Islamorada, Florida Keys, Estados Unidos

A Aldeia Floridense Feita de Ilhas


Trânsito na Overseas Highway
Post Art-Deco Motel
Pelicanos-Pardo, “Robbies”
Em contacto com os tarpões-do-Atlântico
A Família de Pés de Molho
Caminhada Anfíbia
Legado do History of Diving Museum
Alimentação de Tarpões-do-Atlântico
Anne’s Beach
Monumento à Lagosta, Islamorada
Pelicano-Pardo Amuado
Pelicanos Competitivos
Família à Pesca
Os outros clientes do “Robbies”
Sob o Lusco-Fusco
Os descobridores espanhóis baptizaram-na de ilha Púrpura, mas os tons predominantes são os dos incontáveis recifes de coral num mar pouco profundo. Confinada às suas cinco keys, Islamorada mantêm-se pacata, num meio-caminho alternativo entre Miami e Key West, as urbes da Flórida que a prodigiosa Overseas Highway há muito liga.

Damos por encerrada uma incursão inaugural ao John Pennekamp State Park, a primeira grande área protegida, situada a leste de onde a Overseas Highway se alinha com a longa alpondra das Florida Keys.

Um vento demasiado forte causa o cancelamento do tour de barco, com snorkeling, que tínhamos programado para essa manhã. Retomamos, assim, a viagem.

Percorremos todo Key Largo, o primeiro dos maiores sub-arquipélagos unidos pelo betão, pelo asfalto de dezenas de viadutos.

Após um bom tempo numa extensão urbanizada, a estrada mete-se num manguezal demasiado alagado e pantanoso para acolher estruturas.

O manguezal, por sua vez, rende-se a um canal sinuoso e amplo que intersecta as Florida Keys.

Chegada Vespertina a Islamorada

Ao cruzarmos o tal de Tavernier Creek, deixamos para trás a região de Tavernier e, em simultâneo, Key Largo. Do lado de lá, já estamos sobre a ilha de Plantation Key e em pleno sub-arquipélago de Islamorada.

Quando mais descemos pela Overseas Highway, mais intrincada se torna a geografia destes fundos inusitados e insulares da Flórida.

O que nos faltava percorrer até ao pouso em que íamos pernoitar, continuou a confirmá-lo.

De Plantation Key, passamos para Windley Key, pouco depois, para Upper Matecumbe Key.

O hotel ficava na ponta oposta dessa outra grande ilha pantanosa, na iminência de nova secção de mar aberto, sulcado por canais desenhados na imensidão de coral e atravessado pela omnipresente Hwy 1.

Outras keys de Islamorada surgiriam.

Depois de quase cinco horas de condução e paragens fotográficas desde Miami, a prioridade estava em darmos entrada no Amara Cay resort, em recuperarmos energias e nos reorganizarmos.

Encontramo-lo encaixado num coqueiral que ocupava uma longa faixa entre a Overseas Highway e a costa atlântica das Keys.

Mais ou menos natural ou imposto pelo paisagismo dos colonos, não o conseguíamos apurar.

O que era óbvio era como se destacava acima da vastidão do mangue do lado oposto da estrada.

Não era tudo.

A Razão Histórica de Ser do Baptismo Islamorada

Quando estudamos o que nos cercava, nuns Maps online, percebemos que, como expectável, o mangue próximo era verdejante. Prenunciava, todavia, uma lagoa de água cor-de-vinho e uma expansão de vegetação anfíbia que despontava de uma superfície com o mesmo tom.

Por ali, uma qualquer reacção química entre o leito, a água e a vegetação parecia encarniçar o manguezal.

Ora sem que o esperássemos, num ápice, descobrimos aquilo em que os descobridores espanhóis pioneiros repararam, o tingido que viria a inspirar o nome da zona: Islamorada, ou seja com cor de “mora”, em português, de amora.

Os primeiros homens a reparar na estranha coloração terão sido os marinheiros de Juan Ponce de León. Em 1513, o explorador castelhano liderou a primeira expedição à península que apelidou de La Florida.

Ponce de León desembarcou na costa oriental. Lá se destacou Saint Augustine, a mais Lôngeva Cidade Colonial das Américas.

Daí, tal e qual estávamos a fazer por terra, prosseguiu para ocidente, ao longo da costa sul das actuais Florida Keys e, logo, para norte, até à costa da península da Florida oposta àquela em que tinha desembarcado.

E, de volta para sul e para fora do Golfo do México, rumo ao Atlântico aberto.

A Incursão de Ponce de León nas Florida Keys

Consolidou-se na mitologia dos Descobrimentos que Ponce de León procurava a milagrosa Fonte da Juventude.

Chegado a estas partes, em vez da água curadeira, deparou-se com uma inesperada paisagem “ensanguentada”.

À data da primeira intrusão europeia, habitavam-nas as tribos Calusa e Tequesta, as mesmas que dominavam a península floridense e os seus Everglades.

Ora, em sintonia com a paisagem, diz-se que estes nativos pareceram, a Ponce de León, homens em sofrimento.

De acordo, o baptismo inaugural que deu ao todo das Florida Keys, incluindo Islamorada, foi Los Martyres.

E, na realidade, ambas vieram a fazer centenas de vítimas, sobretudo entre os marinheiros que erravam ao navegarem os mares repletos de recifes.

Ou que tinham o azar de nelas serem apanhados pelos furacões que, há muito varrem as Antilhas, o Caribe, o Golfo do México e o sudoeste dos Estados Unidos.

O History of Diving Museum e a Obsessão dos Bauer

Para melhor nos imergirmos no âmbito, visitamos o History of Diving Museum, aberto ao público em 2005, com exibições de fatos, aparelhos de mergulho e toda uma panóplia de instrumentos relacionados, coleccionados durante quatro décadas, por Joseph e Sally Bauer.

A obsessão levou-os em missões de estudo e aquisição, aos quatro cantos da Terra. Assim, tornaram a sua colecção uma das maiores do Mundo.

Depois de se reformar, o casal Bauer mudou-se de Cleveland, Ohio, para Islamorada. Pouco depois da inauguração, Joseph Bauer faleceu. O legado que deixou a Islamorada subsiste, entre a Overseas Highway e o mar da Baía da Flórida.

Lá nos entretemos a analisar a evolução dos escafandros, robots submergíveis e outros estranhos dispositivos e com uma competição de suster a respiração, medida por um deles. Ditou o passar dos séculos que tais equipamentos fizessem ainda mais sentido, em Islamorada.

Os Furacões, os Naufrágios e os Empresários da Salvagem de Navios

Avancemos até 1733. Um dos frequentes furacões fez que toda uma frota espanhola carregada de tesouros encalhasse nos recifes e, aos poucos, se danificasse e afundasse. Este naufrágio massivo ditou um precedente do negócio de salvagem de embarcações e sua carga.

Nos anos que se seguiram, continuaram a ocorrer naufrágios semelhantes. Ansiosos por se apoderarem dos tesouros, os nativos colocaram mãos à obra. Por norma, os comandantes ou proprietários dos navios enfureciam-se com a sua entrada em cena. Alguns, acabavam por aceitar que, sem eles, pouco ou nada reaveriam.

Outros, esperavam por possíveis reforços. No entretanto, tentavam expulsar os intrusos.

Esta estranha actividade atraiu para as Florida Keys e para Islamorada uma pequena população que se especializava no mergulho, em antiguidades e afins.

Estimou-se que, a meio do século XIX, tinha tornado Key West a cidade mais abastada, per capita, dos Estados Unidos.

E, no entanto, quando os furacões carregavam sobre as Florida Keys, a riqueza pouco ou nada ajudava.

O Indomável do Labor Day Hurricane

Nos derradeiros dias de Agosto de 1935, as autoridades alertaram os moradores de que um furacão perigoso se aproximava. Foi inclusivamente enviado um avião encarregue de o detectar e avaliar.

Quando se percebeu a real ameaça, já sob o evento, foi também enviado um comboio de salvamento.

Ventos de quase 300km/h e ondas de seis metros fizeram a composição descarrilar e cair de lado.

À data, uma empresa encarregue de estender a Overseas Highway mantinha 695 veteranos da 1ª Guerra Mundial acantonados em Islamorada. Ficaram à mercê do ciclone do Labour Day, o primeiro de Categoria 5 a atingir os Estados Unidos, com a terceira pressão atmosférica mais baixa: 892hPa.

O furacão vitimou para cima de 400 operários e moradores. Um memorial situado no cerne de Upper Matecumbe Key louva-os. Fica a pouca distância do History of Diving Museum.

Em Islamorada, ao longo da História, os furacões, os naufrágios, o mergulho e os mergulhadores andaram sempre lado a lado. Em plena 2ª Guerra Mundial, o conflito entre um salvador de naufrágios local ganancioso, a sua equipa e indígenas que se achavam com igual direito de enriquecer desencadeou uma carnificina, no caio Indian Key de Islamorada.

“Robbies”e outros Atractivos de Islamorada Inusitados

Com a Overseas Highway completa e o intensificar do turismo, Islamorada atraiu um número crescente de forasteiros e até moradores célebres. O actor Gene Hackman e desportistas idolatrados dos Estados Unidos têm lá casa.

À margem dos cenários marinhos excêntricos, um outro sério atractivo do sub-arquipélago são uns poucos bares arejados e genuínos que combinam com centro de mergulho, de pesca e de passeios.

Descobrimos o exemplo incontornável do popular “Robbies”. No seu domínio palafítico, os clientes disputam as mesas ao sol e os passadiços.

Num convívio improvável, os pelicanos mantem-se de olho nos seus próprios petiscos.

Nos peixes mais pequenos que evitam os tarpões-do-Atlântico que os clientes pagam para alimentar.

E naqueles que os pescadores recém-chegados descarregam.

A inspiração para o pitoresco “Robbies” foi terem salvo um tarpão-do-Atlântico que detectaram próximo do molhe em que costumavam embarcar, os donos orgulham-se de contar esse inesperado feito.

Mesmo diminuta e algo remota, Islamorada tem muitos mais de que se pode gabar.

 

COMO IR

Reserve o voo Lisboa – Miami (Flórida), Estados Unidos, com a TAP: flytap.com por a partir de 720€. A partir de Miami poderá viajar em carro alugado até Islamorada, cumprindo cerca de 2h de trajecto.

Avião TAP

Florida Keys, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Miami, Flórida, E.U.A.

A Porta de Entrada da América Latina

Não é só a localização privilegiada, entre um oceano exuberante e o verde dos Everglades, com a vastidão caribenha logo ali a sul. É o afago tropical, o do clima e o cultural e uma modernidade urbana exemplar. Cada vez mais em castelhano, num contexto latino-americano.
Parque Nacional Everglades, Flórida, E.U.A.

O Grande Rio Ervado da Flórida

Quem sobrevoa o sul do 27º estado espanta-se com a vastidão verde, lisa e ensopada que contrasta com os tons oceânicos em redor. Este ecossistema de pântano-pradaria único nos EUA abriga uma fauna prolífica dominada por 200 mil dos 1.25 milhões de jacarés da Flórida.
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
New Orleans, Luisiana, E.U.A.

A Musa do Grande Sul Americano

New Orleans destoa dos fundos conservadores dos E.U.A. como a defensora de todos os direitos, talentos e irreverências. Em tempos francesa, para sempre afrancesada, a cidade do jazz inspira, a novos ritmos contagiantes, a fusão de etnias, culturas, estilos e sabores.
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Frederiksted, Saint Croix, Ilhas Virgens Americanas

A Cidade da Emancipação das Índias Ocidentais Dinamarquesas

Se Christiansted se afirmou como a capital e principal polo comercial da ilha de Saint Croix, a “irmã” do sotavento, Frederiksted teve o seu apogeu civilizacional quando lá se deu a revolta e posterior libertação dos escravos que garantiam a prosperidade da colónia.
San Juan, Porto Rico (Parte 2)

Ao Ritmo do Reggaeton

Os porto-riquenhos irrequietos e inventivos fizeram de San Juan a capital mundial do reggaeton. Ao ritmo preferido da nação, encheram a sua “Cidade Muralhada” de outras artes, de cor e de vida.
Daytona Beach, Flórida, Estados Unidos

A Dita Praia Mais Famosa do Mundo

Se a sua notoriedade advém sobretudo das corridas NASCAR, em Daytona Beach, encontramos uma estância balnear peculiar e um areal vasto e compacto que, em tempos, serviu para testes de velocidade automóvel.
Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Florida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.
Christiansted, St. Croix, Ilhas Virgens Americanas

A Capital das Antilhas Afro-Dinamarquesas-Americanas

Em 1733, a Dinamarca comprou a ilha de Saint Croix à França, anexou-a às suas Índias Ocidentais em que, com base em Christiansted, lucrou com o trabalho de escravos trazidos da Costa do Ouro. A abolição da escravatura tornou as colónias inviáveis. E uma pechincha histórico-tropical que os Estados Unidos preservam.
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É parco para o número de almas que a desejam.
Grand Canyon, E.U.A.

Viagem pela América do Norte Abismal

O rio Colorado e tributários começaram a fluir no planalto homónimo há 17 milhões de anos e expuseram metade do passado geológico da Terra. Também esculpiram uma das suas mais deslumbrantes entranhas.
Monte Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.
Juneau, Alasca

A Pequena Capital do Grande Alasca

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta pequena capital que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Safari
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Thorong La, Circuito Annapurna, Nepal, foto para a posteridade
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 13º - High Camp a Thorong La a Muktinath, Nepal

No Auge do Circuito dos Annapurnas

Aos 5416m de altitude, o desfiladeiro de Thorong La é o grande desafio e o principal causador de ansiedade do itinerário. Depois de, em Outubro de 2014, ter vitimado 29 montanhistas, cruzá-lo em segurança gera um alívio digno de dupla celebração.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Arquitectura & Design
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Queima de preces, Festival de Ohitaki, templo de fushimi, quioto, japao
Cerimónias e Festividades
Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se.
Vegetais, Little India, Singapura de Sari, Singapura
Cidades
Little India, Singapura

Little Índia. A Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Tequila, cidade de Jalisco, México, jima
Cultura
Tequila, JaliscoMéxico

Tequila: a Destilação do Oeste Mexicano que Anima o Mundo

Desiludidos com a falta de vinho e de aguardente, os Conquistadores do México aprimoraram a aptidão indígena milenar de produzir álcool. No século XVII, os espanhóis estavam satisfeitos com a sua pinga e começaram a exportá-la. A partir de Tequila, o pueblo, hoje, centro de região demarcada. E nome por que se tornou famosa.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Devils Marbles, Alice Springs a Darwin, Stuart hwy, Caminho do Top End
Em Viagem
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
Sombra de sucesso
Étnico
Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

O Terreno e o Celestial

Kremlin de Rostov Veliky, Rússia
História
Rostov Veliky, Rússia

Sob as Cúpulas da Alma Russa

É uma das mais antigas e importantes cidades medievais, fundada durante as origens ainda pagãs da nação dos czares. No fim do século XV, incorporada no Grande Ducado de Moscovo, tornou-se um centro imponente da religiosidade ortodoxa. Hoje, só o esplendor do kremlin moscovita suplanta o da cidadela da tranquila e pitoresca Rostov Veliky.
Mirador de La Peña, El Hierro, Canárias, Espanha
Ilhas
El Hierro, Canárias

A Orla Vulcânica das Canárias e do Velho Mundo

Até Colombo ter chegado às Américas, El Hierro era vista como o limiar do mundo conhecido e, durante algum tempo, o Meridiano que o delimitava. Meio milénio depois, a derradeira ilha ocidental das Canárias fervilha de um vulcanismo exuberante.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Montezuma e Malpaís, melhores praias da Costa Rica, Catarata
Natureza
Montezuma, Costa Rica

De Volta aos Braços Tropicais de Montezuma

Passaram 18 anos desde que nos deslumbrámos com este que é um dos litorais abençoados da Costa Rica. Há apenas dois meses, reencontrámo-lo. Tão aconchegante como o  tínhamos conhecido.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
savuti, botswana, leões comedores de elefantes
Parques Naturais
Savuti, Botswana

Os Leões Comedores de Elefantes de Savuti

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.
Canal de Lazer
Património Mundial UNESCO
Amesterdão, Holanda

De Canal em Canal, numa Holanda Surreal

Liberal no que a drogas e sexo diz respeito, Amesterdão acolhe uma multidão de forasteiros. Entre canais, bicicletas, coffee shops e montras de bordéis, procuramos, em vão, pelo seu lado mais pacato.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Tobago, Pigeon Point, Scarborough, pontão
Praias
Scarborough a Pigeon Point, Tobago

À Descoberta da Tobago Capital

Das alturas amuralhadas do Forte King George, ao limiar de Pigeon Point, o sudoeste de Tobago em redor da capital Scarborough, revela-nos uns trópicos controversos sem igual.
Solovestsky Outonal
Religião
Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre Carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Ponte u bein, Amarapura, Myanmar
Sociedade
Ponte u-BeinMyanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein está no seu crepúsculo.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.