À Descoberta de Tassie, Parte 4 -  Devonport a Strahan, Austrália

Pelo Oeste Selvagem da Tasmânia


Devil’s Gullet
A vista dramática sobre o vale profundo de Devil's Gullet.
Fim da viagem
Caiaquer chega a uma margem do lago Sinclair.
Berço alto da Tasmânia
O cume serrado da Cradle Mountain, nas terras altas da Tasmania.
Mar vs Dunas
Mar gélido e dunas na costa selvagem do Oeste da Tasmânia.
Main-Street
A Main-Street de Queenstown no sopé de uma encosta íngreme.
Rack-&-Pinion
Transeunte entra na estação Rack & Pinion de Queenstown.
Hunter’s Hotel,
A fachada victoriana do Hunters Hotel de Queenstown.
Visitante-da-Estação-de-Caminho-de-Ferro-Queenstown-Tasmania
Visitanta estação Rack & Pinion de Queenstown, contrasta com os adereços.
Areal mas pouco
Areal pedregoso de uma praia a norte de Strahan, na costa oeste da Tasmânia.
Recanto histórico
Decoração de um restaurante de Queenstown, Tasmânia, Austrália
O Hotel do Império
A fachada victoriana do Empire Hotel de Queenstown.
Do tempo do vapot
Locomotiva na Rack & Pinion Railway Station de Queenstown.
Se a quase antípoda Tazzie já é um mundo australiano à parte, o que dizer então da sua inóspita região ocidental. Entre Devonport e Strahan, florestas densas, rios esquivos e um litoral rude batido por um oceano Índico quase Antárctico geram enigma e respeito.

De uma vez por todas desiludidos com o perfil demasiado industrial da costa norte da Tasmânia, atalhamos caminho para sul.

Nuns poucos quilómetros, regressamos a domínios rurais remotos da ilha, feitos de retalhos de plantações intercaladas com bolsas de mata anciã.

Conduzimos por uma via estreita e sinuosa de terra batida, subsumida na vegetação e atravessada por cangurus, wallabies e wombats.

Aos poucos, sempre por estradas com nomes naturais – Mersey Forest Road; Lake Mackenzie Road e afins – ascendemos das planícies campestres do coração da ilha para as suas alturas.

Com passagem por um lugarejo de tal forma imaculado e bucólico que os moradores se atreveram a chamá-lo de “Paradise”.

Subimos mais e mais.

Essa derradeira estrada termina num alto sem saída.

Lá se insinuam um passadiço de madeira e sinais que alertam para risco de queda.

Estacionamos, inspecionamo-los. Seguimos-lhe a pista curiosos quanto a onde nos iriam levar.

Vista sobre Devil's Gullet, Tasmânia, Austrália

A vista dramática sobre o vale profundo de Devil’s Gullet.

Devil’s Gullet – uma Tasmânia Diabólica-Magnificente

Trezentos metros e uns tantos passos depois, o passadiço desvia e revela-nos um dos cenários mais grandiosos que encontrámos na Tasmânia.

Entre a visão e a vertigem, impunham-se para diante os enormes penhascos e os vales glaciares do Devils Gullet, com vértice profundo no leito do Fisher’s River.

Apenas e só quando nos aventuramos até ao limiar da plataforma, os Roaring Forties, ventos gélidos que circundam a Terra a esta latitude e ali sopram furiosos, quase nos fazem levantar voo. Dão razão de ser aos avisos de perigo e exigem-nos mãos bem firmes no parapeito do varandim.

Aos nossos pés, centenas de metros abaixo, com uma dimensão e imensidão quase bíblica, estendiam-se os domínios de geologia caprichosa dos Walls of Jerusalem, assim denominados alegadamente porque vários dos seus recortes rochosos faziam lembrar os muros da cidade de Deus.

Dali, só após retrocedermos uns bons quilómetros no mapa, chegaríamos a algum lado. Voltamos a cruzar a floresta enigmática de Mersey e, logo, o rio Forth. Por altura da Mount Roland Regional Reserve, flectimos para oeste.

O que buscávamos a ocidente deste território extremo era o Parque Nacional Cradle Mountain-Lake St Clair.

O parque delimita uma das áreas selvagens idolatradas da Tasmânia, decretado Património da Humanidade pela UNESCO sobretudo por constituir uma das últimas vastidões de floresta temperada à face da Terra, numa área de desfiladeiros e gargantas que resultaram de uma longa e severa glaciação.

Cradle Mountain - Lake Sinclair National Park, Tasmania, Austrália

O cume serrado da Cradle Mountain, nas terras altas da Tasmania.

PN Cradle Mountain-Lake St Clair: o Coração Geológico da Tasmânia

Está provado que o Homem já habitava esta região há pelo menos 20.000 anos.

Mesmo numa fase de óbvio aquecimento global, o Parque Nacional Cradle Mountain-Lake St Clair é das regiões da Tasmânia (e, claro está, de toda a Austrália) que mais neve recebe assim que o Inverno se apodera da ilha.

Também é palco do concorrido Overland Track.

Com 80.5 km de extensão, este itinerário pedestre que liga Cradle Valley a Cynthia Bay seduz milhares de aventureiros provenientes sobretudo dos estados australianos mais próximos de Victoria e Nova Gales do Sul mas cada vez mais dos quatro cantos do mundo.

Durante cinco ou seis dias, os caminhantes que o enfrentam serpenteiam entre as montanhas e lagos inóspitos da região.

Do lado de lá do estreito de Bass, na grande Austrália continental. o simples som dos seus nomes chega a provocar arrepios. “Cradle Mountain? Overland Track?” They’re freaking awesome, mate!” comentam, sem reticências, Ian e Kate, dois irmãos que conhecemos em Melbourne.

Para nossa frustração, não estamos com tempo para nos metermos em tais andanças.

Em vez, espreitamos os seus lugares emblemáticos, com destaque para a beira do lago St Clair com vista para a dentada Cradle Mountain.

No preciso momento em que a admiramos e fotografamos, empoleirados sobre um calhau de granito, um caiaquer que percorria o lago surge de um seu meandro.

Dá por encerrada a volta da tarde na praia de cascalho fino ali ao lado.

Caiaquer no lago Sinclair, Cradle Mountain - Lake Sinclair National Park, Tasmania, Austrália

Caiaquer chega a uma margem do lago Sinclair.

Também não nos demoramos. Deixamos para trás o lago. E, logo, o parque nacional.

Em Busca da Esquiva Strahan, nos Confins Orientais da Tasmânia

Rumamos ao litoral arenoso e ventoso do ocidente da Tasmânia.

Percorremo-lo de norte para sul por uma imensidão de floresta mística alternada ou fundida com areais desgarrados e dunas imponentes deles projectadas.

Litoral oeste, Strahan, Tasmania, Austrália

Mar gélido e dunas na costa selvagem do Oeste da Tasmânia.

Já na iminência do grande Estuário de Macquarie, a floresta rende-se a uma planura ensopada e, em boa parte, os areais surgem-nos cobertos de vegetação rasa.

Strahan, a vila costeira retirada que procurávamos, revela-se por fim, tímida, sob a protecção do pequeno porto de Macquarie. Descobrimo-la cercada de uma imensidão de mato e de pauis seus aliados.

Lá vemos ainda os pescadores entrarem e saírem da doca da vila.

Os que vivem a tempo inteiro na povoação e pescam a bordo de traineiras.

E os mais abastados que chegam com o estio de outras partes da Austrália e zarpam em lanchas milionárias para momentos de pescaria recreativa ou de contemplação das focas e dos leões-marinhos residentes.

Regressamos à Lyell Highway apontados ao interior. Quarenta quilómetros desta estrada A10 depois, a meio de uma inesperada e ziguezagueante descida, tudo muda do dia para a noite.

Em vez da imensidão ora bucólica ora luxuriante a que vínhamos habituados, confrontamo-nos com um panorama semilunar feito de montanhas e vales despidos de vegetação, mais que esculpidos pela erosão, escavados pelo homem.

Vemo-los numa palete rica de tons: ocre, magenta, esverdeados e outros com brilhos que oscilam consoante o sol incide.

Main-Street, Queenstown, Tasmania, Australia

A Main-Street de Queenstown no sopé de uma encosta íngreme.

A Cidade Desde Sempre Mineira de Queenstown

A via termina em Queenstown, uma povoação de aparência e atmosfera western que trocou uma era de mineração lucrativa mas erosiva pelo turismo.

Por volta de 1870, prospectores descobriram ouro aluvial nas imediações do monte Lyell. Em tal quantidade que, em 1881, o achado justificou a criação de uma tal de Mount Lyell Gold Mining Company. Como se não bastasse, decorridos onze anos, a empresa detectou prata.

Afluíram à zona gentes de todas as paragens australianas e não só. Esse influxo populacional deu origem a Queenstown, um povoado entretanto dotado de fundições, serrações, fornos de tijolo, entre várias outras infraestruturas.

Durante mais de um século, Queenstown manteve-se o centro operacional e logístico da Mount Lyell Mining and Railway Company.

