Dooars, Índia

Às Portas dos Himalaias


A derradeira luz

Silhuetas de gondoleiros definida pelo ocaso, no lago da barragem do rio Teesta, em Gajoldoba.

Um portal para o passado

Tráfico intenso e diversificado em frente ao pórtico do palácio de Cooch Behar.

À caça de imagens

Gondoleiro move fotógrafos de vida selvagem no lago repleto de aves migratórias da barragem do rio Teesta, em Gajoldoba.

Volta histórica

Funcionário governamental do palácio de Cooch Behar pedala em frente ao seu local de trabalho.

Confronto de gigantes

Participantes indianos de um safari de elefante admiram um rinoceronte unicórnio nativo da Índia, no PN Jaldapara.

Espelho de Cooch, reflexo de Behar

O palácio majestosos de Cooch Behar, até 1949, casa real do reino homónimo.

Fila indiana

Patos deslizam no lago da barragem do rio Teesta, em Gajoldoba, Bengala Ocidental.

Uma boleia sagrada

Transporte inusitado de vacas nas imediações do palácio de Cooch Behar.

Promoções sonoras

Vendedor ambulante ciclista promove os seus produtos com recurso a um grande altifalante.

Travessia colorida

Senhoras de visita à região de Jayanti, na fronteira entre Bengala Ocidental e o reino do Butão, cruzam um riacho do rio Jayanti, diminuido pela época seca.

Chegamos ao limiar norte de Bengala Ocidental. O subcontinente entrega-se a uma vasta planície aluvial preenchida por plantações de chá, selva, rios que a monção faz transbordar sobre arrozais sem fim e povoações a rebentar pelas costuras. Na iminência da maior das cordilheiras e do reino montanhoso do Butão, por óbvia influência colonial britânica, a Índia trata esta região deslumbrante por Dooars.

Despertamos em Cooch Behar para uma espécie de sonho. O Raj Britânico é história há setenta anos. O Estado Principesco homónimo, seus rajas e marajás há dois menos. Já o batalhão de edifícios majestosos e vermelhos que os acolheram durante séculos perdura destacado do caos sobrepovoado e frenético do distrito a que o Principado foi despromovido.

A própria Circuit House em que tínhamos passado a noite, hoje uma das muitas pousadas geridas pelo governo indiano, fazia dele parte. Deixamo-la às nove da manhã, após um pequeno-almoço que os anfitriões se esforçam por preparar o mais ocidental possível – composto por chá, café guarnecido por torradas e bolachas estilo “Maria” – e nos servem no quarto.

Entramos no carro. Saudamos Raney. O motorista Gurkha arranca para o tumulto rodoviário que se apoderara havia algumas horas da cidade.

Um Jornada pelo ex-Reino de Cooch Behar

Inaugura o seu dia de buzinadelas, guinadas e apertos forçados de condutores rivais que lhe permitem fluir na exuberante enxurrada de camiões folclóricos Tata e Ashok Leyland, dos inúmeros mini-automóveis que substituíram os velhos Ambassadors, de peões, riquexós motorizados e a pedais. De carroças puxadas por vacas e vacas deambulantes algo mais sagradas que as motrizes.

Portão palácio de Cooch Behar, Bengala Ocidental, Índia

Tráfico intenso e diversificado em frente ao pórtico do palácio de Cooch Behar.

Vinte minutos depois, avistamos o alvo da viagem madrugadora. Passamos uma praça de riquexós wala (os movidos por ciclistas) e uma sequência ainda maior de negócios de rua. Sem que o esperássemos, à esquerda desta confusão, uma vedação elegante pouco ou nada perturba a visão longínqua e mirabolante do palácio de Cooch Behar.

Deixamos o carro, para espanto e contentamento dos transeuntes que por ali andavam, pouco habituados à presença de estrangeiros naquelas paragens do subcontinente menos famosas que tantas outras.

Apontamos a um pórtico rendilhado, fixo a duas colunas vermelhas, amarelas e brancas. Inclui capitéis coroados por estátuas do duo elefante e leão, símbolo indiano de realeza. Resolvida a burocracia da bilheteira, fazemo-nos à alameda extensa que aponta ao monumento, perseguidos pelas primeiras famílias de turistas nacionais que usufruíam do descanso sabático em modo de deleite cultural.

Palácio de Cooch Behar, Bengala Ocidental, Índia

Funcionário governamental do palácio de Cooch Behar pedala em frente ao seu local de trabalho.

Na entrada para o palácio em si, um grupo antecipado de visitantes levava a cabo um ritual centrado na partilha de um cântico esotérico. Assistimos ao encerrar da cerimónia. Depois, seguimo-los paço adentro.

As autoridades proíbem a fotografia no interior do palácio. Concentramo-nos, assim, em enriquecer os nossos imaginários do que terá sido a vida elevada e faustosa dos seus condóminos.

A Resiliência Política e Diplomática de Cooch Behar

O estado de Cooch Behar teve origem quase um século após Vasco da Gama ter aportado em Calecute. De 1680 a 1772, viu-se acossado pelo inesperado expansionismo do Reino do Butão, apoiado por forças tibetanas. Receoso de novas e mais poderosas incursões vindas dos Himalaias, a corte de Cooch Behar tomou a medida radical de pedir a intervenção Britânica.

Desde 1600 que a Companhia Britânica das Índias Orientais alastrava o seu domínio na Índia. Na viragem para o século XIX, era já temida. Dharendra Narayan, o marajá de então de Cooch Behar, concordou em pagar-lhe um tributo para que expulsasse os butaneses para o seu território habitual nas encostas dos Himalaias.

Os Britânicos enviaram um regimento de Calcutá que se juntou ao exército de Cooch. Após uma série de confrontos, esta coligação triunfou. Os britânicos recusaram-se a perseguir os butaneses pelo terreno problemático dos Himalaias acima. Preferiram deixar uma guarnição em Behar e declarar súbdito o Estado Principesco de Cooch Behar. Essa indesejada submissão viria a atormentar Dharendra Narayan até ao fim da sua vida.

Neste período, a Companhia Britânica das Índias Orientais foi substituída pela administração directa do governo Britânico, o Raj Britânico que estabeleceu Calcutá como principal entreposto. Apesar de diminuto, o Estado Principesco de Cooch Behar situava-se a pouca distância da capital.

O Palácio despromovido pela União Indiana

Ao longo dos anos, o contacto intenso da realeza de marajás, maranis, descendentes e familiares com o universo dos colonos ditou a sua ocidentalização, uma improvável proeminência na esfera social britânica da Índia, pouco tempo depois, nas de Londres, Oxford, Cambridge e distintas urbes da Velha Ânglia e Europa continental.

Palácio de Cooch Behar, Bengala Ocidental, Índia

O palácio majestosos de Cooch Behar, até 1949, casa real do reino homónimo.

Percorremos as salas e salões arejados e requintados do palácio atentos às fotografias e a outros registos e artefactos que atestavam da duplicidade social, cultural e até étnica, da sofisticação e luxo em que prosperaram as sucessivas dinastias e cortes de Cooch Behar até que, em 1949, quando os Britânicos entregaram a sua Joia da Coroa, o estado acedeu a integrar-se na Índia, parte da província de Bengala Ocidental.

Nem todos os súbditos ficaram ou se sentem satisfeitos com a nova despromoção. Uma associação com a sigla GCPA (The Greater Cooch Behar People Association) é apoiada por Ananta Rai, o marajá sem raj de Cooch Behar. A GCPA conquistou notoriedade por volta de 2005.

Ganhou ascendente em torno da exigência de um novo território homónimo bem mais vasto que o actual e com grau de autonomia C (de A a D, sendo A’s os principais Estados da Índia).  Ou, em alternativa, um Território da União Indiana como o são Delhi ou Damão e Diu, este, politicamente distinto do estado de Gujarat que o envolve.

Ao nos inteirarmos desta reclamação, também comprovamos a fascinante riqueza e complexidade étnica e política de que se reveste a Índia. A GCPA pretende há muito que Darjeeling faça parte desse território.

Dias depois, in loco, inteiramo-nos que a terra do famoso chá tinha saído de um período de três meses de greves e contestação pela exigência de abandonar ela própria a província de Bengala Ocidental e da criação de um estado Ghurkaland que melhor representasse a etnia predominante Ghurka.

Promoções de rua em Cooch Behar, Bengala Ocidental, Índia

Vendedor ambulante ciclista promove os seus produtos com recurso a um grande altifalante

Viajem pelo Sopé dos Himalaias Indianos

Deixamos Cooch Behar entregue à sua contenda e ao saudosismo dos tempos reais. Apontamos a norte e aos Himalaias. Nessa mesma tarde, atravessamos a selva do PN Bruxa, notório pelos tigres residentes, e atingimos o rio Jayanti.

Em vez de um verdadeiro caudal, deparamo-nos com um vasto mar de seixos brancos sulcado por pequenos riachos. Várias famílias indianas entretêm-se a contemplar o cenário meio extraterrestre e a refrescar os pés em poças fluídas. Raney arranja-nos programa melhor. “Sir, madam: come. I got us a jeep, there’s a waterfall you have to see!

Perante a amostra do rio, a sugestão de uma queda d’água deixa-nos de pé atrás mas, sem nada a perder, acolhemos o seu entusiasmo e subimos a bordo do pequeno Maruti Gypsi. Um guia local conduz-nos rio acima, sujeitos a diversas travessias de ribeiros do Jayanti.

Senhoras indianas cruzam um riacho do rio Jayanti, Bengala Ocidental, Índia

Senhoras de visita à região de Jayanti, na fronteira entre Bengala Ocidental e o reino do Butão, cruzam um riacho do rio Jayanti, diminuído pela época seca.

Fa-lo até o mar de pedras afunilar num desfiladeiro dos baixos Himalaias. “Estão a ver aquela mancha da derrocada?” questiona-nos Raney. A partir dali é Butão. Vamos até lá?”

Uma vez mais, demoramos a levá-lo a sério. Entre o que sabíamos do Butão, contava-se que tinha invadido e preocupado anos a fio o antigo reino rival de Cooch Behar.  E que, na actualidade, cobrava a quase todos os forasteiros mais de duzentos euros por cada dia de descoberta do seu território.

Um Breve Incursão ao Reino do Butão

Na brincadeira, meio apreensivos, avisamos Raney que, caso houvesse problema, seria responsável pela despesa. Continuamos a segui-lo, ao guia e a um pelotão de indianos que sabiam de antemão que, como os nepaleses, podiam cruzar a fronteira sem custos.

Atravessamos o Jayanti já mais digno por uma ponte de troncos. Na margem oposta, pisamos oficialmente o Butão. E somos abençoados por um eremita hindu que havia instalado o seu lar e santuário numa laje luxuriante da encosta. A queda d’água provou-se ainda mais banal do que esperávamos.

Fosse como fosse, a partir desse momento, podíamos dizer que tínhamos estado no misterioso Butão. Feitas as contas, a proeza revelava-se extraordinária.

De Jayanti, viajamos para oeste. Cruzamos o Torsha, outro dos rios que irrigam Dooars. Damos entrada no PN Jaldapara onde dormimos e madrugamos para participarmos num dos safaris de elefante a ter lugar das cinco às nove da manhã, por trilhos da selva local.

Do cimo do paquiderme domado avistamos pavões, javalis, búfalos, veados sambar e a criatura vedeta do parque, o peculiar rinoceronte unicórnio nativo do subcontinente que, contra todas as dificuldades, as autoridades da Índia e do Nepal conseguiram que proliferasse de 1900 no início dos anos 90, para 3550, em 2015.

Safari de elefantes, PN Jaldapara, Bengala Ocidental, Índia

Participantes indianos de um safári de elefante admiram um rinoceronte unicórnio nativo da Índia, no PN Jaldapara.

O Lago Represado de Gajoldoba, um Trunfo Pseudo-Ecológico de Dooars

No fim da manhã, prosseguimos rumo ao limiar oeste de Bengala Ocidental. Uma vez mais, neste trecho, outro rio nos detém. Chegamos a Gajoldoba e à ponte formada pelo prolongamento da crista da barragem do Teesta.

Serpenteamos no meio de uma multidão indiana entregue a um exuberante convívio de fim-de-semana.

Dali, para norte, quase até à base da omnipresente cordilheira suprema, estende-se um prolífico lago salpicado por vegetação flutuante.

É pouso e habitat de dezenas de espécies de aves migratórias: patos, larros, tarambolas, mergulhões, garças, cegonhas, tartaranhões entre tantos outros. Um verdadeiro delírio para os mais obcecados observadores de pássaros.

Patos no rio Teesta, em Gajoldoba, Bengala Ocidental, Índia

Patos deslizam no lago da barragem do rio Teesta, em Gajoldoba, Bengala Ocidental.

As autoridades sediadas em Calcutá têm na calha um projecto de ecoturismo para Bengala Ocidental. O seu ministro chefe baptizou-o de “Brilho Matinal” numa alusão à reflexão intensa gerada pelas águas pouco mexidas e que, mesmo àquela hora tardia, contra o sol poente, tínhamos dificuldade em confrontar.

Não podíamos esperar pelo dia seguinte quanto mais pela concretização do projecto. De acordo, metemo-nos num dos barcos de madeira movidos por gondoleiros locais e zarpamos de imediato.

Fotógrafos na barragem do rio Teesta, em Gajoldoba, Índia

Gondoleiro move fotógrafos de vida selvagem no lago repleto de aves migratórias da barragem do rio Teesta, em Gajoldoba.

A essa hora, só nós, outra dupla de fotógrafos de vida selvagem e três pescadores sulcávamos o enorme lago e perturbávamos a paz dos inúmeros espécimes asados.

