San Juan, Porto Rico

O Porto Rico e Muralhado de San Juan Bautista


Cores de San Juan
Perspectiva de San Juan com o cemitério Magdalena Pazzi e o bairro la Perla em fundo.
Calle del Morro
Pedestres percorrem a longa Calle del Morro que liga o casario de San Juan ao Castillo San Felipe del Morro.
O Capitólio
O grande capitólio de Porto Rico destacado acima da costa norte da ilha de San Juan.
Raízes da Nação
A bandeira de Porto Rico pintada em raízes junto à Puerta de San Juan.
Calle Bulevar del Valle
Casario colonial ao longo da Calle Bulevar del Valle com o Castillo de San Cristobal em fundo.
O Castillo de San Cristobal
Moradores descem uma rampa a partir do cimo do Castillo de San Cristobal.
A Última Morada de San Juan
Plano do cemitério de Santa Maria Magdalena Pazzi entre o Castillo de San Felipe del Morro e o Castillo de San Cristobal.
Bandeira Telhado vs Muralha
Recanto tropical de San Juan com a bandeira de Porto Rico a contrastar cpm uma muralha do Castillo de San Cristobal.
Acrobacias sobre muralhas
Pai e filho brincam com papagaios de papel sobre as muralhas do Castillo San Felipe del Morro.
Aniversário
Aniversariante e amigos sobre uma muralha norte do Castillo San Felipe del Morro.
Castillo San Felipe del Morro
Sector recortado do Castillo de San Felipe del Morro.
Conversa Muralhada
Casal conversa junto a uma extremidade do Castillo San Felipe del Morro, sob um céu tempestuoso.
Lançamento de Cometas
Moradores de San Juan entretidos a lançar papagaios de papel, (chamados de cometas).
Ponte do Castillo San Felipe
Casal cruza a ponte de acesso ao Castillo San Felipe del Morro.
Entrada na Baía
Casal cruza a ponte de acesso ao Castillo San Felipe del Morro.
Iguana Verdejante
Uma das muitas iguanas residentes dos castelos e fortalezas de San Juan.
Silhueta del Morro
Luz de tempestade acentua as silhuetas do Castillo San Felipe del Morro.
Manobras contra o vento
Criança manobra um papagaio de papel sobre o anoitecer.
Batalha
Família durante uma batalha entre papagaios de papel.
Caminhada sobre Muralhas
Amigos percorrem uma das muralhas do Castillo San Felipe del Morro.
San Juan é a segunda cidade colonial mais antiga das Américas, a seguir à vizinha dominicana de Santo Domingo. Entreposto pioneiro da rota que levava o ouro e a prata do Novo Mundo para Espanha, foi atacada vezes sem conta. As suas fortificações incríveis ainda protegem uma das capitais mais vivas e prodigiosas das Caraíbas.

Cumprida uma noite de navegação com origem em Santo Domingo, despertamos com Porto Rico a bombordo.

Uma comunidade irrequieta de golfinhos atrai boa parte dos passageiros aos decks superiores do ferry. Acompanhamo-los e às suas acrobacias por algum tempo.

Em breve, a curiosidade sobre o que nos reservava a ilha leva a melhor. A vista do cimo do barco, a pouca distância da costa provava-se mais elucidadora do que estávamos a contar.

Deixado para trás um litoral de que se projectavam prédios altos, chegamos a uma ponta com forte cariz histórico, ocupada por uma grande fortaleza, logo, por outra.

O ferry contorna o extremo ocidental triangulado da sub-ilha de San Juan. Começa por nos revelar o Morro e o Castillo San Felipe del Morro que o defende. Quando inverte a sua posição, deixa-nos em contraluz. A vista transforma-se numa mancha escura e difusa.

À medida que progredimos para dentro da Baía de San Juan, a embarcação aproxima-se de La Puntilla e realinha-se. Volta a exibir-nos o cimo ervado do Morro e, não tarda, o casario que se espraia para norte da Puerta de San Juan e de uma longa zona portuária.

Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada, Puerta de San Juan

Casario de San Juan para lá da Puerta de San Juan um dos cinco pórticos que em tempos davam acesso à cidade.

Por fim, o ferry atraca. A atmosfera que encontramos em terra tem o seu quê de Estados Unidos, se bem que menos opressora e espalhafatosa do que é usual nos E.U.A. contíguos

Desembarcamos no Estado Livre Associado de Porto Rico, considerado um território não incorporado dos Estados Unidos. Nos muitos dias que lhe dedicamos, esta terminologia e o que dela emana ditaram uma diferença substancial.

Detectámo-la na identidade de Porto Rico, algures entre a latinidade caribenha dominicana e o pragmatismo anglófono dos E.U.A, ambas patentes, logo para começar, no bilinguismo (uso do espanhol e do inglês) de boa parte da nação boricua.

Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada, cerimónia

Polícias seguram bandeiras de Porto Rico e dos Estados Unidos da América durante uma cerimónia oficial em San Juan.

O Clima Tropical e Tempestuoso de Porto Rico

Em termos geográficos, quanto à meteorologia, Porto Rico é tão tropical e caribenha como a congénere Hispaniola. Sofre dos mesmos predicados e riscos.

Em Setembro de 2017, o furação de categoria 5 Maria devastou a ilha. Causou 90 mil milhões de estragos e entre 1500 a 3000 vítimas mortais, o número real depressa gerou controvérsia.

Também a visitámos durante boa parte de Setembro. Os caprichos dos furações desse ano, pouparam-nos. O calor, ora tórrido, ora tórrido e húmido, característico da época das tempestades e chuvas, nem por isso.

Quando caminhamos pela primeira pelas ruelas históricas e garridas do viejo San Juan, o calor de sauna oprime-nos. Faz-nos suar e desesperar a dobrar por não darmos com a porta estreita e esquiva da guest-house em que tínhamos marcado os dias iniciais da estada.

Já instalados, com frequência, terminávamos as tardes no extremo ocidental da ilha, a explorarmos a tal secção relvada, desafogada e algo mágica do morro que antecedia o castelo de San Felipe.

Pois, decorrente desta combinação entre temperatura e humidade extrema, tarde após tarde, nuvens plúmbeas, carregadas e pesadas a condizer, surgiam do mar a norte e ficavam a pairar, baixas e ameaçadoras, sobre o promontório.

Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada, silhueta

Luz de tempestade acentua as silhuetas do Castillo San Felipe del Morro.

Sequestravam o sol. Após o que atacavam a velha San Juan com bátegas inclementes, trovões ribombantes e raios que, a espaços, os pára-raios por ali instalados retinham.

Insignificantes, se comparadas com o fenómeno quase-apocalíptico do Maria, estas tormentas causavam os seus danos.

Na incerteza de que os pára-raios se provassem 100% eficazes, os rangers de serviço ao Sítio Histórico viam-se obrigados a comunicar emergência por altifalante.

Esmeravam-se para colocarem a salvo os pedestres da Calle del Morro – que sulca a relva entre o limiar do casario histórico e o castelo – e as dezenas de lançadores de cometas (leia-se papagaios de papel) disseminados sobre a erva, o cimo das muralhas, ameias, adarves e restantes estruturas de defesa de El Morro e de San Juan Bautista.

Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada,

Família durante uma batalha entre papagaios de papel.

San Juan, uma das Cidades mais Fortificadas das Américas

Foi Cristóvão Colombo que assim baptizou a ilha, quando nela desembarcou, em 1493. Sob esse nome santificado e bíblico, Juan Ponce de León, o primeiro governador da ilha, tratou de a urbanizar.

Já estivemos em inúmeros lugares coloniais fortificados. Nenhum deles com a grandiosidade, densidade e excentricidade histórica da ilha de San Juan.

Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada, Calle Bulevar del Valle

Casario colonial ao longo da Calle Bulevar del Valle com o Castillo de San Cristobal em fundo.

Reforça o deslumbre do Castillo de San Felipe, a estrutura multinível complexa que os engenheiros militares impuseram ao Morro, numa comunhão secular com o oceano Atlântico e a Baía de San Juan, com as iguanas e as fragatas e corvídeos residentes, em permanente sobrevoo.

A umas boas centenas de metros para leste, ainda no cimo da ilha ergue-se uma fortificação complementar, o Castillo de San Cristóbal é considerado o maior dos fortes espanhóis do Novo Mundo e em tudo comparável ao de San Felipe.

Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada, iguana

Uma das muitas iguanas residentes dos castelos e fortalezas de San Juan.

Calcorreamo-lo de ponta a ponta, de cima a baixo.

Uma vez mais entre iguanas, com panorâmicas incríveis, umas do interior da ilha, incluindo o majestoso Capitólio de Porto Rico. Outras, sobre o mar bravio e as guaritas que a ele se fazem.

Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada, Capitólio de Porto Rico

O grande capitólio de Porto Rico destacado acima da costa norte da ilha de San Juan.

Nos tempos coloniais, soldados mantinham-se nestes postos estratégicos, de alerta à aproximação de navios inimigos. Comunicavam por gritos.

De uma das guaritas baixas, isolada das outras e à mercê das tempestades e vagas, era mais difícil obter resposta. E, diz-se que, numa determinada noite de mar revoltoso em que as vagas se desfaziam contra a estrutura, os soldados deixaram de escutar os gritos daí vindos.

Ao amanhecer, quando verificaram o posto, deram apenas com as roupas e armas do oficial, desaparecido, para sempre. Essa vigia ficou conhecida como “Guarita do Diabo”.

Muralhas em Toda a Volta de San Juan

Também a ponta oposta da ilha de San Juan era fortificada.

Prova-o o Fortin San Gerónimo de Boquerón, situado junto ao boqueirão que a separa da península de Condado e da Ilha Grande, de igual forma destacada da ilha principal. Boa parte da costa sul continua tão ou mais muralhada e fecha o conjunto.

De tal maneira composto que um dos passeios emblemáticos de San Juan dá uma boa volta à sua zona histórica sempre pelo sopé ou pelo cimo das muralhas.

Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada,

Visitantes cruzam o túnel que leva ao nível inferior do Castillo de San Felipe del Morro.

Tem início na Puerta de San Juan, um dos cinco grandes pórticos que dotavam os quase 5km fortificados que, em tempos, envolviam a cidade.

Todo este engenho e aparato defensivo tiveram uma razão óbvia de ser. Como teve o nome Porto Rico em tempos ostentado pela cidade, confundido e, mais tarde, trocado com o da ilha, que era tratada por San Juan.

Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada, panoramica

Perspectiva de San Juan com o cemitério Magdalena Pazzi e o bairro la Perla em fundo.

Porto Rico de San Juan, uma Cidade Sempre Desejada

Muito devido à sua posição proeminente, San Juan tornou-se, em pouco tempo, uma escala incontornável da rota hispânica entre Sevilha e o Novo Mundo. E, no sentido inverso, da prata, do ouro e restantes riquezas embarcadas rumo à Europa.

Numa zona do mundo cada vez mais disputada pelas potencias coloniais rivais, pejada de piratas e corsários obcecados por tesouros, San Juan tornou-se um alvo prioritário. As suas fortalezas, muralhas e baterias de canhões foram aumentadas e reforçadas vezes sem conta.

Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada,

Amigos percorrem uma das muralhas do Castillo San Felipe del Morro.

Nos últimos cinco anos do século XVI, os ingleses procuraram conquistá-la sob o comando, primeiro de Francis Drake, pouco depois, de George Clifford de Cumberland. Em ambos os casos, os atacantes viram-se forçados a retirar.

Em 1625, num contexto de sucessivos e complexos ataques e contra-ataques, o capitão holandês Boudewijn Hendricksz falhou em tomar El Morro mas saqueou e incendiou a cidade.

Pouco depois, foi expulso pela derradeira resposta dos espanhóis protegidos pelo Forte.

San Juan resistiu. Pelo menos, até 1898.

Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada, Calle del Morro, Escuela de Bellas Artes

Pedestres percorrem a longa Calle del Morro que liga o casario de San Juan ao Castillo San Felipe del Morro.

A Entrada em Cena Dominadora e Controversa dos Estados Unidos da América

Neste ano, os inimigos tornaram-se os emergentes Estados Unidos da América, demasiado poderosos para que uma Espanha em decadência conseguisse evitar o destino.

Em plena Guerra Hispano-Americana, os E.U.A. enviaram um esquadrão de doze navios de guerra modernos, cercaram a Baía de San Juan, facilitaram o desembarque noutras partes da ilha e deram azo a sucessivas batalhas, quase todas inconclusivas.

Por fim, em Agosto de 1898, fruto da calamidade que já representava para Espanha o cômputo geral da guerra contra os americanos – também disputada em Cuba, nas Filipinas e em Guam – os espanhóis aceitaram ceder aos Estados Unidos a soberania de Porto Rico.

Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada, basquete, Castillo San Cristóbal

Moradores de San Juan praticam lançamentos na base de uma das muralhas do Castillo San Cristóbal.

Hoje, o estatuto dos porto-riquenhos está aberto a distintos critérios que resultam em nacionalidade dos E.U.A., nacionalidade de Porto Rico ou em dupla cidadania.

Uma coisa é certa. Pudemo-la constatar por toda San Juan o amor dos boricuas à sua pátria, exposto, por exemplo, em dezenas de pinturas da bandeira da nação que só confunde com a Stars and Stripes quem estiver deveras distraído.

Na de Porto Rico, em vez de 50 estrelas, brilha apenas uma, bem grande, destacada sobre um triângulo azul.

Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada, bandeira em raízes

A bandeira de Porto Rico pintada em raízes junto à Puerta de San Juan.

Quando os Estados Unidos lavam as mãos dos problemas e dramas de Porto Rico, como os porto-riquenhos consideraram que aconteceu com a falta de ajuda à tragédia gerada pelo furacão Maria durante a presidência Trump, sentem-se ainda mais motivados de pintar e exibir a sua. De ignorarem ou recriminarem a do poderoso estado soberano.

Os Estados Unidos só entraram na história de Porto Rico já ela contava com quatro séculos.

Continuam longe de conquistar os corações dos porto-riquenhos.

San Juan, Porto Rico (Parte 2)

Ao Ritmo do Reggaeton

Os porto-riquenhos irrequietos e inventivos fizeram de San Juan a capital mundial do reggaeton. Ao ritmo preferido da nação, encheram a sua “Cidade Muralhada” de outras artes, de cor e de vida.
Santo Domingo, República Dominicana

A Mais Longeva Anciã Colonial das Américas

Santo Domingo é a colónia há mais tempo habitada do Novo Mundo. Fundada, em 1498, por Bartolomeu Colombo, a capital da República Dominicana preserva intacto um verdadeiro tesouro de resiliência histórica.
Cartagena de Índias, Colômbia

A Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
Barahona, República Dominicana

A República Dominicana Balnear de Barahona

Sábado após Sábado, o recanto sudoeste da República Dominicana entra em modo de descompressão. Aos poucos, as suas praias e lagoas sedutoras acolhem uma maré de gente eufórica que se entrega a um peculiar rumbear anfíbio.
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Lago Enriquillo, República Dominicana

Enriquillo: o Grande Lago das Antilhas

Com entre 300 e 400km2, situado a 44 metros abaixo do nível do mar, o Enriquillo é o lago supremo das Antilhas. Mesmo hipersalino e abafado por temperaturas atrozes, não pára de aumentar. Os cientistas têm dificuldade em explicar porquê.
Saint-Pierre, Martinica

A Cidade que Renasceu das Cinzas

Em 1900, a capital económica das Antilhas era invejada pela sua sofisticação parisiense, até que o vulcão Pelée a carbonizou e soterrou. Passado mais de um século, Saint-Pierre ainda se regenera.
Fort-de-France, Martinica

Liberdade, Bipolaridade e Tropicalidade

Na capital da Martinica confirma-se uma fascinante extensão caribenha do território francês. Ali, as relações entre os colonos e os nativos descendentes de escravos ainda suscitam pequenas revoluções.
Helsínquia, Finlândia

A Fortaleza em Tempos Sueca da Finlândia

Destacada num pequeno arquipélago à entrada de Helsínquia, Suomenlinna foi erguida por desígnios político-militares do reino sueco. Durante mais de um século, a Rússia deteve-a. Desde 1917, que o povo suómi a venera como o bastião histórico da sua espinhosa independência.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Safari
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a ChameNepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Casario tradicional, Bergen, Noruega
Arquitectura & Design
Bergen, Noruega

O Grande Porto Hanseático da Noruega

Já povoada no início do século XI, Bergen chegou a capital, monopolizou o comércio do norte norueguês e, até 1830, manteve-se uma das maiores cidades da Escandinávia. Hoje, Oslo lidera a nação. Bergen continua a destacar-se pela sua exuberância arquitectónica, urbanística e histórica.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Dia da Austrália, Perth, bandeira australiana
Cerimónias e Festividades
Perth, Austrália

Dia da Austrália: em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.
Basseterre, São Cristóvão e Neves, St. Kitts, Berkeley Memorial
Cidades
Basseterre, São Cristóvão e Neves

Uma Capital ao Nível do Mar das Caraíbas

Instalada entre o sopé da montanha Olivees e o oceano, a diminuta Basseterre é a maior cidade de São Cristóvão e Neves. Com origem colonial francesa, há muito anglófona, mantém-se pitoresca. Desvirtuam-na, apenas, os gigantescos cruzeiros que a inundam de visitantes de toca-e-foge.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Músicos de etnia karanga jnunto às ruínas de Grande Zimbabwe, Zimbabwe
Cultura
Grande ZimbabuéZimbabué

Grande Zimbabwe, Pequena Dança Bira

Nativos de etnia Karanga da aldeia KwaNemamwa exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas do Grande Zimbabwe. o lugar mais emblemático do Zimbabwe, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova e problemática nação.  
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Cenário marciano do Deserto Branco, Egipto
Em Viagem
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Assuão, Egipto, rio Nilo encontra a África negra, ilha Elefantina
Étnico
Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Bridgetown, cidade da Ponte e capital de Barbados, praia
História
Bridgetown, Barbados

A Cidade (da Ponte) de Barbados

Fundada, na origem, enquanto Indian Bridge, junto a um pântano nauseabundo, a capital de Barbados evoluiu até a capital das Ilhas Britânicas do Barlavento. Os barbadianos tratam-na por “The City”. É a cidade natal da bem mais famosa Rihanna.
Camiguin, Filipinas, manguezal de Katungan.
Ilhas
Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.
Oulu Finlândia, Passagem do Tempo
Inverno Branco
Oulu, Finlândia

Oulu: uma Ode ao Inverno

Situada no cimo nordeste do Golfo de Bótnia, Oulu é uma das cidades mais antigas da Finlândia e a sua capital setentrional. A meros 220km do Círculo Polar Árctico, até nos meses mais frígidos concede uma vida ao ar livre prodigiosa.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Monte Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
PN Tortuguero, Costa Rica, barco público
Natureza
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Mulher atacamenha, Vida nos limites, Deserto Atacama, Chile
Parques Naturais
Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites do Deserto de Atacama

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.
Sigiriya capital fortaleza: de regresso a casa
Património Mundial UNESCO
Sigiriya, Sri Lanka

A Capital Fortaleza de um Rei Parricida

Kashyapa I chegou ao poder após emparedar o monarca seu pai. Receoso de um provável ataque do irmão herdeiro do trono, mudou a principal cidade do reino para o cimo de um pico de granito. Hoje, o seu excêntrico refúgio está mais acessível que nunca e permitiu-nos explorar o enredo maquiavélico deste drama cingalês.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Personagens
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Tombolo e Punta Catedral, Parque Nacional Manuel António, Costa Rica
Praias
PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
Cândia, Dente de Buda, Ceilão, lago
Religião
Cândia, Sri Lanka

Incursão à Raíz Dental do Budismo Cingalês

Situada no âmago montanhoso do Sri Lanka, no final do século XV, Cândia assumiu-se a capital do reino do velho Ceilão que resistiu às sucessivas tentativas coloniais de conquista. Tornou-se ainda o seu âmago budista, para o que continua a contribuir o facto de a cidade preservar e exibir um dente sagrado de Buda.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Sociedade
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Transpantaneira pantanal do Mato Grosso, capivara
Vida Selvagem
Pantanal do Mato Grosso, Brasil

Transpantaneira, Pantanal e Confins do Mato Grosso

Partimos do coração sul-americano de Cuiabá para sudoeste e na direcção da Bolívia. A determinada altura, a asfaltada MT060 passa sob um portal pitoresco e a Transpantaneira. Num ápice, o estado brasileiro de Mato Grosso alaga-se. Torna-se um Pantanal descomunal.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.