Amesterdão, Holanda

De Canal em Canal, numa Holanda Surreal


Canal Oudezids
Amigos descontraem à beira do canal de Oudezids, em pleno Red Light District de Amesterdão.
Red Light District, Néons Vermelho
As luzes escarlates do Sex Palace um dos estabelecimentos sexuais da Red Light District.
Moto-Banquete
Decoração de um edifício nas imediações do Rijzksmuseum com uma ilustração de "Banquete da Guarda Civil de Amesterdão em Celebração da Paz de Munster" de Bartholo
Reflexo da história
Barco de recreio e tours entra no canal de Oudezids e na zona mais antiga de Amesterdão.
I am
Residente passa junto a uma das famosas assinaturas de design da cidade "
Esquina de Coffee Shop
Transeuntes contornam a Baba coffee shop, uma de muitas em Amesterdão.
Sombras
Transeuntes aglomerados na base da estátua do Memorial Nacional, na praça Dam.
Moradas elegantes
Vista do casario histórico de Amesterdão a partir do cimo da torre da Oudeskerk, a sua igreja e o seu edifício mais antigo.
Numa Ronda Diurna
Visitante de Amesterdão posa junto dos mosqueteiros na base da estátua do pintor Rembrandt van Rijn, da autoria de Louis Royer que se inspirou numa das obras mais famosas do pintor "A Ronda Nocturna".
Inclinação Criativa
Visitantes descem a rampa de um jardim inclinado nas imediações do Museu van Gogh.
Um Logro Mortal
Aviso disperso pela cidade alerta para o perigo da droga falsa e potencialmente mortal vendida por dealers enganados ou sem escrúpulos.
Canal de lazer II
Amigos conversam entre um canal e uma sex shop do Red Light District.
Escalada cultural
Visitantes do Rijksmuseum de Amesterdão trepam as letras de uma das famosas sinaléticas
Amesterdão Peculiar
Linha de fachadas de casas históricas nas imediações da Grand Central Station de Amesterdão.
Vincent
Crianças passam em frente de um painel ilustrado com a face de Vincent van Gogh que delimita obras de melhoramento do museu que foi dedicado à sua vida e obra.
Últimos preparativos
Empregada prepara-se para abrir as portas de um bar na zona mais antiga de Amesterdão.
Liberal no que a drogas e sexo diz respeito, Amesterdão acolhe uma multidão de forasteiros. Entre canais, bicicletas, coffee shops e montras de bordéis, procuramos, em vão, pelo seu lado mais pacato.

Durante um de vários pequenos-almoços à conversa, Michiel van Os, antigo docente universitário conceituado de história responde-nos com comoção contida e algum saudosismo: “eu reformei-me exactamente no famoso 11 de Setembro 2001.

Durante o meu discurso de despedida, as pessoas pareciam algo agitadas mas só me contaram o que se tinha passado no fim do dia”.

René, a esposa, terminou a carreira de juiz um mês depois.

Não que se pudesse comparar ao cataclismo terrorista que arrasou as Torres Gémeas mas, por essa altura, o prédio em que viviam sofria os seus próprios danos estruturais, causados pelo afundamento do solo alagado em que há muito se havia instalado Amesterdão.

Linha de fachadas de casas históricas nas imediações da Grand Central Station de Amesterdão.

Cada vez mais afectados também pela exigência das escadarias que tinham que vencer no dia-a-dia, os van Os encontraram uma alternativa mais que condigna no último andar duplex de um prédio do início do séc. XVII.

Encantou-os a sua arquitectura histórica e a localização junto ao bairro de Jordaan, em frente à Westerkerk e à casa-museu de Anne Frank.

O casal partilhou o privilégio de ali passar a viver, num domicílio elegante com muito de antiquário e de biblioteca, expressões harmoniosas de duas óbvias paixões, a leitura e o antigo.

Decoração de um edifício nas imediações do Rijzksmuseum com uma ilustração de “Banquete da Guarda Civil de Amesterdão em Celebração da Paz de Munster” de Bartholo

Nós, devido a relações quase familiares, vimo-nos prendados com alguns dias de acolhimento bondoso no seu lar secular. Há muito que não intuíamos o passar do tempo como por lá.

De noite, embalam-nos os tique-taques de relógios vetustos, de corda e de cuco. Em simultâneo – ou quase – o tocar dos sinos de diversas igrejas em redor.

O Passado Pungente de Anne Frank e Família

De dia, inspeccionávamos a enorme fila de visitantes da casa de Anne Frank que, como uma espécie de ampulheta humana, víamos fluir do lado de lá do canal de Keisergracht, a partir da janela ampla do piso inferior do domicílio.

Durante a nossa estadia em Amesterdão, notícias frescas relataram que Annelies Marie Frank – o seu nome completo – teria sucumbido dois meses antes da data em que a sua morte ficou para a história, vítima de fome e de tifo, no campo de concentração alemão de Bergen Belsen.

Hoje, num sacrifício paciente e apenas simbólico, centenas de pessoas esperam ao frio e à chuva para espreitarem o esconderijo que a família Frank construiu por detrás de uma estante no edifício em que o pai de Anne trabalhava.

