Rabat, Malta

Um ex-Subúrbio no Âmago de Malta


Se Mdina se fez a capital nobiliárquica da ilha, os Cavaleiros Hospitalários decidiram sacrificar a fortificação da actual Rabat. A cidade fora das muralhas expandiu-se. Subsiste como um contraponto popular e rural do agora museu-vivo de Mdina.

O calor estival e mediterrânico é o mesmo dentro e fora das muralhas.

No interior aprimorado e fortificado de Mdina, uma exposição improvisada e mal-amanhada de aparelhos e soluções refrigeradoras como a que encontramos na rua Wirja Ta’ Vari seria de todo impossível.

Ao contrário da cidade-mãe, a vizinha não sente a pressão de figurar na lista provisória da UNESCO, de ansiar juntar-se aos outros três lugares de Malta declarados Património da Humanidade.

Na sua assumida subserviência, Rabat satisfaz os moradores o melhor que pode.

Em altura de braseiro, é bem-vinda uma camioneta de caixa aberta que expõe aos transeuntes, ventoinhas eléctricas, termos, geleiras e afins, todos eles itens providenciais.

À boa maneira do sul da Europa, os reformados da cidade têm mais que fazer que passar tardes em casa.

Quando entramos no King George V Cafe, sob as arcadas que confrontam a Basílica de São Paulo, encontramo-los em animada cavaqueira, aqui e ali, exaltados com a sorte das cartas.

Naquele refúgio sombrio, entre paredes anciãs e espessas, o calor mal entra. Se chegar a entrar, disfarçam-no o convívio, as cervejas geladas e a distracção dos turistas esfomeados e sedentos, alvos fáceis das manhas que os empregados lhes reservam.

Para dentro do Portão Vilhena, nas ruas de Mdina, só circulam calhambeques a serviço de casamentos elegantes e o ocasional veículo essencial às manutenções.

Rabat, por sua vez, está à mercê da frota de carros envelhecidos que deambula pela ilha.

E, em particular, dos muitos pseudo-protótipos tuning que os jovens malteses exibem e conduzem de forma selvática, mesmo se partilham o labirinto de triqs (ruas) da cidade com charretes, bicicletas e outros veículos ainda mais lentos.

Numa dessas triqs, Joseph Cappara anuncia a sua ferraria com um letreiro de fonte excêntrica que o promove ainda como fornecedor de tintas britânicas. Em casa de ferreiro, é frequente o espeto de pau.

Com um cartaz complementar, anunciante do protector de metais Hammerite, o logotipo sob um cimo de armadura e elmo, Cappara desfaz quaisquer dúvidas.

E remete-nos para a era de ouro de Malta, entre 1530 e 1798, quando os Cavaleiros Hospitalários a governavam e a desenvolviam como ilha-satélite do Reino da Sicília.

A Cisão Secular entre Mdina e Rabat

Foi Girolamo Cassar, um engenheiro militar dos Hospitalários quem, ao decretar uma redução substancial da Mdina amuralhada, causou a cisão definitiva dos espaços de Mdina e de Rabat.

No meio do Mediterrâneo, há muito que Malta era cobiçada.

Os Árabes, os Otomanos e outros viam-na como um troféu cristão alternativo à Terra Santa. Sem surpresa, o lugar mais a salvo destes arqui-inimigos era o meio da ilha.

À falta de espaço dentro das muralhas de Mdina, as ordens religiosas aliadas dos Hospitalários instalaram-se e aos seus templos nas imediações da fortaleza.

Assim o fizeram Franciscanos, Dominicanos e Agustinianos.

Decorridos quatro séculos, protegidas a condizer, estas ordens resistem. Proliferam nos seus mosteiros e conventos.

São os garantes espirituais dos há muito fiéis malteses, os remissores dos seus copiosos e sortidos pecados, desde a obsessão pelo tuning, aos golpes caça-Euros perpetrados pelos cafés, restaurantes e bares sobre os turistas incautos.

Esquina atrás de esquina, Rabat revela-nos bem mais que apenas o seu corriqueiro dia-a-dia.

