Míconos, Grécia

A Ilha Grega em Que o Mundo Celebra o Verão


Sombras de Renda II
Amigas à sombra na prainha na extensão da Little Venice de Míconos.
Uma igreja pouco ortodoxa
A igreja de Paraportiani, com as suas linhas nada convencionais.
Ruela de Hora
Rua branca e azul tradicional de Míconos.
Selfie-a-duas
Amigas fotografam-se na esplanada de Little Venice.
Grécia souvenir
Loja de recordações numa ruela de Hora, Míconos.
2/5 de Kato Mili
Dois dos 5 moinhos do conjunto de Kato Mili.
“Celestyal Crystal”
Navio cruzeiro "Celestyal Crystal" ancorado ao largo de Míconos.
Adoração do ocaso
Multidão de adoradores do pôr-do-sol na praínha de Little Venice.
Outro Fim de Dia
Visitantes de Míconos admiram o pôr-do-sol.
Hora Nocturna
Lusco-fusco amarela o casario de Hora (cidade, em Grego).
Fé a cores
Transeuntes contornam uma das várias capelas ortodoxas de Hora.
Só fachada
As fachadas pitorescas de Little Venice.
Linhas pouco ortodoxas
Arquitectura harmoniosa mas excêntrica da igreja ortodoxa de Paraportiani.
Sombra de Renda I
Visitante de Míconos à sombra na prainha na extensão da Little Venice. de Míconos.
“Celestyal Crystal”
Navio cruzeiro "Celestyal Crystal" ancorado ao largo de Míconos.
Durante o século XX, Míconos chegou a ser apenas uma ilha pobre mas, por volta de 1960, ventos cicládicos de mudança transformaram-na. Primeiro, no principal abrigo gay do Mediterrâneo. Logo, na feira de vaidades apinhada, cosmopolita e boémia que encontramos quando a visitamos.

O “Celestyal Crystal” em que seguíamos, procedentes do porto ateniense de Piraeus, atraca em Míconos à hora de tabela, as sete da manhã. Não é o primeiro cruzeiro do dia a ancorar na ilha. Não seria o último. Desembarcamos para um dos habituais dias gloriosos do estio do Egeu: de céu azul, como pelo menos metade da bandeira grega. Azulão à imagem das variantes que quebram o branco do casario por diante.

Que se possam dizer seus, Míconos mantém nesses lares tradicionais uns dez mil habitantes. Quando chega Maio, se não for logo em Abril, acolhe uma migração de visitantes de todas as partes.

Uns chegam por mar, outros por ar. Alguns, desejosos de desvendar o âmago civilizacional das Cíclades, a sua história e o património arquitectónico e cultural lá legado. Outros – a grande maioria, há que dizê-lo – afluem atraídos pela aura de destino grã-fino, hedonista sempre jovem, em forma e na moda.

Cimo da igreja ortodoxa de Paraportiani, em Míconos, Grécia

Arquitectura harmoniosa mas excêntrica da igreja ortodoxa de

Desembarcamos para o cimento do molhe que envolve a baía piscatória à entrada de Hora. As esplanadas em volta não tardam a ficar preenchidas de convivas entregues às especialidades gastronómicas helénicas. A prainha abaixo da rua Polikandrioti acolhe dezenas de almas turistas que sacrificavam repastos nos restaurantes da marginal pela poção mágica do sol e do mar afável do Egeu.

Metemo-nos no labirinto de ruelas para sul da marginal e  abstraímo-nos o mais que conseguimos da mácula comercial, inevitável numa ilha diminuta que recebe cerca de dois milhões de forasteiros por ano.

Deixamo-nos encantar pela elegância simples do casario: as cúpulas, portas, janelas, varandas e corrimões azuis ou vermelhos, destacados das incontáveis paredes alvas. As bougainvilleas fartas e outras trepadeiras exuberantes a alastrarem e penderem das varandas e terraços, adubadas pela bonança financeira que o turismo emprestou a Míconos.

 

Transeunte numa rua de Hora, Míconos, Grécia

Transeunte percorre uma rua tradicional de Hora, a cidade de Míconos.

Uma Ilha Requintada, uma ilha Incontornável dos Influencers

Mesmo a essa hora calorenta, passamos por recantos já gastos de tão pisados e retratados pelos influencers que disputam a ilha. Encontramo-los amiúde em acção. Em filas disfarçadas, à espera da sua vez de estenderem os reflectores para retocarem o make up e produzirem as fotos e os vídeos clonados e “invejáveis” com que fidelizam as multidões de seguidores.

As brisas de requinte e sofisticação pós-adolescente que confluíram para Míconos a partir de 1960 não mais pararam de soprar desde a invasão gay de então. Rendida aos proveitos dos novos ares, Míconos reajustou-se.

Os antigos lares das famílias de pescadores são agora hotéis boutique e boutiques, bares, restaurantes, lojas glamorosas de tudo um pouco e incontáveis negócios particulares registados no Booking, AirBnB e afins. São minas insulares que enchem as contas bancárias dos moradores e dos investidores durante a Primavera-Verão e que lhes permitem atravessar, sem problemas, o pousio do Inverno, quando quase tudo em Mykonos permanece encerrado.

Loja de recordações, Hora, Míconos, Grécia

Loja de recordações numa ruela de Hora, Míconos.

São proveitos fáceis, nunca sonhados nas décadas iniciais do século XX, uma altura em que, após a abertura do Canal de Corinto e a Primeira Guerra Mundial, os habitantes de Míconos se viram vítima de um inesperado declínio comercial e foram forçados a emigrar para o continente grego e para os mais diversos países do mundo, sobretudo para os Estados Unidos. No enfiamento da História, os deuses gregos parecem ter tido em conta a proximidade de Míconos face a Delos, o santuário sagrado de Apolo. E protegeram os micónios a condizer.

Little Venice. Pequena Veneza à Moda Helénica

No lugar de Delos, a marginal alternativa da Little Venice local é o poiso de culto da turba de gays, princesas da moda e VIPs viajados. Passeiam-se em Míconos, esculturais e trajados de trapos exorbitantes. Para seu indisfarçável desgosto, Míconos abriu também portas a um populacho mais idoso e descuidado, “culpa dos cruzeiros”, escutamos intrigarem más línguas ao sol.

Mais para o fim da tarde, contornamos as esquinas arredondadas da igreja ortodoxa Paraportiani e enfiamo-nos na ruela Agion Anargiron que ziguezagueia na direcção de Little Venice. Caminhamos determinados a descobrir como e porquê se tornara tão popular aquela amostra cicladense de Veneza.

Mas, avançamos alguns metros e vemo-nos barrados pelo tráfico pedestre da zona. A ruela mal dá para duas pessoas se cruzarem. Como se não bastasse, lá se sucedem lojas com artesanato e recordações pendurados no exterior. Uns turistas detêm-se de um lado a examinar algo. Outros, imitam-nos do lado oposto. Assim se geram filas caóticas que, quando os milhares de passageiros de três ou mais cruzeiros deambulam ao mesmo tempo pela povoação, se provam quase intransponíveis.

Com paciência de chinês, esperamos que o grande sino-grupo que nos antecede abra caminho. Após o que cortamos para o beco Venetias para logo darmos com uma correnteza de bares-esplanada em que esbarravam as ondas gentis do Egeu. Ali, casais apaixonados, grupos de amigos entretidos a bebericar gin, cocktails e cerveja prolongam convívios arejados e ensaiam selfies e mais selfies, afogados em grandes almofadões ou recostados em cadeiras de realizador.

Amigas em Little Venice, Míconos

Amigas fotografam-se na esplanada de Little Venice.

Como indicia o nome do lugar, os edifícios semi-afundados no mar foram erguidos no século XIV, no período em que os Venezianos controlaram Míconos e tantas outras ilhas gregas, até que, decorria o século XVIII, os Otomanos delas se apoderaram.

Moinhos de Kato Mili, Míconos

Dois dos 5 moinhos do conjunto de Kato Mili.

Os Moinhos Concorridos de Kato Milli

Outro conjunto arquitectónico ímpar de origem veneziana, mais que batido pelos influencers e viciados em selfies, é o formado pelos cinco moinhos de Kato Mili (moinhos de baixo).

Na era veneziana, a principal produção da árida Míconos era o trigo. Tendo em conta a constância dos ventos Meltemi (do italiano mal tempo), por volta do século XVI, começaram a ser instalados moinhos processadores do cereal. Chegaram a contar-se algumas dezenas. Hoje, sobram dezasseis. Destes, mesmo desprovida das suas velas brancas mas mais acessível e exposta ao ocaso a quina de Kato Mili preserva um óbvio protagonismo.

Mal o sol poente começa a alaranjar o céu para oeste, grupos de visitantes irrequietos colocam-se nos lugares privilegiados para apreciarem o mergulho do grande astro e o registarem embelezado pelas silhuetas dos engenhos.

