Mérida, Venezuela

Mérida a Los Nevados: nos Confins Andinos da Venezuela


La Aguada
Cabine La Aguada do antigo sistema de teleférico de Mérida transporta passageiros dos 1600 metros de altitude cidade para o cimo da Sierra Nevada, quase aos 4800 metros.
A Caminho do Pico Espejo
Uma cabine do antigo teleférico de Mérida (o mais longo e mais alto do Mundo) sobe em direcção ao Pico Espejo.
À Janela
Passageiros do antigo teleférico de Mérida observam o cenário durante a descida para a cidade.
Retalho agrícola
Campos agrícolas que precedem Los Nevados, numa encosta da Sierra Nevada de Mérida.
Lagoa de Mucubaji
Cavalo pasta ervas à superfície da lagoa de Mucubaji nas terras altas del Páramo, arredores da cidade de Mérida.
Flor de Frailejon
Flor de frailejon, uma planta perene felpuda endémica da Serra Nevada de Mérida e de certas zonas dos Andes colombianos
Los Nevados
Morador desce a rua principal de Los Nevados, uma povoação perdida num vale da Sierra Nevada de Mérida.
O Pico Espejo
O pico polvilhado de neve do Pico Espejo, a 4800 m de altitude mas pouco gelado devido à latitude próxima do equador desta zona da Venezuela.
Plaza Bolivar
Duas jovens venezuelanas atravessam o centro da Plaza Bolivar, o coração de Mérida.
Sr. Manuel
Um vendedor de beira de estrada descansa um pouco próximo da capela de pedra de San Pedro de Mucuchies, em San Rafael, nos arredores de Mérida.
Vaquero de Los Nevados
Habitante de Los Nevados à porta de uma tasca da povoação
Vista sobre Los Nevados
Morador de Los Nevados aprecia a sua aldeia da varanda de um bar local.
Ancião
Um morador idoso de Los Nevados numa indumentária pitoresca de vaqueiro encasacado.
Los Nevados
Panorâmica de Los Nevados a partir de uma elevação a caminho da aldeia
Nos anos 40 e 50, a Venezuela atraiu 400 mil portugueses mas só metade ficou em Caracas. Em Mérida, encontramos lugares mais semelhantes às origens e a geladaria excêntrica dum portista imigrado.

Província de Mérida: é aqui que os Andes têm o seu último estertor na extremidade norte da América do Sul.

Pouco depois, fundem-se com a Cordillera de la Costa, a cadeia transversal de montanhas que esconde o Mar das Caraíbas.

A região interior, situada junto à fronteira com a Colômbia, é a Meca nacional dos andinistas e adeptos das caminhadas de altitude em geral.

Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela

O pico polvilhado de neve do Pico Espejo, a 4800 m de altitude mas pouco gelado devido à latitude próxima do equador desta zona da Venezuela.

Tínhamos já percorrido muitos quilómetros nas calles arrumadas da sua capital homónima quando constatamos que, graças a um dos muitos portugueses empreendedores que se instalaram na Venezuela, também inspirava os gulosos deste mundo.

Manuel da Silva. Um Emigrante que deu Mais Sabor à Venezuela

Manuel da Silva Oliveira chegou do Porto ainda jovem. Chegou com experiência de barman e cozinheiro e abriu um restaurante em Mérida.

O negócio corria de vento em popa quando, um dia, um  vendedor lhe perguntou se não queria ficar com uma máquina de gelados. “Don Manolo” – como é desde há muito tratado – percebia de comida e de bebida. De sorvetes nem por isso. Ainda assim, quando o caixeiro viajante lhe explicou como era simples a preparação, acabou por comprar a máquina.

Numa primeira fase, limitou-se a seguir as instruções. Misturava o leite com as essências químicas de chocolate, de morango e do mantecado.

Os gelados ficavam prontos num ápice. Começaram a satisfazer a população da cidade.

Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela

Duas jovens venezuelanas atravessam o centro da Plaza Bolivar, o coração de Mérida.

Mas as essências nem sempre estavam disponíveis e a máquina não misturava, em condições, matérias-primas naturais.

Depois de alguma discussão com o vendedor, Manuel da Silva Oliveira conseguiu que lhe trocassem a máquina por outra e ainda a oferta de uma batedeira especial, muito mais indicada para misturar com o leite os ingredientes necessários. Essa mudança e a sua perseverança ditaram um futuro que nunca se atreveria a prever.

A Montra de Sabores Recordista da Gelataria Coromoto

Os anos passaram. Don Manolo fartou-se de trabalhar para as empresas proprietárias das máquinas que lhe ficavam com uma boa parte do lucro. Abriu a sua própria geladaria. Aos três ou quatro compostos a que a Venezuela estava habituada, juntou várias outras frutas, frescas e secas.

Seguiram-se os vegetais e os licores, todos com a facilidade decorrente de Mérida ser o pomar e a horta da Venezuela. Depois, vieram os mariscos, os peixes e sabe-se lá mais o quê.

Inaugurada em 1981, a geladaria Coromoto depressa reuniu um portefólio impressionante. Com o tempo, ultrapassou as 800 criações de gelados. Foi reconhecida pelo Guiness Book como a geladaria com mais sabores do mundo. Esse estatuto surgia bem assinalado a luzes garridas de néon sobre a entrada do estabelecimento. E atraiu viajantes de todo o mundo.

Mas a fama do negócio não travou o envelhecimento do seu mentor. Manuel Oliveira da Silva perdeu a juventude de outros tempos e, com ela, a paciência para a rotina.

Passou a gestão do negócio a José Ramirez. O sotaque português do castelhano venezuelano desapareceu detrás do balcão e das montras refrigeradas. O seu bigode manteve-se e os sabores nunca pararam de aumentar. À data deste texto, a gelataria Coromoto vendia mais de mil.

José Ramirez dispensa dar-nos a provar os sabores convencionais: “Vejam lá quais vos apetece experimentar e digam-me. Já vejo se estão preparados para todos!”

Sabores de Gelados Literalmente para Todos os Gostos

Passamos os olhos pela lista infindável que decora as paredes. Deixamo-nos espantar. Cebola, esparguete e queijo, alho e milho seriam em qualquer lado do mundo consideradas sobremesas suspeitas. Na Coromoto, o estranho vai mais além. “Sardiñas en Brandy” e “Esperanza de Viagra” fazem-nos rir sem cerimónias e sabem muito melhor do que o esperado.

De uma forma suavemente doce, o “Pabellon Criollo” consegue ser fiel a um dos pratos emblemáticos da Venezuela. Logo ao lado, alguém se engasga e pede um copo de água urgente. Tinha acabado de testar “Chilli”.

Colherada a colherada, tentamos decifrar os mistérios semânticos por detrás de “British Airways”, “Besos Andinos”, “Perdona, Querida”, “Diário Frontera” e “Samba Pa Mi”, desafiamos também a extravagância de “La Viño Tinto”, “Estornillador” e “Arroz con Pulpo”.

A geladaria Coromoto vende bolas de mais de 80 sabores por dia. Apesar da muita curiosidade, não chegamos sequer a provar metade. Esperava-nos uma aldeia das redondezas igualmente refrescante.

Ascensão às Alturas Andinas de Mérida

Na manhã seguinte, apanhamos o teleférico emblemático da cidade em direcção ao Pico Bolivar (4980m), um trajecto para o tecto da Venezuela que nos dizem ser também ele recordista mundial tanto no que diz respeito à extensão (12,5 km) como à altitude a que chega (4765m).

Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela

Uma cabine do antigo teleférico de Mérida (o mais longo e mais alto do Mundo) sobe em direcção ao Pico Espejo.

Ao nível de Mérida, fazia-se sentir um calorzinho agradável. Com meros dez minutos de ascensão no teleférico da cidade, ultrapassamos os 3.000 metros. À sombra, o frio torna-se incómodo.

Só a estação terminal de Pico Espejo (4765m), a umas poucas centenas de metros do Pico Bolivar (4978m) traz de volta o aconchego dos raios solares.

Lá em baixo, no vale amplo e verdejante da Sierra Nevada, destaca-se o casario de Mérida.

Para cima, estão os cumes pontiagudos dos Andes e, no sopé oposto, Los Nevados, um pequeno povoado pitoresco, isolado da civilização pela inexistência de verdadeiras vias de comunicação.

Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela

Passageiros do antigo teleférico de Mérida observam o cenário durante a descida para a cidade.

E a Descida Íngreme para o pueblito Branco de Los Nevados

É para lá que descemos a pé, depois de rejeitarmos fazer o trajecto de mula ou jipe, de maneira a pouparmos dinheiro e as costas e a podermos apreciar e fotografar os cenários.

Temos como companhia uma família francesa de “marinheiros” em terra. Um casal com dois filhos que, cansado da vida monótona e chuvosa de Nantes, trocou a segurança e a casa, por um veleiro fundeado em Papeete, Taiti. E que, de lá,  passou a zarpar para o mundo sempre que o dinheiro ganho como dentistas o permitia.

O percurso de algumas horas, em grande parte a descer, prova-se pouco exigente e visualmente agradável. Enfeita-o a vegetação de altitude a que os locais chamam de Páramos.

Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela

Campos agrícolas que precedem Los Nevados, numa encosta da Sierra Nevada de Mérida.

A determinada altura, surge um novo vale, coberto por um tapete multicolor de campos cultivados. E logo em seguida, a aldeia que buscávamos.

Vislumbrámo-la tal e qual a tínhamos descoberto num ou dois livros fotográficos que homenageiam aquele interior esquivo da Venezuela, com a torre bicuda da sua igreja a sobressair das casas caiadas.

Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela

Panorâmica de Los Nevados a partir de uma elevação a caminho da aldeia

O nome deixava pouca margem para a imaginação. Los Nevados, assim foi baptizada devido aos nevões que, em tempos, a cobriam com uma segunda camada de branco.

A Los Nevados em Que já Não Neva

Em conversa com um cowboy local, confirmamos que há muito tal não acontece. “Amigos, já nem me lembro da última vez… os meus pais, sim, falam muitas vezes nisso, entre eles e com o pessoal mais velho de cá”.

Nada que espante. O aquecimento é supostamente global. Tendo em conta a altitude da aldeia, 1000 e tal metros e a sua posição quase equatorial no mundo, difícil seria que ali continuasse a nevar.

Hoje, perdida no tempo, Los Nevados revela-se um típico refúgio rural da província de Mérida, inclinado como poucos, com mercearias lúgubres e uma tasca intimidante em que a luz natural não entra.

Vaqueros de roupas gastas, crianças e velhotes corajosos sobem e descem as suas duas calçadas íngremes atarefados com afazeres que nos intrigam.

Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela

Habitante de Los Nevados à porta de uma tasca da povoação

Durante toda a tarde, descobrimos a aldeia e os arredores serranos. Ao jantar, a tal família francesa maravilha-nos com estórias e mais estórias das suas navegações pelo mundo, incluindo fugas a piratas malaios e indonésios e a tempestades sem nação.

Essa noite, dormimo-la numa pousada campestre local. Mal o sol aparece sobre os cumes, voltamos a desafiar a privacidade rural de Los Nevados.

Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela

Morador desce a rua principal de Los Nevados, uma povoação perdida num vale da Sierra Nevada de Mérida.

Com o princípio da tarde, decidimos todos regressar a Mérida no único transporte partilhado que nos podia salvar da dolorosa caminhada serra acima: um velho jipe sobrecarregado com enormes pedras mós.

Jornada Vertiginosa pela Serrania e o Regresso à Base Urbana de Mérida

Nunca, numa viagem, o desconforto da falta de espaço e dos solavancos nos haviam parecido tão secundário. O percurso faz-se ao longo de uma estrada de terra quase sempre escavada na encosta e que espreita os precipícios da Serra Nevada.

Só por si, o cenário já tinha pouco de tranquilizante. Como se não bastasse, o peso dos oito passageiros e das mós faziam o jipe adornar mais que o normal para o lado dramático.

Esse adornar, deixava-nos entre a apreensão e o pânico. Nem as piadas lançadas pelo condutor e um amigo, ambos necessitados de diversão. “Agarrem-se bem senão vai dar farinha!”, aliviaram a tensão.

Aos poucos, deixamos para trás o trecho conquistado à montanha. Completámos o resto do percurso bem mais rápido e sem sobressaltos.

Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela

Cavalo pasta ervas à superfície da lagoa de Mucubaji nas terras altas del Páramo, arredores da cidade de Mérida.

Chegamos a Mérida duas horas antes do pôr-do-sol. A Coromoto ainda estava aberta.

Entramos. Pedimos alguns dos sabores que pareciam poder ajudar-nos a descomprimir do tormento recém-vencido.

Entre as escolhas contaram-se “Cerelac” e “Diário Frontera”.

Los Llanos, a região pantanosa e repleta de anacondas do interior da Venezuela foi a nossa próxima.

Também por lá encontramos portugueses perdidos.

Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida, Suas Danças e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.

Gran Sabana, Venezuela

Um Verdadeiro Parque Jurássico

Apenas a solitária estrada EN-10 se aventura pelo extremo sul selvagem da Venezuela. A partir dela, desvendamos cenários de outro mundo, como o da savana repleta de dinossauros da saga de Spielberg.

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes da Venezuela em Fiesta

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Mérida, Venezuela

A Renovação Vertiginosa do Teleférico mais Alto do Mundo

Em execução a partir de 2010, a reconstrução do teleférico de Mérida foi levada a cabo na Sierra Nevada por operários intrépidos que sofreram na pele a grandeza da obra.
PN Henri Pittier, Venezuela

PN Henri Pittier: entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou
Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada
savuti, botswana, leões comedores de elefantes
Safari
Savuti, Botswana

Os Leões Comedores de Elefantes de Savuti

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Escadaria Palácio Itamaraty, Brasilia, Utopia, Brasil
Arquitectura & Design
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Aventura
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
cowboys oceania, Rodeo, El Caballo, Perth, Australia
Cerimónias e Festividades
Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
Glamour vs Fé
Cidades
Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a votaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Maiko durante espectaculo cultural em Nara, Geisha, Nara, Japao
Cultura
Quioto, Japão

Sobrevivência: A Última Arte Gueixa

Já foram quase 100 mil mas os tempos mudaram e as gueixas estão em vias de extinção. Hoje, as poucas que restam vêem-se forçadas a ceder a modernidade menos subtil e elegante do Japão.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
kings canyon, Red centre, coracao, Australia
Em Viagem
Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália

O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Austrália. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Étnico
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Vista do John Ford Point, Monument Valley, Nacao Navajo, Estados Unidos
História
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
São Jorge, Açores, Fajã dos Vimes
Ilhas
São Jorge, Açores

De Fajã em Fajã

Abundam, nos Açores, faixas de terra habitável no sopé de grandes falésias. Nenhuma outra ilha tem tantas fajãs como as mais de 70 da esguia e elevada São Jorge. Foi nelas que os jorgenses se instalaram. Nelas assentam as suas atarefadas vidas atlânticas.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Natureza
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Nuvem lenticular, Mount Cook, Nova Zelândia
Parques Naturais
Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.
Aloés excelsa junto ao muro do Grande Cercado, Great Zimbabwe
Património Mundial UNESCO
Grande Zimbabwe

Grande Zimbabué, Mistério sem Fim

Entre os séculos XI e XIV, povos Bantu ergueram aquela que se tornou a maior cidade medieval da África sub-saariana. De 1500 em diante, à passagem dos primeiros exploradores portugueses chegados de Moçambique, a cidade estava já em declínio. As suas ruínas que inspiraram o nome da actual nação zimbabweana encerram inúmeras questões por responder.  
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
República Dominicana, Praia Bahia de Las Águilas, Pedernales. Parque Nacional Jaragua, Praia
Praias
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Camboja, Angkor, Ta Phrom
Religião
Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Sociedade
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Mesmo em tempos de paz, detectamos militares por todo o lado. A postos, nas cidades, cumprem missões rotineiras que requerem rigor e paciência.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Vida Selvagem
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT