Guanajuato, México

A Cidade que Brilha de Todas as Cores


Cúpulas
Sombra da Tarde
A Basílica e a Universidade
Blues de Guanajuato
Arquitectura
Amigos das Bouganvileas
Callejon del Beso
El Pípila
Futuro Museu da Estudantina
Frida e o Mono
Mina e Igreja La Valenciana
Igreja La Valenciana
À Varanda
Face vs Costas
Cima de Guanajuato
Velha Mina
Rua de todas as cores
O Casario Precioso
A Quincenera
Vista sobre o Centro
Durante o século XVIII, foi a cidade que mais prata produziu no mundo e uma das mais opulentas do México e da Espanha colonial. Várias das suas minas continuam activas mas a riqueza de Guanuajuato que impressiona está na excentricidade multicolor da sua história e património secular.

Com o tempo, Guanajuato tornou-se uma cidade de rituais.

Tem-nos para todos os gostos. Quem, como nós, lá deu entrada há pouco tempo, começa por se render à ascensão-peregrinação ao cerro del Pípila.

A primeira das subidas, cumprimo-la no funicular panorâmico, com partida das traseiras do Teatro Juárez. Já tínhamos cirandado pelas avenidas, ruas e ruelas, desde a quase orla do Jardin El Contador até ao central e nevrálgico Jardin La Unión.

À medida que a pequena cabine galga a encosta oeste, desvenda-nos algo diferente: a estratificação do casario de Guanajuato, a forma garrida, mas harmoniosa como se moldou ao relevo caprichoso da Sierra de San Gregório, situada numa zona do centro do país que os mexicanos conhecem por Bajio.

Isto, apesar de estar acima dos 2000m de altitude.

O Casario Multicolor Deslumbrante de Guanajuato

A mudança de perpectiva revela-nos como as suas praças e veios urbanos são mais intrincados do que aparentam.

Expõe-nos sucessivos níveis de casario ondulante, lares acima de lares, edifícios e mais edifícios empoleirados, a disputarem as vertentes ressequidas.

Os indígenas Purépecha que habitavam este âmago do México, à chegada dos conquistadores espanhóis, conheciam-no por quanax huato, traduzível por colina(s) das rãs. Os europeus, ajustaram tanto a fonia como a grafia.

A cabine encosta à sua doca. Percorremos uns poucos corredores internos. Logo, outros, exteriores, apontados ao ápice do miradouro.

Quando o conquistamos, a derradeira luz do dia dourava secções altas e felizardas, ora do casario, ora das encostas áridas.

Debruçamo-nos sobre o varandim.

Passamos o olhar de uma ponta à outra das alturas do vale, em busca das bolsas de cor que a sombra poupava.

Enquanto isso, aumentava uma multidão que o anoitecer tornava festiva. Forasteiros mexicanos e gringos entregavam-se a selfies sem fim, com o cenário em fundo.

El Pípila, o Herói da Independência Mexicana de Guanajuato

E a outras que enquadravam a estátua sobranceira de Juan José de los Reyes Martínez, El Pípila.

El Pípila é, por excelência, o herói independentista da cidade. Numa altura em que o líder do movimento e pai da pátria mexicana Miguel Hidalgo abria as hostilidades contra a Coroa Espanhola e os Lealistas, estes últimos fortificaram-se num silo de cereais.

As forças de Hidalgo conseguiram o famoso Cerco da Alhondiga.

Não obstante, os lealistas rebatiam, à bala, quem se aproximava do edifício. Assim foi, até que o mineiro El Pípila atou uma laje de pedra às costas.

Protegido à altura, rastejou até à entrada com um frasco de alcatrão e uma tocha e pegou fogo às portas de madeira da Alhondiga. O colapso das portas abriu caminho à conquista do edifício, da cidade e à independência do México.

El Pípila e a coragem que demonstrou estão eternizados na grande estátua de pedra, adornada com o dito “aun hay otras alhondigas por incendiar”.

Em redor do monumento, divididos entre dezenas de bancas, abundavam distintos fogos e fumos.

A Festa do Fim de Dia do Cerro del Pípila

Em vez de revolução, os da gastronomia mexicana, dos seus antojitos e afins, chapulines (gafanhotos) fritos com limão e picante, champurrados e atoles (bebidas de milho fermentado) com sabor a massapão, a amendoim e outros.

E os mais banais tacos, gringas e burritos, empurrados com conversa animada e com as incontornáveis micheladas.

Esperamos pelo vencer do lusco-fusco. Descemos, a pé, sem rumo definido.

Para o fulcro histórico garrido e exuberante demarcado pela Basílica de Nª Srª de Guanajuato, pelo Teatro Juárez e pela Universidade.

A afinidade que sentimos com Lisboa ao admirar o anfiteatro de casario a partir do miradouro, voltamos a senti-la quando nos deixamos perder nos becos e ruelas, conscientes que, desde que o caminho se mantivesse descendente e íngreme, terminaria no centro alisado da cidade.

Ao chegarmos à espécie de triângulo aparado do Jardin La Unión, a fiesta do cerro El Pípila tem uma extensão.

Músicos mariachis com camisas negras e amarelas lustrosas tocam temas populares de mesa em mesa, confiantes nas gratificações generosas dos espectadores.

Artistas de rua levavam a cabo distintos números.

Os Estudantes, as Estudantinas e as Tunas de Guanajuato

Guanajuato é, em simultâneo, uma das principais cidades académicas do México, comparável a Coimbra.

Abriga quase trinta e dois mil estudantes que seguem o lema “a verdade fará deles livres” e um dos edifícios universitários centrais mais peculiares e impressionantes à face da Terra.

Lá nos detemos a apreciar uma demorada entrega de diplomas.

Na mesma rua, jovens membros de estudantinas, impingem bilhetes para as suas famosas callejoneadas.

São passeios turísticos, musicais, cómicos, pitorescos em que os anfitriões guiam os participantes e os entretêm a tocar uma panóplia de instrumentos e de tudo um pouco.

Nas imediações, damos com Sebastian, enfiado num traje tradicional e na companhia do pai José Manuel. Convidam-nos a entrar.

Para uma casa a transbordar de troféus, batas, batinas, instrumentos, diplomas, fotos de exibições de tunas noutros países, um sem fim de itens académicos.

“Estamos em arrumações, não levem a mal”, confessam-nos. “Se tudo correr bem, este caos vai dar origem ao Museu da Estudantina de Guanajuato.

O futuro museu fica junto a outro lugar emblemático da cidade, também frequentado pelas callejoneadas.

O Santuário ao Amor Concorrido do Callejon del Beso

O callejon del beso é um beco apertado, com apenas 68cm de largura.

Tornou-o famoso a paixão proibida de um casal, Ana e Carlos, que as respectivas famílias proibiam de se ver.

Prendados com a proximidade das suas varandas, Ana e Carlos encontraram-se e beijaram-se amiúde. Até que o pai de Ana os apanhou em pleno beijo e matou a filha com um golpe de punhal no coração.

Hoje, o callejon del beso é visto como um santuário do amor.

Durante boa parte do dia, os visitantes fazem fila para lá se fotografarem a beijar-se.

E, no entanto, na sua génese, Guanajuato teve pouco tempo para romances e sentimentos.

Guanajuato e a Riqueza em Prata e Ouro Sem Fim

A cidade surgiu da prata e do ouro. Aprimorou-se da riqueza recordista que a região escondia em filões hiperbólicos, depositados nas encostas.

À chegada dos espanhóis, em 1540, os indígenas já os exploravam sem dificuldade. Narrativas que chegaram aos invasores, afiançavam que os nativos encontravam pepitas de ouro à superfície do solo.

Os depósitos de minerais provaram-se tão ricos que os conquistadores se apressaram a recrutar defesas e a erguer fortes.

O objectivo era repelirem os ataques dos aguerridos nativos Chichimecas ao recém-nomeado posto de Real de Minas de Guanajuato, pouco depois, promovido a cidade de Santa Fé de Real de Minas de Guanajuato.

Notícias da abundância de ouro e prata correram o México. Logo, chegaram a Espanha. Imigrantes de Espanha, crioulos, trabalhadores mestiços e nativos fizeram aumentar a cidade.

Com mais mãos a prospectar, foram encontrados outros filões e abertas novas minas.

Minas e Mais Minas em Redor de uma Cidade Abastada

À de San Barnabé, seguiu-se a de Raias. Certas minas originaram bairros respectivos: o de Cata, o de La Pastita, San Luisito e Valenciana.

A mina pioneira, a de San Barnabé, produziu quase meio milénio, até 1928.

Outras, mais recentes, provaram-se ainda mais lucrativas e continuam a gerar riqueza.

É o caso da de Valenciana, operacional a partir de 1774, e que, até ao início do século XIX, chegou a produzir dois terços da prata do Mundo.

Num dos dias dedicados a Guanajuato, visitamo-la. Ao contrário do expectável, a curta viagem faz-se ladeiras acima, rumo ao cimo norte da cidade, lá onde o casario quase toca o céu.

Passamos por igrejas majestosas, encomendadas com financiamento das famílias proprietárias das minas, como agradecimento ao divino pela sua boa fortuna.

Destaca-se, por ali, a igreja churrigueresca (de estilo barroco mexicano) de La Valenciana, erguida no século XVIII junto à abertura da mina homónima.

Com a sua torre direita ainda por terminar, ao contrário das muralhas e do baluarte que, mais abaixo, permitia defender a riqueza dos bandidos.

Descemos aos 70m de profundidade de um dos poços. Lá sentimos a atmosfera claustrofóbica em que foram mantidos a trabalhar, por vezes, mais de quinze horas por dia, cerca de 3500 indígenas.

Segundo nos esclarece o guia Edgar, os veios de metais preciosos e as minas abertas surgiram um pouco por todo o lado.

Nem todas as escavações da cidade foram feitas por razão directa do ouro e da prata.

Guanajuato, a Cidade dos Túneis

Guanajuato assenta numa extensa e intrincada rede de velhos túneis, com quase 9km, se somados os comprimentos do El Pípila, do El Minero, do La Galereña e restantes.

Estes túneis, foram abertos por uma razão primordial: a época das chuvas fulminante destas partes do México e as inundações geradas pelo engrossar do rio Guanajuato.

Formam um estranho submundo que, a espaços, se abre ao céu e de que voltam a despontar casas e edifícios com visuais de legos pós-coloniais. Guanajuato tem todas estas dimensões e cores.

Em quase quinhentos anos de história e de uma colonização abastada, oculta muitas mais.

Barrancas del Cobre, Chihuahua, México

O México Profundo das Barrancas del Cobre

Sem aviso, as terras altas de Chihuahua dão lugar a ravinas sem fim. Sessenta milhões de anos geológicos sulcaram-nas e tornaram-nas inóspitas. Os indígenas Rarámuri continuam a chamar-lhes casa.
Chihuahua, México

¡ Ay Chihuahua !

Os mexicanos adaptaram a expressão como uma das suas preferidas manifestações de surpresa. À descoberta da capital do estado homónimo do Noroeste, exclamamo-la amiúde.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

De Filão da Nova Espanha a Pueblo Mágico Mexicano

No início do século XIX, era uma das povoações mineiras que mais prata garantia à Coroa Espanhola. Um século depois, a prata tinha-se desvalorizado de tal maneira que Real de Catorce se viu abandonada. A sua história e os cenários peculiares filmados por Hollywood, cotaram-na uma das aldeias preciosas do México.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

A Depreciação da Prata que Levou à do Pueblo (Parte II)

Com a viragem para o século XX, o valor do metal precioso bateu no fundo. De povoação prodigiosa, Real de Catorce passou a fantasma. Ainda à descoberta, exploramos as ruínas das minas na sua origem e o encanto do Pueblo ressuscitado.
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
San Cristobal de las Casas a Campeche, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Nossa Senhora de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.
Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Safari
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
planicie sagrada, Bagan, Myanmar
Arquitectura & Design
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
religiosos militares, muro das lamentacoes, juramento bandeira IDF, Jerusalem, Israel
Cerimónias e Festividades
Jerusalém, Israel

Em Festa no Muro das Lamentações

Nem só a preces e orações atende o lugar mais sagrado do judaísmo. As suas pedras milenares testemunham, há décadas, o juramento dos novos recrutas das IDF e ecoam os gritos eufóricos que se seguem.
Cidade de Mindelo, São Vicente, Cabo Verde
Cidades
Mindelo, São Vicente, Cabo Verde

O Milagre de São Vicente

São Vicente sempre foi árida e inóspita a condizer. A colonização desafiante da ilha submeteu os colonos a sucessivas agruras. Até que, por fim, a sua providencial baía de águas profundas viabilizou o Mindelo, a urbe mais cosmopolita e a capital cultural de Cabo Verde.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Noiva entra para carro, casamento tradicional, templo Meiji, Tóquio, Japão
Cultura
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Assuão, Egipto, rio Nilo encontra a África negra, ilha Elefantina
Em Viagem
Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.
vale profundo, socalcos arroz, batad, filipinas
Étnico
Batad, Filipinas

Os Socalcos que Sustentam as Filipinas

Há mais de 2000 anos, inspirado pelo seu deus do arroz, o povo Ifugao esquartejou as encostas de Luzon. O cereal que os indígenas ali cultivam ainda nutre parte significativa do país.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

Sydney, cidade criminosos exemplar da Austrália, Harbour Bridge
História
Sydney, Austrália

De Desterro de Criminosos a Cidade Exemplar

A primeira das colónias australianas foi erguida por reclusos desterrados. Hoje, os aussies de Sydney gabam-se de antigos condenados da sua árvore genealógica e orgulham-se da prosperidade cosmopolita da megalópole que habitam.
Aula de surf, Waikiki, Oahu, Havai
Ilhas
Waikiki, OahuHavai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbor e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Pescadores em canoas, rio Volta, Gana
Natureza
Volta, Gana

Uma Volta pelo Volta

Em tempos coloniais, a grande região africana do Volta foi alemã, britânica e francesa. Hoje, a área a leste deste rio majestoso da África Ocidental e do lago em que se espraia forma uma província homónima. E um recanto montanhoso, luxuriante e deslumbrante do Gana.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Monteverde, Costa Rica, quakers, Reserva Biológica Bosque Nuboso, caminhantes
Parques Naturais
Monteverde, Costa Rica

O Refúgio Ecológico que os Quakers Legaram ao Mundo

Desiludidos com a propensão militar dos E.U.A., um grupo de 44 Quakers migrou para a Costa Rica, nação que havia abolido o exército. Agricultores, criadores de gado, tornaram-se conservacionistas. Viabilizaram um dos redutos naturais mais reverenciados da América Central.
Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
Património Mundial UNESCO
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Avião em aterragem, Maho beach, Sint Maarten
Praias
Maho Beach, Sint Maarten

A Praia Caribenha Movida a Jacto

À primeira vista, o Princess Juliana International Airport parece ser apenas mais um nas vastas Caraíbas. Sucessivas aterragens a rasar a praia Maho que antecede a sua pista, as descolagens a jacto que distorcem as faces dos banhistas e os projectam para o mar, fazem dele um caso à parte.
Via Crucis de Boac, Festival de Moriones, Marinduque, Filipinas
Religião
Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.
Chepe Express, Ferrovia Chihuahua Al Pacifico
Sobre Carris
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Substituição de lâmpadas, Hidroelétrica de Itaipu watt, Brasil, Paraguai
Sociedade
Hidroeléctrica Binacional de Itaipu, Brasil

HidroElétrica Binacional do Itaipu: a Febre do Watt

Em 1974, milhares de brasileiros e paraguaios confluíram para a zona de construção da então maior barragem do Mundo. 30 anos após a conclusão, Itaipu gera 90% da energia paraguaia e 20% da do Brasil.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Vida Selvagem
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT