Rabat, Malta

Um ex-Subúrbio no Âmago de Malta


Se Mdina se fez a capital nobiliárquica da ilha, os Cavaleiros Hospitalários decidiram sacrificar a fortificação da actual Rabat. A cidade fora das muralhas expandiu-se. Subsiste como um contraponto popular e rural do agora museu-vivo de Mdina.

O calor estival e mediterrânico é o mesmo dentro e fora das muralhas.

No interior aprimorado e fortificado de Mdina, uma exposição improvisada e mal-amanhada de aparelhos e soluções refrigeradoras como a que encontramos na rua Wirja Ta’ Vari seria de todo impossível.

Ao contrário da cidade-mãe, a vizinha não sente a pressão de figurar na lista provisória da UNESCO, de ansiar juntar-se aos outros três lugares de Malta declarados Património da Humanidade.

Na sua assumida subserviência, Rabat satisfaz os moradores o melhor que pode.

Em altura de braseiro, é bem-vinda uma camioneta de caixa aberta que expõe aos transeuntes, ventoinhas eléctricas, termos, geleiras e afins, todos eles itens providenciais.

À boa maneira do sul da Europa, os reformados da cidade têm mais que fazer que passar tardes em casa.

Quando entramos no King George V Cafe, sob as arcadas que confrontam a Basílica de São Paulo, encontramo-los em animada cavaqueira, aqui e ali, exaltados com a sorte das cartas.

Naquele refúgio sombrio, entre paredes anciãs e espessas, o calor mal entra. Se chegar a entrar, disfarçam-no o convívio, as cervejas geladas e a distracção dos turistas esfomeados e sedentos, alvos fáceis das manhas que os empregados lhes reservam.

Para dentro do Portão Vilhena, nas ruas de Mdina, só circulam calhambeques a serviço de casamentos elegantes e o ocasional veículo essencial às manutenções.

Rabat, por sua vez, está à mercê da frota de carros envelhecidos que deambula pela ilha.

E, em particular, dos muitos pseudo-protótipos tuning que os jovens malteses exibem e conduzem de forma selvática, mesmo se partilham o labirinto de triqs (ruas) da cidade com charretes, bicicletas e outros veículos ainda mais lentos.

Numa dessas triqs, Joseph Cappara anuncia a sua ferraria com um letreiro de fonte excêntrica que o promove ainda como fornecedor de tintas britânicas. Em casa de ferreiro, é frequente o espeto de pau.

Com um cartaz complementar, anunciante do protector de metais Hammerite, o logotipo sob um cimo de armadura e elmo, Cappara desfaz quaisquer dúvidas.

E remete-nos para a era de ouro de Malta, entre 1530 e 1798, quando os Cavaleiros Hospitalários a governavam e a desenvolviam como ilha-satélite do Reino da Sicília.

A Cisão Secular entre Mdina e Rabat

Foi Girolamo Cassar, um engenheiro militar dos Hospitalários quem, ao decretar uma redução substancial da Mdina amuralhada, causou a cisão definitiva dos espaços de Mdina e de Rabat.

No meio do Mediterrâneo, há muito que Malta era cobiçada.

Os Árabes, os Otomanos e outros viam-na como um troféu cristão alternativo à Terra Santa. Sem surpresa, o lugar mais a salvo destes arqui-inimigos era o meio da ilha.

À falta de espaço dentro das muralhas de Mdina, as ordens religiosas aliadas dos Hospitalários instalaram-se e aos seus templos nas imediações da fortaleza.

Assim o fizeram Franciscanos, Dominicanos e Agustinianos.

Decorridos quatro séculos, protegidas a condizer, estas ordens resistem. Proliferam nos seus mosteiros e conventos.

São os garantes espirituais dos há muito fiéis malteses, os remissores dos seus copiosos e sortidos pecados, desde a obsessão pelo tuning, aos golpes caça-Euros perpetrados pelos cafés, restaurantes e bares sobre os turistas incautos.

Esquina atrás de esquina, Rabat revela-nos bem mais que apenas o seu corriqueiro dia-a-dia.

Desvenda-nos, por exemplo, a arquitectura simples mas deslumbrante do Palazzo Xara, além de restaurante, um Band Club com pergaminhos.

A Domvs Romana, um Legado Prodigioso da velha Melite

Um dos patrimónios incontornáveis da cidade, a Domvs Romana local, surge sobre a fronteira entre Mdina e Rabat. Faz-nos recuar para tempos ainda mais longínquos em que a cidade não era nem uma nem a outra.

Por volta do século I a.C., Malta integrava o já vasto Império Romano. Durante parte significativa dos mais de quinhentos anos que dominou a Europa, o Norte de África e a Ásia Menor, Roma fez bom uso da pequena ilha abaixo da Península Itálica.

À medida que o Império se expandia, destacava aristocratas incumbidos de administrar e desenvolver Melite, a antiga capital.

Os edis instalavam-se em mansões faustosas, dispostas em redor de pátios acolunados, as suas divisões decoradas com mosaicos policromáticos de estilo helénico condizente.

Quem, como nós, a visita, descobre, na Domvs Romana uma sobrevivente prodigiosa.

Do passar dos séculos.

E da conversão em cemitério a que o Califado Fatimida a submeteu no século XI, quando a enterrou sob, pelo menos, duzentos e quarenta e cinco sepulturas de súbditos árabes.

Assim permanecia, quando, em 1881, trabalhadores paisagistas se inteiraram da inusitada sobreposição, logo confirmada por uma equipa de arqueólogos.

A Domvs Romana destaca-se, como uma das mais antigas atracções, em tempos subterrânea, de Rabat.

Longe de ser a única.

A Gruta e as Catacumbas de São Paulo: Incursão à Profundezas da História de Rabat

Percorridos meros 650m pelas Triqs San Pawl e Sant Agata, damos entrada nas denominadas Catacumbas de São Paulo.

Estas galerias, retalhadas até mais não e douradas pela iluminação artificial, fizeram de cemitério tanto dos Fenícios como dos Romanos que, por questões de higiene, proibiam as sepulturas no espaço urbano de Melite.

Estiveram em uso até, pelo menos, ao século VII.

E, de novo, durante a reconversão da ilha ao Cristianismo do século XIII.

Malgrado o mito de que com ela estavam ligadas, as Catacumbas de São Paulo não devem ser confundidas com a gruta homónima, acessível pela igreja de Saint Publius, um templo à direita da nave da Basílica de São Paulo.

Do Naufrágio na Costa de Malta á Santificação do Apóstolo São Paulo

Uma corrente da História defende que os Romanos conduziam o apóstolo Paulo a Roma para ser julgado como rebelde político quando uma tormenta fulminante fez o navio em que seguia naufragar.

Paulo e os restantes passageiros a bordo teriam conseguido nadar até Malta. Outra narrativa mais rica, acrescenta ainda que, durante a estada forçada,

Paulo refugiou-se nesta mesma gruta, hoje sob a basílica. Chegado o Inverno, terá sido convidado por Publius, o líder romano da ilha, para a sua casa.

Nesses dias, Paulo curou uma febre intensa que afligiu o romano. Reconhecido, Publius converteu-se ao Cristianismo e viu-se consagrado o primeiro Bispo de Malta.

Também Paulo foi santificado. Continua a ser reverenciado na ilha.

Um século depois da edificação da igreja (1653-83), o 68º Grão-Mestre dos Hospitalários (1741-73), Manuel Pinto da Fonseca, originário de Lamego, doou uma estátua do santo que permanece na gruta refúgio do apóstolo.

A gruta e a basílica de São Paulo, por sua vez, receberam já três visitas papais.

De João Paulo II, em 1990 e em 2001, e do Papa Bento XVI, em 2010.

Ao fim da tarde, apreciamos como a fachada barroca da basílica rechaça a sombra que se apodera da esplanada do King George V Cafe e da praça que a separa do domínio religioso.

Santa Marija Tal-Virtù: a Capela Demonizada de Malta

Pelas piores razões, outro templo de Rabat abanou as fundações católicas da cidade e de Malta. A capela Santa Marija Tal-Virtù deixou de ter uso após o termo da 2ª Guerra Mundial. Anos depois, um investidor alemão comprou o edifício e o terreno em volta.

Durante um bom tempo, ignorou-os.

Consciente do seu abandono, de como era remota, uma seita de satanistas fez da capela um lugar de culto. Impregnou-a de crucifixos invertidos, esculpidos e preenchidos com alcatrão, nas paredes, no piso e até sobre o velho altar.

O proprietário alemão falece. Pouco depois, um empreiteiro maltês assume a recuperação do edifício. Quando começa o trabalho, além da recente obra satânica, expõe uma cripta com mais de 2000 anos, com escritos, entretanto, identificados Romanos.

Rabat é feita destas aventuras e desventuras da história, tantas delas subtérreas, concentradas nuns poucos km2 e que continuariam a ter lugar, até num texto mais longo.

Museu Wignacourt: exposição de Arte Histórica sobre Abrigos Antiaéreos

Retomemos o tema da 2ª Guerra Mundial, regressemos às imediações da Basílica de São Paulo.

Por ali, basta atravessarmos uma outra triq, a Kullegg, para chegarmos ao famoso Museu Wignacourt, três andares repletos de obras de arte de criadores malteses e estrangeiros, de artefactos Púnico-Romanos.

Lá damos também com aquele que é o seu espaço vedeta, a Sala do Tesoureiro dos Capelães dos Cavaleiros Hospitalários, incluindo os do 54º Grão-Mestre da Ordem, o francês Alof de Wignacourt que deu o nome ao museu.

Se, à superfície, o Museu Wignacourt é tudo isto, debaixo da terra, assenta num hipogeu ligado às restantes catacumbas e sobre abrigos antiaéreos em que a população de Rabat, Mdina e de outras partes de Malta se abrigou dos bombardeamentos do Eixo.

Da Recuperação da 2ª Guerra Mundial a Cenário de Filmes da Guerra Fria

Os Nazis e os fascistas italianos procuravam evitar que os Aliados abastecessem as tropas britânicas estacionadas no Egipto e, ao mesmo tempo, que quebrassem a sua ligação às forças que mantinham na Líbia.

Malta demorou a recuperar das atrocidades. Mdina e Rabat sofreram danos parcos, se comparados com os causados pelos mais de três mil raides e seis mil e setecentas toneladas de bombas largadas pela Luftwaffe e pela Regia Aeronáutica sobre o Porto de Valletta.

Desde o encerrar da última grande guerra que Rabat vive na paz de Deus, patrocinada pelas várias igrejas. Entre as comoções lá dignas de registo, contam-se apenas algumas filmagens.

As de “Munique”, de Steven Spielberg, as de “Águia Negra”, protagonizado por Jean-Claude Van Damme, em plena Guerra Fria.

E as sucessivas invasões turísticas com que Malta há muito aprendeu a viver.

Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.
Gozo, Malta

Dias Mediterrânicos de Puro Gozo

A ilha de Gozo tem um terço do tamanho de Malta mas apenas trinta dos trezentos mil habitantes da pequena nação. Em duo com o recreio balnear de Comino, abriga uma versão mais terra-a-terra e serena da sempre peculiar vida maltesa.
Mdina, Malta

A Cidade Silenciosa e Notável de Malta

Mdina foi capital de Malta até 1530. Mesmo depois de os Cavaleiros Hospitalários a terem despromovido, foi atacada e fortificou-se a condizer. Hoje, é a costeira e sobranceira Valletta que conduz os destinos da ilha. A Mdina coube a tranquilidade da sua monumentalidade.
Chania, Creta, Grécia

Chania: pelo Poente da História de Creta

Chania foi minóica, romana, bizantina, árabe, veneziana e otomana. Chegou à actual nação helénica como a cidade mais sedutora de Creta.
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Nea Kameni, Santorini, Grécia

O Cerne Vulcânico de Santorini

Tinham decorrido cerca de três milénios desde a erupção minóica que desintegrou a maior ilha-vulcão do Egeu. Os habitantes do cimo das falésias observaram terra emergir no centro da caldeira inundada. Nascia Nea Kameni, o coração fumegante de Santorini.
Fira, Santorini, Grécia

Fira: Entre as Alturas e as Profundezas da Atlântida

Por volta de 1500 a.C. uma erupção devastadora fez afundar no Mar Egeu boa parte do vulcão-ilha Fira e levou ao colapso a civilização minóica, apontada vezes sem conta como a Atlântida. Seja qual for o passado, 3500 anos volvidos, Thira, a cidade homónima, tem tanto de real como de mítico.
Iraklio, CretaGrécia

De Minos a Menos

Chegamos a Iraklio e, no que diz respeito a grandes cidades, a Grécia fica-se por ali. Já quanto à história e à mitologia, a capital de Creta ramifica sem fim. Minos, filho de Europa, lá teve tanto o seu palácio como o labirinto em que encerrou o minotauro. Passaram por Iraklio os árabes, os bizantinos, os venezianos e os otomanos. Os gregos que a habitam falham em lhe dar o devido valor.
Míconos, Grécia

A Ilha Grega em Que o Mundo Celebra o Verão

Durante o século XX, Míconos chegou a ser apenas uma ilha pobre mas, por volta de 1960, ventos cicládicos de mudança transformaram-na. Primeiro, no principal abrigo gay do Mediterrâneo. Logo, na feira de vaidades apinhada, cosmopolita e boémia que encontramos quando a visitamos.
Birgu, Malta

À Conquista da Cidade Vittoriosa

Vittoriosa é a mais antiga das Três Cidades de Malta, quartel-general dos Cavaleiros Hospitalários e, de 1530 a 1571, a sua capital. A resistência que ofereceu aos Otomanos no Grande Cerco de Malta manteve a ilha cristã. Mesmo se, mais tarde, Valletta lhe tomou o protagonismo administrativo e político, a velha Birgu resplandece de glória histórica.
O rio Zambeze, PN Mana Poools
Safari
Kanga Pan, Mana Pools NP, Zimbabwe

Um Manancial Perene de Vida Selvagem

Uma depressão situada a 15km para sudeste do rio Zambeze retém água e minerais durante toda a época seca do Zimbabué. A Kanga Pan, como é conhecida, nutre um dos ecossistemas mais prolíficos do imenso e deslumbrante Parque Nacional Mana Pools.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Casario tradicional, Bergen, Noruega
Arquitectura & Design
Bergen, Noruega

O Grande Porto Hanseático da Noruega

Já povoada no início do século XI, Bergen chegou a capital, monopolizou o comércio do norte norueguês e, até 1830, manteve-se uma das maiores cidades da Escandinávia. Hoje, Oslo lidera a nação. Bergen continua a destacar-se pela sua exuberância arquitectónica, urbanística e histórica.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
Hinduismo Balinês, Lombok, Indonésia, templo Batu Bolong, vulcão Agung em fundo
Cerimónias e Festividades
Lombok, Indonésia

Lombok: Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito
Natal nas Caraíbas, presépio em Bridgetown
Cidades
Bridgetown, Barbados e Granada

Um Natal nas Caraíbas

De viagem, de cima a baixo, pelas Pequenas Antilhas, o período natalício apanha-nos em Barbados e em Granada. Com as famílias do outro lado do oceano, ajustamo-nos ao calor e aos festejos balneares das Caraíbas.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Cultura
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
A Toy Train story
Em Viagem
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Assuão, Egipto, rio Nilo encontra a África negra, ilha Elefantina
Étnico
Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

Bonaire, ilha, Antilhas Holandesas, ABC, Caraíbas, Rincon
História
Rincon, Bonaire

O Recanto Pioneiro das Antilhas Holandesas

Pouco depois da chegada de Colombo às Américas, os castelhanos descobriram uma ilha caribenha a que chamaram Brasil. Receosos da ameaça pirata, esconderam a primeira povoação num vale. Decorrido um século, os holandeses apoderaram-se dessa ilha e rebaptizaram-na de Bonaire. Não apagaram o nome despretensioso da colónia precursora: Rincon.
Manhã cedo no Lago
Ilhas

Nantou, Taiwan

No Âmago da Outra China

Nantou é a única província de Taiwan isolada do oceano Pacífico. Quem hoje descobre o coração montanhoso desta região tende a concordar com os navegadores portugueses que baptizaram Taiwan de Formosa.

Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Efate, Vanuatu, transbordo para o "Congoola/Lady of the Seas"
Natureza
Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Serra Dourada, Cerrado, Goiás, Brasil
Parques Naturais
Serra Dourada, Goiás, Brasil

Onde o Cerrado Ondula Dourado

Um dos tipos de savana da América do Sul, o Cerrado estende-se por mais de um quinto do território brasileiro que abastece de boa parte da água doce. Situado no âmago do Planalto Central e do estado de Goiás, o do Parque Estadual Serra Dourada resplandece a dobrar.
Solovetsky, Ilhas, Arquipélago, Russia, Outono, UAZ, estrada de Outono
Património Mundial UNESCO
Bolshoi Solovetsky, Rússia

Uma Celebração do Outono Russo da Vida

Na iminência do oceano Ártico, a meio de Setembro, a folhagem boreal resplandece de dourado. Acolhidos por cicerones generosos, louvamos os novos tempos humanos da grande ilha de Solovetsky, famosa por ter recebido o primeiro dos campos prisionais soviéticos Gulag.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
Santa Marta, Tayrona, Simón Bolivar, Ecohabs do Parque Nacional Tayrona
Praias
Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.
Gelados, Festival moriones, Marinduque, Filipinas
Religião
Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.
Chepe Express, Ferrovia Chihuahua Al Pacifico
Sobre Carris
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
patpong, bar go go, banguecoque, mil e uma noites, tailandia
Sociedade
Banguecoque, Tailândia

Mil e Uma Noites Perdidas

Em 1984, Murray Head cantou a magia e bipolaridade nocturna da capital tailandesa em "One Night in Bangkok". Vários anos, golpes de estado, e manifestações depois, Banguecoque continua sem sono.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Vida Selvagem
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.