Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta


Verão insuflável
Bóias expostas à beira de uma estrada de Kissamos, a caminho da garganta de Topolio.
Erro pouco tradicional
Placa promove produtos tradicionais de Creta, com um erro natural em quem usa o alfabeto grego, não o latino.
Amor Kri Kri
Giorgos segura um grande bode kri kri, à beira da estrada que atravessa a garganta de Topolio.
Agia. A Sofia
Capela ortodoxa da gruta de Agia Sofia.
Um Campanário Estrelado
Ícones da Ortodoxia
Imagens de Cristo reforçam a religiosidade ortodoxa da gruta de Agia Sofia.
Giorgos, em Voulgaro
Cretense vestido à moda tradicional da ilha.
Atracção Marinha
Banhistas à beira do Mediterrâneo quase raso de Elafonisi.
Praia Cretense Vigiada
Torre de vigia de uma das praias pouco profundas de Elafonisi.
Ânsia de Mar Profundo
Banhista corre pelo mar de Elafonisi adentro.
Voo Rasado
Gaivota faz um voo a rasar um rochedo à beira do mar de Elafonisi.
A leste de Elafonisi
Baía a leste de Elafonisi, como vista do cimo da ilha.
À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.

A alternativa iria revelar-se um improviso rodoviário sinuoso e custoso, como vários outros em que, nos dias que já levávamos de deambulação por Creta, nos tínhamos metido.

Optamos, assim, pelo caminho mais fácil da auto-estrada grega 90, mais conhecida por VOAK, a via suprema da ilha, que percorre a sua costa norte e de que partem incontáveis estradas secundárias que servem outros tantos lugares para sul.

Em plena Kolpos Kissamou, a Baía de Kissamos, desviamos para uma delas, a Epar.Od. Kaloudianon-Chrisoskalitissas.

Ainda no seu início, a montra insuflável de uma loja deixa-nos a impressão de que estamos no bom caminho. Preenche-a uma formação de boias garridas, de flamingos, cisnes brancos e até unicórnios.

Loja praia, Kissamos, Creta, Grecia

Bóias expostas à beira de uma estrada de Kissamos, a caminho da garganta de Topolio.

Acima da placa destacada do edifício, um letreiro informa a morada e contactos da loja. Em grego, e a azul e branco, as cores da bandeira helénica, para que não restem dúvidas quanto ao patriotismo do negócio. Dissimulado atrás das boias, um painel de um verde quase igual ao da fachada, versa, em inglês “Going to the Sea”.

Estrada Kaloudianon-Chrisoskalitissas Abaixo, Rumo à Garganta de Topolia

Dali para baixo, quase não tínhamos como nos equivocarmos. De volta às nações e seus alfabetos, foi o que fizeram os donos de uma banca de produtos rurais, uma de tantas que servem a região de Kissamos, sobretudo no fim da Primavera e Verão, quando a fértil Creta se torna ainda mais prolífica.

Desta feita a branco, vermelho e verde, uma tabuleta promovia TraNditional Products, assim mesmo, com um N desnecessário, um erro irrisório se tivermos em conta o quanto o alfabeto grego nos conseguia desorientar.

Placa com erro, Kissamos, Creta, Grécia

Placa promove produtos tradicionais de Creta, com um erro natural em quem usa o alfabeto grego, não o latino.

Devemos, acima de tudo, vangloriar a diversidade e a qualidade de tudo o que sai dos terrenos agrícolas e pequenas granjas da região de Kissamos: os queijos e carnes fumadas, azeite, as compotas, rakomelo (raki com mel) e, o expoente dos expoentes, o famoso mel de tomilho que não tardarmos a encontrar, em distintos miradouros sobre a garganta de Topolia.

Distração após distração, damos connosco à sua entrada. Estacionamos junto a um destes mirantes, no sentido contrário ao que seguíamos, com vista sobre as profundezas do desfiladeiro.

Dedicamo-nos a apreciar os penhascos rochosos por diante e um casal de grandes águias-douradas que, tudo indicava, pairavam em redor de um ninho no cimo da falésia.

Águias Douradas, Cabras kri kri e a Moda Cretense de Vestir

Um vendedor da banca aproxima-se e aborda-nos, num inglês com algum sotaque helénico: “Compreendo que as águias vos mereçam toda a atenção. Connosco é a mesma coisa. Aqui, por estes lados, estamos no território das cabras kri kri (cabras-de-creta). E, acreditem ou não, estas águias têm força para apanharem os cabritos mais pequenos e os levarem para os ninhos. Já não é a primeira vez, nem a segunda que o testemunhamos. Aliás, já aconteceu camponeses daqui lá irem tentar resgatar cabras deles. Querem ir espreitar o ninho? Se quiserem, levo-vos lá e fazem fotos incríveis!”

Confrontado com a nossa escusa, Savvas – assim se chamava o interlocutor – direcciona-nos para a montra do seu mel e apresenta-nos ao amigo Giorgos Papantonakis. Este, deslumbra-nos de imediato. Giorgos traz vestes tradicionais da zona, camisa negra de que pende um lenço a terminar num X de pernas díspares.

Pastor em trajes tradicionais, Topolia, Creta, Grécia

Cretense vestido à moda tradicional da ilha.

Veste ainda calças de um cinzento-claro, do mesmo tom do lenço, enfiadas numas botas de cano alto que lhe ficavam logo abaixo do joelho. Giorgos segurava ainda um cajado de madeira retorcida.  E mantem uma barba e bigode arruivados que combinavam com o conjunto, tão genuíno como Creta se podia revelar.

Como se não bastasse, não falava inglês.

De quando em quando, esboçava um esforço para o fazer. Mas seu o discurso tombava logo para o helénico e obrigava Savvas a vir em seu socorro. “Ele está a perguntar se querem ver o bode dele” transmite-nos o tradutor.

Curiosos, anuímos. Giorgos, olha para um pequeno curral abaixo do muro que nos separava do fundo da garganta. Ouvimo-lo chamar “Yero! Yero!” Num ápice, um enorme bode lança as patas dianteiras sobre o muro, encavalita-se na direcção do dono e beija-lhe a face.

Giorgos pega no cajado. Sem sequer o termos que sugerir, segura a barbicha negra do animal e compõe uma produção caprina-cretense que nos tira do sério. Fotografamos o inesperado duo. Logo, Giorgos remete a cabra para os seus aposentos. Savvas retoma o discurso. “Tem quatro anos. Já viram bem o tamanho?? Incrível não é?”

Cretense em trajes tradicionais, Voulgaro, Creta, Grécia

Giorgos segura um grande bode kri kri, à beira da estrada que atravessa a garganta de Topolio.

Despedimo-nos. Prosseguimos pela garganta de Topolia abaixo, uns poucos quilómetros, apenas, os suficientes para atingirmos Kythira.

A Visita Incontornável à Gruta Agia Sofia

Já nesta povoação, um grande sinal castanho à direita da estrada indica a gruta de Agia Sofia, e o início ventoso dos cento e cinquenta degraus que lhe dão acesso.

Vencemos a escadaria imposta à falésia, entre figueiras bravas e outras árvores que renovavam o aroma inconfundível do estio cretense. Mais para o alto, certas aberturas revelavam-nos o aperto do desfiladeiro para norte. E como, para dela se livrar, a estrada ziguezagueava em apuros, numa das subidas mais íngremes do percurso.

No cimo da escadaria, já dentro da caverna, cruzamo-nos com um funcionário solitário, sentado a uma mesa com vista para uma galeria de estalagmites e estalactites dispostas por diante. O funcionário levanta a cabeça. Contempla-nos com olhar de toupeira, detrás de uns óculos com lentes fundo de garrafa.

Saúda-nos com um “kalispéra” contido e deixa-nos à vontade para explorarmos a sacralidade lúgubre e ortodoxa do santuário, também conhecido como Sabedoria de Deus, de acordo com o ícone trazido de um templo de Constantinopla por combatentes cretenses.

Num recanto da gruta, uma simples parede e um telhado coroado por um campanário com uma cruz de pedra e uma estrela eléctrica compõem uma capela.

Gruta Agia Sofia, Topolia, Creta, Grécia

Capela ortodoxa da gruta de Agia Sofia.

Lá dentro, encontramos uma área exclusiva aos sacerdotes, delimitada por um biombo preenchido com um sortido de imagens iconográficas de Cristo, de Nossa Senhora, de anjos e afins, assentes num dourado que a luz natural que ali se aventurava e a de algumas lâmpadas faziam resplandecer.

Em redor, um grande cadeirão de madeira e vários outros ícones alinhados sobre um muro baixo completavam a ortodoxia grega da gruta.

Gruta Agia Sofia, Topolia, Creta, Grécia

Imagens de Cristo reforçam a religiosidade ortodoxa da gruta de Agia Sofia.

Malgrado a sua importância histórica e religiosa, no tempo que lá passámos, fomos os únicos visitantes. Não nos demorámos.

Por altura da Taverna Oi Myloi Iliakis Michael, tínhamos deixado a garganta de Topolia para trás.

Prosseguimos pela sua sequência, o desfiladeiro longo, se bem que menos apertado e profundo do rio Potamos. Mesmo diminuído pela secura do Verão, o rio entregou-se ao Mediterrâneo na baía de Ormos Stómio. Nós, flectimos para sul, rumo aos confins sudoeste de Creta.

Avistamos Elafonisi do cimo de um ponto sobranceiro da estrada, junto a um restaurante que, com justiça posicional e etimológica, se intitulava Panorama.

Dali, vemos uma meio ilha meio península estender-se pelo azulão do mar adentro, separada de terra apenas por uma lagoa de águas rasas e, como tal, bem mais claras, de um gradiente translúcido de ciano e esmeralda.

Baía, Elafonisi, Creta, Grécia

Baía a leste de Elafonisi, como vista do cimo da ilha.

Apesar de distante das principais cidades do norte da ilha – Chania, Iráklio, Retimo – Elafonisi tornou-se um dos domínios litorais reverenciados de Creta.

Frequentam-na milhares de cretenses, outros gregos e estrangeiros, muitos dos quais alugam casas de campo e de praia nos fundos da ilha.

A comprová-lo, quando descemos para o nível do mar, damos com um parque de estacionamento improvisado entre as árvores à pinha.

Àquela hora, a maré estava tão baixa quanto possível. Mantinha a descoberto o istmo anfíbio que separava a ilha de Elafonisi da grande Creta e que, em simultâneo, dava para duas praias opostas.

A virada a oriente preservava um mar quase digno desse nome, menos raso, mesmo se exigia várias dezenas de passos para nos subir à cintura.

Não obstante a superficialidade e imobilidade do Mediterrâneo, as autoridades gregas levavam a sério as suas responsabilidades. Uma torre de vigia destacada  bem acima das colónias de chapéus de palha vigiava os movimentos dos banhistas.

Elafonisi, Creta, Grécia

Torre de vigia de uma das praias pouco profundas de Elafonisi.

Estava identificada a vermelho, como “Lifeguard” mas, de maneira a evidenciar a helenicidade daquele domínio, ostentava uma bandeira azul e branca listada a ondular ao vento.

À sombra concedida pelo cimo da estrutura, um jovem salva-vidas mantinha-se no seu posto, não propriamente a postos. “Tu, com este mar, chegas a ter alguma coisa que fazer? atiramos, em jeito de brincadeira, de maneira a estabelecermos conversa. Giorgis surpreende-se com a abordagem.

“Olá! Olhem que não é bem como vocês pensam. O mês passado morreu aqui uma senhora estrangeira. Claro que não teve a ver com ondas ou correntes. Foi vítima de um ataque de epilepsia e ninguém reparou a tempo. Eu estava de folga”.

“De onde são vocês? De Portugal? Ai, tão feliz que eu fui por lá. Fiz um Erasmus inteiro em Lisboa, sabiam? O mais difícil, ainda foi estudar, não preciso de explicar porquê, certo?” e pisca-nos o olho com ar malandro. “Subam. Tirem umas fotos cá de cima! O meu turno está no fim. Eu vou andando. Assim até ficam com mais espaço”.

Durante uns bons dez minutos, aproveitamos a benesse. De volta á areia, caminhamos até ao solo permanente da ilha de Elafonisi, uma reserva natural protegida das multidões que esconde mini-praias deliciosas.

Elafonisi, Creta, Grécia

Banhista corre pelo mar de Elafonisi adentro.

Exploramos as suas dunas. Admiramos o Mediterrâneo imaculado daquele sul remoto, estendido até uma baía recortada a leste, no sopé das montanhas que escondiam a vila piscatória, hoje mais estância de Verão que outra coisa, de Gialos.

Até o paraíso que nos cercava preservava o seu passado macabro.

Como acontece em tantas outras partes da pátria helénica, tinha-o originado o conflito que há séculos opõe a Grécia à Turquia e vice-versa.

Em Abril de 1824, em plena expansão do Império Otomano, centenas de habitantes gregos destas partes abrigaram-se das incursões inimigas. Por azar, as tropas turcas decidiram aquartelar-se nas imediações. Como se não bastasse, um dos seus cavalos fugiu. Na comoção gerada, o animal acabou por revelar o esconderijo dos cretenses.

Gaivota, Elafonisi, Creta, Grécia

Gaivota faz um voo a rasar um rochedo à beira do mar de Elafonisi.

Reza a história que, entre 650 a 850 gregos, boa parte foram mortos, e os sobreviventes levados para o Egipto, onde se viram vendidos como escravos.

Uma placa no cimo de Elafonisi assinala a tragédia e a eterna contenda turco-helénica, hoje, mais acirrada que nunca, pela disputa dos tesouros do Mediterrâneo, os minerais, não os balneares.

A riqueza de Elafonisi, vivemo-la e louvámo-la em paz. Até que o sol se sumiu para os lados da Sicília, de Malta de Gozo e nos ditou o regresso à menos longínqua Chania.

Iraklio, Grécia

De Minos a Menos

Chegamos a Iraklio e, no que diz respeito a grandes cidades, a Grécia fica-se por ali. Já quanto à história e à mitologia, a capital de Creta ramifica sem fim. Minos, filho de Europa, lá teve tanto o seu palácio como o labirinto em que encerrou o minotauro. Passaram por Iraklio os árabes, os bizantinos, os venezianos e os otomanos. Os gregos que a habitam falham em lhe dar o devido valor.
Míconos, Grécia

A Ilha Grega em Que o Mundo Celebra o Verão

Durante o século XX, Míconos chegou a ser apenas uma ilha pobre mas, por volta de 1960, ventos cicládicos de mudança transformaram-na. Primeiro, no principal abrigo gay do Mediterrâneo. Logo, na feira de vaidades apinhada, cosmopolita e boémia que encontramos quando a visitamos.
Thira, Santorini, Grécia

Thira: Entre as Alturas e as Profundezas da Atlântida

Por volta de 1500 a.C. uma erupção devastadora fez afundar no Mar Egeu boa parte do vulcão-ilha Thira e levou ao colapso a civilização minóica, apontada vezes sem conta como a Atlântida. Seja qual for o passado, 3500 anos volvidos, Thira, a cidade homónima, tem tanto de real como de mítico.
Nea Kameni, Santorini, Grécia

O Cerne Vulcânico de Santorini

Tinham decorrido cerca de três milénios desde a erupção minóica que desintegrou a maior ilha-vulcão do Egeu. Os habitantes do cimo das falésias observaram terra emergir no centro da caldeira inundada. Nascia Nea Kameni, o coração fumegante de Santorini.
Gozo, Malta

Dias Mediterrânicos de Puro Gozo

A ilha de Gozo tem um terço do tamanho de Malta mas apenas trinta dos trezentos mil habitantes da pequena nação. Em duo com o recreio balnear de Comino, abriga uma versão mais terra-a-terra e serena da sempre peculiar vida maltesa.
Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.

Senglea, Malta

A Cidade com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.

Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Parques nacionais
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Escadaria Palácio Itamaraty, Brasilia, Utopia, Brasil
Arquitectura & Design
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Salto para a frente, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu
Cerimónias e Festividades
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Cidades
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Cavalgada em tons de Dourado
Cultura

El Calafate, Argentina

Os Novos Gaúchos da Patagónia

Em redor de El Calafate, em vez dos habituais pastores a cavalo, cruzamo-nos com gaúchos criadores equestres e com outros que exibem para gáudio dos visitantes, a vida tradicional das pampas douradas.

Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Vista do John Ford Point, Monument Valley, Nacao Navajo, Estados Unidos
Em Viagem
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
António do Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina
Étnico
Lençois da Bahia, Brasil

A Liberdade Pantanosa do Quilombo do Remanso

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Uma Cidade Perdida e Achada
História
Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.
Ilha Sentosa, Singapura, Família em praia artificial de Sentosa
Ilhas
Sentosa, Singapura

A Evasão e a Diversão de Singapura

Foi uma fortaleza em que os japoneses assassinaram prisioneiros aliados e acolheu tropas que perseguiram sabotadores indonésios. Hoje, a ilha de Sentosa combate a monotonia que se apoderava do país.
Passageiros sobre a superfície gelada do Golfo de Bótnia, na base do quebra-gelo "Sampo", Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Transbordo
Natureza

Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Parques Naturais
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
muralha da fortaleza de Novgorod e da Catedral Ortodoxa de Santa Sofia, Rússia
Património Mundial UNESCO
Novgorod, Rússia

A Avó Viking da Mãe Rússia

Durante quase todo o século que passou, as autoridades da U.R.S.S. omitiram parte das origens do povo russo. Mas a história não deixa lugar para dúvidas. Muito antes da ascensão e supremacia dos czares e dos sovietes, os primeiros colonos escandinavos fundaram, em Novgorod, a sua poderosa nação.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Personagens
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Espantoso
Praias

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

Wall like an Egyptian
Religião
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
A Toy Train story
Sobre carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Singapura, ilha Sucesso e Monotonia
Sociedade
Singapura

A Ilha do Sucesso e da Monotonia

Habituada a planear e a vencer, Singapura seduz e recruta gente ambiciosa de todo o mundo. Ao mesmo tempo, parece aborrecer de morte alguns dos seus habitantes mais criativos.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Bando de flamingos, Laguna Oviedo, República Dominicana
Vida Selvagem
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.