Robben Island, África do Sul

A Ilha ao Largo do Apartheid


A ansiada Montanha da Mesa
Comunidade Livre
Ilha Robben contra a Montanha da Mesa
O Casario de Robben
Tétris Corvo-Marinho
“Liberdade não Pode ser Algemada”
Servir com Orgulho
Ficha de Prisioneiro
Prisioneiros Proeminentes
Visitantes e Livres
Casal Enquadrado
Prisão na História da África do Sul
Cela-Vestiário
Passagem para Lado Nenhum
A Pedreira Assassina
Cartaz da Ilha-Museu
Pedras dos Prisioneiros
O Jardim de Mandela
A igreja de Garrisson
O Cemitério
Bartolomeu Dias foi o primeiro europeu a vislumbrar a Robben Island, aquando da sua travessia do Cabo das Tormentas. Com os séculos, os colonos transformaram-na em asilo e prisão. Nelson Mandela deixou-a em 1982, após dezoito anos de pena. Decorridos outros doze, tornou-se o primeiro presidente negro da África do Sul.

À medida que o barco se afasta da ponta sul de África, Baía da Mesa adentro, o oceano agita-se um pouco.

Nada digno de um monstro Adamastor, ou que chegasse a inquietar os marinheiros lusos que desbravaram estes confins do Mundo.

Aos poucos, a Montanha da Mesa afasta-se. Define-se contra um céu de um azulão predominante. A distância faz o pico Lion Head submeter-se-lhe e revela um capricho deslumbrante da meteorologia, um manto denso de nuvens que cobre a Mesa, mas não o casario da Cidade do Cabo que se senta ao seu pé.

É este o cenário majestoso que vemos amplificar-se a sul. A norte, vislumbramos uma mera linha ténue acima do plano marinho, uma faixa de terra que desde há muito se cruza com a da história da África do Sul.

Bartolomeu Dias foi o primeiro europeu a avistá-la, em 1488, durante a sua expedição pioneira e exitosa em torno do então conhecido como Cabo das Tormentas.

O barco em que seguíamos continua a acercar-se. A mácula no azul-Atlântico transforma-se num manto crescente de verde, feito de arbustos e árvores baixas, de que se eleva a torre branca e vermelha dum farol.

O leste da ilha desvela um casario térreo imposto à vegetação.

À determinada altura, ficamos com a ilha e parte do seu casario entre nós e a montanha da Mesa.

O barco contorna um molhe feito de grandes blocos quase-prismáticos de cimento, colonizado por centenas de corvos-marinhos.

Ilha Robben: ancoragem nas Agruras da História Sul-Africana

Do lado de lá, entramos em águas isoladas das tempestades e no destino final da travessia, a doca da Ilha-Prisão de Robben.

Um mural fotográfico resume o mote da visita que estávamos prestes a iniciar: “A Liberdade não Pode ser Algemada – Repressão, Libertação, Ressurreição”.

Foram vários os homens aprisionados e libertados em Robben Island, quase todos africanos, indianos, de etnias não brancas.

Três deles, viriam, mais tarde, a ser eleitos para Presidente da África do Sul.

Nelson Mandela e a Resistência contra o Apartheid

Nelson Rolihlahla Mandela, o primeiro, destacou-se como nenhum outro, ao ponto de ainda ser idolatrado como o Pai da Nação Sul-Africana e um dos grandes sofredores e lutadores pela liberdade e justiça racial de todos os tempos.

Durante o Inverno de 1964, em pleno Apartheid imposto pelos sucessivos governos “brancos” da África do Sul, Mandela foi capturado e enviado para cumprir pena na Robben Island.

Viu-se forçado a cruzar o mesmo portal que, entretanto, cruzámos, sob uma inscrição sarcástica de acolhimento “Welcome (to Robbene Island) – We serve with pride”.

Desde os seus tempos de estudante que Mandela se envolvia na política de nacionalismo africano e anti-colonial.

Exercia já advocacia, em Joanesburgo, quando, em 1943, aderiu ao partido ANC (African National Congress) e ajudou a fundar a sua Youth League.

Cinco anos mais tarde, o Partido Nacionalista, de filosofia racista e de supremacia branca, instituiu o Apartheid, um regime de segregação e discriminação racial que relegava todas as etnias não brancas da África do Sul a um estatuto subalterno face à população branca.

Confrontados com o maléfico Apartheid, Mandela e tantos outros membros do ANC assumiram como objectivo primordial, desmantelá-lo.

À medida que Mandela subia na hierarquia do partido, intensificou o seu protagonismo na luta contra o Apartheid, abriu excepções nos seus princípios pacifistas para sucessivas acções de sabotagem contra o estado sul-africano.

Como consequência, foi feito prisioneiro, em 1962. Pouco depois, sentenciado a prisão perpétua.

Tal como sugeria o portal, Mandela serviu a pena com orgulho.

