Chichen Itza, Iucatão, México

À Beira do Cenote, no Âmago da Civilização Maia


Muro do Jogo da Bola
Jogo da Bola em Grupo
O Aro-Cesto
Incrições
Kukulkan
Kukulkan a Dobrar
Kukulkan a Dobrar II
Cabeças de Kukulkan
O Cimo de El Castilo
El Castillo de Chichen Itza
De Passagem
Descida Excepcional
Escultura de Balam
Máscaras maias
Escultura colorida
Rituais cruéis
Triunfos das Conquistas Maias
Fachada Ervada
O Grande Jogo da Bola
Templo dos Guerreiros
Entre os séculos IX a XIII d.C., Chichen Itza destacou-se como a cidade mais importante da Península do Iucatão e do vasto Império Maia. Se a Conquista Espanhola veio precipitar o seu declínio e abandono, a história moderna consagrou as suas ruínas Património da Humanidade e Maravilha do Mundo.

Percorremos a alameda ladeada por árvores que conduz à entrada.

Um dos muitos vendedores maias de artesanato desperta-nos a atenção. Pintava uma cabeça de jaguar que ajustava ao colo, contra uma t-shirt dos Iron Maiden. A delicadeza com que retocava os bigodes do felino sarapintado contrastava com a rudeza da banda.

Detemo-nos a acompanhar a obra. Perguntamos-lhe se a vai pintar de amarelo ou deixar a preto e branco e, conversa puxa conversa, se usava a t-shirt só por usar ou se era um fã a sério do grupo inglês.

Carlos, assim se chamava o artesão, afiança-nos que os adorava. Esclarecidos, ainda assim, intrigados, regressamos ao jaguar que, por boa razão, constava nas bancas de quase todos os vendedores, em formas e tons pouco destoantes.

Mais que o animal em si, as esculturas representavam Ek Balam, um dos deuses maias idolatrados, ícone religioso de incomparável bravura marcial, inspirador de toda uma ordem de soldados ao serviço do imperador.

Ek Balam, uma das divindades que regiam o Xibalba, o inframundo maia, foi, ainda assim, meritório de um templo à superfície em Chichen Itza.

E, a apenas 56 km a nordeste, 175km da capital iucateca Mérida, consagrado com toda uma povoação e lugar cerimonial seus contemporâneos.

De Templo em Templo, atrás dos Enigmas de Chichen Itza

O Templo do Jaguar é dos primeiros com que nos deparamos mal entrarmos em Chichen Itza.

Bem antes de dele nos aproximarmos, assola-nos a impressão de estarmos cercados de felinos. Ouvimos rugidos. Soam-nos demasiado agudos para poderem ser reais.

À medida que caminhamos, percebemos que, além da miríade de esculturas que produzem, os Maias que ali comerciam artesanias, inventaram um brinquedo que, soprado, imitava os jaguares.

Aborrecidos pela rotina, apostados em suscitar a curiosidade dos visitantes, repetiam o bramido do animal vezes sem conta.

Apontamos a leste e ao Templo de Kukulkan, situado no âmago do complexo.

A Supremacia Divina de Kukulman – Quetzalcoatl

Kukulkan, a serpente emplumada era, para os Maias Itza, o único deus acima do jaguar Ek Balam, cerne do culto fortemente influenciado pelo de Quetzalcoatl, há muito em vigor entre os Aztecas do centro do México.

Serviram de faróis espirituais e mundanos a ambas as civilizações e de unificadores contra as ameaças permanentes de povos e cidades rivais.

Em Chichen Itza, Kukulkam foi reverenciado com base na pirâmide socalcada que, mais tarde, os conquistadores espanhóis se habituaram a chamar El Castillo.

Quando a apreciamos, sucessivos guias tentam comprovar aos seus clientes uma ligação sonora com Quetzalcoatl. “Escutem agora, com atenção” ouvimo-los rogar. Seguem-se palmas. As palmas ecoam nas pedras da pirâmide.

Produzem uma espécie de guincho que os guias garantem assemelhar-se ao piar do quetzal, a ave reverenciada pelos povos mexicas e da América Central, cujas penas os Maias acreditavam revestir a Serpente Preciosa.

Não era o único efeito prodigioso que o Templo de Kukulkam gerava. Quem, como nós o circunda, dá com as cabeças duplas da serpente na sua base.

Desvenda que os Maias desenharam e ergueram a pirâmide de maneira a que, cada equinócio do ano fizesse a Kukulkan descer do cimo ao solo.

As Dimensões Astronómicas de Chichen Itza

Quem tem o privilégio de visitar Chichen Itza numa dessas datas, à hora certa, observa os raios de sol a incidirem numa tangente, que só ilumina a aresta dos degraus acima. De tal maneira, que desenha um corpo de serpente quase perfeito.

