Lago Sevan, Arménia

O Grande Lago Agridoce do Cáucaso


Surp Astvatsatsin
Uma das igrejas arménias que abençoam a península de Sevanavank.
Akhtamar
Estátua evocativa da Princesa de Akhtamar, destacada à entrada da península de Sevanavank.
Surp Arakelots
As formas austeras da igreja de Surp Arakelots, acima do lago Sevan.
Aconchego cristão
Crentes acendem velas e oram no interior de uma das igrejas arménias da península de Sevanavank.
Vendedora de Terços
Uma idosa vende terços na escadaria de acesso às igrejas arménias de Sevanavank.
Pirâmide do Esquecimento
Um dos vários hotéis abandonado nas margens do lago Sevan.
Noratus
O casario uniforme de Noratus, uma aldeia nas margens do grande lago Sevan.
Lápide familiar
Lápide moderna do cemitério de Noratus, junto à povoação homónima.
Noratus fúnebre
Túmulos e khachckares do cemitério de Noratus.
Uma fé rodoviária
Crucifixo baloiça sob o espelho do condutor arménio Vladimir e sobre o ocaso.
Fechado entre montanhas a 1900 metros de altitude, considerado um tesouro natural e histórico da Arménia, o Lago Sevan nunca foi tratado como tal. O nível e a qualidade da sua água deterioram-se décadas a fio e uma recente invasão de algas drena a vida que nele subsiste.

A bandeira da Arménia é formada por três listas de distintas cores. O vermelho no topo evoca o sangue dos mais de um milhão de arménios mortos no genocídio de 1915-17.

O laranja no fundo significa a coragem dos arménios, diz-se que também a fertilidade do solo do país. No meio, o azul traduz o visual mais comum do firmamento acima da nação.

Os dias sucediam-se. Todos eles de céu azulão de fio a pavio, tão solarengos quanto se possa imaginar mas frígidos a condizer com o início do Inverno em que por lá nos encontrávamos.

Deixamos a capital Erevan por volta das 8h30 da manhã apontados a nordeste. Depois de uma passagem estratégica por Dilijan e de uma visita incontornável ao velho mosteiro de Goshavank, flectimos para sul.

Pouco depois de cruzarmos o limiar invisível que separa as províncias de Tavush e de Gegharkunik, passamos por Tsovagyugh e atingimos o recanto setentrional e mais estreito de Sevana lich, o lago supremo do Cáucaso.

Igreja arménia, península Sevanavank, Lago Sevan, Arménia

Uma das igrejas arménias que abençoam a península de Sevanavank.

Os Pescadores e Peixeiros Empreendedores de Sevan

De um lado e do outro da estrada sucedem-se bancas que vendem a pesca do dia. Várias delas têm os donos ou empregados à porta a exibirem exemplares de grande porte de trutas pescadas no lago com destaque para a truta de Sevan (as ishkhan), uma espécie endémica.

Só que o vento sopra forte. Fartos da inclemência gélida do vendaval, certos peixeiros decidiram colocar manequins no seu lugar. Alguns dos bonecos trajam fatos. Outros, mantêm os braços abertos a segurar peixes. Quando o Natal se aproxima, surgem uns tantos com a indumentária escarlate de Pai Natal.

Há muito que os pescadores da zona aproveitam a abundância de peixe no lago e de condutores de passagem nas estradas M4 e M10 para ganharem a vida.

Com frequência, sobrepescam. O governo arménio detecta-o e impõe períodos de proibição. Os pescadores protestam e fazem de tudo para furar os banimentos. Nos últimos tempos, também desejam que as autoridades arménias tivessem prevenido distintos danos causados ao lago.

O Olho Azul e a Falta de Visão das Autoridades Soviéticas e Arménias

No tempo da Grande Arménia, quando boa parte da actual Turquia oriental era território arménio, o “mar arménio” era considerado um dos olhos azuis da nação. O outro era o Lago Van. Máximo Gorki descreveu-o como “um pedaço de céu caído sobre a Terra entre montanhas”.

Ao perder a maior parte do seu território para os turcos – Monte Ararat incluído – a Arménia viu-se sem o vasto litoral do Mar Negro e sem acesso ao mar. A importância de Sevan aumentou sobremaneira, como se intensificou o abuso do lago.

Durante o período Soviético, à imagem do que sucedeu com o mar hoje uzbeque de Aral, o governo de Estaline aprovou um projecto megalómano da autoria de um engenheiro arménio de nome Sukias Manasserian.

Manasserian propôs drenar o lago em 50 dos 90 metros da sua profundidade e o emprego dessa imensidão aquática na irrigação agrícola da planície de Ararat e na geração de energia hidroeléctrica, contando com a retenção do rio Hrazdan que procede dos fundos norte do rio por onde andávamos, em seis distintas barragens.

