Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso


Baie d’Oro em paz
Àgua imóvel e nem sinal de gente numa das baías mais concorridas da Île-des-Pins.
Banhista metro
Banhista "metropolitana" (do continente francês) na Baie d'Oro
Baie d’Oro
Banhistas nipónicos fazem snorkeling no aquário natural da Baie d'Oro.
Paliçada “Tiki”
Pormenor da paliçada "tiki" uma expressão étnica do povo kunie, predominante na île-des-Pins
Piroga local
Veraneantes sobem a bordo duma piroga tradicional.
Puro Deleite Tropical
Banhistas deliciam-se com a àgua translúcida da Baie d'Oro
Peixe garrido
Um dos muitos peixes coloridos que habitam a Baie d'Oro.
Igreja de Vao
Ciclistas param o seu passeio para repousar em frente à igreja de Vao.
Nativo sorridente
Habitante kunie da Île-des-Pins.
Passeio Tropical
Visitante Metro da Baie d'Oro passeia ao longo do areal que o encher da maré torna cada vez mais estreito.
Em território Kunie
Rapariga escrevinha na areia molhada em frente à paliçada "tiki".
Desembarque
Família regressa a terra na praia de Kuto.
Divinal Snorkeling
Casal observa a vida submarina colorida da Baie d'Oro.
De volta ao sol
Visitante japonesa regressa ao areal da praia de Kuto.
Tiki
Escultura-paliçada "tiki" da etnia Kunie.
Embarque sem pressas
Turistas sobem para uma volta numa das pirogas tradicionais da Île des Pins.
Crepúsculo sobre o Pacífico do Sul
Silhueta peculiar formada por uma vasta colónia de Pinheiros-de-Cook numa extremidade da Île-des-Pins
Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Por volta dos seus vinte anos, a jovem escritora embarcou numa viagem, vista, à época, como mais que alternativa.

O Japão recuperava a olhos vistos da destruição e da má fama de que a nação se viu a braços após a tentativa frustrada de conquistar o Pacífico.

Morimura desistiu de uma curta experiência como editora de uma revista feminina. Pouco depois,  visitou um arquipélago que os japoneses nunca conseguiram tomar apesar da apetência pelas reservas de níquel da principal ilha da Nova Caledónia.

Interessava-lhe, sobretudo, a evasão e o exotismo tropical daquele lugar perdido no maior dos oceanos.

A Romantização Literária da Ilha de Ouvéa

De regresso, Morimura embarcou num romance. Pouco depois, publicou-o e partilhou com os leitores a aventura que vivera. Os japoneses continuavam comprometidos com a regeneração da pátria mas ansiavam por imaginários prazerosos de retiro. A “Ilha Mais Próxima do Paraíso” tornou-se, em pouco tempo, num best-seller e revelou-lhes o éden melanésio de Ouvéa.

Não tínhamos lido a obra quando por lá passámos mas reparámos na presença de casais nipónicos, instalados em espreguiçadeiras dos poucos resorts a fazer snorkeling ou a passear de mão dada nos areais de giz contíguos.

Divinal snorkeling, Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia

Banhistas nipónicos fazem snorkeling no aquário natural da Baie d’Oro.

Entretanto, percebemos que Ouvéa tinha beneficiado e um estímulo também cinematográfico. Nos anos 70, Nobuhiko Ôbayashi era um realizador em ascensão a quem, durante a rodagem de certos anúncios, Charles Bronson e Kirk Douglas impingiram a alcunha de OB, por acharem demasiado difícil pronunciar o seu nome.

Do Livro para os Ecrãs Nipónicos

Já na década de 80, Ôbayashi pegou na novela de Morimura e mudou-se de armas e bagagens para a Nova Caledónia. Destacava-se do elenco que escolhera, uma cândida e versátil Tomoyo Harada em início de carreira.

O Japão rendeu-se aos encantos da protagonista e da sua personagem Mari Katsuragi. Mas, principalmente, aos das paisagens sedutoras do atol em que as cenas haviam sido rodadas.

Muitos japoneses fixaram também, nas suas mentes, a imagem do figurante indígena Zacaharie Daoumé que, surpreendido pela súbita notoriedade, viria a declarar à imprensa: “eu tinha a minha fotografia afixada em posters por todo o Japão mas nunca deixei a minha ilha para lá ir.”

Familia de barco, Praia de Kuto, Ile des Pins, Nova Caledonia

Família regressa a terra na praia de Kuto.

A Ruptura Étnico-Política da Prise d’Outages e os Acordos de Matignon

Em 1988, Ouvéa foi palco de acontecimentos violentos, de grande significado político mas pouco condizentes com o fascínio nipónico.

Destes, destacou-se a fase de Prise d’outages, em que os independentistas nativos do FLNKS mataram quatro agentes da esquadra de polícia de uma povoação, e tomaram como reféns 27 outros, a metade deles, aprisionados numa gruta da ilha.

Forçaram, assim, a intervenção do exército da metrópole que acabou com 19 dos raptores e 3 militares mortos e gerou um ressentimento mútuo que continua por sanar.

As partes sentaram-se à mesa e assinaram os acordos de Matignon. Asseguraram a amnistia dos responsáveis pelos raptos e uma paz temporária que resultou no estatuto de autonomia especial e provisória em que vivem, ainda hoje, o território e os nativos kanak.

Nativo, habitante Kunie, Ile des Pins, Nova Caledonia

Habitante de etnia kunie da Île-des-Pins.

E, por Fim, a Fama Turística de Ouvéa e da Ilhas Lealdade

O conflito teria já acalmado quando, depois de ler o livro de Morimura e ver o filme de Ôbayashi, um empresário nipónico oportunista desembarcou na ilha determinado em construir um hotel luxuoso para atrair uma vasta clientela japonesa.

Passou-se uma década de negociação e burocracia. Em 2000, o Paradis d’Ouvéa abriu finalmente as portas, após um acordo entre o clã proprietário do terreno, as autoridades provinciais das Ilhas Lealdade e os investidores japoneses.

No entanto, passados mais de 10 anos, mesmo se a UNESCO declarou, em 2008, a lagoa azul de Ouvéa como Património Mundial, os seus principais visitantes são ainda os franceses da metrópole que vivem em Nouméa ou os familiares.

Igreja de Vao, Baie d'Oro, île des Pins, Nova Caledonia

Ciclistas param o seu passeio para repousar em frente à igreja de Vao.

Os japoneses chegam à ordem de 18.000 ao ano. Por norma, voam da capital do arquipélago para passar um ou dois dias na ilha. Popularizaram-se os casamentos ou re-casamentos românticos, sem validade oficial. Grande parte tem lugar em Nouméa.

Dos 300 a 400 ali realizados, alguns “unem” casais mais abastados e têm um complemento nupcial exaustivo nas Lealdade.

A Colagem ao “Paraíso” da Vizinha Île-des-Pins

O número final acaba por se provar residual, também por culpa da concorrência das ilhas mais renomeadas da Polinésia Francesa e, da rivalidade recente da vizinha Île-des-Pins que, a determinada altura do seu processo promocional, não resistiu à tentação e se passou a publicitar também como “A Ilha Mais Próxima do Paraíso”.

O número de passageiros nipónicos a bordo do voo em que chegamos comprova-o.  Depressa percebemos porque esta última se afirmou como uma competidora de Ouvéa, no mínimo, à altura.

Embarque piroga, Baie d'Oro, Ile des Pins, Nova Caledonia

Turistas sobem para uma volta numa das pirogas tradicionais da Île des Pins.

O mais que provável James Cook foi o primeiro ocidental a avistar a Île-des-Pins. Durante a sua segunda viagem à Nova Zelândia, apesar da dimensão exígua da ilha (apenas 14 km por 18), o navegador detectou fumo que atribuiu à presença humana.

Também constatou a estranha abundância de pinheiros araucaria columnaris que se destacavam do horizonte longínquo. Mesmo sendo um frequentador recorrente dos arquipélagos tropicais do Pacífico, Cook não ficou indiferente à beleza excêntrica da Île-des-Pins.

Tiki, etnia Kunie, Ile des Pins, Nova Caledonia

Pormenor da paliçada “tiki” uma expressão étnica do povo kunie, predominante na île-des-Pins

Como não ficamos nós, nem os veraneantes nipónicos que se deparam com o litoral verde-azul turquesa imaculado da Baie de Kuto ou com a peculiar Baie d’Oro que a maré invade e enche tal como um aquário natural, delimitado por uma sebe altiva de pinheiros-de-Cook, como foram entretanto chamados.

Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia

Banhistas deliciam-se com a àgua translúcida da Baie d’Oro

Vemo-los entrar e sair da água com o seu equipamento de snorkeling, em êxtase pelo contacto tão fácil e íntimo com o ecossistema subaquático da ilha. Ou a partilhar, em casal, o júbilo absoluto mas efémero concedido por aquele lugar surreal.

Os Santuários Casamenteiros de Ouvéa e da Île-des-Pins

À imagem de Ouvéa, os promotores turísticos de Île-des-Pins não demoraram a fomentar a celebração das bodas nas instalações dos seus hotéis e nas praias da ilha. Um site, em particular, destaca com orgulho uma recente emenda à lei francesa que deixa requerer que os estrangeiros residam em território francês pelo menos um mês.

“Basta agora que os visitantes sejam adultos, apresentem prova do estado civil ou de que não são já casados, bem como prova de residência.” E, como nada pode falhar numa cerimónia nupcial de conto de fadas, “é oferecido um tradutor certificado para que os votos sejam trocados na língua-mãe.”

O casamento nipónico online, tem ainda direito a um vídeo de apresentação especial que inclui imagens da cerimónia numa pequena capela de vidro quase sobre o areal e de uma sessão fotográfica com o casal à beira do mar idílico do Pacífico do Sul.

Katsura Morimura casou por duas vezes, mas nunca na Nova Caledónia. Após o segundo casamento, entrou em depressão crónica. Morreu, em 2004, num hospital de Nagano. As causas oficiais apontaram para suicídio.

Hoje, a maior parte dos japoneses de visita ao arquipélago não passa pelo cenário do seu romance. Em vez, delicia-se com a outra Ilha Mais Próxima do Paraíso.

Crepusculo, pinheiros, Île des Pins, Nova Caledonia

Silhueta peculiar formada por uma vasta colónia de Pinheiros-de-Cook numa extremidade da Île-des-Pins

Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.
Praslin, Seichelles

O Éden dos Enigmáticos Cocos-do-Mar

Durante séculos, os marinheiros árabes e europeus acreditaram que a maior semente do mundo, que encontravam nos litorais do Índico com forma de quadris voluptuosos de mulher, provinha de uma árvore mítica no fundo dos oceanos.  A ilha sensual que sempre os gerou deixou-nos extasiados.
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
Honiara e Gizo, Ilhas Salomão

O Templo Profanado das Ilhas Salomão

Um navegador espanhol baptizou-as, ansioso por riquezas como as do rei bíblico. Assoladas pela 2ª Guerra Mundial, por conflitos e catástrofes naturais, as Ilhas Salomão estão longe da prosperidade.
Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.
Grande Terre, Nova Caledónia

O Grande Calhau do Pacífico do Sul

James Cook baptizou assim a longínqua Nova Caledónia porque o fez lembrar a Escócia do seu pai, já os colonos franceses foram menos românticos. Prendados com uma das maiores reservas de níquel do mundo, chamaram Le Caillou à ilha-mãe do arquipélago. Nem a sua mineração obsta a que seja um dos mais deslumbrantes retalhos de Terra da Oceânia.
Guadalupe, Antilhas Francesas

Guadalupe: Um Caribe Delicioso, em Contra-Efeito Borboleta

Guadalupe tem a forma de uma mariposa. Basta uma volta por esta Antilha para perceber porque a população se rege pelo mote Pas Ni Problem e levanta o mínimo de ondas, apesar das muitas contrariedades.
Papeete, Polinésia Francesa

O Terceiro Sexo do Taiti

Herdeiros da cultura ancestral da Polinésia, os mahu preservam um papel incomum na sociedade. Perdidos algures entre os dois géneros, estes homens-mulher continuam a lutar pelo sentido das suas vidas.
Corn Islands-Ilhas do Milho, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands ou Ilhas do Milho, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.
Maupiti, Polinésia Francesa

Uma Sociedade à Margem

À sombra da fama quase planetária da vizinha Bora Bora, Maupiti é remota, pouco habitada e ainda menos desenvolvida. Os seus habitantes sentem-se abandonados mas quem a visita agradece o abandono.
Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Na ilha de Ouvéa, arquipélago das Lealdade, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.
Telhados cinza, Lijiang, Yunnan, China
UNESCO
Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Arquitectura & Design
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Salto para a frente, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu
Cerimónias e Festividades
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, Desembarque
Cidades
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Kigurumi Satoko, Templo Hachiman, Ogimashi, Japão
Cultura
Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Higurashi no Naku Koro ni” foi uma série de animação nipónica e jogo de computador com enorme sucesso. Em Ogimashi, aldeia de Shirakawa-Go, convivemos com um grupo de kigurumis das suas personagens.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Étnico
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Maori haka, Waitangi Treaty Grounds, Nova Zelândia
História
Bay of Islands, Nova Zelândia

O Âmago Civilizacional da Nova Zelândia

Waitangi é o lugar chave da Independência e da já longa coexistência dos nativos maori com os colonos britânicos. Na Bay of Islands em redor, celebra-se a beleza idílico-marinha dos antípodas neozelandeses mas também a complexa e fascinante nação kiwi.
Hinduismo Balinês, Lombok, Indonésia, templo Batu Bolong, vulcão Agung em fundo
Ilhas
Lombok, Indonésia

Lombok: Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Natureza
Glaciares

Planeta Azul-Gelado

Formam-se nas grandes latitudes e/ou altitudes. No Alasca ou na Nova Zelândia, na Argentina ou no Chile, os rios de gelo são sempre visões impressionantes de uma Terra tão frígida quanto inóspita.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Torres del Paine, Patagónia Dramática, Chile
Parques Naturais
PN Torres del Paine, Chile

A Mais Dramática das Patagónias

Em nenhuma outra parte os confins austrais da América do Sul se revelam tão arrebatadores como na cordilheira de Paine. Ali, um castro natural de colossos de granito envolto de lagos e glaciares projecta-se da pampa e submete-se aos caprichos da meteorologia e da luz.
Castelo de Shuri em Naha, Okinawa o Império do Sol, Japão
Património Mundial UNESCO
Okinawa, Japão

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Praias
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Chiang Khong a Luang prabang, Laos, Pelo Mekong Abaixo
Religião
Chiang Khong - Luang Prabang, Laos

Barco Lento, Rio Mekong Abaixo

A beleza do Laos e o custo mais baixo são boa razões para navegar entre Chiang Khong e Luang Prabang. Mas esta longa descida do rio Mekong pode ser tão desgastante quanto pitoresca.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Sociedade
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.