Os maias eram sérios estudiosos e seguidores da astronomia. Dispuseram os edifícios de Chichen Itza e de várias outras suas cidades de acordo com intrincadas lógicas astronómicas.

O facto de o Templo de Kukulkan possuir 365 degraus e do observatório do Espaço El Caracol lhes permitir seguir a trajectória de Vénus no firmamento, tê-los-á ajudado a calcular a forma como o sol incidia na pirâmide.

A meio de Novembro, tínhamos passado o equinócio de Outono. Estávamos longe do da Primavera. Conformamo-nos, assim, com imaginarmos o fenómeno e a sua ponderada excentricidade. Apenas e só, da base do templo.

Até 2006, os visitantes podiam ascender ao topo do El Castillo, onde conquistavam vistas a 360º, sobre o complexo e a selva em redor.

A benesse foi suspensa ad eternum quando uma visitante californiana de 80 anos desfaleceu, caiu de uma altura de vinte metros e acabou por sucumbir.

Os Rituais Sanguinários que Impunham a Supremacia Maia

A fazer fé na exactidão histórica de “Apocalypto”, filme realizado nesse mesmo ano por Mel Gibson, os degraus da pirâmide já tinham sofrido os impactos de incontáveis outras vítimas.

Numa cena da longa-metragem, passada no cimo do templo, o sumo-sacerdote de Kukulkan arranca os corações a prisioneiros de guerra.

Logo, corta-lhes as cabeças, lançadas escadaria abaixo, sobre um povo Maia sedento de sangue que a crueza da cerimónia leva ao êxtase.

Estas e muitas outras cabeças cortadas, decorrente de batalhas e incursões a territórios de povos inimigos, acabavam empaladas umas sobre as outras, em postes ao alto.

A algumas dezenas de metros do Templo de Kukulkan, deparamo-nos com uma plataforma decorada com gravuras de caveiras.

Denominada de Tzompantli, servia de memorial dos sacrificados, intimidava a população a que, ao mesmo tempo, exibia o poderio e as conquistas do imperador supremo dos Maias.

Chichen Itza: a História Enigmática e Difusa da Grande Capital Maia

Chichen Itza foi fundada entre 750 e 900 d.C. No final do século X, beneficiada pelo declínio de outras cidades do Sul do Iucatão, em especial das aliadas Cobá e Yaxuna e, por algum tempo, aliada à capital do oeste do Iucatão, Uxmal, já controlava a maior parte da península, do Golfo do México aos domínios orientais de Zamá, a Tulum dos nossos dias.

O critério serve o que serve, mas, tinha ainda o maior campo de Jogo da Bola de todo o mapa Maia e Azteca das Américas, com 168 por 70 metros.

Esse Jogo da Bola mantém-se um espaço entremuros amplo, em parte ervado, noutra parte, de uma terra clara batida pelas pisadas dos milhões anuais de visitantes.

Quando nele entramos, damos com umas poucas dezenas, uns vinte, alinhados, compenetrados nas explicações que um guia lhes transmitia, sob um dos aros em que os jogadores maias tinham que acertar com uma bola de cautchu, com movimentos vigorosos de anca.

Crê-se que duzentos anos depois do ápice, por volta de 1100 d.C., Chichen Itza entrou no seu próprio declínio. Favoreceu, assim, a ascensão de outra capital a oeste, Mayapan.

A Polémica Maia-Tolteca por Detrás da Origem e História de Chichen Itza

Estima-se que a cidade terá sido atacada e lotada. Alguns teóricos defendem que pelos Toltecas do centro do México com quem os Maias há muito comerciavam.

Outros, são apologistas de que os Toltecas se haviam integrado entre os Maias, que estes eram, na realidade, compostos de membros das duas etnias.

O que explica a similitude arquitectónica de alguns dos edifícios de Chichen Itza, sobretudo do Templo dos Guerreiros, com outros encontrados em Tula, em tempos, a capital dos Toltecas.

No início do século XIII, Mayapan derrotou Chichen Itza.

Décadas mais tarde, a antiga capital viu-se abandonada pelos seus governantes e pela elite que os secundava, não necessariamente por toda a população.

Voltamos a avançar no tempo. Mais dois séculos.

Duas Gerações de Franciscos Montejos e a Conquista Espanhola do Iucatão

Em 1526, Cristóvão Colombo tinha já revelado a América. Uma sucessão de outros navegadores e de conquistadores zarparam do sul da Ibéria apostados em fazer fortuna e reclamar novas terras para a Coroa Espanhola.

