Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus


Cidade dourada
Jerusalém, disposta para lá das velhas muralhas mandadas reerguer pelo sultão otomano Suleiman I, a partir de 1537.
Jogos de poder
Habitantes árabes palestinianos jogam gamão numa ruela da cidade velha.
Nas profundezas da religião
Crente investiga velhas escrituras em frente ao Kotel, o famoso Muro das Lamentações do judaismo.
Lenços árabes
Mulheres palestinianas percorrem uma rua do bairro Árabe, em plena Cidade Velha de Jerusalém.
Preces e lamentos
Fieis ultra-ortodoxos trajados a rigor oram de frente para o Muro das Lamentações.
O casario da discórdia
A Porta de Damasco ao anoitecer, com o casario dos vários bairros da Cidade Velha de Jerusalém a preencher por completo o interior das muralhas.
Equilíbrio frágil
Jovem árabe segura um tabuleiro com chás e outras bebidas num café árabe da Cidade Velha.
O Controverso Monte do Templo
Mulheres muçulmanas sobem a escadaria para o Monte do Templo.
Vista de Zion
Dois judeus ortodoxos apreciam a vista de um varandim no Monte das Oliveiras.
Soldada de David
Militar das IDF passeia um bandeira de David pelas imediações do Muro das Lamentações.
Maria Madalena em ouro
As cúpulas douradas do mosteiro de Maria Madalena.
O Mosteiro de Maria Madalena
Mosteiro de Maria Madalena entre ciprestes da encosta do Monte das Oliveiras
Convívio Bairro Judeu
Judeus convivem à sombra num pátio do Bairro Judeu
Mesquita Al Aqsa
Fiéis muçulmanas dirigem-se a mesquita Al Aqsa.
Judeus no Muro das Lamentações
Homens judeus de quipás e chapéus tradicionais no Muro das Lamentações.
Celebração do Sionismo
Militares das Forças de Defesa de Israel comemoram junto ao Muro das Lamentações.
Monte Zion
Panorâmica do Monte Zion, uma outra zona bíblica de Jerusalém.
Mulher Judia
Esposa judia trajada com modéstia, como mandam os preceitos sociais judeus.
Oliveira Secular
Uma das oliveiras anciãs da encosta do Monte das Oliveiras.
Patriarcas
Patriarcas religiosos conversam com o Muro das Lamentações em fundo.
Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.

O lento entardecer apresta-se a encerrar mais uma Sexta-Feira de Verão, quando a sirene longa e grave do sabat ecoa pela Cidade Velha e assina o início do descanso obrigatório.

Movida pela sua fé e identidade religiosa, uma multidão judaica desce as ruas labirínticas e apertadas de Jerusalém. O movimento faz oscilar os tzizits (franjas de cordão) das ancas dos fiéis haredim (a que se usa chamar ultra-ortodoxos).

E o mesmo acontece aos peot, os cabelos encaracolados que lhes pendem das têmporas como que a querer escapar à clausura das quipás e da panóplia de chapéus (borsalinos, fedoras, shtreimels, kolpiks, trilbys etc) que coroam as suas vestimentas típicas, consoante a origem geográfica de cada seita.

Jerusalem, deus, Israel, judeus no Muro das Lamentações

Homens judeus de quipás e chapéus tradicionais no Muro das Lamentações.

As mulheres acompanham a curta peregrinação, degrau atrás de degrau, em vestidos simples mas com todas as extremidades compridas, como aconselha a conduta tzniut que requer modéstia de aparência e comportamento.

Não tardamos a confirmar a importância do negro para os ultraortodoxos, a sua cor da severidade que denota o receio pelo céu de quem o traja, o respeito por Deus e pela vida e o repúdio total da frivolidade.

À medida que o tempo passa, revela-se predominante nos longos trajes  (bekishes, kapotehs e rekels) que se agrupam na secção masculina do Muro das Lamentações (Kotel como preferem que se lhe chame os judeus).

Não afecta a onda de festejo e comoção generalizada que confronta a mudez milenar das suas gigantescas pedras e toma conta do lugar.

militares, muro das lamentacoes, juramento bandeira IDF, Jerusalem, Israel

Militares e fiéis ortodoxos e hadi (convencionais) partilham a sua fé e solidariedade em frente ao Muro das Lamentações.

