Funchal, Madeira

Portal para um Portugal Quase Tropical


Um Mosaico Vegetal
Padrões e cores do atributo mais fotogénico do Jardim Botânico do Funchal.
Mercado dos Lavradores
A Fachada excêntrica do Mercado dos Lavradores do Funchal.
Fruta e Mais Fruta
Uma banca de frutas bem composta, no Mercado de Lavradores do Funchal.
Puro Carvalho Francês
Barricas de carvalho francês na adega da Blandys.
Um Forte Belo e Amarelo
A Fortaleza de São Tiago, na beira-mar da Zona Velha do Funchal.
Monte Palace
Telhados pontiagudos do Monte Palace Hotel.
Sé & Catedral
A arquitectura mista da Sé Catedral do Funchal, vista do seu lado sul.
Missa Igreja do Monte
Fiéis acompanham uma missa na igreja de Nª Srª do Monte do Funchal.
Fruta também Tropical
Frutas expostas no Mercado dos Lavradores, algumas delas tropicais, caso da banana-ananás madeirense.
Dª Isabel
Vendedora de flores em trajes tradicionais madeirenses.
Verão de São Tiago
Banhistas apanham sol e divertem-se na praia de São Tiago.
Praça do Município Abençoada
Praça de Taxis na base da Igreja de São João Evangelista.
Teleférico sobre Zona Velha
Teleférico passa acima de um das ruas da Zona Velha do Funchal.
Teleférico sobre Zona Velha II
Teleférico prestes a chegar à sua estação terminal.
Jardim Monte Palace
Sé Catedral
Vultos humanizam a fachada da Sé Catedral do Funchal.
Funchal em Fogo
Casario do Funchal iluminado por luzes artificiais e pela do pôr-do-sol a ocidente.
A Madeira está situada a menos de 1000km a norte do Trópico de Câncer. E a exuberância luxuriante que lhe granjeou o cognome de ilha jardim do Atlântico desponta em cada recanto da sua íngreme capital.

Torna-se ainda mais visível quando a meteorologia obriga a que as sempre delicadas aterragens na pista do Aeroporto Cristiano Ronaldo se façam de oeste para leste, na direcção da Ponta de São Lourenço.

Nessas ocasiões, do lado certo do avião, a aproximação revela a vertente ampla em que, com os séculos, o Funchal se alongou.

Mesmo denso, o casario da cidade salpica o verde envolvente, com as devidas excepções, mais vivo e intenso quanto mais para cima na ilha.

Um dos lugares emblemáticos e imperdíveis do Funchal, o Monte, ilustra na perfeição o declive e o tropicalismo predominante.

A Encosta Luxuriante mas Ajardinada do Monte Palace

Lá nos aventuramos pela quase-selva ajardinada do Monte Palace Madeira onde, numa área de 70.000 m2 em que se diz estarem concentradas e proliferarem mais de 100.000 espécies vegetais dos quatro cantos do Mundo, de cicas e proteas da África do Sul a urzes escocesas.

No sortido, contam-se ainda as plantas endémicas que compõem a complexa floresta Laurissilva madeirense: fetos, cedros, loureiros, tiles, folhados, figueiras-do-inferno e tantas outras.

De todas, das indígenas, enchem-nos as medidas os exuberantes massarocos.

Entre as estrangeiras, os elegantes fetos arbóreos (cyathea medullaris), naturais da Austrália, que há muito se disseminaram pela Terra e fazem parte da flora dos Açores, das Canárias e, claro está, da Ilha Jardim.

Jardim Monte Palace, Funchal, Madeira

Visitante admira um recanto do Jardim Monte Palace.

De Charles Murray ao Comendador Berardo

O dono original deste reduto, o cônsul britânico Charles Murray (1777-1801), decidiu baptizar a propriedade     que comprou no final do século XVIII, de “The Pleasure Estate” (Quinta do Prazer), bem destoante da austeridade católica imposta pela igreja vizinha da Nª Srª do Monte.

A altivez do santuário não chegou a intimidar o cônsul e Murray decidiu aperfeiçoá-lo enquanto pudesse. Murray faleceu em 1808, em Lisboa.

Em 1897, o câmaralobense Alfredo Guilherme Rodrigues, comerciante bem-sucedido, resolveu recompensar-se com a aquisição da velha quinta de Murray.

Na sequência de uma sua viagem à Exposição Internacional de Paris, em 1900, Alfredo Guilherme regressou impressionado com o requinte dos castelos às margens do Reno. De acordo, ergueu o seu próprio palácio, mais tarde transformado no Monte Palace Hotel, projecto que a sua família veio a descartar.

Lago do Jardim Monte Palace, Funchal, Madeira

As linhas desafiantes do jardim Monte Palace.

Quarenta e quatro anos depois, a propriedade acabou na posse do então milionário, agora endividado, madeirense José Berardo.

Berardo transformou a quinta numa espécie de museu tropical. Enriqueceu-a com a colecção de painéis de azulejos que examinamos, por um trilho sinuoso e pelos grandes momentos da história de Portugal abaixo.

Dotou-a ainda de esculturas, algumas de Budas, e de lanternas budistas. De brasões, de nichos e de lagos habitados por patos, cisnes e carpas nishikigoi.

Apesar desta panóplia de apetrechos, continua a protagonizar a quinta o palácio no seu fundo, bem integrado na excentricidade vegetal e cultural circundante.

Telhados do Monte Palace, Jardim Monte Palace, Funchal, Madeira

Telhados pontiagudos do Monte Palace Hotel.

À Descoberta das Terras Altas do Funchal: o Monte

Em vez de por aí deixarmos o jardim, exploramo-lo a dobrar, na volta inclinada ao ponto de partida. Deixamo-lo pelo cimo que dá para a rua Largo da Fonte. Umas dezenas de metros para a esquerda, damos connosco aos pés da Igreja do Monte.

A essa hora, o movimento na base da escadaria está limitado ao de uns poucos filhos de Deus que discutem à porta do restaurante Belo Monte, num madeirense de tal forma cerrado, que quase nos faz sentir estrangeiros.

Subimos ao templo. Quando espreitamos o interior da nave, decorre uma missa. Seguem-na dez fiéis, atentos à palavra do Senhor, veiculada pelo padre no altar.

Igreja do Monte, Funchal, Madeira

Fiéis acompanham uma missa na igreja de Nª Srª do Monte do Funchal.

Dois ou três mais entram, uma freira sai. Por respeito ao nosso destino e ao tempo de luz que se escoava, seguimos-lhes os passos, degraus abaixo.

Em plena Pandemia, o sobe-e-desce habitual dos carros de cesto e dos seus carreiros pela ladeira do Caminho-de-Ferro estava suspenso.

No sopé da igreja, encontramos os cestos imobilizados, na vertical, no estacionamento coberto que lhes foi dedicado.

Um Jardim Botânico Também Muito Tropical

Impossibilitados de neles viajarmos, passamos pelo rival natural do Jardim Monte Palace, o Jardim Botânico da Madeira Engº Rui Vieira. Longe das proclamadas 100.000 espécies do Monte Palace, este jardim reclama 2000 plantas exóticas.

Sem espaço no programa fotográfico para as contarmos, admiramos sobretudo o esplendor do seu mosaico vegetal, no momento, cuidado por dois jardineiros compenetrados.

Jardim Botânico, Funchal, Madeira

Padrões e cores do atributo mais fotogénico do Jardim Botânico do Funchal.

A Madeira é toda ela um jardim que, assim afiança o imaginário popular, flutua no Atlântico. Ao descermos para o Funchal, quase ao nível do oceano, continuaríamos a beneficiar da clorofila reforçada da cidade.

Retomamos a sua exploração na Praça do Município, Rua dos Ferreiros abaixo, em volta da Sé Catedral e da estátua do fidalgo João Gonçalves Zarco (1390-1471), eleito pelo Infante D. Henrique para liderar o povoamento da Madeira e do Porto Santo.

O Jardim Municipal e as Ruas Florestadas Contíguas

Ali por perto, o Jardim Municipal do Funchal, de outra forma chamado de Jardim Dona Amélia, volta a congregar e exibir, árvores, plantas e flores dos quatro cantos do Mundo. Mesmo sendo o terceiro que atravessamos, no Funchal, a contagem de jardins vai sempre no início.

Quase a meio do Verão subtropical, as bancas de fruta desta zona ainda vendem cerejas, sugerem anonas, maracujás e as inusitadas bananas-ananás. Se comparadas com a abundância no sempre frenético e garrido Mercado dos Lavradores, o que exibem são meras amostras.

Banca Fruta do Mercado dos Lavradores, Funchal, Madeira

Uma banca de frutas bem composta, no Mercado de Lavradores do Funchal.

Ainda na Av. Arriaga e na rua do Aljube, uma floresta de jacarandás e tipuanas floridas perfumam a atmosfera e concedem-nos uma sombra providencial.

Sé Catedral do Funchal. A Fé em Toda a Sua Grandiosidade Insular

A miscelânea arquitectónica da Catedral, que D. Manuel fez erguer entre 1510 e 1515, com traços predominantes góticos mas também barrocos, rococós, maneiristas, mudéjares, alguns também definidos como manuelinos, intriga-nos.

Sé Catedral, Funchal, Madeira

Vultos humanizam a fachada da Sé Catedral do Funchal.

No mínimo, tanto como nos maravilha o famoso retábulo da sua capela-mor, complexo, detalhado em talha banhada a ouro e repleto de esculturas trabalhadas por mãos minuciosas, pinturas a óleo sobre madeira, sob um tecto todo ele elaborado com madeiras da Madeira.

Encantados, em particular, com a perspectiva sul da igreja, tropicalizada por uma palmeira projectada de um átrio, teimamos em encontrar um ponto de vista elevado que nos revelasse o conjunto.

Sé Catedral, Funchal, Madeira

A arquitectura mista da Sé Catedral do Funchal, vista do seu lado sul.

A persistência prenda-nos com uma incursão ao edifício da Direcção de Serviços de Informação Geográfica e Cadastro. Lá nos guia Marlene Pereira “muito habituada às visitas dos fotógrafos e jornalistas em trabalho no Funchal”, assim nos assegura em jeito de preâmbulo duma tagarelice a que nos entregamos sem reservas.

Fotografamos a catedral e os telhados, de início, empoleirados sobre um muro do terraço. Logo, de janelas dos andares abaixo.

Orgulhosa da sua ilha, Marlene faz questão de nos aconselhar os recantos que mais admira e convoca-nos para uma curta sessão de fotos suas, tiradas sobretudo no norte nevoento do Fanal. Uns dias depois, lá nos perderíamos e deslumbraríamos in loco.

Até lá, continuamos a calcorrear a calçada tradicional madeirense, feita de seixos de basalto negro, combinados com pedras alvas e até rosadas, irmanadas com ligeiro relevo, em vez de numa superfície lisa, como se usa no continente.

De tal maneira que, num dos dias, contados 17.5 km de caminhada às voltas pelo Funchal, percebemos que também essa ténue rugosidade era responsável por inesperadas bolhas nos pés.

O Vinho da Madeira Exclusivo da Família Blandy

Em pleno processo da sua gestação, damos entrada na adega histórica Blandy’s, a única família da ilha que se gaba de, sete gerações e mais de dois séculos depois (1811), continuar dona dos destinos da empresa e da produção e exportação do seu mundialmente reputado vinho da Madeira.

Lá nos rendemos a uma prova generosa dos néctares Blandy’s, do seco ao mais doce, escala em que, rendidos ao pedaço de bolo mel incluído, acabamos por nos baralhar.

E lá apreciamos o ambiente pesaroso e o aroma de carvalho francês envelhecido e verdelho da sala de barricas e tonéis.

Adega Pipas Blandy, Funchal, Madeira

Barricas de carvalho francês na adega da Blandys.

Há muito que, à margem da fama extraplanetária do fenómeno CR7, o vinho da Madeira faz amadurecer a notoriedade da ilha. Não obstante, na sua esfera popular, o convívio licoroso depende de outra bebida.

A poncha resulta de uma mistura aprimorada de aguardente de cana, casca e sumo de limão e de açúcar.

Com os tempos, começou a ser consumida numa miríade de variantes cada vez mais distantes da receita com que os pescadores se aqueciam nas fainas e noites frias.

E a Poncha Omnipresente na Zona Velha e em todo o Funchal

Hoje, o sector do Funchal com maior concentração de bares, tascas e, claro está, jarros de poncha mantém-se a sua Zona Velha, disposta em redor do lugar que acolheu a povoação na génese da cidade.

Zona Velha, Funchal, Madeira

Teleférico passa acima de um das ruas da Zona Velha do Funchal.

É na Zona Velha que encontramos um casal amigo de férias.

E é em tascas e bares da Zona Velha, em redor do âmago religioso da secular Capela do Corpo Santo e para a frente e para trás na Rua de Santa Maria, que celebramos tal reencontro, com golos e brindes de ponchas.

Sendo velha, toda esta zona rejuvenesceu com a panóplia de pinturas de rua que cada vez mais a decoram: Amália, o Principezinho, um tuaregue, pescadores madeirenses em mesas de tascas quem sabe se dali mesmo.

Calha que a meio da manhã seguinte, com as esplanadas ainda fechadas, por ali voltemos a passar.

A Fortaleza e a Praia de São Tiago

A determinada altura, a Rua de Santa Maria desvenda-nos a Rua Portão de São Tiago. E esta, o portal de acesso a uma fortaleza amarela defendida por quatro calhambeques à porta.

Conquistamos a vista a partir dos adarves acima.

Sobre uma extensão marinha ora de laje de cimento, ora dos seixos naturais da Praia São Tiago.

Lá víamos o povo do Funchal rendido a uma bênção balnear atlântica, um lazer estival pouco condizente com as agruras por ali vividas ao longo da história do Funchal.

Forte e Praia de São Tiago, Funchal, Madeira

A Fortaleza de São Tiago, na beira-mar da Zona Velha do Funchal.

Sérios Contratempos da História Funchalense

Mais que qualquer outro contratempo, atemorizou os madeirenses o ataque de mil e duzentos corsários franceses, perpetrado em 1566, na sequência do saque da ilha de Porto Santo.

Nessa ocasião, os gauleses confrontaram-se com uma resistência quase simbólica. Sem grande esforço, tomaram o Funchal durante quinze dias, dedicaram-se a pilhar a povoação.

Assim se entende a construção urgente do forte belo e amarelo que continuámos a examinar, inaugurada uns poucos anos depois, em plena dinastia filipina, terminado em 1614 e reforçado com a fortaleza sobranceira de São João Baptista do Pico, dominadora do Pico dos Frias.

E do primeiro forte da ilha, o de São Lourenço, hoje transformado num palácio-museu.

Umas dezenas de metros abaixo e a sul, também a beira-mar portuária em redor da marina foi dotada de novos espaços verdes e tropicais que os funchalenses aproveitam sempre que podem.

Lá por eles passamos, entregues a corridas e caminhadas aceleradas, algumas de tal forma prolongadas que usam o longo molhe da Pontinha como extensão e ponto de regresso a terra mais firme.

Num desses dias, é da Pontinha que embarcamos destinados ao Porto Santo.

Enquanto o “Lobo Marinho” navegava baía fora, admiramos a arte com que o ocaso e o lusco-fusco transformavam o Funchal numa cidade verdejante em fogo.

Anoitecer sobre o Funchal, Madeira

Casario do Funchal iluminado por luzes artificiais e pela do pôr-do-sol a ocidente.

Pico do Arieiro - Pico Ruivo, Madeira, Portugal

Pico Arieiro ao Pico Ruivo, Acima de um Mar de Nuvens

A jornada começa com uma aurora resplandecente aos 1818 m, bem acima do mar de nuvens que aconchega o Atlântico. Segue-se uma caminhada sinuosa e aos altos e baixos que termina sobre o ápice insular exuberante do Pico Ruivo, a 1861 metros.
Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

A Ponta Leste, algo Extraterrestre da Madeira

Inóspita, de tons ocres e de terra crua, a Ponta de São Lourenço surge, com frequência, como a primeira vista da Madeira. Quando a percorremos, deslumbramo-nos, sobretudo, com o que a mais tropical das ilhas portuguesas não é.
Paul do Mar a Quebrada Nova, Madeira, Portugal

À Descoberta da Finisterra Madeirense

Curva atrás de curva, túnel atrás de túnel, chegamos ao sul solarengo e festivo de Paul do Mar. Arrepiamo-nos com a descida ao retiro vertiginoso da Quebrada Nova. Voltamos a ascender e deslumbramo-nos com o cabo derradeiro de Ponta do Pargo. Tudo isto, nos confins ocidentais da Madeira.
Ilhéu de Cima, Porto Santo, Portugal

A Primeira Luz de Quem Navega de Cima

Integra o grupo dos seis ilhéus em redor da Ilha de Porto Santo mas está longe de ser apenas mais um. Mesmo sendo o ponto limiar oriental do arquipélago da Madeira, é o ilhéu mais próximo dos portosantenses. À noite, também faz do fanal que confirma às embarcações vindas da Europa o bom rumo.
Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo

Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.
Vereda Terra Chã e Pico Branco, Porto Santo

Pico Branco, Terra Chã e Outros Caprichos da Ilha Dourada

No seu recanto nordeste, Porto Santo é outra coisa. De costas voltadas para o sul e para a sua grande praia, desvendamos um litoral montanhoso, escarpado e até arborizado, pejado de ilhéus que salpicam um Atlântico ainda mais azul.
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Thorong Pedi a High Camp, circuito Annapurna, Nepal, caminhante solitário
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 12º: Thorong Phedi a High Camp

O Prelúdio da Travessia Suprema

Este trecho do Circuito Annapurna só dista 1km mas, em menos de duas horas, leva dos 4450m aos 4850m e à entrada do grande desfiladeiro. Dormir no High Camp é uma prova de resistência ao Mal de Montanha que nem todos passam.
Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design
Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Cerimónias e Festividades
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Totem, Sitka, Viagem Alasca que já foi da Rússia
Cidades
Sitka, Alasca

Sitka: Viagem por um Alasca que Já foi Russo

Em 1867, o czar Alexandre II teve que vender o Alasca russo aos Estados Unidos. Na pequena cidade de Sitka, encontramos o legado russo mas também os nativos Tlingit que os combateram.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Cultura
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Em Viagem
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Étnico
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

Mural de Key West, Flórida Keys, Estados Unidos
História
Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Sol e coqueiros, São Nicolau, Cabo Verde
Ilhas
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
kings canyon, Red centre, coracao, Australia
Natureza
Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália

O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Austrália. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Uxmal, Iucatão, capital Maia, a Pirâmide do Adivinho
Património Mundial UNESCO
Uxmal, Iucatão, México

A Capital Maia que Se Empilhou Até ao Colapso

O termo Uxmal significa construída três vezes. Na longa era pré-Hispânica de disputa do mundo Maia, a cidade teve o seu apogeu, correspondente ao cimo da Pirâmide do Adivinho no seu âmago. Terá sido abandonada antes da Conquista Espanhola do Iucatão. As suas ruínas são das mais intactas da Península do Iucatão.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Personagens
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Espantoso
Praias

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

Camboja, Angkor, Ta Phrom
Religião
Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Vulcão ijen, Escravos do Enxofre, Java, Indonesia
Sociedade
Vulcão Ijen, Indonésia

Os Escravos do Enxofre do Vulcão Ijen

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Vai-e-vem fluvial
Vida Selvagem
Iriomote, Japão

Iriomote, uma Pequena Amazónia do Japão Tropical

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
EN FR PT ES