu do Farol, Ilhéu de Cima, Marina de Porto Santo

Veleiros ancorados na marina de Porto Santo, a oeste da Ponta do Passo.

A Navegação Suave Rumo ao Ilhéu do Farol

O semi-rígido progride na direcção da Ponta do Passo. Da iminência desta península, com vista para a praia aconchegada na sua base, apontamos à extremidade norte do Ilhéu de Cima, uma espécie de cenário invertido a que a geologia e a erosão soltaram amarras.

Não obstante a separação, o Ilhéu de Cima continua por ali. É o mais íntimo da constelação de quase-ilhas vulcânicas e áridas que cercam o Porto Santo. Dista meros 380 metros do limiar sudeste da ilha principal.

Ilhéu do Farol, Ilhéu de Cima, À Vela

Navegador em pleno momento de diversão, ao largo do Ilhéu do Farol.

O semi-rigído progride tão próximo das suas escarpas ocidentais que, malgrado a sombra, conseguimos apreciar vários tubos de lava que parecem ter sido injectados a posteriori na rocha.

Conseguimos também identificar a formação vulcânica excêntrica que Victor nos aponta, baptizada como Pedra do Sol, por razões que a sua configuração torna bem óbvias.

Estima-se que há cerca de 18 milhões de anos, fluxos de lava velozes e de temperaturas elevadas entraram em contacto com o mar bem mais frio. A lava solidificou em pouco tempo. Assumiu uma estrutura raiada, radial, que evoca o visual do grande astro e que forma um dos principais geossítios do Ilhéu de Cima.

Decorridos mais uns minutos, amaramos no pequeno ancoradouro imposto à costa e a salvo do mar do Norte.

A Longa Rampa e Escadaria para o topo do Ilhéu de Cima

Victor alerta os participantes que, em termos de esforço, tinha chegado o momento da verdade. Como quem não quer a coisa, olha de soslaio para a miudagem e para os seus pés achinelados. “Vamos lá então. São 713 degraus até lá acima. Paramos de quantos em quantos que as vistas cá para baixo são boas.”

Boas… era como quem dizia. Detemo-nos num dos “descansos dos burros”. A escadaria contava com alguns mais, determinados pelos pontos em que os jumentos que antes carregavam os víveres, mercadorias, fosse o que fosse, até ao cimo do farol, eram amarrados de maneira a evitar acidentes.

Desse patamar murado, o mar exibia um incrível esplendor cromático: no imediato, uma faixa esmeralda translúcida que deixava perceber as rochas submersas ao pormenor. Dessa faixa em diante, uma vastidão de água-turquesa a que só o sul de Porto Santo impunha fim.

Ilhéu do Farol, Porto Santo, Ilhéu de Cima, Porto Santo, Lancha a caminho

Lancha aproxima-se do ponto de ancoragem no sopé do Ilhéu do Farol.

Faltavam umas centenas de degraus para o cimo do ilhéu. Dali para cima, a transparência e a aparência do mar só se aperfeiçoaram.

O cenário suscita-nos anseios súbitos de mergulhos, banhos e natações. Com a ascensão, se calhar, nem a meio, arrumamo-los no subconsciente e retomamos a conquista do farol.

A escadaria chega a um recanto. Dobra para trás. Mais umas boas dezenas de degraus e lança-nos sobre a terra estável do topo do ilhéu.

Pré-informado de que participávamos com uma missão à parte, Victor dá-nos a soltura necessária para nos adiantarmos e chegarmos à ponta noroeste do ilhéu com tempo de fotografarmos o seu confronto grandioso com a do Passo.

Incursão à Ponta Noroeste do Ilhéu do Farol

Quase corremos. Evitamos um ataque de gaivotas furiosas pelo trespasse do seu território onde, por certo, teriam ninho.

Assim mesmo, atrapalhados pelo vento cimeiro e pela ameaça asada, progredimos sobre a crista apertada, ao mesmo tempo que admirávamos o panorama sombrio e vertiginoso à direita.

Por fim, a crista abre para um trecho um pouco mais amplo e espalmado. Tiramos as mochilas das costas, estabilizamos a respiração ofegante.

Logo, desatamos a fotografar. Sobretudo o Pico Branco, a sua Terra Chã e outros picos que se erguiam acima da Ponta do Passo, destacados do maciço dourado do Porto Santo, apenas separados da ponta que nos sustinha por um estreito de mar raso, esverdeado.

Ilhéu do Farol, Porto Santo, Ilhéu de Cima, Porto Santo, de Frente para a Ponta do Passo.

A vista da ponta noroeste do Ilhéu do Farol para a Ponta do Passo de Porto Santo.

Já estávamos atrasados. Retrocedemos com o mesmo cuidado. Vemos a fila liderada por Victor ao longe. Victor, detecta-nos e reclama-nos.

Quando nos reunimos, o grupo faz-se a uma ladeira que cruza a secção mais larga do ilhéu e sobe para o topo das arribas que encerram o seu leste, abrigo das cenouras-da-rocha endémicas da Macaronésia.

O trilho surge demarcado pela ausência da vegetação baixa e ressequida predominante em redor, salpicada apenas por umas poucas árvores de folhas afiadas que, tudo indicava, seriam juvenis. Intrigados, perguntamos a Victor de que se tratavam.

Os Dragoeiros que, em tempos, Abundavam na Ilha e em todo Porto Santo

O guia esclarece-nos. “São dragoeiros. Agora, pode-vos parecer impossível mas este Ilhéu de Cima e Porto Santo em geral já estiveram repletos de grandes dragoeiros.

No Ilhéu de Cima, em particular, foram tantos que chegou a ser chamado de Ilhéu dos Dragoeiros.

Ilhéu do Farol, Ilhéu de Cima, Porto Santo, dragoeiro

Dragoeiro recém-plantado pelas autoridades com o fim de recuperar a vegetação que em tempos proliferava no Ilhéu do Farol.

As árvores e o sentido do nome desapareceram porque, com a colonização, veio a procura de madeira e a extracção do sangue-de-drago, alastradas a quase toda a Macaronésia.

O cronista açoriano Gaspar Frutuoso (1522, Ponta Delgada; 1591, Ribeira Grande, Madeira) narrou, nas suas crónicas que, com os troncos dos dragoeiros milenares, os colonos do Porto Santo construíram barcos capazes de levar seis ou sete homens à pesca.

Com os séculos, o Porto Santo e os seus ilhéus perderam-nos a todos mas os dragos mantêm lugar definitivo nas armas do município da cidade que, na prática, abrange toda a ilha.

As autoridades ambicionam recuperá-los. Tratando-se de árvores de crescimento lento, têm muito que plantar. E ainda mais que esperar.

O Farol por que Também é Conhecido o Ilhéu do Farol

O farol, esse, não tardou.

Uns passos adicionais, já a 120 metros de altitude, esbarramos com a sua frente, virada a oeste, Compõem-na duas alas habitacionais gémeas, com uma torre de quinze metros no meio, por sua vez, coroada por uma campânula vermelha.

Ilhéu do Farol, Ilhéu de Cima, Porto Santo, o Farol

A fachada frontal do farol do Ilhéu de Cima, entre duas alas habitacionais.

Victor e os colegas instalam-se junto às mesas de descanso e refeições que equipam a estrutura. Lá se dedicam a preparar os comes e bebes que a comitiva fizera por merecer.

Aproveitamos para investigar o entorno do farol. Não vamos longe.

Quando lhe damos a volta, confirmamos que havia sido inaugurado, em Maio de 1901, quase sobre os penhascos leste do ilhéu, num ponto elevado que facilitava o avistamento da sua luz rotativa pelas embarcações nas rotas de entrada e saída da Europa.

O Farol do Ilhéu de Cima continua a ser, há que sublinhá-lo, o primeiro a guiar os barcos provenientes do norte, fosse dos litorais atlânticos europeus, fosse do Mar Mediterrânico.

Até 1956, a sua luz foi alimentada a petróleo. Desse ano em diante, o farol funcionou com uma lâmpada de 3000 watts, remodelada, em 1982, quando passou a ter um alcance de quase 40km e tornou desnecessária a intervenção de faroleiros.

Por improvável que possa parecer, decorrida uma década, o farol foi desligado sem aviso.

O Desembarque Atribulado de Migrantes Marroquinos que Desligaram o Farol

Estamos já sentados numa das mesas da petiscada quando  Victor nos conta o sucedido: “olhem, desactivaram-no quatro marroquinos que aqui chegaram em desespero.

Tinham embarcado num navio panamiano, em Casablanca, de forma clandestina.

Entretanto, a tripulação descobriu-os e o comandante tomou a medida mais radical. Largou-os no mar aqui próximo. A muito esforço, conseguiram chegar cá acima mas não havia aqui ninguém, nem sequer água.

Por isso, decidiram desligar o farol de maneira a que os viessem socorrer.

A Dentista Beirã Lurdes e o Mergulho no Atlântico Delicioso ao Largo do Ilhéu de Cima

Victor entrega-se a deveres de anfitrião noutras mesas. Na continuação da conversa, conhecemos melhor uma parceira da nossa.

Chamava-se Lurdes. Era de Viseu, onde trabalhava como dentista. Fazia cinco anos que migrara da Beira Alta para o Porto Santo, com a filha que, nessa altura, já ia com onze anos e tinha trocado o sotaque beirão pelo profeta.

Lurdes delicia-nos com particularidades das suas consultas, em que os pacientes lhe ofereciam de tudo um pouco, como sempre foi hábito dos beirões e da gente do interior de Portugal.

Finda-se o repasto. Invertemos o caminho para onde o semi-rígido nos aguardava, a essa altura, já com os adolescentes dos chinelos a rogarem pragas à sua teimosia comunal.

Ilhéu do Farol, Ilhéu de Cima, Porto Santo

Grupo do tour desce a escadaria de volta à base do Ilhéu de Cima.

Informado de que teria tempo para se refrescar, o grupo atinge o fundo da escadaria num ápice. Já sobre a laje vulcânica que fazia de doca, mergulhamos no Atlântico amornado ao largo.

