La Graciosa, Ilhas Canárias

A Mais Graciosa das Ilhas Canárias


A Caleta del Oro
Entardecer doura o ocidente acima do porto de Caleta del Sebo.
Cume à Vista
Caminhantes prestes a atingirem o cume da montaña Bermeja de La Graciosa.
A Marginal de Caleta
A Marginal de Caleta del Sebo, virada para o Estrecho del Rio.
Sem sinal de Asfalto
Jipe percorre uma estrada de areia da ilha. La Graciosa é um dos poucos territórios da Europa ainda sem asfalto.
Vaga Indomada
Onda desfaz-se sobre o areal dourado da Playa de Las Conchas, com a Isla Montaña Clara em fundo.
Banhos Arriscados
Casario branco de Caleta del Sebo contra os penhascos vulcânicos de Lanzarote.
Um Passeio Juvenil
Jovem moradora de Caleta del Sebo carrega um bebé ao colo, sobre o entardecer dourado de La Graciosa.
Último Mergulho do Dia
Visitante prepara-se para mergulhar nas águas do Estrecho del Rio que separa La Graciosa de Lanzarote.
Arte Graciosa
Pátio artístico numa vivenda da capital e única povoação fixa da ilha de La Graciosa.
Playa Dourada de Las Conchas
Areal dourado da praia das Conchas, no sopé da Montaña Bermeja
Caleta del Sebo
O porto e o casario alvo da única povoação fixa de La Graciosa.
Playa de Las Conchas vs Isla Montaña Clara
Bandeira vermelha na Playa de Las Conchas, com a Isla Montaña Clara em fundo.
Arte Canária
Decoração e arquitectura na fachada de uma das casas tradicionais de Caleta del Sebo.
A Punta Fariones
A ponta aguçada que encerra o norte de Lanzarote.
Tons Insulares
Encosta da Montaña Bermeja contrasta com o azul atlântico da Playa de Las Conchas.
Roques Fariones
Rochedos Fariones que acompanham a Ponta Farione no extremo norte de Lanzarote.
A Punta Fariones
A ponta aguçada que encerra o norte de Lanzarote.
Até 2018, a menor das Canárias habitadas não contava para o arquipélago. Desembarcados em La Graciosa, desvendamos o encanto insular da agora oitava ilha.

A sedução já vinha de há mais de um ano. No início de 2019, à descoberta de Lanzarote, chegámos ao extremo norte da ilha atrasados para visitarmos o seu famoso Mirador del Rio.

Conformados com o percalço, descemos na estrada que percorre o cimo das falésias contíguas.

Quando atingimos o limiar do Risco de Famara, a mais de 500 metros de altura e perscrutamos o Atlântico abaixo e por diante, a visão de La Graciosa e restantes ilhas do arquipélago Chinicho deixa-nos incrédulos.

Vista de La Graciosa de Lanzarote, Canárias, Espanha

Dois amigos conversam no limiar de Lanzarote, com vista para La Graciosa e outras ilhas do arquipélago Chinicho.

Mesmo diminutas face às massivas Lanzarote e Fuerteventura, de tal maneira que, mesmo próxima, La Graciosa nos cabia na amplitude de um só olhar, a extensão insular que ali admirávamos gerou-nos de imediato uma inquietude.

Ao longo dos dezasseis meses que se seguiram, entregues a planeamentos das próximas viagens, essa visão voltou-nos à mente vezes sem conta.

Com a hipótese de regressarmos para um novo itinerário nas Canárias, fizemos questão de que passasse pelo norte de Lanzarote e de que incluísse La Graciosa. Assim aconteceu.

Já a a bordo do ferry Liñeas Romero, quanto mais Orzola se desvanecia, mais nos aproximávamos da península aguçada que encerra o cimo de Lanzarote, da Punta Fariones e dos Fariones, os grandes rochedos também eles pontiagudos que lhe inspiraram o baptismo.

Fariones, Lanzarote, Canárias, Espanha

Rochedos Fariones que acompanham a Ponta Farione no extremo norte de Lanzarote.

Na sua iminência, o oceano a norte batalha com as águas do Estrecho del Rio, o canal, apesar do nome, marinho que separa Lanzarote de La Graciosa.

Habituado a ver-se nessa contenda, o comandante manobra a navegação com o jeito ganho em incontáveis de passagens por ali, suaves, num jeito oscilado de ser.

Contornamos a punta. Já com Graciosa à vista, internamo-nos no canal junto à base estriada de Lanzarote que, feita de falésias tão elevadas e brutas, tornava o barco uma casca de noz.

Punta Fariones, Lanzarote, Canárias, Espanha

A ponta aguçada que encerra o norte de Lanzarote.

Com o Mirador de Rio bem nas alturas, o comandante faz o barco cruzar o Rio. Aponta-o ao porto de Caleta del Sebo, a capital de La Graciosa.

