Saint Augustine, Florida, E.U.A.

De Regresso aos Primórdios da Florida Hispânica


A Ponte dos Leões
Vista da Ponte
Casa Mónica, a das Sombras
A Frente do Castelo
Ao Abrigo do Vento Gelado
Comandante de Faz-de-Conta
O Castelo de São Marcos
Pela Ponte Levadiça
A Destilaria
Baluarte das Palmeiras
Sombras à Defesa
A Catedral
O Pórtico
Ponce Indica
O Colégio Flagler
No Cimo Ventoso
O Colégio Flagler II
A Manif Confederada
Torre do Tempo Tropical
O Tempo Tropical
A disseminação de atracções turísticas de gosto questionável, torna-se superficial se tivermos em conta a profundidade histórica em questão. Estamos perante a cidade dos E.U.A. contíguos há mais tempo habitada. Desde que os exploradores espanhóis a fundaram, em 1565, que St. Augustine resiste a quase tudo.

O norte da Florida acolhe-nos com uma meteorologia que destoa da que atrai tantos reformados norte-americanos a lá terem casas e a lá passarem os Invernos.

Uma frente fria poderosa invade o sul sub-tropical dos Estados Unidos. Enregela-o com uma ventania frígida que agita o mar ao largo, o canal de Salt Run e os braços de mar e de rio partilhados entre o Atlântico e o rio Matanzas.

A nós, apanha-nos de surpresa e sem roupa a condizer. Reagimos com planos de nos mantermos hiperactivos. De caminharmos o mais possível, à descoberta da cidade e do entorno.

Depressa percebemos o seu caracter enigmático, uma mistura entre legado histórico grandioso, universo de encantar e fantasia de Natal perene.

Optamos por entrar em St. Augustine, a pé, a cruzarmos a sua majestosa ponte levadiça dos Leões.

Enquanto o fazemos, o vento castiga as águas azul-petróleo do Matanzas.

Gera uma turbulência à superfície que se assemelha a rápidos.

Acima, bandos de pelicanos-pardos veem-se atormentados pela força das rajadas que inviabiliza os mergulhos precisos que os mantêm alimentados.

Chegamos a meio da ponte. Um semáforo vermelho, reforçado por aviso sonoro impede-nos de continuar.

O meio da ponte eleva-se para dar passagem a duas embarcações de pesca com mastros altos. Um ciclista gadelhudo fica aprisionado na mesma espera.

Desmonta da bicicleta e admira a passagem dos arrastões.

Os barcos somem-se para os lados do rio Tolomato e da barra por que todo aquele sistema fluvial interior vaza para o oceano. A ponte volta a descer.

O seu ponto cimeiro concede-nos um vislumbre, em aproximação, da velha Saint Augustine.

Sobre o edifício mais alto da cidade, ex-edifício do Tesouro e ex-banco Wells Fargo, actual Treasury on the Plaza – catalogado pelos americanos como estilo Revivalista Mediterrânico – e que serve de biombo a boa parte do casario.

Ladeiam-no várias torres, algumas, com telhados cónicos.

Esse horizonte inusitado, volta a remeter a cidade para algures entre o real e a fábula.

Quanto mais a percorremos, mais a estranhamos.

Chegamos ao extremo ocidente, em que a ponte se ajusta ao nível do mar a que se espraia St. Augustine.

Ponce de León, Pedro Menéndez de Aviléz e os Conquistadores Espanhóis da Flórida

Nas imediações, todo um círculo tropicalizado por palmeiras frondosas e uma estátua dele projectada, homenageiam Juan Ponce de León, o conquistador hispânico.

Mesmo se o seu pioneirismo se mantém polémico de León é considerado o líder da primeira expedição à região da Florida.

Acercamo-nos da base do quase arranha-céus Treasury on the Plaza e de uma bandeira stars n’ stripes que a ventania preserva hirta.

A barreira imponente do edifício instiga-nos a flectir para norte, rumo ao Distrito Histórico da cidade.

St. Augustine foi fundada, em 1565, por Pedro Menéndez de Aviléz. mais tarde, apontado pelo rei Filipe II, Capitão da Frota das Índias.

Por essa altura, o litoral atlântico norte-americano era disputado entre espanhóis, franceses e, não tarda, britânicos e holandeses.

O território da Florida, em particular, foi motivo de frequentes batalhas com os franceses, à parte de rivais habituais, huguenotes e luteranos que os espanhóis consideravam heréticos desprezíveis.

Os ataques franceses a partir do vizinho forte Caroline (erguido às margens do rio St. Johns) e de corsários britânicos tornaram-se um risco que os sucessores de Menéndez de Aviléz se decidiram a evitar.

A Cobiça dos Rivais Coloniais e a Construção do Forte de San Marcos

De acordo, 107 anos após a sua fundação, Francisco de La Guerra, sucessor de Menéndez de Aviléz, decretou o reforço da sua defesa e a construção da fortaleza que estávamos prestes a encontrar.

Pouco mais de um metro acima do caudal do Matanzas, uma bateria de canhões de tamanhos crescentes antecede uma sebe de palmeiras-de-saia, sob uma das torretas do castelo de São Marcos.

O engenheiro militar Ignacio Daza fê-lo quadrangular, cada aresta dotada do seu bastião proeminente, envolto de um fosso que só uma ponte levadiça nos permite cruzar.

Subimos para o adarve do forte.

Do seu cimo, detectamos o anacronismo curioso de um dos U.S. Rangers responsáveis pelo Monumento National, à conversa com um figurante de comandante militar da era colonial.

Chegada a hora da encenação que se seguia, o ranger deixa a mesa que partilhavam. Some-se para os corredores do castelo.

Abrigado do frio com rigor histórico, o comandante inaugura um discurso explanativo que nos faz e a uns poucos outros espectadores, retroceder ao tempo da colonização das Américas.

Quando o actor dá por finda a representação, espreitamos os derradeiros cantos do castelo.

Após o que nos mudamos para a zona mais recente e contemporânea de St. Augustine.

Nos séculos seguintes à concretização do Castelo de São Marcos, os inimigos viram-se em apuros para o tomar.

Amiúde, frustrados, privilegiaram a destruição da cidade em seu torno.

Os Britânicos, em particular, que detinham boa parte dos actuais Estados Unidos a norte, incluindo a Geórgia, fizeram questão de a deixar em chamas.

Saint Augustine e o seu Inusitado Vaivém Colonial

De tal maneira que, em 1763, após dois séculos enquanto capital da Florida espanhola, os espanhóis acabaram por ceder e passaram-na para domínio britânico.

Contados outros vinte anos, fruto de um acordo militar, estes, devolveram-na à procedência.

Decorria o ano de 1819, quando os espanhóis cederam a Florida aos recém-emancipados E.U.A. Saint Augustine foi capital do estado da Florida apenas por três anos.

Em 1824, a capital passou para Tallahassee.

A cidade perdeu a sua proeminência política. Conquistou vários outros dos atributos que a mantém no estrelato.

Do Lado Errado da Guerra Civil Americana

Em 1840, St. Augustine acolhia cerca de 56.000 habitantes, metade dos quais, escravos de origem africana. Entrada em cena a Guerra Civil Americana, a Florida rejeitou a União.

Alinhada com a escravatura, juntou-se à Confederação. No término do conflito, a União apoderou-se da cidade.

Muitos dos seus proprietários de terras e de escravos debandaram. St. Augustine viu agravados uns já óbvios apuros sociais e económicos.

Até que entrou na providencial Era Flagler.

Entra em Saint Augustine e em Cena Henry Flagler

Começamos a inteirar-nos de quem era Henry Flagler à porta do colégio homónimo e magnânimo. Lá esbarramos com uma pequena manifestação em redor da estátua que o homenageia.

Um grupo de homens e mulheres do movimento neo-Confederado, evoca H.K. Edgerton, um afro-americano, dos principais defensores que os Confederados não eram, nem são racistas e de que, segundo as suas palavras “existia um sentimento de família que unia os brancos e os negros sob a escravatura…

“Um grande amor entre o africano que servia nas terras do Sul e o seu Mestre”.

Edgerton defende ainda que “a escravatura forneceu uma instituição de aprendizagem aos negros”.

A questão em questão deixa-nos atónitos.

Como se não bastasse, um dos manifestantes é afro-americano. Traja um uniforme confederado. Segura uma bandeira dos Confederados.

O Rejuvenescimento de Saint Augustine

Do cimo do seu pedestal, de mão enfiada no bolso das calças, um Flagler de bronze assiste a tudo, sobranceiro.

Flagler – a par com Rockefeler – foi um dos co-fundadores da Standard Oil Company, empreitada que o tornou multimilionário.

Ora, no Inverno de 1883, o magnata visitou St. Augustine, deixou-se encantar pela cidade.

Projectou dotá-la de tudo o que lhe faltava para funcionar como um abrigo de Inverno para os americanos abastados, ansiosos por escaparem ao frio.

Aos poucos, ligou-a ao norte e, mais tarde, a Palm Beach e a Miami, via linhas de caminho-de-ferro agrupadas na Florida East Coast Railway.

Logo, mandou erguer na cidade dois dos seus maiores hotéis, o Ponce de León e o Alcazar, em estilos Revivalismo Hispânico e Mourisco.

O seu investimento resultou em cheio. Os americanos a caminho das praias do sul da Florida começaram a fazer escala em St. Augustine. Muitos, habituaram-se a fazer férias na cidade.

Com o tempo, o elegante Hotel Ponce de León deixou de ter lugar no cada vez mais concorrencial e modernizado mercado dos hotéis.

Em 1968, as autoridades transformaram-no no colégio que exploramos numa visita guiada.

Duas das suas privilegiadas jovens alunas conduzem um grupo de curiosos pelos cantos e recantos místicos, por vezes, surreais do estabelecimento, salão atrás de salão, do da biblioteca ao comedor, num inusitado domínio de hokus pokus digno de Harry Potter e companhia.

Em redor, outros edifícios erguidos por Flagler, ou por ele adquiridos e reconvertidos – o Mónica, o Lightner Museum e, à parte, a Catedral Basílica.

Todos iluminados por uma miríade de luzinhas, reforçam o brilho turístico ofuscante de St. Augustine.

A sua grelha de ruas seculares está à pinha de bandeiras, estandartes e letreiros que, mais que confirmarem a sua antiguidade, impingem as recordações, bugigangas e petiscos que renovam a vigorosa economia local.

Habitam a suposta casa mais antiga da povoação, grandes bonecas de touca.

Um museu de piratas congrega a história da pirataria caribenha.

Promovem-se provas de rum, de cerveja artesanal e de chocolate.

O parque de jacarés surge paredes-meias com o Farol e o Museu Marítimo. A velha St. Augustine deslumbra quem quer que a descubra.

Desde que não se chegue em busca duma genuinidade imaculada.

Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Florida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Kennedy Space Center, Florida, Estados Unidos

A Rampa de Lançamento do Programa Espacial Americano

De viagem pela Flórida, desviamos da órbita programada. Apontamos ao litoral atlântico de Merrit Island e do Cabo Canaveral. Lá exploramos o Kennedy Space Center e acompanhamos um dos lançamentos com que a empresa Space X e os Estados Unidos agora almejam o Espaço.
Florida Keys, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
San Juan, Porto Rico (Parte 2)

Ao Ritmo do Reggaeton

Os porto-riquenhos irrequietos e inventivos fizeram de San Juan a capital mundial do reggaeton. Ao ritmo preferido da nação, encheram a sua “Cidade Muralhada” de outras artes, de cor e de vida.
San Juan, Porto Rico

O Porto Rico e Muralhado de San Juan Bautista

San Juan é a segunda cidade colonial mais antiga das Américas, a seguir à vizinha dominicana de Santo Domingo. Entreposto pioneiro da rota que levava o ouro e a prata do Novo Mundo para Espanha, foi atacada vezes sem conta. As suas fortificações incríveis ainda protegem uma das capitais mais vivas e prodigiosas das Caraíbas.
Santo Domingo, República Dominicana

A Mais Longeva Anciã Colonial das Américas

Santo Domingo é a colónia há mais tempo habitada do Novo Mundo. Fundada, em 1498, por Bartolomeu Colombo, a capital da República Dominicana preserva intacto um verdadeiro tesouro de resiliência histórica.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Safari
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Thorong Pedi a High Camp, circuito Annapurna, Nepal, caminhante solitário
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 12º: Thorong Phedi a High Camp

O Prelúdio da Travessia Suprema

Este trecho do Circuito Annapurna só dista 1km mas, em menos de duas horas, leva dos 4450m aos 4850m e à entrada do grande desfiladeiro. Dormir no High Camp é uma prova de resistência ao Mal de Montanha que nem todos passam.
hacienda mucuyche, Iucatão, México, canal
Arquitectura & Design
Iucatão, México

Entre Haciendas e Cenotes, pela História do Iucatão

Em redor da capital Mérida, para cada velha hacienda henequenera colonial há pelo menos um cenote. Com frequência, coexistem e, como aconteceu com a semi-recuperada Hacienda Mucuyché, em duo, resultam nalguns dos lugares mais sublimes do sudeste mexicano.

Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
Moscovo, Kremlin, Praça Vermelha, Rússia, rio Moscovo
Cidades
Moscovo, Rússia

A Fortaleza Suprema da Rússia

Foram muitos os kremlins erguidos, ao longos dos tempos, na vastidão do país dos czares. Nenhum se destaca, tão monumental como o da capital Moscovo, um centro histórico de despotismo e prepotência que, de Ivan o Terrível a Vladimir Putin, para melhor ou pior, ditou o destino da Rússia.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Cultura
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Cruzeiro Navimag, Puerto Montt a Puerto-natales, Chile
Em Viagem
Puerto Natales-Puerto Montt, Chile

Cruzeiro num Cargueiro

Após longa pedinchice de mochileiros, a companhia chilena NAVIMAG decidiu admiti-los a bordo. Desde então, muitos viajantes exploraram os canais da Patagónia, lado a lado com contentores e gado.
Tatooine na Terra
Étnico
Matmata, Tataouine:  Tunísia

A Base Terrestre da Guerra das Estrelas

Por razões de segurança, o planeta Tatooine de "O Despertar da Força" foi filmado em Abu Dhabi. Recuamos no calendário cósmico e revisitamos alguns dos lugares tunisinos com mais impacto na saga.  
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Porfólio Got2Globe

O Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

Thira, Santorini, Grécia
História
Fira, Santorini, Grécia

Fira: Entre as Alturas e as Profundezas da Atlântida

Por volta de 1500 a.C. uma erupção devastadora fez afundar no Mar Egeu boa parte do vulcão-ilha Fira e levou ao colapso a civilização minóica, apontada vezes sem conta como a Atlântida. Seja qual for o passado, 3500 anos volvidos, Thira, a cidade homónima, tem tanto de real como de mítico.
São Jorge, Açores, Fajã dos Vimes
Ilhas
São Jorge, Açores

De Fajã em Fajã

Abundam, nos Açores, faixas de terra habitável no sopé de grandes falésias. Nenhuma outra ilha tem tantas fajãs como as mais de 70 da esguia e elevada São Jorge. Foi nelas que os jorgenses se instalaram. Nelas assentam as suas atarefadas vidas atlânticas.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
viagem austrália ocidental, Surfspotting
Natureza
Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Parques Naturais
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Ilha do Principe, São Tomé e Principe
Património Mundial UNESCO
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Parque Nacional Cahuita, Costa Rica, Caribe, Punta Cahuita vista aérea
Praias
Cahuita, Costa Rica

Uma Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral da Costa Rica tão afro quanto das Caraíbas. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Sociedade
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Manada de búfalos asiáticos, Maguri Beel, Assam, Índia
Vida Selvagem
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
PT EN ES FR DE IT