À Descoberta de Tassie, Parte 1 - Hobart, Austrália

A Porta dos Fundos da Austrália


Fila muito pouco indiana
Família regressa a casa após um passeio diversificado pela zona ribeirinha de Hobart.
Arte encaixotada
Artista de rua aguarda a sua vez de actuar no mercado de Salamanca Square.
Mercado de Salamanca Square
É sábado de manhã e uma multidão examina as tendas do mercado mais famoso de Hobart, o de Salamanca.
Momento Kodak
Prédios clássicos contra outros mais modernos, em Elisabeth Street, uma rua pedestre de Hobart.
Bancada improvisada
Homem empoleirado segura uma criança.
Reflexo regulável
Vendedora de chapéus do mercado de Salamanca Square segura o espelho a uma compradora.
A Salvo do Mar da Tasmânia
Embarcações ancoradas numa doca de Hobart.
Escócia na Oceania
Pormenor dos kilts usados por um grupo de gaiteiros a actuar sábado de manhã, no mercado de Salamanca Square.
Mako Sea Food
Veleiros atracados junto a uma de várias marisqueiras do porto de Hobart.
Mascote virtual
Pintura ilusória numa fachada da rua Tony Haigh.
Design “Tassie”
Mulher passa em frente a uma banca de produtos "tassie" criativos.
Fôlego Infinito
Gaiteiro toca durante o mercado de Salamanca Square.
Trio Improviso
Adolescentes tocam numa rua, em pleno mercado de Salamanca Square por alguns dólares australianos.
Propriedade Horizontal
Vivendas ocupam toda uma encosta nas imediações de Hobart.
Estilo Salamanca “Tassie”
Angariador de um restaurante à entrada de um beco peculiar que sai de Salamanca Place.
El Diabolero
Artista de rua leva a cabo o seu número, cercado de visitantes do mercado de Salamanca Square.
Elegância Double Decker
Amigos contemplam um autocarro londrino de dois andares adaptado para os tours citadinos de Hobart.
Vegetais da Apple Island
Compradores abastecem-se no mercado de Salamanca Square.
Junto aos Kelly Steps
Transeuntes cruzam-se em frente aos prédios históricos que delimitam a Salamanca Square.
Hobart, a capital da Tasmânia e a mais meridional da Austrália foi colonizada por milhares de degredados de Inglaterra. Sem surpresa, a sua população preserva uma forte admiração pelos modos de vida marginais.

Sammy não tem ar de quem usufrua muito do ar livre e do sol mas celebra, de forma cautelosa, o já longo período de bonança na meteorologia da Tasmânia e de, Hobart, a capital.

“Tem estado fabuloso, mas não pensem que isto é sempre assim, afiança-nos a adolescente, debaixo dos óculinhos redondos, enquanto partilhamos um fish & chips oleoso. “A Antárctida é já ali em baixo e, mesmo de Dezembro a Fevereiro, temos períodos de chuva e vento que nos levam ao desespero”.

A esplanada em que convivemos ocupa parte de uma das docas do porto de Hobart e prenda-nos com a vista de centenas de veleiros e outras embarcações amaradas nos seus abrigos.

Docas de Hobart, Tasmânia, Austrália

Embarcações ancoradas numa doca de Hobart

Apesar da tranquilidade marítima vigente, a conversa sobre o tempo e a visão de tanto mastro, popa e proa trazem à baila a célebre regata Sydney-Hobart e Sammy acaba por nos falar das suas piores agruras.

Sydney-Hobart: uma Regata Mortal

A prova realiza-se, todos os anos, a 26 de Dezembro, no feriado anglófono de Boxing Day. Como o nome indica, a sua rota de quase 630 milhas náuticas (quase 1200 km) tem início em Sydney, prossegue para sul, ao longo do Mar da Tasmânia, continua pela costa da ilha e termina na sua capital. A competição é conhecida pela dureza e pela quantidade de desistências e acidentes.

Na edição de 1998, por exemplo, as embarcações participantes encontraram uma tempestade a roçar o estatuto de furacão. Os ventos passaram os 70 nós e geraram vagas imensas.

Ao mesmo tempo, apesar de estarmos a meio do Verão austral, nevava em partes do sul da grande ilha. Dos 115 veleiros que zarparam do continente australiano, apenas 44 conseguiram atravessar o Estreito de Bass e chegar a Hobart, cinco barcos afundaram e morreram seis tripulantes. Este foi só o pior dos casos.

Porto de Hobart, Tasmânia, Austrália

Veleiros atracados junto a uma de várias marisqueiras do porto de Hobart

Da Descoberta de Tasman ao Degredo

Também Abel Tasman, o primeiro europeu a avistar a Tasmânia, em 1642, se terá deparado com condições adversas. E com fúrias idênticas daqueles mares meridionais terão agravado o sofrimento dos milhares de condenados que, a partir de 1803, foram degredados, de início, para Risdon Cove –  a segunda colónia britânica na Austrália – mais tarde, para outras partes da Tasmânia.

Em poucos anos, Hobart substituiu Risdon Cove e destacou-se das demais povoações pioneiras. Tornou-se na segunda cidade mais antiga do país (a seguir a Sydney) e na capital de estado australiana situada mais a sul.

O seu casario surge comprimido entre as encostas íngremes do monte Wellington (1210 m) e o estuário amplo do rio Derwent em que se prolongam as estruturas marítimas do Battery Point – o coração histórico da cidade – e da Constitution Dock.

Salamanca Place: Um Mercado à Moda Antiga

Enquanto caminhamos por estas zonas ribeirinhas organizadas em função dos armazéns georgianos construídos para suportar o comércio que entretanto se desenvolveu, descobrimos a arquitectura herdada desses velhos tempos em que, até à anunciada extinção, os aborígenes se viram obrigados a ceder a terra que detinham.

Mercado de Salamanca Square, Hobart, Tasmânia, Austrália

É sábado de manhã e uma multidão examina as tendas do mercado mais famoso de Hobart, o de Salamanca Square

Também descobrimos um mercado fiel à atmosfera ali vivida nas primeiras décadas da era colonial. É sábado de manhã e animam-se mais uma vez as ruas e o jardim de Salamanca Place. Apesar de semanal, o evento leva Hobart ao rubro e atrai gente de toda a Tasmânia.

Centenas de bancas sucedem-se num espaço rectangular em que os compradores e visitantes se aconchegam e vão percorrendo vezes sem conta.

Umas exibem produtos naturais e caseiros como as frutas mais vistosas da ilha e os doces e compotas a que deram origem. Outras promovem artesanato, o típico e o criativo, pensado e executado nas casas dos artistas locais. Outras ainda sugerem peças de roupa e de decoração excêntricas ou propõem jogos de perícia eventualmente viciados.

Mercado Salamanca Square em Hobart, Tasmânia, Austrália

Compradores abastecem-se no mercado de Salamanca Square

O ambiente é místico, com resquícios de uma época oitocentista que a  distância das grandes cidades australianas continua a validar.

Impõem-se à multidão as paredes amareladas de arenito dos velhos armazéns, em tempos, no pólo da actividade baleeira e comercial de Hobart, hoje transformados em restaurantes e bares que concentram a vida nocturna da cidade.

Há mais história no nome do lugar e do mercado que homenageia a longínqua vitória do Duque de Wellington na Batalha de Salamanca, travada, em 1812, junto à cidade castelhana.

Uma Banda de Gaiteiros de saias. A Herança Escocesa de Hobart

Um grupo de gaiteiros vestidos a rigor, toca com determinação no jardim. Logo ao lado, dezenas de buskers disputam o tempo e atenção dos transeuntes. Enquanto uns actuam, outros aguardam pela vez e ensaiam ou metem-se com quem passa para disfarçar a ansiedade.

Gaiteiros no mercado de Salamanca Square, Hobart, Tasmânia, Austrália

Pormenor dos kilts usados por um grupo de gaiteiros a actuar sábado de manhã, no mercado de Salamanca Square

Surgem músicos e malabaristas, recitadores de poesia e contorcionistas. Os mais versáteis reúnem um pouco de cada arte e, quando as conciliam com humor, são vangloriados por plateias em êxtase.

Detemo-nos o tempo necessário de cada vez que um novo busker se anuncia e exibe à multidão. Com recurso a monociclos, diábolos, maças e até moto-serras, os talentosos artistas-pedintes vão divertindo os clientes da feira sem pressas. Em troca, estes, enchem-lhes os chapéus e as caixas de sapatos de dólares australianos.

A um deles – El Diabolero – sobra boa-disposição para brincar com quem se vai embora sem contribuir. “Vocês aí ao fundo que não têm trocos, não se preocupem. É só virem aqui ao terminal multibanco!”.

El Diabolero, Mercado de Salamanca Square, Hobart, Tasmânia, Austrália

Artista de rua leva a cabo o seu número, cercado de visitantes do mercado de Salamanca Square

Há uma generosidade espontânea entre a população de Hobart e da Tasmânia em geral. E uma admiração incondicional pelas formas alternativas de vida.

Os Condenados Britânicos que Condenaram os Aborígenes

Dos primeiros 262 europeus a habitar a colónia penal britânica, em 1863, 178 eram condenados. Para muitos, a aventura nos antípodas representou um prolongamento da violência, graças aos confrontos permanentes com a tribo aborígene semi-nómada Mouheneener.

Como noutras partes da Austrália, o poder de fogo dos colonos reforçado pela devastação biológica perpetrada pelas doenças que traziam do Velho Continente depressa desmobilizaram os indígenas.

Além de cederem os seus territórios, entre 1829 e 1834, estes, foram deslocados para uma reserva na ilha de Flinders onde deveriam ser convertidos ao Cristianismo e aos modos civilizados.

Quase toda a população indígena morreu de doença e de desespero e, no fim do século XIX, já não existia nenhum nativo de sangue completamente aborígene na Tasmânia.

Apesar de a sua cultura ter cedido quase por completo à europeia, os genes estão presentes em comunidades mistas geradas, desde 1798, quando alguns caçadores de focas formaram famílias com mulheres aborígenes e se estabeleceram em Flinders e noutras ilhas do grupo Furneaux.

Trezentos e sessenta e oito anos depois de o navegador holandês Abel Tasman ter descoberto a ilha para o Ocidente, vários milhares dos 500.000 habitantes da Tasmânia são descendentes destas comunidades.

Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.

Sydney, Austrália

De Desterro de Criminosos a Cidade Exemplar

A primeira das colónias australianas foi erguida por reclusos desterrados. Hoje, os aussies de Sydney gabam-se de antigos condenados da sua árvore genealógica e orgulham-se da prosperidade cosmopolita da megalópole que habitam. 

Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Great Ocean Road, Austrália

Oceano Fora, pelo Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
Perth, Austrália

A Cidade Solitária

A mais 2000km de uma congénere digna desse nome, Perth é considerada a urbe mais remota à face da Terra. Apesar de isolados entre o Índico e o vasto Outback, são poucos os habitantes que se queixam.
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
Perth, Austrália

Dia da Austrália: em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.
Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália

O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Austrália. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.
Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliffe Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Visitantes em caminhada, Fortaleza de Massada, Israel
Parques nacionais
Massada, Israel

Massada: a Derradeira Fortaleza Judaica

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Massada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
A pequena-grande Senglea
Arquitectura & Design

Senglea, Malta

A Cidade com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.

Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Saida Ksar Ouled Soltane, festival dos ksour, tataouine, tunisia
Cerimónias e Festividades
Tataouine, Tunísia

Festival dos Ksour: Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. O Festival dos Ksour presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.
Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico
Cidades
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Danças
Cultura
Okinawa, Japão

Danças de Ryukyu: têm séculos. Não têm grandes pressas.

O reino Ryukyu prosperou até ao século XIX como entreposto comercial da China e do Japão. Da estética cultural desenvolvida pela sua aristocracia cortesã contaram-se vários estilos de dança vagarosa.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Em Viagem
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Étnico
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Competição do Alaskan Lumberjack Show, Ketchikan, Alasca, EUA
História
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Teleférico Achadas da Cruz à Quebrada Nova, Ilha da Madeira, Portugal
Ilhas
Paul do Mar a Quebrada Nova, Madeira, Portugal

À Descoberta da Finisterra Madeirense

Curva atrás de curva, túnel atrás de túnel, chegamos ao sul solarengo e festivo de Paul do Mar. Arrepiamo-nos com a descida ao retiro vertiginoso da Quebrada Nova. Voltamos a ascender e deslumbramo-nos com o cabo derradeiro de Ponta do Pargo. Tudo isto, nos confins ocidentais da Madeira.
Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Cowboys basotho
Natureza

Malealea, Lesoto

O Reino Africano dos Céus

O Lesoto é o único estado independente situado na íntegra acima dos mil metros. Também é um dos países no fundo do ranking mundial de desenvolvimento humano. O seu povo altivo resiste à modernidade e a todas as adversidades no cimo da Terra grandioso mas inóspito que lhe calhou.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Iguana em Tulum, Quintana Roo, México
Parques Naturais
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
Anoitecer no Parque Itzamna, Izamal, México
Património Mundial UNESCO
Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
De visita
Personagens

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Vista da Casa Iguana, Corn islands, puro caribe, nicaragua
Praias
Corn Islands-Ilhas do Milho, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands ou Ilhas do Milho, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.
planicie sagrada, Bagan, Myanmar
Religião
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
No coração amarelo de San Cristóbal
Sociedade

San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.

Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Vida Selvagem
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.