Levada do Caldeirão Verde, Madeira, Portugal

Água Cima, Água Abaixo


Lago dos Patos
Casa das Queimadas
Árvore Candelabro
Bis Bis
Casa das Queimadas II
Reino dos Líquenes
Cascata Efémera
Passagem Escavada
Fetos Ensopados
Pela Levada Fora
O Desfiladeiro
Túnel Duplo
Entrada para o Caldeirão
O Cimo da Neblina
Reino do Musgo
Outro túnel
Vale para o Norte
Desfiladeiro II
É apenas um dos mais de cem sistemas de canais prodigiosos que os madeirenses construíram para irrigarem os cultivos. Os seus cenários verdejantes, escarpados e dramáticos fazem os visitantes da ilha fluírem em contínuo ao longo da levada do Caldeirão Verde.

Surge como um conto de fadas madeirense, o ponto de partida da caminhada.

Desvela-o o resplendor do grande astro, à medida que se embrenha no manto de nuvens que aconchega o norte e o ocidente da ilha.

Névoa vem, névoa vai, define-se o lago longilíneo no âmago do Parque Florestal das Queimadas.

Os patos que nele chapinham sulcam a água escura, cercados por um contorcido de vedações feitas de velhos ramos.

Entrada para o Parque Florestal

O parque é florestal. Tudo nele se desvela orgânico, verdejante, natural. E, como a maior parte da Madeira, quase tropical. Reluzem fetos hipérboles e viçosos.

Pouco acima, em volta, disputam a luz as árvores e arbustos que adensam a vegetação endémica da Laurissilva, as urzes, folhados e perados, cedros-da-madeira, os tis, exemplares vetustos de pau-branco e de uveira-da-serra, piornos, sanguinhos e leitugas.

Forram-nos musgos e líquenes que a humidade constante mantem encharcados e a pingar.

A destoar desta quase-selva atlântica, duas ou três edificações, uma delas sobranceira, de um visual que roça o surreal.

É sabido que, mais cedo ou mais tarde, quem aterra à descoberta da Madeira, se encanta com as casas típicas de telhado de colmo, preservadas e aprimoradas, em Santana.

E a Casa de Encantar das Queimadas

Pois, nas Queimadas, meritória de tantos ou mais postais, aponta aos céus uma versão improvisada, se vítima de uma comparação insensível, exagerada.

O telhado em A e o frontal listado, parecem emular a arquitectura alpina do Tirol.

Só que os nevões são raros, na Madeira.

Quando se dão, cobrem de branco as alturas supremas dos Picos das Torres (1853m), Ruivo (1861m), do Arieiro (1818m) e altitudes afins.

Na sua precoce excentricidade, a casa das Queimadas surgiu para abrigar os caminhantes que, corria ainda o primeiro quarto do século XX, a notoriedade internacional da Ilha Jardim do Atlântico, atraía à floresta, ao trilho e à levada seculares (obra de 1877-1904) que lhes revelavam o misterioso Caldeirão Verde.

Não só.

Pelas Queimadas, passavam duas outras caminhadas eleitas, a do Caldeirão do Inferno e a do Pico das Pedras.

A casa integrou uma rede de edifícios de albergue, planeados a partir de 1877 e, pelo menos até 1904, distribuídos pelos lugares que os visitantes preferiam explorar.

Ajustada a realidade, aos 990 metros de altitude, chuva em vez de neve, foi o estilo peculiar das casas de Santana que deu azo à das Queimadas.

Mais desafogada e aconchegante, tendo em conta o cuidado necessário com as gentes que lá se hospedavam ansiosas e a ela regressavam fatigadas.

Como a execução dessa tal rede, a conclusão do quartel-general das Queimadas, tardou.

Durante mais de três décadas, as autoridades mantiveram uma versão elementar do abrigo.

Do Simples Abrigo à Mansão Madeirense que Deslumbra

Finda a 2ª Guerra Mundial – Portugal e Madeira à margem da tragédia – as autoridades confirmaram o ensejo dos europeus voltarem a viajar em modo de evasão.

A Madeira recuperou o seu estatuto de éden Atlântico idolatrado. A partir do meio do século XX, a casa das Queimadas foi equipada a condizer.

Numa altura em que a protecção das árvores da Laurissilva estava por vigorar, os dois pisos da casa receberam, soalhos e mobiliário talhados em madeiras da Madeira, em til e em vinhático. As árvores que nos viriam a oxigenar.

O que hoje lá se encontra, respeita a decoração inicial. Uma mesa sólida coberta por um delicado linho da Madeira.

De acordo com a relação íntima da ilha com investidores da terra de Sua Majestade, as loiças e outros utensílios eram relíquias inglesas, importadas para ingleses – entre outros – verem.

Visitantes e caminhantes terão partilhado essa mesa vezes sem conta. Nas noites mais invernais e húmidas, amornavam ainda o ambiente as incontornáveis ponchas, em torno do calor da grande lareira.

Num dia de estio, com o sol a subir no horizonte e a perder a timidez, estimávamos regressar ainda quentes da caminhada. Inauguramo-la assim que o deambular em redor da casa de colmo deixou de nos prendar novidades.

Levada do Caldeirão Verde Fora

Séculos depois da sua construção, aprontamo-nos a seguir os passos dos forasteiros.

Deixamos o vislumbre da casa para um túnel arbóreo composto pelas copas, ramagem e troncos sortidos, que culminam na solidez áspera de alguns cedros-da-madeira, um deles, com a forma inusitada de uma meia menorá.

A mesma névoa que nos prendara à chegada ascende as encostas viradas ao norte, afaga e irriga a vegetação.

Sobretudo os líquenes e barbas-de-espanhol ensopadas que dela pendem e pingam sobre um húmus ora saturado, ora erodido pelas bátegas e sulcado por entrelaçados de raízes.

Contra o sentido da levada, da água fria e assumimos que o percorrido por umas poucas trutas, depressa nos vemos na base de penhascos de tal maneira cobertos de fetos e musgos que não exibem sinal de rocha.

A água desce, veloz, na direcção do Faial. Nós, subimos, mas pouco, na do ainda distante Caldeirão.

O ziguezaguear dissimulado da levada interna-nos nos recortes abruptos da montanha.

Expõe cristas e vales do Norte e as raras povoações que neles se aventuraram, encurraladas entre as vertentes e o oceano.

A espaços, a encosta estreita de tal maneira que o trilho perde o lugar.

Avançamos pelo próprio rebordo que sustem o caudal, sob ramos que o vento e a gravidade fizeram inclinar ou quase tombar sobre o caminho.

Uma cascata preliminar eterniza uma verdadeira queda, dividida entre dois deslizes suaves sobre o veio polido do talude.

Abre-se vista para novo vale florestado, massajado pela neblina matinal. Logo, retomamos o aperto, contra muros naturais, agasalhados de mais musgo.

A levada serpenteia na base de grandes rochedos talhados.

Passado um enorme fetal vertical, arredonda-se e ajusta-se à ferradura da Caldeirinha.

Os Túneis Escavados na Encosta de que a Floresta se Apodera

Pouco depois, deparamo-nos com outro dos quatro túneis que viabilizam a levada e o trilho, todos, escavados à lei da picareta e auxiliares.

Uma vez mais, a matéria-prima é a rocha, vulcânica e escura. O visual da entrada para o novo trecho subterrâneo pouco ou nada destoa da floresta.

Uma pintura integral de musgo e de líquenes torna o paredão perfurado vegetal.

Como esperado, o interior permanece nas trevas.

A altura do tecto é irregular. Mesmo munidos de frontais, em boa parte da travessia, vemo-nos obrigados a baixar as cabeças.

Assim nos mantemos, quando um laivo de luz se intensifica e quebra a penumbra.

Do nada, o túnel surpreende-nos com uma dupla abertura para a falésia florestada.

De volta ao exterior, recuperamos a vista das escarpas mais altas da ilha.

Distinguimos o sulco na vertente de uma levada oposta. Seria um trecho distante da do Caldeirão Verde?

Seria outra?

Com tanto meandro, por essa altura, estávamos baralhados.

Progredimos para uma passagem à sombra, conquistada a uma secção côncava do barranco mais profundo e dramático do percurso.

A mesma vedação, simples, de cabo de aço que há muito delimita o trilho e apoia os caminhantes, atenua a vertigem do precipício à direita.

Quando a deixamos para trás, temos como recompensa vistas abertas e longínquas do vale de São Jorge.

Escutamos o murmurar de água e os sons comunicativos das aves que têm habitat neste interior abrupto da Madeira.

O arrulhar de pombos-torcazes distantes.

O chilrear dos tentilhões e dos amigáveis bísbis, estes, endémicos da ilha da Madeira, habituados a aproximarem-se dos caminhantes, a esperarem pelas suas doces oferendas.

Chegada a um Caldeirão Verde demasiado Instável

Seis quilómetros de exercício, conversa e deslumbre depois, estamos na iminência da falésia arredondada de que se precipita, de quase cem metros de altura, a queda d’água do Caldeirão Verde que empresta o nome à levada.

Escondida no cimo do talude profundo, municia-a uma ribeira também ela homónima, uma das inúmeras que a névoa quase residente e as chuvas setentrionais fazem correr ilha abaixo, e contra as vagas do Atlântico.

Com frequência, a chuva castiga a Madeira com intensidade danosa. Provoca enxurradas e derrocadas que geram instabilidades duradouras.

O Caldeirão Verde e a sua queda d’água passavam por um desses períodos. Nos últimos tempos, a ribeira arrastava rochas que se estatelavam na lagoa abaixo.

A probabilidade de tragédia tinha feito as autoridades proibirem o acesso às suas imediações. Sem vontade de desafiarmos as normas e o destino, conformamo-nos. Como o fazem outros caminhantes.

Sentamo-nos sobre um dos grandes calhaus arredondados e polidos pelo curso erosivo do riacho.

Tiramos sandes das mochilas que devoramos em três tempos.

O suficiente para os bisbis detectarem o petisco e se instalarem em redor.

Tínhamos cumprido os 6.5 km da levada. Faltavam os do regresso.

No sentido da água corrente.

Parque Florestal Ribeiro Frio, Madeira

Ribeiro Frio Acima, na Senda dos Balcões

Há muito que esta região do interior elevado da Madeira tem a cargo a repopulação das trutas arco-íris da ilha. Entre os vários trilhos e levadas que confluem nos seus viveiros, o Parque Florestal Ribeiro Frio oculta panoramas grandiosos sobre o Pico Arieiro, o Pico Ruivo e o vale da Ribeira da Metade que se estende à costa norte.
Pico do Arieiro - Pico Ruivo, Madeira, Portugal

Pico Arieiro ao Pico Ruivo, Acima de um Mar de Nuvens

A jornada começa com uma aurora resplandecente aos 1818 m, bem acima do mar de nuvens que aconchega o Atlântico. Segue-se uma caminhada sinuosa e aos altos e baixos que termina sobre o ápice insular exuberante do Pico Ruivo, a 1861 metros.
Paul do Mar a Ponta do Pargo a Achadas da Cruz, Madeira, Portugal

À Descoberta da Finisterra Madeirense

Curva atrás de curva, túnel atrás de túnel, chegamos ao sul solarengo e festivo de Paul do Mar. Arrepiamo-nos com a descida ao retiro vertiginoso das Achadas da Cruz. Voltamos a ascender e deslumbramo-nos com o cabo derradeiro de Ponta do Pargo. Tudo isto, nos confins ocidentais da Madeira.
Funchal, Madeira

Portal para um Portugal Quase Tropical

A Madeira está situada a menos de 1000km a norte do Trópico de Câncer. E a exuberância luxuriante que lhe granjeou o cognome de ilha jardim do Atlântico desponta em cada recanto da sua íngreme capital.
Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

A Ponta Leste, algo Extraterrestre da Madeira

Inóspita, de tons ocres e de terra crua, a Ponta de São Lourenço surge, com frequência, como a primeira vista da Madeira. Quando a percorremos, deslumbramo-nos, sobretudo, com o que a mais tropical das ilhas portuguesas não é.
Seixal, Madeira, Portugal

A Ilha da Madeira do Coração

Quem visita a Madeira, encanta-se com o seu dramatismo quase tropical. Neste caso, o autor deve confessar que foi o destino das suas primeiras três viagens de avião. Que tem uma amiga de lá, que o fez ser um pouco de lá. Da Madeira virada ao Norte sem fim. Do destemido e acolhedor Seixal.
São Jorge, Açores

De Fajã em Fajã

Abundam, nos Açores, faixas de terra habitável no sopé de grandes falésias. Nenhuma outra ilha tem tantas fajãs como as mais de 70 da esguia e elevada São Jorge. Foi nelas que os jorgenses se instalaram. Nelas assentam as suas atarefadas vidas atlânticas.
Aldeia da Cuada, Ilha das Flores, Açores

O Éden Açoriano Traído pelo outro Lado do Mar

A Cuada foi fundada, estima-se que em 1676, junto ao limiar oeste das Flores. Já em pleno século XX, os seus moradores juntaram-se à grande debandada açoriana para as Américas. Deixaram para trás uma aldeia tão deslumbrante como a ilha e os Açores.
Ponta Delgada, São Miguel, Açores

A Cidade da Grande Ilha dos Açores

Durante os séculos XIX e XX, Ponta Delgada tornou-se a cidade mais populosa e a capital económico-administrativa dos Açores. Lá encontramos a história e o modernismo do arquipélago de mãos-dadas.
Angra do Heroísmo, Terceira, Açores

Heroína do Mar, de Nobre Povo, Cidade Valente e Imortal

Angra do Heroísmo é bem mais que a capital histórica dos Açores, da ilha Terceira e, em duas ocasiões, de Portugal. A 1500km do continente, conquistou um protagonismo na nacionalidade e independência portuguesa de que poucas outras cidades se podem vangloriar.
Ilha do Pico, Açores

A Ilha a Leste da Montanha do Pico

Por norma, quem chega ao Pico desembarca no seu lado ocidental, com o vulcão (2351m) a barrar a visão sobre o lado oposto. Para trás do Pico montanha, há todo um longo e deslumbrante “oriente” da ilha que leva o seu tempo a desvendar.
Vale das Furnas, São Miguel

O Calor Açoriano do Vale das Furnas

Surpreendemo-nos, na maior ilha dos Açores, com uma caldeira retalhada por minifúndios agrícolas, massiva e profunda ao ponto de abrigar dois vulcões, uma enorme lagoa e quase dois mil micaelenses. Poucos lugares do arquipélago são, ao mesmo tempo, tão grandiosos e acolhedores como o verdejante e fumegante Vale das Furnas.
Castro Laboreiro, Portugal  

Do Castro de Laboreiro à Raia da Serra Peneda - Gerês

Chegamos à (i) eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Ilha Terceira, Açores

Ilha Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Sistelo, Peneda-Gerês, Portugal

Do "Pequeno Tibete Português" às Fortalezas do Milho

Deixamos as fragas da Srª da Peneda, rumo a Arcos de ValdeVez e às povoações que um imaginário erróneo apelidou de Pequeno Tibete Português. Dessas aldeias socalcadas, passamos por outras famosas por guardarem, como tesouros dourados e sagrados, as espigas que colhem. Caprichoso, o percurso revela-nos a natureza resplandecente e a fertilidade verdejante destas terras da Peneda-Gerês.
Campos de Gerês -Terras de Bouro, Portugal

Pelos Campos do Gerês e as Terras de Bouro

Prosseguimos num périplo longo e ziguezagueante pelos domínios da Peneda-Gerês e de Bouro, dentro e fora do nosso único Parque Nacional. Nesta que é uma das zonas mais idolatradas do norte português.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Safari
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Music Theatre and Exhibition Hall, Tbilissi, Georgia
Arquitectura & Design
Tbilisi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Kente Festival Agotime, Gana, ouro
Cerimónias e Festividades
Kumasi a Kpetoe, Gana

Uma Viagem-Celebração da Moda Tradicional Ganesa

Após algum tempo na grande capital ganesa ashanti cruzamos o país até junto à fronteira com o Togo. Os motivos para esta longa travessia foram os do kente, um tecido de tal maneira reverenciado no Gana que diversos chefes tribais lhe dedicam todos os anos um faustoso festival.
Cidade de Mindelo, São Vicente, Cabo Verde
Cidades
Mindelo, São Vicente, Cabo Verde

O Milagre de São Vicente

São Vicente sempre foi árida e inóspita a condizer. A colonização desafiante da ilha submeteu os colonos a sucessivas agruras. Até que, por fim, a sua providencial baía de águas profundas viabilizou o Mindelo, a urbe mais cosmopolita e a capital cultural de Cabo Verde.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Cultura
Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Cenário marciano do Deserto Branco, Egipto
Em Viagem
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Lifou, Ilhas Lealdade, Nova Caledónia, Mme Moline popinée
Étnico
Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

O Terreno e o Celestial

Teleférico de Sanahin, Arménia
História
Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.
ilha Martinica, Antilhas Francesas, Caraíbas Monumento Cap 110
Ilhas
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Skyway cruza o Vale de Jamison
Natureza
Katoomba, Austrália

As Três Irmãs das Montanhas Azuis

Situadas a oeste de Sydney, as Blue Mountains formam um dos domínios mais procurados pelos ozzies e estrangeiros em busca de evasão. Atrai-os a beleza natural vista de Katoomba, os penhascos afiados das Three Sisters e as cascatas que se despenham sobre o vale de Jamison. À sombra deste frenesim turístico, perdura a habitual marginalização das origens e da cultura aborígene local.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Vista de La Graciosa de Lanzarote, Canárias, Espanha
Parques Naturais
La Graciosa, Ilhas Canárias

A Mais Graciosa das Ilhas Canárias

Até 2018, a menor das Canárias habitadas não contava para o arquipélago. Desembarcados em La Graciosa, desvendamos o encanto insular da agora oitava ilha.
Intersecção
Património Mundial UNESCO
Hungduan, Filipinas

Filipinas em Estilo Country

Os GI's partiram com o fim da 2ª Guerra Mundial mas a música do interior dos EUA que ouviam ainda anima a Cordillera de Luzon. É de tricycle e ao seu ritmo que visitamos os terraços de arroz de Hungduan.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Dunas da ilha de Bazaruto, Moçambique
Praias
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Camponesa, Majuli, Assam, India
Religião
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Sociedade
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Cabo da Cruz, colónia focas, cape cross focas, Namíbia
Vida Selvagem
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.