Mérida, Venezuela

Mérida a Los Nevados: nos Confins Andinos da Venezuela


La Aguada
Cabine La Aguada do antigo sistema de teleférico de Mérida transporta passageiros dos 1600 metros de altitude cidade para o cimo da Sierra Nevada, quase aos 4800 metros.
A Caminho do Pico Espejo
Uma cabine do antigo teleférico de Mérida (o mais longo e mais alto do Mundo) sobe em direcção ao Pico Espejo.
À Janela
Passageiros do antigo teleférico de Mérida observam o cenário durante a descida para a cidade.
Retalho agrícola
Campos agrícolas que precedem Los Nevados, numa encosta da Sierra Nevada de Mérida.
Lagoa de Mucubaji
Cavalo pasta ervas à superfície da lagoa de Mucubaji nas terras altas del Páramo, arredores da cidade de Mérida.
Flor de Frailejon
Flor de frailejon, uma planta perene felpuda endémica da Serra Nevada de Mérida e de certas zonas dos Andes colombianos
Los Nevados
Morador desce a rua principal de Los Nevados, uma povoação perdida num vale da Sierra Nevada de Mérida.
O Pico Espejo
O pico polvilhado de neve do Pico Espejo, a 4800 m de altitude mas pouco gelado devido à latitude próxima do equador desta zona da Venezuela.
Plaza Bolivar
Duas jovens venezuelanas atravessam o centro da Plaza Bolivar, o coração de Mérida.
Sr. Manuel
Um vendedor de beira de estrada descansa um pouco próximo da capela de pedra de San Pedro de Mucuchies, em San Rafael, nos arredores de Mérida.
Vaquero de Los Nevados
Habitante de Los Nevados à porta de uma tasca da povoação
Vista sobre Los Nevados
Morador de Los Nevados aprecia a sua aldeia da varanda de um bar local.
Ancião
Um morador idoso de Los Nevados numa indumentária pitoresca de vaqueiro encasacado.
Los Nevados
Panorâmica de Los Nevados a partir de uma elevação a caminho da aldeia
Nos anos 40 e 50, a Venezuela atraiu 400 mil portugueses mas só metade ficou em Caracas. Em Mérida, encontramos lugares mais semelhantes às origens e a geladaria excêntrica dum portista imigrado.

Província de Mérida: é aqui que os Andes têm o seu último estertor na extremidade norte da América do Sul.

Pouco depois, fundem-se com a Cordillera de la Costa, a cadeia transversal de montanhas que esconde o Mar das Caraíbas.

A região interior, situada junto à fronteira com a Colômbia, é a Meca nacional dos andinistas e adeptos das caminhadas de altitude em geral.

Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela

O pico polvilhado de neve do Pico Espejo, a 4800 m de altitude mas pouco gelado devido à latitude próxima do equador desta zona da Venezuela.

Tínhamos já percorrido muitos quilómetros nas calles arrumadas da sua capital homónima quando constatamos que, graças a um dos muitos portugueses empreendedores que se instalaram na Venezuela, também inspirava os gulosos deste mundo.

Manuel da Silva. Um Emigrante que deu Mais Sabor à Venezuela

Manuel da Silva Oliveira chegou do Porto ainda jovem. Chegou com experiência de barman e cozinheiro e abriu um restaurante em Mérida.

O negócio corria de vento em popa quando, um dia, um  vendedor lhe perguntou se não queria ficar com uma máquina de gelados. “Don Manolo” – como é desde há muito tratado – percebia de comida e de bebida. De sorvetes nem por isso. Ainda assim, quando o caixeiro viajante lhe explicou como era simples a preparação, acabou por comprar a máquina.

Numa primeira fase, limitou-se a seguir as instruções. Misturava o leite com as essências químicas de chocolate, de morango e do mantecado.

Os gelados ficavam prontos num ápice. Começaram a satisfazer a população da cidade.

Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela

Duas jovens venezuelanas atravessam o centro da Plaza Bolivar, o coração de Mérida.

Mas as essências nem sempre estavam disponíveis e a máquina não misturava, em condições, matérias-primas naturais.

Depois de alguma discussão com o vendedor, Manuel da Silva Oliveira conseguiu que lhe trocassem a máquina por outra e ainda a oferta de uma batedeira especial, muito mais indicada para misturar com o leite os ingredientes necessários. Essa mudança e a sua perseverança ditaram um futuro que nunca se atreveria a prever.

A Montra de Sabores Recordista da Gelataria Coromoto

Os anos passaram. Don Manolo fartou-se de trabalhar para as empresas proprietárias das máquinas que lhe ficavam com uma boa parte do lucro. Abriu a sua própria geladaria. Aos três ou quatro compostos a que a Venezuela estava habituada, juntou várias outras frutas, frescas e secas.

Seguiram-se os vegetais e os licores, todos com a facilidade decorrente de Mérida ser o pomar e a horta da Venezuela. Depois, vieram os mariscos, os peixes e sabe-se lá mais o quê.

Inaugurada em 1981, a geladaria Coromoto depressa reuniu um portefólio impressionante. Com o tempo, ultrapassou as 800 criações de gelados. Foi reconhecida pelo Guiness Book como a geladaria com mais sabores do mundo. Esse estatuto surgia bem assinalado a luzes garridas de néon sobre a entrada do estabelecimento. E atraiu viajantes de todo o mundo.

Mas a fama do negócio não travou o envelhecimento do seu mentor. Manuel Oliveira da Silva perdeu a juventude de outros tempos e, com ela, a paciência para a rotina.

Passou a gestão do negócio a José Ramirez. O sotaque português do castelhano venezuelano desapareceu detrás do balcão e das montras refrigeradas. O seu bigode manteve-se e os sabores nunca pararam de aumentar. À data deste texto, a gelataria Coromoto vendia mais de mil.

José Ramirez dispensa dar-nos a provar os sabores convencionais: “Vejam lá quais vos apetece experimentar e digam-me. Já vejo se estão preparados para todos!”

Sabores de Gelados Literalmente para Todos os Gostos

Passamos os olhos pela lista infindável que decora as paredes. Deixamo-nos espantar. Cebola, esparguete e queijo, alho e milho seriam em qualquer lado do mundo consideradas sobremesas suspeitas. Na Coromoto, o estranho vai mais além. “Sardiñas en Brandy” e “Esperanza de Viagra” fazem-nos rir sem cerimónias e sabem muito melhor do que o esperado.

De uma forma suavemente doce, o “Pabellon Criollo” consegue ser fiel a um dos pratos emblemáticos da Venezuela. Logo ao lado, alguém se engasga e pede um copo de água urgente. Tinha acabado de testar “Chilli”.

Colherada a colherada, tentamos decifrar os mistérios semânticos por detrás de “British Airways”, “Besos Andinos”, “Perdona, Querida”, “Diário Frontera” e “Samba Pa Mi”, desafiamos também a extravagância de “La Viño Tinto”, “Estornillador” e “Arroz con Pulpo”.

A geladaria Coromoto vende bolas de mais de 80 sabores por dia. Apesar da muita curiosidade, não chegamos sequer a provar metade. Esperava-nos uma aldeia das redondezas igualmente refrescante.

Ascensão às Alturas Andinas de Mérida

Na manhã seguinte, apanhamos o teleférico emblemático da cidade em direcção ao Pico Bolivar (4980m), um trajecto para o tecto da Venezuela que nos dizem ser também ele recordista mundial tanto no que diz respeito à extensão (12,5 km) como à altitude a que chega (4765m).

Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela

Uma cabine do antigo teleférico de Mérida (o mais longo e mais alto do Mundo) sobe em direcção ao Pico Espejo.

Ao nível de Mérida, fazia-se sentir um calorzinho agradável. Com meros dez minutos de ascensão no teleférico da cidade, ultrapassamos os 3.000 metros. À sombra, o frio torna-se incómodo.

Só a estação terminal de Pico Espejo (4765m), a umas poucas centenas de metros do Pico Bolivar (4978m) traz de volta o aconchego dos raios solares.

Lá em baixo, no vale amplo e verdejante da Sierra Nevada, destaca-se o casario de Mérida.

Para cima, estão os cumes pontiagudos dos Andes e, no sopé oposto, Los Nevados, um pequeno povoado pitoresco, isolado da civilização pela inexistência de verdadeiras vias de comunicação.

Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela

Passageiros do antigo teleférico de Mérida observam o cenário durante a descida para a cidade.

E a Descida Íngreme para o pueblito Branco de Los Nevados

É para lá que descemos a pé, depois de rejeitarmos fazer o trajecto de mula ou jipe, de maneira a pouparmos dinheiro e as costas e a podermos apreciar e fotografar os cenários.

Temos como companhia uma família francesa de “marinheiros” em terra. Um casal com dois filhos que, cansado da vida monótona e chuvosa de Nantes, trocou a segurança e a casa, por um veleiro fundeado em Papeete, Taiti. E que, de lá,  passou a zarpar para o mundo sempre que o dinheiro ganho como dentistas o permitia.

O percurso de algumas horas, em grande parte a descer, prova-se pouco exigente e visualmente agradável. Enfeita-o a vegetação de altitude a que os locais chamam de Páramos.

Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela

Campos agrícolas que precedem Los Nevados, numa encosta da Sierra Nevada de Mérida.

A determinada altura, surge um novo vale, coberto por um tapete multicolor de campos cultivados. E logo em seguida, a aldeia que buscávamos.

Vislumbrámo-la tal e qual a tínhamos descoberto num ou dois livros fotográficos que homenageiam aquele interior esquivo da Venezuela, com a torre bicuda da sua igreja a sobressair das casas caiadas.

Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela

Panorâmica de Los Nevados a partir de uma elevação a caminho da aldeia

O nome deixava pouca margem para a imaginação. Los Nevados, assim foi baptizada devido aos nevões que, em tempos, a cobriam com uma segunda camada de branco.

A Los Nevados em Que já Não Neva

Em conversa com um cowboy local, confirmamos que há muito tal não acontece. “Amigos, já nem me lembro da última vez… os meus pais, sim, falam muitas vezes nisso, entre eles e com o pessoal mais velho de cá”.

Nada que espante. O aquecimento é supostamente global. Tendo em conta a altitude da aldeia, 1000 e tal metros e a sua posição quase equatorial no mundo, difícil seria que ali continuasse a nevar.

Hoje, perdida no tempo, Los Nevados revela-se um típico refúgio rural da província de Mérida, inclinado como poucos, com mercearias lúgubres e uma tasca intimidante em que a luz natural não entra.

Vaqueros de roupas gastas, crianças e velhotes corajosos sobem e descem as suas duas calçadas íngremes atarefados com afazeres que nos intrigam.

Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela

Habitante de Los Nevados à porta de uma tasca da povoação

Durante toda a tarde, descobrimos a aldeia e os arredores serranos. Ao jantar, a tal família francesa maravilha-nos com estórias e mais estórias das suas navegações pelo mundo, incluindo fugas a piratas malaios e indonésios e a tempestades sem nação.

Essa noite, dormimo-la numa pousada campestre local. Mal o sol aparece sobre os cumes, voltamos a desafiar a privacidade rural de Los Nevados.

Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela

Morador desce a rua principal de Los Nevados, uma povoação perdida num vale da Sierra Nevada de Mérida.

Com o princípio da tarde, decidimos todos regressar a Mérida no único transporte partilhado que nos podia salvar da dolorosa caminhada serra acima: um velho jipe sobrecarregado com enormes pedras mós.

Jornada Vertiginosa pela Serrania e o Regresso à Base Urbana de Mérida

Nunca, numa viagem, o desconforto da falta de espaço e dos solavancos nos haviam parecido tão secundário. O percurso faz-se ao longo de uma estrada de terra quase sempre escavada na encosta e que espreita os precipícios da Serra Nevada.

Só por si, o cenário já tinha pouco de tranquilizante. Como se não bastasse, o peso dos oito passageiros e das mós faziam o jipe adornar mais que o normal para o lado dramático.

Esse adornar, deixava-nos entre a apreensão e o pânico. Nem as piadas lançadas pelo condutor e um amigo, ambos necessitados de diversão. “Agarrem-se bem senão vai dar farinha!”, aliviaram a tensão.

Aos poucos, deixamos para trás o trecho conquistado à montanha. Completámos o resto do percurso bem mais rápido e sem sobressaltos.

Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela

Cavalo pasta ervas à superfície da lagoa de Mucubaji nas terras altas del Páramo, arredores da cidade de Mérida.

Chegamos a Mérida duas horas antes do pôr-do-sol. A Coromoto ainda estava aberta.

Entramos. Pedimos alguns dos sabores que pareciam poder ajudar-nos a descomprimir do tormento recém-vencido.

Entre as escolhas contaram-se “Cerelac” e “Diário Frontera”.

Los Llanos, a região pantanosa e repleta de anacondas do interior da Venezuela foi a nossa próxima.

Também por lá encontramos portugueses perdidos.

Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.

Gran Sabana, Venezuela

Um Verdadeiro Parque Jurássico

Apenas a solitária estrada EN-10 se aventura pelo extremo sul selvagem da Venezuela. A partir dela, desvendamos cenários de outro mundo, como o da savana repleta de dinossauros da saga de Spielberg.

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes da Venezuela em Fiesta

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Mérida, Venezuela

A Renovação Vertiginosa do Teleférico mais Alto do Mundo

Em execução a partir de 2010, a reconstrução do teleférico de Mérida foi levada a cabo na Sierra Nevada por operários intrépidos que sofreram na pele a grandeza da obra.
PN Henri Pittier, Venezuela

PN Henri Pittier: entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou
Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Parques nacionais
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Nana Kwame V, chefe ganês, festival Fetu Afahye, Gana
Cerimónias e Festividades
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
Casario de Ushuaia, ultima das cidades, Terra do Fogo, Argentina
Cidades
Ushuaia, Argentina

A Última das Cidades Austrais

A capital da Terra do Fogo marca o limiar austral da civilização. De Ushuaia partem inúmeras incursões ao continente gelado. Nenhuma destas aventuras de toca e foge se compara à da vida na cidade final.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Cultura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Surfspotting
Em Viagem

Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.

MAL(E)divas
Étnico
Malé, Maldivas

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, Malé, a capital das Maldivas, pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano  genuíno que as brochuras turísticas omitem.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Ruínas, Port Arthur, Tasmania, Australia
História
À Descoberta de Tassie,  Parte 2 - Hobart a Port Arthur, Austrália

Uma Ilha Condenada ao Crime

O complexo prisional de Port Arthur sempre atemorizou os desterrados britânicos. 90 anos após o seu fecho, um crime hediondo ali cometido forçou a Tasmânia a regressar aos seus tempos mais lúgubres.
Ovelhas e caminhantes em Mykines, ilhas Faroé
Ilhas
Mykines, Ilhas Faroé

No Faroeste das Faroé

Mykines estabelece o limiar ocidental do arquipélago Faroé. Chegou a albergar 179 pessoas mas a dureza do retiro levou a melhor. Hoje, só lá resistem nove almas. Quando a visitamos, encontramos a ilha entregue aos seus mil ovinos e às colónias irrequietas de papagaios-do-mar.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Twelve Apostles, Great Ocean Road, Victoria, Austrália
Natureza
Great Ocean Road, Austrália

Oceano Fora, pelo Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Caiaquer no lago Sinclair, Cradle Mountain - Lake Sinclair National Park, Tasmania, Austrália
Parques Naturais
À Descoberta de Tassie, Parte 4 -  Devonport a Strahan, Austrália

Pelo Oeste Selvagem da Ilha da Tasmânia

Se a quase antípoda Tazzie já é um mundo australiano à parte, o que dizer então da sua inóspita região ocidental. Florestas densas, rios esquivos e um litoral rude batido por um oceano Índico quase Antártico geram enigma e respeito a norte do Estreito de Bass. À descoberta da região mais acessível entre Devonport e Strahan, ficamos com uma leve ideia da sua excentricidade meridional.
religiosos militares, muro das lamentacoes, juramento bandeira IDF, Jerusalem, Israel
Património Mundial UNESCO
Jerusalém, Israel

Em Festa no Muro das Lamentações

Nem só a preces e orações atende o lugar mais sagrado do judaísmo. As suas pedras milenares testemunham, há décadas, o juramento dos novos recrutas das IDF e ecoam os gritos eufóricos que se seguem.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Mme Moline popinée
Praias

Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.

Noiva entra para carro, casamento tradicional, templo Meiji, Tóquio, Japão
Religião
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
cowboys oceania, Rodeo, El Caballo, Perth, Australia
Sociedade
Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Vida Selvagem
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.