Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks


Um rasto na madrugada
Jipe cruza a vastidão avermelhada em redor do Damaraland Wilderness Camp, sobre a alvorada.
Abrigo à força
Dois habitantes descendentes dos deslocados pelo plano sul-africano de Odendaal.
Resiliência Vegetal
Uma pequena acácia desafia a aridez do deserto montanhoso de Damaraland.
Cuidados pueris
Elefantes fêmea protege cria do calor intenso.
Resiliência vegetal II
Árvore solitária desponta do solo árido de lixa de Damaraland.
Rochas sobre rochas
Um dos montes de grandes calhaus de granito rosado que salpicam a vastidão de Damaraland.
Conforto sobre rochas
Estrutura do Sorris Sorris Lodge, instalada numa encosta de uma de muitas colinas de rochedos rosados no sopé da maior elevação namibiana, a montanha Brandenberg
Sombras da alvorada
Guia e condutor do Damaraland Wilderness Camp, prestes a entrar num dos jipes do lodge
Escultura Erosiva
Formação rochosa legada pela erosão, em Damaraland.
Desterrado
Morador encarregue do Parque Estacionamento do Damaraland Wilderness Camp, em tempos desterrado do norte da África do Sul.
Pilha com arte
Rochas empilhadas com equilíbrio e critério pela natureza, a caminho de Twyfelfontein.
Resiliência vegetal III
Velha árvore subsiste no leito de um rio que só flui na curta época das chuvas da região
Pelo deserto abaixo
Guia do Damaraland Camp conduz um jipe por um trilho estreito da região.
Cuidados pueris
Elefantes fêmea protege cria do calor intenso.
De vigia
Guia John perscruta o horizonte inóspito em busca de elefantes
Resiliência vegetal III
Velha árvore subsiste no leito de um rio que só flui na curta época das chuvas da região
Desterrado
Morador encarregue do Parque Estacionamento do Damaraland Wilderness Camp, em tempos desterrado do norte da África do Sul.
Pilha com arte
Rochas empilhadas com equilíbrio e critério pela natureza, a caminho de Twyfelfontein.
Rochas sobre rochas
Um dos montes de grandes calhaus de granito rosado que salpicam a vastidão de Damaraland.
Pelo deserto abaixo
Guia do Damaraland Camp conduz um jipe por um trilho estreito da região.
Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.

Começamos por confessar que não tínhamos feito o trabalho de casa para a Namíbia.

Alugámos um carro demasiado barato e desaquado. Não estávamos preparados para a transição dramática que se seguiria.

Uns dias antes, completámos o percurso da capital Windhoek para o PN Etosha, confortáveis e a voar baixinho.

O mesmo aconteceu no trecho inicial entre Etosha e o Damaraland Camp onde era suposto darmos entrada antes do anoitecer.

Atingimos Otavi num ápice. Em Otavi, vemo-nos forçados a abandonar a coluna vertebral rodoviária da Namíbia e a rumar a oeste.

Inauguramo-nos nas estradas C do país, de gravilha, em vez das bem asfaltadas B.

De Otavi até Outjo, prosseguimos sem queixas mas, de Outjo em diante, depressa nos vimos num inferno motorizado.

Damaraland, Namíbia, Khorixas

Veículo sobe uma estrada abrasiva da região de Khorixas.

Damaraland Acima: uma Viagem Abrasiva

O nosso carro e os restantes levantam uma poeira seca que se infiltra no habitáculo e nos irritava, tanto como irritava as vias respiratórias e os olhos.

O sol e a temperatura subiram a pique e o ar condicionado sucumbiu à invasão do pó.

Nas horas que se seguiram, sentimo-nos numa sauna suja.

Como se não bastasse, o perfil de montanha-russa do itinerário – que passava sobre rios e riachos exclusivos da época das chuvas – exigia-nos uma atenção redobrada.

Damaraland, Namíbia, carroça

Carroça avança por uma das estradas pedregosas e poeirentas em redor de Khorixas.

Súbitas rampas e desvios forçavam-nos a travagens e “aterragens” que ora nos colavam aos bancos ora nos sacudiam.

“Isto vai ser sempre assim?” reclama a Sara, suada, derreada, com ar moribundo, do lugar do morto.

Mesmo que os soubesse iguais ou piores, responderia sempre da mesma maneira: ”é só mais um bocado assim.

Mais uma horinha estamos lá. Amanhã já nem nos lembramos disto.”

Os Panoramas e os Habitantes Desterrados de Damaraland

Passou bem mais que uma hora sem sombra de sítio para pararmos, bebermos qualquer coisa e nos refrescarmos.

Só interrompemos aquele rally africano para fotografar os primeiros cenários surreais de Damaraland.

Formação rochosa, Damaraland, Namíbia

Formação rochosa legada pela erosão, em Damaraland.

Às cinco e meia da tarde, entre montes rochosos e desgarrados, encontramos o parque de estacionamento do Damaraland Camp.

Apenas os jipes mais robustos podiam completar o percurso até ao lodge.

Imobilizamos o carro. Aguardamos o transfer à conversa com Neil Adams, vizinho de Sabina Waterboer, a habitual guardiã dos veículos.

Tanto Neil como Sabina pertenciam à tribo Riemvasmaak e à etnia Damaraland.

Morador de Damaraland, Namíbia

Morador encarregue do Parque Estacionamento do Damaraland Wilderness Camp, em tempos desterrado do norte da África do Sul.

Dona Sabina tinha ido a um funeral. Nunca chegamos a conhecê-la.

Fosse como fosse, depressa percebemos que, mais que um parque de estacionamento, o que ali estava eram vidas. Vidas de desterro numa terra de ninguém.

Duas casas humildes haviam sido erguidas sobre um solo de lixa. Vedações aramadas protegiam os lares, umas poucas árvores baixas e alguns animais domésticos no interior.

Quanto mais o jipe demorava mais nos intrigava o porquê de alguém se instalar naqueles nenhures áridos.

Sabíamos que estávamos numa zona cruzada por animais selvagens. Puxamos a conversa por aí. “Estas cabras devem atrair aqui de tudo um pouco, não?” “Se atraem”… responde-nos o vizinho de Sabina.

De quando em quando, os leões sentem-lhes o cheiro e damos com eles aqui às voltas. Outras vezes, são as hienas-castanhas.”

Deixamos o palavreado fluir até nos sentirmos à vontade.

A determinada altura, não resistimos: “Não nos leve a mal a pergunta, mas… como é que vocês vieram parar a um lugar destes”

Damaraland, Namíbia, cenário

Cenário semi-verdejante da vastidão de Damaraland, nas imediações de Twyfelfountein.

“Não tivemos grande escolha”, explica-nos o tranquilo interlocutor que aproveita para nos elucidar sobre a desgraça que assolara a pequena comunidade.

Um Legado Desumano do Apartheid

Nos anos 60, sob os auspícios da Liga das Nações, o governo Apartheid da África do Sul ainda governava o Sudoeste Africano, confiscado à Alemanha durante a 1ª Guerra Mundial.

Seguindo o exemplo dos anos atrozes da ocupação germânica e o preâmbulo histórico aberto pelos pioneiros boers, esforçava-se por lá implementar uma política de Homelands, coloquialmente conhecida por Plano Odendaal.

De acordo com a recomendação de uma tal de Comissão de Inquérito dos Assuntos do Sudoeste Africano, “o bom aproveitamento dos recursos disponíveis tanto para brancos como para nativos recomendava a criação de terras que acolhessem os diferentes grupos étnicos do vasto território”.

Mediante este plano maquiavélico, na prática, as autoridades propuseram-se a exilar comunidades inteiras dos lugares em que viviam, manipulando a sua dignidade como se de um jogo se tratassem.

Claro está que, no meio desta pretensa ideologia, inúmeros interesses comerciais falaram mais alto. “Nós tínhamos uma vida perfeita lá em Mgcawu, próximo do rio Orange” diz-nos Neil.

“Mas, eles queriam aquela zona toda para mineração de diamantes e outros. Mandaram-nos para aqui.”

Habitantes de Damaraland, Região de Torra Conservancy, Namibia

Dois habitantes descendentes dos deslocados pelo plano sul-africano de Odendaal.

Segundo o plano, era suposto o novo bantustão de Damaraland acolher apenas o povo Damara, considerado um dos mais antigos da região da Namíbia, a seguir aos San e aos Nama.

O Plano Odendaal continuou a mover os nativos ao bel-prazer dos governantes.

Neil e muitos dos vizinhos viram-se obrigados a reerguer-se do nada naquelas paragens inóspitas.

O acordo da Srª Waterboer com o Damaraland Camp de tomar conta dos carros, suplementara o seu vácuo existencial particular como uma bênção.

Do Damaraland Camp à Demanda dos Elefantes do Deserto

O jipe aparece. Interrompe a conversa.

Conduz-nos ao lodge onde nos instalamos em três tempos.

O ocaso tosta ainda mais os montes e vales circundantes.

Jipe num trilho de Damaraland, Namíbia

Guia do Damaraland Camp conduz um jipe por um trilho estreito da região.

Torna-os de tal maneira escarlates que nos questionamos se não tínhamos chegado a Marte.

Só o jantar à mesa com os outros hóspedes e os respectivos prazeres terrenos dissipam tal dúvida.

Despertamos às 5h30.

Damaraland, Namíbia, aurora

Sol nascente incide no cume de um monte nas imediações do Damaraland Wilderness Camp.

Um jipe do Damaraland Camp conduz-nos a uma elevação central e sobranceira.

É lá que tomamos o pequeno-almoço com a lua-cheia a resistir ao sol que re-emergia.

Jipe cruza Damaraland, Namíbia

Jipe cruza a vastidão avermelhada em redor do Damaraland Wilderness Camp, sobre a alvorada.

Feito de montanhas e vales salpicados por pequenas árvores, por arbustos verdes robustos e espinhosos.

Damaraland, Namibia, árvore

Árvore verdejante desponta de um leito arenoso de Damaraland.

Três jipes descem a colina para o vale.

Começam por seguir em caravana mas logo se dispersam por forma a optimizarem a busca dos paquidermes.

Atravessamos vales desolados e cercados por velhas montanhas e vulcões.

Damaraland, namibia, Acácia desafia o deserto de Damaraland, Namíbia

Uma pequena acácia desafia a aridez do deserto montanhoso de Damaraland.

Na vastidão, uma acácia solitária confirmava a resiliência biológica daqueles confins.

Os jipes mantêm-se em contacto via rádio.

Damaraland, Namíbia, jipe em Game drive

Jipe do Damaraland Wilderness Camp procura animais na paisagem de Damaraland.

Trocam informação sobre pegadas e outras pistas.

Não tarda, atravessamos a estrada em que tínhamos chegado ao Damaraland Camp na tarde anterior.

“Estes elefantes do deserto de cá são especiais, sabem?

São muito mais leves e ágeis.” explica-nos o guia.  “Habituaram-se a subir e a descer as colinas. Por isso, às vezes, custa-nos encontrá-los.”

Guia procura elefantes, nas imediações do Sorris Sorris Lodge, Namíbia

Guia John perscruta o horizonte inóspito em busca de elefantes

Enfim, os Esquivos Paquidermes

Vasculhamos o lado de lá até à exaustão.

Entretanto, metidos em vales mais apertados, intersectamos os caminhos seguidos pelos outros jipes.

Detemo-nos para trocarmos novos indícios.

Elefantes em Damaraland, Namíbia

Elefantes protegem-se do calor cada vez mais intenso à sombra da vegetação espinhosa da região.

Por fim, já bem para lá das onze da manhã, lá damos com a manada.

Admiramo-los por algum tempo. Os bichos, admiram-nos a nós.

Damaraland, Namíbia, elefante

Cabeça e tromba de um dos elefantes que percorrem a região em redor do leito do rio Huab.

Em seguida, voltamos ao lodge. Refazemos as malas.

Damaraland Camp, Namíbia

Uma das várias cabanas do Damaraland Camp

Despedimo-nos. Rumamos a sul.

Quanto mais a sul chegávamos, mais abundavam as fascinantes pilhas de rochas ocres, idênticas às que nos cercavam enquanto procurávamos os elefantes.

Rochas sobre rochas

Um dos montes de grandes calhaus de granito rosado que salpicam a vastidão de Damaraland.

Como sempre, na Namíbia, o lodge seguinte distava e o itinerário contava com estradas de categoria C, D e piores.

Metemo-nos o quanto antes a caminho.

Mesmo assim, chegamos ao Sorris Sorris Lodge era já noite cerrada.

Andrew, o manager, instala-nos. Prenda-nos com um jantar divinal.

Sorris Sorris Lodge e a Montanha Suprema da Namíbia

Como acontecera no Damaraland Camp e é característico da região, a alvorada desvenda-nos novo lugar inverosímil.

A luz morna da manhã incide, de lado, no terraço do lodge e, noutros, anexos, dispostos sobre a encosta de mais um grande outeiro de calhaus de granito rosado.

O sol não tarda a passar para trás do lodge.

Destaca, por fim, o cenário para diante daquele anfiteatro privilegiado, escolhido a dedo por Victor Azevedo, um empresário que há muito respira África – viveu em Angola, África do Sul, depois na Namíbia –  e que, após triunfar na restauração, apostou numa rede de lodges que revelassem espaços namibianos eleitos.

Estrutura do lodge Sorris Sorris, Namibia

Estrutura do Sorris Sorris Lodge, instalada numa encosta de uma de muitas colinas de rochedos rosados no sopé da maior elevação namibiana, a montanha Brandenberg

Pela frente, a boa distância, tínhamos o leito arenoso do rio Ugab. E a planície aluvial que as enchentes fulminantes da época das chuvas faziam alastrar.

Acima, impunha-se a Brandberg, um impressionante maciço rochoso com 2573 metros, a montanha rainha da Namíbia. Há 72 horas que a geologia excêntrica de Damaraland nos deslumbrava.

Decidimos prolongar a estadia no Sorris Sorris com um objectivo bem claro: podermos continuar a admirá-la.

Fish River Canyon, Namíbia

As Entranhas Namibianas de África

Quando nada o faz prever, uma vasta ravina fluvial esventra o extremo meridional da Namíbia. Com 160km de comprimento, 27km de largura e, a espaços, 550 metros de profundidade, o Fish River Canyon é o Grand Canyon de África. E um dos maiores desfiladeiros à face da Terra.
Walvis Bay, Namíbia

O Litoral Descomunal de Walvis Bay

Da maior cidade costeira da Namíbia ao limiar do deserto do Namibe de Sandwich Harbour, vai um domínio de oceano, dunas, nevoeiro e vida selvagem sem igual. Desde 1790, que a profícua Walvis Bay lhe serve de portal.
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Vale da Morte, E.U.A.

O Ressuscitar do Lugar Mais Quente

Desde 1921 que Al Aziziyah, na Líbia, era considerado o lugar mais quente do Planeta. Mas a polémica em redor dos 58º ali medidos fez com que, 99 anos depois, o título fosse devolvido ao Vale da Morte.
Lubango, Angola

A Cidade no Cimo de Angola

Mesmo barradas da savana e do Atlântico por serras, as terras frescas e férteis de Calubango sempre prendaram os forasteiros. Os madeirenses que fundaram Lubango sobre os 1790m e os povos que se lhes juntaram, fizeram dela a cidade mais elevada e uma das mais cosmopolitas de Angola.
Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites do Deserto de Atacama

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Montanha da Mesa sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.
Twyfelfontein - Ui Aes, Namíbia

À Descoberta da Namíbia Rupestre

Durante a Idade da Pedra, o vale hoje coberto de feno do rio Aba-Huab, concentrava uma fauna diversificada que ali atraía caçadores. Em tempos mais recentes, peripécias da era colonial coloriram esta zona da Namíbia. Não tanto como os mais de 5000 petróglifos que subsistem em Ui Aes / Twyfelfontein.
PN Bwabwata, Namíbia

Um Parque Namibiano que Vale por Três

Consolidada a independência da Namíbia, em 1990, para simplificarem a sua gestão, as autoridades agruparam um trio de parques e reservas da faixa de Caprivi. O PN Bwabwata resultante acolhe uma imensidão deslumbrante de ecossistemas e vida selvagem, às margens dos rios Cubango (Okavango) e Cuando.
Spitzkoppe, Damaraland, Namíbia

A Montanha Afiada da Namíbia

Com 1728 metros, o “Matterhorn Namibiano” ergue-se abaixo das dez maiores elevações da Namíbia. Nenhuma delas se compara com a escultura granítica, dramática e emblemática de Spitzkoppe.
PN Etosha, Namíbia

A Vida Exuberante da Namíbia Branca

Um salar vasto rasga o norte namibiano. O Parque Nacional Etosha que o envolve revela-se um habitat árido, mas providencial, de incontáveis espécies selvagens africanas.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Safari
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Thorong La, Circuito Annapurna, Nepal, foto para a posteridade
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 13º - High Camp a Thorong La a Muktinath, Nepal

No Auge do Circuito dos Annapurnas

Aos 5416m de altitude, o desfiladeiro de Thorong La é o grande desafio e o principal causador de ansiedade do itinerário. Depois de, em Outubro de 2014, ter vitimado 29 montanhistas, cruzá-lo em segurança gera um alívio digno de dupla celebração.
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Kente Festival Agotime, Gana, ouro
Cerimónias e Festividades
Kumasi a Kpetoe, Gana

Uma Viagem-Celebração da Moda Tradicional Ganesa

Após algum tempo na grande capital ganesa ashanti cruzamos o país até junto à fronteira com o Togo. Os motivos para esta longa travessia foram os do kente, um tecido de tal maneira reverenciado no Gana que diversos chefes tribais lhe dedicam todos os anos um faustoso festival.
Kronstadt Rússia Outono, dona do Bouquet
Cidades
Kronstadt, Rússia

O Outono da Ilha-Cidade Russa de Todas as Encruzilhadas

Fundada por Pedro o Grande, tornou-se o porto e base naval que protegem São Petersburgo e o norte da grande Rússia. Em Março de 1921, rebelou-se contra os Bolcheviques que apoiara na Revolução de Outubro. Neste Outubro que atravessamos, Kronstadt volta a cobrir-se do mesmo amarelo exuberante da incerteza.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Ilha do Norte, Nova Zelândia, Maori, Tempo de surf
Cultura
Ilha do Norte, Nova Zelândia

Viagem pelo Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Gyantse, templo Kumbum
Em Viagem
Lhasa a Gyantse, Tibete

Gyantse, pelas Alturas do Tibete

O objectivo final é o Everest Base Camp tibetano. Neste primeiro trajecto, a partir de Lhasa, passamos pelo lago sagrado de Yamdrok (4.441m) e pelo glaciar do desfiladeiro de Karo (5.020 m). Em Gyantse, rendemo-nos ao esplendor budista-tibetano da velha cidadela.
Salto para a frente, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu
Étnico
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

António do Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina
História
Lençois da Bahia, Brasil

A Liberdade Pantanosa do Quilombo do Remanso

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.
Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal
Ilhas
Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

A Ponta Leste, algo Extraterrestre da Madeira

Inóspita, de tons ocres e de terra crua, a Ponta de São Lourenço surge, com frequência, como a primeira vista da Madeira. Quando a percorremos, deslumbramo-nos, sobretudo, com o que a mais tropical das ilhas portuguesas não é.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Horseshoe Bend
Natureza
Navajo Nation, E.U.A.

Por Terras da Nação Navajo

De Kayenta a Page, com passagem pelo Marble Canyon, exploramos o sul do Planalto do Colorado. Dramáticos e desérticos, os cenários deste domínio indígena recortado no Arizona revelam-se esplendorosos.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Parques Naturais
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Willemstad, Curaçao, Punda, Handelskade
Património Mundial UNESCO
Willemstad, Curaçao

O Coração Multicultural de Curaçao

Uma colónia holandesa das Caraíbas tornou-se um grande polo esclavagista. Acolheu judeus sefarditas que se haviam refugiado da Inquisição em Amesterdão e Recife e assimilou influências das povoações portuguesas e espanholas com que comerciava. No âmago desta fusão cultural secular esteve sempre a sua velha capital: Willemstad.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Machangulo, Moçambique, ocaso
Praias
Machangulo, Moçambique

A Península Dourada de Machangulo

A determinada altura, um braço de mar divide a longa faixa arenosa e repleta de dunas hiperbólicas que delimita a Baía de Maputo. Machangulo, assim se denomina a secção inferior, abriga um dos litorais mais grandiosos de Moçambique.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Religião
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Trem do Serra do Mar, Paraná, vista arejada
Sobre Carris
Curitiba a Morretes, Paraná, Brasil

Paraná Abaixo, a Bordo do Trem Serra do Mar

Durante mais de dois séculos, só uma estrada sinuosa e estreita ligava Curitiba ao litoral. Até que, em 1885, uma empresa francesa inaugurou um caminho-de-ferro com 110 km. Percorremo-lo, até Morretes, a estação, hoje, final para passageiros. A 40km do término original e costeiro de Paranaguá.
Creel, Chihuahua, Carlos Venzor, coleccionador, museu
Sociedade
Chihuahua a Creel, Chihuahua, México

A Caminho de Creel

Com Chihuahua para trás, apontamos a sudoeste e a terras ainda mais elevadas do norte mexicano. Junto a Ciudad Cuauhtémoc, visitamos um ancião menonita. Em redor de Creel, convivemos, pela primeira vez, com a comunidade indígena Rarámuri da Serra de Tarahumara.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Vida Selvagem
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.