Vegueta, Gran Canária, Canárias

Às Voltas pelo Âmago das Canárias Reais


Plaza e Catedral Santa Ana
A fachada da Catedral de Santa Ana iluminada por uma luz suave.
Conversa Animada
Grupo de amigos conversam junto a uma esplanada de Vegueta.
Leitura de Rua
Jovem entretem-se a ler numa plaza de Vegueta.
A Casa de Colón
A Casa de Colón em plena Plaza de Santa Ana.
San Juan
As linhas rígidas do bairro de San Juan, bem mais moderno que o de Vegueta.
O Casal do Rancho
Um casal integrante do rancho folclórico de San Juan.
Calle del Castillo
A rua de vários tons del Castillo, uma das mais emblemáticas do âmago histórica de Las Palmas.
Pedestre e Estátua
Transeunte passa junto a uma estátua de rua de Vegueta.
Las Palmas do Alto de San Juan
A catedral de Santa Ana destacada bem acima do casario de Vegueta e da Las Palmas em redor.
Santa Ana, a Catedral
A catedral de Santa Ana emoldurada por outra grande porta.
Passeio solitário
Transeunte percorre uma rua bem iluminada pelo sol do sul da ilha de Gran Canária.
Fonte Espiritu Santo
O recanto mais refrescante da Calle del Castillo.
Las-palmas-gran-canaria-esquina-vegueta
Uma esquina com arquitectura colonial bem marcada do bairro de Vegueta.
Casario cúbico
Cores e formas bem cúbicas do bairro de San Juan.
A Outra Face de Sant Ana
Perspectiva lateral da imponente catedral de Santa Ana, o edifício símbolo de Vegueta.
Plazeta del Espiritu Santo
Família dá entrada na Praceta del Espiritu Santo, em confluência com a Calle del Castillo.
O velho e majestoso bairro Vegueta de Las Palmas destaca-se na longa e complexa hispanização das Canárias. Findo um longo período de expedições senhoriais, lá teve início a derradeira conquista da Gran Canária e das restantes ilhas do arquipélago, sob comando dos monarcas de Castela e Aragão.

Após um dia inteiro a calcorrear e a explorar as praças, ruas e ruelas em grelha do bairro pioneiro de Las Palmas, eis que nos decidimos a ascender às alturas panorâmicas da cidade.

A orografia de Las Palmas nunca foi branda com os moradores dos bem mais recentes bairros San José e San Juan. De tal maneira que, em 2012, as autoridades da cidade se comoveram e inauguraram um elevador que permitia atalhar a subida íngreme.

O equipamento provou-se de pouca dura. Quando chegamos à sua base, o abandono em que o encontramos dita, sem ressalvas, o recurso à escadaria alternativa.

Ascensão às Alturas de San Juan, Las Palmas

Subimos o mais acima possível. Investigamos o corredor do último piso na esperança de conseguirmos uma perspectiva desafogada sobre o casario de Vegueta e de Las Palmas em redor. Dali, conseguíamos enquadrá-los, se bem que apenas uma secção, longe de nos satisfazer os anseios fotográficos.

Alguns moradores de lares próximos ao elevador percebem a nossa inquietude. Um deles, decide intervir. “Mas vocês estão à procura de quê, afinal? De vista lá para baixo? Ah, mas isso é bem melhor lá do topo do morro”.

Fazemos fé na sua mais que credível informação. Por fim, sossegados, passamos os olhos na ruela e nas casas que preenchiam a encosta.

A Família Pródiga do Sr. Miguel de San Juan

Um dos prédios, alaranjado e de arquitectura improvisada e impossível de catalogar, destacava-se dos demais. O mesmo interlocutor repara na atenção que lhe dedicamos. “Fui eu que desenhei e construí quase tudo. O que é que acham?”

Verdade seja dita que nos faltaram as palavras para lhe responder de forma condigna. O Sr. Miguel, à data com oitenta e sete anos, sente o nosso espanto. Opta por desenvolver. “E sabem uma coisa? Foi o melhor que fiz. Eu e a minha mulher temos dez filhos, quatro raparigas e seis rapazes.

Às tantas, começaram eles a ter filhos. Quando demos por ela, entre filhos, netos, bisnetos e tetranetos, éramos quarenta e um a viver ali. Aquele nosso prédio sempre foi um verdadeiro lar doce lar.”

De tantos habitantes da família do Sr. Miguel, logo apareceu uma sua neta, ao volante de um carro já velhote. Ia levar o avô à estação de serviço de que era também proprietário. Ao inteirar-se da nossa demanda, disse-nos para entrarmos no carro, que nos levaria ao cimo do morro. Assim fazemos.

Minutos depois, a neta do Sr. Miguel deixa-nos numa beira da estrada mal-amanhada mas, de facto, panorâmica.

Rancho folclórico, San Juan, Las Palmas, Gran Canária

O Rancho Folclórico no Cimo de San Juan

Por diante, para baixo, estendia-se boa parte do casario de Las Palmas, do sopé da colina que nos sustinha até à vastidão azul do Atlântico.

Admirávamos o cenário quando nos fez desviar o olhar um casal em trajes que nos pareciam de folclore, tradicionais. Nesse momento, detém-se uma carrinha. Saem mais sete mulheres, todas vestidas no mesmo estilo, duas delas a segurarem espécies de cavaquinhos.

A aparição daquele séquito deixa-nos intrigados. Questionamo-los a condizer. “Somos do rancho folclórico de San Juan, vamos a caminho de um encontro noutra povoação. Podemos fazer umas fotos, claro. Mas tem que ser rápido. Já estamos um bocado atrasados!”

Casal de rancho folclórico, San Juan, Las Palmas, Gran Canária

Despachamos uma produção-relâmpago o mais depressa que conseguimos, com o colorido do grupo composto contra o azul celeste e o do mar. Logo, eles enfiam-se na carrinha que sai disparada.

Nós, voltamos à contemplação da secção de Las Palmas que tínhamos a leste, um aglomerado de casas e prédios em que predominavam o branco e tons quentes de pastel.

E de que, pelo seu tom cinzento e pela altura das torres, se destacava o cimo de uma grande catedral, dos poucos edifícios que quase passava a linha do horizonte para o nível do céu.

Vegueta, Las Palmas, Gran Canária

Às Voltas pela Velha Vegueta

Muitos disparos fotográficos depois, por ruas e ruelas do bairro de San Juan distintas das que tínhamos percorrido na subida, regressamos ao sopé alisado do morro e à secular Vegueta.

Quanto mais descemos rumo ao mar, mais imponente, elegante e impressionante se revela o bairro, com óbvio apogeu na praça que antecede o templo que antes víamos destacado, a Plaza de Santa Ana, nesse momento ocupada por um evento de competições infantis.

Catedral Santa Ana, Vegueta, Las Palmas, Gran Canária

Encerrava-a, a leste, a Catedral Metropolitana de Santa Ana de Canárias, erguida entre 1500 e 1570, como expressão católica suprema da ilha de Gran Canária.

Mesmo se o exterior reformulado no século XIX é de estilo neoclássico, a sua enorme nave preserva-se gótica, sustida por colunas erguidas a emularem as palmeiras prolíficas naquela zona antes da chegada dos Conquistadores de Castela.

A Derradeira Conquista da ilha de Gran Canária

Em 24 de Junho de 1478, as tropas castelhanas recém-desembarcadas, incumbidas de submeter de uma vez por todas a resistência dos indígenas Canários, ergueram um acampamento nas imediações de um barranco que se viria a chamar del Guiniguada.

Aí mesmo, de maneira a guiarem as embarcações que os viriam aprovisionar, preservaram três enormes palmeiras. Dessa referência, ficou o nome embrião da capital da ilha, Real de las Tres Palmas de Gran Canária, hoje, a cidade mais populosa do arquipélago, com 375.000 habitantes.

Vegueta, Las Palmas, Gran Canária

Grupo de amigos conversam junto a uma esplanada de Vegueta.

Afectada pela forte resistência dos nativos e, como se não bastasse, por discórdias entre os castelhanos, a conquista arrastou-se.

Confirmou-se apenas em Abril de 1483, mês em que Guayarmina Semidá, a rainha indígena da ilha, se rendeu aos invasores e suscitou o suicídio de um chefe tribal influente e do seu xamã.

A Arquitectura Colonial Ímpar de Vegueta

Daí em diante, com o cunho da Coroa e a perspectiva quase infalível de grandes lucros, intensificou-se a construção da primeira povoação de Gran Canária.

Um hospital, a Ermita mudéjar de San António Abad, presente no lugar em que foi erguida a capela que serviu espiritualmente o acampamento de Real de Las Tres Palmas e predecessora da actual catedral.

Catedral de Sant Ana, Vegueta, Las Palmas, Canárias

Perspectiva lateral da imponente catedral de Santa Ana, o edifício símbolo de Vegueta.

Acompanharam-nas o palácio Episcopal, o Ayuntamiento, a Real Audiência, o Tribunal do Santo Ofício e a Diocese das Ilhas Canárias, à época, a única diocese.

Vegueta, Las Palmas, Gran Canária

Estes edifícios eclesiásticos e governativos, alternaram com outros, residenciais, dotados de pátios desafogados e verdejantes, de abundantes varandas de madeira, de tal maneira que uma das ruas emblemáticas do bairro que, de início, acolheu as famílias mais ricas e influentes da ilha se chama ainda Calle de los Balcones.

Tanto uns edifícios, como os outros, exibem uma riqueza arquitectónica única, uma mescla improvável de elementos góticos, renascentistas, neoclássicos e, como é frequente no sul de Espanha e nas Canárias, mudéjares.

Com o tempo, essa amálgama de edifícios e estilos formou a unidade urbanística que, passo após passo, nos continuava a deslumbrar.

Calle del Castillo, Vegueta, Las Palmas, Gran Canária

Calle del Castillo acima e abaixo, passamos várias vezes pela Plaza del Espíritu Santo.

Como passamos pela sua ermida dedicada ao Cristo del Buen Fin e a fonte desenhada pelo artista gran canário Manuel Ponce de León y Falcón, nascente de águas que refrescam o pequeno jardim repleto de plantas tropicais, mas não o Elixir da Juventude que o descobridor tanto fez por encontrar em terras, hoje, da Florida.

Fonte del Espiritu Santo, Vegueta, Las Palmas, Gran Canária

O recanto mais refrescante da Calle del Castillo.

A Casa Colón e as Passagens de Colombo por Las Palmas

Na direcção da Av. de Canárias e do Atlântico, entramos em ruas delimitadas pelas fachadas amareladas da Ermita de San António Abad e pela vizinha Casa neogótica de Colón, cada qual com o seu brasão intrincado.

Vegueta, Las Palmas, Gran Canária

A Casa de Colón em plena Plaza de Santa Ana.

Por ali, um músico de calle toca melodias de pífaro que reforçam o encanto colonial de Las Palmas, o também porto em que Cristóvão Colombo ancorou em três das suas quatro expedições, sendo que, na primeira, terá, inclusive, orado pouco antes de zarpar rumo ao ocidente desconhecido.

Na Casa Colón, inteiramo-nos da importância que as Canárias – a Gran Canária em particular – e os seus voluntariosos emigrantes tiveram na colonização das Américas de que Colombo fez Novo Mundo.

Gárgula, Vegueta, Las Palmas, Gran Canária

Uma gárgula adorna uma fachada da praça em que se situa a Casa de Colón.

Mesmo se numa escala local, não tardamos a chegar a uma latitude de Las Palmas distinta de tudo o que até então havíamos constatado.

Contornamos o mercado de Vegueta e atravessamos a carretera del Centro, para o outro lado da autoestrada GC-5 que estabelece uma fronteira rodoviária do bairro.

O Casario Colorido e Surreal de San Juan

Umas centenas de metros acima, ao longo da Calle San Diego de Alcalá e de um núcleo urbano distinto, perscrutamos o casario oposto, uma perspectiva lateralizada do bairro elevado de San Juan em que nos tínhamos cruzado com o Sr. Miguel e com o grupo folclórico.

Pois, dali, San Juan preenchia todo o morro sobranceiro a Vegueta numa profusão multicolorida de casas e prédios de geometria elementar e rígida, que nos parecia um cenário de desenhos animados ou resultado de uma brincadeira de legos.

San Juan, Vegueta, Las Palmas, Gran CanáriaA visão suscitou-nos a estranheza de como, o fluir das Eras, tinha gerado “cidades” tão contrastantes dentro da mesma capital.

Casario de San Juan, Las Palmas, Gran Canária

As linhas rígidas do bairro de San Juan, bem mais moderno que o de Vegueta.

Abaixo, em jeito de resistentes vegetais do dealbar de Las Palmas, uma linha quebrada de palmeiras ondulava ao sabor do vento.

Deixamos o ocaso assentar a oeste do cerne ainda mais alto da Gran Canária.

Quando o arrebol se começa a instalar, já estamos de volta às plazas de Vegueta, entregues a cañas e a inevitáveis papas canárias arrugadas.

Tenerife, Canárias

Pelo Leste da Ilha da Montanha Branca

A quase triangular Tenerife tem o centro dominado pelo majestoso vulcão Teide. Na sua extremidade oriental, há um outro domínio rugoso, mesmo assim, lugar da capital da ilha e de outras povoações incontornáveis, de bosques misteriosos e de incríveis litorais abruptos.
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
El Hierro, Canárias

A Orla Vulcânica das Canárias e do Velho Mundo

Até Colombo ter chegado às Américas, El Hierro era vista como o limiar do mundo conhecido e, durante algum tempo, o Meridiano que o delimitava. Meio milénio depois, a derradeira ilha ocidental das Canárias fervilha de um vulcanismo exuberante.
La Graciosa, Ilhas Canárias

A Mais Graciosa das Ilhas Canárias

Até 2018, a menor das Canárias habitadas não contava para o arquipélago. Desembarcados em La Graciosa, desvendamos o encanto insular da agora oitava ilha.
PN Timanfaya, Lanzarote, Canárias

PN Timanfaya e as Montanhas de Fogo de Lanzarote

Entre 1730 e 1736, do nada, dezenas de vulcões de Lanzarote entraram em sucessivas erupções. A quantidade massiva de lava que libertaram soterrou várias povoações e forçou quase metade dos habitantes a emigrar. O legado deste cataclismo é o cenário marciano actual do exuberante PN Timanfaya.
Tenerife, Canárias

O Vulcão que Assombra o Atlântico

Com 3718m, El Teide é o tecto das Canárias e de Espanha. Não só. Se medido a partir do fundo do oceano (7500 m), só duas montanhas são mais pronunciadas. Os nativos guanches consideravam-no a morada de Guayota, o seu diabo. Quem viaja a Tenerife, sabe que o velho Teide está em todo o lado.
La Palma, Canárias

A Isla Bonita das Canárias

Em 1986, Madonna Louise Ciccone lançou um êxito que popularizou a atracção exercida por uma isla imaginária. Ambergris Caye, no Belize, colheu proveitos. Do lado de cá do Atlântico, há muito que os palmeros assim veem a sua real e deslumbrante Canária.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Escadaria Palácio Itamaraty, Brasilia, Utopia, Brasil
Arquitectura & Design
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Salto para a frente, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu
Cerimónias e Festividades
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
Verão Escarlate
Cidades

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Cultura
Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
viagem austrália ocidental, Surfspotting
Em Viagem
Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Étnico
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
hacienda mucuyche, Iucatão, México, canal
História
Iucatão, México

Entre Haciendas e Cenotes, pela História do Iucatão

Em redor da capital Mérida, para cada velha hacienda henequenera colonial há pelo menos um cenote. Com frequência, coexistem e, como aconteceu com a semi-recuperada Hacienda Mucuyché, em duo, resultam nalguns dos lugares mais sublimes do sudeste mexicano.

Mahu, Terceiro Sexo da Polinesia, Papeete, Taiti
Ilhas
Papeete, Polinésia Francesa

O Terceiro Sexo do Taiti

Herdeiros da cultura ancestral da Polinésia, os mahu preservam um papel incomum na sociedade. Perdidos algures entre os dois géneros, estes homens-mulher continuam a lutar pelo sentido das suas vidas.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Literatura
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Cascata de Tamul, Aquismón, Huasteca Potosina, San Luís Potosi, México
Natureza
Aquismón, San Luís Potosi, México

A Água que os Deuses Despejam de Jarros

Nenhuma queda d’água da Huasteca Potosina se compara com a de Tamul, a terceira mais alta do México, com 105 metros de altura e, na época das chuvas, quase 300 metros de largo. De visita à região, saímos na demanda do salto de rio que os indígenas viam como divino.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Lago Tinquilco no PN Huerquehue, Pucón, La Araucania, Chile
Parques Naturais
Pucón, Chile

Entre as Araucárias de La Araucania

A determinada latitude do longilíneo Chile, entramos em La Araucanía. Este é um Chile rude, repleto de vulcões, lagos, rios, quedas d’água e das florestas de coníferas de que brotou o nome da região. E é o coração de pinhão da maior etnia indígena do país: a Mapuche.
Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Património Mundial UNESCO
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Tambores e tatoos
Praias
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre Carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Graffiti deusa creepy, Haight Ashbury, Sao Francisco, EUA, Estados Unidos America
Sociedade
The Haight, São Francisco, E.U.A.

Órfãos do Verão do Amor

O inconformismo e a criatividade ainda estão presentes no antigo bairro Flower Power. Mas, quase 50 anos depois, a geração hippie deu lugar a uma juventude sem-abrigo, descontrolada e até agressiva.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Vida Selvagem
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT