Guanajuato, México

A Cidade que Brilha de Todas as Cores


Cúpulas
Sombra da Tarde
A Basílica e a Universidade
Blues de Guanajuato
Arquitectura
Amigos das Bouganvileas
Callejon del Beso
El Pípila
Futuro Museu da Estudantina
Frida e o Mono
Mina e Igreja La Valenciana
Igreja La Valenciana
À Varanda
Face vs Costas
Cima de Guanajuato
Velha Mina
Rua de todas as cores
O Casario Precioso
A Quincenera
Vista sobre o Centro
Durante o século XVIII, foi a cidade que mais prata produziu no mundo e uma das mais opulentas do México e da Espanha colonial. Várias das suas minas continuam activas mas a riqueza de Guanuajuato que impressiona está na excentricidade multicolor da sua história e património secular.

Com o tempo, Guanajuato tornou-se uma cidade de rituais.

Tem-nos para todos os gostos. Quem, como nós, lá deu entrada há pouco tempo, começa por se render à ascensão-peregrinação ao cerro del Pípila.

A primeira das subidas, cumprimo-la no funicular panorâmico, com partida das traseiras do Teatro Juárez. Já tínhamos cirandado pelas avenidas, ruas e ruelas, desde a quase orla do Jardin El Contador até ao central e nevrálgico Jardin La Unión.

À medida que a pequena cabine galga a encosta oeste, desvenda-nos algo diferente: a estratificação do casario de Guanajuato, a forma garrida, mas harmoniosa como se moldou ao relevo caprichoso da Sierra de San Gregório, situada numa zona do centro do país que os mexicanos conhecem por Bajio.

Isto, apesar de estar acima dos 2000m de altitude.

O Casario Multicolor Deslumbrante de Guanajuato

A mudança de perpectiva revela-nos como as suas praças e veios urbanos são mais intrincados do que aparentam.

Expõe-nos sucessivos níveis de casario ondulante, lares acima de lares, edifícios e mais edifícios empoleirados, a disputarem as vertentes ressequidas.

Os indígenas Purépecha que habitavam este âmago do México, à chegada dos conquistadores espanhóis, conheciam-no por quanax huato, traduzível por colina(s) das rãs. Os europeus, ajustaram tanto a fonia como a grafia.

A cabine encosta à sua doca. Percorremos uns poucos corredores internos. Logo, outros, exteriores, apontados ao ápice do miradouro.

Quando o conquistamos, a derradeira luz do dia dourava secções altas e felizardas, ora do casario, ora das encostas áridas.

Debruçamo-nos sobre o varandim.

Passamos o olhar de uma ponta à outra das alturas do vale, em busca das bolsas de cor que a sombra poupava.

Enquanto isso, aumentava uma multidão que o anoitecer tornava festiva. Forasteiros mexicanos e gringos entregavam-se a selfies sem fim, com o cenário em fundo.

El Pípila, o Herói da Independência Mexicana de Guanajuato

E a outras que enquadravam a estátua sobranceira de Juan José de los Reyes Martínez, El Pípila.

El Pípila é, por excelência, o herói independentista da cidade. Numa altura em que o líder do movimento e pai da pátria mexicana Miguel Hidalgo abria as hostilidades contra a Coroa Espanhola e os Lealistas, estes últimos fortificaram-se num silo de cereais.

As forças de Hidalgo conseguiram o famoso Cerco da Alhondiga.

Não obstante, os lealistas rebatiam, à bala, quem se aproximava do edifício. Assim foi, até que o mineiro El Pípila atou uma laje de pedra às costas.

Protegido à altura, rastejou até à entrada com um frasco de alcatrão e uma tocha e pegou fogo às portas de madeira da Alhondiga. O colapso das portas abriu caminho à conquista do edifício, da cidade e à independência do México.

El Pípila e a coragem que demonstrou estão eternizados na grande estátua de pedra, adornada com o dito “aun hay otras alhondigas por incendiar”.

Em redor do monumento, divididos entre dezenas de bancas, abundavam distintos fogos e fumos.

A Festa do Fim de Dia do Cerro del Pípila

Em vez de revolução, os da gastronomia mexicana, dos seus antojitos e afins, chapulines (gafanhotos) fritos com limão e picante, champurrados e atoles (bebidas de milho fermentado) com sabor a massapão, a amendoim e outros.

E os mais banais tacos, gringas e burritos, empurrados com conversa animada e com as incontornáveis micheladas.

Esperamos pelo vencer do lusco-fusco. Descemos, a pé, sem rumo definido.

Para o fulcro histórico garrido e exuberante demarcado pela Basílica de Nª Srª de Guanajuato, pelo Teatro Juárez e pela Universidade.

A afinidade que sentimos com Lisboa ao admirar o anfiteatro de casario a partir do miradouro, voltamos a senti-la quando nos deixamos perder nos becos e ruelas, conscientes que, desde que o caminho se mantivesse descendente e íngreme, terminaria no centro alisado da cidade.

Ao chegarmos à espécie de triângulo aparado do Jardin La Unión, a fiesta do cerro El Pípila tem uma extensão.

Músicos mariachis com camisas negras e amarelas lustrosas tocam temas populares de mesa em mesa, confiantes nas gratificações generosas dos espectadores.

Artistas de rua levavam a cabo distintos números.

Os Estudantes, as Estudantinas e as Tunas de Guanajuato

Guanajuato é, em simultâneo, uma das principais cidades académicas do México, comparável a Coimbra.

Abriga quase trinta e dois mil estudantes que seguem o lema “a verdade fará deles livres” e um dos edifícios universitários centrais mais peculiares e impressionantes à face da Terra.

Lá nos detemos a apreciar uma demorada entrega de diplomas.

Na mesma rua, jovens membros de estudantinas, impingem bilhetes para as suas famosas callejoneadas.

São passeios turísticos, musicais, cómicos, pitorescos em que os anfitriões guiam os participantes e os entretêm a tocar uma panóplia de instrumentos e de tudo um pouco.

Nas imediações, damos com Sebastian, enfiado num traje tradicional e na companhia do pai José Manuel. Convidam-nos a entrar.

Para uma casa a transbordar de troféus, batas, batinas, instrumentos, diplomas, fotos de exibições de tunas noutros países, um sem fim de itens académicos.

“Estamos em arrumações, não levem a mal”, confessam-nos. “Se tudo correr bem, este caos vai dar origem ao Museu da Estudantina de Guanajuato.

O futuro museu fica junto a outro lugar emblemático da cidade, também frequentado pelas callejoneadas.

O Santuário ao Amor Concorrido do Callejon del Beso

O callejon del beso é um beco apertado, com apenas 68cm de largura.

Tornou-o famoso a paixão proibida de um casal, Ana e Carlos, que as respectivas famílias proibiam de se ver.

Prendados com a proximidade das suas varandas, Ana e Carlos encontraram-se e beijaram-se amiúde. Até que o pai de Ana os apanhou em pleno beijo e matou a filha com um golpe de punhal no coração.

Hoje, o callejon del beso é visto como um santuário do amor.

Durante boa parte do dia, os visitantes fazem fila para lá se fotografarem a beijar-se.

E, no entanto, na sua génese, Guanajuato teve pouco tempo para romances e sentimentos.

Guanajuato e a Riqueza em Prata e Ouro Sem Fim

A cidade surgiu da prata e do ouro. Aprimorou-se da riqueza recordista que a região escondia em filões hiperbólicos, depositados nas encostas.

À chegada dos espanhóis, em 1540, os indígenas já os exploravam sem dificuldade. Narrativas que chegaram aos invasores, afiançavam que os nativos encontravam pepitas de ouro à superfície do solo.

Os depósitos de minerais provaram-se tão ricos que os conquistadores se apressaram a recrutar defesas e a erguer fortes.

O objectivo era repelirem os ataques dos aguerridos nativos Chichimecas ao recém-nomeado posto de Real de Minas de Guanajuato, pouco depois, promovido a cidade de Santa Fé de Real de Minas de Guanajuato.

Notícias da abundância de ouro e prata correram o México. Logo, chegaram a Espanha. Imigrantes de Espanha, crioulos, trabalhadores mestiços e nativos fizeram aumentar a cidade.

Com mais mãos a prospectar, foram encontrados outros filões e abertas novas minas.

Minas e Mais Minas em Redor de uma Cidade Abastada

À de San Barnabé, seguiu-se a de Raias. Certas minas originaram bairros respectivos: o de Cata, o de La Pastita, San Luisito e Valenciana.

A mina pioneira, a de San Barnabé, produziu quase meio milénio, até 1928.

Outras, mais recentes, provaram-se ainda mais lucrativas e continuam a gerar riqueza.

É o caso da de Valenciana, operacional a partir de 1774, e que, até ao início do século XIX, chegou a produzir dois terços da prata do Mundo.

Num dos dias dedicados a Guanajuato, visitamo-la. Ao contrário do expectável, a curta viagem faz-se ladeiras acima, rumo ao cimo norte da cidade, lá onde o casario quase toca o céu.

Passamos por igrejas majestosas, encomendadas com financiamento das famílias proprietárias das minas, como agradecimento ao divino pela sua boa fortuna.

Destaca-se, por ali, a igreja churrigueresca (de estilo barroco mexicano) de La Valenciana, erguida no século XVIII junto à abertura da mina homónima.

Com a sua torre direita ainda por terminar, ao contrário das muralhas e do baluarte que, mais abaixo, permitia defender a riqueza dos bandidos.

Descemos aos 70m de profundidade de um dos poços. Lá sentimos a atmosfera claustrofóbica em que foram mantidos a trabalhar, por vezes, mais de quinze horas por dia, cerca de 3500 indígenas.

Segundo nos esclarece o guia Edgar, os veios de metais preciosos e as minas abertas surgiram um pouco por todo o lado.

Nem todas as escavações da cidade foram feitas por razão directa do ouro e da prata.

Guanajuato, a Cidade dos Túneis

Guanajuato assenta numa extensa e intrincada rede de velhos túneis, com quase 9km, se somados os comprimentos do El Pípila, do El Minero, do La Galereña e restantes.

Estes túneis, foram abertos por uma razão primordial: a época das chuvas fulminante destas partes do México e as inundações geradas pelo engrossar do rio Guanajuato.

Formam um estranho submundo que, a espaços, se abre ao céu e de que voltam a despontar casas e edifícios com visuais de legos pós-coloniais. Guanajuato tem todas estas dimensões e cores.

Em quase quinhentos anos de história e de uma colonização abastada, oculta muitas mais.

Barrancas del Cobre, Chihuahua, México

O México Profundo das Barrancas del Cobre

Sem aviso, as terras altas de Chihuahua dão lugar a ravinas sem fim. Sessenta milhões de anos geológicos sulcaram-nas e tornaram-nas inóspitas. Os indígenas Rarámuri continuam a chamar-lhes casa.
Chihuahua, México

¡ Ay Chihuahua !

Os mexicanos adaptaram a expressão como uma das suas preferidas manifestações de surpresa. À descoberta da capital do estado homónimo do Noroeste, exclamamo-la amiúde.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

De Filão da Nova Espanha a Pueblo Mágico Mexicano

No início do século XIX, era uma das povoações mineiras que mais prata garantia à Coroa Espanhola. Um século depois, a prata tinha-se desvalorizado de tal maneira que Real de Catorce se viu abandonada. A sua história e os cenários peculiares filmados por Hollywood, cotaram-na uma das aldeias preciosas do México.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

A Depreciação da Prata que Levou à do Pueblo (Parte II)

Com a viragem para o século XX, o valor do metal precioso bateu no fundo. De povoação prodigiosa, Real de Catorce passou a fantasma. Ainda à descoberta, exploramos as ruínas das minas na sua origem e o encanto do Pueblo ressuscitado.
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
San Cristobal de las Casas a Campeche, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Nossa Senhora de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.
Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Yak Kharka a Thorong Phedi, Circuito Annapurna, Nepal, iaques
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 11º: Yak Karkha a Thorong Phedi, Nepal

A Chegada ao Sopé do Desfiladeiro

Num pouco mais de 6km, subimos dos 4018m aos 4450m, na base do desfiladeiro de Thorong La. Pelo caminho, questionamos se o que sentíamos seriam os primeiros problemas de Mal de Altitude. Nunca passou de falso alarme.
Jardin Escultórico, Edward James, Xilitla, Huasteca Potosina, San Luis Potosi, México, Cobra dos Pecados
Arquitectura & Design
Xilitla, San Luís Potosi, México

O Delírio Mexicano de Edward James

Na floresta tropical de Xilitla, a mente inquieta do poeta Edward James fez geminar um jardim-lar excêntrico. Hoje, Xilitla é louvada como um Éden do surreal.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
auto flagelacao, paixao de cristo, filipinas
Cerimónias e Festividades
Marinduque, Filipinas

A Paixão Filipina de Cristo

Nenhuma nação em redor é católica mas muitos filipinos não se deixam intimidar. Na Semana Santa, entregam-se à crença herdada dos colonos espanhóis.A auto-flagelação torna-se uma prova sangrenta de fé
Ponta Delgada, São Miguel, Açores,
Cidades
Ponta Delgada, São Miguel, Açores

A Grande Urbe Açoriana

Durante os séculos XIX e XX, Ponta Delgada tornou-se a cidade mais populosa e a capital económico-administrativa dos Açores. Lá encontramos a história e o modernismo do arquipélago de mãos-dadas.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Cultura
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Homer, Alasca, baía Kachemak
Em Viagem
Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum.
Telhados cinza, Lijiang, Yunnan, China
Étnico
Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

Campeche, México, Península de Iucatão, Can Pech, Pastéis nos ares
História
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Ilha Maurícia, viagem Índico, queda de água de Chamarel
Ilhas
Maurícias

Uma Míni Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Cumbre Vieja, La Palma, erupção, Tsunami,Um Apocalipse Televisionado
Natureza
La Palma, CanáriasEspanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Casinhas miniatura, Chã das Caldeiras, Vulcão Fogo, Cabo Verde
Parques Naturais
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã “Francês” à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
A República Dominicana Balnear de Barahona, Balneário Los Patos
Património Mundial UNESCO
Barahona, República Dominicana

A República Dominicana Balnear de Barahona

Sábado após Sábado, o recanto sudoeste da República Dominicana entra em modo de descompressão. Aos poucos, as suas praias e lagoas sedutoras acolhem uma maré de gente eufórica que se entrega a um peculiar rumbear anfíbio.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, recife coral
Praias
Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.
Solovestsky Outonal
Religião
Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Sociedade
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
EN FR PT ES