Cabo da Boa Esperança, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo


Uma Busca solitária

Avestruz juvenil percorre a areia branca à procura dos progenitores.

Dias Beach

Ondas pujantes, correntes, ventos poderosos e uma água gélida fazem da Praia de Dias impraticável para banhos. Mas há sempre quem o tente...

É assim o Cabo

O Cabo da Boa Esperança, bem desenhado para lá da Praia de Dias.

Para mais tarde recordar

Grupo de visitantes faz-se fotografar atrás da placa emblemática do Cabo da Boa Esperança

Litoral selvagem

Calhaus de basalto e uma densa colónia de algas troncosas preenchem boa parte da costa a norte do Cabo.

Uma Busca solidária

Jovens avestruzes douradas pelo luz do derradeiro sol do dia, mantêm-se juntas na aflição de verem bloqueado o acesso para junto dos progenitores.

Luz à navegação

O farol da Ponta do Cabo, sobre um dos pontos litorais mais elevados da Península do Cabo.

Cabo Dourado

Avestruz percorre o areal de uma praia próxima do Cabo da Boa Esperança, ao fim do dia.

Dias Beach II

Outra perspectiva da Dias Beach, com o farol da Ponta do Cabo em fundo.

História d’Ouro

O pelourinho de Bartolomeu Dias ao pôr-do-sol. Não muito longe, está o dedicado ao navegador Vasco da Gama. Foram ambos mandados erigir pelo estado português

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.

Pelas contas do calendário, quando damos entrada na Cidade do Cabo, vindos de uma longa travessia sul-africana a bordo de um camião, já o Inverno se devia ter instalado. E, no entanto, os dias sucedem-se com céu limpo e calor a roçar os 30º, nada que aquecesse as águas frígidas, sempre repletas de algas troncudas que castigam as falésias e areais hiperbólicos destas paragens. Agradecidos ao Adamastor pela benevolência meteorológica, deliciamo-nos com o seu temido território.

Mesmo se a atmosfera é soalheira, o vento sopra furibundo de cada vez que nos aproximamos dos abismos para que espreita a Table Mountain, a meseta imponente e crua que o continente negro exibe como a sua derradeira obra orográfica. Prenda-nos com resquícios da cacimba soprada do horizonte meridional, de onde a montanha se desdobra em formas ainda mais caprichosas e se mete, como quem não quer nem saber, nos embates dolorosos do mar. Lá, onde numa não menos pungente missão, a História as uniu num longo e esforçado abraço. Era-nos impossível resistir ao apelo daquele outro lugar. Não tardaríamos a persegui-lo.

Na viragem do século XV para o XIV, os homens lusos embarcados com rumo austral receavam a silhueta desta meseta como nenhuma outra elevação por que passavam. Confrontavam-na como mau augúrio de aflições e de mais que prováveis desventuras causadas pela batalha entre os dois vastos oceanos: o Atlântico que já domavam; e, para leste, o Índico de que pouco ou nada podiam supor.

O medo exacerbado da Terra Incognita abaixo do Cabo Bojador suscitava, nas suas mentes, uma panóplia de miragens e paranoias. Aos poucos, à custa de muita vivência e resiliência colectiva, os marinheiros portugueses aprenderam a defender-se. Com Bartolomeu Dias ao comando, dobraram o Cabo das Tormentas e assim começaram a desmistificar o desconhecido. O feito teve a continuidade que merecia. Nem por isso a travessia se tornou fácil.  

Tinham passado quarenta e cinco anos desde o feito de Dias. O medo era já secular. A meio do recém-aberto Caminho para as Índias, a costa quase sobrenatural que há tanto o causava também deixou Luís de Camões em apuros.

Decorria a Primavera de 1533. Camões seguia a bordo da nau “São Bento”, parte da frota de Fernão Álvares Cabral que navegava a rota antes percorrida por Vasco da Gama. Por altura do Cabo da Boa Esperança, a “São Bento” e três outras embarcações viram-se envoltas numa tempestade brutal. Só a “São Bento” se salvou. Camões teve a fortuna do seu lado mas sentiu na pele gélida e arrepiada a inspiração para eternizar, no canto V dos “Lusíadas”, o imaginário monstruoso que atemorizava até os mais intrépidos lobos do mar.

 

39

Não acabava, quando uma figura
Se nos mostra no ar, robusta e válida,
De disforme e grandíssima estatura,
O rosto carregado, a barba esquálida,
Os olhos encovados, e a postura
Medonha e má, e a cor terrena e pálida,
Cheios de terra e crespos os cabelos,
A boca negra, os dentes amarelos.

 

40 (…)
C'um tom de voz nos fala horrendo e grosso,
Que pareceu sair do mar profundo.
Arrepiam-se as carnes e o cabelo
A mim e a todos, só de ouvi-lo e vê-lo.