Restaurante de Queenstown, Tasmânia, Austrália

Decoração de um restaurante de Queenstown, Tasmânia, Austrália

A ascendência e declínio da cidade – incluindo os da sua população – desenrolaram-se de acordo com o desempenho e a fortuna desta empresa.

Na viragem para o século XX, a cidade e o vale em redor permaneciam ainda densamente florestados.

O corte intenso de troncos necessários à mineração, à fundição e aos fornos, à construção de domicílios, hotéis, correios, igrejas, escolas, lojas e tantas outras empreitadas fulcrais para a vida das suas mais de dez mil almas conduziu a uma dramática desertificação.

Empire Hotel, Queenstown, Tasmania, Austrália

A fachada victoriana do Empire Hotel de Queenstown.

Enquanto descemos aos esses para o centro histórico, sob um céu azulão só possível no pino do Verão tasmaniano, surpreendemo-nos com os cenários algo alienígenas.

Por fim, os meandros do asfalto terminam. Completamos a ladeira final numa tal de Bowes St.

Entramos directos na Orr St., a rua central desafogada da cidade.

Do Passado Victoriano-Mineiro aos Dias de Hoje Sobretudo Turísticos

Até aos anos 90, a Orr Street preservou em funcionamento bancos, hotéis, escritórios e outros negócios lucrativos, erguidos no mesmo estilo arquitectónico victoriano que lá resiste em dois níveis bem distintos: o ao abrigo das arcadas de ambos os lados do betume. E o elevado das fachadas coloridas acima delas.

Passado um período de incerteza e angústia após a Mount Lyell Gold Mining Company ter soçobrado, os habitantes mais resilientes readaptaram-se.

A extracção da prata continua às mãos de um grupo indiano, já sem o significado financeiro da era próspera da cidade. Queenstown seguiu outro caminho.

O boom turístico da Tasmânia e o trunfo histórico, arquitectónico e da sua excentricidade facilitou-lhe a vida.

Visitantes como nós, com tempo para descobrir a grande Tazzie, incluem-na nos seus itinerários. Espreitam os correios seculares, o Hotel Empire e o teatro art deco Paragon.

Quando o calor e o cansaço apertam, refrescam-se nos pubs de atmosfera antiga e peculiar que servem a Orr Street, como as paralelas e perpendiculares.

Rack-&-Pinion-Steam-Railway. Queenstown, Tasmania, Austrália

Transeunte entra na estação Rack & Pinion de Queenstown.

Uma outra atracção que fazemos questão de espreitar é a velha estação ferroviária.

Foi conservada sob museu Rack & Pinion Steam Railway, parte do bem mais vasto West Coast Wilderness Railway que cruza a Tasmânia da Cradle Mountain até ao litoral de Strahan, via Queenstown.

E através de séculos de história, num percurso de 151 km, mesmo se a vapor, cumprido em pouco mais de duas horas.

A Vastidão Selvagem para Sul de Queenstown

O dia e as horas em que exploramos Queenstown não coincidem com a passagem do comboio.

De acordo, limitamo-nos a admirar a estação local e a paciência com que alguns dos seus visitantes mais idosos, eventualmente ainda do culminar da era do vapor, a estudam e fotografam ao mais ínfimo pormenor.

Visitante fotografa a estação Rack & Pinion de Queenstown, Tasmania, Austrália

Visitanta estação Rack & Pinion de Queenstown, contrasta com os adereços.

O mapa confirma-nos que por umas boas centenas de quilómetros a sul de Strahan e de Queenstown, a Tasmânia se revela de tal forma indómita que permanece desprovida de verdadeiras estradas.

O Franklin e o Gordon lá se destacam entre vários outros rios furtivos. Sulcam florestas quase impenetráveis e submetem-se a desfiladeiros profundos que tornam os seus caudais revoltos.

Se existisse um top para os povos intrépidos do mundo, os ozzies surgiriam, sempre em primeiro lugar.

Malgrado a rudeza da região, todos os anos, centenas deles cedem ao desafio e adoptam-na como uma espécie de parque de diversões em que se dedicam ao trekking e ao rafting ultrarradical dias a fio.

Apaixonados pelo dramatismo dos cenários, dependentes da adrenalina, voltam vezes sem conta.

Aventurarem como mais gostam nestes confins insulares da sua amada Austrália: sem regras ou limites.

À Descoberta de Tassie,  Parte 2 - Hobart a Port Arthur, Austrália

Uma Ilha Condenada ao Crime

O complexo prisional de Port Arthur sempre atemorizou os desterrados britânicos. 90 anos após o seu fecho, um crime hediondo ali cometido forçou a Tasmânia a regressar aos seus tempos mais lúgubres.
À Descoberta de Tassie, Parte 1 - Hobart, Austrália

A Porta dos Fundos da Austrália

Hobart, a capital da Tasmânia e a mais meridional da Austrália foi colonizada por milhares de degredados de Inglaterra. Sem surpresa, a sua população preserva uma forte admiração pelos modos de vida marginais.
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.
Sydney, Austrália

De Desterro de Criminosos a Cidade Exemplar

A primeira das colónias australianas foi erguida por reclusos desterrados. Hoje, os aussies de Sydney gabam-se de antigos condenados da sua árvore genealógica e orgulham-se da prosperidade cosmopolita da megalópole que habitam.
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Great Ocean Road, Austrália

Oceano Fora, pelo Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
Perth, Austrália

A Cidade Solitária

A mais 2000km de uma congénere digna desse nome, Perth é considerada a urbe mais remota à face da Terra. Apesar de isolados entre o Índico e o vasto Outback, são poucos os habitantes que se queixam.
Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
Perth, Austrália

Dia da Austrália: em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.
Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliffe Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Kente Festival Agotime, Gana, ouro
Cerimónias e Festividades
Kumasi a Kpetoe, Gana

Uma Viagem-Celebração da Moda Tradicional Ganesa

Após algum tempo na grande capital ganesa ashanti cruzamos o país até junto à fronteira com o Togo. Os motivos para esta longa travessia foram os do kente, um tecido de tal maneira reverenciado no Gana que diversos chefes tribais lhe dedicam todos os anos um faustoso festival.
Ponta Delgada, São Miguel, Açores, Portas da Cidade
Cidades
Ponta Delgada, São Miguel, Açores

A Grande Urbe Açoriana

Durante os séculos XIX e XX, Ponta Delgada tornou-se a cidade mais populosa e a capital económico-administrativa dos Açores. Lá encontramos a história e o modernismo do arquipélago de mãos-dadas.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Intersecção
Cultura
Hungduan, Filipinas

Filipinas em Estilo Country

Os GI's partiram com o fim da 2ª Guerra Mundial mas a música do interior dos EUA que ouviam ainda anima a Cordillera de Luzon. É de tricycle e ao seu ritmo que visitamos os terraços de arroz de Hungduan.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Em Viagem
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Passagem, Tanna, Vanuatu ao Ocidente, Meet the Natives
Étnico
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Dia escuro
História

Lago Cocibolca, Nicarágua

Mar, Doce Mar

Os indígenas nicaraos tratavam o maior lago da América Central por Cocibolca. Na ilha vulcânica de Ometepe, percebemos porque o termo que os espanhóis converteram para Mar Dulce fazia todo o sentido.

El Nido, Palawan a Ultima Fronteira Filipina
Ilhas
El Nido, Filipinas

El Nido, Palawan: A Última Fronteira Filipina

Um dos cenários marítimos mais fascinantes do Mundo, a vastidão de ilhéus escarpados de Bacuit esconde recifes de coral garridos, pequenas praias e lagoas idílicas. Para a descobrir, basta uma bangka.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Mahé Ilhas das Seychelles, amigos da praia
Natureza
Mahé, Seychelles

A Ilha Grande das Pequenas Seychelles

Mahé é maior das ilhas do país mais diminuto de África. Alberga a capital da nação e quase todos os seichelenses. Mas não só. Na sua relativa pequenez, oculta um mundo tropical deslumbrante, feito de selva montanhosa que se funde com o Índico em enseadas de todos os tons de mar.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Avestruz, Cabo Boa Esperança, África do Sul
Parques Naturais
Cabo da Boa Esperança - Cape of Good Hope NP, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.
A República Dominicana Balnear de Barahona, Balneário Los Patos
Património Mundial UNESCO
Barahona, República Dominicana

A República Dominicana Balnear de Barahona

Sábado após Sábado, o recanto sudoeste da República Dominicana entra em modo de descompressão. Aos poucos, as suas praias e lagoas sedutoras acolhem uma maré de gente eufórica que se entrega a um peculiar rumbear anfíbio.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Barcos fundo de vidro, Kabira Bay, Ishigaki
Praias
Ishigaki, Japão

Inusitados Trópicos Nipónicos

Ishigaki é uma das últimas ilhas da alpondra que se estende entre Honshu e Taiwan. Ishigakijima abriga algumas das mais incríveis praias e paisagens litorais destas partes do oceano Pacífico. Os cada vez mais japoneses que as visitam desfrutam-nas de uma forma pouco ou nada balnear.
ocupação Tibete pela China, Tecto do Mundo, As forças ocupantes
Religião
Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre Carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Cabine lotada
Sociedade
Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. O imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
PN Tortuguero, Costa Rica, barco público
Vida Selvagem
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
PT EN ES FR DE IT