Serra da Leba, Angola

Aos Esses. Pela História de Angola.


Vida Vertiginosa
Mulheres Mumuíla
A EN280
Ladeira Monumental
Perspectiva do Miradouro
Os Esses da Estrada da Leba
Vendedor Carregado
Um Crepúsculo Relevante
Macaco no Sopé da Leba
Queda do Cimo da Leba
A Caminho da Fenda da Tundavala
Ocaso para Trás da Serra da Leba
Uma estrada ousada e providencial inaugurada nas vésperas da Revolução dos Cravos liga a planura do Namibe às alturas verdejantes da Serra da Leba. As suas sete curvas em gancho surgem no enfiamento de um passado colonial atribulado. Dão acesso a alguns dos cenários mais grandiosos de África.

A certo ponto do percurso entre Moçâmedes e Lubango, um vislumbre recorta o horizonte e as alturas.

Surge bem acima das lombas por que se desdobra a EN280 e da savana pejada de arbustos espinhosos que a estrada sulca.

Esta vastidão padece da mesma secura que preserva o imenso Deserto do Namibe, com o limiar setentrional do sudoeste de Angola quase 2500km a norte do oposto, o sul-africano. Ao longo de umas boas dezenas de quilómetros, desbravamos uma paisagem, mais que inabitada, inóspita.

A miragem acerca-se. Torna-se um elemento real, tão inegável como supremo da anhara. Coroa-a uma meseta com a companhia de um pico ligeiramente mais elevado.

Impõem-se quase sem aviso, adiante de uma outra linha de falésia ininterrupta, num dramatismo com uma forte razão geológica de ser:

ali mesmo, as terras planas do Namibe rendem-se às altas do Planalto Central de Angola.

Ficamos aos pés do seu porteiro de pedra, de tal maneira excêntrico que é conhecido como Monte Maluco.

Improvável, aquele relevo gera uma concentração de humidade e de pluviosidade que, por fim, viabiliza a vida humana.

Serra da Leba, Namibe e Huíla: uma Incrível Diversidade Tribal

Mangueiras prova-se a maior das povoações na beira da estrada e no sopé da serrania conhecida como da Leba.

Com os anos, desenvolveu-se como um ponto de contacto entre as gentes ditas modernizadas que por ali passam e os nativos de etnias mumuíla, mucubal, himba, kuvale, muhimba, mbandera, hacahona, zemba, kwando e tantas outras, ramificadas do grupo étnico Herero/Helelo, com prevalência na ampla Damaralândia namibiana, mas disseminadas pelo terço inferior de Angola.

Sucedem-se bancas de artesanato, sobretudo esculpido em madeira.

Mais acima, junto a outras, de comes e bebes, de frutas e legumes, um exército de mulheres mumuíla envolvem quem por ali se detém.

Abordam-nos num português elementar, várias, atrapalhadas com bebés ao colo.

Ainda assim, determinadas a venderem as suas pulseiras, braceletes, colares e afins, a joalharia que, combinada com capulanas, lenços garridos e cabelos entrançados, compõe a moda que as distingue.

Entre os mumuílas e subetnias próximas, são sobretudo as mulheres que comerciam com os forasteiros.

Cabe aos homens a responsabilidade de criar e proteger o gado, a sua principal prova de riqueza.

Sem surpresa, entre as comunidades fiéis aos modos de vida seculares, o lucro obtido pelas mulheres é, amiúde, destinado à aquisição de mais bovinos.

Como por toda a parte, em África, a civilização europeia alterou os modos de vida indígenas.

O Miradouro no Cimo Rochoso da Serra da Leba

Aquela mesma estrada por que viajávamos intensificou, inclusive, o contacto dos nativos com os angolanos urbanizados e os estrangeiros que visitam a Huíla e o Namibe.

Uma ladeira sem fim à vista ascende ao longo do rio Sondjo.

Leva-nos mais próximo das falésias de que se precipita o seu caudal, mergulhado do limbo do Planalto da Humpata.

A ladeira revela uma próxima, lateralizada. Essa outra, dá para um gancho apertado e para outra mais.

A sequência repete-se, pelo menos, sete vezes, num ziguezaguear vertiginoso percorrido por camiões rugidores.

Devagar, devagarinho, travados pela câmara lenta em que sobem, atingimos o planalto.

Passamos por uma cancela de portagem, animada por vendedores de ovos.

Logo, desviamos para o cimo do paredão que antes tínhamos apreciado. Uns poucos varandins delimitam um miradouro sobranceiro.

Dali, deslumbramo-nos com a estrada da Serra da Leba exposta abaixo.

Monumental e surreal, a sua obra representou um triunfo de engenharia, à época, ímpar, em Angola.

Estrada da Serra da Leba: do Projecto Secular à Obra no Término da Angola Colonial

A estrada foi erguida de maneira a permitir que os condutores passassem, em cerca de 20km, dos 1845m de altitude – o zénite da Serra da Leba fica nos 2036m – quase ao nível do mar.

Diz-se que cruzando, no seu serpentear, três zonas climáticas distintas, com as suas próprias faunas.

Hoje, a estrada da Serra da Leba mantém-se uma infra-estrutura de valor inestimável. Tanto, que surge no verso das notas angolanas de dois mil kwanzas. Foram, também financeiros, os estímulos na origem desta via tortuosa.

No final do século XIX, atracavam, em Moçâmedes, vapores provindos da Metrópole, prontos a assegurarem o transporte de bens e produtos gerados em Angola.

Uma das regiões com maior produção era a de Sá da Bandeira e arredores que, no entanto, carecia de ligações rodoviárias, sobretudo, à cidade portuária.

A Resistência dos Povos Nativos à Colonização

Esse era, à data, um mal menor.

Em 1904, povos ovambos do sul angolano que resistiam à colonização impuseram às tropas lusas uma derrota humilhante que ficou conhecida como massacre de Cuamatui.

O recém-indigitado governador da Huíla, Alves Roçadas, preparou, com método, a vingança dessa derrota e a imposição dos portugueses.

A expedição que delineou envolvia a movimentação para o interior de Angola de 2.300 homens armados, 44 carros de bois, 10 canhões e 4 metralhadoras.

Decorreu uma década. A partir do norte da sua África Ocidental Germânica, os alemães que já tinham espoletado a Primeira Guerra Mundial, apostaram em se apoderarem de terras do sul de Angola.

E a Tentativa de Invasão da África Ocidental Germânica

Começaram por instigar os nativos a resistirem à ocupação lusa. Em 1914, os próprios alemães atacaram e chacinaram as guarnições portuguesas. No ano seguinte, todavia, as tropas sul-africanas aliadas entraram em cena. Os alemães renderam-se.

Foi só parte de uma submissão bélica que levou à perda de todas as colónias teutónicas em África.

Os nativos, esses, reagruparam-se. Continuaram a resistir aos portugueses. Um general de nome Pereira d’Eça recebeu a missão de os subjugar.

Para o apoiar, um tal de Eng. José Augusto Artur Torres ficou incumbido de melhorar a estrada aberta em 1864 que levava ao Planalto e a Sá da Bandeira, via Vila Arriaga, hoje Bibala. Pereira d’Eça garantiu a mão-de-obra de milhares de nativos cooperantes.

O fluxo militar então requerido e o trabalho dos indígenas contribuíram para uma vitória decisiva numa batalha de uns poucos milhares de portugueses – seguramente menos de 10.000 – contra muitos mais – estima-se que entre 25.000 e 40.000 nativos munidos de espingardas alemãs.

E o Triunfo sobre os Nativos Resistentes da Batalha de Mongua

Numa espécie de emulação colonial da Batalha de Aljubarrota, os portugueses entrincheiraram-se em forma de quadrado.

Dessa maneira, e munidos de uns poucos canhões e metralhadoras, conseguiram o triunfo mal-conhecido como a Batalha de Mongua.

A exigência logística desta batalha e a do esforço de submissão dos nativos do sul de Angola inspirou a empreitada da actual estrada da Serra da Leba.

Iniciada bastante mais tarde, devemos sublinhá-lo, num novo contexto de sublevação anticolonial.

A Guerra de Independência de Angola durava desde 1961.

Estrada da Serra da Leba: a Obra Tardia atribuída a Edgar Cardoso

O “Para Angola, rapidamente e em força” proferido por Salazar também significou a incredulidade de que Portugal viesse a perder as suas colónias e a necessidade de investir em infra-estruturas que apoiassem o esforço bélico colonial.

De acordo, o regime incumbiu o prestigiado Eng. Edgar Cardoso de construir uma estrada que domasse a Serra da Leba. O projecto passou ao terreno em 1968.

No ano seguinte, mesmo ainda desprovida de asfalto, a estrada já permitia a circulação de veículos.

Ficou concluída, em 1973, com a sua inauguração programada para o ano seguinte.

Passaram uns poucos meses.

A Revolução de 25 de Abril de 1974 ditou a negação da maior parte dos portugueses do seu Império Colonial.

Angola tornou-se independente, enriquecida pela estrada da Serra da Leba recém-legada, que nos continuou a levar a alturas extasiantes da Huíla.

Retomamos o trajecto que liga o miradouro ao Lubango, com passagem pela cidade vizinha de Humpata.

A via conduz-nos à capital da província. Do Lubango, por outra estrada sinuosa, chegamos aos domínios da fenda da Tundavala.

Ali, as vistas confirmam-se uma vez mais grandiosas.

Instigam-nos a dedicarmos à serra e à sua via-serpente todo um outro dia.

No fim da tarde seguinte, de uma das curvas da Estrada da Serra da Leba, assistimos ao sol afoguear-se acima do Monte Maluco, mergulhar para trás do seu contorno e, já sem o vermos, para o lado oposto do Mundo.

COMO IR

1 – Reserve o seu programa de viagem para Lubango, Huíla, Serra da Leba e outras partes de Angola na Cosmos Angola – Viagens e Turismo:  telm./whats App +244 921 596 131

2- Ou, em Lubango, alugue a sua viatura no rent-a-car Fórmula Sul: www.formulasul.com  Tel. +244 943 066 444 ou +244 937 632 348 e-mail: [email protected]

Quedas d'água de Kalandula, Angola

Angola em Catadupa

Consideradas as segundas maiores de África, as quedas d’água de Kalandula banham de majestade natural a já de si grandiosa Angola. Desde os tempos coloniais em que foram baptizadas em honra de D. Pedro V, Duque de Bragança, muito rio Lucala e história por elas fluiu.
Lubango, Angola

A Cidade no Cimo de Angola

Mesmo barradas da savana e do Atlântico por serras, as terras frescas e férteis de Calubango sempre prendaram os forasteiros. Os madeirenses que fundaram Lubango sobre os 1790m e os povos que se lhes juntaram, fizeram dela a cidade mais elevada e uma das mais cosmopolitas de Angola.
Namibe, Angola

Incursão ao Namibe Angolano

À descoberta do sul de Angola, deixamos Moçâmedes para o interior da província desértica. Ao longo de milhares de quilómetros sobre terra e areia, a rudeza dos cenários só reforça o assombro da sua vastidão.
Moçamedes ao PN Iona, Namibe, Angola

Entrada em Grande na Angola das Dunas

Ainda com Moçâmedes como ponto de partida, viajamos em busca das areias do Namibe e do Parque Nacional Iona. A meteorologia do cacimbo impede a continuação entre o Atlântico e as dunas para o sul deslumbrante da Baía dos Tigres. Será só uma questão de tempo.
Cabo Ledo, Angola

O Cabo Ledo e a Baía do Regozijo

A apenas a 120km a sul de Luanda, vagas do Atlântico caprichosas e falésias coroadas de moxixeiros disputam a terra de musseque. Partilham a grande enseada forasteiros rendidos ao cenário e os angolanos residentes que o mar generoso há muito sustenta.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Arquitectura & Design
Fortalezas

O Mundo à Defesa – Castelos e Fortalezas que Resistem

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
Danca dragao, Moon Festival, Chinatown-Sao Francisco-Estados Unidos da America
Cerimónias e Festividades
São Francisco, E.U.A.

Com a Cabeça na Lua

Chega a Setembro e os chineses de todo o mundo celebram as colheitas, a abundância e a união. A enorme sino-comunidade de São Francisco entrega-se de corpo e alma ao maior Festival da Lua californiano.
Chihuahua, cidade do México, pedigree, Deza y Ulloa
Cidades
Chihuahua, México

¡ Ay Chihuahua !

Os mexicanos adaptaram a expressão como uma das suas preferidas manifestações de surpresa. À descoberta da capital do estado homónimo do Noroeste, exclamamo-la amiúde.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Cultura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Verão Escarlate
Em Viagem

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Parque Nacional Cahuita, Costa Rica, Caribe, Punta Cahuita vista aérea
Étnico
Cahuita, Costa Rica

Uma Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral da Costa Rica tão afro quanto das Caraíbas. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Ocaso no Flat Lake, Luisiana
História
Atchafalaya Basin, Luisiana, E.U.A.  

O Grande Pântano do Sul Americano Profundo

Por alguma razão os indígenas o tratavam por “rio longo”. A determinado ponto, o Atchafalaya espraia-se num pântano feito de lagoas ligadas por canais, salpicadas de ciprestes, carvalhos e tupelos. Exploramo-lo, entre Lafayette e Morgan, Luisiana, no caminho para a sua foz do Golfo do México.
A pequena-grande Senglea II
Ilhas
Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Verificação da correspondência
Inverno Branco
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Monte Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Tambores e tatoos
Natureza
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Carrinha no Jossingfjord, Magma Geopark, Noruega
Parques Naturais
Magma Geopark, Noruega

Uma Noruega Algo Lunar

Se recuássemos aos confins geológicos do tempo, encontraríamos o sudoeste da Noruega repleto de enormes montanhas e de um magma incandescente que sucessivos glaciares viriam a moldar. Os cientistas apuraram que o mineral ali predominante é mais comum na Lua que na Terra. Vários dos cenários que exploramos no vasto Magma Geopark da região parecem tirados do nosso grande satélite natural.
Abençoado repouso
Património Mundial UNESCO
Hoi An, Vietname

O Porto Vietnamita Que Ficou a Ver Navios

Hoi An foi um dos entrepostos comerciais mais importantes da Ásia. Mudanças políticas e o assoreamento do rio Thu Bon ditaram o seu declínio e preservaram-na como as cidade mais pitoresca do Vietname.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Personagens
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, recife coral
Praias
Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.
Rocha Dourada de Kyaikhtiyo, Budismo, Myanmar, Birmania
Religião
Monte Kyaiktiyo, Myanmar

A Rocha Dourada e em Equilíbrio de Buda

Andamos à descoberta de Rangum quando nos inteiramos do fenómeno da Rocha Dourada. Deslumbrados pelo seu equilíbrio dourado e sagrado, juntamo-nos à peregrinação já secular dos birmaneses ao Monte Kyaiktyo.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre Carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Sociedade
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Vida Selvagem
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.