Chandor, Goa, Índia

Uma Casa Goesa-Portuguesa, Com Certeza


O Grande Solar
A longa fachada da Casa Menezes Bragança, uma das maiores de Chandor e de Goa em geral.
A Matriarca
Dª A?urea, a matriarca da família Braganc?a Pereira.
À Moda Goesa Antiga
Um dos vários salões da Casa Bragança-Pereira.
Album de Família
Colectânea de recordações da família, sobre um velho toucador.
Assento do Amor
Um assento-do-amor, um dos vários elementos decorativos históricos da casa Menezes-Bragança.
Capela Privada
A capela da casa Menezes-Bragança, em que a família diz guardar uma unha de São Francisco de Xavier.
A Entrada e a Fronteira
Entrada e meio geométrico da A longa fachada da Casa Menezes Bragança, onde começa a divisão actual entre as duas famílias que a ocupam.
O Futuro
Descendentes Fami?lia Braganc?a Pereira em frente à igreja de Chandor.
Os Bragança Pereira
Retrato de parte da família Bragança Pereira, na sua casa de Chandor.
Francisco Xavier Bragança
O retrato de Francisco Xavier Braganc?a, o mais destacado dos anciãos da família Bragança.
Grande Salão
Um dos vários salões da Casa Menezes Braganc?a, decorado com uma mistura de elementos coloniais e goeses.
Um palacete com influência arquitectónica lusa, a Casa Menezes Bragança, destaca-se do casario de Chandor, em Goa. Forma um legado de uma das famílias mais poderosas da antiga província. Tanto da sua ascensão em aliança estratégica com a administração portuguesa como do posterior nacionalismo goês.

A primeira impressão que fazemos da Casa Menezes Bragança é a de que o termo casa estava longe de lhe fazer justiça.

Da beira de um jardim relvado e verdejante, vemo-nos perante a fachada de um solar tropical portentoso, com dois pisos cobertos de um beiral e de um telhado, ambos feitos de telha portuguesa gasta pelo tempo.

Se, como esperado de um domicílio de campo, a altura é comedida, o seu comprimento espanta-nos. Só no primeiro andar, contamos doze janelas altas recortadas, cada qual com o seu varandim de um ocre condizente com as telhas.

No piso térreo, outras tantas, mais pequenas, encerradas por portadas de jeito mais hindu que luso.

Casa Menezes Bragança, Chandor, Goa, India

A longa fachada da Casa Menezes Bragança, uma das maiores de Chandor e de Goa em geral.

Devemos ainda dizer que conseguíamos admirar apenas um segmento estendido entre um trio de coqueiros e um pinheiro asiático, todos mais altos que o cimo do telhado. Caminhamos um pouco mais.

Percebemos que o pinheiro escondia a entrada de serviço, situada a meio da fachada simétrica do edifício, o que equivale a dizer que, da entrada em diante, as janelas e tudo o resto se repetiam.

O olhar e o tom da interlocutora deixam-nos apreensivos. O remate, em particular, desarma-nos. Por pouco tempo.

Não queríamos aceitar que tínhamos percorrido aqueles 20km (sem contar com a distância para Portugal) em vão. Assim sendo, ripostamos com todos os argumentos e mais alguns, da nacionalidade ao propósito profissional.

Quando a senhora mantém o seu bloqueio, puxamos um trunfo mais alto da manga: se o problema estava em que não tinha instruções para abrir excepção, então que nos deixasse falar com a proprietária.

Dois minutos depois, algo contrariada, Dª Judite passa-nos um papel com um número de telefone. Não havia rede de telemóvel em parte nenhuma da casa, pelo que lhe dissemos que ligaríamos do exterior e regressaríamos a comunicar o resultado da chamada.

Instalamo-nos num prolongamento da mansão, entre o fim do jardim e a Igreja de Chandor. Durante uma boa meia-hora, ou não conseguimos ligar por falta de rede ou ninguém responde. Numa derradeira e desesperada tentativa, por fim, a chamada é atendida por Aida Menezes Bragança. Falava-nos de Bangalore.

Repetimos-lhe os argumentos já explanados a Dª Judite. Acrescentamos mais alguns. A interlocutora sensibilizou-se com a importância que dávamos à nossa visita e trabalho e anuiu. “Esperem só dez minutos para eu ligar lá para casa e falar com a Dª Judite. Depois, subam e façam as fotos que precisarem.”

Regressamos. Guiados por uma empregada da casa, investigamos as sucessivas salas e salões, um deles de baile, em qualquer caso, com recheios seculares intactos: lustres de cristal belgas e venezianos a pender do tecto.

Salão, Casa Menezes Bragança-Chandor-Goa-India

Um dos vários salões da Casa Menezes Bragança, decorado com uma mistura de elementos coloniais e goeses.

Grandes mesas, cadeiras e cadeirões, toucadores de jacarandá e teca, estantes de uma das maiores bibliotecas privadas de Goa com cerca de 5000 livros em várias línguas. Canapés, palanquins e assentos-do-amor.

Assento-do-amor, Casa Menezes Bragança, Chandor, Goa, India

Um assento-do-amor, um dos vários elementos decorativos históricos da casa Menezes-Bragança.

Escrivaninhas, bibelôs, porcelana de Macau, um serviço de jantar da Companhia das Índias Orientais e até um velho coco-do-mar trazido das Seicheles subsistiam, dispostos em jeito de museu domiciliar, sobre soalhos feitos de grandes tábuas ou pisos de azulejos com padrões bem distintos, a formarem sub-espaços independentes.

Dezenas de fotos de família e alguns quadros espelhavam a árvore genealógica dos moradores e parte da história prolífica da família e da Casa Menezes Bragança.

Antes da chegada de Vasco da Gama a Goa, como quase todos os goenses, os ancestrais dos Bragança eram hindus, dos mais poderosos na região. Integravam a casta superior brâmane e faziam parte do pachayat (concelho) de Chandrapur, a capital de Goa nos séculos XI a XIII. Nessa altura, usavam o sobrenome Desai.

Concretizado o domínio português, a partir de 1542, a missão jesuíta de São Francisco de Xavier, mais tarde também a Inquisição, determinaram a destruição dos templos hindus. Os Desai viram-se forçados a aderir ao cristianismo, a integrar a sociedade portuguesa e a emular os seus modos aristocratas.

Devido à supremacia económica, intelectual e social que já possuíam, durante os 300 anos que se seguiram, alguns Desai ocuparam lugares cimeiros na administração lusa.

Agradados com o contributo desta família e em justiça para com a posição dominante que ocupavam, os portugueses concederam-lhes o nome da última Casa Real, então escrita como Braganza. A Casa Menezes Bragança de Chandor foi erguida a partir do século XVI e aumentada e melhorada em três fases sucessivas, ao longo de trezentos anos.

Francisco Xavier Bragança, Casa Menezes Bragança, Chandor, Goa, India

O retrato de Francisco Xavier Bragança, o mais destacado dos anciãos da família Bragança.

No século XIX, os Bragança atingiram o ápice. Francisco Xavier Bragança, advogado, aristocrata goês, dono de plantações de arroz e de coqueiros instaladas em terras aforadas pela Coroa portuguesa, recebeu de Fernando II e Maria II, reis de Portugal os títulos de cavaleiro e, do Concelho Nobiliárquico de Lisboa, o escudo-real.

António Elzário Sant’ Anna Pereira, primo de Francisco Xavier, foi agraciado com título idêntico. A partir do século XVI, a transformação arquitectónica da mansão e a sua decoração deveu-se sobretudo à pompa e fausto em que se moviam estas duas personalidades.

Chegada à última década do século XX, Francisco Xavier Bragança falece. Sem filhos, nomeou o primeiro neto Luís Menezes de Bragança como herdeiro. Luís Menezes de Bragança revelou-se também ele letrado e influente e, quanto mais instruído, mais activo na contestação ao domínio colonial português.

Associado a outras figuras intelectuais, fundou o primeiro jornal em língua portuguesa de Goa, “O Heraldo”. Pouco depois, criou o seu próprio periódico: “O Debate” e um bissemanal denominado “Pracasha”. Nos três títulos mas não só, tornou públicas as críticas que reservava ao regime colonial português. Daí em diante, nada seria igual.

A família Bragança fragmentou-se. A casa deu origem a duas, cada qual pertencente a duas irmãs herdeiras dos Bragança, a ocuparem alas opostas do palacete.

Casa Menezes Bragança, Chandor, Goa, India

Entrada e meio geométrico da Casa Menezes Bragança, onde começa a divisão actual entre as duas famílias que a ocupam.

Deixamos o lado dos Menezes Bragança sem sequer voltarmos a ver Dª Judite, demasiado atrapalhada com os seus afazeres judiciais. Despedimo-nos e voltamos ao átrio em que a mansão se dividia. Tocamos à campainha da porta do lado.

Dá-nos as boas-vindas uma criada da casa Bragança-Pereira que se apressou a chamar um dos filhos da dona. Armando, o nosso cicerone, já pouco português falava: “Eu não falo, mas a minha mãe fala. Ela fica sempre contente por ter visitantes portugueses. Vou buscá-la.”

Dª Áurea Bragança Pereira, Casa Menezes Bragança, Chandor, Goa, India

Dª Áurea, a matriarca da família Bragança Pereira.

Decorridos uns minutos, Dª Áurea Bragança Pereira, surgiu dos confins de um salão. Áurea era a única sobrevivente da 14ª geração dos Braganças. Desde 1948 que vivia na ala da mansão que herdara com quinze descendentes e consortes.

Conversa puxa conversa, concordamos em tirar uma fotografia da família presente. Entretanto, a anciã confessa-se mais fatigada que o habitual. Armando retoma o périplo.

Conduz-nos à capela e a um segredo algo surreal da casa. À margem dos incontáveis objectos em redor, a capela preservava o que se diz ser uma unha de São Francisco de Xavier, queratina removida do restante corpo que jaz na Basílica do Bom Jesus, em Goa Velha.

Capela, Casa Menezes Bragança, Chandor, Goa, India

A capela da casa Menezes-Bragança, em que a família diz guardar uma unha de São Francisco de Xavier.

Quatrocentos e trinta e três anos após a fundação da colónia portuguesa de Goa, Salazar chegou a primeiro-ministro da recém imposta república portuguesa, com promessas constitucionais de liberdade civil e de expressão.

De acordo, Menezes Bragança, já membro do parlamento português, propôs uma moção ao Conselho que visava a auto-determinação de Goa. Salazar refutou-a sem apelo. Encerrou o jornal de Menezes de Bragança e ordenou que as suas actividades fossem monitoradas.

A postura intransigente de Salazar gerou em Menezes uma profunda depressão que levou à sua morte em 1938. Tristão de Bragança Cunha (1891-1958), cunhado de Menezes Bragança seguiu-lhe os passos até se tornar o Pai do Nacionalismo Goês.

Fundou o Comité do Congresso Nacional de Goa e publicou um panfleto intitulado Denacionalização de Goa que criticava o Estado Novo por, entre outros pecados, querer exterminar o uso do dialecto konkani. Ambas as publicações se provaram sérios denunciantes da opressão portuguesa.

Nesses tempos, Tristão de Bragança Cunha, Bertha de Menezes Bragança e outros membros do Comité tinham reuniões na Casa Menezes Bragança em que proferiam com frequência o grito Jai Hind que louvava a Victória da Índia. Tais reuniões suscitaram a comparência cada vez mais frequente e castradora da polícia portuguesa.

Ainda assim, os esforços dos Bragança e seguidores sensibilizaram vários políticos indianos influentes e independentistas para a Questão Goesa, entre eles Nehru, futuro ministro da Índia.

A Índia declarou a sua independência da Grã-Bretanha em 1947. Por diversas razões e controvérsias de que o venerado Nehru ainda é acusado, Goa permaneceu posse de Portugal até 1961, quando o exército indiano a liberou.

Apenas um ano antes do encerrar do Raj Britânico, Tristão de Bragança Cunha foi detido e sentenciado a oito anos de encarceramento no Forte de Peniche. Toda a sua família se viu perseguida pelas autoridades portuguesas o que levou à sua fuga para Bangalore, a capital agora tecnológica do estado de Karnataka.

Tristão da Cunha regressou à India em 1953 mas faleceu em exílio em Bombaim, em 1958, a apenas três anos da emancipação de Goa. Quando Aida regressou à Casa Bragança, em 1961, só algumas criadas a habitavam.

Parte da família Bragança-Pereira, Casa Menezes Bragança, Chandor, Goa, India

Retrato de parte da família Bragança Pereira, na sua casa de Chandor.

Boa parte do recheio mais valioso tinha desaparecido e as chuvas das monções danificado o telhado e parte das salas. As reformas políticas indianas de 1962, retiraram aos Bragança as terras granjeadas pela Coroa Portuguesa que até então tinham assegurado o sustento da mansão.

Com pouco ou nenhum apoio dos governos indiano ou goês para a custosa reconstrução e manutenção – só do lado dos Menezes Bragança trabalham seis homens e mulheres de 2ª a Sábado – mas conscientes do valor histórico da casa, ambas as famílias abriram portas ao público.

Segundo Dª Áurea, o lado Bragança-Pereira já há mais de 50 anos, a aceitar apenas doações voluntárias. A ala Menezes Bragança, durante os anos 80, a cobrar entradas fixas.

Enquanto depender apenas da Dª Áurea, a sua parte da Casa Menezes Bragança, demasiado repleta de emoções e recordações, nunca será vendida.

Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a votaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Jaisalmer, Índia

A Vida que Resiste no Forte Dourado de Jaisalmer

A fortaleza de Jaisalmer foi erguida a partir de 1156 por ordem de Rawal Jaisal, governante de um clã poderoso dos confins hoje indianos do Deserto do Thar. Mais de oito séculos volvidos, apesar da contínua pressão do turismo, partilham o interior vasto e intrincado do último dos fortes habitados da Índia quase quatro mil descendentes dos habitantes originais.
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
Casario

Lares Doces Lares

Poucas espécies são mais sociais e gregárias que a humana. O Homem tende emular outros lares doces lares do mundo. Alguns desses casarios revelam-se impressionantes.
Gangtok, Índia

Uma Vida a Meia-Encosta

Gangtok é a capital de Sikkim, um antigo reino da secção dos Himalaias da Rota da Seda tornado província indiana em 1975. A cidade surge equilibrada numa vertente, de frente para a Kanchenjunga, a terceira maior elevação do mundo que muitos nativos crêem abrigar um Vale paradisíaco da Imortalidade. A sua íngreme e esforçada existência budista visa, ali, ou noutra parte, o alcançarem.
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Guwahati, India

A Cidade que Venera Kamakhya e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Safari
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Jardin Escultórico, Edward James, Xilitla, Huasteca Potosina, San Luis Potosi, México, Cobra dos Pecados
Arquitectura & Design
Xilitla, San Luís Potosi, México

O Delírio Mexicano de Edward James

Na floresta tropical de Xilitla, a mente inquieta do poeta Edward James fez geminar um jardim-lar excêntrico. Hoje, Xilitla é louvada como um Éden do surreal.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Cerimónias e Festividades
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Vista do Pico Verde para a Praia Grande, São Vicente, Cabo Verde
Cidades
São Vicente, Cabo Verde

O Deslumbre Árido-Vulcânico de Soncente

Uma volta a São Vicente revela uma aridez tão deslumbrante como inóspita. Quem a visita, surpreende-se com a grandiosidade e excentricidade geológica da quarta menor ilha de Cabo Verde.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Kigurumi Satoko, Templo Hachiman, Ogimashi, Japão
Cultura
Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Higurashi no Naku Koro ni” foi uma série de animação nipónica e jogo de computador com enorme sucesso. Em Ogimashi, aldeia de Shirakawa-Go, convivemos com um grupo de kigurumis das suas personagens.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Em Viagem
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Horseshoe Bend
Étnico
Navajo Nation, E.U.A.

Por Terras da Nação Navajo

De Kayenta a Page, com passagem pelo Marble Canyon, exploramos o sul do Planalto do Colorado. Dramáticos e desérticos, os cenários deste domínio indígena recortado no Arizona revelam-se esplendorosos.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

O Terreno e o Celestial

Aloés excelsa junto ao muro do Grande Cercado, Great Zimbabwe
História
Grande Zimbabwe

Grande Zimbabué, Mistério sem Fim

Entre os séculos XI e XIV, povos Bantu ergueram aquela que se tornou a maior cidade medieval da África sub-saariana. De 1500 em diante, à passagem dos primeiros exploradores portugueses chegados de Moçambique, a cidade estava já em declínio. As suas ruínas que inspiraram o nome da actual nação zimbabweana encerram inúmeras questões por responder.  
Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, recife coral
Ilhas
Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Literatura
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Luzes VIP
Natureza
Ilha Moyo, Indonésia

Moyo: Uma Ilha Indonésia Só Para Alguns

Poucas pessoas conhecem ou tiveram o privilégio de explorar a reserva natural de Moyo. Uma delas foi a princesa Diana que, em 1993, nela se refugiou da opressão mediática que a viria a vitimar.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Parques Naturais
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
Avestruz, Cabo Boa Esperança, África do Sul
Património Mundial UNESCO
Cabo da Boa Esperança - Cape of Good Hope NP, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Soufrière e Pitons, Saint Luci
Praias
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Ilha Maurícia, viagem Índico, queda de água de Chamarel
Religião
Maurícias

Uma Míni Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre Carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Sociedade
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Maria Jacarés, Pantanal Brasil
Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT