Wadjemup, Rottnest Island, Austrália

Entre Quokkas e outros Espíritos Aborígenes


Subida Custosa
A Grande Torre
O Farol num dia de Chuva
Henrietta Rocks
Lago Salgado
Ancoradouro das Lanchas
Enseada de Coral
Parker Point
A Escadaria de Parker Point
Banhista Estilista
Duo Banhista
Litoral Imaculado
Austrália de todos os sonhos
Duo Quokka
No século XVII, um capitão holandês apelidou esta ilha envolta de um oceano Índico turquesa, de “Rottnest, um ninho de ratos”. Os quokkas que o iludiram sempre foram, todavia, marsupiais, considerados sagrados pelos aborígenes Whadjuk Noongar da Austrália Ocidental. Como a ilha edénica em que os colonos britânicos os martirizaram.

Com o Verão austral no seu término e na mais solitária das cidades australianas, a mais de 2000km de outra grande urbe, os passageiros a bordo eram uns poucos, adeptos de uma paz silenciosa que favorecia a contemplação.

Pelo menos, a possível, nos 25 minutos do trajecto. Em menos que esse tempo, as linhas de Rottnest definem-se. Acentua-se o ciano que decora o mar mais próximo da ilha, para dentro da barreira de recife que a protege.

O ferry rasa a referência geológica da Philip Rock. Logo, atraca na costa leste, protegido pelo pontão que atenua a força das vagas, quase sempre orientadas de sul.

A área urbanizada da ilha fica ali mesmo, numa faixa oriental exígua, instalada entre a Baía de Thomson que nos tinha acolhido e os nove ou dez lagos que salpicam a secção oriental de Rottnest. Dessa franja arruada e repleta de negócios turísticos, estendia-se uma vastidão natural e intrigante.

Com quase um mês a vivermos a vida citadina de Perth, sentíamo-nos ansiosos por nos deixarmos perder.

Confirmamos que a ilha media meros 10km, de uma ponta à outra. Alugamos bicicletas.

Como acontece demasiada vezes a quem viaja, funcionais em plano e a descer, verdadeiros castigos, mal mecanizados, até nas mais suaves ladeiras.

Apostamos no sul. Pedalada após pedalada, a Parker Point Rd. aproxima-nos de uma tal de Baía Porpoise. Não avistamos os botos que o baptismo anglófono indicia serem visitantes habituais.

Só por si, a pequena enseada e praia de Paterson que antecede a baía, revela o esplendor balnear que, interesse histórico à parte, atrai forasteiros a Rottnest.

Um areal coralífero de uma alvura imaculada entra pelo mar translúcido.

Adensa o tom esmeralda de uns poucos metros. Logo, com a profundidade a aumentar, passa a turquesa ou a um azul-petróleo denso.

A estrada desce por uma península, até a um ponto de observação, já elevado sobre o areal, que lhe empresta o nome.

Uma escadaria de madeira, dá acesso a uma praia vizinha da de Paterson.

Lá em baixo, uns poucos ciclistas tinham-se já convertido em banhistas.

Aos 32º de latitude, mais de 1100 km abaixo da Coral Bay em que o Trópico de Capricórnio intersecta a costa ocidental da Austrália e na provável iminência do indefinido oceano Antárctico, só os tons do mar que banha a Rottnest Island são tropicais.

Entre o frio e o fresco, aquele litoral Índico irrepreensível falha em demover os verdadeiros amantes da Natureza.

Vemo-los desfrutarem de enseadas sem vagas e quase-privadas. A barreira de recife ao largo protege-os da Natureza e aconchega-os. Nada faz pelos aventureiros que se metem no oceano Índico aberto.

Há muito que a vida selvagem letal da Austrália contribui para o seu imaginário de exotismo deslumbrante. À cabeça das espécies perigosas encontram-se, claro está, os tubarões. A Rottnest Island não é excepção.

O que não tem impedido diversas agências de actividades de lá organizarem saídas de snorkeling e mergulho, nem milhares de clientes de nelas participarem.

A última das inevitáveis fatalidades deu-se, em Outubro de 2011. Um americano que fazia mergulho, sozinho, a 500 metros ao largo da costa norte, foi atacado por um tubarão que lhe provocou ferimentos fatais.

Na década que passou, registaram-se outros contactos trágicos ou quase trágicos, a espaços, com os grandes tubarões-brancos.

Em 2021, as autoridades viram-se forçadas a encerrar todas as praias da ilha. Uma carcaça de baleia que deu à costa, gerou um banquete de tubarões famintos.

Os meros avistamentos, esses, verificam-se todos meses. A ilha acolhe colónias de leões-marinhos australianos e de focas. Há muito que os tubarões a patrulham em busca de alimento.

Na mitologia dos aborígenes da costa australiana – os que chegavam a avistar o animal – os maiores tubarões eram tidos como espíritos da criação e da destruição, em simultâneo, símbolos de bravura e de destemor, de tribo para tribo, ora deificados ora demonizados, e até as duas coisas a par.

Os aborígenes do sudoeste da Austrália não desenvolveram o uso de canoas, como fez o povo maori da Nova Zelândia. Os nativos destas partes da grande ilha costumavam nadar nos rios e nos estuários, incluindo o do rio Swan.

Nunca se aventuraram mar adentro, nem sequer em busca das ilhas mais próximas do continente, aquelas a que chamavam Wadjemup (a de Rottnest) e a de Meeandip (a Garden Island a sul).

Ora, subsiste uma tradição oral aborígene das zonas hoje ocupadas pelo estuário do rio Swan e outras partes de Perth que o testemunha. Diz-se que um aborígene mais destemido se aventurou a nadar até Wadjemup.

Regressou são e salvo, intimidado por ter encontrado o lugar cercado por tubarões.

Daí para cá, nenhum outro aborígene se atreveu a imitar o feito.

Em tempos pré-históricos, povos indígenas Noongar chegaram a habitar Rottnest. Provam-no artefactos lá encontrados, datados de entre há 7000 e 30.000 a 50.000 anos.

Estima-se que, há cerca de 7000 anos, à medida que o aumento da temperatura e do nível do mar causavam a separação da ilha do continente, os indígenas viram-se forçados a abandoná-la.

Haveriam de voltar, num contexto que a sua elaborada mitologia nunca previu, a invasão e colonização da Austrália pelos povos europeus.

Prosseguimos na nossa Volta a Rottnest em bicicleta, entretanto, já ao longo da vasta baía de Salmon. A mesma Parker Point Rd. leva-nos às imediações de uma escola de surf local.

E à torre do farol de Rottnest.

Admiramo-la, destacada, à laia de foguetão, do topo do outeiro de Wadjemup, acima de arbustos e árvores diminutas, todos de tons de verde resplandecentes que contrastam com o céu carregado de humidade e de um azul etéreo condizente.

Acompanha o farol uma bateria de canhões e posto de observação, e um quartel erguido para abrigar mulheres do exército australiano, que tem acolhido sobretudo grupos encarregues de estudos científicos.

A ilha tem um outro farol. Formam o duo dos edifícios mais altos construídos pelos colonos chegados do Velho Mundo.

Desde o início do século XVII que diversas expedições holandesas, francesas e britânicas avistaram a ilha.

Seria o relato de um capitão holandês que, em 1696, haveria de inspirar o nome ocidental do lugar, Rottnest.

Por mais que uma vez, cruzamo-nos com animais que nunca tínhamos visto, nada fugidios, num ou outro caso, aparentemente sorridentes. O seu sorriso levou, aliás, a que os quokkas (setonyx brachyurus) sejam apelidados “o animal mais feliz à face da Terra”.

Isso não impede que a enfermaria da ilha receba, amiúde, visitas de forasteiros que abusaram nas suas abordagens,  feridos por mordidelas dos seus dentes aguçados.

Os quokkas são marsupiais.

Tal como os tubarões, integram a mitologia Dreamtime dos aborígenes que o descrevem como capaz de metamorfoses noutras criaturas, guardiães sagrados dos lagos e das fontes de água dos nativos, de tal maneira que estes usam as suas peles em cerimónias da chuva.

Toda esta sacralidade e adulação destoa do desdém com que os primeiros europeus encontraram e descreveram o animal. O primeiro relato registado, fê-lo Willem de Vlamingh, o tal capitão holandês.

Confrontado com a abundância dos quokkas, de Vlamingh apelidou a ilha de Eyland’t Rottenest, “ilha ninho dos Ratos.”

Como é conhecido, os britânicos suplantaram os holandeses na colonização da Austrália, muito graças à política de para lá desterrarem milhares dos condenados que enchiam as suas prisões.

Em 1831, na sequência da colónia britânica do rio Swan, pelo menos uma família numerosa recebeu terras em Rottnest.

Para lá se mudou, onde prosperou da criação de gado e da venda do sal que ainda abunda nos lagos do leste da ilha.

À época, os britânicos mantinham uma relação belicosa com os aborígenes que, procuravam, por todos os meios, expulsar e até dizimar, de forma a se apoderarem das suas terras.

Pois, apenas sete anos após a chegada dessa família britânica, até 1931, as autoridades da colónia do Swan usaram a ilha como prisão de aborígenes, lá escravizados para, entre outros, trabalhos de pedreira, agrícolas e recolha de sal.

Nesse período, foram tratados de forma cruel e desumana, e enterrados a condizer no actual Wadjemup Aboriginal Burial Ground, próximo da prisão em que eram mantidos.

Outra das ironias reside no facto de os edifícios do reformatório para rapazes indígenas, funcional entre 1881 e 1901, ser agora usado como um dos mais populares alojamentos de férias da ilha, ainda sagrada para os aborígenes, ainda tão fora do seu mundo, como popular entre os colonos australianos.

Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
Perth, Austrália

A Cidade Solitária

A mais 2000km de uma congénere digna desse nome, Perth é considerada a urbe mais remota à face da Terra. Apesar de isolados entre o Índico e o vasto Outback, são poucos os habitantes que se queixam.
Perth, Austrália

Dia da Austrália: em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.
Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Great Ocean Road, Austrália

Oceano Fora, pelo Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliffe Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
À Descoberta de Tassie, Parte 1 - Hobart, Austrália

A Porta dos Fundos da Austrália

Hobart, a capital da Tasmânia e a mais meridional da Austrália foi colonizada por milhares de degredados de Inglaterra. Sem surpresa, a sua população preserva uma forte admiração pelos modos de vida marginais.
À Descoberta de Tassie,  Parte 2 - Hobart a Port Arthur, Austrália

Uma Ilha Condenada ao Crime

O complexo prisional de Port Arthur sempre atemorizou os desterrados britânicos. 90 anos após o seu fecho, um crime hediondo ali cometido forçou a Tasmânia a regressar aos seus tempos mais lúgubres.
Sydney, Austrália

De Desterro de Criminosos a Cidade Exemplar

A primeira das colónias australianas foi erguida por reclusos desterrados. Hoje, os aussies de Sydney gabam-se de antigos condenados da sua árvore genealógica e orgulham-se da prosperidade cosmopolita da megalópole que habitam.
Atherton Tableland, Austrália

A Milhas do Natal (parte II)

A 25 Dezembro, exploramos o interior elevado, bucólico mas tropical do norte de Queensland. Ignoramos o paradeiro da maioria dos habitantes e estranhamos a absoluta ausência da quadra natalícia.
Melbourne, Austrália

Uma Austrália "Asienada"

Capital cultural aussie, Melbourne também é frequentemente eleita a cidade com melhor qualidade de vida do Mundo. Quase um milhão de emigrantes orientais aproveitaram este acolhimento imaculado.
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália

O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Austrália. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Michaelmas Cay, Austrália

A Milhas do Natal (parte I)

Na Austrália, vivemos o mais incaracterístico dos 24os de Dezembro. Zarpamos para o Mar de Coral e desembarcamos num ilhéu idílico que partilhamos com gaivinas-de-bico-laranja e outras aves.
À Descoberta de Tassie, Parte 4 -  Devonport a Strahan, Austrália

Pelo Oeste Selvagem da Tasmânia

Se a quase antípoda Tazzie já é um mundo australiano à parte, o que dizer então da sua inóspita região ocidental. Entre Devonport e Strahan, florestas densas, rios esquivos e um litoral rude batido por um oceano Índico quase Antárctico geram enigma e respeito.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Gravuras, Templo Karnak, Luxor, Egipto
Arquitectura & Design
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou o Templo de Karnak e a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Saida Ksar Ouled Soltane, festival dos ksour, tataouine, tunisia
Cerimónias e Festividades
Tataouine, Tunísia

Festival dos Ksour: Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. O Festival dos Ksour presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.
Oulu Finlândia, Passagem do Tempo
Cidades
Oulu, Finlândia

Oulu: uma Ode ao Inverno

Situada no cimo nordeste do Golfo de Bótnia, Oulu é uma das cidades mais antigas da Finlândia e a sua capital setentrional. A meros 220km do Círculo Polar Árctico, até nos meses mais frígidos concede uma vida ao ar livre prodigiosa.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Cabine Saphire, Purikura, Tóquio, Japão
Cultura
Tóquio, Japão

Fotografia Tipo-Passe à Japonesa

No fim da década de 80, duas multinacionais nipónicas já viam as fotocabines convencionais como peças de museu. Transformaram-nas em máquinas revolucionárias e o Japão rendeu-se ao fenómeno Purikura.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Alasca, de Homer em Busca de Whittier
Em Viagem
Homer a Whittier, Alasca

Em Busca da Furtiva Whittier

Deixamos Homer, à procura de Whittier, um refúgio erguido na 2ª Guerra Mundial e que abriga duzentas e poucas pessoas, quase todas num único edifício.
Retorno na mesma moeda
Étnico
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

Kirkjubour, Streymoy, Ilhas Faroé
História
Kirkjubour, Streymoy, Ilhas Faroé

Onde o Cristianismo Faroense deu à Costa

A um mero ano do primeiro milénio, um missionário viquingue de nome Sigmundur Brestisson levou a fé cristã às ilhas Faroé. Kirkjubour, tornou-se o porto de abrigo e sede episcopal da nova religião.
Sé Catedral, Funchal, Madeira
Ilhas
Funchal, Madeira

Portal para um Portugal Quase Tropical

A Madeira está situada a menos de 1000km a norte do Trópico de Câncer. E a exuberância luxuriante que lhe granjeou o cognome de ilha jardim do Atlântico desponta em cada recanto da sua íngreme capital.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Camiguin, Filipinas, manguezal de Katungan.
Natureza
Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Parques Naturais
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Património Mundial UNESCO
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Personagens
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
Praia Balandra, México, Baja Califórnia, vista aérea
Praias
Playas Balandra e El Tecolote, Baja California Sur, México

Tesouros Balneares do Mar de Cortés

Proclamada, amiúde, a praia mais bonita do México, encontramos na enseada recortada de playa Balandra um caso sério de exotismo paisagístico. Em duo com a vizinha playa Tecolote, revela-se uma das beira-mares realmente imperdíveis da vasta Baixa Califórnia.
Solovestsky Outonal
Religião
Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Mini-snorkeling
Sociedade
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Vida Selvagem
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.