Rejubilamos com o banho inaugural em Porto Santo. Ditou a azáfama exploradora e fotográfica que tivesse sido o único.

Ilhéu do Farol, Ilhéu de Cima, Snorkeling

Tempo de banhos e snorkeling ao largo do Ilhéu do Farol.

Reserve o Tour ao Ilhéu de Cima com a Mar Dourado:

+351 96 397 07 89

[email protected]

Vereda Terra Chã e Pico Branco, Porto Santo

Pico Branco, Terra Chã e Outros Caprichos da Ilha Dourada

No seu recanto nordeste, Porto Santo é outra coisa. De costas voltadas para o sul e para a sua grande praia, desvendamos um litoral montanhoso, escarpado e até arborizado, pejado de ilhéus que salpicam um Atlântico ainda mais azul.
Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo

Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.
Paul do Mar a Quebrada Nova, Madeira, Portugal

À Descoberta da Finisterra Madeirense

Curva atrás de curva, túnel atrás de túnel, chegamos ao sul solarengo e festivo de Paul do Mar. Arrepiamo-nos com a descida ao retiro vertiginoso da Quebrada Nova. Voltamos a ascender e deslumbramo-nos com o cabo derradeiro de Ponta do Pargo. Tudo isto, nos confins ocidentais da Madeira.
Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

A Ponta Leste, algo Extraterrestre da Madeira

Inóspita, de tons ocres e de terra crua, a Ponta de São Lourenço surge, com frequência, como a primeira vista da Madeira. Quando a percorremos, deslumbramo-nos, sobretudo, com o que a mais tropical das ilhas portuguesas não é.
Pico do Arieiro - Pico Ruivo, Madeira, Portugal

Pico Arieiro ao Pico Ruivo, Acima de um Mar de Nuvens

A jornada começa com uma aurora resplandecente aos 1818 m, bem acima do mar de nuvens que aconchega o Atlântico. Segue-se uma caminhada sinuosa e aos altos e baixos que termina sobre o ápice insular exuberante do Pico Ruivo, a 1861 metros.
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha da Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos

De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.
planicie sagrada, Bagan, Myanmar
Arquitectura & Design
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
cowboys oceania, Rodeo, El Caballo, Perth, Australia
Cerimónias e Festividades
Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
Catedral São Paulo, Vigan, Asia Hispanica, Filipinas
Cidades
Vigan, Filipinas

Vigan, a Mais Hispânica das Ásias

Os colonos espanhóis partiram mas as suas mansões estão intactas e as kalesas circulam. Quando Oliver Stone buscava cenários mexicanos para "Nascido a 4 de Julho" encontrou-os nesta ciudad fernandina
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Capacete capilar
Cultura
Viti Levu, Fiji

Canibalismo e Cabelo, Velhos Passatempos de Viti Levu, ilhas Fiji

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Em Viagem
Morondava, Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.
Étnico
Espectáculos

O Mundo em Cena

Um pouco por todo o Mundo, cada nação, região ou povoação e até bairro tem a sua cultura. Em viagem, nada é mais recompensador do que admirar, ao vivo e in loco, o que as torna únicas.
luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Museu do Petróleo, Stavanger, Noruega
História
Stavanger, Noruega

A Cidade Motora da Noruega

A abundância de petróleo e gás natural ao largo e a sediação das empresas encarregues de os explorarem promoveram Stavanger de capital da conserva a capital energética norueguesa. Nem assim esta cidade se conformou. Com um legado histórico prolífico, às portas de um fiorde majestoso, há muito que a cosmopolita Stavanger impele a Terra do Sol da Meia-Noite.
A inevitável pesca
Ilhas

Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.

Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Sombra vs Luz
Literatura
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Natureza
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Kogi, PN Tayrona, Guardiães do Mundo, Colômbia
Parques Naturais
PN Tayrona, Colômbia

Quem Protege os Guardiães do Mundo?

Os indígenas da Serra Nevada de Santa Marta acreditam que têm por missão salvar o Cosmos dos “Irmãos mais Novos”, que somos nós. Mas a verdadeira questão parece ser: "Quem os protege a eles?"
Gravuras, Templo Karnak, Luxor, Egipto
Património Mundial UNESCO
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou o Templo de Karnak e a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Banhista, The Baths, Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas
Praias
Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os “Caribanhos” Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
Ilha Maurícia, viagem Índico, queda de água de Chamarel
Religião
Maurícias

Uma Míni Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.
A Toy Train story
Sobre carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
patpong, bar go go, banguecoque, mil e uma noites, tailandia
Sociedade
Banguecoque, Tailândia

Mil e Uma Noites Perdidas

Em 1984, Murray Head cantou a magia e bipolaridade nocturna da capital tailandesa em "One Night in Bangkok". Vários anos, golpes de estado, e manifestações depois, Banguecoque continua sem sono.
manada, febre aftosa, carne fraca, colonia pellegrini, argentina
Vida Quotidiana
Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.
Vai-e-vem fluvial
Vida Selvagem
Iriomote, Japão

Iriomote, uma Pequena Amazónia do Japão Tropical

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.