Rabat, Malta

Um ex-Subúrbio no Âmago de Malta


Se Mdina se fez a capital nobiliárquica da ilha, os Cavaleiros Hospitalários decidiram sacrificar a fortificação da actual Rabat. A cidade fora das muralhas expandiu-se. Subsiste como um contraponto popular e rural do agora museu-vivo de Mdina.

O calor estival e mediterrânico é o mesmo dentro e fora das muralhas.

No interior aprimorado e fortificado de Mdina, uma exposição improvisada e mal-amanhada de aparelhos e soluções refrigeradoras como a que encontramos na rua Wirja Ta’ Vari seria de todo impossível.

Ao contrário da cidade-mãe, a vizinha não sente a pressão de figurar na lista provisória da UNESCO, de ansiar juntar-se aos outros três lugares de Malta declarados Património da Humanidade.

Na sua assumida subserviência, Rabat satisfaz os moradores o melhor que pode.

Em altura de braseiro, é bem-vinda uma camioneta de caixa aberta que expõe aos transeuntes, ventoinhas eléctricas, termos, geleiras e afins, todos eles itens providenciais.

À boa maneira do sul da Europa, os reformados da cidade têm mais que fazer que passar tardes em casa.

Quando entramos no King George V Cafe, sob as arcadas que confrontam a Basílica de São Paulo, encontramo-los em animada cavaqueira, aqui e ali, exaltados com a sorte das cartas.

Naquele refúgio sombrio, entre paredes anciãs e espessas, o calor mal entra. Se chegar a entrar, disfarçam-no o convívio, as cervejas geladas e a distracção dos turistas esfomeados e sedentos, alvos fáceis das manhas que os empregados lhes reservam.

Para dentro do Portão Vilhena, nas ruas de Mdina, só circulam calhambeques a serviço de casamentos elegantes e o ocasional veículo essencial às manutenções.

Rabat, por sua vez, está à mercê da frota de carros envelhecidos que deambula pela ilha.

E, em particular, dos muitos pseudo-protótipos tuning que os jovens malteses exibem e conduzem de forma selvática, mesmo se partilham o labirinto de triqs (ruas) da cidade com charretes, bicicletas e outros veículos ainda mais lentos.

Numa dessas triqs, Joseph Cappara anuncia a sua ferraria com um letreiro de fonte excêntrica que o promove ainda como fornecedor de tintas britânicas. Em casa de ferreiro, é frequente o espeto de pau.

Com um cartaz complementar, anunciante do protector de metais Hammerite, o logotipo sob um cimo de armadura e elmo, Cappara desfaz quaisquer dúvidas.

E remete-nos para a era de ouro de Malta, entre 1530 e 1798, quando os Cavaleiros Hospitalários a governavam e a desenvolviam como ilha-satélite do Reino da Sicília.

A Cisão Secular entre Mdina e Rabat

Foi Girolamo Cassar, um engenheiro militar dos Hospitalários quem, ao decretar uma redução substancial da Mdina amuralhada, causou a cisão definitiva dos espaços de Mdina e de Rabat.

No meio do Mediterrâneo, há muito que Malta era cobiçada.

Os Árabes, os Otomanos e outros viam-na como um troféu cristão alternativo à Terra Santa. Sem surpresa, o lugar mais a salvo destes arqui-inimigos era o meio da ilha.

À falta de espaço dentro das muralhas de Mdina, as ordens religiosas aliadas dos Hospitalários instalaram-se e aos seus templos nas imediações da fortaleza.

Assim o fizeram Franciscanos, Dominicanos e Agustinianos.

Decorridos quatro séculos, protegidas a condizer, estas ordens resistem. Proliferam nos seus mosteiros e conventos.

São os garantes espirituais dos há muito fiéis malteses, os remissores dos seus copiosos e sortidos pecados, desde a obsessão pelo tuning, aos golpes caça-Euros perpetrados pelos cafés, restaurantes e bares sobre os turistas incautos.

Esquina atrás de esquina, Rabat revela-nos bem mais que apenas o seu corriqueiro dia-a-dia.

Desvenda-nos, por exemplo, a arquitectura simples mas deslumbrante do Palazzo Xara, além de restaurante, um Band Club com pergaminhos.

A Domvs Romana, um Legado Prodigioso da velha Melite

Um dos patrimónios incontornáveis da cidade, a Domvs Romana local, surge sobre a fronteira entre Mdina e Rabat. Faz-nos recuar para tempos ainda mais longínquos em que a cidade não era nem uma nem a outra.

Por volta do século I a.C., Malta integrava o já vasto Império Romano. Durante parte significativa dos mais de quinhentos anos que dominou a Europa, o Norte de África e a Ásia Menor, Roma fez bom uso da pequena ilha abaixo da Península Itálica.

À medida que o Império se expandia, destacava aristocratas incumbidos de administrar e desenvolver Melite, a antiga capital.

Os edis instalavam-se em mansões faustosas, dispostas em redor de pátios acolunados, as suas divisões decoradas com mosaicos policromáticos de estilo helénico condizente.

Quem, como nós, a visita, descobre, na Domvs Romana uma sobrevivente prodigiosa.

Do passar dos séculos.

E da conversão em cemitério a que o Califado Fatimida a submeteu no século XI, quando a enterrou sob, pelo menos, duzentos e quarenta e cinco sepulturas de súbditos árabes.

Assim permanecia, quando, em 1881, trabalhadores paisagistas se inteiraram da inusitada sobreposição, logo confirmada por uma equipa de arqueólogos.

A Domvs Romana destaca-se, como uma das mais antigas atracções, em tempos subterrânea, de Rabat.

Longe de ser a única.

A Gruta e as Catacumbas de São Paulo: Incursão à Profundezas da História de Rabat

Percorridos meros 650m pelas Triqs San Pawl e Sant Agata, damos entrada nas denominadas Catacumbas de São Paulo.

Estas galerias, retalhadas até mais não e douradas pela iluminação artificial, fizeram de cemitério tanto dos Fenícios como dos Romanos que, por questões de higiene, proibiam as sepulturas no espaço urbano de Melite.

Estiveram em uso até, pelo menos, ao século VII.

E, de novo, durante a reconversão da ilha ao Cristianismo do século XIII.

Malgrado o mito de que com ela estavam ligadas, as Catacumbas de São Paulo não devem ser confundidas com a gruta homónima, acessível pela igreja de Saint Publius, um templo à direita da nave da Basílica de São Paulo.

Do Naufrágio na Costa de Malta á Santificação do Apóstolo São Paulo

Uma corrente da História defende que os Romanos conduziam o apóstolo Paulo a Roma para ser julgado como rebelde político quando uma tormenta fulminante fez o navio em que seguia naufragar.

Paulo e os restantes passageiros a bordo teriam conseguido nadar até Malta. Outra narrativa mais rica, acrescenta ainda que, durante a estada forçada,

Paulo refugiou-se nesta mesma gruta, hoje sob a basílica. Chegado o Inverno, terá sido convidado por Publius, o líder romano da ilha, para a sua casa.

Nesses dias, Paulo curou uma febre intensa que afligiu o romano. Reconhecido, Publius converteu-se ao Cristianismo e viu-se consagrado o primeiro Bispo de Malta.

Também Paulo foi santificado. Continua a ser reverenciado na ilha.

Um século depois da edificação da igreja (1653-83), o 68º Grão-Mestre dos Hospitalários (1741-73), Manuel Pinto da Fonseca, originário de Lamego, doou uma estátua do santo que permanece na gruta refúgio do apóstolo.

A gruta e a basílica de São Paulo, por sua vez, receberam já três visitas papais.

De João Paulo II, em 1990 e em 2001, e do Papa Bento XVI, em 2010.

Ao fim da tarde, apreciamos como a fachada barroca da basílica rechaça a sombra que se apodera da esplanada do King George V Cafe e da praça que a separa do domínio religioso.

Santa Marija Tal-Virtù: a Capela Demonizada de Malta

Pelas piores razões, outro templo de Rabat abanou as fundações católicas da cidade e de Malta. A capela Santa Marija Tal-Virtù deixou de ter uso após o termo da 2ª Guerra Mundial. Anos depois, um investidor alemão comprou o edifício e o terreno em volta.

Durante um bom tempo, ignorou-os.

Consciente do seu abandono, de como era remota, uma seita de satanistas fez da capela um lugar de culto. Impregnou-a de crucifixos invertidos, esculpidos e preenchidos com alcatrão, nas paredes, no piso e até sobre o velho altar.

O proprietário alemão falece. Pouco depois, um empreiteiro maltês assume a recuperação do edifício. Quando começa o trabalho, além da recente obra satânica, expõe uma cripta com mais de 2000 anos, com escritos, entretanto, identificados Romanos.

Rabat é feita destas aventuras e desventuras da história, tantas delas subtérreas, concentradas nuns poucos km2 e que continuariam a ter lugar, até num texto mais longo.

Museu Wignacourt: exposição de Arte Histórica sobre Abrigos Antiaéreos

Retomemos o tema da 2ª Guerra Mundial, regressemos às imediações da Basílica de São Paulo.

Por ali, basta atravessarmos uma outra triq, a Kullegg, para chegarmos ao famoso Museu Wignacourt, três andares repletos de obras de arte de criadores malteses e estrangeiros, de artefactos Púnico-Romanos.

Lá damos também com aquele que é o seu espaço vedeta, a Sala do Tesoureiro dos Capelães dos Cavaleiros Hospitalários, incluindo os do 54º Grão-Mestre da Ordem, o francês Alof de Wignacourt que deu o nome ao museu.

Se, à superfície, o Museu Wignacourt é tudo isto, debaixo da terra, assenta num hipogeu ligado às restantes catacumbas e sobre abrigos antiaéreos em que a população de Rabat, Mdina e de outras partes de Malta se abrigou dos bombardeamentos do Eixo.

Da Recuperação da 2ª Guerra Mundial a Cenário de Filmes da Guerra Fria

Os Nazis e os fascistas italianos procuravam evitar que os Aliados abastecessem as tropas britânicas estacionadas no Egipto e, ao mesmo tempo, que quebrassem a sua ligação às forças que mantinham na Líbia.

Malta demorou a recuperar das atrocidades. Mdina e Rabat sofreram danos parcos, se comparados com os causados pelos mais de três mil raides e seis mil e setecentas toneladas de bombas largadas pela Luftwaffe e pela Regia Aeronáutica sobre o Porto de Valletta.

Desde o encerrar da última grande guerra que Rabat vive na paz de Deus, patrocinada pelas várias igrejas. Entre as comoções lá dignas de registo, contam-se apenas algumas filmagens.

As de “Munique”, de Steven Spielberg, as de “Águia Negra”, protagonizado por Jean-Claude Van Damme, em plena Guerra Fria.

E as sucessivas invasões turísticas com que Malta há muito aprendeu a viver.

Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.
Gozo, Malta

Dias Mediterrânicos de Puro Gozo

A ilha de Gozo tem um terço do tamanho de Malta mas apenas trinta dos trezentos mil habitantes da pequena nação. Em duo com o recreio balnear de Comino, abriga uma versão mais terra-a-terra e serena da sempre peculiar vida maltesa.
Mdina, Malta

A Cidade Silenciosa e Notável de Malta

Mdina foi capital de Malta até 1530. Mesmo depois de os Cavaleiros Hospitalários a terem despromovido, foi atacada e fortificou-se a condizer. Hoje, é a costeira e sobranceira Valletta que conduz os destinos da ilha. A Mdina coube a tranquilidade da sua monumentalidade.
Chania, Creta, Grécia

Chania: pelo Poente da História de Creta

Chania foi minóica, romana, bizantina, árabe, veneziana e otomana. Chegou à actual nação helénica como a cidade mais sedutora de Creta.
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Nea Kameni, Santorini, Grécia

O Cerne Vulcânico de Santorini

Tinham decorrido cerca de três milénios desde a erupção minóica que desintegrou a maior ilha-vulcão do Egeu. Os habitantes do cimo das falésias observaram terra emergir no centro da caldeira inundada. Nascia Nea Kameni, o coração fumegante de Santorini.
Fira, Santorini, Grécia

Fira: Entre as Alturas e as Profundezas da Atlântida

Por volta de 1500 a.C. uma erupção devastadora fez afundar no Mar Egeu boa parte do vulcão-ilha Fira e levou ao colapso a civilização minóica, apontada vezes sem conta como a Atlântida. Seja qual for o passado, 3500 anos volvidos, Thira, a cidade homónima, tem tanto de real como de mítico.
Iraklio, CretaGrécia

De Minos a Menos

Chegamos a Iraklio e, no que diz respeito a grandes cidades, a Grécia fica-se por ali. Já quanto à história e à mitologia, a capital de Creta ramifica sem fim. Minos, filho de Europa, lá teve tanto o seu palácio como o labirinto em que encerrou o minotauro. Passaram por Iraklio os árabes, os bizantinos, os venezianos e os otomanos. Os gregos que a habitam falham em lhe dar o devido valor.
Míconos, Grécia

A Ilha Grega em Que o Mundo Celebra o Verão

Durante o século XX, Míconos chegou a ser apenas uma ilha pobre mas, por volta de 1960, ventos cicládicos de mudança transformaram-na. Primeiro, no principal abrigo gay do Mediterrâneo. Logo, na feira de vaidades apinhada, cosmopolita e boémia que encontramos quando a visitamos.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Safari
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Thorong La, Circuito Annapurna, Nepal, foto para a posteridade
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 13º: High Camp - Thorong La - Muktinath, Nepal

No Auge do Circuito dos Annapurnas

Aos 5416m de altitude, o desfiladeiro de Thorong La é o grande desafio e o principal causador de ansiedade do itinerário. Depois de, em Outubro de 2014, ter vitimado 29 montanhistas, cruzá-lo em segurança gera um alívio digno de dupla celebração.
Jardin Escultórico, Edward James, Xilitla, Huasteca Potosina, San Luis Potosi, México, Cobra dos Pecados
Arquitectura & Design
Xilitla, San Luís Potosi, México

O Delírio Mexicano de Edward James

Na floresta tropical de Xilitla, a mente inquieta do poeta Edward James fez geminar um jardim-lar excêntrico. Hoje, Xilitla é louvada como um Éden do surreal.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Cerimónias e Festividades
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia – Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, Desembarque
Cidades
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Silhuetas Islâmicas
Cultura

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Erika Mae
Em Viagem
Filipinas

Os Donos da Estrada Filipina

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Étnico
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Submarino Vesikko, Suomenlinna, Helsínquia, Finlândia
História
Helsínquia, Finlândia

A Fortaleza em Tempos Sueca da Finlândia

Destacada num pequeno arquipélago à entrada de Helsínquia, Suomenlinna foi erguida por desígnios político-militares do reino sueco. Durante mais de um século, a Rússia deteve-a. Desde 1917, que o povo suómi a venera como o bastião histórico da sua espinhosa independência.
Marcha Patriota
Ilhas
Taiwan

Formosa mas Não Segura

Os navegadores portugueses não podiam imaginar o imbróglio reservado a Formosa. Passados quase 500 anos, mesmo insegura do seu futuro, Taiwan prospera. Algures entre a independência e a integração na grande China.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Mar Morto, Tona de água, Lugar Mais Baixo Terra, Israel, repouso
Natureza
Mar Morto, Israel

À Tona d’água, nas Profundezas da Terra

É o lugar mais baixo à superfície do planeta e palco de várias narrativas bíblicas. Mas o Mar Morto também é especial pela concentração de sal que inviabiliza a vida mas sustém quem nele se banha.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Vista Miradouro, Alexander Selkirk, na Pele Robinson Crusoe, Chile
Parques Naturais
Ilha Robinson Crusoe, Chile

Alexander Selkirk: na Pele do Verdadeiro Robinson Crusoe

A principal ilha do arquipélago Juan Fernández foi abrigo de piratas e tesouros. A sua história fez-se de aventuras como a de Alexander Selkirk, o marinheiro abandonado que inspirou o romance de Dafoe
Willemstad, Curaçao, Punda, Handelskade
Património Mundial UNESCO
Willemstad, Curaçao

O Coração Multicultural de Curaçao

Uma colónia holandesa das Caraíbas tornou-se um grande polo esclavagista. Acolheu judeus sefarditas que se haviam refugiado da Inquisição em Amesterdão e Recife e assimilou influências das povoações portuguesas e espanholas com que comerciava. No âmago desta fusão cultural secular esteve sempre a sua velha capital: Willemstad.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Lifou, Ilhas Lealdade, Nova Caledónia, Mme Moline popinée
Praias
Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.
Intervenção policial, judeus utraortodoxos, jaffa, Telavive, Israel
Religião
Jaffa, Israel

Protestos Pouco Ortodoxos

Uma construção em Jaffa, Telavive, ameaçava profanar o que os judeus ultra-ortodoxos pensavam ser vestígios dos seus antepassados. E nem a revelação de se tratarem de jazigos pagãos os demoveu da contestação.
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Dia da Austrália, Perth, bandeira australiana
Sociedade
Perth, Austrália

Dia da Austrália: em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.
manada, febre aftosa, carne fraca, colonia pellegrini, argentina
Vida Quotidiana
Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.
Geisers El Tatio, Atacama, Chile, Entre o gelo e o calor
Vida Selvagem
El Tatio, Chile

Géiseres El Tatio – Entre o Gelo e o Calor do Atacama

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio, no Deserto de Atacama surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4200 m de altitude. Os seus géiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
PT EN ES FR DE IT