Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor


South African Geographic

Moldura na Waterfront da Cidade do Cabo enquadra a Table Mountain que serve de fundo à cidade.

Repouso bellevue

Trabalhador das docas da Cidade do Cabo repousa sobre um navio, com a "toalha de mesa" de nuvens posta sobre a Table Mountain, em fundo.

Luzes de mesa

Noitinha cerca a Table Mountain, vista do cimo da Lion's Head.

Foto Ioga

Visitantes da Table Mountain fazem uma pausa fotográfica num dos trilhos que percorre o cimo da meseta.

Table vs Table

O perfil integral da Table Mountain visto de um areal da Table Bay, a norte da Cidade do Cabo.

Decoração Balnear

Homem inscreve grafismos no areal da Glen Beach com os Twelve Apostles em fundo.

Mesa posta

A famosa tablecloth (toalha de mesa de nuvens) cobre a Table Mountain, como vista da Waterfront da Cidade do Cabo.

Moldura náutica

Passageiros do ferry que liga a Cidade do Cabo à Robben Island onde Nelson Mandela esteve aprisionado durante os anos do Apartheid sul-africano contemplam a Table Mountain a distanciar-se.

Um imponente fundo urbano

Parte do Devil's Peak surge por detrás dos edifícios comerciais que preenchem a zona da Waterfront da Cidade do Cabo.

Rei das alturas

Explorador da Table Mountain manifesta a sensação de liberdade e vastidão sentida no cimo da meseta.

12 Apóstolos

Os cumes de arenito e vegetação dos Twelve Apostles, a antecederem a longa Península do Cabo que termina no Cabo da Boa Esperança e na sua Ponta do Cabo.

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Montanha da Mesa sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.

Uma Mesa Omnipresente

Não há como escapar à Montanha da Mesa. Embrenhados no labirinto de docas, varandas e passadiços de Waterfront ou das Cape Docks. Nas sucessivas enseadas a leste e a sul que o Atlântico do Sul fustiga sem clamor e cobre de enormes algas: Sea Point, Bantry Bay, Clifton, Camps Bay, também outras mais distantes, para norte, Table View e Bloubergstrand.

O mesmo se passa para o interior intrincado da cidade, seja o colorido de Bo-Kaap ou o mais sério e composto em redor de De Waterkant ou de ZonneBloem. Desde que a meteorologia não contemple nuvens baixas, a Table Mountain insinua-se à Cidade do Cabo e aos vastos arredores como a guardiã secular da grande urbe sul-africana que se tornou.

Esta montanha achatada protege-a dos ventos sul e de boa parte das variantes. Durante séculos, facilitou a sua defesa e, não menos importante, concedeu aos colonos e actuais cidadãos da Cidade do Cabo uma das moradas mais deslumbrantes à face da Terra.

A primeira tarde, passamo-la na mesma Victoria & Alfred Waterfront que funcionou como molhe de mercadorias nos tempos da Companhia Holandesa das Índias Orientais, quando a zona a norte da Cidade do Cabo (Table Bay) ficou conhecida como “A Taverna dos Mares” pela preponderância que tinha no abastecimento dos navios holandeses mas não só.

A Deslumbrante Toalha de Mesa

Uma névoa densa sub-reptícia, avançara Atlântico do Sul acima. Pairava sobre a zona portuária e mantinha cobertos até os telhados dos prédios mais elevados.

Só quase ao fim do dia, um vento providencial a soprou para outras paragens e nos deixou vislumbrar as escarpas sobranceiras da Montanha da Mesa, do Devil’s Peak no limite leste dos seus quase 3km de extensão à Lion’s Head, no extremo oposto.

Da névoa, persistia apenas uma réstia que pendia do cimo da meseta, mais ou menos extensa, consoante a intensidade do vento sudoeste e a densidade das nuvens orográficas já formadas.

Os nativos já se habituaram ao surgimento desta que apelidaram de Table Cloth e ao seu movimento mágico sobre a montanha. Têm-na apreciado, retratado e qualificado de formas apuradas com o tempo. Alguns, dizem que é Deus, ele próprio, que estende a toalha.

Entre a comunidade de malaios radicados na Cidade do Cabo, popularizou-se o mito de que o efeito resulta de uma peculiar competição de fumo. Van Hunks, um pirata holandês retirado, nunca largava o seu cachimbo. Fumava junto ao sopé do Devil’s Peak quando um estranho se aproximou e o desafiou para um duelo de cachimbada.

Após um longo dia de fumaças (diz-se até que o duelo terá durado vários dias) uma enorme nuvem de fumo tinha-os envolvido e à Table Mountain. Van Hunks apercebeu-se não só de que ganhara o duelo mas também de que o rival era o Diabo. Os dois desapareceram no clarão de um relâmpago. Deixaram para trás a toalha de mesa que é, hoje, de quando em quando, visível.

Por norma, quando a “mesa está posta”, e o vento ou a chuva são demasiado fortes, as autoridades fecham os acessos ao topo da montanha. Chegamos, assim, à noite curiosos quanto ao que aconteceria no dia seguinte. Estávamos supostamente a chegar ao fim do Outono da região.

Contra toda a lógica, a Cidade do Cabo mantinha temperaturas máximas bem acima dos 25º e dias de céu limpo numa sequência anacrónica demasiado longa que a conduziria à situação de seca drástica em que se manteve.

À Conquista da Montanha da Mesa

A nova aurora confirmou-nos mais um desses dias de céu azulão e calor inusitado. Nem sequer hesitámos. Deixámos a pousada de Sea Point, devorámos um pequeno-almoço à pressa e metemo-nos no autocarro. Meia-hora depois, estávamos a bordo do teleférico rotativo que conduzia ao topo da Table Mountain.

À medida que sobe, a cabine desvenda os panoramas impressionantes no sopé da montanha: a Lion’s Head do lado oposto do desfiladeiro.

Aos poucos, o casario da Cidade do Cabo a aumentar de dimensão, com os arranha-céus do CBD a destacarem-se acima dos demais; a zona da Waterfront, as suas docas, a Table Bay e, já quase num perder de vista prateado, a silhueta da Robben Island em que as autoridades sul-africanas do Apartheid mantiveram aprisionado Nelson Mandela.

Passados esses tempos atrozes, a África do Sul preocupa-se com a aparência de uma justiça social de primeiro mundo que deve ser ainda mais insuspeitável num contexto turístico.

Ao contrário do que acontece em tantos teleféricos por esse planeta fora, em vez de as pessoas se acotovelarem e disputarem as janelas viradas para o lado mais fotogénico, a cabine rodava enquanto subia. A tecnologia resolvia, assim, de forma igualitária, a ansiedade partilhada a bordo.

No topo, a mais de 1000 metros – 1,086m são a altitude máxima da Table Mountain – o vento soprava violento, mas não o suficiente ou, talvez numa direcção distinta da que forçava as autoridades a suspender as viagens do teleférico, por vezes, dias a fio.

Os Cenários Grandiosos e a Mitologia dos Fundos de África

De varandins que faziam de miradouros, deslumbramo-nos pela primeira vez com a sumptuosidade geológica e a complexidade dos cenários em redor. Para sul, um longo promontório de arenito tingido por vegetação rasa estendia-se até um horizonte marinho distante. Era a Península do Cabo.

De um lado, encontrava o Atlântico do Sul, numa encosta de início abrupta que logo se amansava e se entregava ao oceano num suave declive verdejante.

Do lado oposto, a Península dava para a False Bay, a que os marinheiros portugueses começaram a chamar de Cabo Falso por, quando regressavam do Oriente, naquela intrincada configuração dos fundos de África, confundirem amiúde o Cabo Hangklip com a Ponta do Cabo da Boa Esperança, o mais mal afamado e temido dos pontos costeiros porque passavam, não obstante o re-baptismo da autoria de Bartolomeu Dias.

Malgrado o sucesso da travessia pioneira para o Índico, nos seus imaginários, a Table Mountain, a Península do Cabo, o Cabo da Boa Esperança, a Ponta do Cabo e as tempestades furiosas que tantas vezes os obrigavam a atravessar, continuavam a justificar um imaginário medonho.

Camões atribuiu-o à mágoa de Adamastor, um dos gigantes da mitologia grega, banido para o Cabo pela ninfa Doris, por se ter apaixonado pela sua filha Tethis.

Pois, segundo, Camões, Adamastor aparecia agora nos domínios do Cabo sob a forma de tempestade. Apesar do sucesso de Bartolomeu Dias, continuou por muito tempo a afundar muitas das embarcações que procuravam atravessar do Atlântico para o Índico.

Sem Sinais Meteorológicos do Adamastor

Nesse dia glorioso, não vislumbrámos sinal do monstro. Bem mais próximos, detectámos a chamada “Back Table”, os seus cumes geminados conhecidos por “Twelve Apostles” e as praias arredondadas de Bantry Bay, Clifton e Camps Bay. Também a baía de Sea Point em que estávamos alojados e a profusão de vivendas e moradias de luxo, algumas entre as propriedades mais valiosas da Cidade do Cabo.

Logo abaixo dos varandins, indiferentes a três montanheiros que preparavam uma descida em rappel, uma colónia de híraxes combatia o frio húmido trazido pelo vento, a absorver o calor solar atrás de uma barreira de rochas. Do nada, outros tantos caminhantes surgem de um trilho dissimulado.

Tinham seguido o exemplo pioneiro de António de Saldanha – mas um caminho distinto – e ascendido a montanha a pé. Este português que se crê de origem castelhana, foi um capitão e navegador integrante da armada de 1503 de Afonso de Albuquerque.

Nessa expedição, ficou incumbido de levar as três embarcações que comandava a juntarem-se à armada que tinha zarpado à frente. Para diante no percurso, Saldanha e os seus homens patrulhariam e predariam o comércio árabe no Mar Vermelho.

Saldanha e a Primeira Ascensão Europeia

Não necessariamente pelas melhores razões, Saldanha ancorou na Baía da Mesa e foi o primeiro europeu a ascender à Table Mountain. Desde a partida de Lisboa que as embarcações por ele comandadas padeciam de má pilotagem. Na eminência do Cabo, Saldanha terá errado no cálculo da sua travessia e ancorou num local precoce. Confuso com o que se passava, desembarcou na zona de Table Bay.

Subiu à montanha adjacente e deu-lhe o nome de Taboa do Cabo. Do topo, pôde verificar que a Ponta do Cabo da Boa Esperança se encontrava para sul, ainda por cruzar.

Saldanha e a tripulação abasteceram-se ali de água, escavaram uma grande cruz que pode ser encontrada nas imediações de Lion’s Head e envolveram-se numa pequena disputa com indígenas Khoikhoi, a etnia africana dominante aquando da chegada dos europeus. Saldanha sofreu apenas ferimentos ligeiros. Pôde regressar à embarcação e prosseguir a sua atabalhoada viagem.

Na actualidade, os encontros com os nativos da Cidade do Cabo são afáveis e recomendam-se. Tanto a travessia do oceano Atlântico para o Índico como a navegação em redor da Table Mountain, a subida à montanha e as caminhadas sobre a sua meseta estão facilitadas. Mesmo se a fauna selvagem residente é bastante mais prolífica que os simples híraxes que se exibem aos recém-chegados.

Além destes pachorrentos hiracóides, habitam a montanha porcos-espinhos, lagartos, tartarugas, mangustos e suas arqui-rivais cobras de várias espécies. Até 1990, os babuínos também marcavam presença. Hoje, as suas acções de guerrilha anti-turistas centram-se sobretudo na Ponta do Cabo.

Uma série de trilhos com diferentes amplitudes partem da frente da “Shop of the Top” e percorrem o cimo da meseta.

Metemo-nos por um que avançava pelo interior até ao Maclear’s Beacon, uma pilha de pedras erguida pelo médico-astrónomo irlandês Sir Thomas Maclear, em 1865, para auxiliar na medição da curvatura da Terra.

Dali, cortamos para as imediações do Devil’s Peak e, logo, para junto do precipício norte da Table Mountain, onde o cimo vertiginoso das falésias nos volta a revelar o casario da Cidade do Cabo, a sua Waterfront e a vasta Table Bay.

O Ocaso Místico sobre o velho Fim da Terra

Nesta zona, vários grupos detêm-se e entregam-se a fotos e a selfies demasiadas demasiado arriscadas, sobre calhaus que espreitam o abismo eminente.

No trecho que precede o regresso ao teleférico, com o sol a começar a pôr-se para oeste, reparamos na profusão de silhuetas humanas que usavam esses calhaus como pedestais e se eternizavam naquele lugar tão memorável. Mais que convencidos no que dizia respeito ao cenário, sentamo-nos por momentos a admirar as suas intrigantes coreografias casuais.

Mas, tínhamos planeado subir à Lion’s Head a tempo de apreciarmos a Table Mountain em formato panorâmico sob a derradeira luz crepuscular. Apressamo-nos, assim, a descer num dos últimos teleféricos e apontamos à colina. Por essa hora, já um pelotão de outros trekkers disputavam os dois trilhos assinalados.

Enganamo-nos e metemo-nos pelo mais dissimulado e longo. O erro obriga-nos a galgar a montanha a um ritmo cruel. Atingimos o alto encharcados em suor e com os corações a um rimo que pensávamos humanamente impossível. Fosse como fosse, estávamos no mais fulcral dos pontos panorâmicos da cidade.

Podíamos andar em sua volta e admirar e fotografar a Table Mountain, do Devils Peak às profundezas da Cape Península. Para trás, o casario da Cidade do Cabo, em toda a sua diversidade e riqueza dispunha-se e ganhava cor e dramatismo à medida que a iluminação eléctrica e a réstia requentada do arrebol nele incidiam.

Até o breu se instalar, rodopiamos sobre aquele cabeço de leão exuberante vezes sem conta, ofegantes, extenuados, indecisos sobre o que mais nos impressionava e queríamos registar de tão monstruosos cenários.

Mais informações sobre a Montanha da Mesa e dicas para a sua descoberta no site do Turismo da Cidade do Cabo (em inglês).

Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Ilha de Moçambique

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

Cabo da Boa Esperança, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.

Malealea, Lesoto

O Reino Africano dos Céus

O Lesoto é o único estado independente situado na íntegra acima dos mil metros. Também é um dos países no fundo do ranking mundial de desenvolvimento humano. O seu povo altivo resiste à modernidade e a todas as adversidades no cimo da Terra grandioso mas inóspito que lhe calhou.

Elmina, Gana 

O Primeiro Jackpot dos Descobrimentos Portugueses

No séc. XVI, Mina gerava à Coroa mais de 310 kg de ouro anuais. Este proveito suscitou a cobiça da Holanda e da Inglaterra que se sucederam no lugar dos portugueses e fomentaram o tráfico de escravos para as Américas. A povoação em redor ainda é conhecida por Elmina mas, hoje, o peixe é a sua mais evidente riqueza.

Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Lagoas fumarentas
Aventura

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Nana Kwame V
Cerimónias e Festividades
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
Comunismo Imperial
Cidades

Hué, Vietname

A Herança Vermelha do Vietname Imperial

Sofreu as piores agruras da Guerra do Vietname e foi desprezada pelos vietcong devido ao passado feudal. As bandeiras nacional-comunistas esvoaçam sobre as suas muralhas mas Hué recupera o esplendor.

Orgulho
Comida

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Tribal
Cultura

Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.

Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Convés multifuncional
Em Viagem

Puerto Natales-Puerto Montt, Chile

Cruzeiro num Cargueiro

Após longa pedinchice de mochileiros, a companhia chilena NAVIMAG decidiu admiti-los a bordo. Desde então, muitos viajantes exploraram os canais da Patagónia, lado a lado com contentores e gado.

Pesca no Paraíso
Étnico

Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Em Ouvéa, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Budas
História

Nara, Japão

Budismo Hiperbólico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.

A inevitável pesca
Ilhas

Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.

Solidariedade equina
Inverno Branco

Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

O nome mítico desencoraja a maior parte dos viajantes de explorações invernais. Mas quem chega fora do curto aconchego estival, é recompensado com a visão dos cenários vulcânicos sob um manto branco.

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Pico Rosa
Natureza
Pico, Açores

Com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. O Pico é a sua montanha aguçada mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Vista de Selkirk
Parques Naturais

Ilha Robinson Crusoe, Chile

Na Pele do Verdadeiro Robinson Crusoe

A principal ilha do arquipélago Juan Fernández foi abrigo de piratas e tesouros. A sua história fez-se de aventuras como a de Alexander Selkirk, o marinheiro abandonado que inspirou o romance de Dafoe

Património Mundial Unesco

Glaciares

Planeta Azul-Gelado

Formam-se nas grandes latitudes e/ou altitudes. No Alasca ou na Nova Zelândia, na Argentina ou no Chile, os rios de gelo são sempre visões impressionantes de uma Terra tão frígida quanto inóspita.

Palestra
Personagens

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

Cap 110
Praia

Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.

Planície sagrada
Religião

Bagan, Myanmar

A Planície das Compensações Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.

Colosso Ferroviário
Sobre carris

Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.

Noite Pachinko
Sociedade

Tóquio, Japão

O Vídeo-Vício Que Deprime o Japão

Começou como um brinquedo mas a apetência nipónica pelo lucro depressa transformou o pachinko numa obsessão nacional. Hoje, são 30 milhões os japoneses rendidos a estas máquinas de jogo alienantes.

Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Manada de búfalos asiáticos numa zona lamaçenta do Maguri Beel, Assam
Vida Selvagem
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.