O abrigo serviu os propósitos até que foram atraiçoados, capturados e se juntaram aos milhões de vítimas do Holocausto.

Os bilhetes para visitar aquele esconderijo lúgubre estavam esgotados para vários dias.

A Proliferação das Incontornáveis Coffee Shops

Como tal, passamos pela porta do edifício, prosseguimos para explorar o coração do bairro em tempos operário de Jordaan: o seu casario funcional e, ao longo dos canais, os barcos-casa elegantes em que milhares de amesterdaneses se habituaram a viver.

Canal de Lazer

Amigos descontraem à beira do canal de Oudezids, em pleno Red Light District de Amesterdão.

Caminhamos pelo limiar do anel histórico e turístico da cidade.

Por ali, as coffee shops sucediam-se em bom número. Conferem às ruas e ruelas um aroma excêntrico com que só as frequentes casas de gaufres concorriam.

Muitos moradores queixavam-se de que as primeiras lhes empestavam as casas.

Painéis electrónicos disseminados pela cidade alertavam para o perigo que os dealers de rua representam em Amesterdão: “Heroína Branca Vendida como Cocaína. Novembro passado, morreram três turistas.”

Aviso disperso pela cidade alerta para o perigo da droga falsa e potencialmente mortal vendida por dealers enganados ou sem escrúpulos.

Um Cómico-Drama Protagonizado pela Morte

Acabamos por nos cruzar com a morte, de forma ainda mais imprevista.

Descansávamos na praça Dam, nas imediações de homens-estátua e outros personagens móveis, daqueles que ganham a vida a impingir fotografias com os transeuntes.

Transeuntes aglomerados na base da estátua do Memorial Nacional, na praça Dam.

Entre eles, destacavam-se três ceifadeiras embrulhadas em túnicas negras, com máscaras de caveiras e munidas de gadanhas de plástico. Acredite-se ou não, estas empresárias macabras recrutavam interessados em grande número.

Um deles, de meia idade, aspecto e postura de rufia, fez a sua foto mas recusou-se a pagá-la. Discussão puxa discussão, eram já três as Mortes que, aliadas, se atiçavam ao homem.

Este, mais que em boa saúde, em óptima forma, recuava mas, enquanto respondia verbalmente, também ripostava de punhos erguidos.

A cena durou vários minutos, até que a polícia apareceu e pôs fim àquela que rotulámos como a briga mais mórbida e absurda que alguma vez presenciámos.

O Trânsito Ciclista Frenético de Amesterdão

Vamos para onde formos, o trânsito prova-se tão organizado quanto possível.

Ainda assim, muitas das ruas estreitas que ladeiam os canais são partilhadas por carros, autocarros, eléctricos, motociclos, bicicletas e pedestres, os residentes e milhares de forasteiros que, pela semana da Páscoa, chegaram de todos os lados.

Percorrê-las ou atravessá-las sem incidentes requer uma concentração permanente e uma gestão de movimentos perfeita. Nem assim, a coisa corria sempre bem.

Empregada prepara-se para abrir as portas de um bar na zona mais antiga de Amesterdão.

René, por exemplo, ainda se queixava de dores por um qualquer veículo todo-terreno lhe ter recentemente passado sobre um pé.

Chegamos ao núcleo histórico de Amesterdão com a noite a cair, meio enregelados. A salvo de incidentes.

O Controverso Red Light District de Amesterdão

Como é suposto, espreitamos o seu libidinoso Red Light District.

Imbuída da democracia pura e dura de que a Holanda tanto se orgulha, a cidade discutia, havia já bastante tempo, a permanência das prostitutas nas montras dos bordéis.

Enquanto isso, hordas de turistas, muitos deles só sexuais, avaliavam os seus encantos.

Outros, meros curiosos, tentavam fotografar as mulheres expostas mesmo contra a sua expressa vontade.

Amigos conversam entre um canal e uma sex shop do Red Light District.

Um aviso numa montra quase a paredes meias com a igreja protestante de Oude Kerk – o edifício e a igreja mais antiga de Amesterdão – com 800 anos alertava, em inglês: “As trabalhadoras do sexo não querem ser fotografadas. Não tire fotografias às janelas.”

E o Complexo Direito à Privacidade das Mulheres atrás das Vitrines

O website pic-amsterdam.com (PIC de Prostitute Information Center) que, fundado pela meretriz Mariska Majoor, promovia tours pelo Red Light District, workshops e outros negócios e iniciativas, complementava o alerta: ”o desrespeito pode dar origem a situações problemáticas para si e para a sua câmara.

Lembre-se que muitas trabalhadoras do sexo levam uma vida dupla. As fotografias representam um perigo já que podem ser vistas por conhecidos ou invadirem a sua privacidade de outras formas”.

Red Light District

As luzes escarlates do Sex Palace um dos estabelecimentos sexuais da Red Light District.

Mesmo assim, de quando em quando, em vez dos convencionais piscares de olho e outros esquemas mais arrojados de sedução de clientes, vemos e ouvimos mulheres escarlates ou arroxeadas baterem com as mãos com toda a força nos vidros.

Ou saírem para o exterior e intimidarem os infractores com gritos enfurecidos e uma colecção de impropérios.

Também ouvimos narrativas impressionantes de perseguições protagonizadas tanto por elas como pelos proxenetas.

A Exuberância Civilizacional de Amesterdão e a Contribuição dos Judeus Expulsos da Ibéria

Na tarde seguinte, ascendemos ao cimo torre do campanário da Oude Kerk.

Daquele topo, apreciamos a 360º o casario antigo a perder de vista em grande parte poupado durante a 2ª Guerra Mundial – seria o porto de Roterdão a cidade holandesa mais fustigada.

Vista do casario histórico de Amesterdão a partir do cimo da torre da Oudeskerk, a sua igreja e o seu edifício mais antigo.

Durante a subida da escadaria escura, o guia lembra-nos que a cidade e a Holanda beneficiaram sobremaneira por terem acolhido os judeus expulsos da Ibéria pela Inquisição e que subsistem muitos seus habitantes com apelidos portugueses ou hispânicos.

Ainda nos impinge que Portugal só não é parte da Espanha graças à Holanda. “Como é isso?” perguntamos intrigados a dobrar pela total ausência de contexto histórico da premissa.

“É que se não fosse a luta que nós lhes demos na Guerra dos Oitenta Anos, vocês não se tinham conseguido livrar dos Filipes.”

“Ah, OK! Bem visto, bem visto!” apoiamo-lo sem reservas.

Residente passa junto a uma das famosas assinaturas de design da cidade

Saba, Holanda

A Misteriosa Rainha Holandesa de Saba

Com meros 13km2, Saba passa despercebida até aos mais viajados. Aos poucos, acima e abaixo das suas incontáveis encostas, desvendamos esta Pequena Antilha luxuriante, confim tropical, tecto montanhoso e vulcânico da mais rasa nação europeia.
Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
Juneau, Alasca

A Pequena Capital do Grande Alasca

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta pequena capital que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.
São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
Stavanger, Noruega

A Cidade Motora da Noruega

A abundância de petróleo e gás natural ao largo e a sediação das empresas encarregues de os explorarem promoveram Stavanger de capital da conserva a capital energética norueguesa. Nem assim esta cidade se conformou. Com um legado histórico prolífico, às portas de um fiorde majestoso, há muito que a cosmopolita Stavanger impele a Terra do Sol da Meia-Noite.
Bergen, Noruega

O Grande Porto Hanseático da Noruega

Já povoada no início do século XI, Bergen chegou a capital, monopolizou o comércio do norte norueguês e, até 1830, manteve-se uma das maiores cidades da Escandinávia. Hoje, Oslo lidera a nação. Bergen continua a destacar-se pela sua exuberância arquitectónica, urbanística e histórica.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Safari
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Visitantes nos Jameos del Água, Lanzarote, Canárias, Espanha
Arquitectura & Design
Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique

Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Via Conflituosa
Cerimónias e Festividades
Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem a Via Dolorosa, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Cidades
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Um contra todos, Mosteiro de Sera, Sagrado debate, Tibete
Cultura
Lhasa, Tibete

Sera, o Mosteiro do Sagrado Debate

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Composição sobre Nine Arches Bridge, Ella, Sri Lanka
Em Viagem
PN Yala-Ella-Kandy, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
Danças
Étnico
Okinawa, Japão

Danças de Ryukyu: têm séculos. Não têm grandes pressas.

O reino Ryukyu prosperou até ao século XIX como entreposto comercial da China e do Japão. Da estética cultural desenvolvida pela sua aristocracia cortesã contaram-se vários estilos de dança vagarosa.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Trycicles, Bacolod, Negros Occidental, Filipins
História
Bacolod, Filipinas

Doces Filipinas

Bacolod é a capital de Negros, a ilha no centro da produção filipina de cana de açúcar. De viagem pelos confins do Extremo-Oriente e entre a história e a contemporaneidade, saboreamos o âmago fascinante da mais Latina das Ásias.
Praia do Penedo, Ilha de Porto Santo, Portugal
Ilhas
Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo

Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Avestruz, Cabo Boa Esperança, África do Sul
Natureza
Cabo da Boa Esperança - Cape of Good Hope NP, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Património Mundial UNESCO
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Avião em aterragem, Maho beach, Sint Maarten
Praias
Maho Beach, Sint Maarten

A Praia Caribenha Movida a Jacto

À primeira vista, o Princess Juliana International Airport parece ser apenas mais um nas vastas Caraíbas. Sucessivas aterragens a rasar a praia Maho que antecede a sua pista, as descolagens a jacto que distorcem as faces dos banhistas e os projectam para o mar, fazem dele um caso à parte.
Buda Vairocana, templo Todai ji, Nara, Japão
Religião
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Ponte u bein, Amarapura, Myanmar
Sociedade
Ponte u-BeinMyanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein está no seu crepúsculo.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Manada de búfalos asiáticos, Maguri Beel, Assam, Índia
Vida Selvagem
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
PT EN ES FR DE IT