San Juan, Porto Rico (Parte 2)

Ao Ritmo do Reggaeton


A Bandeira mais Sólida
Frescura del Patio
Cores de La Perla
porto-rico-san-juan-cidade-fortificada-museu-de-las-americas
La Bulevar del Valle
Puro Porto Rico
Conversa de Fim de Tarde
Fachadas Coloniais
Porto Rico a Dobrar
Rua Colonial
Mural La Puerta
Pórtico Arco-Íris
A Bom Ritmo
Balcão Excêntrico
Trajes tradicionais Jibaro
O Prédio mais Estreito
Anoitecer colonial
Os porto-riquenhos irrequietos e inventivos fizeram de San Juan a capital mundial do reggaeton. Ao ritmo preferido da nação, encheram a sua “Cidade Muralhada” de outras artes, de cor e de vida.

Porto Rico. O reggaeton, as suas estrelas e sucessos.

Não há como dissocia-los. Sobretudo a partir da viragem para o século XXI, invadiram o mundo. De tal maneira que, muito à conta deste estilo emergente, a música hispânica começou a ameaçar a supremacia mundial da música anglófona.

Daddy Yankee e os seus êxitos “Gasolina” e “Lo que Pasó Pasó”, de 2004, no mesmo ano, “Baila Morena” a resposta de Héctor & Tito que ouvimos pela primeira vez, em Valle Seco, uma aldeola piscatória vizinha de Puerto Colômbia, Caribe venezuelano e que, só vários anos mais tarde, lográmos identificar.

Quando não é o reggaeton, sobressaem outros ritmos, músicos e artistas multifacetados.

Só assim de cor, lembramo-nos de vedetas planetárias como Jennifer Lopez e Marc Anthony, Ricky Martin, Jose Feliciano, Benicio del Toro, Joaquin Phoenix, estes, os mais famosos.

Mas, concentremo-nos, para já, no reggaeton.

O Ritmo Imparável a que o Reggaeton Conquistou o Mundo

A determinada altura, os novos sucessos musicais porto-riquenhos conquistavam as pistas de dança com intensidade comparável ao das batidas latinas dembow frenéticas de cada tema, todos eles, populares popularuchos, sem grandes profundidades, esoterismos ou subtilezas estéticas.

As letras falam de “perrear”, de “fuego” y “afuegote” e do “flow”. São expressões que traduzem, pela ordem, o movimento sexual de cópula em pé e com roupa, incontornável, quando se dança reggaeton.

A temperatura e a atmosfera sexual características das discotecas e clubes que passam reggaeton.

Por fim, a harmonia e fluxo da música que explica porque tantas letras incluem um apelo de “dame reggaeton!”.

O reggaeton traduz, há muito, a ânsia por diversão e prazer típica destas partes semi-caribenhas do mundo.

Em simultâneo, uma reinvenção radical dos estilos musicais em tempos indisputados das Caraíbas, a rumba, o cha-cha-cha, o bolero, o mambo, a guaracha, a bachata dominicana, entre tantos outros.

Num âmbito cultural com forte influência do pop, do hip-hop do rap e suas fusões dos Estados Unidos, o registo visual dos artistas adquiriu tanta ou mais importância que o dos êxitos.

Revelou-se ainda preponderante para o engrossar das suas legiões de fãs e seguidores.

E para o desejado estrelato e riqueza desmedida que se segue.

Hoje, o ainda mais excêntrico e superficial Bad Bunny parece ter substituído Daddy Yankee no trono do reggaeton. Mas, em Janeiro de 2017, Luis Fonsi e Daddy Yankee uniram esforços num tema do álbum de Fonsi de 2018, “Vida”.

Esse tema, “Despacito” destoou e muito da linha fortemente batucada, ritmada e electrónica com que Yankee fez a sua fama. Desacelerou a energia e cadência passional de Porto Rico para um modo lento, arrastado, quase lamecha de celebrar o sexo e o amor, incompatível com qualquer anseio de “perreo”.

Por alguma razão, Fonsi se aliou a Yankee. O primeiro apercebeu-se do potencial comercial do tema, e de quanto o colega de ofício o poderia multiplicar.

Sem surpresa e, em três tempos, “Despacito” tornou-se o mega-sucesso do ano.

Confrontado com a decisão do que fazer com o vídeo, o duo concordou em simplificar.

O Sucesso “Despacito” e o Bairro La Perla de San Juan

Em celebrar as suas imagens idolatradas e, em simultâneo, a genuinidade e humildade do coração e alma de Porto Rico: a sua Vieja San Juan, a segunda cidade colonial hispânica mais antiga e a cidade colonial mais fortificada das Américas.

Em 2016, os dois músicos e a Miss Universo 2006 Zuleika River Mendoza desceram à beira-mar de La Perla, um dos bairros mais pobres, coloridos e, em tempos, mais perigosos de San Juan.

Durante as filmagens, o Atlântico desenrola-se, comedido, sobre o recife rochoso que, por norma, protege o casario das tempestades.

Fonsi e a modelo exibiram os seus físicos cuidados (o de Yankee, nem tanto) e visuais sedutores nas ruelas sujas do bairro, sobre o entulho acumulado na base da primeira linha de habitações.

Conviveram com os moradores remediados, cantaram e dançaram em pátios, em tascos e afins. Só umas poucas cenas adicionais foram filmadas no famoso bar “La Factoria”, situado bem mais acima, na Calle San Sebastian da cidade velha.

Quatro anos mais tarde, damos connosco às portas desse mesmo bairro La Perla. Primeiro, vislumbramos as suas casas e ruelas desde a via cimeira Bulevar del Valle.

Pouco depois, contemplamo-lo em formato panorâmico a partir das muralhas e adarves do Castillo San Felipe del Morro.

Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada, panoramica

Perspectiva de San Juan com o bairro la Perla entre o cemitério Magdalena Pazzi e o Castillo San Cristobal

Àquela distância, tudo nos parece normal. Vemos as suas casas multicolores, empilhadas umas sobre as outras na encosta norte, ainda algo verdejante da ilha de San Juan, entre o cemitério Magdalena de Pazzi e o grande Castillo de San Cristóbal.

Mesmo se o seu sortido cromático prevalecia, La Perla não era a mesma.

Furacão Maria: a Catástrofe que Devastou o Bairro La Perla e Porto Rico

As tempestades tropicais e furacões já fustigavam o Caribe muito antes do desembarque de Cristóvão Colombo. Dois deles quase encurtaram a vida do almirante.

A 20 de Setembro de 2017, o furacão Maria devastou Porto Rico. Um dos lugares mais expostos às tempestades e, como tal, mais destruído comprovou-se o bairro La Perla, virado a norte e com as suas casas uns meros metros acima do nível do Atlântico.

Inflado pela tempestade, o oceano projectou ondas massivas que arrasaram diversos lares.

Quando por lá passámos, boa parte deles continuavam destruídos e abandonados, agora sob a pressão de intensa especulação imobiliária.

Malgrado os efeitos do furacão, La Perla mantinha-se uma inusitada galeria de arte de rua, com as suas fachadas, telhados, pontes e tantas outras estruturas pintadas com distintas obras.

A Bandeira de Porto Rico e Tantas outras Expressões de Arte de Rua

À imagem do que acontece um pouco por todo o território, algumas frentes inteiras exibem pinturas da bandeira de Porto Rico que vimos, aliás, também ilustrada nas raízes secas de uma árvore.

Outras obras, contam a história, as tradições e as agruras sócio-políticas da ilha.

Uns metros acima do barrio La Perla, a rua Bulevar del Valle tem uma sua longa secção preenchida com obras de rua.

São quase todas reivindicações abrasivas contra a corrupção de que os governadores de Porto Rico se viram acusados ou alusivas ao abandono em que os Estados Unidos de Donald Trump votaram a ilha após a catástrofe do furacão Maria.

Quem chega de Santo Domingo e de outras ilhas vizinhas do Caribe, depressa se apercebe que, em Porto Rico, o amor e o empenho colocados na arte são superiores.

Qualquer que seja o bar, restaurante ou pousada de San Juan faz questão de ter uma decoração, uma imagem de marca e uma atmosfera única.

Se os empreendedores não possuem fundos ou propriedades, expressam-se a escalas mais terra-a-terra.

Constatamo-lo num mercado agrícola natural, onde os produtos surgem expostos com grande elegância, os sumos e licores têm nomes e sabores fora da caixa, como o artesanato, inventivo e personalizado.

Uma Vocação Artística há Muito Cultivada

A umas poucas centenas de metros, destaca-se do relvado vasto de El Morro um dos motivos e móveis da criatividade da nação, a monumental Escuela de Artes Plásticas y Diseño, amarela-torrada e, pelo menos à primeira vista, maior que o próprio Capitólio de Porto Rico.

Adornam as imediações estátuas emblemáticas da cidade, caso da de Don Ricardo Alegria, antropólogo, historiador e antigo alcalde de San Juan, cuja pro-actividade deixou a marca por toda a urbe, incluindo a fundação da própria escola de arte em que se graduou Luz Badillo, a autora da estátua.

Exploramos os confins quase-marinhos do Castillo San Felipe del Morro quando, como acontecia tarde após tarde, de um momento para o outro, o céu enegreceu e descarregou uma bátega fulminante.

Corremos Calle el Morro acima, em busca de um abrigo na grelha colonial da Cidade Velha. Refugiamo-nos no interior do edifício do Museu de Las Américas.

Sob as suas arcadas, à margem da protecção, damos com mais um dos inesperados mundos de luz e de cor de San Juan. O museu dispõe-se em volta de um pátio desafogado.

Dos três pisos repletos de portas, janelas e janelos ogivais, rectangulares e redondos, emana uma iluminação cor-de-rosa mística que invade o pátio.

Reflecte-se no piso batido pela chuva e pejado de poças.

E distorce-se no seu próprio prodígio efémero de Pop Art. Jovens também por ali a salvo da chuva, sentem o encanto. Deixam as arcadas para o quadro do pátio. Entregam-se a fotos e a selfies encharcadas.

À boa moda dos trópicos, tão depressa como apareceu, a tempestade deu de si. Com a noite a instalar-se, deambulamos pela Cidade Vieja.

Apreciamos como, aos poucos, se ajustava ao “fuegote” prestes a dela se apoderar. Os bares a ficarem à pinha e a passarem os temas do reggaeton essenciais ao “flow”.

Os primeiros ensaios ainda tímidos de “perreo”, preâmbulos de nova madrugada em fuego nas discotecas da capital porto-riquenha.

San Juan, Porto Rico

O Porto Rico e Muralhado de San Juan Bautista

San Juan é a segunda cidade colonial mais antiga das Américas, a seguir à vizinha dominicana de Santo Domingo. Entreposto pioneiro da rota que levava o ouro e a prata do Novo Mundo para Espanha, foi atacada vezes sem conta. As suas fortificações incríveis ainda protegem uma das capitais mais vivas e prodigiosas das Caraíbas.
Santo Domingo, República Dominicana

A Mais Longeva Anciã Colonial das Américas

Santo Domingo é a colónia há mais tempo habitada do Novo Mundo. Fundada, em 1498, por Bartolomeu Colombo, a capital da República Dominicana preserva intacto um verdadeiro tesouro de resiliência histórica.
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Cartagena de Índias, Colômbia

A Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
Barahona, República Dominicana

A República Dominicana Balnear de Barahona

Sábado após Sábado, o recanto sudoeste da República Dominicana entra em modo de descompressão. Aos poucos, as suas praias e lagoas sedutoras acolhem uma maré de gente eufórica que se entrega a um peculiar rumbear anfíbio.
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Lago Enriquillo, República Dominicana

Enriquillo: o Grande Lago das Antilhas

Com entre 300 e 400km2, situado a 44 metros abaixo do nível do mar, o Enriquillo é o lago supremo das Antilhas. Mesmo hipersalino e abafado por temperaturas atrozes, não pára de aumentar. Os cientistas têm dificuldade em explicar porquê.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Treasures, Las Vegas, Nevada, Cidade do Pecado e Perdao
Arquitectura & Design
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Cerimónias e Festividades
Pentecostes, Vanuatu

Naghol: O Bungee Jumping sem Modernices

Em Pentecostes, no fim da adolescência, os jovens lançam-se de uma torre apenas com lianas atadas aos tornozelos. Cordas elásticas e arneses são pieguices impróprias de uma iniciação à idade adulta.
Cansaço em tons de verde
Cidades
Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Cultura
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Capacete capilar
Étnico
Viti Levu, Fiji

Canibalismo e Cabelo, Velhos Passatempos de Viti Levu, ilhas Fiji

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.
luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Dia escuro
História

Lago Cocibolca, Nicarágua

Mar, Doce Mar

Os indígenas nicaraos tratavam o maior lago da América Central por Cocibolca. Na ilha vulcânica de Ometepe, percebemos porque o termo que os espanhóis converteram para Mar Dulce fazia todo o sentido.

Playa Nogales, La Palma, Canárias
Ilhas
La Palma, Canárias

A Isla Bonita das Canárias

Em 1986, Madonna Louise Ciccone lançou um êxito que popularizou a atracção exercida por uma isla imaginária. Ambergris Caye, no Belize, colheu proveitos. Do lado de cá do Atlântico, há muito que os palmeros assim veem a sua real e deslumbrante Canária.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Literatura
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Jardim Monte Palace, Funchal, Madeira
Natureza
Funchal, Madeira

Portal para um Portugal Quase Tropical

A Madeira está situada a menos de 1000km a norte do Trópico de Câncer. E a exuberância luxuriante que lhe granjeou o cognome de ilha jardim do Atlântico desponta em cada recanto da sua íngreme capital.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Cataratas de Victoria, Zimbabwe, Zambia
Parques Naturais
Victoria Falls, Zimbabwe

O Presente Trovejante de Livingstone

O explorador procurava uma rota para o Índico quando nativos o conduziram a um salto do rio Zambeze. As cataratas que encontrou eram tão majestosas que decidiu baptizá-las em honra da sua rainha
Willemstad, Curaçao, Punda, Handelskade
Património Mundial UNESCO
Willemstad, Curaçao

O Coração Multicultural de Curaçao

Uma colónia holandesa das Caraíbas tornou-se um grande polo esclavagista. Acolheu judeus sefarditas que se haviam refugiado da Inquisição em Amesterdão e Recife e assimilou influências das povoações portuguesas e espanholas com que comerciava. No âmago desta fusão cultural secular esteve sempre a sua velha capital: Willemstad.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
vista monte Teurafaatiu, Maupiti, Ilhas sociedade, Polinesia Francesa
Praias
Maupiti, Polinésia Francesa

Uma Sociedade à Margem

À sombra da fama quase planetária da vizinha Bora Bora, Maupiti é remota, pouco habitada e ainda menos desenvolvida. Os seus habitantes sentem-se abandonados mas quem a visita agradece o abandono.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Autocarro garrido em Apia, Samoa Ocidental
Sociedade
Samoa  

Em Busca do Tempo Perdido

Durante 121 anos, foi a última nação na Terra a mudar de dia. Mas, Samoa percebeu que as suas finanças ficavam para trás e, no fim de 2012, decidiu voltar para oeste da LID - Linha Internacional de Data.
Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Vida Selvagem
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
EN FR PT ES