Bolshoi Zayatsky, Rússia

Misteriosas Babilónias Russas


De saída
No caminho da Ortodoxia
Bi-Espiral
Ilha Pedregosa
Ortodoxia a Bordo
Cenário Outonal
Lenha & outros
Ortodoxia Outonal
Conversa a bordo
Ancoradouro conveniente
Para lá do Litoral pedregoso
Retorno ao convés
Ortodoxia Insular
Momento fotográfico
Um conjunto de labirintos pré-históricos espirais feitos de pedras decoram a ilha Bolshoi Zayatsky, parte do arquipélago Solovetsky. Desprovidos de explicações sobre quando foram erguidos ou do seu significado, os habitantes destes confins setentrionais da Europa, tratam-nos por vavilons.

Despertamos na ressaca de uma noite de convívio na casa partilhada por Andrey Ignatiev e Alexey Sidnev, originários de Arkhangelsk, moradores temporários de Solovetsky, um arquipélago disperso pela Baía de Onega do Mar Branco, o mesmo mar que acolhia Bolshoi Zayatsky.

Andrey e Alexey são ambos engenheiros geólogos. Preparavam uma rede de canalização de que a ilha há muito carecia. O duo só falava russo. Fluente em inglês, Alexey Kravchenko, o cicerone de São Petersburgo que nos acompanhava e guiava, apoiava-nos como tradutor e elo relacional.

Teve a ajuda do incontornável vodka, claro está. Nem conscientes de que tínhamos que acordar às 7h30, nos ocorreu rejeitar a oferta genuína e generosa de bebida dos anfitriões. A vodka que nos serviram só podia ser de excelente qualidade.

Os gherkins de pepinos e outros vegetais, parte dos acepipes com que os russos em geral se habituaram a acompanhar e a mitigar o álcool, concederam-nos uma alvorada sem grandes dramas, o que não significa fácil, muito menos bem disposta.

Alvorada e a Navegação Rumo a Bolshoi Zayatsky

Também o novo dia amanhecia assim: cinzento como há dois dias não o víamos. Arrumamos as mochilas. Tomamos um pequeno-almoço improvisado com as mercearias que nos acompanhavam. Batemos a porta do apartamento soviético e entregamo-nos à labuta.

É com as faces apertadas pelo frio da madrugada que caminhamos em direcção ao pequeno porto local, pouco mais que um paredão reforçado que limitava uma água espelho. Quando lá chegamos, já um grupo de visitantes russos aguardava na galhofa, nas imediações do “Pechak”, um barco baptizado com o nome de um dos cabos emblemáticos do arquipélago.

Dois tripulantes que aparecem do interior dão ordem de embarque. Pouco depois, zarpamos para o Mar Branco.

Monja ortodoxa, ilha Bolshoi Zayatski, ilhas Solovetsky, Rússia

Monja ortodoxa segue a bordo do barco Pechak que liga Solovetsky a Bolshoi Zayatski.

O vento fraco pouco ou nada agitava a vastidão neutral que sulcávamos. Mas só a deslocação da embarcação chegava para nos enregelar os ossos e a alma de turistas ocidentais e acidentais de que os restantes passageiros se esforçavam para compreender a proveniência.

Passageiros barco Pechak, Mar Branco, ilhas Solovetsky

Passageiros do Pechak fotografam o litoral insular do arquipélago Solovetsky.

Quase uma hora após a partida, avistamos o recorte de edifícios numa das ilhas quase rasas que se sucediam. Com a aproximação do “Pechak”, percebemos que o mais alto e irregular era uma velha igreja ortodoxa de madeira instalada para lá de uma faixa litoral repleta de grandes calhaus arredondados e troncos. Logo ao lado, duas casas de tijolinho e pedra pareciam servir o templo. Estávamos em Bolshoi Zayatsky.

Igreja ortodoxa, Bolshoi Zayatski, ilhas Solovetsky, Rússia

Igreja ortodoxa e edifícios de apoio acima do litoral pedregoso de Bolshoi Zayatsky.

O Desembarque e os Primeiros Passos

O “Pechak” atraca na extremidade de um pontão de madeira. Um jovem tripulante alto, esguio, alourado e enfiado num uniforme militar camuflado concretiza a amaragem e nova ordem de soltura.

Um a um, todos percorremos o passadiço instalado sobre uma base de pedras e que ligava o pontão à entrada da igreja. À frente, segue o único passageiro em trajes destoantes, aconchegado num oleado amarelo de corpo inteiro.

