Nova Zelândia


Wanaka, Nova Zelândia
Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas
Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Península de Banks, Nova Zelândia

Divinal Estilhaço de Terra

Vista do ar, a mais óbvia protuberância da costa leste da Ilha do Sul parece ter implodido vezes sem conta. Vulcânica mas verdejante e bucólica, a Península de Banks confina na sua geomorfologia de quase roda-dentada a essência da sempre invejável vida neozelandesa.

Napier, Nova Zelândia
De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour
Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Nova Zelândia

Quando Contar Ovelhas Tira o Sono

Há 20 anos, a Nova Zelândia tinha 18 ovinos por cada habitante. Por questões políticas e económicas, a média baixou para metade. Nos antípodas, muitos criadores estão preocupados com o seu futuro.

Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.

Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos thirties. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.

Meandros do Matukituki
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.
Tempo de surf

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Pura Nova Zelândia

Península de Banks, Nova Zelândia

Divinal Estilhaço de Terra

Vista do ar, a mais óbvia protuberância da costa leste da Ilha do Sul parece ter implodido vezes sem conta. Vulcânica mas verdejante e bucólica, a Península de Banks confina na sua geomorfologia de quase roda-dentada a essência da sempre invejável vida neozelandesa.

Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Palestra

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

Lagoas fumarentas

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Mapa


Como ir


VISTOS E OUTROS PROCEDIMENTOS

Cidadãos portugueses e brasileiros estão isentos de visto para entrarem e permanecerem na Nova Zelândia até 90 dias. 

CUIDADOS DE SAÚDE

As autoridades da Nova Zelândia não requerem qualquer certificado de vacinas. Não existem riscos de transmissão de doenças dignos de sobressalto.  

Para mais informações sobre saúde em viagem, consulte o Portal da Saúde do Ministério da Saúde e Clínica de Medicina Tropical e do Viajante. Em FitForTravel encontra conselhos de saúde e prevenção de doenças específicas de cada país (em língua inglesa).

VIAGEM PARA A NOVA ZELÂNDIA

A Star Alliance voa de Lisboa para Auckland com a Lufthansa (tel.: 707 782 782) via Frankfurt e Singapura, a partir de €800. 

A não perder


Ilha do Norte:

  • ​Bay of Islands
  • Parque Nacional Whanganui
  • Parque Nacional Tongariro  
  • Grutas de Waitomo 
  • Cultura Maori em Rotorua
  • East cape 
  • Arquitectura Art Deco e “anos 30” em Napier
  • Auckland
  • ​Reserva Marinha Goat Island
  • ​Wellington

Ilha do Sul:

  • Parque Nacional Abel Tasman e Golden Bay
  • Monte Cook/Aoraki
  • Percurso de Te Anau ao Milford Sound
  • ​Península de Banks
  • Milford Sound e Doubtful Sound
  • Queenstown e Arrowtown
  • ​Avistamento de baleias em Kaikoura
  • Península de Otago
  • The Catlins
  • Glaciares e Franz Josef & Fox 
  • ​Ilha de Stewart

 

Explorar


VOOS INTERNOS

A companhia nacional Air New Zealand voa para quase todos os cantos do país, excepção feita ao inóspito extremo sul da região de Fiordland. 

Voos Panorâmicos 

São muito comuns em várias partes da Nova Zelândia. Se tiver o desafogo financeiro necessário, não perca a oportunidade de aterrar num campo de gelo junto ao cume do Monte Cook, ou de sobrevoar os Alpes do Sul e o Milford Sound a partir de Queenstown ou Te Anau, na Ilha do Sul. Por norma, são realizados em avionetas e custam de 100€ a 800€ por pessoa. O preço depende do itinerário e da duração do voo.

ALUGUER DE VIATURA

Enquanto país ecológico, a Nova Zelândia sacrificou o mínimo possível dos seus cenários ao asfalto mais amplo das auto-estradas. Tem uma rede de estradas simples aceitável e bem mantida. Para quem chega com tempo, a melhor forma de explorar a nação kiwi é alugar um carro ou uma campervan, de preferência 4WD, que lhe proporcionam uma condução mais segura e permitem explorar estradas secundárias de terra batida. Os condutores neozelandeses respeitam as regras e os limites de velocidade de forma às vezes exasperante para quem chega de paragens mais relaxadas com regras e regulamentos.

O preço mais baixo que vai encontrar para aluguer de carro ronda os 15€ por dia, por norma, por um carro japonês a gasolina usado mas em bom estado, já com seguro incluído, em época baixa e por períodos de mais de 15 dias. A companhia mais famosa por praticar este tipo de preços é a A2B Rentals.  Várias outras têm preços apenas ligeiramente mais caros. 

O aluguer de caravanas equipadas para dormir e cozinhar a bordo começam nos 30€, por dia, com seguro incluído. Aproximadamente o dobro se forem 4WD. Um jipe custa a partir de 45€ ao dia. Deve somar a estas despesas a gasolina que custa em redor de 1,40€ por litro.

OUTROS

Em alternativa ao aluguer de veículos, inscreva-se nos inúmeros tours das agências e operadores kiwis mas lembre-se que em termos de descoberta do país, fica a perder. Só vai poder parar onde está programado. 

Quando ir


Como país antípoda de Portugal, a Nova Zelândia tem quatro estações invertidas no ano, em relação às europeias.

Salvo se estiver interessado em praticar desportos de Inverno as melhores alturas para visitar o país são o Verão e a Primavera da Nova Zelândia – de fins de Novembro a Março – quando chove menos por todo o país e, em particular na costa leste e na zona imperdível dos fiords. Em Abril, as temperaturas começam a descer até graus negativos e caem os primeiros nevões nas montanhas.

Queenstown e Wanaka – os principais destinos da Nova Zelândia para a prática de desportos de neve – estão em plena actividade de Junho a fim de Setembro.

Dinheiro e Custos


A moeda local é o dólar neozelandês (NZD). Levantamentos internacionais são possíveis, por toda a parte, nas principais localidades e também em postos de abastecimento nas estradas. Pagamentos, com cartões de crédito são quase sempre aceites. A Nova Zelândia tem, agora, um custo de vida superior ao português. Teve bastante influência nesta nova realidade a recente apreciação do dólar neozelandês face ao euro.

ALOJAMENTO

As estadias vão dos 20€ por pessoa, por noite, num hostel às várias centenas de euros, por noite, nos hotéis mais requintados do país.

A Nova Zelândia é servida por uma vasta rede de International Hostels e por incontáveis pousadas e hostels particulares com preços muito acessíveis.

ALIMENTAÇÃO

Uma água de meio litro custa cerca de 1,50€. Uma refeição completa pode custar entre os 8€ num restaurante barato e os 200€ num restaurante mais sofisticado. 

INTERNET

Quase todos os Youth Hostels e guest houses asseguram acesso à internet mas nem sempre está incluído no preço da dormida. Banalizou-se a compra de cartões com crédito de internet em períodos de tempo distinto que podem ser usado durante as estadias. Quanto mais tempo se compra, mais barata é a internet. Os hotéis mais caros, esses, costumam ter acesso gratuito. Alguns cafés mantêm o sinal aberto ou fornecem passwords aos clientes.