O sábado desenrola-se. Damos com a cidade num óbvio modo de descompressão. O molhe que contornámos para entrar, serve de pouso a uma comunidade irrequieta de jovens pescadores que celebram a nossa entrada com uma mímica bem-disposta.

Desembarque Crepuscular na Pequena Capital de Caleta del Sebo

Já atracados ao lado de uma floresta de mastros e bandeirolas, examinamos a baía em frente. Um corrupio de banhistas entrega-se aos derradeiros banhos do dia na praia de areia da povoação. Em simultâneo, uma comunidade de convivas tagarelas bebe cañas e saboreia petiscos do mar nas esplanadas arejadas em redor.

Para trás do casario do oeste da cidade, o sol ora espreitava, ora se sumia entre uma caravana de nuvens baixas propulsionadas pelos Alísios. Foi já sob o escuro Atlântico que cruzámos a baía a carregar as malas, umas ao ombro, outras puxadas a esforço sobre o areal até ao apartamento que por ali tínhamos reservado.

Ocaso sobre Caleta del Sebo, La Graciosa, Ilhas Canárias, Espanha

Entardecer doura o ocidente acima do porto de Caleta del Sebo.

Voltamos a sair uma hora depois, com o rumo do restaurante “El Marinero”, uma das suas Mecas gastronómicas. Lá nos empanturramos com Entrantes de sardinhas, camarões, com polvo e o gofio e papas arrugadas quase incontornáveis um pouco por todas as Canárias.

Findo o repasto, mesmo já sem malas, voltamos a arrastar-nos para o apartamento. Tínhamos toda uma nova ilha por descobrir. Para variar, íamos explorá-la de bicicleta.

Uma Semi-Volta em Bicicleta a La Graciosa

Bem menos cedo que o que desejávamos no dia seguinte, batemos a porta da La Molina Bike.

Doña Demelza, saúda-nos a pensar que ia encontrar visitantes algo mais novos. Mesmo assim, algures entre o nosso à vontade e a vontade de pedalarmos, deixa-se impressionar. “Vocês têm ar de aventureiros, já estou a ver que, para fotografarem, se vão querer meter pela areia, pelos caminhos pedregosos e isso tudo. Olhem… vou-vos dar bicis das todo-o-terreno, aquelas com os pneus mais grossos.”

Mesmo conscientes que, num dos poucos lugares com capital em que não existe asfalto, as bicicletas artilhadas nos cansariam a dobrar, sentimo-nos privilegiados. Agradecemos a benesse, despedimo-nos da sorridente Demelza, sumimos entre o casario branco de Caleta del Sebo.

Casario de Caleta del Sebo, La Graciosa, Ilhas Canárias, Espanha

A Marginal de Caleta del Sebo, virada para o Estrecho del Rio.

Deixada para trás a povoação, com excepção para uma sequência de pequenos hortos dos moradores, a ilha depressa se nos revelou como veio ao mundo.

Como seria de esperar no arquipélago das Canárias, La Graciosa é vulcânica, na prática geológica, um maciço vulcânico insular salpicado por cinco vulcões. Mesmo se com alturas contidas, são estes vulcões que, aqui e ali, apimentam o circuito de volta a ilha.

Umas boas pedaladas depois, vimo-nos numa encruzilhada de estradas de areia entre dois deles, La Aguja Grande (266m) o mais elevado da ilha, na companhia da cratera Aguja Chica e da vizinha Montanha del Mojon (185m).

Curiosos quanto ao que nos reservaria a costa de lá de Graciosa, seguimos na sua direcção, ao mesmo tempo, do norte da ilha. Rejeitamos a Playa Baja del Ganado. Em vez, apontamos à de Las Conchas e ao sopé do vulcão ocre da Montaña Bermeja.

A Conquista e Omni-Revelação da Montaña Bermeja

Na sua confluência, achamos um parque de estacionamento para bicicletas mais preenchido do que esperávamos. Estimámos que o areal amarelo da praia ao lado em duo com um delicioso mar turquesa ali atraísse boa parte dos ciclistas entretidos com a volta à Graciosa.

Vontade de nos entregarmos de imediato àquele Atlântico soprado pelos Alíseos não faltava mas, com o trilho e o desafio da conquista da Montaña Bermeja (157m) a terem início a uns poucos metros, não tínhamos como resistir.

Pé ante pé, pelo trilho já marcado na sua crista ascendemos ao cume colorado e pejado de líquenes verdes-claro ou de um amarelo muito torrado.

Ascensão da Montaña Bermeja, La Graciosa, Ilhas Canárias, Espanha

Caminhantes prestes a atingirem o cume da montaña Bermeja de La Graciosa.

