Cabo da Boa Esperança, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo


Uma Busca solitária
Avestruz juvenil percorre a areia branca à procura dos progenitores.
Dias Beach
Ondas pujantes, correntes, ventos poderosos e uma água gélida fazem da Praia de Dias impraticável para banhos. Mas há sempre quem o tente...
É assim o Cabo
O Cabo da Boa Esperança, bem desenhado para lá da Praia de Dias.
Para mais tarde recordar
Grupo de visitantes faz-se fotografar atrás da placa emblemática do Cabo da Boa Esperança
Litoral selvagem
Calhaus de basalto e uma densa colónia de algas troncosas preenchem boa parte da costa a norte do Cabo.
Uma Busca solidária
Jovens avestruzes douradas pelo luz do derradeiro sol do dia, mantêm-se juntas na aflição de verem bloqueado o acesso para junto dos progenitores.
Luz à navegação
O farol da Ponta do Cabo, sobre um dos pontos litorais mais elevados da Península do Cabo.
Cabo Dourado
Avestruz percorre o areal de uma praia próxima do Cabo da Boa Esperança, ao fim do dia.
Dias Beach II
Outra perspectiva da Dias Beach, com o farol da Ponta do Cabo em fundo.
História d’Ouro
O pelourinho de Bartolomeu Dias ao pôr-do-sol. Não muito longe, está o dedicado ao navegador Vasco da Gama. Foram ambos mandados erigir pelo estado português

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.

Pelas contas do calendário, quando damos entrada na Cidade do Cabo, vindos de uma longa travessia sul-africana a bordo de um camião, já o Inverno se devia ter instalado. E, no entanto, os dias sucedem-se com céu limpo e calor a roçar os 30º, nada que aquecesse as águas frígidas, sempre repletas de algas troncudas que castigam as falésias e areais hiperbólicos destas paragens. Agradecidos ao Adamastor pela benevolência meteorológica, deliciamo-nos com o seu temido território.

Mesmo se a atmosfera é soalheira, o vento sopra furibundo de cada vez que nos aproximamos dos abismos para que espreita a Table Mountain, a meseta imponente e crua que o continente negro exibe como a sua derradeira obra orográfica. Prenda-nos com resquícios da cacimba soprada do horizonte meridional, de onde a montanha se desdobra em formas ainda mais caprichosas e se mete, como quem não quer nem saber, nos embates dolorosos do mar. Lá, onde numa não menos pungente missão, a História as uniu num longo e esforçado abraço. Era-nos impossível resistir ao apelo daquele outro lugar. Não tardaríamos a persegui-lo.

Na viragem do século XV para o XIV, os homens lusos embarcados com rumo austral receavam a silhueta desta meseta como nenhuma outra elevação por que passavam. Confrontavam-na como mau augúrio de aflições e de mais que prováveis desventuras causadas pela batalha entre os dois vastos oceanos: o Atlântico que já domavam; e, para leste, o Índico de que pouco ou nada podiam supor.

O medo exacerbado da Terra Incognita abaixo do Cabo Bojador suscitava, nas suas mentes, uma panóplia de miragens e paranoias. Aos poucos, à custa de muita vivência e resiliência colectiva, os marinheiros portugueses aprenderam a defender-se. Com Bartolomeu Dias ao comando, dobraram o Cabo das Tormentas e assim começaram a desmistificar o desconhecido. O feito teve a continuidade que merecia. Nem por isso a travessia se tornou fácil.  

Tinham passado quarenta e cinco anos desde o feito de Dias. O medo era já secular. A meio do recém-aberto Caminho para as Índias, a costa quase sobrenatural que há tanto o causava também deixou Luís de Camões em apuros.

Decorria a Primavera de 1533. Camões seguia a bordo da nau “São Bento”, parte da frota de Fernão Álvares Cabral que navegava a rota antes percorrida por Vasco da Gama. Por altura do Cabo da Boa Esperança, a “São Bento” e três outras embarcações viram-se envoltas numa tempestade brutal. Só a “São Bento” se salvou. Camões teve a fortuna do seu lado mas sentiu na pele gélida e arrepiada a inspiração para eternizar, no canto V dos “Lusíadas”, o imaginário monstruoso que atemorizava até os mais intrépidos lobos do mar.

 

39

Não acabava, quando uma figura
Se nos mostra no ar, robusta e válida,
De disforme e grandíssima estatura,
O rosto carregado, a barba esquálida,
Os olhos encovados, e a postura
Medonha e má, e a cor terrena e pálida,
Cheios de terra e crespos os cabelos,
A boca negra, os dentes amarelos.

 

40 (…)
C'um tom de voz nos fala horrendo e grosso,
Que pareceu sair do mar profundo.
Arrepiam-se as carnes e o cabelo
A mim e a todos, só de ouvi-lo e vê-lo.

 

Continuamos na demanda do que, ao longo dos séculos de Descobertas, o havia causado. Partimos do bairro costeiro de Sea Point numa manhã de Sábado enevoada. Percorremos a estrada que serpenteia, quase sempre junto ao oceano, pela base das falésias a sul da Cidade do Cabo. Desviamos para a enseada ampla de Hout Bay, àquela hora, repleta de desportistas compenetrados em se livrarem das más energias da semana. Prosseguimos estrada M6 acima. Atravessamos para o leste, apontados a Simons Town, uma povoação que atrai hordas de forasteiros intrigados pelas colónias de pinguins residentes em redor da Boulders Beach.

Dali, atentos aos repetidos avisos de travessia de babuínos e à eventual presença dos símios, progredimos costa leste abaixo.

O primeiro indício que temos do Cabo é o farol vermelho e branco sobre o mais elevado dos promontórios. Ascendemos às suas alturas. Durante a subida, em cada varandim em que tentamos espreitar o cenário abaixo, quase somos varridos pelo vento insano que castiga a vertente oeste. Voltamos a descer os degraus antes vencidos e atalhamos para o trilho que conduzia à secção norte do Cabo, aquela por que os marinheiros primeiro tinham que passar. 

Não tarda, chegamos ao cimo da Praia de Dias. Um aviso alerta para o perigo atroz de qualquer tentativa de banho naquelas águas. Esse mesmo perigo estava desenhado no mar como em poucos outros lugares o tínhamos constatado. Ondas magistrais precipitavam-se sobre o areal com uma violência desconcertante e o vento empurrava a água que lhes ficava atrás mar-adentro de forma tão intensa que a sua acção produzia grandes radiais brancas, semelhantes às deixadas pelos helicópteros quando planam, rasos, sobre a água.

Sentamo-nos a apreciar a tão deslumbrante selvajaria marítima. Enquanto o fazemos, vêm-nos de novo à mente as agruras vividas por Bartolomeu Dias, Vasco da Gama e por todos os navegadores e marinheiros que os seguiram. Bartolomeu Dias, o pioneiro, acabou por entregar a sua vida ao Cabo.

Em 1488, D. João II encarregou-o de procurar o rei cristão Prestes João e de encontrar uma rota para as Índias. As duas caravelas de cerca de cinquenta toneladas que comandava navegaram sem sobressaltos de maior ao largo da sempre agitada Angra dos Ilhéus (junto à actual cidade namibiana de Lüderitz) e do Cabo das Tormentas. Mas, em seguida, entraram num dos terríveis temporais característicos da zona. Rezam as crónicas que as embarcações ficaram treze dias sem controle, a debater-se com o vento e as ondas. Chegada a bonança, Bartolomeu Dias ordenou navegação para leste, em busca da costa. Só encontrou mar e decidiu rumar a norte.

Nesse acerto, detectou diversos portos da costa da África do Sul de hoje. Passada a baía da actual Port Elisabeth, deu com um rio. Bartolomeu Dias baptizou-o de rio do Infante. Então, desgastada pelos muitos dias de agonia que havia vivido, a tripulação forçou-o a voltar a Portugal. No regresso, Dias apercebeu-se que tinha contornado o extremo sul de África.

O rei D. João II decretou a famosa alteração do nome Cabo das Tormentas para Cabo da Boa Esperança. A epopeia das Descobertas portuguesas continuou a fluir, apontada como nunca antes ao Oriente.

O feito de Bartolomeu Dias provou-se de tal forma revolucionário para a ordem mercantil que vigorava entre o Velho Mundo, África e Ásia que o Cabo da Boa Esperança foi alvo de todas as atenções e a sua visita por viajantes – marinheiros ou meros leigos do mar – ainda hoje é celebrada à altura.

Deixamos a Praia de Dias. Prosseguimos novo promontório acima. Quanto mais subimos, mais o vento recupera a agressividade que já nos revelara na Ponta do Cabo. Ainda assim, os turistas imitavam-se em fotografias arrepiantes, nos recantos mais arriscados daquela paisagem extrema.

Apenas um outro longo trilho os separava da base do Cabo, onde os menos aptos a caminhadas íngremes ou sobre penhascos aguçados se contentavam com as fotos da praxe atrás da placa de madeira que identifica, em afrikaans e em inglês, o derradeiro ponto sudoeste do continente africano, não o sul. Esse, situa-se no muito menos exuberante e badalado Cabo Agulhas, a 150 km para leste.

Na senda descobridora de Dias, Vasco da Gama habituou-se a vencer as sucessivas tempestades e o Cabo da Boa Esperança em geral: uma, duas, três vezes, o mesmo número de viagens que levou a bom porto para a Índia. Acabou por falecer em Cochim, com cinquenta e cinco anos. Já no que disse respeito a Bartolomeu Dias, o destino e o Cabo da Boa Esperança provaram-se cruéis. Em 1500, Dias era um dos capitães da segunda expedição “indiana” liderada por Pedro Alvares Cabral que veio a descobrir o Brasil e prosseguiu para leste, em direcção à Índia.

Pois, a 29 de Maio, quatro dos barcos desta expedição confrontaram-se com nova enorme tempestade ao largo do Cabo. Todos desapareceram, incluindo o capitaneado por Bartolomeu Dias, então com cinquenta anos. Para Dias, o Cabo nunca deixou de ser das Tormentas. Quando relembramos este facto, guardamos por ambos, admiração a dobrar. Continuamos a explorar os cenários daqueles confins até que as trevas nos levassem o privilégio.

Uma floresta de grandes algas, como as que víramos ao largo da Cidade do Cabo, preenchia o mar ali bem mais acinzentado e alisado que na praia de Dias. Com o sol prestes a pôr-se, deixamos a zona da placa sempre concorrida e dirigimo-nos à saída do parque. Não fazemos sequer trezentos metros.

Duas avestruzes percorriam a beira-mar em busca de alimento. Detemo-nos e fotografamo-las à distância, não tanta como aquela em que vislumbramos várias mais, a tentarem ultrapassar uma barreira rochosa que as separava dos progenitores.

Um trilho de surfistas conduz-nos às suas imediações e permite-nos apreciar o seu comportamento naquela situação de desconforto. Sempre o mais juntas possível, as jovens aves alinhavam-se e esticavam as cabeças de forma tão sincronizada que nos parecem uma única assustada criatura, uma espécie de deusa indiana Shakti asada.

O sol começa a livrar-se das nuvens roxas que o aprisionavam. Incide na praia e no bando de aves. Estas, agrupadas pela Natureza, exibem-se, também por ela amareladas.

Quando o grande astro se liberta de vez, tinge toda a praia de um dourado resplandecente e gera silhuetas mágicas das aves. Foram as derradeiras e insólitas imagens que guardámos do Cabo.

Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Montanha da Mesa sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Ilha de Moçambique, Moçambique  

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.

Cebu, Filipinas

O Atoleiro de Magalhães

Tinham decorrido quase 19 meses de navegação pioneira e atribulada em redor do mundo quando o explorador português cometeu o erro da sua vida. Nas Filipinas, o carrasco Datu Lapu Lapu preserva honras de herói. Em Mactan, uma sua estátua bronzeada com visual de super-herói tribal sobrepõe-se ao mangal da tragédia.

Elmina, Gana

O Primeiro Jackpot dos Descobrimentos Portugueses

No séc. XVI, Mina gerava à Coroa mais de 310 kg de ouro anuais. Este proveito suscitou a cobiça da Holanda e da Inglaterra que se sucederam no lugar dos portugueses e fomentaram o tráfico de escravos para as Américas. A povoação em redor ainda é conhecida por Elmina mas, hoje, o peixe é a sua mais evidente riqueza.
Ushuaia, Argentina

A Última das Cidades Austrais

A capital da Terra do Fogo marca o limiar austral da civilização. De Ushuaia partem inúmeras incursões ao continente gelado. Nenhuma destas aventuras de toca e foge se compara à da vida na cidade final.
Canal Beagle, Argentina

Darwin e o Canal Beagle: no Rumo da Evolução

Em 1833, Charles Darwin navegou a bordo do "Beagle" pelos canais da Terra do Fogo. A sua passagem por estes confins meridionais moldou a teoria revolucionária que formulou da Terra e das suas espécies
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
PN Tortuguero, Costa Rica, barco público
Parque Nacional
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
Visitantes em caminhada, Fortaleza de Massada, Israel
Parques nacionais
Massada, Israel

Massada: a Derradeira Fortaleza Judaica

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Massada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
Cerimónias e Festividades
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Cidades
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Garranos galopam pelo planalto acima de Castro Laboreiro, PN Peneda-Gerês, Portugal
Cultura
Castro Laboreiro, Portugal  

Do Castro de Laboreiro à Raia da Serra Peneda – Gerês

Chegamos à (i) eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Fuga de Seljalandsfoss
Em Viagem
Islândia

Ilha de Fogo, Gelo, Cascatas e Quedas de Água

A cascata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.
Tambores e tatoos
Étnico
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
História
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Navala, Viti Levu, Fiji
Ilhas
Navala, Fiji

O Urbanismo Tribal de Fiji

Fiji adaptou-se à invasão dos viajantes com hotéis e resorts ocidentalizados. Mas, nas terras altas de Viti Levu, Navala conserva as suas palhotas criteriosamente alinhadas.
Verificação da correspondência
Inverno Branco
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Antes da chuva
Natureza

Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Caminhantes abaixo do Zabriskie Point, Vale da Morte, Califórnia, Estados Unidos da América
Parques Naturais
Vale da Morte, E.U.A.

O Ressuscitar do Lugar Mais Quente

Desde 1921 que Al Aziziyah, na Líbia, era considerado o lugar mais quente do Planeta. Mas a polémica em redor dos 58º ali medidos fez com que, 99 anos depois, o título fosse devolvido ao Vale da Morte.
Mergulhão contra pôr-do-sol, Rio Miranda, Pantanal, Brasil
Património Mundial UNESCO
Passo do Lontra, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Sol nascente nos olhos
Praias

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Cidade dourada
Religião
Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.
Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Bar de Rua, Fremont Street, Las Vegas, Estados Unidos
Sociedade
Las Vegas, E.U.A.

O Berço da Cidade do Pecado

Nem sempre a famosa Strip concentrou a atenção de Las Vegas. Muitos dos seus hotéis e casinos replicaram o glamour de néon da rua que antes mais se destacava, a Fremont Street.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Vida Selvagem
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.