Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus


Cidade dourada
Jerusalém, disposta para lá das velhas muralhas mandadas reerguer pelo sultão otomano Suleiman I, a partir de 1537.
Jogos de poder
Habitantes árabes palestinianos jogam gamão numa ruela da cidade velha.
Nas profundezas da religião
Crente investiga velhas escrituras em frente ao Kotel, o famoso Muro das Lamentações do judaismo.
Lenços árabes
Mulheres palestinianas percorrem uma rua do bairro Árabe, em plena Cidade Velha de Jerusalém.
Preces e lamentos
Fieis ultra-ortodoxos trajados a rigor oram de frente para o Muro das Lamentações.
O casario da discórdia
A Porta de Damasco ao anoitecer, com o casario dos vários bairros da Cidade Velha de Jerusalém a preencher por completo o interior das muralhas.
Equilíbrio frágil
Jovem árabe segura um tabuleiro com chás e outras bebidas num café árabe da Cidade Velha.
Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.

O lento entardecer apresta-se a encerrar mais uma Sexta-Feira de Verão, quando a sirene longa e grave do sabat ecoa pela Cidade Velha e assina o início do descanso obrigatório.

Movida pela sua fé e identidade religiosa, uma multidão judaica desce as ruas labirínticas e apertadas de Jerusalém. O movimento faz oscilar os tzizits (franjas de cordão) das ancas dos fiéis haredim (a que se usa chamar ultra-ortodoxos).

E o mesmo acontece aos peot, os cabelos encaracolados que lhes pendem das têmporas como que a querer escapar à clausura das quipás e da panóplia de chapéus (borsalinos, fedoras, shtreimels, kolpiks, trilbys etc) que coroam as suas vestimentas típicas, consoante a origem geográfica de cada seita.

As mulheres acompanham a curta peregrinação, degrau atrás de degrau, em vestidos simples mas com todas as extremidades compridas, como aconselha a conduta tzniut que requer modéstia de aparência e comportamento.

Não tardamos a confirmar a importância do negro para os ultraortodoxos, a sua cor da severidade que denota o receio pelo céu de quem o traja, o respeito por Deus e pela vida e o repúdio total da frivolidade.

À medida que o tempo passa, revela-se predominante nos longos trajes  (bekishes, kapotehs e rekels) que se agrupam na secção masculina do Muro das Lamentações (Kotel como preferem que se lhe chame os judeus) mas não afecta a onda de festejo e comoção generalizada que confronta a mudez milenar das suas gigantescas pedras e toma conta do lugar.

O Muro das Lamentações em Festa

De cada uma das entradas, afluem mais e mais judeu solidários à praça contígua, predispostos a renovar as sua crenças religiosas ou a comemorar o triunfo do sionismo. Chegam grupos eufóricos de jovens soldados das IDF – Israel Defense Forces – fardados de verde-azeitona.

Juntam-se-lhes estudantes yeshivá, de folga dos seus estudos da tora e do talmude.

Segundo o quarto mandamento das escrituras hebraicas, o sabat sugere a veneração do compromisso de Deus perante o povo de Israel (Exodus 31:13-17), a celebração do dia em que descansou depois de ter completado a Criação (Exodus 20:8-11) e o fim dos sete dias semanais de escravatura a que os Israelitas estiveram submetidos no Egipto (Deuteronómio 5:12-15) até ao resgate conduzido por Moisés.

De forma multifacetada e até contrastante, estas determinações são cumpridas à risca. Impressionam-nos como a qualquer gentio que se veja a acompanhar estes acontecimentos.

Numa primeira frente, alguns haredim baloiçam-se junto ao muro, ou a ele se agarram e chegam a beijá-lo no seu esforço incondicional de invocação divina. Essa linha é seguida de outras em que, instalados em cadeiras, também munidos de livros de oração, os haredim – e ocasionais hadis (crentes convencionais) repetem as preces divinas.

O som que emitem funde-se com o de muitas conversas paralelas. Gera um zunido que serve de fundo à folia protagonizada mais atrás por soldados e estudantes.

Abraçados, estes formam uma roda em que dançam e cantam em coro ou à desgarrada, sob o ondular vitorioso da bandeira de Israel.

A Origem Milenar e Complexa do Muro das Lamentações

Há cerca de 2000 anos, os construtores do Muro Ocidental nunca poderiam ter previsto ou compreendido que a sua modesta criação seria promovida ao mais importante santuário religioso do povo judeu.

Parte de um projecto ordenado por Herodes cerca de vinte anos antes do nascimento de Cristo, para agradar a César, o muro contribuiu para a remodelação do Segundo Templo – construído por Ciro II da Pérsia no mesmo local em que existira o Templo de Salomão.

Essa remodelação foi considerada por muitos judeus uma profanação já que desrespeitava o modelo revelado por Deus a David, o segundo rei do Reino Unido de Israel.

A profanação provou-se apenas uma das agruras que os judeus tiveram que suportar sob o jugo romano. Quando Titus Flavius esmagou a primeira das suas revoltas contra o império, no ano 70 d.C., o templo e as três muralhas que o protegiam foram devastados. Tal como o foi grande parte de Jerusalém.

Alguns anos depois, Adriano (o sucessor de Titus Flavius) deu à cidade o nome de Aelia Capitolina. Condenou os judeus uma vez mais ao exílio.

A destruição do templo e a renovação da diáspora – substanciada ao longo dos séculos pela invasão de sucessivos povos do que fora a sua pátria condenou a vida religiosa judaica a uma era de caos. Para muitos, essa era só terminou com a fundação do estado de Israel.

Em 617 d.C., os Persas tomaram a cidade aos romanos. Perante uma iminente revolta cristã, permitiram que os Judeus voltassem a governar por três anos.

Nesse período, os regressados evitaram a área do Monte do Templo com receio de pisar o seu sanctum sanctorum, acessível apenas aos altos sacerdotes. De acordo com os textos rabínicos entretanto compilados, a Sechina, (presença divina) nunca teria desertado as ruínas do muro exterior. De acordo, os fiéis fizeram delas o seu santuário.

Passaram a ali orar.

A Era Muçulmana que Desenraizou os Judeus. E a Controversa Cúpula da Rocha

Duas décadas depois, a cidade rendeu-se aos exércitos do Califa Omar. Por quatrocentos e sessenta e dois anos, os desígnios da cidade ficaram entregues aos muçulmanos. Entre 688 e 691, muçulmanos ergueram a Cúpula da Rocha com o propósito de proteger uma laje que era sagrada tanto para o Islão como para o judaísmo.

Segundo os textos do Corão, a Cúpula da Rocha estaria no local de que o profeta Maomé teria partido em direcção ao céu, para ocupar o seu lugar ao lado de Alá. Jerusalém é, por essa razão, a terceira cidade mais sagrada, a seguir a Meca e a Medina.

De acordo com as escrituras judaicas, a Cúpula da Rocha seria mesmo o centro do mundo, o sítio exacto em que Abraão se preparou para sacrificar um dos seus filhos.

Os propósitos do mentor da obra, o califa Abd al-Malik revelaram-se tão pios como estratégicos. A sacralização de Jerusalém tornara-se, havia muito, tripartida. Preocupava-o, sobretudo, que a crescente influência dos cristãos e da Basílica do Santo Sepulcro, seduzisse as mentes árabes.

O governador ordenou, assim, que fosse usada como modelo a sua rotunda mas não os interiores lúgubres e as fachadas austeras de pedra.

Em vez disso, decorou a mesquita com mosaicos resplandecentes e versos do Corão, enquanto a cúpula foi coberta de ouro sólido para que brilhasse como um farol para o Islão.

Em termos visuais, o objectivo foi conseguido. Séculos depois, a estrutura dourada continua a sobressair do casario de pedra da Cidade Velha. Malgrado a supremacia político-militar do estado judaico, a Cúpula da Rocha é, hoje, um dos grandes símbolos de Jerusalém e um dos edifícios mais fotografados à face da Terra.

Sobressai como nenhum outro edifício da cidade na panorâmica a partir do Monte das Oliveiras.

A Ascensão do Cristianismo e as Sucessivas Cruzadas

Cerca de um milénio após nascimento do seu messias em Belém o Cristianismo tinha-se expandido. Transformou-se numa religião sólida, com sede em Roma, ramificada por inúmeros reinos e territórios crentes, do Médio Oriente ao extremo ocidental da Europa.

Nesse tempo, Jerusalém passara a ser vista como santa também pelos cristãos. De acordo, viajaram dos quatro cantos da Europa exércitos cruzados multinacionais, em múltiplas vagas. Animava-os a reconquista sagrada aos muçulmanos.