Duas gerações de Montejos, ambos Franciscos, foram autorizados a conquistar a Península do Iucatão. A meio do século XVI, após vários reveses, Francisco Montejo filho conseguiu aliciar os Maias do sudoeste do Iucatão a se aliarem às suas forças invasoras.

O exército que formou provou-se avassalador. Submeteu os Maias inimigos que resistiam.

Os conquistadores espanhóis apoderaram-se do Iucatão, da costa caribenha ao território oposto de Campeche. Não tarda, de todo o actual México, América Central e do Sul.

Chichen Itza sumiu-se na História. Até aos novos exploradores e estudiosos do século XIX a terem resgatado à selva iucateca.

Malgrado a longa imposição e devastação hispânica, os Maias subsistem nos domínios antes governados pelas suas cidades-estado.

A Relação Maia Contemporânea com a Chichen Itza de Hoje

Voltaram a Chichen Itza. Veem as ruínas agora Maravilha do Mundo como um Património da Humanidade e legado divino, uma espécie de sustento sagrado.

No extremo nordeste do complexo, entre o Templo dos Guerreiros e o mercado, os rugidos dos jaguares Balam continuam. Um outro prodígio maia chama-nos a atenção.

Basílio pouco ou nada se deixa importunar. Compenetrado, pachorrento, o artesão de meia-idade retoca o seu mais recente quadro esculpido, a representar o Jogo da Bola maia em distintas perspectivas e momentos.

Aproximamo-nos. Apreciamos o trabalho minucioso que levava a cabo e o que tinha já terminado e ansiava vender. Basílio compreende. Aceita que, mesmo que a nossa vontade fosse essa, não podíamos pagar-lhe os quase 200 euros que pedia por um dos exemplares.

Resigna-se com uma serenidade e dignidade só ao alcance dos povos mais sábios.

Prova-nos, ali, de sorriso nos lábios, como, mesmo forçados a partilhar as suas terras e monumentos, os Maias continuam a louvar a sua civilização.

Uxmal, Iucatão, México

A Capital Maia que Se Empilhou Até ao Colapso

O termo Uxmal significa construída três vezes. Na longa era pré-Hispânica de disputa do mundo Maia, a cidade teve o seu apogeu, correspondente ao cimo da Pirâmide do Adivinho no seu âmago. Terá sido abandonada antes da Conquista Espanhola do Iucatão. As suas ruínas são das mais intactas da Península do Iucatão.
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
Campeche, México

Um Bingo tão lúdico que se joga com bonecos

Nas noites de sextas um grupo de senhoras ocupam mesas do Parque Independencia e apostam ninharias. Os prémios ínfimos saem-lhes em combinações de gatos, corações, cometas, maracas e outros ícones.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Safari
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Gravuras, Templo Karnak, Luxor, Egipto
Arquitectura & Design
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou o Templo de Karnak e a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Cerimónias e Festividades
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Competição do Alaskan Lumberjack Show, Ketchikan, Alasca, EUA
Cidades
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Cultura
Dali, China

Flash Mob à Moda Chinesa

A hora está marcada e o lugar é conhecido. Quando a música começa a tocar, uma multidão segue a coreografia de forma harmoniosa até que o tempo se esgota e todos regressam às suas vidas.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Em Viagem
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Étnico
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Luderitz, Namibia
História
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
ilha Streymoy, Ilhas Faroe, Tjornuvik, Gigante e Bruxa
Ilhas
Streymoy, Ilhas Faroé

Streymoy Acima, ao Sabor da Ilha das Correntes

Deixamos a capital Torshavn rumo a norte. Cruzamos de Vestmanna para a costa leste de Streymoy. Até chegarmos ao extremo setentrional de Tjornuvík, deslumbramo-nos vezes sem conta com a excentricidade verdejante da maior ilha faroesa.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Inverno Branco
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Dia escuro
Natureza

Lago Cocibolca, Nicarágua

Mar, Doce Mar

Os indígenas nicaraos tratavam o maior lago da América Central por Cocibolca. Na ilha vulcânica de Ometepe, percebemos porque o termo que os espanhóis converteram para Mar Dulce fazia todo o sentido.

Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Parques Naturais
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Património Mundial UNESCO
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Parque Nacional Cahuita, Costa Rica, Caribe, Punta Cahuita vista aérea
Praias
Cahuita, Costa Rica

Uma Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral da Costa Rica tão afro quanto das Caraíbas. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.
Ulugh Beg, Astrónomo, Samarcanda, Uzbequistão, Um matrimónio espacial
Religião
Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre Carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Sociedade
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
PN Tortuguero, Costa Rica, barco público
Vida Selvagem
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
EN FR PT ES