O Muro das Lamentações em Festa

De cada uma das entradas, afluem mais e mais judeu solidários à praça contígua, predispostos a renovar as sua crenças religiosas ou a comemorar o triunfo do sionismo.

Chegam grupos eufóricos de jovens soldados das IDF – Israel Defense Forces – fardados de verde-azeitona.

Jerusalem, deus, Israel, militares das Forças da Defesa de Israel

Um militar das IDF quebra a formação espontânea para procurar algo ou alguém

Juntam-se-lhes estudantes yeshivá, de folga dos seus estudos da tora e do talmude.

Segundo o quarto mandamento das escrituras hebraicas, o sabat sugere a veneração do compromisso de Deus perante o povo de Israel (Exodus 31:13-17), a celebração do dia em que descansou depois de ter completado a Criação (Exodus 20:8-11) e o fim dos sete dias semanais de escravatura a que os Israelitas estiveram submetidos no Egipto (Deuteronómio 5:12-15) até ao resgate conduzido por Moisés.

De forma multifacetada e até contrastante, estas determinações são cumpridas à risca. Impressionam-nos como a qualquer gentio que se veja a acompanhar estes acontecimentos.

Numa primeira frente, alguns haredim baloiçam-se junto ao muro, ou a ele se agarram e chegam a beijá-lo no seu esforço incondicional de invocação divina.

Jerusalém deus, Israel, Preces e lamentos no Muro das Lamentações

Fieis ultra-ortodoxos trajados a rigor oram de frente para o Muro das Lamentações.

Essa linha é seguida de outras em que, instalados em cadeiras, também munidos de livros de oração, os haredim – e ocasionais hadis (crentes convencionais) repetem as preces divinas.

O som que emitem funde-se com o de muitas conversas paralelas. Gera um zunido que serve de fundo à folia protagonizada mais atrás por soldados e estudantes.

Abraçados, estes formam uma roda em que dançam e cantam em coro ou à desgarrada, sob o ondular vitorioso da bandeira de Israel.

grupo recrutas em roda, muro das lamentacoes, juramento bandeira IDF, Jerusalem, Israel

Grupo de recrutas celebra a sua entrada nas Forças de Defesa de Israel.

A Origem Milenar e Complexa do Muro das Lamentações

Há cerca de 2000 anos, os construtores do Muro Ocidental nunca poderiam ter previsto ou compreendido que a sua modesta criação seria promovida ao mais importante santuário religioso do povo judeu.

Parte de um projecto ordenado por Herodes cerca de vinte anos antes do nascimento de Cristo, para agradar a César, o muro contribuiu para a remodelação do Segundo Templo – construído por Ciro II da Pérsia no mesmo local em que existira o Templo de Salomão.

Essa remodelação foi considerada por muitos judeus uma profanação já que desrespeitava o modelo revelado por Deus a David, o segundo rei do Reino Unido de Israel.

A profanação provou-se apenas uma das agruras que os judeus tiveram que suportar sob o jugo romano. Quando Titus Flavius esmagou a primeira das suas revoltas contra o império, no ano 70 d.C., o templo e as três muralhas que o protegiam foram devastados.

Tal como o foi grande parte de Jerusalém.

Alguns anos depois, Adriano (o sucessor de Titus Flavius) deu à cidade o nome de Aelia Capitolina. Condenou os judeus uma vez mais ao exílio.

A destruição do templo e a renovação da diáspora – substanciada ao longo dos séculos pela invasão de sucessivos povos do que fora a sua pátria condenou a vida religiosa judaica a uma era de caos.

Para muitos, essa era só terminou com a fundação do estado de Israel.

Em 617 d.C., os Persas tomaram a cidade aos romanos. Perante uma iminente revolta cristã, permitiram que os Judeus voltassem a governar por três anos.

Nesse período, os regressados evitaram a área do Monte do Templo com receio de pisar o seu sanctum sanctorum, acessível apenas aos altos sacerdotes.

De acordo com os textos rabínicos entretanto compilados, a Sechina, (presença divina) nunca teria desertado as ruínas do muro exterior.

Jerusalém deus, Israel, Nas profundezas da religião

Crente investiga velhas escrituras em frente ao Kotel, o famoso Muro das Lamentações do judaismo.

De acordo, os fiéis fizeram delas o seu santuário.

Passaram a ali orar.

A Era Muçulmana que Desenraizou os Judeus. E a Controversa Cúpula da Rocha

Duas décadas depois, a cidade rendeu-se aos exércitos do Califa Omar. Por quatrocentos e sessenta e dois anos, os desígnios da cidade ficaram entregues aos muçulmanos. Entre 688 e 691, muçulmanos ergueram a Cúpula da Rocha com o propósito de proteger uma laje que era sagrada tanto para o Islão como para o judaísmo.

Segundo os textos do Corão, a Cúpula da Rocha estaria no local de que o profeta Maomé teria partido em direcção ao céu, para ocupar o seu lugar ao lado de Alá. Jerusalém é, por essa razão, a terceira cidade mais sagrada, a seguir a Meca e a Medina.

De acordo com as escrituras judaicas, a Cúpula da Rocha seria mesmo o centro do mundo, o sítio exacto em que Abraão se preparou para sacrificar um dos seus filhos.

Os propósitos do mentor da obra, o califa Abd al-Malik revelaram-se tão pios como estratégicos. A sacralização de Jerusalém tornara-se, havia muito, tripartida.

Jerusalém deus, Israel, Jogos de poder

Habitantes árabes palestinianos jogam gamão numa ruela da cidade velha.

Preocupava-o, sobretudo, que a crescente influência dos cristãos e da Basílica do Santo Sepulcro, seduzisse as mentes árabes.

O governador ordenou, assim, que fosse usada como modelo a sua rotunda mas não os interiores lúgubres e as fachadas austeras de pedra.

Em vez disso, decorou a mesquita com mosaicos resplandecentes e versos do Corão, enquanto a cúpula foi coberta de ouro sólido para que brilhasse como um farol para o Islão.

Jerusalem, deus, Israel, f

Fiéis muçulmanas dirigem-se a mesquita Al Aqsa.

Em termos visuais, o objectivo foi conseguido. Séculos depois, a estrutura dourada continua a sobressair do casario de pedra da Cidade Velha.

Malgrado a supremacia político-militar do estado judaico, a Cúpula da Rocha é, hoje, um dos grandes símbolos de Jerusalém e um dos edifícios mais fotografados à face da Terra.

Sobressai como nenhum outro edifício da cidade na panorâmica a partir do Monte das Oliveiras.

Jerusalem, deus, Israel, Cúpula da Rocha

A Cúpula da Rocha ainda mais dourada pela luz do ocaso a ocidente de Jerusalém.

A Ascensão do Cristianismo e as Sucessivas Cruzadas

Cerca de um milénio após nascimento do seu messias em Belém o Cristianismo tinha-se expandido. Transformou-se numa religião sólida, com sede em Roma, ramificada por inúmeros reinos e territórios crentes, do Médio Oriente ao extremo ocidental da Europa.

Nesse tempo, Jerusalém passara a ser vista como santa também pelos cristãos. De acordo, viajaram dos quatro cantos da Europa exércitos cruzados multinacionais, em múltiplas vagas. Animava-os a reconquista sagrada aos muçulmanos.

As suas conquistas nunca resistiram por muito tempo às respostas avassaladoras do Islão. E, com a queda de Acre, em 1291, a Terra Santa voltou a passar para mãos “infiéis”.

Jerusalém deus, Israel, Lenços árabes no Bairro Cristão

Mulheres palestinianas percorrem uma rua do bairro Árabe, em plena Cidade Velha de Jerusalém.

Seguiu-se a integração no Império Otomano (1516) que durou até ao fechar da 1ª Guerra Mundial.

Durante esse longo período, o muro – que coexistiu no Monte do Templo com a Cúpula da Rocha – tornou-se num lugar de peregrinação que os judeus visitavam para lamentar a sua antiga perda.

Assim se vulgarizou como “das Lamentações”.

Mas o desenrolar da epopeia estava longe de ficar por aí. Nos anos vindouros, os povos e religiões que partilharam e disputaram Jerusalém continuaram a cruzar-se na história.

Equilíbrio frágil

Jovem árabe segura um tabuleiro com chás e outras bebidas num café árabe da Cidade Velha.

Como víamos acontecer, dia após dia, nas suas ruas.

O Mausoléu Cristão da Basílica do Santo Sepulcro

Enquanto a Cúpula da Rocha brilha na companhia da mesquita Al-Aqsa e o Muro Ocidental recebe incontáveis lamentos, o local mais sagrado do Cristianismo na Cidade Velha, a Basílica do Santo Sepulcro, passou os séculos retirado na memória pungente das últimas horas de Jesus.

Desde bem cedo (abre ao público às 4.30 da manhã), peregrinos vindos dos quatro cantos do mundo entram na sua complexa e sombria estrutura determinados a ali louvarem o sacrifício do messias.

Vêmo-los benzerem-se e aos seus mais distintos objectos, debruçados sobre a Pedra da Unção, a laje em que o corpo de Cristo foi preparado para a sepultura por José de Arimatéia, o senador judeu que conseguiu de Pilatos autorização para o remover da cruz.

Logo, sobem uma pequena escadaria e acedem ao Monte Calvário. Lá encontram o Gólgota (o suposto local da crucificação) e, numa pequena capela Grega, a pedra que sustentou a cruz.

Já na imponente rotunda da basílica, alinham-se numa fila sob o olhar profundo de sacerdotes ortodoxos e esperam pela sua vez de vislumbrar o Altar da Crucificação.

Santo Sepulcro, Jerusalém, igrejas cristãs, a porta da edícula

Sacerdote ortodoxo à entrada da Edícula.

A Complexidade Profundidade Histórica de Jerusalém

Como a Basílica do Santo Sepulcro – que é muito maior do que as fachadas deixam antever – também Jerusalém nos engana quanto à sua dimensão e riqueza.

Passaram-se cinco ou seis dias sem que a Cidade Velha esteja condignamente explorada e antes que percebamos a dimensão do que há para descobrir em redor.

A maior parte dos visitantes acede ao interior das muralhas de Solimão através da Porta de Jaffa. É a mesma porta que o General Edmund Allemby cruzou ao consumar o triunfo dos aliados sobre o Império Otomano na 1ª Guerra mundial.

Pouco antes de, entre muitas declarações sensatas e algumas fanfarronices, proclamar um incendiário: “Hoje, as Cruzadas terminaram”. Por alguma razão ficou para a história como o Bloody Bull. 

Da Porta de Jaffa, é sempre a descer para qualquer lugar dos quatro bairros no interior: o Judeu, o Arménio (o mais pequeno), o Muçulmano e o Cristão. Constatamos que cada um destes bairros tem a sua própria vida e dinâmica.

Jerusalém deus, Israel, O casario da discórdia

A Porta de Damasco ao anoitecer, com o casario dos vários bairros da Cidade Velha de Jerusalém a preencher por completo o interior das muralhas.

E, com excepção para a confusa intersecção entre o Cristão e o Muçulmano, parecem-nos fáceis de identificar, sobretudo o Judeu que constitui um verdadeiro mundo à parte.

Do Apelo Sionista de Theodor Herzl à Declaração da Independência de Israel

No virar do século XX, o movimento sionista inspirado pelo jornalista judaico austro-húngaro Theodor Herzl impulsionava como nunca o retorno da Diáspora à Palestina. A população ali instalada ascendia a quase 20.000 pessoas. O bairro judeu nunca foi integramente judaico.

Ao invés, parte significativa dos domicílios e lojas eram alugadas pelos seus ocupantes a waqfs, propriedades muçulmanas com fins religiosos e caridosos.

A 14 de Maio de 1948, um dia antes do fim do Mandato Britânico da Palestina, Israel declarou a independência.

Jerusalem, deus, Israel, Militar das Forças Israelitas de Defesa

Militar das IDF passeia um bandeira de David pelas imediações do Muro das Lamentações.

Foi, de imediato, atacado por várias nações muçulmanas naquela que ficou conhecida pela Guerra Árabe-Israelita ou Guerra da Independência.

Os cerca de 2000 judeus que resistiam ao agravar do conflito no bairro judeu foram cercados. Viram-se forçados a partir expulsos pelas tropas jordanas.

A Guerra dos Seis Dias que Devolveu Jerusalém aos Judeus

Nessa altura, a Cidade Velha ficou do lado de lá da linha de demarcação. O bairro permaneceu sob jurisdição jordana até à Guerra dos Seis Dias, de 1967, quando um exército israelita determinado e fortemente armado conquistou toda a Cidade Velha e destruiu o bairro Mughrabi (marroquino), contíguo ao Muro Ocidental.

Na ressaca, seriam ainda expropriados, despejados cerca de 6.000 habitantes muçulmanos. Em 1969, as autoridades sionistas estabeleceram a Jewish Quarter Development Company, com o fim de reconstruir o antigo bairro judeu.

Jerusalem, deus, Israel, mulher judia

Esposa judia trajada com modéstia, como mandam os preceitos sociais judeus.

Como consequência, ao contrário dos vizinhos a norte, o Bairro Judeu é, à sua maneira, moderno e, acima de tudo, residencial, erguido em pedra nova, dotado de recreios para as crianças, infra-estruturas para cadeiras de rodas e de uma ou outra tecnologia de segurança bem disfarçada pelo visual aparentemente histórico.

Outra diferença que detectamos em três tempos é que é vivido e percorrido quase só pela comunidade hebraica e por visitantes estrangeiros.

Jerusalem, deus, Israel, convívio bairro judeu

Judeus convivem à sombra num pátio do Bairro Judeu

Exploramo-lo com o intuito de absorvermos o mais genuíno misticismo judaico nas suas ruas e sinagogas (especialmente a Hurva e a Ramban).

Também determinados a devorarmos os deliciosos snacks dos bares residentes: as pitas shoarmas, húmus e falafel, para mencionarmos apenas os mais populares.

A Nova Miscelânea de Sagrado do Monte Zion

Deixamos o Bairro Judeu. Atravessamos o Arménio, cruzamos a Porta de Zion e chegamos ao Monte Zion. Ali, jaz uma nova confluência do sagrado que, para não variar, envolve as três grandes religiões abrâamicas.

O Monte Zion concentra uma mistura eclética de monumentos e histórias: num campo apenas bíblico, é o lugar do túmulo de David, acolheu a Última Ceia (ali se situa o Cenáculo) e o sono eterno da Virgem Maria.

Jerusalem, deus, Israel, Monte Zion

Panorâmica do Monte Zion, uma outra zona bíblica de Jerusalém.

Menos antigo que as personagens anteriores mas eternamente heróico para os judeus e para o mundo, também Oskar Schindler ali repousa.

Do cimo de Zion, fazemo-nos ao vale de Kidron (de que faz parte o vale de Jehoshaphat) é a secção mais antiga de Jerusalém com vestígios arqueológicos que datam de há mais de quatro milénios.

No fim de uma caminhada solitária pelos arrabaldes ressequidos e profundos de Jerusalém em que terá sido fundada a legendária Cidade de David, deparamo-nos com os túmulos atribuídos a Absalão (terceiro filho de David) e do profeta Zacarias.

Jerusalem, deus, Israel, templos Vale de Kidron

Templo de Absalão numa encosta do Vale d

E o Monte das Oliveiras. Bíblico e Panorâmico como Nenhum Outro

Na base da sua encosta, destacam-se a Igreja de Todas as Nações e o Jardim de Getsemani. Logo ao lado, numa gruta lutuosa, surge o túmulo da Virgem Maria, outro lugar entregue a crentes cristãos que nele renovam a sua fé e comoção.

Também o Monte das Oliveiras se mostra prolífico em lugares e monumentos bíblicos. Na base da sua encosta destacam-se a Igreja de Todas as Nações e o Jardim de Getsemani. Logo ao lado, numa gruta lutuosa, surge o túmulo da Virgem Maria,

Já a meia vertente, vislumbramos o brilho das três cúpulas douradas da Igreja Russa Ortodoxa de Maria Madalena, construída, em 1888, por Alexandre III, em memória da sua mãe.

Jerusalem, deus, Israel, mosteiro Maria Madalena

Mosteiro de Maria Madalena entre ciprestes da encosta do Monte das Oliveiras

O cemitério judeu ocupa uma boa parte do Monte das Oliveiras.

Aumentado desde tempos bíblicos pelo desejo dos judeus de estar em Jerusalém no Dia do Julgamento, o seu lego infindável de jazigos de rocha cortada forma uma paisagem mortuária autónoma, comparável apenas – mesmo se bem mais marcante – ao cemitério muçulmano adjacente à muralha leste de Solimão.

Anoitece quando admiramos o casario amarelado e irregular da Cidade Santa a partir de um miradouro no cimo do Monte das Oliveiras. A cada minuto que passa, o ocaso doura mais Jerusalém.

Ao mesmo tempo, um grupo de judeus haredim, todos trajados a rigor, prossegue com um encontro entre os túmulos homogeneizados dos seus antepassados. A visão serve-nos de preâmbulo visual da cidade.

Confere-lhe algum misticismo adicional que apreciamos com forte deslumbre até a noite cair e Jerusalém ficar entregue ao Deus que todos os seus moradores e peregrinos veneram.

Jerusalém deus, Israel, cidade dourada

Jerusalém, disposta para lá das velhas muralhas mandadas reerguer pelo sultão otomano Suleiman I, a partir de 1537.

O regresso a Jerusalém foi e é, para muitos judeus, a melhor compensação da diáspora possível.

Mesmo assim, um passado com cerca de três mil anos provou e voltou a provar que, na Cidade Santa, a história é sempre controversa.

Nunca acaba de ser escrita.

Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem a Via Dolorosa, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.
Jerusalém, Israel

Em Festa no Muro das Lamentações

Nem só a preces e orações atende o lugar mais sagrado do judaísmo. As suas pedras milenares testemunham, há décadas, o juramento dos novos recrutas das IDF e ecoam os gritos eufóricos que se seguem.
Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.
Massada, Israel

Massada: a Derradeira Fortaleza Judaica

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Massada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
Jaffa, Israel

Protestos Pouco Ortodoxos

Uma construção em Jaffa, Telavive, ameaçava profanar o que os judeus ultra-ortodoxos pensavam ser vestígios dos seus antepassados. E nem a revelação de se tratarem de jazigos pagãos os demoveu da contestação.
Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.
Monte Sinai, Egipto

Força nas Pernas e Fé em Deus

Moisés recebeu os Dez Mandamentos no cume do Monte Sinai e revelou-os ao povo de Israel. Hoje, centenas de peregrinos vencem, todas as noites, os 4000 degraus daquela dolorosa mas mística ascensão.
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
Pirenópolis, Brasil

Cruzadas à Brasileira

Os exércitos cristãos expulsaram as forças muçulmanas da Península Ibérica no séc. XV mas, em Pirenópolis, estado brasileiro de Goiás, os súbditos sul-americanos de Carlos Magno continuam a triunfar.
Guwahati, India

A Cidade que Venera Kamakhya e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Parada e Pompa
Cerimónias e Festividades
São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
Cidades
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Igreja Ortodoxa de Bolshoi Zayatski, ilhas Solovetsky, Rússia
Cultura
Bolshoi Zayatsky, Rússia

Misteriosas Babilónias Russas

Um conjunto de labirintos pré-históricos espirais feitos de pedras decoram a ilha Bolshoi Zayatsky, parte do arquipélago Solovetsky. Desprovidos de explicações sobre quando foram erguidos ou do seu significado, os habitantes destes confins setentrionais da Europa, tratam-nos por vavilons.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Devils Marbles, Alice Springs a Darwin, Stuart hwy, Caminho do Top End
Em Viagem
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Étnico
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Buraco Azul, ilha de Gozo, Malta
História
Gozo, Malta

Dias Mediterrânicos de Puro Gozo

A ilha de Gozo tem um terço do tamanho de Malta mas apenas trinta dos trezentos mil habitantes da pequena nação. Em duo com o recreio balnear de Comino, abriga uma versão mais terra-a-terra e serena da sempre peculiar vida maltesa.
Ocaso, Santo Antão, Cabo Verde
Ilhas
Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda

Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Ilha do Principe, São Tomé e Principe
Natureza
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
bandeira argentina no lago-glaciar perito moreno-argentina
Parques Naturais
Perito Moreno, Argentina

O Glaciar Que Resiste

O aquecimento é supostamente global mas não chega a todo o lado. Na Patagónia, alguns rios de gelo resistem.De tempos a tempos, o avanço do Perito Moreno provoca derrocadas que fazem parar a Argentina
Teleférico de Sanahin, Arménia
Património Mundial UNESCO
Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Personagens
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
Tambores e tatoos
Praias
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
Camponesa, Majuli, Assam, India
Religião
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre Carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Tombola, bingo de rua-Campeche, Mexico
Sociedade
Campeche, México

Um Bingo tão lúdico que se joga com bonecos

Nas noites de sextas um grupo de senhoras ocupam mesas do Parque Independencia e apostam ninharias. Os prémios ínfimos saem-lhes em combinações de gatos, corações, cometas, maracas e outros ícones.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
PN Tortuguero, Costa Rica, barco público
Vida Selvagem
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
EN FR PT ES