Além dos líquenes agarrados às rochas, encontrámos o cimo decorado com uma inesperada obra de arte, quatro estatuetas, esculpidas no que nos parecia arenito, com formas, se humanas retorcidas, quase amorfas.

Apuramos mais tarde que, chegou a acompanhar estas esculturas uma cruz com a inscrição de 1499, o ano em que se considera ter terminado a conquista do arquipélago das Canárias, iniciada em 1402.

Jean de Béthencourt e o Encanto com a Pequena Graciosa

Reza a história, que terá sido o descobridor Normando Jean de Béthencourt a baptizar La Graciosa.

Após várias semanas no mar, contadas desde a partida do porto de La Rochelle, Béthencourt deliciou-se com a visão da ilha quase rasa aos pés da gigantesca vizinha Lanzarote. Chamou-a, assim, de La Gracieuse, título que foi adaptado para castelhano.

Montaña Bermeja e Playa de Las Conchas, La Graciosa, Ilhas Canárias, Espanha

Encosta da Montaña Bermeja contrasta com o azul da Playa de Las Conchas. Um cenário que ilustra o baptismo de Jean de Béthencourt.

Béthencourt vinha determinado a se abastecer de urzela, um líquen de que se extrai uma cor comparável ao violeta. Acabou por conquistar Lanzarote e Fuerteventura e por colonizar boa parte do arquipélago das Canárias.

Não vemos sinal nem da cruz nem, entre os abundantes líquenes que temos em torno, da valiosa urzela. De qualquer maneira, os cenários em redor depressa nos reclamaram a atenção e suscitaram um inevitável êxtase visual.

Para norte e leste, La Graciosa estendia-se numa vastidão arenosa preenchida por dunas baixas salpicadas de vegetação xerófita.

Para sul e sudeste, o pequeno deserto local cedia à ditadura do solo vulcânico e de um cinzento quase negro.

Deste solo pardo, à distância, víamos despontar as outras elevações da ilha, quanto mais para sul, mais difusas na calima (névoa poeirenta) que ali chegava do Sara.

E em Redor de La Graciosa, a Extensão do sub-Arquipélago Chinijo

Quando nos virávamos para norte e noroeste, com o mar pelo meio, contemplávamos diversas ilhas inóspitas e inabitadas: a Isla de Montaña Clara, ali em frente. A maior distância, a Isla de Alegranza.

Vislumbrávamos ainda dois outros ilhéus, o Roque del Oeste – também conhecido por Roque del Infierno – nas imediações da ilha de Montaña Clara, o Roque del Este.

Este conjunto, acrescido da nossa anfitriã La Graciosa (a maior ilha com 27km2), forma o sub-arquipélago canário de Chinicho que nos manteve uma boa meia-hora num absoluto deleite sensorial.

Interrompemo-lo pela noção do tempo que nos sobrava para circundar a ilha e pela urgência de recuperarmos o mergulho adiado na Praia de Las Conchas que, logo ali abaixo, se insinuava num dourado-turquesa.

Dito e feito. Regressamos à base da montaña Bermeja, cruzamos o areal. Com cuidado redobrado, mergulhamos por baixo das vagas que os alísios continuavam a espicaçar.

Onda na Playa de Las Conchas, La Graciosa, Ilhas Canárias, Espanha

Onda desfaz-se sobre o areal dourado da Playa de Las Conchas, com a Isla Montaña Clara em fundo.

Com a volta à ilha por completar, regressamos às bicicletas ainda por secarmos.

Pedalamos até ao seu litoral norte, espreitamos a beira-mar ventosa das Playas Lambra e Del Ambar.

Em vez de circundarmos a totalidade do litoral norte, atalhamos caminho para Pedro Barba, a segunda povoação da ilha, mesmo se composta sobretudo por segundas casas de habitantes da Graciosa e outras de veraneantes forasteiros.

Caleta del Sebo vs Lanzarote, La Graciosa, Ilhas Canárias, Espanha

Casario branco de Caleta del Sebo contra os penhascos vulcânicos de Lanzarote.

Não demorássemos a avistar a linha branca do seu casario, contra os penhascos imensos de Lanzarote, em fundo.

Na sequência, subimos, a esforço, entre os Morros Negros e as vertentes leste das Aguja Grande e da Chica. Tentamos estender o empenho de maneira a conquistarmos a ilha a sul de Caleta del Sebo.

Regresso a Tempo de um Novo Ocaso em Caleta del Sebo

Tal como Doña Demelza nos avisara, a estrada para a Punta de la Herradura e a sua Montaña Amarilla revelaram-se demasiado arenosas até para as as bicicletas supostamente todo-o-terreno que conduzíamos.

Exauridos, a vermos o sol precipitar-se sobre o Atlântico à nossa frente, sem termos tempo de atingirmos o destino planeado da Playa de la Cocina, invertemos caminho para a Caleta del Sebo.

De volta ao pueblo, devolvemos as bicis especiais a Demelza.

Caleta del Sebo, La Graciosa, Ilhas Canárias, Espanha

Jovem moradora de Caleta del Sebo carrega um bebé ao colo, sobre o entardecer dourado de La Graciosa.

No templo que nos restava até ao escuro se reinstalar, caminhámos por entre as ruelas e pela beira-mar quase rasa que confronta as falésias descomunais de Lanzarote.

La Graciosa ainda hoje nos encanta.

Caleta del Sebo, La Graciosa, Ilhas Canárias, Espanha

Pátio artístico numa vivenda da capital e única povoação fixa da ilha de La Graciosa.

Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique

Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
El Hierro, Canárias

A Orla Vulcânica das Canárias e do Velho Mundo

Até Colombo ter chegado às Américas, El Hierro era vista como o limiar do mundo conhecido e, durante algum tempo, o Meridiano que o delimitava. Meio milénio depois, a derradeira ilha ocidental das Canárias fervilha de um vulcanismo exuberante.
La Palma, CanáriasEspanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.
Vereda Terra Chã e Pico Branco, Porto Santo

Pico Branco, Terra Chã e Outros Caprichos da Ilha Dourada

No seu recanto nordeste, Porto Santo é outra coisa. De costas voltadas para o sul e para a sua grande praia, desvendamos um litoral montanhoso, escarpado e até arborizado, pejado de ilhéus que salpicam um Atlântico ainda mais azul.
Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo

Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.
Paul do Mar a Ponta do Pargo a Achadas da Cruz, Madeira, Portugal

À Descoberta da Finisterra Madeirense

Curva atrás de curva, túnel atrás de túnel, chegamos ao sul solarengo e festivo de Paul do Mar. Arrepiamo-nos com a descida ao retiro vertiginoso das Achadas da Cruz. Voltamos a ascender e deslumbramo-nos com o cabo derradeiro de Ponta do Pargo. Tudo isto, nos confins ocidentais da Madeira.
Pico do Arieiro - Pico Ruivo, Madeira, Portugal

Pico Arieiro ao Pico Ruivo, Acima de um Mar de Nuvens

A jornada começa com uma aurora resplandecente aos 1818 m, bem acima do mar de nuvens que aconchega o Atlântico. Segue-se uma caminhada sinuosa e aos altos e baixos que termina sobre o ápice insular exuberante do Pico Ruivo, a 1861 metros.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Safari
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Gravuras, Templo Karnak, Luxor, Egipto
Arquitectura & Design
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou o Templo de Karnak e a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
cowboys oceania, Rodeo, El Caballo, Perth, Australia
Cerimónias e Festividades
Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
Ponta Delgada, São Miguel, Açores, Portas da Cidade
Cidades
Ponta Delgada, São Miguel, Açores

A Grande Urbe Açoriana

Durante os séculos XIX e XX, Ponta Delgada tornou-se a cidade mais populosa e a capital económico-administrativa dos Açores. Lá encontramos a história e o modernismo do arquipélago de mãos-dadas.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Sombra de sucesso
Cultura
Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Caiaquer no lago Sinclair, Cradle Mountain - Lake Sinclair National Park, Tasmania, Austrália
Em Viagem
À Descoberta de Tassie, Parte 4 -  Devonport a Strahan, Austrália

Pelo Oeste Selvagem da Tasmânia

Se a quase antípoda Tazzie já é um mundo australiano à parte, o que dizer então da sua inóspita região ocidental. Entre Devonport e Strahan, florestas densas, rios esquivos e um litoral rude batido por um oceano Índico quase Antárctico geram enigma e respeito.
Tambores e tatoos
Étnico
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
História
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Ilhas
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
Verificação da correspondência
Inverno Branco
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
vale profundo, socalcos arroz, batad, filipinas
Natureza
Batad, Filipinas

Os Socalcos que Sustentam as Filipinas

Há mais de 2000 anos, inspirado pelo seu deus do arroz, o povo Ifugao esquartejou as encostas de Luzon. O cereal que os indígenas ali cultivam ainda nutre parte significativa do país.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Vista do John Ford Point, Monument Valley, Nacao Navajo, Estados Unidos
Parques Naturais
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
ocupação Tibete pela China, Tecto do Mundo, As forças ocupantes
Património Mundial UNESCO
Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, Desembarque
Praias
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Teleférico de Sanahin, Arménia
Religião
Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Ponte u bein, Amarapura, Myanmar
Sociedade
Ponte u-BeinMyanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein está no seu crepúsculo.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Devils Marbles, Alice Springs a Darwin, Stuart hwy, Caminho do Top End
Vida Selvagem
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
PT EN ES FR DE IT