Campos de Gerês -Terras de Bouro, Portugal

Pelos Campos do Gerês e as Terras de Bouro


Pedra Bela, Vista a condizer
Vista de um braço do rio Cávado a partir do Miradouro da Pedra Bela.
Casario de encosta
Uma aldeia disposta encosta acima, em plenos campos do Gerês.
Ao Sol das Terras de Bouro
Estendal junto ao grande espigueiro da Casa dos Bernardos em Santa Isabel do Monte
Caudal só para um casal
Lagoas cristalinas do rio Homem, no coração da Mata da Albergaria
Monumento de Granito
Rochedo de granito destacado da serrania, nas imediações de Campo do Gerês.
Piscina d’Homem
Pequena lagoa natural do rio Homem, no interior da Mata da Albergaria
Pequena Lagoa Exclusiva
Casal desfruta de um poço abastecido pela Cascata do Arado.
Safari à moda das Terras de Bouro
Vaca cachena surge de repente num cenário típico de Terras de Bouro, com granito e abundância de fetos.
Igreja e cemitério
Igreja de Santa Isabel do Monte, entre milheirais e outros campos agrícolas
Diversão de pedra e água
Casal desfruta de um poço abastecido pela Cascata do Arado.
Uma fachada pouco Ortodoxa
Fachada da igreja de Santo António de Mixões da Serra, em Valdreu, Terras de Bouro
Santo António de Valdreu
Pormenor da estátua de Santo António, destacada acima da igreja de Santo António de Mixões da Serra
Igreja de todas as atenções
Igreja de Santo António de Mixões da Serra, em Valdreu, Terras de Bouro
Estrada à moda do Gerês
Carros sobem uma encosta íngreme da Serra do Gerês, na direcção do Miradouro da Pedra Bela.
Casario de Campo do Gerês
Casario de Campo do Gerês, como visto do Miradouro da Pedra Bela
Vaca Cachena
Vaca cachena num cenário típico de Terras de Bouro, com granito e abundância de fetos.
Pelo Cávado Fora
Rio Cávado multiplicado tal como visto de um cume acima do Mosteiro São Bento da Porta Abera
Garranos das Terras de Bouro
Garranos sobre um tapete de fetos, nas imediações de Valdreu
Prosseguimos num périplo longo e ziguezagueante pelos domínios da Peneda-Gerês e de Bouro, dentro e fora do nosso único Parque Nacional. Nesta que é uma das zonas mais idolatradas do norte português.

Como que por mero capricho fluvial, o Cávado decide multiplicar-se.

São vários os braços amplos de rio que estica, sem cerimónias, serranias de Gerês adentro. Dos 829 metros de altitude do Miradouro da Pedra Bela víamos um deles, contido pela súbita inclinação da encosta.

Víamos ainda espreitar um segundo, virado a noroeste. E, por fim, um terceiro apontado a sudoeste, a direcção do fluxo principal do rio.

Lá em baixo, às suas margens, aldeolas em fila anunciavam a povoação termal que acolhe boa parte dos veraneantes e usa e abusa do nome da região.

Rio Cávado, vista do Miradouro da Pedra Bela, Gerês, Portugal

Vista de um braço do rio Cávado a partir do Miradouro da Pedra Bela.

O Gerês tem, ali, o seu âmago civilizacional e logístico. Por norma, à medida que nos afastamos da vila, o sossego aumenta de tom. As excepções estão nas pequenas dádivas da natureza com fama a corresponder à beleza. É o caso da vizinha cascata do Arado.

Cascata do Arado: tão Ansiada como Difícil de alcançar.

Quando a espreitamos, uma pequena multidão disputava o limiar do parapeito de observação. As autoridades do parque nacional desencorajam o acesso às piscinas naturais escavadas no granito que a queda d’água abastece. Mesmo assim, um casal tinha lá ascendido. Exibia o seu recreio balnear exclusivo e gerava uma inveja crescente na plateia do lado de cá do desfiladeiro.

Estávamos entre os que, mesmo àquela hora matinal, já sonhavam com mergulhos e chapinhares em tais recantos deslumbrantes. Resignados com a falta de tempo e de oportunidade, migramos para um cenário afim.

Filipa Gomes, uma nativa de Campo do Gerês, continua a guiar-nos pelos domínios em que cresceu. “vamos até à Mata da Albergaria. Deve estar muito menos gente e também tem uma cascata pequena onde eu e os meus pais costumávamos ir!”

À laia de feito simbólico, passamos para lá da fronteira com Espanha de Portela do Homem. Filipa deixa-nos no início de um dos trilhos incontornáveis da zona, parte da Geira.

Assim ficou conhecida uma estrada militar que os romanos construíram entre Bracara Augusta e Asturica Augusta (Astorga, Espanha). Em conexão com uma outra que ligava a Portela do Homem a (Castro) Laboreiro

Marcos Romanos, Geira, Mata da Albergaria, rio Homem, Gerês

Marcos miliários da Geira, na margem esquerda do rio Homem.

As Amoras Irresistíveis da Velha Geira Romana

Essa estrada terá sido catalogada como a Via nº18 da grelha de Antonino, uma complexa rede por que se moviam as legiões de soldados e os seus líderes romanos. Construída por volta do século I d.C., a Geira media 215 milhas, sendo que, a cada milha, correspondiam mil passos.

A nós, cabia-nos caminhar e apreciar o cenário e os marcos cilíndricos legados pelos romanos numa ínfima parte do trecho compreendido entre as milhas XXVII e XXXIV.

Filipa levou a carrinha em que nos transportava até ao fim desse trecho, com a ideia de nos recolher no fim do percurso. Um imprevisto fez com que demorássemos bem mais que o estimado e que resolvesse antecipar o encontro. As beiras do trilho estavam carregadas de silvas.

As silvas, por sua vez, estavam carregadas de amoras maduras e suculentas. A meio da manhã, com o pequeno-almoço leve já sumido, não conseguimos rejeitar o banquete. Como consequência, cumprimos a distância num dos tempos mais lentos de que não haverá registo.

De um momento para o outro, o trilho revela-nos o leito pedregoso do rio Homem e um seu meandro repleto de poços e lagoas fluviais cristalinas partilhadas por quatro ou cinco banhistas felizardos. Para mal dos nossos pecados, vemo-nos de novo forçados a prosseguir sem paragem recreativa.

Da Vilarinho das Furnas Submersa, Terras de Bouro Acima

Adiante, o Homem abre para a grande albufeira contida pela barragem de Vilarinho das Furnas que, em 1971, submergiu a aldeia homónima. Em meses de seca extrema, a água da represa baixa de tal maneira que as ruínas da povoação ficam a descoberto. Malgrado o comprometimento do estio, não era coisa para ali ficarmos à espera.

Em vez, cruzamos o Homem pelo coroamento do açude. Ascendemos pelo cenário rochoso e abrupto a norte do rio. Só nos voltamos a deter em Brufe, uma aldeia a salvo da enchente gerada pela barragem mas vítima da lenta drenagem das suas poucas gentes.

Desde meio do século XIX, mais de metade dos cento e poucos habitantes de Brufe partiram de uma ou outra forma. Sobram agora menos de cinquenta, almas que resistem ao tempo e ao destino como os canastros de granito em que há muito armazenam o sustento.

São de Bouro as terras que continuamos a atravessar.

Como o fizeram os Búrios, uma tribo germânica que chegou ao oeste da Península Ibérica (incluindo a Galécia) com os Suevos, no início do século V e que se instalou nesta precisa zona de montanha entre os rios Cávado e Homem.

Rio Cávado, Gerês, Portugal

Rio Cávado multiplicado tal como visto de um cume acima do Mosteiro São Bento da Porta Aberta

Os Búrios, os Suevos e os Visigodos

Pouco depois, o Reino Suevo foi anexado pelos Visigodos que invadiram a Hispania Romana e a Galécia Sueva sem apelo. Os Búrios permaneceram. Ajustaram-se ao domínio e aos modos visigóticos. De tal maneira, que resistem no nome da região e na genética das suas gentes.

Os Búrios chegaram com crenças e costumes pagãos. Mas, no final do século VI, os monarcas suevos (várias teorias apontam reis distintos) tinham já cedido à acção evangelizadora de missionários em acção na Península Ibérica.

Como o narra a História de regibos Gothorum, Vandalorum et Suevorum, obra do arcebispo Isidoro de Sevilha, terá sido o bispo Martinho de Braga a conseguir a sua conversão, por influência sobre o rei Teodomiro, considerado o primeiro monarca cristão ortodoxo dos Suevos. Esta é, no entanto, apenas uma de várias postulações que defendem o protagonismo de monarcas, missionários e épocas distintas.

Independentemente de como aconteceu, as Terras de Bouro tornaram-se cristãs. Com o tempo, de ortodoxas, passaram a católicas. Os templos lítúrgicos e graníticos da já milenar fé salpicam a paisagem. Uns, são mais excêntricos que outros.

Igreja de Santo António de Mixões da Serra, Valdreu, Terras de Bouro, Portugal

Fachada da igreja de Santo António de Mixões da Serra, em Valdreu, Terras de Bouro

A Mítica Igreja de Santo António de Mixões da Serra

De Brufe, vamos até Valdreu. Lá encontramos o Santuário de Santo António de Mixões da Serra, uma igreja com arquitectura pouco convencional e origem no dealbar da época medieval.

Subimos uma escadaria que  nos conduz a um cume pedregoso. Dali se projecta a estátua clássica do padroeiro Santo António, que segura um Jesus Menino e, ao mesmo tempo, a Bíblia. Daquele alto cristão, admiramos o casario e os minifúndios disseminados no cenário agreste em redor. E, logo abaixo, o cimo da igreja, com os seus torreões gémeos destacados sobre o frontão.

Em Junho, a igreja de Santo António de Mixões e o átrio amplo em frente são palco de uma cerimónia religiosa inusitada, a Bênção dos Animais. Diz-se que a tradição surgiu no século XVII (outras fontes situam a sua génese no início do século XX).

Terá sido suscitada por uma peste que se alastrou àqueles confins e vitimou boa parte do gado da região. Necessitados dos animais, devastados pela sua mortandade, os moradores terão prometido a Santo António que lhe ergueriam um templo se detivesse a epidemia.

A Abençoada Bênção dos Animais

Santo António cedeu às preces dos crentes e, estes, construíram-lhe uma capela no cimo da Serra. Além da edificação, as gentes da região começaram a levar os seus animais – de vacas a cães e gatos – ornamentados com flores, fitas e outros adereços à igreja de Mixões da Serra. Lá assistem à missa. Em seguida, o pároco asperge as criaturas com água benta e roga pela devida protecção divina.

De Mixões da Serra, apontamos a Santa Isabel do Monte. Pelo caminho, passamos por manadas de cachenas e avistamos uma outra, de garranos, a pastarem sobre um tapete de fetos e tojos, aquém de um castro de grandes rochedos de granito. Todos os animais que víamos pareciam gozar de perfeita saúde.

Mais que saúde, um vigor e portento físico só possível numa região verde e fértil como aquela em que continuávamos a cirandar.

Igreja de Santa Isabel do Monte, Terras de Bouro, Portugal

Igreja de Santa Isabel do Monte, entre milheirais e outros campos agrícolas

As Terras de Bouro à Parte de Santa Isabel do Monte

Filipa Gomes tinha um apreço especial por Santa Isabel do Monte. Um carinho adicional que depressa assimilámos.

Ali, as aldeolas pareciam surgir ainda mais remotas e orgulhosas que as de outras partes. “Às vezes passo aqui e tenho que abrandar porque os animais andam à solta por todo o lado.

Os porcos, as galinhas as cabras, é tudo deles!  E circulam tão poucos carros que os animais cruzam a estrada, sem grandes preocupações. De facto, passámos por porcos, rosados, por galinhas e até perus entregues a uma frenética prospeção alimentar do solo.

Depois dos Abades, a Casa dos Bernardos, versão Laica

Filipa levou-nos a um outro edifício secular elegante, a Casa dos Bernardos, em tempos habitada pelos Abades (cistercienses) Bernardos e, desde os tempos fulcrais da nação portuguesa, parte do Couto do Mosteiro de Bouro, um domínio que lhes foi doado pelo próprio rei D. Afonso Henriques.

Lá nos espantamos com o espigueiro mais longo do concelho de Terras de Bouro, um canastro imponente com 16 metros de comprimento e segundo dita a descrição histórica: “capacidade para arrecadar 18 carros de pão” (leia-se espigas de milho).

Casa dos Bernardos, Santa Isabel do Monte, Terras de Bouro

Grande espigueiro da Casa dos Bernardos, em Santa Isabel do Monte

Filipa apresenta-nos Dª Leopoldina. A anfitriã abre-nos a porta da capela da casa e revela-nos a decoração garrida, com óbvia inspiração naife da pequena nave da capela.

A tarde precipitava-se para o fim mas Filipa guardava-nos um derradeiro lugar especial na manga. A determinada altura, deixamos a estradinha de asfalto para um caminho de terra irregular que se fazia à encosta. Progredimos um pouco mais, aos solavancos. Só nos detemos do lado de lá da cumeada num mundo distinto e bem mais desafogado das Terras de Bouro.

Por diante, tínhamos um cenário complementar ao do Miradouro da Pedra Bela, em que havíamos começado o dia. Subimos aos rochedo de granito mais próximos e ficamos a apreciá-lo. Logo abaixo, o grande mosteiro de São Bento da Porta Aberta parecia abençoar o caudal do Cávado, “estrelado” como nos tínhamos já habituado a vê-lo.

João Vieira. Ainda existem Pastores assim.

Estávamos entregues a esta contemplação quando o som de guizos nos chama atenção. Nas nossas costas, um pastor de sachola pendurada ao ombro seguia um rebanho de cabras. Fotografamo-lo a aproximar-se aos poucos. Já junto a nós, o pastor atira um “olhem que vocês ainda partem essas câmaras de tanto disparar!”.

Foi o início de uma longa conversa em que João Vieira nunca deixou de nos espantar. O recém-chegado estava quase com 50 anos. Foi pastor quase toda a vida, como o tinham sido o seu pai e o avô. Era dono de 180 cabras que guardava junto à igreja de São Bento.

Pastor João Vieira, Terras de Bouro, Gerês, Portugal

O pastor de cabras João Vieira durante uma pausa no seu pastorício, para conversa.

“Os lobos?” perguntamos-lhe. “Então não andam aí?” afiança-nos. “Só a mim já me mataram umas vinte cabras. O que é que gente faz? Olhem… nada, a gente tenta mantê-los longe mas nem sempre é fácil. O ICNF diz que devíamos ter um cão por cada dez ovelhas ou cabras.

Mas e quem é que paga a ração dos cães?  Eles dizem que temos direito a receber os cães de graça quando os lobos nos matam os animais mas, se querem saber, aquilo, para mim, é uma aldrabice tão grande que eu já nem abro as cartas que eles me mandam!”.

Fim do Dia (de novo), bem acima do Cávado

Enquanto falávamos, o telemóvel do pastor tocou vezes sem conta. João Vieira, respondeu numa só ocasião. “Opá, que é tu queres agora? Já falámos muito hoje, não tás a ver que tou ocupado! Tou aqui com umas pessoas.”

Percebemos que a companhia de gente nova lhe agradava sobremaneira. De tal forma que o pastor deixou as cabras seguir o seu caminho e continuou a inaugurar estória atrás de estória. “Ora, para acabar, vou-vos contar só mais esta. Vocês ‘tão a ver o mosteiro lá em baixo.

Pastor João Vieira persegue as cabras do seu rebanho, numa serrania acima do mosteiro de São Bento da Porta Aberta.

Sabem uma coisa: eu até ia à missa. Uma vez, tinha eu 15 anos, na confissão, o padre resolveu perguntar-me se eu ia às meninas! Digo-vos uma coisa. Até era miúdo mas fiquei tão indignado que nunca mais lá pus os pés.”

O telemóvel voltou a tocar. João Vieira rejeitou uma vez mais a chamada. Despediu-se e saiu a correr atrás das cabras que há muito se haviam impacientado. Ficámos, deslumbrados, a vê-lo desaparecer na vastidão da serrania da Peneda-Gerês e das velhas Terras de Bouro.

 

Os autores agradecem às seguintes entidades o apoio prestado à criação deste artigo:

Turismo Porto e Norte

Equi’Desafios

Reserve o seu passeio a cavalo e outras actividades no Gerês e Terras de Bouro no site da Equi’Desafios.

Peneda-Gerês, Portugal

Do "Pequeno Tibete Português" às Fortalezas do Milho

Deixamos as fragas da Srª da Peneda, rumo a Arcos de ValdeVez e às povoações que um imaginário erróneo apelidou de Pequeno Tibete Português. Dessas aldeias socalcadas, passamos por outras famosas por guardarem, como tesouros dourados e sagrados, as espigas que colhem. Caprichoso, o percurso revela-nos a natureza resplandecente e a fertilidade verdejante destas terras da Peneda-Gerês.
Montalegre, Portugal

Pelo Alto do Barroso, Cimo de Trás-os-Montes

Mudamo-nos das Terras de Bouro para as do Barroso. Com base em Montalegre, deambulamos à descoberta de Paredes do Rio, Tourém, Pitões das Júnias e o seu mosteiro, povoações deslumbrantes do cimo raiano de Portugal. Se é verdade que o Barroso já teve mais habitantes, visitantes não lhe deviam faltar.
Castro Laboreiro, Portugal  

Do Castro de Laboreiro à Raia da Serra Peneda - Gerês

Chegamos à (i) eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha-Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha da Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Parques nacionais
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Luderitz, Namibia
Arquitectura & Design
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Verificação da correspondência
Cerimónias e Festividades
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Cortejo garrido
Cidades
Suzdal, Rússia

Mil Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Buda Vairocana, templo Todai ji, Nara, Japão
Cultura
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Pórtico de entrada em Ellikkalla, Uzbequistão
Em Viagem
Usbequistão

Viagem Pelo Pseudo-Alcatrão do Usbequistão

Os séculos passaram. As velhas e degradadas estradas soviéticas sulcam os desertos e oásis antes atravessados pelas caravanas da Rota da Seda. Sujeitos ao seu jugo durante uma semana, vivemos cada paragem e incursão nos lugares e cenários usbeques como recompensas rodoviárias históricas.
Camponesa, Majuli, Assam, India
Étnico
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
História
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Bufalos, ilha do Marajo, Brasil, búfalos da polícia de Soure
Ilhas
Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem uma das maiores manadas do mundo e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.
Tempo de aurora
Inverno Branco

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Mulher atacamenha, Vida nos limites, Deserto Atacama, Chile
Natureza
Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites do Deserto de Atacama

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Casinhas de outros tempos
Parques Naturais
Chã das Caldeiras, Cabo Verde

Um Clã “Francês” à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
city hall, capital, oslo, noruega
Património Mundial UNESCO
Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
De visita
Personagens

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Lançamento de rede, ilha de Ouvéa-Ilhas Lealdade, Nova Caledónia
Praias
Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Na ilha de Ouvéa, arquipélago das Lealdade, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.
Religião
Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Sociedade
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Vida Selvagem
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.