 

Continuamos na demanda do que, ao longo dos séculos de Descobertas, o havia causado. Partimos do bairro costeiro de Sea Point numa manhã de Sábado enevoada. Percorremos a estrada que serpenteia, quase sempre junto ao oceano, pela base das falésias a sul da Cidade do Cabo. Desviamos para a enseada ampla de Hout Bay, àquela hora, repleta de desportistas compenetrados em se livrarem das más energias da semana. Prosseguimos estrada M6 acima. Atravessamos para o leste, apontados a Simons Town, uma povoação que atrai hordas de forasteiros intrigados pelas colónias de pinguins residentes em redor da Boulders Beach.

Dali, atentos aos repetidos avisos de travessia de babuínos e à eventual presença dos símios, progredimos costa leste abaixo.

O primeiro indício que temos do Cabo é o farol vermelho e branco sobre o mais elevado dos promontórios. Ascendemos às suas alturas. Durante a subida, em cada varandim em que tentamos espreitar o cenário abaixo, quase somos varridos pelo vento insano que castiga a vertente oeste. Voltamos a descer os degraus antes vencidos e atalhamos para o trilho que conduzia à secção norte do Cabo, aquela por que os marinheiros primeiro tinham que passar. 

Não tarda, chegamos ao cimo da Praia de Dias. Um aviso alerta para o perigo atroz de qualquer tentativa de banho naquelas águas. Esse mesmo perigo estava desenhado no mar como em poucos outros lugares o tínhamos constatado. Ondas magistrais precipitavam-se sobre o areal com uma violência desconcertante e o vento empurrava a água que lhes ficava atrás mar-adentro de forma tão intensa que a sua acção produzia grandes radiais brancas, semelhantes às deixadas pelos helicópteros quando planam, rasos, sobre a água.

Sentamo-nos a apreciar a tão deslumbrante selvajaria marítima. Enquanto o fazemos, vêm-nos de novo à mente as agruras vividas por Bartolomeu Dias, Vasco da Gama e por todos os navegadores e marinheiros que os seguiram. Bartolomeu Dias, o pioneiro, acabou por entregar a sua vida ao Cabo.

Em 1488, D. João II encarregou-o de procurar o rei cristão Prestes João e de encontrar uma rota para as Índias. As duas caravelas de cerca de cinquenta toneladas que comandava navegaram sem sobressaltos de maior ao largo da sempre agitada Angra dos Ilhéus (junto à actual cidade namibiana de Lüderitz) e do Cabo das Tormentas. Mas, em seguida, entraram num dos terríveis temporais característicos da zona. Rezam as crónicas que as embarcações ficaram treze dias sem controle, a debater-se com o vento e as ondas. Chegada a bonança, Bartolomeu Dias ordenou navegação para leste, em busca da costa. Só encontrou mar e decidiu rumar a norte.

Nesse acerto, detectou diversos portos da costa da África do Sul de hoje. Passada a baía da actual Port Elisabeth, deu com um rio. Bartolomeu Dias baptizou-o de rio do Infante. Então, desgastada pelos muitos dias de agonia que havia vivido, a tripulação forçou-o a voltar a Portugal. No regresso, Dias apercebeu-se que tinha contornado o extremo sul de África.

O rei D. João II decretou a famosa alteração do nome Cabo das Tormentas para Cabo da Boa Esperança. A epopeia das Descobertas portuguesas continuou a fluir, apontada como nunca antes ao Oriente.

O feito de Bartolomeu Dias provou-se de tal forma revolucionário para a ordem mercantil que vigorava entre o Velho Mundo, África e Ásia que o Cabo da Boa Esperança foi alvo de todas as atenções e a sua visita por viajantes – marinheiros ou meros leigos do mar – ainda hoje é celebrada à altura.

Deixamos a Praia de Dias. Prosseguimos novo promontório acima. Quanto mais subimos, mais o vento recupera a agressividade que já nos revelara na Ponta do Cabo. Ainda assim, os turistas imitavam-se em fotografias arrepiantes, nos recantos mais arriscados daquela paisagem extrema.

Apenas um outro longo trilho os separava da base do Cabo, onde os menos aptos a caminhadas íngremes ou sobre penhascos aguçados se contentavam com as fotos da praxe atrás da placa de madeira que identifica, em afrikaans e em inglês, o derradeiro ponto sudoeste do continente africano, não o sul. Esse, situa-se no muito menos exuberante e badalado Cabo Agulhas, a 150 km para leste.

Na senda descobridora de Dias, Vasco da Gama habituou-se a vencer as sucessivas tempestades e o Cabo da Boa Esperança em geral: uma, duas, três vezes, o mesmo número de viagens que levou a bom porto para a Índia. Acabou por falecer em Cochim, com cinquenta e cinco anos. Já no que disse respeito a Bartolomeu Dias, o destino e o Cabo da Boa Esperança provaram-se cruéis. Em 1500, Dias era um dos capitães da segunda expedição “indiana” liderada por Pedro Alvares Cabral que veio a descobrir o Brasil e prosseguiu para leste, em direcção à Índia.

Pois, a 29 de Maio, quatro dos barcos desta expedição confrontaram-se com nova enorme tempestade ao largo do Cabo. Todos desapareceram, incluindo o capitaneado por Bartolomeu Dias, então com cinquenta anos. Para Dias, o Cabo nunca deixou de ser das Tormentas. Quando relembramos este facto, guardamos por ambos, admiração a dobrar. Continuamos a explorar os cenários daqueles confins até que as trevas nos levassem o privilégio.

Uma floresta de grandes algas, como as que víramos ao largo da Cidade do Cabo, preenchia o mar ali bem mais acinzentado e alisado que na praia de Dias. Com o sol prestes a pôr-se, deixamos a zona da placa sempre concorrida e dirigimo-nos à saída do parque. Não fazemos sequer trezentos metros.

Duas avestruzes percorriam a beira-mar em busca de alimento. Detemo-nos e fotografamo-las à distância, não tanta como aquela em que vislumbramos várias mais, a tentarem ultrapassar uma barreira rochosa que as separava dos progenitores.

Um trilho de surfistas conduz-nos às suas imediações e permite-nos apreciar o seu comportamento naquela situação de desconforto. Sempre o mais juntas possível, as jovens aves alinhavam-se e esticavam as cabeças de forma tão sincronizada que nos parecem uma única assustada criatura, uma espécie de deusa indiana Shakti asada.

O sol começa a livrar-se das nuvens roxas que o aprisionavam. Incide na praia e no bando de aves. Estas, agrupadas pela Natureza, exibem-se, também por ela amareladas.

Quando o grande astro se liberta de vez, tinge toda a praia de um dourado resplandecente e gera silhuetas mágicas das aves. Foram as derradeiras e insólitas imagens que guardámos do Cabo.

Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Montanha da Mesa sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Ilha de Moçambique

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.

Cebu, Filipinas

O Atoleiro de Magalhães

Tinham decorrido quase 19 meses de navegação pioneira e atribulada em redor do mundo quando o explorador português cometeu o erro da sua vida. Nas Filipinas, o carrasco Datu Lapu Lapu preserva honras de herói. Em Mactan, uma sua estátua bronzeada com visual de super-herói tribal sobrepõe-se ao mangal da tragédia.

Elmina, Gana 

O Primeiro Jackpot dos Descobrimentos Portugueses

No séc. XVI, Mina gerava à Coroa mais de 310 kg de ouro anuais. Este proveito suscitou a cobiça da Holanda e da Inglaterra que se sucederam no lugar dos portugueses e fomentaram o tráfico de escravos para as Américas. A povoação em redor ainda é conhecida por Elmina mas, hoje, o peixe é a sua mais evidente riqueza.

Ushuaia, Argentina

A Última das Cidades

A capital da Terra do Fogo marca o limiar austral da civilização. Dali partem inúmeras incursões ao continente gelado. Nenhuma destas aventuras de toca e foge se compara à da vida na cidade final.

Canal Beagle, Argentina

No Rumo da Evolução

Em 1833, Charles Darwin navegou a bordo do "Beagle" pelos canais da Terra do Fogo. A sua passagem por estes confins meridionais moldou a teoria revolucionária que formulou da Terra e das suas espécies

Filhos da Mãe-Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Fogo-de-artifício branco
Aventura

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Cortejo Ortodoxo
Cerimónias e Festividades
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
Coreografia pré-matrimonial
Cidades

Old Jaffa, Israel

Onde Assenta a Cidade que Nunca Pára

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.

Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Jingkieng Wahsurah
Cultura
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Aurora fria II
Em Viagem
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Cowboys basotho
Étnico

Malealea, Lesoto

O Reino Africano dos Céus

O Lesoto é o único estado independente situado na íntegra acima dos mil metros. Também é um dos países no fundo do ranking mundial de desenvolvimento humano. O seu povo altivo resiste à modernidade e a todas as adversidades no cimo da Terra grandioso mas inóspito que lhe calhou.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Glamour vs Fé
História
Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a vetaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
Pesca no Paraíso
Ilhas

Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Em Ouvéa, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.

Esqui
Inverno Branco

Lapónia, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

O grande Salto Angel
Natureza

PN Canaima, Venezuela

O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Um Apocalipse Televisionado
Parques Naturais

La Palma, Espanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.

Travessia ao ocaso
Património Mundial Unesco

Lago Taungthaman, Myanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein carece de cuidados especiais.

Cabana de Brando
Personagens

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Punta Cahuita
Praia

Cahuita, Costa Rica

Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral costariquenho tão afro quanto caribenho. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.

Wall like an Egyptian
Religião
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Viagem no Tempo
Sociedade

Samoa Ocidental

Em Busca do Tempo Perdido

Durante 121 anos, foi a última nação na Terra a mudar de dia. Mas, Samoa percebeu que as suas finanças ficavam para trás e, no fim de 2012, decidiu voltar para Oeste da Linha Internacional de Data.

Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Glaciar Meares
Vida Selvagem

Prince William Sound, Alasca

Alasca Colossal

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do 49º estado. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.

Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.