Multidão ao pôr-do-sol, Little Venice, Míconos, Grécia

Multidão de adoradores do pôr-do-sol na praínha de Little Venice.

O ocaso arrasta-se, num registo também ele grego, sem pressas ou imprevistos. Temos tempo de sobra de circularmos entre os moinhos, de contemplarmos o dourar das fachadas da Little Venice e de descermos para a praia abaixo de Kato Mili. Quando lá chegamos, os visitantes da ilha concentravam-se em peso sobre o murinho da marginal e no areal contíguo, de smartphones e máquinas fotográficas em riste.

Soa apenas um burburinho de fundo que o vento funde com a música próxima dos bares. Aos poucos, o sol afunda-se entre um grande cruzeiro fundeado ao largo e uma escuna ancorada para proporcionar a passageiros pagantes uma contemplação vantajosa face a quem estavam em terra.

Tínhamos acabado de entrar em Junho. Com mais quatro meses de posts dos seus cenários e crepúsculos, Míconos conquistará milhares de novos seguidores.

Pôr-do-sol em Míconos, Grécia

Visitantes de Míconos admiram o pôr-do-sol.

 

OS CELESTYAL CRUISES OPERAM CRUZEIROS NO MAR EGEU E MAR MEDITERRÂNEO DE MARÇO A NOVEMBRO, POR A PARTIR DE 539€. RESERVAS EM www.celestyalcruises.com e pelo telf.: +30 2164009600.

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Jaffa, Israel

Onde Assenta a Telavive Sempre em Festa

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.

Senglea, Malta

A Cidade com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.

Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.
festa no barco, ilha margarita, PN mochima, venezuela
Parques nacionais
Ilha Margarita ao PN Mochima, Venezuela

Ilha Margarita ao Parque Nacional Mochima: um Caribe bem Caribenho

A exploração do litoral venezuelano justifica uma festa náutica de arromba. Mas, estas paragens também nos revelam a vida em florestas de cactos e águas tão verdes como a selva tropical de Mochima.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Cerimónias e Festividades
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
Manobras a cores
Cidades

Seul, Coreia do Sul

Um Vislumbre da Coreia Medieval

O Palácio de Gyeongbokgung resiste protegido por guardiães em trajes sedosos. Em conjunto, formam um símbolo da identidade sul-coreana. Sem o esperarmos, acabamos por nos ver na era imperial destas paragens asiáticas. 

Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Garranos galopam pelo planalto acima de Castro Laboreiro, PN Peneda-Gerês, Portugal
Cultura
Castro Laboreiro, Portugal  

No Cimo Raiano-Serrano de Portugal

Chegamos à eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Em Viagem
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Centro Cultural Jean Marie Tjibaou, Nova Caledonia, Grande Calhau, Pacifico do Sul
Étnico
Grande Terre, Nova Caledónia

O Grande Calhau do Pacífico do Sul

James Cook baptizou assim a longínqua Nova Caledónia porque o fez lembrar a Escócia do seu pai, já os colonos franceses foram menos românticos. Prendados com uma das maiores reservas de níquel do mundo, chamaram Le Caillou à ilha-mãe do arquipélago. Nem a sua mineração obsta a que seja um dos mais deslumbrantes retalhos de Terra da Oceânia.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Cores e sombras
História

Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.

Um cenário imponente
Ilhas

Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.

Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Inverno Branco
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Las Cuevas, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina
Natureza
Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Vista do John Ford Point, Monument Valley, Nacao Navajo, Estados Unidos
Parques Naturais
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Ao fim da tarde
Património Mundial UNESCO
Ilha de Moçambique, Moçambique  

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Praias
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Templo Kongobuji
Religião
Monte Koya, Japão

A Meio Caminho do Nirvana

Segundo algumas doutrinas do budismo, são necessárias várias vidas para atingir a iluminação. O ramo shingon defende que se consegue numa só. A partir do Monte Koya, pode ser ainda mais fácil.
A Toy Train story
Sobre carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Acolhedora Vegas
Sociedade
Las Vegas, E.U.A.

Capital Mundial dos Casamentos vs Cidade do Pecado

A ganância do jogo, a luxúria da prostituição e a ostentação generalizada fazem parte de Las Vegas. Como as capelas que não têm olhos nem ouvidos e promovem matrimónios excêntricos, rápidos e baratos.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Bando de flamingos, Laguna Oviedo, República Dominicana
Vida Selvagem
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.