O passeio soube-nos a uma revigorante evasão. Para desespero do barqueiro, prolongámo-la até ao ocaso dourar e, logo, rosar aquele cenário espelhado de Dooars, o fascinante portal indiano dos Himalaias.

Fim do dia no lago da barragem do rio Teesta, em Gajoldoba, Índia

Silhuetas de gondoleiros definida pelo ocaso, no lago da barragem do rio Teesta, em Gajoldoba

Os autores agradecem o apoio na realização deste artigo às seguintes entidades:  Embaixada da Índia em Lisboa; Ministry of Tourism, Government of India; Department of Tourism, Government of West Bengal.

Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a vetaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
Tawang, Índia

O Vale Místico da Profunda Discórdia

No limiar norte da província indiana de Arunachal Pradesh, Tawang abriga cenários dramáticos de montanha, aldeias de etnia Mompa e mosteiros budistas majestosos. Mesmo se desde 1962 os rivais chineses não o trespassam, Pequim olha para este domínio como parte do seu Tibete. De acordo, há muito que a religiosidade e o espiritualismo ali comungam com um forte militarismo.
Gangtok, Índia

Uma Vida a Meia-Encosta

Gangtok é a capital de Sikkim, um antigo reino da secção dos Himalaias da Rota da Seda tornado província indiana em 1975. A cidade surge equilibrada numa vertente, de frente para a Kanchenjunga, a terceira maior elevação do mundo que muitos nativos crêem abrigar um Vale paradisíaco da Imortalidade. A sua íngreme e esforçada existência budista visa, ali, ou noutra parte, o alcançarem.
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.

Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.

Hampi, India

À Descoberta do Antigo Reino de Bisnaga

Em 1565, o império hindu de Vijayanagar sucumbiu a ataques inimigos. 45 anos antes, já tinha sido vítima da aportuguesação do seu nome por dois aventureiros portugueses que o revelaram ao Ocidente.

Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Aventura
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Dragão Humano
Cerimónias e Festividades

São Francisco, E.U.A.

Com a Cabeça na Lua

Chega a Setembro e os chineses de todo o mundo celebram as colheitas, a abundância e a união. A enorme sino-comunidade de São Francisco entrega-se de corpo e alma ao maior Moon Festival californiano.

Ushuaia, Argentina
Cidades
Ushuaia, Argentina

A Última das Cidades

A capital da Terra do Fogo marca o limiar austral da civilização. De Ushuaia partem inúmeras incursões ao continente gelado. Nenhuma destas aventuras de toca e foge se compara à da vida na cidade final.
Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Combate
Cultura

Filipinas

Quando só os Galos Despertam um Povo

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.

Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Fuga de Seljalandsfoss
Em Viagem

Islândia

Ilha de Fogo, Gelo e Quedas d’água

A catarata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.

No coração amarelo de San Cristóbal
Étnico

San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Ruínas de Port Arthur, Tasmânia, Austrália
História
À Descoberta de Tassie,  Parte 2 - Hobart a Port Arthur, Austrália

Uma Ilha Condenada ao Crime

O complexo prisional de Port Arthur sempre atemorizou os desterrados britânicos. 90 anos após o seu fecho, um crime hediondo ali cometido forçou a Tasmânia a regressar aos seus tempos mais lúgubres.
Vista aérea da Ilha de Principe, São Tomé e Principe
Ilhas
Príncipe, São Tomé e Príncipe

O Nobre Retiro de Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
Tempo de aurora
Inverno Branco

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Vale de socalcos
Natureza

Batad, Filipinas

Os Socalcos que Sustentam as Filipinas

Há mais de 2000 anos, inspirado pelo seu deus do arroz, o povo Ifugao esquartejou as encostas de Luzon. O cereal que os indígenas ali cultivam ainda nutre parte significativa do país.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Os vulcões Semeru (ao longe) e Bromo em Java, Indonésia
Parques Naturais
PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a 2000m no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.
Património Mundial UNESCO
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Tambores e tatoos
Praias

Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.

No sopé do grande Aratat
Religião

Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.

Assento do sono
Sobre carris

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Erika Mae
Sociedade

Filipinas

Os Donos da Estrada

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas

Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Ovelhas e caminhantes em Mykines, ilhas Faroé
Vida Selvagem
Mykines, Ilhas Faroé

No Faroeste das Faroé

Mykines estabelece o limiar ocidental do arquipélago Faroé. Chegou a albergar 179 pessoas mas a dureza do retiro levou a melhor. Hoje, só lá resistem nove almas. Quando a visitamos, encontramos a ilha entregue aos seus mil ovinos e às colónias irrequietas de papagaios-do-mar.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.