À Descoberta de Tassie, Parte 4 -  Devonport a Strahan, Austrália

Pelo Oeste Selvagem da Tasmânia


Devil’s Gullet
A vista dramática sobre o vale profundo de Devil's Gullet.
Fim da viagem
Caiaquer chega a uma margem do lago Sinclair.
Berço alto da Tasmânia
O cume serrado da Cradle Mountain, nas terras altas da Tasmania.
Mar vs Dunas
Mar gélido e dunas na costa selvagem do Oeste da Tasmânia.
Main-Street
A Main-Street de Queenstown no sopé de uma encosta íngreme.
Rack-&-Pinion
Transeunte entra na estação Rack & Pinion de Queenstown.
Hunter’s Hotel,
A fachada victoriana do Hunters Hotel de Queenstown.
Visitante-da-Estação-de-Caminho-de-Ferro-Queenstown-Tasmania
Visitanta estação Rack & Pinion de Queenstown, contrasta com os adereços.
Areal mas pouco
Areal pedregoso de uma praia a norte de Strahan, na costa oeste da Tasmânia.
Recanto histórico
Decoração de um restaurante de Queenstown, Tasmânia, Austrália
O Hotel do Império
A fachada victoriana do Empire Hotel de Queenstown.
Do tempo do vapot
Locomotiva na Rack & Pinion Railway Station de Queenstown.
Se a quase antípoda Tazzie já é um mundo australiano à parte, o que dizer então da sua inóspita região ocidental. Entre Devonport e Strahan, florestas densas, rios esquivos e um litoral rude batido por um oceano Índico quase Antárctico geram enigma e respeito.

De uma vez por todas desiludidos com o perfil demasiado industrial da costa norte da Tasmânia, atalhamos caminho para sul.

Nuns poucos quilómetros, regressamos a domínios rurais remotos da ilha, feitos de retalhos de plantações intercaladas com bolsas de mata anciã.

Conduzimos por uma via estreita e sinuosa de terra batida, subsumida na vegetação e atravessada por cangurus, wallabies e wombats.

Aos poucos, sempre por estradas com nomes naturais – Mersey Forest Road; Lake Mackenzie Road e afins – ascendemos das planícies campestres do coração da ilha para as suas alturas.

Com passagem por um lugarejo de tal forma imaculado e bucólico que os moradores se atreveram a chamá-lo de “Paradise”.

Subimos mais e mais.

Essa derradeira estrada termina num alto sem saída.

Lá se insinuam um passadiço de madeira e sinais que alertam para risco de queda.

Estacionamos, inspecionamo-los. Seguimos-lhe a pista curiosos quanto a onde nos iriam levar.

Vista sobre Devil's Gullet, Tasmânia, Austrália

A vista dramática sobre o vale profundo de Devil’s Gullet.

Devil’s Gullet – uma Tasmânia Diabólica-Magnificente

Trezentos metros e uns tantos passos depois, o passadiço desvia e revela-nos um dos cenários mais grandiosos que encontrámos na Tasmânia.

Entre a visão e a vertigem, impunham-se para diante os enormes penhascos e os vales glaciares do Devils Gullet, com vértice profundo no leito do Fisher’s River.

Apenas e só quando nos aventuramos até ao limiar da plataforma, os Roaring Forties, ventos gélidos que circundam a Terra a esta latitude e ali sopram furiosos, quase nos fazem levantar voo. Dão razão de ser aos avisos de perigo e exigem-nos mãos bem firmes no parapeito do varandim.

Aos nossos pés, centenas de metros abaixo, com uma dimensão e imensidão quase bíblica, estendiam-se os domínios de geologia caprichosa dos Walls of Jerusalem, assim denominados alegadamente porque vários dos seus recortes rochosos faziam lembrar os muros da cidade de Deus.

Dali, só após retrocedermos uns bons quilómetros no mapa, chegaríamos a algum lado. Voltamos a cruzar a floresta enigmática de Mersey e, logo, o rio Forth. Por altura da Mount Roland Regional Reserve, flectimos para oeste.

O que buscávamos a ocidente deste território extremo era o Parque Nacional Cradle Mountain-Lake St Clair.

O parque delimita uma das áreas selvagens idolatradas da Tasmânia, decretado Património da Humanidade pela UNESCO sobretudo por constituir uma das últimas vastidões de floresta temperada à face da Terra, numa área de desfiladeiros e gargantas que resultaram de uma longa e severa glaciação.

Cradle Mountain - Lake Sinclair National Park, Tasmania, Austrália

O cume serrado da Cradle Mountain, nas terras altas da Tasmania.

PN Cradle Mountain-Lake St Clair: o Coração Geológico da Tasmânia

Está provado que o Homem já habitava esta região há pelo menos 20.000 anos.

Mesmo numa fase de óbvio aquecimento global, o Parque Nacional Cradle Mountain-Lake St Clair é das regiões da Tasmânia (e, claro está, de toda a Austrália) que mais neve recebe assim que o Inverno se apodera da ilha.

Também é palco do concorrido Overland Track.

Com 80.5 km de extensão, este itinerário pedestre que liga Cradle Valley a Cynthia Bay seduz milhares de aventureiros provenientes sobretudo dos estados australianos mais próximos de Victoria e Nova Gales do Sul mas cada vez mais dos quatro cantos do mundo.

Durante cinco ou seis dias, os caminhantes que o enfrentam serpenteiam entre as montanhas e lagos inóspitos da região.

Do lado de lá do estreito de Bass, na grande Austrália continental. o simples som dos seus nomes chega a provocar arrepios. “Cradle Mountain? Overland Track?” They’re freaking awesome, mate!” comentam, sem reticências, Ian e Kate, dois irmãos que conhecemos em Melbourne.

Para nossa frustração, não estamos com tempo para nos metermos em tais andanças.

Em vez, espreitamos os seus lugares emblemáticos, com destaque para a beira do lago St Clair com vista para a dentada Cradle Mountain.

No preciso momento em que a admiramos e fotografamos, empoleirados sobre um calhau de granito, um caiaquer que percorria o lago surge de um seu meandro.

Dá por encerrada a volta da tarde na praia de cascalho fino ali ao lado.

Caiaquer no lago Sinclair, Cradle Mountain - Lake Sinclair National Park, Tasmania, Austrália

Caiaquer chega a uma margem do lago Sinclair.

Também não nos demoramos. Deixamos para trás o lago. E, logo, o parque nacional.

Em Busca da Esquiva Strahan, nos Confins Orientais da Tasmânia

Rumamos ao litoral arenoso e ventoso do ocidente da Tasmânia.

Percorremo-lo de norte para sul por uma imensidão de floresta mística alternada ou fundida com areais desgarrados e dunas imponentes deles projectadas.

Litoral oeste, Strahan, Tasmania, Austrália

Mar gélido e dunas na costa selvagem do Oeste da Tasmânia.

Já na iminência do grande Estuário de Macquarie, a floresta rende-se a uma planura ensopada e, em boa parte, os areais surgem-nos cobertos de vegetação rasa.

Strahan, a vila costeira retirada que procurávamos, revela-se por fim, tímida, sob a protecção do pequeno porto de Macquarie. Descobrimo-la cercada de uma imensidão de mato e de pauis seus aliados.

Lá vemos ainda os pescadores entrarem e saírem da doca da vila.

Os que vivem a tempo inteiro na povoação e pescam a bordo de traineiras.

E os mais abastados que chegam com o estio de outras partes da Austrália e zarpam em lanchas milionárias para momentos de pescaria recreativa ou de contemplação das focas e dos leões-marinhos residentes.

Regressamos à Lyell Highway apontados ao interior. Quarenta quilómetros desta estrada A10 depois, a meio de uma inesperada e ziguezagueante descida, tudo muda do dia para a noite.

Em vez da imensidão ora bucólica ora luxuriante a que vínhamos habituados, confrontamo-nos com um panorama semilunar feito de montanhas e vales despidos de vegetação, mais que esculpidos pela erosão, escavados pelo homem.

Vemo-los numa palete rica de tons: ocre, magenta, esverdeados e outros com brilhos que oscilam consoante o sol incide.

Main-Street, Queenstown, Tasmania, Australia

A Main-Street de Queenstown no sopé de uma encosta íngreme.

A Cidade Desde Sempre Mineira de Queenstown

A via termina em Queenstown, uma povoação de aparência e atmosfera western que trocou uma era de mineração lucrativa mas erosiva pelo turismo.

Por volta de 1870, prospectores descobriram ouro aluvial nas imediações do monte Lyell. Em tal quantidade que, em 1881, o achado justificou a criação de uma tal de Mount Lyell Gold Mining Company. Como se não bastasse, decorridos onze anos, a empresa detectou prata.

Afluíram à zona gentes de todas as paragens australianas e não só. Esse influxo populacional deu origem a Queenstown, um povoado entretanto dotado de fundições, serrações, fornos de tijolo, entre várias outras infraestruturas.

Durante mais de um século, Queenstown manteve-se o centro operacional e logístico da Mount Lyell Mining and Railway Company.

Restaurante de Queenstown, Tasmânia, Austrália

Decoração de um restaurante de Queenstown, Tasmânia, Austrália

A ascendência e declínio da cidade – incluindo os da sua população – desenrolaram-se de acordo com o desempenho e a fortuna desta empresa.

Na viragem para o século XX, a cidade e o vale em redor permaneciam ainda densamente florestados.

O corte intenso de troncos necessários à mineração, à fundição e aos fornos, à construção de domicílios, hotéis, correios, igrejas, escolas, lojas e tantas outras empreitadas fulcrais para a vida das suas mais de dez mil almas conduziu a uma dramática desertificação.

Empire Hotel, Queenstown, Tasmania, Austrália

A fachada victoriana do Empire Hotel de Queenstown.

Enquanto descemos aos esses para o centro histórico, sob um céu azulão só possível no pino do Verão tasmaniano, surpreendemo-nos com os cenários algo alienígenas.

Por fim, os meandros do asfalto terminam. Completamos a ladeira final numa tal de Bowes St.

Entramos directos na Orr St., a rua central desafogada da cidade.

Do Passado Victoriano-Mineiro aos Dias de Hoje Sobretudo Turísticos

Até aos anos 90, a Orr Street preservou em funcionamento bancos, hotéis, escritórios e outros negócios lucrativos, erguidos no mesmo estilo arquitectónico victoriano que lá resiste em dois níveis bem distintos: o ao abrigo das arcadas de ambos os lados do betume. E o elevado das fachadas coloridas acima delas.

Passado um período de incerteza e angústia após a Mount Lyell Gold Mining Company ter soçobrado, os habitantes mais resilientes readaptaram-se.

A extracção da prata continua às mãos de um grupo indiano, já sem o significado financeiro da era próspera da cidade. Queenstown seguiu outro caminho.

O boom turístico da Tasmânia e o trunfo histórico, arquitectónico e da sua excentricidade facilitou-lhe a vida.

Visitantes como nós, com tempo para descobrir a grande Tazzie, incluem-na nos seus itinerários. Espreitam os correios seculares, o Hotel Empire e o teatro art deco Paragon.

Quando o calor e o cansaço apertam, refrescam-se nos pubs de atmosfera antiga e peculiar que servem a Orr Street, como as paralelas e perpendiculares.

Rack-&-Pinion-Steam-Railway. Queenstown, Tasmania, Austrália

Transeunte entra na estação Rack & Pinion de Queenstown.

Uma outra atracção que fazemos questão de espreitar é a velha estação ferroviária.

Foi conservada sob museu Rack & Pinion Steam Railway, parte do bem mais vasto West Coast Wilderness Railway que cruza a Tasmânia da Cradle Mountain até ao litoral de Strahan, via Queenstown.

E através de séculos de história, num percurso de 151 km, mesmo se a vapor, cumprido em pouco mais de duas horas.

A Vastidão Selvagem para Sul de Queenstown

O dia e as horas em que exploramos Queenstown não coincidem com a passagem do comboio.

De acordo, limitamo-nos a admirar a estação local e a paciência com que alguns dos seus visitantes mais idosos, eventualmente ainda do culminar da era do vapor, a estudam e fotografam ao mais ínfimo pormenor.

Visitante fotografa a estação Rack & Pinion de Queenstown, Tasmania, Austrália

Visitanta estação Rack & Pinion de Queenstown, contrasta com os adereços.

O mapa confirma-nos que por umas boas centenas de quilómetros a sul de Strahan e de Queenstown, a Tasmânia se revela de tal forma indómita que permanece desprovida de verdadeiras estradas.

O Franklin e o Gordon lá se destacam entre vários outros rios furtivos. Sulcam florestas quase impenetráveis e submetem-se a desfiladeiros profundos que tornam os seus caudais revoltos.

Se existisse um top para os povos intrépidos do mundo, os ozzies surgiriam, sempre em primeiro lugar.

Malgrado a rudeza da região, todos os anos, centenas deles cedem ao desafio e adoptam-na como uma espécie de parque de diversões em que se dedicam ao trekking e ao rafting ultrarradical dias a fio.

Apaixonados pelo dramatismo dos cenários, dependentes da adrenalina, voltam vezes sem conta.

Aventurarem como mais gostam nestes confins insulares da sua amada Austrália: sem regras ou limites.

À Descoberta de Tassie,  Parte 2 - Hobart a Port Arthur, Austrália

Uma Ilha Condenada ao Crime

O complexo prisional de Port Arthur sempre atemorizou os desterrados britânicos. 90 anos após o seu fecho, um crime hediondo ali cometido forçou a Tasmânia a regressar aos seus tempos mais lúgubres.
À Descoberta de Tassie, Parte 1 - Hobart, Austrália

A Porta dos Fundos da Austrália

Hobart, a capital da Tasmânia e a mais meridional da Austrália foi colonizada por milhares de degredados de Inglaterra. Sem surpresa, a sua população preserva uma forte admiração pelos modos de vida marginais.
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.
Sydney, Austrália

De Desterro de Criminosos a Cidade Exemplar

A primeira das colónias australianas foi erguida por reclusos desterrados. Hoje, os aussies de Sydney gabam-se de antigos condenados da sua árvore genealógica e orgulham-se da prosperidade cosmopolita da megalópole que habitam.
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Great Ocean Road, Austrália

Oceano Fora, pelo Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
Perth, Austrália

A Cidade Solitária

A mais 2000km de uma congénere digna desse nome, Perth é considerada a urbe mais remota à face da Terra. Apesar de isolados entre o Índico e o vasto Outback, são poucos os habitantes que se queixam.
Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
Perth, Austrália

Dia da Austrália: em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.
Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliffe Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Arquitectura & Design
Fortalezas

O Mundo à Defesa – Castelos e Fortalezas que Resistem

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
Cerimónias e Festividades
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Uma espécie de portal
Cidades
Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Florida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Noiva entra para carro, casamento tradicional, templo Meiji, Tóquio, Japão
Cultura
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Manatee Creek, Florida, Estados Unidos da América
Em Viagem
Florida Keys, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Forte de São Filipe, Cidade Velha, ilha de Santiago, Cabo Verde
Étnico
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Nacionalismo Colorido
História
Cartagena de Índias, Colômbia

A Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".
La Digue, Seychelles, Anse d'Argent
Ilhas
La Digue, Seicheles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Natureza
Glaciares

Planeta Azul-Gelado

Formam-se nas grandes latitudes e/ou altitudes. No Alasca ou na Nova Zelândia, na Argentina ou no Chile, os rios de gelo são sempre visões impressionantes de uma Terra tão frígida quanto inóspita.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Pitões das Júnias, Montalegre, Portugal
Parques Naturais
Montalegre, Portugal

Pelo Alto do Barroso, Cimo de Trás-os-Montes

Mudamo-nos das Terras de Bouro para as do Barroso. Com base em Montalegre, deambulamos à descoberta de Paredes do Rio, Tourém, Pitões das Júnias e o seu mosteiro, povoações deslumbrantes do cimo raiano de Portugal. Se é verdade que o Barroso já teve mais habitantes, visitantes não lhe deviam faltar.
Casario tradicional, Bergen, Noruega
Património Mundial UNESCO
Bergen, Noruega

O Grande Porto Hanseático da Noruega

Já povoada no início do século XI, Bergen chegou a capital, monopolizou o comércio do norte norueguês e, até 1830, manteve-se uma das maiores cidades da Escandinávia. Hoje, Oslo lidera a nação. Bergen continua a destacar-se pela sua exuberância arquitectónica, urbanística e histórica.
Verificação da correspondência
Personagens
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Praias
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Casario de Gangtok, Sikkim, Índia
Religião
Gangtok, Índia

Uma Vida a Meia-Encosta

Gangtok é a capital de Sikkim, um antigo reino da secção dos Himalaias da Rota da Seda tornado província indiana em 1975. A cidade surge equilibrada numa vertente, de frente para a Kanchenjunga, a terceira maior elevação do mundo que muitos nativos crêem abrigar um Vale paradisíaco da Imortalidade. A sua íngreme e esforçada existência budista visa, ali, ou noutra parte, o alcançarem.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Acolhedora Vegas
Sociedade
Las Vegas, E.U.A.

Capital Mundial dos Casamentos vs Cidade do Pecado

A ganância do jogo, a luxúria da prostituição e a ostentação generalizada fazem parte de Las Vegas. Como as capelas que não têm olhos nem ouvidos e promovem matrimónios excêntricos, rápidos e baratos.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Vida Selvagem
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
EN FR PT ES