Hotel abandonado, Lago Sevan, Arménia

Um dos vários hotéis abandonado nas margens do lago Sevan.

Fonte Inesgotável de Rega e a Praia da Nação Arménia

Por essa altura, além do ganha-pão, Sevan era também o polo recreio-balnear da nação. Durante o estio, as temperaturas máximas na Arménia mantêm-se meses a fio bem acima dos 30º.

O lago atraía uma multidão de veraneantes pouco ou nada conscientes das consequências dos projectos de Manasserian e ansiosos de descomprimirem nas margens e águas de Sevan. Foram erguidos mais e mais complexos hoteleiros. A fama do lago não tardou a atrair visitantes dos países vizinhos compatíveis com a Arménia.

A partir de 1949, os inevitáveis malefícios da engenharia soviética fizeram-se sentir. A redução da água e a acção humana em geral provocaram uma progressiva eutrofização do lago e uma drástica diminuição da diversidade biológica.

Em 1964, as autoridades soviéticas aperceberam-se de que, mantendo aquele rumo, Sevan terminaria como o Mar de Aral.

Resoluções Algo Tardias e Titubeantes

Até 1981, foi decidido o desvio do curso de dois rios adicionais para o lago, mesmo se já eram quase trinta os rios e riachos que o abasteciam.

Devido ao conflito arménio-azeri por Nagorno-Karabakh e ao tremor de terra destrutivo de 1988, o último dos túneis que assegurariam o desvio do rio Vorotan só foi terminado em 2004. Daí em diante, o nível do lago voltou a subir mas não da forma consistente que estava prevista.

Outros problemas ecológicos estavam já na calha mas Sevan preservou sempre parte da sua monumentalidade natural: 1900 metros acima do nível do mar, 5000 km2, o equivalente a 1/6 da Arménia dos nossos dias. Continuámos a explorar o que nos foi possível.

Estátua de Akhtamar, Sevanavank, Lago Sevan, Arménia

Estátua de Akhtamar, destacada à entrada da península de Sevanavank.

A Estátua e a Velha Lenda de Akhtamar

Com Tsovagyugh já para trás, damos de caras com um monumento insólito ao orgulho e à nacionalidade arménia: a estátua de Akhtamar, evocativa de Tamar, uma princesa arménia que vivia na ilha de Akhtamar do lago Van.

Reza a lenda nacional arménia que Tamar se apaixonou por um camponês que, por ela atraído, nadava todas as noites até à ilha, orientado por uma luz que a princesa lhe acendia.

Numa determinada noite, no entanto, o pai de Tamar descobriu o namorico e decidiu terminar com a relação de ambos.

Esperou que a filha acendesse a luz e apagou-a. Sem a referência, o rapaz nadou à toa até à morte, antecedida por um grito de Akh Tamar (Oh Tamar!).

Após os turcos se terem apoderado do lago Van e da ilha de Tamar, os Arménios, decidiram erguer uma estátua em honra da lenda. E fizeram-no à beira do lago que ainda preservam. Encontramo-la destacada no cimo de um pedestal de rocha, como seria de esperar, a figura da princesa segura a luz que orientava o seu amado.

O Recanto Ribeirinho e Religioso de Sevanavank

Passam-se mais alguns minutos. Chegamos à península de Sevanavank, famosa por acolher um dos incontáveis mosteiros seculares arménios, também ele à mercê das megalómanas empreitadas soviéticas.

igreja de Surp Arakelots, Sevanavank, Lago Sevan, Arménia

As formas austeras da igreja de Surp Arakelots, acima do lago Sevan.

Na origem, o duo de igrejas Surp Arakelots e Surp Astvatsatsin que o compõem o mosteiro foi erguido na margem do que era uma pequena ilha.

Com a drenagem artificial do lago em cerca de 20 metros, essa ilha transformou-se na península que então partilhámos com dezenas de crentes arménios comovidos por aquela interação lacustre com Deus.

Crente acende velas, Lago Sevan, Arménia

Crentes acendem velas e oram no interior de uma das igrejas arménias da península de Sevanavank.

No exterior das igrejas, tem lugar uma mini-feira de artigos religiosos e recordações.

Uma senhora enrolada num casaco volumoso de malha cinzenta e branca impinge terços. Ali por perto, dois outros arménios empreendedores, mantêm quatro ou cinco pombas brancas numa gaiola e ganham alguns drams providenciais a fotografarem visitantes do lago com o adorno pacificador das aves.

Damos mais uma volta, sempre batidos por rajadas de vento que agitam a atmosfera local, entre o azul quase petróleo do lago e o celeste acima.

Do Repasto Arménio à Longínqua Noratus

No regresso, instalamo-nos no restaurante de um hotel da zona e sujeitamo-nos às sucessivas delícias da gastronomia arménia. Temos a companhia de várias famílias de iranianos que cruzam com frequência a fronteira de Agarak – Norduz à descoberta do vizinho cristão a norte.

Findo o repasto, regressamos à carrinha em que viajávamos conduzidos por Vladimir, guiados por Cristina Kyureghyan. Vladimir prossegue pela costa sudoeste do lago, por uma sucessão de meandros uns mais afastados que outros da água doce.

Passamos por casas de férias, por infraestruturas hoteleiras encerradas para a época baixa e por outras que subsistem como fantasmas arquitectónicos entregues ao abandono e à erosão.

Cinquenta e cinco quilómetros depois, vislumbramos um mar de casas amareladas quase todas com telhados de zinco azul.

Noratus, Lago Sevan, Arménia

O casario uniforme de Noratus, uma aldeia nas margens do grande lago Sevan.

Estávamos à entrada de Noratus, uma povoação em que vivem quase sete mil almas mas mais conhecida pela excentricidade em que jazem os seus mortos.

Serpenteamos pelas ruelas da grande aldeia com o destino já marcado. Vladimir e Cristina tinham visitado Noratus por inúmeras vezes. O motivo era sempre o mesmo: o velho cemitério arménio da povoação.

O Cemitério Majestoso de Noratus 

Entramos no precinto com a tarde a caminhar para o fim. O sol, não tarda poente, alaranjava uma imensidão de campas e túmulos esculpidos segundo os desejos prévios dos defuntos ou das famílias e de khachkares, pedras-cruz fúnebres talhadas com incrível minúcia e arte com rosetas, entrelaçados e motivos botânicos.

Cemitério de Noratus, Lago Sevan, Arménia

Túmulos e khachckares do cemitério de Noratus.

O cemitério medieval de Noratus abriga, hoje, o maior agrupamento actual de khachkares de toda a Arménia. Nem sempre assim foi.  Os arménios reclamam que tal se deve aos seus arqui-inimigos azeris terem destruído centenas deles em Old Julfa, na província de Nakhichevan.

Alguns dos túmulos de Noratus foram coroados por bustos fidedignos dos falecidos e sepultados. Outros, são familiares, preservam um óbvio perfil soviético. Agregam as imagens de pais, maridos e filhos – vários deles perecidos durante a 2ª Guerra Mundial – impressas a preto e branco em grandes lápides-ardósia.

Mais depressa do que contávamos, o término do ocaso anunciou a noite e levou-nos a abandonar o cemitério. Invertemos o caminho à beira-lago e apontamos de volta à capital Erevan com o último estertor do poente a dourar as mesmas praias de cascalho e os resorts nado-mortos por que tínhamos passado horas antes.

Crucifixo baloiça sob o espelho do condutor arménio Vladimir e sobre o ocaso.

A Ascendência Balnear de Batumi e Sochi

Durante a era Soviética, Sevan era um dos destinos balneares favoritos não só dos arménios, também dos georgianos e até dos Russos mais abastados.

Nos últimos tempos, a estância de Batumi, no litoral georgiano do Mar Negro e Sochi, esta situada umas centenas de quilómetros para norte, no Krai russo de Krasnodar têm-se provado rivais de uma outra classe.

O nível da água do lago Sevan até pode regressar aos poucos ao original. A sua qualidade, deixa muito a desejar.

Em Junho de 2019, a BBC revelou ao mundo que uma maré de algas verdes alimentadas por uma combinação de nitrogénio e fósforo com origem em fertilizantes, em áreas queimadas pelos incêndios de Verão e em efluentes domiciliares tomava conta do lago. As algas consumiam o oxigénio minguante. E disseminavam toxinas que tornavam o lago não só estéril como nocivo.

Organizações ambientais arménias reclamam que, tal como aconteceu com o mar de Aral e o lago Baikal, as NGOs, agências das Nações Unidas e até doadores particulares devem intensificar esforços para forçar Erevan a tomar medidas drásticas.

A Arménia saiu há apenas alguns meses e de forma exemplar de um conflito político que podia ter descambado em guerra civil. Resta saber se a relativa estabilidade democrática em que agora navega lhe permitirá salvar o último dos seus “olhos azuis”.

Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.
Mar de Aral, Uzbequistão

O Lago que o Algodão Absorveu

Em 1960, o Mar de Aral era um dos quatro maiores lagos do mundo mas projectos de irrigação secaram grande parte da água e do modo de vida dos pescadores. Em troca, a URSS inundou o Uzbequistão com ouro branco vegetal.
Tbilisi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.
Uplistsikhe e Gori, Geórgia

Do Berço da Geórgia à Infância de Estaline

À descoberta do Cáucaso, exploramos Uplistsikhe, uma cidade troglodita antecessora da Geórgia. E a apenas 10km, em Gori, damos com o lugar da infância conturbada de Joseb Jughashvili, que se tornaria o mais famoso e tirano dos líderes soviéticos.
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Lago Cocibolca, Nicarágua

Mar, Doce Mar

Os indígenas nicaraos tratavam o maior lago da América Central por Cocibolca. Na ilha vulcânica de Ometepe, percebemos porque o termo que os espanhóis converteram para Mar Dulce fazia todo o sentido.

Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Safari
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design
Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Aventura
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Cerimónias e Festividades
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia – Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
La Paz, Baja California, esquina da capital, com El Quinto Sol
Cidades
La Paz, Baja Califórnia Sur, México

Na Paz do Golfo da Califórnia

Los Cabos e o fundo da longa península acolhem a maior parte dos resorts e dos gringos. La Paz, recebe os seus, mas mantem-se a grande urbe genuína da Baja Califórnia, com um entorno desértico e marinho dos mais exuberantes do México.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Big Freedia e bouncer, Fried Chicken Festival, New Orleans
Cultura
New Orleans, Luisiana, Estados Unidos

Big Freedia: em Modo Bounce

New Orleans é o berço do jazz e o jazz soa e ressoa nas suas ruas. Como seria de esperar, numa cidade tão criativa, lá emergem novos estilos e actos irreverentes. De visita à Big Easy, aventuramo-nos à descoberta do Bounce hip hop.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Avião em aterragem, Maho beach, Sint Maarten
Em Viagem
Maho Beach, Sint Maarten

A Praia Caribenha Movida a Jacto

À primeira vista, o Princess Juliana International Airport parece ser apenas mais um nas vastas Caraíbas. Sucessivas aterragens a rasar a praia Maho que antecede a sua pista, as descolagens a jacto que distorcem as faces dos banhistas e os projectam para o mar, fazem dele um caso à parte.
Desfile de nativos-mericanos, Pow Pow, Albuquerque, Novo México, Estados Unidos
Étnico
Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o pow wow "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Porfólio Got2Globe

O Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

António do Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina
História
Lençois da Bahia, Brasil

A Liberdade Pantanosa do Quilombo do Remanso

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.
A inevitável pesca
Ilhas

Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.

Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal
Natureza
Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

A Ponta Leste, algo Extraterrestre da Madeira

Inóspita, de tons ocres e de terra crua, a Ponta de São Lourenço surge, com frequência, como a primeira vista da Madeira. Quando a percorremos, deslumbramo-nos, sobretudo, com o que a mais tropical das ilhas portuguesas não é.
Fuga de Seljalandsfoss
Parques Naturais
Islândia

Ilha de Fogo, Gelo, Cascatas e Quedas de Água

A cascata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.
Roça Sundy, Ilha do Príncipe, Teoria da Relatividade, Vigia
Património Mundial UNESCO
Roça Sundy, Ilha do Príncipe, São Tomé e Príncipe

A Certeza da Teoria da Relatividade

Em 1919, Arthur Eddington, um astrofísico britânico, escolheu a roça Sundy para comprovar a famosa teoria de Albert Einstein. Decorrido mais de um século, o norte da ilha do Príncipe que o acolheu continua entre os lugares mais deslumbrantes do Universo.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
Cruzeiro Princess Yasawa, Maldivas
Praias
Maldivas

Cruzeiro pelas Maldivas, entre Ilhas e Atóis

Trazido de Fiji para navegar nas Maldivas, o Princess Yasawa adaptou-se bem aos novos mares. Por norma, bastam um ou dois dias de itinerário, para a genuinidade e o deleite da vida a bordo virem à tona.
Noiva entra para carro, casamento tradicional, templo Meiji, Tóquio, Japão
Religião
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Magome a Tsumago, Nakasendo, Caminho Japão medieval
Sociedade
Magome-Tsumago, Japão

Magome a Tsumago: o Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o xogum Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é percorrido por uma turba ansiosa por evasão.
saksun, Ilhas Faroé, Streymoy, aviso
Vida Quotidiana
Saksun, StreymoyIlhas Faroé

A Aldeia Faroesa que Não Quer ser a Disneylandia

Saksun é uma de várias pequenas povoações deslumbrantes das Ilhas Faroé, que cada vez mais forasteiros visitam. Diferencia-a a aversão aos turistas do seu principal proprietário rural, autor de repetidas antipatias e atentados contra os invasores da sua terra.
Geisers El Tatio, Atacama, Chile, Entre o gelo e o calor
Vida Selvagem
El Tatio, Chile

Géiseres El Tatio – Entre o Gelo e o Calor do Atacama

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio, no Deserto de Atacama surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4200 m de altitude. Os seus géiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.