Desvenda-nos, por exemplo, a arquitectura simples mas deslumbrante do Palazzo Xara, além de restaurante, um Band Club com pergaminhos.

A Domvs Romana, um Legado Prodigioso da velha Melite

Um dos patrimónios incontornáveis da cidade, a Domvs Romana local, surge sobre a fronteira entre Mdina e Rabat. Faz-nos recuar para tempos ainda mais longínquos em que a cidade não era nem uma nem a outra.

Por volta do século I a.C., Malta integrava o já vasto Império Romano. Durante parte significativa dos mais de quinhentos anos que dominou a Europa, o Norte de África e a Ásia Menor, Roma fez bom uso da pequena ilha abaixo da Península Itálica.

À medida que o Império se expandia, destacava aristocratas incumbidos de administrar e desenvolver Melite, a antiga capital.

Os edis instalavam-se em mansões faustosas, dispostas em redor de pátios acolunados, as suas divisões decoradas com mosaicos policromáticos de estilo helénico condizente.

Quem, como nós, a visita, descobre, na Domvs Romana uma sobrevivente prodigiosa.

Do passar dos séculos.

E da conversão em cemitério a que o Califado Fatimida a submeteu no século XI, quando a enterrou sob, pelo menos, duzentos e quarenta e cinco sepulturas de súbditos árabes.

Assim permanecia, quando, em 1881, trabalhadores paisagistas se inteiraram da inusitada sobreposição, logo confirmada por uma equipa de arqueólogos.

A Domvs Romana destaca-se, como uma das mais antigas atracções, em tempos subterrânea, de Rabat.

Longe de ser a única.

A Gruta e as Catacumbas de São Paulo: Incursão à Profundezas da História de Rabat

Percorridos meros 650m pelas Triqs San Pawl e Sant Agata, damos entrada nas denominadas Catacumbas de São Paulo.

Estas galerias, retalhadas até mais não e douradas pela iluminação artificial, fizeram de cemitério tanto dos Fenícios como dos Romanos que, por questões de higiene, proibiam as sepulturas no espaço urbano de Melite.

Estiveram em uso até, pelo menos, ao século VII.

E, de novo, durante a reconversão da ilha ao Cristianismo do século XIII.

Malgrado o mito de que com ela estavam ligadas, as Catacumbas de São Paulo não devem ser confundidas com a gruta homónima, acessível pela igreja de Saint Publius, um templo à direita da nave da Basílica de São Paulo.

Do Naufrágio na Costa de Malta á Santificação do Apóstolo São Paulo

Uma corrente da História defende que os Romanos conduziam o apóstolo Paulo a Roma para ser julgado como rebelde político quando uma tormenta fulminante fez o navio em que seguia naufragar.

Paulo e os restantes passageiros a bordo teriam conseguido nadar até Malta. Outra narrativa mais rica, acrescenta ainda que, durante a estada forçada,

Paulo refugiou-se nesta mesma gruta, hoje sob a basílica. Chegado o Inverno, terá sido convidado por Publius, o líder romano da ilha, para a sua casa.

Nesses dias, Paulo curou uma febre intensa que afligiu o romano. Reconhecido, Publius converteu-se ao Cristianismo e viu-se consagrado o primeiro Bispo de Malta.

Também Paulo foi santificado. Continua a ser reverenciado na ilha.

Um século depois da edificação da igreja (1653-83), o 68º Grão-Mestre dos Hospitalários (1741-73), Manuel Pinto da Fonseca, originário de Lamego, doou uma estátua do santo que permanece na gruta refúgio do apóstolo.

A gruta e a basílica de São Paulo, por sua vez, receberam já três visitas papais.

De João Paulo II, em 1990 e em 2001, e do Papa Bento XVI, em 2010.

Ao fim da tarde, apreciamos como a fachada barroca da basílica rechaça a sombra que se apodera da esplanada do King George V Cafe e da praça que a separa do domínio religioso.