As suas conquistas nunca resistiram por muito tempo às respostas avassaladoras do Islão. E, com a queda de Acre, em 1291, a Terra Santa voltou a passar para mãos “infiéis”.

Seguiu-se a integração no Império Otomano (1516) que durou até ao fechar da 1ª Guerra Mundial. Durante esse longo período, o muro – que coexistiu no Monte do Templo com a Cúpula da Rocha – tornou-se num lugar de peregrinação que os judeus visitavam para lamentar a sua antiga perda.

Assim se vulgarizou como “das Lamentações”.

Mas o desenrolar da epopeia estava longe de ficar por aí. Nos anos vindouros, os povos e religiões que partilharam e disputaram Jerusalém continuaram a cruzar-se na história.

Como víamos acontecer, dia após dia, nas suas ruas.

O Mausoléu Cristão da Basílica do Santo Sepúlcro

Enquanto a Cúpula da Rocha brilha na companhia da mesquita Al-Aqsa e o Muro Ocidental recebe incontáveis lamentos, o local mais sagrado do Cristianismo na Cidade Velha, a Basílica do Santo Sepulcro, passou os séculos retirado na memória pungente das últimas horas de Jesus.

Desde bem cedo (abre ao público às 4.30 da manhã), peregrinos vindos dos quatro cantos do mundo entram na sua complexa e sombria estrutura determinados a ali louvarem o sacrifício do messias.

Vêmo-los benzerem-se e aos seus mais distintos objectos, debruçados sobre a Pedra da Unção, a laje em que o corpo de Cristo foi preparado para a sepultura por José de Arimatéia, o senador judeu que conseguiu de Pilatos autorização para o remover da cruz.

Logo, sobem uma pequena escadaria e acedem ao Monte Calvário. Lá encontram o Gólgota (o suposto local da crucificação) e, numa pequena capela Grega, a pedra que sustentou a cruz.

Já na imponente rotunda da basílica, alinham-se numa fila sob o olhar profundo de sacerdotes ortodoxos e esperam pela sua vez de vislumbrar o Altar da Crucificação.

A Complexidade Profundidade Histórica de Jerusalém

Como a Basílica do Santo Sepulcro – que é muito maior do que as fachadas deixam antever – também Jerusalém nos engana quanto à sua dimensão e riqueza.

Passaram-se cinco ou seis dias sem que a Cidade Velha esteja condignamente explorada e antes que percebamos a dimensão do que há para descobrir em redor.

A maior parte dos visitantes acede ao interior das muralhas de Solimão através da Porta de Jaffa. É a mesma porta que o General Edmund Allemby cruzou ao consumar o triunfo dos aliados sobre o Império Otomano na 1ª Guerra mundial.

Pouco antes de, entre muitas declarações sensatas e algumas fanfarronices, proclamar um incendiário: “Hoje, as Cruzadas terminaram”. Por alguma razão ficou para a história como o Bloody Bull. 

Da Porta de Jaffa, é sempre a descer para qualquer lugar dos quatro bairros no interior: o Judeu, o Arménio (o mais pequeno), o Muçulmano e o Cristão. Constatamos que cada um destes bairros tem a sua própria vida e dinâmica.

E, com excepção para a confusa intersecção entre o Cristão e o Muçulmano, parecem-nos fáceis de identificar, sobretudo o Judeu que constitui um verdadeiro mundo à parte.

Do Apelo Sionista de Theodor Herzl à Declaração da Independência de Israel

No virar do século XX, o movimento sionista inspirado pelo jornalista judaico austro-húngaro Theodor Herzl impulsionava como nunca o retorno da Diáspora à Palestina. A população ali instalada ascendia a quase 20.000 pessoas. O bairro judeu nunca foi integramente judaico.

Ao invés, parte significativa dos domicílios e lojas eram alugadas pelos seus ocupantes a waqfs, propriedades muçulmanas com fins religiosos e caridosos.

A 14 de Maio de 1948, um dia antes do fim do Mandato Britânico da Palestina, Israel declarou a independência.

Foi, de imediato, atacado por várias nações muçulmanas naquela que ficou conhecida pela Guerra Árabe-Israelita ou Guerra da Independência.

Os cerca de 2000 judeus que resistiam ao agravar do conflito no bairro judeu foram cercados. Viram-se forçados a partir expulsos pelas tropas jordanas.

A Guerra dos Seis Dias que Devolveu Jerusalém aos Judeus

Nessa altura, a Cidade Velha ficou do lado de lá da linha de demarcação. O bairro permaneceu sob jurisdição jordana até à Guerra dos Seis Dias, de 1967, quando um exército israelita determinado e fortemente armado conquistou toda a Cidade Velha e destruiu o bairro Mughrabi (marroquino), contíguo ao Muro Ocidental.

Na ressaca, seriam ainda expropriados, despejados cerca de 6.000 habitantes muçulmanos. Em 1969, as autoridades sionistas estabeleceram a Jewish Quarter Development Company, com o fim de reconstruir o antigo bairro judeu.

Como consequência, ao contrário dos vizinhos a norte, o Bairro Judeu é, à sua maneira, moderno e, acima de tudo, residencial, erguido em pedra nova, dotado de recreios para as crianças, infra-estruturas para cadeiras de rodas e de uma ou outra tecnologia de segurança bem disfarçada pelo visual aparentemente histórico.

Outra diferença que detectamos em três tempos é que é vivido e percorrido quase só pela comunidade hebraica e por visitantes estrangeiros. Exploramo-lo com o intuito de absorvermos o mais genuíno misticismo judaico nas suas ruas e sinagogas (especialmente a Hurva e a Ramban).

Também determinados a devorarmos os deliciosos snacks dos bares residentes: as pitas shoarmas, húmus e falafel, para mencionarmos apenas os mais populares.

A Nova Miscelânea de Sagrado do Monte Zion

Deixamos o Bairro Judeu. Atravessamos o Arménio, cruzamos a Porta de Zion e chegamos ao Monte Zion. Ali, jaz uma nova confluência do sagrado que, para não variar, envolve as três grandes religiões abrâamicas.

O Monte Zion concentra uma mistura eclética de monumentos e histórias: num campo apenas bíblico, é o lugar do túmulo de David, acolheu a Última Ceia (ali se situa o Cenáculo) e o sono eterno da Virgem Maria.

Menos antigo que as personagens anteriores mas eternamente heróico para os judeus e para o mundo, também Oskar Schindler ali repousa.

Do cimo de Zion, fazemo-nos ao vale de Kidron (de que faz parte o vale de Jehoshaphat) é a secção mais antiga de Jerusalém com vestígios arqueológicos que datam de há mais de quatro milénios.

No fim de uma caminhada solitária pelos arrabaldes ressequidos e profundos de Jerusalém em que terá sido fundada a legendária Cidade de David, deparamo-nos com os túmulos atribuídos a Absalão (terceiro filho de David) e do profeta Zacarias.

E o Monte das Oliveiras. Bíblico e Panorâmico como Nenhum Outro

E, para não fugir à regra, também o Monte das Oliveiras se prova prolífico em lugares e monumentos bíblicos.

Na base da sua encosta, destacam-se a Igreja de Todas as Nações e o Jardim de Getsemani. Logo ao lado, numa gruta lutuosa, surge o túmulo da Virgem Maria, outro lugar entregue a crentes cristãos que nele renovam a sua fé e comoção.

Também o Monte das Oliveiras se mostra prolífico em lugares e monumentos bíblicos. Na base da sua encosta destacam-se a Igreja de Todas as Nações e o Jardim de Getsemani. Logo ao lado, numa gruta lutuosa, surge o túmulo da Virgem Maria,

Já a meia vertente, vislumbramos o brilho das três cúpulas douradas da Igreja Russa Ortodoxa de Maria Madalena, construída, em 1888, por Alexandre III, em memória da sua mãe.

O cemitério judeu ocupa uma boa parte do Monte das Oliveiras. Aumentado desde tempos bíblicos pelo desejo dos judeus de estar em Jerusalém no Dia do Julgamento, o seu lego infindável de jazigos de rocha cortada forma uma paisagem mortuária autónoma, comparável apenas – mesmo se bem mais marcante – ao cemitério muçulmano adjacente à muralha leste de Solimão.

Anoitece quando admiramos o casario amarelado e irregular da Cidade Santa a partir de um miradouro no cimo do Monte das Oliveiras. A cada minuto que passa, o ocaso doura mais Jerusalém.

Ao mesmo tempo, um grupo de judeus haredim, todos trajados a rigor, prossegue com um encontro entre os túmulos homogeneizados dos seus antepassados. A visão serve-nos de preâmbulo visual da cidade.

Confere-lhe algum misticismo adicional que apreciamos com forte deslumbre até a noite cair e Jerusalém ficar entregue ao Deus que todos os seus moradores e peregrinos veneram.

O regresso a Jerusalém foi e é, para muitos judeus, a melhor compensação da diáspora possível.

Mesmo assim, um passado com cerca de três mil anos provou e voltou a provar que, na Cidade Santa, a história é sempre controversa.

Nunca acaba de ser escrita.

Guwahati, India

A Cidade que Venera Kamakhya e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.

Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.

Massada, Israel

Massada: a Derradeira Fortaleza Judaica

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Massada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
Jerusalém, Israel

Em Festa no Muro das Lamentações

Nem só a preces e orações atende o lugar mais sagrado do judaísmo. As suas pedras milenares testemunham, há décadas, o juramento dos novos recrutas das IDF e ecoam os gritos eufóricos que se seguem.
Jaffa, Israel

Protestos Pouco Ortodoxos

Uma construção em Jaffa, Telavive, ameaçava profanar o que os judeus ultra-ortodoxos pensavam ser vestígios dos seus antepassados. E nem a revelação de se tratarem de jazigos pagãos os demoveu da contestação.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Parques nacionais
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Arquitectura & Design
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Indígena Coroado
Cerimónias e Festividades
Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes da Venezuela em Fiesta

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.
Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Cidades
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Transbordo
Cultura

Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.

Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Teleférico que liga Puerto Plata ao cimo do PN Isabel de Torres
Em Viagem
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Camponesa, Majuli, Assam, India
Étnico
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Torshavn, Ilhas Faroe, remo
História
Tórshavn, Ilhas Faroé

O Porto Faroês de Thor

É a principal povoação das ilhas Faroé desde, pelo menos, 850 d.C., ano em que os colonos viquingues lá estabeleceram um parlamento. Tórshavn mantém-se uma das capitais mais diminutas da Europa e o abrigo divinal de cerca de um terço da população faroense.
Windward Side, Saba, Caraíbas Holandesas, Holanda
Ilhas
Saba, Holanda

A Misteriosa Rainha Holandesa de Saba

Com meros 13km2, Saba passa despercebida até aos mais viajados. Aos poucos, acima e abaixo das suas incontáveis encostas, desvendamos esta Pequena Antilha luxuriante, confim tropical, tecto montanhoso e vulcânico da mais rasa nação europeia.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Maori haka, Waitangi Treaty Grounds, Nova Zelândia
Natureza
Bay of Islands, Nova Zelândia

O Âmago Civilizacional da Nova Zelândia

Waitangi é o lugar chave da Independência e da já longa coexistência dos nativos maori com os colonos britânicos. Na Bay of Islands em redor, celebra-se a beleza idílico-marinha dos antípodas neozelandeses mas também a complexa e fascinante nação kiwi.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Nuvem lenticular, Mount Cook, Nova Zelândia
Parques Naturais
Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.
Comunismo Imperial
Património Mundial UNESCO

Hué, Vietname

A Herança Vermelha do Vietname Imperial

Sofreu as piores agruras da Guerra do Vietname e foi desprezada pelos vietcong devido ao passado feudal. As bandeiras nacional-comunistas esvoaçam sobre as suas muralhas mas Hué recupera o esplendor.

Verificação da correspondência
Personagens
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Pura Vida em risco
Praias

Montezuma, Costa Rica

Um Recanto Abnegado da Costa Rica

A partir dos anos 80, Montezuma acolheu uma comunidade cosmopolita de artistas, ecologistas, pós-hippies, de adeptos da natureza e do famoso deleite costariquenho. Os nativos chamam-lhe Montefuma.

igreja, nossa senhora, virgem, guadalupe, mexico
Religião
San Cristobal de las Casas a Campeche, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Nossa Senhora de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.
Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Magome a Tsumago, Nakasendo, Caminho Japão medieval
Sociedade
Magome-Tsumago, Japão

Magome a Tsumago: o Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o xogum Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é percorrido por uma turba ansiosa por evasão.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Vida Selvagem
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.