Com orgulho de si e da sua intenção e do ANC de derrubar o Apartheid. De tornar a África do Sul, uma nação multirracial democrática e tolerante.

Cruzamos o portal. Do lado de lá, embarcamos num autocarro.

A bordo, um cicerone guia-nos pelo vasto recinto prisional. Por um campo de râguebi e futebol, ladeado de torres de vigia, selado por vedações, as exteriores, coroadas de arame farpado.

A bandeira sul-africana ondula acima de uma secção fulcral, a que congrega as celas e o pátio de recreio.

Um outro guia, ex-prisioneiro, leva-nos à ala das celas. Lá nos exibe um cartão que emula os registos dos prisioneiros. Conduz-nos à cela de Mandela.

Lá vemos subsistirem uma chávena e um pires de metal, um balde de lixo e um monte de cobertores.

Fazia frio, sobretudo nos meses invernais do limiar sul de África.

Os prisioneiros sofriam a dobrar nos primeiros tempos, quando tinham que quebrar pedra na pedreira local e, apanhar algas nas águas gélidas do Atlântico do Sul, mais tarde, vendidas aos japoneses que as usavam como fertilizante.

Robben Island: a Ilha-prisão em que Nelson Mandela também se Destacou

Passamos ao pátio. Resplandece um exemplo também vegetal do tratamento especial que, devido à sua auto-estima e disciplina, Nelson Mandela fez por merecer.

Todo um recanto do muro de cimento que isolava os prisioneiros, surge plantado e ajardinado, com cactos e até uma pequena vinha trepadeira que busca o desafogo do firmamento.

A elevação que Nelson Mandela mostrava no seu trato para com outros prisioneiros e autoridades fez com que os guardas lhe permitissem este e outros caprichos.

Pouco depois de ter entrado em Robben Island, Mandela entregou-se ao repto de aprender Afrikaans, na prática, a língua dos seus captores e que fez questão de saber falar com os guardas.

Um de inúmeros outros exemplos da sua dignidade e esperança de vir a unir a nação sul-africana, deu-se aquando da visita do Ministro sul-africano da Justiça e Prisões, Jimmy Kruger.

Kruger perguntou a Mandela se havia algo que pudesse fazer. Ao que Nelson respondeu “bom, pode sempre libertar-me”.

Findo o momento de humor, Mandela aproveitou para deixar claro que não tinha nada contra a etnia bóer enquanto povo: “Olhe, as colectâneas de Opperman, um poeta afrikaaner, não estão na nossa biblioteca. Podia arranjar forma de as colocar lá.

Aprecio-o muito.” Pouco depois, o editor da obra de Opperman, ofereceu-as à prisão. Mandela escreveu-lhe a agradecer.

O nosso périplo pela Ilha de Robben passa ainda pelo cemitério, a que, como a pedreira, Mandela resistiu.

A Ilha Robben nos Primeiros Tempos Coloniais

Segue até ao limiar norte da ilha, batido por um mar repleto do tal kelp frígido, habitado por colónias de pinguins intrigados pela súbita atenção que lhes é dedicada.

Os pinguins são uma das poucas espécies que, por altura do seu desembarque na ilha, em 1652, os holandeses encontraram. Os outros animais foram as focas.

Inspiraram o baptismo de Robben (foca) Island.

Foram também os holandeses que, durante o século XVI, inauguraram o longo uso da ilha enquanto prisão, onde chegaram a manter reclusas as famílias reais de Ternate e Tidore, antigos reinos situados nas ilhas Molucas.

No extremo norte de Robben, uma moldura identificada e dotada de coordenadas GPS, enquadra a distante Montanha da Mesa e a Cidade do Cabo, a civilização à vista com que os prisioneiros sonhavam.

Enquanto as autoridades os mantinham alienados de tudo o que acontecia na África do Sul e no Mundo.

Nos dezoito anos de captividade de Mandela na prisão de Robben Island, o Mundo evoluiu.

Em 1982, Mandela deixou a “ilha acorrentada” para a Prisão de Pollsmoor, na Cidade do Cabo, onde cumpriu mais seis anos de pena, dramatizada por ter contraído tuberculose.

No final de 1988, foi mudado para a prisão Victor Verster onde cumpriu os derradeiros dois anos a que tinha sido sentenciado. O Muro de Berlim caiu.

Na senda da abertura do seu predecessor P.W. Botha, Frederick de Klerk, o sétimo presidente da África do Sul concluiu que o Apartheid não poderia continuar.

Ilha Robben: de Ilha-Prisão a Ilha-Museu da Cidade do Cabo

Libertou Mandela e vários outros líderes e ex-líderes do ANC. Sem a função que lhe havia dado sentido, a prisão de Robben Island foi desactivada e transformada num museu-vivo.

Ao contrário do que antes acontecia, o museu está aberto a visitas durante o ano inteiro, excepto dias de intempérie que o ferry que a serve não pode enfrentar.

Não tarda, regressamos à Victoria & Alfred Waterfront da Cidade do Cabo, pela baía da Mesa já mais ventosa e agitada.

Mandela perdeu dezoito anos da sua vida em liberdade na “ilha acorrentada” de Robben. Ao visitá-la, desvendamos como o destino o condenou a liderar e a unir os sul-africanos.

E a inspirar o respeito pela democracia e igualdade racial em redor da Terra.

Cabo da Boa Esperança - Cape of Good Hope NP, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Montanha da Mesa sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.
Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
Alcatraz, São Francisco, E.U.A.

De Volta ao Rochedo

Quarenta anos passados sobre o fim da sua pena, a ex-prisão de Alcatraz recebe mais visitas que nunca. Alguns minutos da sua reclusão explicam porque o imaginário do The Rock arrepiava os piores criminosos.
À Descoberta de Tassie,  Parte 2 - Hobart a Port Arthur, Austrália

Uma Ilha Condenada ao Crime

O complexo prisional de Port Arthur sempre atemorizou os desterrados britânicos. 90 anos após o seu fecho, um crime hediondo ali cometido forçou a Tasmânia a regressar aos seus tempos mais lúgubres.
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Safari
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
Cerimónias e Festividades
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Kiomizudera, Quioto, um Japão Milenar quase perdido
Cidades
Quioto, Japão

Um Japão Milenar Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Efate, Vanuatu, transbordo para o "Congoola/Lady of the Seas"
Cultura
Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Em Viagem
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Parque Nacional Cahuita, Costa Rica, Caribe, Punta Cahuita vista aérea
Étnico
Cahuita, Costa Rica

Uma Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral da Costa Rica tão afro quanto das Caraíbas. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Assuão, Egipto, rio Nilo encontra a África negra, ilha Elefantina
História
Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.
Porto Santo, vista para sul do Pico Branco
Ilhas
Vereda Terra Chã e Pico Branco, Porto Santo

Pico Branco, Terra Chã e Outros Caprichos da Ilha Dourada

No seu recanto nordeste, Porto Santo é outra coisa. De costas voltadas para o sul e para a sua grande praia, desvendamos um litoral montanhoso, escarpado e até arborizado, pejado de ilhéus que salpicam um Atlântico ainda mais azul.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Estátuas de elefantes à beira do rio Li, Elephant Trunk Hill, Guilin, China
Natureza
Guilin, China

O Portal Para o Reino Chinês de Pedra

A imensidão de colinas de calcário afiadas em redor é de tal forma majestosa que as autoridades de Pequim a imprimem no verso das notas de 20 yuans. Quem a explora, passa quase sempre por Guilin. E mesmo se esta cidade da província de Guangxi destoa da natureza exuberante em redor, também lhe achámos os seus encantos.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Cavalgada em tons de Dourado
Parques Naturais
El Calafate, Argentina

Os Novos Gaúchos da Patagónia

Em redor de El Calafate, em vez dos habituais pastores a cavalo, cruzamo-nos com gaúchos criadores equestres e com outros que exibem para gáudio dos visitantes, a vida tradicional das pampas douradas.
hué, cidade comunista, Vietname Imperial, Comunismo Imperial
Património Mundial UNESCO
Hué, Vietname

A Herança Vermelha do Vietname Imperial

Sofreu as piores agruras da Guerra do Vietname e foi desprezada pelos vietcong devido ao passado feudal. As bandeiras nacional-comunistas esvoaçam sobre as suas muralhas mas Hué recupera o esplendor.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Praias
Gizo, Ilhas Salomão

Gala dos Pequenos Cantores de Saeraghi

Em Gizo, ainda são bem visíveis os estragos provocados pelo tsunami que assolou as ilhas Salomão. No litoral de Saeraghi, a felicidade balnear das crianças contrasta com a sua herança de desolação.
Kremlin de Rostov Veliky, Rússia
Religião
Rostov Veliky, Rússia

Sob as Cúpulas da Alma Russa

É uma das mais antigas e importantes cidades medievais, fundada durante as origens ainda pagãs da nação dos czares. No fim do século XV, incorporada no Grande Ducado de Moscovo, tornou-se um centro imponente da religiosidade ortodoxa. Hoje, só o esplendor do kremlin moscovita suplanta o da cidadela da tranquila e pitoresca Rostov Veliky.
Chepe Express, Ferrovia Chihuahua Al Pacifico
Sobre Carris
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Mahu, Terceiro Sexo da Polinesia, Papeete, Taiti
Sociedade
Papeete, Polinésia Francesa

O Terceiro Sexo do Taiti

Herdeiros da cultura ancestral da Polinésia, os mahu preservam um papel incomum na sociedade. Perdidos algures entre os dois géneros, estes homens-mulher continuam a lutar pelo sentido das suas vidas.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Vida Selvagem
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT