DMZ, Dora - Coreia do Sul

A Linha Sem Retorno


Folga Militar
Militares sul-coreanos de visita à DMZ de Dore fotografam-se.
Ao volante
Motorista de autocarro no complexo militar de Dore.
História recente de Dorasan
Painel electrónico descreve o passado recente da estação de Dorasan.
Betão camuflado
Edifício camuflado junto à zona militar desmilitarizada coreana, em Dore.
Torre de observação
Militares controlam os movimentos do exército norte-coreano do lado de lá da zona desmilitarizada que separa as duas Coreias
Comboio pintado
Um quadro exposto na estação ferroviária de Dorasan exibe uma composição que percorre uma linha ferroviária que liga Seul a PyongYang.
Linha binocular
Binóculos colocados para permitir aos visitantes observar a Zona Desmilitarizada e a Coreia do Norte.
Militares de visita
Militares sul-coreanos prescrutam a linha de fronteira da Coreia do Norte.
Visita Militar
Mulher abandona uma plataforma de observação de Dore que fica entregue aos militares.
Photo line
Soldados sul-coreanos atravessam a linha até onde os visitantes podem fotografar em Dore, Coreia do Sul.
Linha de comboio de sonho
Um painel na estação de comboio de Dorasan, que em tempos ligou as duas Coreias mas permanece sem ligação à Coreia do Norte
George Bush Jr
Fotografia exposta em Dorasan, mostra a presença do ex-presidente Bush nesta estação de comboio.
Memorial e Museu da Guerra da Coreia
Silhuetas militares no Memorial e Museu da Guerra da Coreia, em Seul.
Memórias da Guerra
Militar observa uma reconstituição do Memorial e Museu da Guerra da Coreia.
Uma nação e milhares de famílias foram divididas pelo armistício na Guerra da Coreia. Hoje, enquanto turistas curiosos visitam a DMZ, várias das fugas dos oprimidos norte-coreanos terminam em tragédia

À margem da descontracção coreana, da vida nocturna animada e da crescente sofisticação da capital, há uma atmosfera militar em Seul a que é complicado escapar.

Mal camuflados no ambiente urbano, os soldados sul-coreanos e norte-americanos surgem um pouco por toda a parte e concentram-se no vasto Memorial de Guerra Coreano, onde descobrem o passado do conflito a que foram entregues e se fotografam entre aviões, helicópteros e tanques desactivados.

Memorial e Museu da Guerra da Coreia, Coreia do Sul, Linha sem retorno

Silhuetas militares no Memorial e Museu da Guerra da Coreia, em Seul.

Mesmo se sintomática, esta actividade ligeira pouco diz do velho confronto entre as Coreias que dilacerou o país original e se prolonga e ameaça aniquilar as nações artificiais que dele sobraram.

Sheung Lee e Alex. Os Anfitrões Providenciais de Seul

Sheung Lee, a nossa anfitriã em Seul trabalha numa editora até tarde. Chega a casa de rastos e sem tempo ou paciência para grandes dicas.

Já Alex, um seu amigo singapurense polido visita-a com frequência. Num quarto repleto de autocolantes de Winnie The Pooh, disserta sobre os temas sul-coreanos mais fortes – da “milagrosa” couve kimchi às populares cirurgias a que as coreanas recorrem para aumentar e ocidentalizar as suas pálpebras.

Faz também questão de nos explicar ao pormenor o que não podemos perder na cidade. Sheung Lee ouve da sala e não resiste a participar, malgrado as olheiras e outros sinais de exaustão: “E a DMZ, Alex, estás-te a esquecer da DMZ. Eles que vão já amanhã bem cedo. Tem ainda mais piada a seguir ao Memorial da Guerra.”

Memorial e Museu da Guerra da Coreia, Coreia do Sul, Linha sem retorno

Militar observa uma reconstituição do Memorial e Museu da Guerra da Coreia.

É assim que muitos jovens sul-coreanos acabam por falar do lugar. Como uma atracção aberrante. Uma espécie de parque temático militar que, apesar de poder ditar as suas vidas para o bem e para o mal, nem por isso deve ser levado demasiado a sério.

Não havia porque desconfiar do conselho espontâneo de uma nativa. Assim sendo, na madrugada seguinte entramos, ainda ensonados, no autocarro que conduzia a visita. Em três tempos, saímos do centro de Seul em direcção a norte e ao famoso paralelo 38.

Betão camufladoA Génese da DMZ nos Confins da Guerra Fria

Pouco antes do fim da 2ª Guerra Mundial, a Coreia continuava ocupada pelo invasor nipónico que aumentava o poderio do exército imperial com recurso ao recrutamento forçado de coreanos.

De forma tal que, em Janeiro de 1945, os Coreanos representavam 32% da força laboral japonesa. Em Agosto desse ano, as duas bombas atómicas lançadas pelos E.U.A. sobre Hiroxima e Nagasaki apressaram a capitulação dos agressores e o fim do conflito.

Na Conferência de Potsdam, sob pressão da nova ameaça soviética, os Aliados deliberaram a divisão da península. Contra o que havia sido estabelecido na Conferência do Cairo, fizeram-no sem consultarem os coreanos.

No fim de 1945, após vários episódios político-militares, os EUA e União Soviética partilhavam já a administração da Coreia. Esta intrusão levou a frequentes revoltas dos coreanos.

O processo terminou com a divisão política do país em duas zonas rivais separadas pelo Paralelo 38. Uma, a norte, comunista, validada pelos soviéticos e pela China. E outra, a sul, nacionalista, defendida pelos E.U.A.

Os planos de invasão do sul do líder norte-coreano Kim Il-sung obrigaram os Estados Unidos a mobilizar de novo as forças aliadas pan-mundiais para suster o alastramento da esfera comunista. A Guerra da Coreia precipitou-se.

Binoculos, Coreia do Sul, Linha sem retorno

Binóculos colocados para permitir aos visitantes observar a Zona Desmilitarizada e a Coreia do Norte.

O Avanço e Recuo que Dividiu as Coreias sobre o Paralelo 38

De Junho de 1950 até 1953, ambos os lados avançaram e recuaram acima e abaixo do Paralelo 38. E, ironia das ironias, após o longo e destrutivo conflito, uma vez decretado o armistício, estavam muito próximos das posições originais.

Renovaram-se, então a Coreia do Norte (RDPC) e a Coreia do SUL (RC) separadas por uma DMZ coreana, um território de ninguém entre duas fronteiras fortemente militarizadas.

Paramos pela primeira vez junto ao terceiro de quatro túneis de infiltração escavados pela Coreia do Norte que, quando confrontada com a sua descoberta pelo sul, afirmou servirem para extracção de carvão, apesar de ali não existir carvão.

À medida que avançamos na semi-penumbra do interior, diverte-nos a explicação da guia excêntrica de que as manchas de negro que vemos nas paredes foram também elas obra dos norte-coreanos que tingiram o granito escavado de forma a ilustrar a teoria.

Dorasan. A Estação Ferroviária de Que Nem o Sonho Partiu

Segue-se uma passagem pela estação de comboio de Dorasan que em tempos ligou o norte ao sul mas que foi desactivada quando os norte-coreanos fecharam aquela fronteira, após acusarem o sul de alimentarem uma política confrontacional.

George Bush Jr, DMZ, Coreia do Sul, Linha sem retorno

Fotografia exposta em Dorasan, mostra a presença do ex-presidente Bush nesta estação de comboio.

Entre as imagens expostas, destacam-se, ali, as da visita de um Presidente Bush filho visivelmente intrigado. E, sobretudo, a de um painel gráfico e colorido que expõe linhas ferroviárias asiáticas e europeias com partida daquela estação e da Península Coreana.

É um sonho que a Coreia do Sul ainda alimenta, apesar de o orgulho do regime comunista continuar a barrar as suas ligações terrestres.

Linha ferroviária nunca concretizada, Coreia do Sul, Linha sem retorno

Um painel na estação de comboio de Dorasan, que em tempos ligou as duas Coreias mas permanece sem ligação à Coreia do Norte

Dora e o Vislumbre Nevoento da Coreia do Norte

A derradeira paragem da visita à DMZ fazemo-la junto ao observatório de Dora, um dos inúmeros pontos de que o exército sul-coreano controla os acontecimentos a norte.

Os militares dominam o lugar. Os militares e civis presentes dedicam-se a espreitar a Coreia do Norte pelos monóculos instalados. Por essa altura, uma forte névoa deixa perceber apenas o poste gigantesco (terceiro maior do mundo com 160m) de que esvoaça uma bandeira norte-coreana que nos afiançam pesar cerca de 270 kg.

DMZ, Coreia do Sul, Linha sem retorno

Militares sul-coreanos prescrutam a linha de fronteira da Coreia do Norte.

Percebem-se também gradeamentos e muros longínquos. E edifícios perdidos numa vastidão de tom castanho, seca e inóspita.

São os fantasmas arquitectónicos de Kijong-do, uma aldeia norte-coreana de paz ou de propaganda, como lhe prefere chamar o Sul.

DMZ, Coreia do Sul, Linha sem retorno

Militares controlam os movimentos do exército norte-coreano do lado de lá da zona desmilitarizada que separa as duas Coreias

A Misteriosa Miragem de Kijong-do

O regime norte-coreano assegura que a aldeia aloja uma quinta comunal explorada por duzentas famílias. E que é servida por um infantário, escola primária e secundária e um hospital.

A observação cuidada a partir da fronteira sul-coreana permitiu concluir tratar-se, na realidade, de uma aldeia Potemkin construída em 1950 com grandes custos com o verdadeiro propósito de incentivar a deserção dos sul-coreanos para o norte.

E de abrigar os soldados que asseguram a vasta rede de artilharia defensiva de fortificações e bunkers ao longo da fronteira. É, aliás, a única povoação norte-coreana detectável a partir do sul da DMZ.

Como se não bastasse a fraca visibilidade, é proibido fotografar ou filmar para diante de uma Photo Line bastante recuada face ao limiar da plataforma, pintada a amarelo sobre o solo.

Essa limitação impede os visitantes de fazerem qualquer registo do que está para o outro lado.

Photo line, DMZ, Coreia do Sul, Linha sem retorno

Soldados sul-coreanos atravessam a linha até onde os visitantes podem fotografar em Dora, Coreia do Sul.

Por aparente ausência de alternativas, submetemo-nos aos regulamentos mas um jovem casal resolve improvisar. Ela trepa para as cavalitas do namorado. Posicionada bem mais acima face ao muro, aponta uma máquina compacta ao norte e começa a disparar.

Por momentos, o atrevimento diverte os soldados sul-coreanos de guarda que, por certo, já o presenciaram antes. Não tarda, cumprem as suas instruções e obrigam o casal primeiro a desfazer a acrobacia, depois, a apagar as fotos.

Dali, qualquer passagem para norte seria definitiva. Ou, no mínimo, muitíssimo problemática.

Assim o provaram duas jornalistas norte-americanas capturadas pela Coreia do Norte e salvas apenas devido à admiração do ditador King Jong Il pelo ex-presidente Bill Clinton.

Militares

Defensores das Suas Pátrias

Mesmo em tempos de paz, detectamos militares por todo o lado. A postos, nas cidades, cumprem missões rotineiras que requerem rigor e paciência.
Hué, Vietname

A Herança Vermelha do Vietname Imperial

Sofreu as piores agruras da Guerra do Vietname e foi desprezada pelos vietcong devido ao passado feudal. As bandeiras nacional-comunistas esvoaçam sobre as suas muralhas mas Hué recupera o esplendor.
Taiwan

Formosa mas Não Segura

Os navegadores portugueses não podiam imaginar o imbróglio reservado a Formosa. Passados quase 500 anos, mesmo insegura do seu futuro, Taiwan prospera. Algures entre a independência e a integração na grande China.
São João de Acre, Israel

A Fortaleza que Resistiu a Tudo

Foi alvo frequente das Cruzadas e tomada e retomada vezes sem conta. Hoje, israelita, Acre é partilhada por árabes e judeus. Vive tempos bem mais pacíficos e estáveis que aqueles por que passou.
Dooars, Índia

Às Portas dos Himalaias

Chegamos ao limiar norte de Bengala Ocidental. O subcontinente entrega-se a uma vasta planície aluvial preenchida por plantações de chá, selva, rios que a monção faz transbordar sobre arrozais sem fim e povoações a rebentar pelas costuras. Na iminência da maior das cordilheiras e do reino montanhoso do Butão, por óbvia influência colonial britânica, a Índia trata esta região deslumbrante por Dooars.
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Seul, Coreia do Sul

Um Vislumbre da Coreia Medieval

O Palácio de Gyeongbokgung resiste protegido por guardiães em trajes sedosos. Em conjunto, formam um símbolo da identidade sul-coreana. Sem o esperarmos, acabamos por nos ver na era imperial destas paragens asiáticas.
Tawang, Índia

O Vale Místico da Profunda Discórdia

No limiar norte da província indiana de Arunachal Pradesh, Tawang abriga cenários dramáticos de montanha, aldeias de etnia Mompa e mosteiros budistas majestosos. Mesmo se desde 1962 os rivais chineses não o trespassam, Pequim olha para este domínio como parte do seu Tibete. De acordo, há muito que a religiosidade e o espiritualismo ali comungam com um forte militarismo.
Hiroxima, Japão

Hiroxima: uma Cidade Rendida à Paz

Em 6 de Agosto de 1945, Hiroxima sucumbiu à explosão da primeira bomba atómica usada em guerra. Volvidos 70 anos, a cidade luta pela memória da tragédia e para que as armas nucleares sejam erradicadas até 2020.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
auto flagelacao, paixao de cristo, filipinas
Cerimónias e Festividades
Marinduque, Filipinas

A Paixão Filipina de Cristo

Nenhuma nação em redor é católica mas muitos filipinos não se deixam intimidar. Na Semana Santa, entregam-se à crença herdada dos colonos espanhóis.A auto-flagelação torna-se uma prova sangrenta de fé
Magome a Tsumago, Nakasendo, Caminho Japão medieval
Cidades
Magome-Tsumago, Japão

Magome a Tsumago: o Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o xogum Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é percorrido por uma turba ansiosa por evasão.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Aldeia da Cuada, Ilha das Flores, Açores, quarto de arco-íris
Cultura
Aldeia da Cuada, Ilha das Flores, Açores

O Éden Açoriano Traído pelo outro Lado do Mar

A Cuada foi fundada, estima-se que em 1676, junto ao limiar oeste das Flores. Já em pleno século XX, os seus moradores juntaram-se à grande debandada açoriana para as Américas. Deixaram para trás uma aldeia tão deslumbrante como a ilha e os Açores.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Sal Muito Grosso
Em Viagem
Salta e Jujuy, Argentina

Pelas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.
Músicos de etnia karanga jnunto às ruínas de Grande Zimbabwe, Zimbabwe
Étnico
Grande ZimbabuéZimbabué

Grande Zimbabwe, Pequena Dança Bira

Nativos de etnia Karanga da aldeia KwaNemamwa exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas do Grande Zimbabwe. o lugar mais emblemático do Zimbabwe, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova e problemática nação.  
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

Casario tradicional, Bergen, Noruega
História
Bergen, Noruega

O Grande Porto Hanseático da Noruega

Já povoada no início do século XI, Bergen chegou a capital, monopolizou o comércio do norte norueguês e, até 1830, manteve-se uma das maiores cidades da Escandinávia. Hoje, Oslo lidera a nação. Bergen continua a destacar-se pela sua exuberância arquitectónica, urbanística e histórica.
Camponesa, Majuli, Assam, India
Ilhas
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Vista Miradouro, Alexander Selkirk, na Pele Robinson Crusoe, Chile
Natureza
Ilha Robinson Crusoe, Chile

Alexander Selkirk: na Pele do Verdadeiro Robinson Crusoe

A principal ilha do arquipélago Juan Fernández foi abrigo de piratas e tesouros. A sua história fez-se de aventuras como a de Alexander Selkirk, o marinheiro abandonado que inspirou o romance de Dafoe
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Nuvem lenticular, Mount Cook, Nova Zelândia
Parques Naturais
Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.
Património Mundial UNESCO
Fortalezas

O Mundo à Defesa – Castelos e Fortalezas que Resistem

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Personagens
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Barcos fundo de vidro, Kabira Bay, Ishigaki
Praias
Ishigaki, Japão

Inusitados Trópicos Nipónicos

Ishigaki é uma das últimas ilhas da alpondra que se estende entre Honshu e Taiwan. Ishigakijima abriga algumas das mais incríveis praias e paisagens litorais destas partes do oceano Pacífico. Os cada vez mais japoneses que as visitam desfrutam-nas de uma forma pouco ou nada balnear.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre Carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Mini-snorkeling
Sociedade
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Cabo da Cruz, colónia focas, cape cross focas, Namíbia
Vida Selvagem
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT