Christiansted, St. Croix, Ilhas Virgens Americanas

A Capital das Antilhas Afro-Dinamarquesas-Americanas


The Boardwalk
A marginal histórica e lúdica de Christiansted.
Património do Açúcar
O Velho Moinho da Cana-de-Açúcar de Christiansted, destacado na boardwalk.
Jovens Crentes
Acólitas de uma missa pentecostal prestes a começar na velha igreja de Christiansted.
Travessia na História
Casal atravessa uma das ruas seculares de Christiansted.
Velho Casario
Carro quebra a uniformidade colorida da frente de casas de Christiansted.
Canhões às Caraíbas
O forte de Christiansvaern com as suas armas de defesa ainda apontadas ao Atlântico.
Forte Christiansvaern
Uma perspectiva mais tropical do principal forte de Christiansted
Forte Christiansvaern
A grande e velha fortaleza de Christiansted, vista do mar.
O Edifício Steeple
A antiga igreja luterana de Christiansted, destacada acima do casario da cidade.
Hora de Missa
Jovens crentes nos assentos da frente da igreja situada no Steeple Building.
Entrada na Missa
Jovens fiéis inauguram mais uma missa no Steeple Building de Christiansted.
christiansted-saint-croix-lhas-virgens-americanas-us-virgin-islands-fort-christiansvaern-4
Forte Christianvaern entre árvores portentosas e o oceano Atlântico.
Munição
Balas de canhão guardas como testemunho da era de disputa colonial das Antilhas e das Caraíbas em geral.
ChristianGade
Casario de Christiansted, erguido em madeira e pintado de todos os tons pastel.
Mangueirada
Casal rega o jardim da sua casa de Christiansted.
Kirke Gade vs Church Street
A "rua da igreja" de Christiansted.
Relvado e Casario
Um relvado desafogado separa o forte Christianvaern do casario histórico de Christiansted.
Em 1733, a Dinamarca comprou a ilha de Saint Croix à França, anexou-a às suas Índias Ocidentais em que, com base em Christiansted, lucrou com o trabalho de escravos trazidos da Costa do Ouro. A abolição da escravatura tornou as colónias inviáveis. E uma pechincha histórico-tropical que os Estados Unidos preservam.

Ao darmos entrada na Waterfront de Charlotte Amalie partilhamos um inevitável espanto.

O ferry que temos pela frente e em que estamos prestes a embarcar parece saído de uma qualquer ficção científica de terceira categoria.

Denomina-se “QE IV”. A sua cabine centrada, repleta de janelas redondas de aquário, assenta em quatro flutuadores independentes, os frontais, elevados face aos posteriores, em jeito de grandes socas náuticas.

Olhamos para a embarcação e um para o outro com vontade de nos beliscarmos. Vivemos essa incredulidade quando os restantes passageiros começam a embarcar e nos trazem à realidade.

Estávamos no fim de Outubro, em plena época dos furacões das Antilhas e Caraíbas. Como se não bastasse, a Saint Croix que tínhamos como destino era a única das Ilhas Virgens Americanas isolada das restantes, 70 km para sul do Mar das Caraíbas.

A Navegação Suavizada do Excêntrico Ferry “QE IV”

Eram motivos para ficarmos de pé atrás e até de nos arrependermos. Em vez, subimos a bordo, instalamo-nos e esperamos para ver.

Contados vinte minutos, o “QE IV” deixa a enseada protegida de Charlotte Amalie e a sombra marinha da ilha de Saint Thomas. Tal como receávamos, o barco passou a enfrentar um mar cavado. De tal maneira, que, a espaços, pelas janelas de aquário, dele tínhamos uma perspectiva quase subaquática.

Onda após onda, percebemos melhor a excentricidade da embarcação. O “QE IV” subia. O “QE IV” descia. Pouco ou nada oscilava para os lados ou sofria embates das vagas. Navegava com uma elegância e suavidade que pensávamos impossível.

Muitas ondas, duas horas depois, atracamos. São cinco da tarde.

O Acolhimento Providencial da Família Shelley

Na doca da Baía de Gallows, esperam-nos os anfitriões Stewart e Sarah Shelley, um casal de origem mórmon que deixou o Utah e, mais tarde os Estados Unidos continentais, dispostos a disseminarem a sua fé e a viverem uma aventura caribenha, com tudo o que daí viesse, incluindo alguns dos piores tufões porque as Ilhas Virgens Americanas passaram.

Os Shelleys conduzem-nos à sua vivenda semi-perdida no meio de Saint Croix. Lá nos apresentam Miles e Gabe, os seus miúdos, e oferecem-nos um jantar em comunhão, em que os conhecemos e começamos a admirar a todos, pelas mais variadas razões.

Na manhã seguinte, Stewart tinha um serviço religioso matinal para conduzir. Dá-nos boleia até ao âmago histórico de Christiansted.

Às 8h30, já estamos à descoberta da capital secular de Saint Croix.

Na sua génese, Christiansted desenvolveu-se colonial, esclavagista e tenebrosa, como quase todas as Índias Ocidentais em redor.

Christiansted: a Capital Bela e Amarela de Saint Croix

Nesse dia, àquela hora, exibia-se solarenga, bela e amarela, a cor actual do Forte Christiansvaern e, por alguma obsessão de harmonia urbana, de vários outros edifícios históricos da cidade.

Quando o vimos pela primeira vez das janelas do “QE IV”, o amarelo-torrado da sua estrutura contrastava com o azul denso do Mar das Caraíbas a que quase se sobrepunha.

À segunda, encontramo-lo além do mar de relva aparada que atapeta boa parte do Christiansted National Historic Site.

Dela se projectam palmeiras e outras árvores tropicais com copas massivas, pousos de umas poucas iguanas esquivas.

Enquanto o calcorreamos percebemos que escasseavam os visitantes.

Os do forte e, dava-nos cada vez mais a sensação, os de Christiansted e até de Saint Croix em geral.

Os 70 km para sul da ilha, desviavam-na da rota dos cruzeiros que navegam as Antilhas, que vimos ancorados ao largo de Charlotte Amalie – a capital da ilha de Saint Thomas e das Ilhas Virgens Americanas – e que, por norma, percorrem o arquipélago de cima a baixo.

Hoje, a realidade destas paragens é de uma tranquilidade e peculiaridade afro-caribenha que deslumbra quem tem o privilégio de as visitar.

Só os forasteiros mais interessados no passado se inteiram de forma condigna das atrocidades por detrás dos monumentos e da civilização com que se deparam.

No caso das Ilhas Virgens Americanas, a história oculta um protagonista improvável.

A Inusitada Presença da Dinamarca nas Caraíbas-Antilhas

Das viagens de Cristóvão Colombo em diante (entre 1492 e 1504), as potências coloniais habituais das Caraíbas foram a Espanha, a Holanda, a França e a Inglaterra.

Menos conhecida é a acção do reino da Dinamarca-Noruega e, mais tarde, do da Dinamarca, tanto nestas partes das Américas como na Costa do Ouro africana.

Decorria a segunda metade do século XVII quando o reino da Dinamarca-Noruega logrou coordenar ambas as expansões.

Por essa altura, uma fatia significativa do comércio de escravos provinha da Costa do Ouro de África em que, a partir de 1452, com a fundação da fortaleza de São Jorge da Mina, os portugueses abriram caminho às futuras rivais coloniais.

O Comércio Triangulado:  Dinamarca – Costa do Ouro – Índias Ocidentais Dinamarquesas

Ao mesmo tempo que se apoderavam de parte das actuais Ilhas Virgens Americanas, os dinamarqueses-noruegueses apreenderam aos holandeses o Castelo de Osu, (mais tarde Castelo de Christianborg) e o de Carlsborg, hoje, em Acra, a capital do Gana.

Entre 1680 e 1682, o primeiro ainda passou para a posse dos portugueses. Numa fase inicial, as duas fortalezas asseguraram aos dinamarqueses-noruegueses o sucesso das transacções sobretudo de ouro e marfim.

Quando a concorrência se revelou demasiada e estas comodidades escassearam, o reino escandinavo aderiu ao comércio de escravos. Em simultâneo, nas Américas, consolidou as suas próprias Índias Ocidentais.

Durante quase 250 anos – de 1672 a 1917 – os dinamarqueses encheram-nas de plantações de algodão, de café e, sobretudo, de cana-de-açúcar.

O Trabalho Forçado nas Plantações Caribenhas

A mão-de-obra, foi assegurada por outras Companhias dinamarquesas e nórdicas, dedicadas ao fornecimento de escravos, mas não só, que realizaram para cima de sessenta expedições de comércio triangular.

Estima-se que, parte dos “bens” transacionados, os dinamarqueses-noruegueses e a independentizada Dinamarca tenham transportado de África para as Caraíbas, em redor de 120.000 mil escravos.

Em grandes plantações como as de La Grange e Bethelem de Saint Croix, ilha mais plana que as restantes, devido às condições execráveis de sobrevivência e às doenças tropicais, morreram sempre mais escravos do que nasceram.

Assim aconteceu até que, em 1848, confrontados com uma revolta contra um recém-deliberado abolicionismo faseado, os colonos dinamarqueses se viram obrigados a conceder aos escravos a liberdade.

De imediato, as plantações e o comércio, até então, altamente rentáveis, tornaram-se inviáveis. Como insustentável se provou a manutenção das longínquas Índias Ocidentais Dinamarquesas.

Os dinamarqueses partiram. Os ex-escravos ficaram. À imagem do sucedido nas restantes Índias Ocidentais, os seus descendentes constituem a maioria dos habitantes de cada ilha.

Quando encerramos a deambulação pelo forte e percorremos a Kirke Gade (Church Street), depressa testemunhamos uma expressão religiosa do que é, hoje, a sua vida.

Missa em Ritmo Gospel, na Velha Igreja Luterana de Christiansted

De entre as sucessivas moradias de madeira colorida da rua, destacava-se a torre da antiga Igreja Luterana da cidade, o actual Steeple Building.

Como a víamos do exterior da arcada que antes garantia sombra aos enriquecidos proprietários, uma bandeira Stars ‘n Stripes ondulava, invertida pelo vento morno.

Fotografávamos o seu frenesim azul-vermelho quando jovens afro-acólitas trajadas de vestidos e albas brancas e faixas vermelhas se agruparam à entrada.

Cruzamos a rua. Metemos conversa.

Apuramos que estava prestes a ter início uma missa.

Na sua génese, a igreja pode ter sido dinamarquesa e luterana. A cerimónia desenrolar-se-ia ao ritmo Baptista-Pentecostal característico do sul dos Estados Unidos.

Subimos ao coro. Admiramos a veemência do pastor e os Gospels contagiantes entoados pelos fiéis que complementavam o seu, já de si, semi-cantado, sermão.

De regresso à Church Street e à Christiansted em volta, cruzamo-nos com famílias estadounidenses. 

Umas com casas veraneantes em Saint Croix, outras, como os Shelleys, residentes em pleno, apostados numa existência mais simples, suave ou aventureira que a proporcionada pelos E.U.A. continentais.

Passado mais de um século, a capital de Saint Croix mantém o nome dinamarquês e o colapso caribenho da Dinamarca continua a favorecer os americanos.

O Abandono da Dinamarca e a Aquisição Oportunista dos Estados Unidos

Em 1916, o resultado de um referendo nacional ditou que 64.2% dos dinamarqueses eram a favor da venda das suas Índias Ocidentais.

Os Estados Unidos concordaram em pagar 25 milhões de dólares, em ouro. A transferência das ilhas oficializou-se em 1917. Dez anos depois, os nativos das recém-renomeadas Virgin Islands conquistaram a cidadania dos E.U.A.

Saint Croix faz parte do Território Organizado e Não-Incorporado das U.S.Virgin Islands.

Enquanto caminhamos pela boardwalk da cidade, as distintas eras de Christiansted continuam a insinuar-se.

Uma velha torre de moinho de cana-de-açúcar que resistiu à destruição dos furacões Irma e Maria, remete para os tempos dinamarqueses da escravatura.

Logo ao lado, no The Mill Boardwalk Bar e no Shupe’s Boardwalk, americanos em modo tropical, emborcam cervejas a ver futebol-americano na TV.

Aqui e ali, distraídos pelos mergulhos dos pelicanos a rasar as esplanadas dos estabelecimentos.

Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os "Caribanhos" Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
Elmina, Gana

O Primeiro Jackpot dos Descobrimentos Portugueses

No séc. XVI, Mina gerava à Coroa mais de 310 kg de ouro anuais. Este proveito suscitou a cobiça da Holanda e da Inglaterra que se sucederam no lugar dos portugueses e fomentaram o tráfico de escravos para as Américas. A povoação em redor ainda é conhecida por Elmina mas, hoje, o peixe é a sua mais evidente riqueza.
Saba, Holanda

A Misteriosa Rainha Holandesa de Saba

Com meros 13km2, Saba passa despercebida até aos mais viajados. Aos poucos, acima e abaixo das suas incontáveis encostas, desvendamos esta Pequena Antilha luxuriante, confim tropical, tecto montanhoso e vulcânico da mais rasa nação europeia.
San Juan, Porto Rico (Parte 2)

Ao Ritmo do Reggaeton

Os porto-riquenhos irrequietos e inventivos fizeram de San Juan a capital mundial do reggaeton. Ao ritmo preferido da nação, encheram a sua “Cidade Muralhada” de outras artes, de cor e de vida.
San Juan, Porto Rico

O Porto Rico e Muralhado de San Juan Bautista

San Juan é a segunda cidade colonial mais antiga das Américas, a seguir à vizinha dominicana de Santo Domingo. Entreposto pioneiro da rota que levava o ouro e a prata do Novo Mundo para Espanha, foi atacada vezes sem conta. As suas fortificações incríveis ainda protegem uma das capitais mais vivas e prodigiosas das Caraíbas.
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Santo Domingo, República Dominicana

A Mais Longeva Anciã Colonial das Américas

Santo Domingo é a colónia há mais tempo habitada do Novo Mundo. Fundada, em 1498, por Bartolomeu Colombo, a capital da República Dominicana preserva intacto um verdadeiro tesouro de resiliência histórica.
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Saint-Pierre, Martinica

A Cidade que Renasceu das Cinzas

Em 1900, a capital económica das Antilhas era invejada pela sua sofisticação parisiense, até que o vulcão Pelée a carbonizou e soterrou. Passado mais de um século, Saint-Pierre ainda se regenera.
Fort-de-France, Martinica

Liberdade, Bipolaridade e Tropicalidade

Na capital da Martinica confirma-se uma fascinante extensão caribenha do território francês. Ali, as relações entre os colonos e os nativos descendentes de escravos ainda suscitam pequenas revoluções.
Guadalupe, Antilhas Francesas

Guadalupe: Um Caribe Delicioso, em Contra-Efeito Borboleta

Guadalupe tem a forma de uma mariposa. Basta uma volta por esta Antilha para perceber porque a população se rege pelo mote Pas Ni Problem e levanta o mínimo de ondas, apesar das muitas contrariedades.
Montserrat, Pequenas Antilhas

A Ilha do Vulcão que se Recusa a Adormecer

Abundam, nas Antilhas, os vulcões denominados Soufrière.  O de Montserrat, voltou a despertar, em 1995, e mantém-se um dos mais activos. À descoberta da ilha, reentramos na área de exclusão e exploramos as áreas ainda intocadas pelas erupções.  
Frederiksted, Saint Croix, Ilhas Virgens Americanas

A Cidade da Emancipação das Índias Ocidentais Dinamarquesas

Se Christiansted se afirmou como a capital e principal polo comercial da ilha de Saint Croix, a “irmã” do sotavento, Frederiksted teve o seu apogeu civilizacional quando lá se deu a revolta e posterior libertação dos escravos que garantiam a prosperidade da colónia.
savuti, botswana, leões comedores de elefantes
Safari
Savuti, Botswana

Os Leões Comedores de Elefantes de Savuti

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.
Thorong La, Circuito Annapurna, Nepal, foto para a posteridade
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 13º - High Camp a Thorong La a Muktinath, Nepal

No Auge do Circuito dos Annapurnas

Aos 5416m de altitude, o desfiladeiro de Thorong La é o grande desafio e o principal causador de ansiedade do itinerário. Depois de, em Outubro de 2014, ter vitimado 29 montanhistas, cruzá-lo em segurança gera um alívio digno de dupla celebração.
A pequena-grande Senglea II
Arquitectura & Design
Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Cerimónias e Festividades
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Treasures, Las Vegas, Nevada, Cidade do Pecado e Perdao
Cidades
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Kigurumi Satoko, Templo Hachiman, Ogimashi, Japão
Cultura
Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Higurashi no Naku Koro ni” foi uma série de animação nipónica e jogo de computador com enorme sucesso. Em Ogimashi, aldeia de Shirakawa-Go, convivemos com um grupo de kigurumis das suas personagens.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Cruzeiro Navimag, Puerto Montt a Puerto-natales, Chile
Em Viagem
Puerto Natales-Puerto Montt, Chile

Cruzeiro num Cargueiro

Após longa pedinchice de mochileiros, a companhia chilena NAVIMAG decidiu admiti-los a bordo. Desde então, muitos viajantes exploraram os canais da Patagónia, lado a lado com contentores e gado.
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Étnico
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Ilha Maurícia, viagem Índico, queda de água de Chamarel
História
Maurícias

Uma Míni Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.
Vulto na Praia do Curral, Ilhabela, Brasil
Ilhas
Ilhabela, Brasil

Ilhabela: Depois do Horror, a Beleza Atlântica

Nocenta por cento de Mata Atlântica preservada, cachoeiras idílicas e praias gentis e selvagens fazem-lhe jus ao nome. Mas, se recuarmos no tempo, também desvendamos a faceta histórica horrífica de Ilhabela.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Twelve Apostles, Great Ocean Road, Victoria, Austrália
Natureza
Great Ocean Road, Austrália

Oceano Fora, pelo Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Casinhas miniatura, Chã das Caldeiras, Vulcão Fogo, Cabo Verde
Parques Naturais
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã “Francês” à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Barco no rio Amarelo, Gansu, China
Património Mundial UNESCO
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Personagens
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Mini-snorkeling
Praias
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
Camboja, Angkor, Ta Phrom
Religião
Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Salão de Pachinko, video vício, Japão
Sociedade
Tóquio, Japão

Pachinko: o Vídeo – Vício Que Deprime o Japão

Começou como um brinquedo mas a apetência nipónica pelo lucro depressa transformou o pachinko numa obsessão nacional. Hoje, são 30 milhões os japoneses rendidos a estas máquinas de jogo alienantes.
saksun, Ilhas Faroé, Streymoy, aviso
Vida Quotidiana
Saksun, StreymoyIlhas Faroé

A Aldeia Faroesa que Não Quer ser a Disneylandia

Saksun é uma de várias pequenas povoações deslumbrantes das Ilhas Faroé, que cada vez mais forasteiros visitam. Diferencia-a a aversão aos turistas do seu principal proprietário rural, autor de repetidas antipatias e atentados contra os invasores da sua terra.
Tartaruga recém-nascida, PN Tortuguero, Costa Rica
Vida Selvagem
PN Tortuguero, Costa Rica

Uma Noite no Berçário de Tortuguero

O nome da região de Tortuguero tem uma óbvia e antiga razão. Há muito que as tartarugas do Atlântico e do Mar das Caraíbas se reunem nas praias de areia negro do seu estreito litoral para desovarem. Numa das noites que passamos em Tortuguero assistimos aos seus frenéticos nascimentos.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.