Santa Marija Tal-Virtù: a Capela Demonizada de Malta

Pelas piores razões, outro templo de Rabat abanou as fundações católicas da cidade e de Malta. A capela Santa Marija Tal-Virtù deixou de ter uso após o termo da 2ª Guerra Mundial. Anos depois, um investidor alemão comprou o edifício e o terreno em volta.

Durante um bom tempo, ignorou-os.

Consciente do seu abandono, de como era remota, uma seita de satanistas fez da capela um lugar de culto. Impregnou-a de crucifixos invertidos, esculpidos e preenchidos com alcatrão, nas paredes, no piso e até sobre o velho altar.

O proprietário alemão falece. Pouco depois, um empreiteiro maltês assume a recuperação do edifício. Quando começa o trabalho, além da recente obra satânica, expõe uma cripta com mais de 2000 anos, com escritos, entretanto, identificados Romanos.

Rabat é feita destas aventuras e desventuras da história, tantas delas subtérreas, concentradas nuns poucos km2 e que continuariam a ter lugar, até num texto mais longo.

Museu Wignacourt: exposição de Arte Histórica sobre Abrigos Antiaéreos

Retomemos o tema da 2ª Guerra Mundial, regressemos às imediações da Basílica de São Paulo.

Por ali, basta atravessarmos uma outra triq, a Kullegg, para chegarmos ao famoso Museu Wignacourt, três andares repletos de obras de arte de criadores malteses e estrangeiros, de artefactos Púnico-Romanos.

Lá damos também com aquele que é o seu espaço vedeta, a Sala do Tesoureiro dos Capelães dos Cavaleiros Hospitalários, incluindo os do 54º Grão-Mestre da Ordem, o francês Alof de Wignacourt que deu o nome ao museu.

Se, à superfície, o Museu Wignacourt é tudo isto, debaixo da terra, assenta num hipogeu ligado às restantes catacumbas e sobre abrigos antiaéreos em que a população de Rabat, Mdina e de outras partes de Malta se abrigou dos bombardeamentos do Eixo.

Da Recuperação da 2ª Guerra Mundial a Cenário de Filmes da Guerra Fria

Os Nazis e os fascistas italianos procuravam evitar que os Aliados abastecessem as tropas britânicas estacionadas no Egipto e, ao mesmo tempo, que quebrassem a sua ligação às forças que mantinham na Líbia.

Malta demorou a recuperar das atrocidades. Mdina e Rabat sofreram danos parcos, se comparados com os causados pelos mais de três mil raides e seis mil e setecentas toneladas de bombas largadas pela Luftwaffe e pela Regia Aeronáutica sobre o Porto de Valletta.

Desde o encerrar da última grande guerra que Rabat vive na paz de Deus, patrocinada pelas várias igrejas. Entre as comoções lá dignas de registo, contam-se apenas algumas filmagens.

As de “Munique”, de Steven Spielberg, as de “Águia Negra”, protagonizado por Jean-Claude Van Damme, em plena Guerra Fria.

E as sucessivas invasões turísticas com que Malta há muito aprendeu a viver.

Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.
Gozo, Malta

Dias Mediterrânicos de Puro Gozo

A ilha de Gozo tem um terço do tamanho de Malta mas apenas trinta dos trezentos mil habitantes da pequena nação. Em duo com o recreio balnear de Comino, abriga uma versão mais terra-a-terra e serena da sempre peculiar vida maltesa.
Mdina, Malta

A Cidade Silenciosa e Notável de Malta

Mdina foi capital de Malta até 1530. Mesmo depois de os Cavaleiros Hospitalários a terem despromovido, foi atacada e fortificou-se a condizer. Hoje, é a costeira e sobranceira Valletta que conduz os destinos da ilha. A Mdina coube a tranquilidade da sua monumentalidade.
Chania, Creta, Grécia

Chania: pelo Poente da História de Creta

Chania foi minóica, romana, bizantina, árabe, veneziana e otomana. Chegou à actual nação helénica como a cidade mais sedutora de Creta.
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Nea Kameni, Santorini, Grécia

O Cerne Vulcânico de Santorini

Tinham decorrido cerca de três milénios desde a erupção minóica que desintegrou a maior ilha-vulcão do Egeu. Os habitantes do cimo das falésias observaram terra emergir no centro da caldeira inundada. Nascia Nea Kameni, o coração fumegante de Santorini.
Fira, Santorini, Grécia

Fira: Entre as Alturas e as Profundezas da Atlântida

Por volta de 1500 a.C. uma erupção devastadora fez afundar no Mar Egeu boa parte do vulcão-ilha Fira e levou ao colapso a civilização minóica, apontada vezes sem conta como a Atlântida. Seja qual for o passado, 3500 anos volvidos, Thira, a cidade homónima, tem tanto de real como de mítico.
Iraklio, CretaGrécia

De Minos a Menos

Chegamos a Iraklio e, no que diz respeito a grandes cidades, a Grécia fica-se por ali. Já quanto à história e à mitologia, a capital de Creta ramifica sem fim. Minos, filho de Europa, lá teve tanto o seu palácio como o labirinto em que encerrou o minotauro. Passaram por Iraklio os árabes, os bizantinos, os venezianos e os otomanos. Os gregos que a habitam falham em lhe dar o devido valor.
Míconos, Grécia

A Ilha Grega em Que o Mundo Celebra o Verão

Durante o século XX, Míconos chegou a ser apenas uma ilha pobre mas, por volta de 1960, ventos cicládicos de mudança transformaram-na. Primeiro, no principal abrigo gay do Mediterrâneo. Logo, na feira de vaidades apinhada, cosmopolita e boémia que encontramos quando a visitamos.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Safari
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Arquitectura & Design
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Aventura
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
religiosos militares, muro das lamentacoes, juramento bandeira IDF, Jerusalem, Israel
Cerimónias e Festividades
Jerusalém, Israel

Em Festa no Muro das Lamentações

Nem só a preces e orações atende o lugar mais sagrado do judaísmo. As suas pedras milenares testemunham, há décadas, o juramento dos novos recrutas das IDF e ecoam os gritos eufóricos que se seguem.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Cidades
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Silhuetas Islâmicas
Cultura

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Alasca, de Homer em Busca de Whittier
Em Viagem
Homer a Whittier, Alasca

Em Busca da Furtiva Whittier

Deixamos Homer, à procura de Whittier, um refúgio erguido na 2ª Guerra Mundial e que abriga duzentas e poucas pessoas, quase todas num único edifício.
Étnico
Nelson a Wharariki, PN Abel Tasman, Nova Zelândia

O Litoral Maori em que os Europeus Deram à Costa

Abel Janszoon Tasman explorava mais da recém-mapeada e mítica "Terra Australis" quando um equívoco azedou o contacto com nativos de uma ilha desconhecida. O episódio inaugurou a história colonial da Nova Zelândia. Hoje, tanto a costa divinal em que o episódio se sucedeu como os mares em redor evocam o navegador holandês.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Verão Escarlate
História

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

fuerteventura ilha canária tempo, PN Corralejo, Playa del Pozo
Ilhas
Fuerteventura, Canárias

Fuerteventura – Ilha Canária e Jangada do Tempo

Uma curta travessia de ferry e desembarcamos em Corralejo, no cimo nordeste de Fuerteventura. Com Marrocos e África a meros 100km, perdemo-nos no deslumbre de cenários desérticos, vulcânicos e pós-coloniais sem igual.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Natureza
Lagoa de Jok​ülsárlón, Islândia

O Canto e o Gelo

Criada pela água do oceano Árctico e pelo degelo do maior glaciar da Europa, Jokülsárlón forma um domínio frígido e imponente. Os islandeses reverenciam-na e prestam-lhe surpreendentes homenagens.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Parques Naturais
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Património Mundial UNESCO
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Lançamento de rede, ilha de Ouvéa-Ilhas Lealdade, Nova Caledónia
Praias
Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Na ilha de Ouvéa, arquipélago das Lealdade, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.
Arménia Berço Cristianismo, Monte Aratat
Religião
Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre Carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Sociedade
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
EN FR PT ES