Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks


Um rasto na madrugada
Jipe cruza a vastidão avermelhada em redor do Damaraland Wilderness Camp, sobre a alvorada.
Abrigo à força
Dois habitantes descendentes dos deslocados pelo plano sul-africano de Odendaal.
Resiliência Vegetal
Uma pequena acácia desafia a aridez do deserto montanhoso de Damaraland.
Cuidados pueris
Elefantes fêmea protege cria do calor intenso.
Resiliência vegetal II
Árvore solitária desponta do solo árido de lixa de Damaraland.
Rochas sobre rochas
Um dos montes de grandes calhaus de granito rosado que salpicam a vastidão de Damaraland.
Conforto sobre rochas
Estrutura do Sorris Sorris Lodge, instalada numa encosta de uma de muitas colinas de rochedos rosados no sopé da maior elevação namibiana, a montanha Brandenberg
Sombras da alvorada
Guia e condutor do Damaraland Wilderness Camp, prestes a entrar num dos jipes do lodge
Escultura Erosiva
Formação rochosa legada pela erosão, em Damaraland.
Desterrado
Morador encarregue do Parque Estacionamento do Damaraland Wilderness Camp, em tempos desterrado do norte da África do Sul.
Pilha com arte
Rochas empilhadas com equilíbrio e critério pela natureza, a caminho de Twyfelfontein.
Resiliência vegetal III
Velha árvore subsiste no leito de um rio que só flui na curta época das chuvas da região
Pelo deserto abaixo
Guia do Damaraland Camp conduz um jipe por um trilho estreito da região.
Cuidados pueris
Elefantes fêmea protege cria do calor intenso.
De vigia
Guia John perscruta o horizonte inóspito em busca de elefantes
Resiliência vegetal III
Velha árvore subsiste no leito de um rio que só flui na curta época das chuvas da região
Desterrado
Morador encarregue do Parque Estacionamento do Damaraland Wilderness Camp, em tempos desterrado do norte da África do Sul.
Pilha com arte
Rochas empilhadas com equilíbrio e critério pela natureza, a caminho de Twyfelfontein.
Rochas sobre rochas
Um dos montes de grandes calhaus de granito rosado que salpicam a vastidão de Damaraland.
Pelo deserto abaixo
Guia do Damaraland Camp conduz um jipe por um trilho estreito da região.
Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.

Começamos por confessar que não tínhamos feito o trabalho de casa para a Namíbia.

Alugámos um carro demasiado barato e desaquado. Não estávamos preparados para a transição dramática que se seguiria.

Uns dias antes, completámos o percurso da capital Windhoek para o PN Etosha, confortáveis e a voar baixinho.

O mesmo aconteceu no trecho inicial entre Etosha e o Damaraland Camp onde era suposto darmos entrada antes do anoitecer.

Atingimos Otavi num ápice. Em Otavi, vemo-nos forçados a abandonar a coluna vertebral rodoviária da Namíbia e a rumar a oeste.

Inauguramo-nos nas estradas C do país, de gravilha, em vez das bem asfaltadas B.

De Otavi até Outjo, prosseguimos sem queixas mas, de Outjo em diante, depressa nos vimos num inferno motorizado.

Damaraland, Namíbia, Khorixas

Veículo sobe uma estrada abrasiva da região de Khorixas.

Damaraland Acima: uma Viagem Abrasiva

O nosso carro e os restantes levantam uma poeira seca que se infiltra no habitáculo e nos irritava, tanto como irritava as vias respiratórias e os olhos.

O sol e a temperatura subiram a pique e o ar condicionado sucumbiu à invasão do pó.

Nas horas que se seguiram, sentimo-nos numa sauna suja.

Como se não bastasse, o perfil de montanha-russa do itinerário – que passava sobre rios e riachos exclusivos da época das chuvas – exigia-nos uma atenção redobrada.

Damaraland, Namíbia, carroça

Carroça avança por uma das estradas pedregosas e poeirentas em redor de Khorixas.

Súbitas rampas e desvios forçavam-nos a travagens e “aterragens” que ora nos colavam aos bancos ora nos sacudiam.

“Isto vai ser sempre assim?” reclama a Sara, suada, derreada, com ar moribundo, do lugar do morto.

Mesmo que os soubesse iguais ou piores, responderia sempre da mesma maneira: ”é só mais um bocado assim.

Mais uma horinha estamos lá. Amanhã já nem nos lembramos disto.”

Os Panoramas e os Habitantes Desterrados de Damaraland

Passou bem mais que uma hora sem sombra de sítio para pararmos, bebermos qualquer coisa e nos refrescarmos.

Só interrompemos aquele rally africano para fotografar os primeiros cenários surreais de Damaraland.

Formação rochosa, Damaraland, Namíbia

Formação rochosa legada pela erosão, em Damaraland.

Às cinco e meia da tarde, entre montes rochosos e desgarrados, encontramos o parque de estacionamento do Damaraland Camp.

Apenas os jipes mais robustos podiam completar o percurso até ao lodge.

Imobilizamos o carro. Aguardamos o transfer à conversa com Neil Adams, vizinho de Sabina Waterboer, a habitual guardiã dos veículos.

Tanto Neil como Sabina pertenciam à tribo Riemvasmaak e à etnia Damaraland.

Morador de Damaraland, Namíbia

Morador encarregue do Parque Estacionamento do Damaraland Wilderness Camp, em tempos desterrado do norte da África do Sul.

Dona Sabina tinha ido a um funeral. Nunca chegamos a conhecê-la.

Fosse como fosse, depressa percebemos que, mais que um parque de estacionamento, o que ali estava eram vidas. Vidas de desterro numa terra de ninguém.

Duas casas humildes haviam sido erguidas sobre um solo de lixa. Vedações aramadas protegiam os lares, umas poucas árvores baixas e alguns animais domésticos no interior.

Quanto mais o jipe demorava mais nos intrigava o porquê de alguém se instalar naqueles nenhures áridos.

Sabíamos que estávamos numa zona cruzada por animais selvagens. Puxamos a conversa por aí. “Estas cabras devem atrair aqui de tudo um pouco, não?” “Se atraem”… responde-nos o vizinho de Sabina.

De quando em quando, os leões sentem-lhes o cheiro e damos com eles aqui às voltas. Outras vezes, são as hienas-castanhas.”

Deixamos o palavreado fluir até nos sentirmos à vontade.

A determinada altura, não resistimos: “Não nos leve a mal a pergunta, mas… como é que vocês vieram parar a um lugar destes”

Damaraland, Namíbia, cenário

Cenário semi-verdejante da vastidão de Damaraland, nas imediações de Twyfelfountein.

“Não tivemos grande escolha”, explica-nos o tranquilo interlocutor que aproveita para nos elucidar sobre a desgraça que assolara a pequena comunidade.

Um Legado Desumano do Apartheid

Nos anos 60, sob os auspícios da Liga das Nações, o governo Apartheid da África do Sul ainda governava o Sudoeste Africano, confiscado à Alemanha durante a 1ª Guerra Mundial.

Seguindo o exemplo dos anos atrozes da ocupação germânica e o preâmbulo histórico aberto pelos pioneiros boers, esforçava-se por lá implementar uma política de Homelands, coloquialmente conhecida por Plano Odendaal.

De acordo com a recomendação de uma tal de Comissão de Inquérito dos Assuntos do Sudoeste Africano, “o bom aproveitamento dos recursos disponíveis tanto para brancos como para nativos recomendava a criação de terras que acolhessem os diferentes grupos étnicos do vasto território”.

Mediante este plano maquiavélico, na prática, as autoridades propuseram-se a exilar comunidades inteiras dos lugares em que viviam, manipulando a sua dignidade como se de um jogo se tratassem.

Claro está que, no meio desta pretensa ideologia, inúmeros interesses comerciais falaram mais alto. “Nós tínhamos uma vida perfeita lá em Mgcawu, próximo do rio Orange” diz-nos Neil.

“Mas, eles queriam aquela zona toda para mineração de diamantes e outros. Mandaram-nos para aqui.”

Habitantes de Damaraland, Região de Torra Conservancy, Namibia

Dois habitantes descendentes dos deslocados pelo plano sul-africano de Odendaal.

Segundo o plano, era suposto o novo bantustão de Damaraland acolher apenas o povo Damara, considerado um dos mais antigos da região da Namíbia, a seguir aos San e aos Nama.

O Plano Odendaal continuou a mover os nativos ao bel-prazer dos governantes.

Neil e muitos dos vizinhos viram-se obrigados a reerguer-se do nada naquelas paragens inóspitas.

O acordo da Srª Waterboer com o Damaraland Camp de tomar conta dos carros, suplementara o seu vácuo existencial particular como uma bênção.

Do Damaraland Camp à Demanda dos Elefantes do Deserto

O jipe aparece. Interrompe a conversa.

Conduz-nos ao lodge onde nos instalamos em três tempos.

O ocaso tosta ainda mais os montes e vales circundantes.

Jipe num trilho de Damaraland, Namíbia

Guia do Damaraland Camp conduz um jipe por um trilho estreito da região.

Torna-os de tal maneira escarlates que nos questionamos se não tínhamos chegado a Marte.

Só o jantar à mesa com os outros hóspedes e os respectivos prazeres terrenos dissipam tal dúvida.

Despertamos às 5h30.

Damaraland, Namíbia, aurora

Sol nascente incide no cume de um monte nas imediações do Damaraland Wilderness Camp.

Um jipe do Damaraland Camp conduz-nos a uma elevação central e sobranceira.

É lá que tomamos o pequeno-almoço com a lua-cheia a resistir ao sol que re-emergia.

Jipe cruza Damaraland, Namíbia

Jipe cruza a vastidão avermelhada em redor do Damaraland Wilderness Camp, sobre a alvorada.

Feito de montanhas e vales salpicados por pequenas árvores, por arbustos verdes robustos e espinhosos.

Damaraland, Namibia, árvore

Árvore verdejante desponta de um leito arenoso de Damaraland.

Três jipes descem a colina para o vale.

Começam por seguir em caravana mas logo se dispersam por forma a optimizarem a busca dos paquidermes.

Atravessamos vales desolados e cercados por velhas montanhas e vulcões.

Damaraland, namibia, Acácia desafia o deserto de Damaraland, Namíbia

Uma pequena acácia desafia a aridez do deserto montanhoso de Damaraland.

Na vastidão, uma acácia solitária confirmava a resiliência biológica daqueles confins.

Os jipes mantêm-se em contacto via rádio.

Damaraland, Namíbia, jipe em Game drive

Jipe do Damaraland Wilderness Camp procura animais na paisagem de Damaraland.

Trocam informação sobre pegadas e outras pistas.

Não tarda, atravessamos a estrada em que tínhamos chegado ao Damaraland Camp na tarde anterior.

“Estes elefantes do deserto de cá são especiais, sabem?

São muito mais leves e ágeis.” explica-nos o guia.  “Habituaram-se a subir e a descer as colinas. Por isso, às vezes, custa-nos encontrá-los.”

Guia procura elefantes, nas imediações do Sorris Sorris Lodge, Namíbia

Guia John perscruta o horizonte inóspito em busca de elefantes

Enfim, os Esquivos Paquidermes

Vasculhamos o lado de lá até à exaustão.

Entretanto, metidos em vales mais apertados, intersectamos os caminhos seguidos pelos outros jipes.

Detemo-nos para trocarmos novos indícios.

Elefantes em Damaraland, Namíbia

Elefantes protegem-se do calor cada vez mais intenso à sombra da vegetação espinhosa da região.

Por fim, já bem para lá das onze da manhã, lá damos com a manada.

Admiramo-los por algum tempo. Os bichos, admiram-nos a nós.

Damaraland, Namíbia, elefante

Cabeça e tromba de um dos elefantes que percorrem a região em redor do leito do rio Huab.

Em seguida, voltamos ao lodge. Refazemos as malas.

Damaraland Camp, Namíbia

Uma das várias cabanas do Damaraland Camp

Despedimo-nos. Rumamos a sul.

Quanto mais a sul chegávamos, mais abundavam as fascinantes pilhas de rochas ocres, idênticas às que nos cercavam enquanto procurávamos os elefantes.

Rochas sobre rochas

Um dos montes de grandes calhaus de granito rosado que salpicam a vastidão de Damaraland.

Como sempre, na Namíbia, o lodge seguinte distava e o itinerário contava com estradas de categoria C, D e piores.

Metemo-nos o quanto antes a caminho.

Mesmo assim, chegamos ao Sorris Sorris Lodge era já noite cerrada.

Andrew, o manager, instala-nos. Prenda-nos com um jantar divinal.

Sorris Sorris Lodge e a Montanha Suprema da Namíbia

Como acontecera no Damaraland Camp e é característico da região, a alvorada desvenda-nos novo lugar inverosímil.

A luz morna da manhã incide, de lado, no terraço do lodge e, noutros, anexos, dispostos sobre a encosta de mais um grande outeiro de calhaus de granito rosado.

O sol não tarda a passar para trás do lodge.

Destaca, por fim, o cenário para diante daquele anfiteatro privilegiado, escolhido a dedo por Victor Azevedo, um empresário que há muito respira África – viveu em Angola, África do Sul, depois na Namíbia –  e que, após triunfar na restauração, apostou numa rede de lodges que revelassem espaços namibianos eleitos.

Estrutura do lodge Sorris Sorris, Namibia

Estrutura do Sorris Sorris Lodge, instalada numa encosta de uma de muitas colinas de rochedos rosados no sopé da maior elevação namibiana, a montanha Brandenberg

Pela frente, a boa distância, tínhamos o leito arenoso do rio Ugab. E a planície aluvial que as enchentes fulminantes da época das chuvas faziam alastrar.

Acima, impunha-se a Brandberg, um impressionante maciço rochoso com 2573 metros, a montanha rainha da Namíbia. Há 72 horas que a geologia excêntrica de Damaraland nos deslumbrava.

Decidimos prolongar a estadia no Sorris Sorris com um objectivo bem claro: podermos continuar a admirá-la.

Fish River Canyon, Namíbia

As Entranhas Namibianas de África

Quando nada o faz prever, uma vasta ravina fluvial esventra o extremo meridional da Namíbia. Com 160km de comprimento, 27km de largura e, a espaços, 550 metros de profundidade, o Fish River Canyon é o Grand Canyon de África. E um dos maiores desfiladeiros à face da Terra.
Walvis Bay, Namíbia

O Litoral Descomunal de Walvis Bay

Da maior cidade costeira da Namíbia ao limiar do deserto do Namibe de Sandwich Harbour, vai um domínio de oceano, dunas, nevoeiro e vida selvagem sem igual. Desde 1790, que a profícua Walvis Bay lhe serve de portal.
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Vale da Morte, E.U.A.

O Ressuscitar do Lugar Mais Quente

Desde 1921 que Al Aziziyah, na Líbia, era considerado o lugar mais quente do Planeta. Mas a polémica em redor dos 58º ali medidos fez com que, 99 anos depois, o título fosse devolvido ao Vale da Morte.
Lubango, Angola

A Cidade no Cimo de Angola

Mesmo barradas da savana e do Atlântico por serras, as terras frescas e férteis de Calubango sempre prendaram os forasteiros. Os madeirenses que fundaram Lubango sobre os 1790m e os povos que se lhes juntaram, fizeram dela a cidade mais elevada e uma das mais cosmopolitas de Angola.
Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites do Deserto de Atacama

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Montanha da Mesa sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.
Twyfelfontein - Ui Aes, Namíbia

À Descoberta da Namíbia Rupestre

Durante a Idade da Pedra, o vale hoje coberto de feno do rio Aba-Huab, concentrava uma fauna diversificada que ali atraía caçadores. Em tempos mais recentes, peripécias da era colonial coloriram esta zona da Namíbia. Não tanto como os mais de 5000 petróglifos que subsistem em Ui Aes / Twyfelfontein.
PN Bwabwata, Namíbia

Um Parque Namibiano que Vale por Três

Consolidada a independência da Namíbia, em 1990, para simplificarem a sua gestão, as autoridades agruparam um trio de parques e reservas da faixa de Caprivi. O PN Bwabwata resultante acolhe uma imensidão deslumbrante de ecossistemas e vida selvagem, às margens dos rios Cubango (Okavango) e Cuando.
Spitzkoppe, Damaraland, Namíbia

A Montanha Afiada da Namíbia

Com 1728 metros, o “Matterhorn Namibiano” ergue-se abaixo das dez maiores elevações da Namíbia. Nenhuma delas se compara com a escultura granítica, dramática e emblemática de Spitzkoppe.
PN Etosha, Namíbia

A Vida Exuberante da Namíbia Branca

Um salar vasto rasga o norte namibiano. O Parque Nacional Etosha que o envolve revela-se um habitat árido, mas providencial, de incontáveis espécies selvagens africanas.
Palmwag, Namíbia

Em Busca de Rinocerontes

Partimos do âmago do oásis gerado pelo rio Uniab, habitat do maior número de rinocerontes negros do sudoeste africano. Nos passos de um pisteiro bosquímano, seguimos um espécime furtivo, deslumbrados por um cenário com o seu quê de marciano.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Safari
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Yak Kharka a Thorong Phedi, Circuito Annapurna, Nepal, iaques
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 11º: Yak Karkha a Thorong Phedi, Nepal

A Chegada ao Sopé do Desfiladeiro

Num pouco mais de 6km, subimos dos 4018m aos 4450m, na base do desfiladeiro de Thorong La. Pelo caminho, questionamos se o que sentíamos seriam os primeiros problemas de Mal de Altitude. Nunca passou de falso alarme.
Gravuras, Templo Karnak, Luxor, Egipto
Arquitectura & Design
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou o Templo de Karnak e a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Via Conflituosa
Cerimónias e Festividades
Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem a Via Dolorosa, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.
Rua de São Pedro Atacama, Chile
Cidades
San Pedro de Atacama, Chile

São Pedro de Atacama: a Vida em Adobe no Mais Árido dos Desertos

Os conquistadores espanhóis tinham partido e o comboio desviou as caravanas de gado e nitrato. San Pedro recuperava a paz mas uma horda de forasteiros à descoberta da América do Sul invadiu o pueblo.
fogon de Lola, comida rica, Costa Rica, Guapiles
Comida
Fogón de Lola, Costa Rica

O Sabor a Costa Rica de El Fogón de Lola

Como o nome deixa perceber, o Fogón de Lola de Guapiles serve pratos confeccionados ao fogão e ao forno, segundo tradição familiar costarricense. Em particular, a família da Tia Lola.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Cultura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
voos baratos, comprar voos baratos, bilhetes de avião baratos,
Em Viagem
Viajar Não Custa

Compre Voos Antes de os Preços Descolarem

Conseguir voos baratos tornou-se quase uma ciência. Fique a par dos princípios porque se rege o mercado das tarifas aéreas e evite o desconforto financeiro de comprar em má hora.
Centro Cultural Jean Marie Tjibaou, Nova Caledonia, Grande Calhau, Pacifico do Sul
Étnico
Grande Terre, Nova Caledónia

O Grande Calhau do Pacífico do Sul

James Cook baptizou assim a longínqua Nova Caledónia porque o fez lembrar a Escócia do seu pai, já os colonos franceses foram menos românticos. Prendados com uma das maiores reservas de níquel do mundo, chamaram Le Caillou à ilha-mãe do arquipélago. Nem a sua mineração obsta a que seja um dos mais deslumbrantes retalhos de Terra da Oceânia.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

Kremlin de Rostov Veliky, Rússia
História
Rostov Veliky, Rússia

Sob as Cúpulas da Alma Russa

É uma das mais antigas e importantes cidades medievais, fundada durante as origens ainda pagãs da nação dos czares. No fim do século XV, incorporada no Grande Ducado de Moscovo, tornou-se um centro imponente da religiosidade ortodoxa. Hoje, só o esplendor do kremlin moscovita suplanta o da cidadela da tranquila e pitoresca Rostov Veliky.
Vista Serra do Cume, Ilha Terceira, Açores Ímpares
Ilhas
Ilha Terceira, Açores

Ilha Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Monte Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Natureza
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Vulcão ijen, Escravos do Enxofre, Java, Indonesia
Parques Naturais
Vulcão Ijen, Indonésia

Os Escravos do Enxofre do Vulcão Ijen

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.
Abençoado repouso
Património Mundial UNESCO
Hoi An, Vietname

O Porto Vietnamita Que Ficou a Ver Navios

Hoi An foi um dos entrepostos comerciais mais importantes da Ásia. Mudanças políticas e o assoreamento do rio Thu Bon ditaram o seu declínio e preservaram-na como as cidade mais pitoresca do Vietname.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
ilha Martinica, Antilhas Francesas, Caraíbas Monumento Cap 110
Praias
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Gatis de Tóquio, Japão, clientes e gato sphynx
Sociedade
Tóquio, Japão

Ronronares Descartáveis

Tóquio é a maior das metrópoles mas, nos seus apartamentos exíguos, não há lugar para mascotes. Empresários nipónicos detectaram a lacuna e lançaram "gatis" em que os afectos felinos se pagam à hora.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Vida Selvagem
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.