Forma-se um grupo mais composto que o do embarque. O jovem do oleado assume o seu papel de guia e dá início a uma longa dissertação em russo. De início, mantemo-nos no grupo, atentos às explicações traduzidas que Alexey Kravchenko nos transmitia.

Pouco depois, a comitiva divide-se. Nós tresmalhamo-nos também de Alexey. Ficamos entregues à nossa própria descoberta sensorial de Bolshoi Zayatsky que, apesar da adjectivação (bolshoi = grande) tem apenas 1.25 km2

Igreja Ortodoxa de Bolshoi Zayatski, ilhas Solovetsky, Rússia

Passadiço conduz à velha igreja também de madeira de Bolshoi Zayatski.

Uma Misteriosa Ilha Sub-Árctica

Uma vegetação multicolor forrava a ilha. Arbustos avermelhados e amarelados destacavam-se acima do verde predominante. E uma colónia desgarrada de pedras salpicavam o tapete formado por uma espécie de tojo viçoso da tundra.

Regressamos ao grupo. Tinham-se detido uma vez mais junto do guia, numa área da ilha em que a vegetação verde e rasteira formava um enredo intrincado de sulcos.

O líder volta à sua carga verbal. Nós, juntamo-nos a Alexey que, por sua vez, se mostra intrigado. De tal maneira que se limita a escutar e pouco ou nada nos transmite. “Isto é realmente muito muito bizarro!” solta por fim, atónito com o que o que o guia não conseguia explicar.

É essa a manifestação normal de quem se confronta com aqueles estranhos monumentos agora lítico-vegetais ou ouve descrições fidedignas sobre eles. Não é só a sua composição esotérica que espanta.

Também está por apurar a razão porque os labirintos se concentram numa área de apenas 400m2 do oeste de Bolshoi Zayatsky, enquanto que cerca de 850 moledos surgem sobretudo a leste. Como é, aliás, enigmática a própria dispersão de ambos os elementos megalíticos por várias ilhas do arquipélago de Solovetsky.

Em Bolshoi Zayatsky, os labirintos são catorze. No cômputo geral das ilhas Solovetsky, contam-se trinta e cinco, todos eles feitos com pedras locais. O mais pequeno tem seis metros de diâmetro. O diâmetro do maior mede vinte e cinco metros. À parte dos labirintos e dos moledos, existem ainda diversos petróglifos.

Igreja ortodoxa no Outono, Bolshoi Zayatski, ilhas Solovetsky, Rússia

Igreja ortodoxa russa num cenário do curto Outono do arquipélago Solovetsky.

Questões que os Labirintos não Respondem: Quem? Como? Porquê

O cerne desta questão espiralada é óbvio: quem os construiu? Quando? Para quê? Em qualquer caso, as tentativas de explanação vêm de há muito e são díspares, um pouco à imagem da paragens boreais em que labirintos de pedra do mesmo tipo podem ser encontrados: Inglaterra, Islândia, Dinamarca, Suécia, Finlândia, Estónia e Rússia.

Na maior parte dos casos, foram criados em ilhas, penínsulas, estuários e fozes de rios, com formas uniespirais, biespirais, concêntricas e radiais. As suas formas envolventes são circulares ou ovais. Só em raros casos, quadradas.

A distribuição europeia destes labirintos remeteu vários dos cientistas intrigados pelo fenómeno para o perfil étnico dos povos nórdicos, no caso particular da Península da Kola e da zona em redor do Mar Branco, para os antecedentes do actual povo Sami que habita, hoje, o norte da Noruega, da Finlândia e o noroeste da Rússia.

Cruzes ortodoxas, Bolshoi Zayatski, ilhas Solovetsky, Rússia

Cruzes ortodoxas no litoral da ilha Bolshoi Zayatski, arquipélago Solovetsky

Os Saivos e Outras Teorias Para todos os Gostos

Em 1920, o cientista russo N. Vinogradov teorizou que os labirintos eram Saivo, montanhas sagradas em que as almas dos falecidos deambulavam. No entretanto, a definição de Saivo recebeu sérios complementos. A Encyclopedia Britannica define-os como “uma das regiões Sami dos mortos, em que os saivoolmak (falecidos) viviam vidas felizes no mundo saivo sobrenatural com as suas famílias e ancestrais.

Os Sami acreditavam que os saivoolmak construíam tendas, caçavam, pescavam e viviam tal e qual tinham vivido à face da Terra. Os saivo eram considerados sagrados e fontes de poder que podiam ser usados pelos xamanes. Quando os xamanes desejavam entrar em transe, convocavam os espíritos guardiões dos saivo.”

Interpretou-se, assim, que os labirintos funcionavam com uma espécie de fronteira entre o mundo dos vivos e dos espíritos e que eram usados em rituais levados a cabo para ajudar as almas a passar de um mundo para o outro.

Labirinto de pedras e arbustos, Bolshoi Zayatski, ilhas Solovetsky, Rússia

Visitante russa de Bolshoi Zayatski deixa um dos labirintos da ilha.

A Caminhada Labírintica de Vlad Abramov

Estivemos sobretudo entretidos em achar as melhores perspectivas e a documentá-los. Mas, foram já várias as pessoas que se deram ao trabalho de seguir os seus trilhos místicos. Vlad Abramov, um investigador dedicado aos labirintos de Bolshoi Zayatsky, experimentou percorrê-los.

Descreveu assim o que sentiu. “Depois de entrar num labirinto e andar repetidamente em volta do centro, deixa-se o centro pela mesma entrada. Depois de várias voltas, torna-se pouco claro quanto é que já se andou e quanto falta caminhar. Em termos subjectivos, o tempo pára mas, num relógio, o grande labirinto percorre-se em quinze minutos.

É difícil ser distraído; o trilho é estreito. Requer que se olhe para os pés. O trilho gira tanto no sentidos dos ponteiros do relógio como ao contrário. Por fim, aparece a saída e fica-se contente por a jornada ter terminado.”

Labirinto milenar, ilha Bolshoi Zayatski, ilhas Solovetsky, Rússia

Visitante de Bolshoi Zayatski contorna um dos vários labirintos da ilha.

O guia do peculiar oleado amarelo prosseguia as suas explicações em russo. Estas, exigiam de tal forma a concentração de Alexey, que continuávamos sem a sua transmissão do conhecimento. Para nós, como para todos os mortais, o mistério prolongava-se. A teoria dos saivo é uma. Contradita por várias outras gradualmente mais terrenas.

Calendários? Armadilhas Para Peixes ?

Alguns estudiosos defendem que os labirintos foram construídos por pescadores durante dias de tempestade, de maneira a encurralarem maus espíritos, ou uma espécie de duendes mitológicos que traziam má sorte. Neste contexto, os pescadores caminhavam até ao centro dos labirintos e atraíam os espíritos até os despistarem no mar.

O matemático ex-soviético, agora russo Yuri Yershov, chegou a uma terceira explicação, mista: que os labirintos serviam como espécie de espelhos esquemáticos da órbita da lua e da órbita aparente do sol, usados como úteis calendários.

Segundo outra postulação, de 1970, da autoria da historiadora e antropóloga Nina Nikolaevna Gurina (1909-1990), em vez de servirem para afugentarem os maus espíritos para o mar, os labirintos de Bolshoi Zayatsky não passavam de armadilhas para os peixes.

Lenha em casa de apoio, ilha Bolshoi Zayatski, ilhas Solovetsky, Rússia

Parte de trás de uma casa de apoio de Bolshoi Zayatski.

Seria essa a razão porque quase todos eles foram erguidos junto ao mar, em zonas que, entre há três a cinco milénios atrás, eram abrangidas pelo avanço e recuo das marés. De acordo com Gurina N.N., os peixes nadavam pela entrada e ficavam aprisionados nos labirintos o que facilitava a sua captura pelos nativos.

Um Mistério Para Durar

Seja qual for a sua verdadeira razão de ser, milénios depois, os labirintos de Bolshoi Zayatsky, das ilhas Solovetsky e do norte pré-Árctico da Europa em geral continuam a seduzir viajantes e cientistas ávidos por resolverem o enigma.

Vários, publicam obras e mantêm blogues dedicados ao tema, alguns repletos de esquemas gráficos e análises e fórmulas geométricas. Em qualquer dos casos, estas obras e blogues são fontes de conhecimento tão herméticas como os dédalos que abordam. E geram acesos debates.

Invertemos a direcção sobre o passadiço e voltamos às imediações da igreja. O templo antigo, foi ali erguido também como forma de afirmação cristã face às crendices pagãs que os povos ancestrais tinham disseminado em Bolshoi Zayatsky e  pela região.

Foi de tal forma castigado pelo clima rigoroso destas partes da Rússia que se encontra frágil. Mesmo assim, o guia abre-nos a porta para que todos, religiosamente todos, pudéssemos espreitar o interior.

Barco Pechak, Bolshoi Zayatski, ilhas Solovetsky, Rússia

O barco Pechak aguarda o regresso dos visitantes de Bolshoi Zayatski.

Através de uma janela logo embaciada do templo, percebemos que a tripulação do “Pechak” já recolhia as cordas que retinham o navio. Pouco depois, zarpamos de Bolshoi Zayatsky rumo à ilha Solovetsky, também ela senhora dos seus segredos.

 

A TAP www.flytap.com voa de Lisboa para Moscovo à 2ª, 3ª, 5ª, 6ª e sábados às 23h10, chegada às 06h20. E voa de Moscovo para Lisboa à 3ª, 4ª, 6ª, sábados e domingos, às 07h15, chegada às 11h10.

Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
Novgorod, Rússia

A Avó Viking da Mãe Rússia

Durante quase todo o século que passou, as autoridades da U.R.S.S. omitiram parte das origens do povo russo. Mas a história não deixa lugar para dúvidas. Muito antes da ascensão e supremacia dos czares e dos sovietes, os primeiros colonos escandinavos fundaram, em Novgorod, a sua poderosa nação.
Rostov Veliky, Rússia

Sob as Cúpulas da Alma Russa

É uma das mais antigas e importantes cidades medievais, fundada durante as origens ainda pagãs da nação dos czares. No fim do século XV, incorporada no Grande Ducado de Moscovo, tornou-se um centro imponente da religiosidade ortodoxa. Hoje, só o esplendor do kremlin moscovita suplanta o da cidadela da tranquila e pitoresca Rostov Veliky.
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de "Crime e Castigo"

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival.
Suzdal, Rússia

Mil Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.
São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Safari
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
planicie sagrada, Bagan, Myanmar
Arquitectura & Design
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Cerimónias e Festividades
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Bar de Rua, Fremont Street, Las Vegas, Estados Unidos
Cidades
Las Vegas, E.U.A.

O Berço da Cidade do Pecado

Nem sempre a famosa Strip concentrou a atenção de Las Vegas. Muitos dos seus hotéis e casinos replicaram o glamour de néon da rua que antes mais se destacava, a Fremont Street.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Treasures, Las Vegas, Nevada, Cidade do Pecado e Perdao
Cultura
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
kings canyon, Red centre, coracao, Australia
Em Viagem
Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália

O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Austrália. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.
Étnico
São Nicolau, Cabo Verde

Fotografia dess Nha Terra São Nicolau

A voz da saudosa Cesária Verde cristalizou o sentimento dos cabo-verdianos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau ou, vá lá que seja, admira imagens que a bem ilustrem, percebe porque os seus lhe chamam, para sempre e com orgulho, nha terra.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Palácio de Cnossos, Creta, Grécia
História
Iraklio, CretaGrécia

De Minos a Menos

Chegamos a Iraklio e, no que diz respeito a grandes cidades, a Grécia fica-se por ali. Já quanto à história e à mitologia, a capital de Creta ramifica sem fim. Minos, filho de Europa, lá teve tanto o seu palácio como o labirinto em que encerrou o minotauro. Passaram por Iraklio os árabes, os bizantinos, os venezianos e os otomanos. Os gregos que a habitam falham em lhe dar o devido valor.
Champagne Beach, Espiritu Santo, Vanuatu
Ilhas
Espiritu Santo, Vanuatu

Divina Melanésia

Pedro Fernandes de Queirós pensava ter descoberto a Terra Australis. A colónia que propôs nunca se chegou a concretizar. Hoje, Espiritu Santo, a maior ilha de Vanuatu, é uma espécie de Éden.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Grand Canyon, Arizona, Viagem América do Norte, Abismal, Sombras Quentes
Natureza
Grand Canyon, E.U.A.

Viagem pela América do Norte Abismal

O rio Colorado e tributários começaram a fluir no planalto homónimo há 17 milhões de anos e expuseram metade do passado geológico da Terra. Também esculpiram uma das suas mais deslumbrantes entranhas.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Graciosa, Açores, Monte da Ajuda
Parques Naturais
Graciosa, Açores

Sua Graça a Graciosa

Por fim, desembarcarmos na Graciosa, a nossa nona ilha dos Açores. Mesmo se menos dramática e verdejante que as suas vizinhas, a Graciosa preserva um encanto atlântico que é só seu. Quem tem o privilégio de o viver, leva desta ilha do grupo central uma estima que fica para sempre.
Canal de Lazer
Património Mundial UNESCO
Amesterdão, Holanda

De Canal em Canal, numa Holanda Surreal

Liberal no que a drogas e sexo diz respeito, Amesterdão acolhe uma multidão de forasteiros. Entre canais, bicicletas, coffee shops e montras de bordéis, procuramos, em vão, pelo seu lado mais pacato.
Verificação da correspondência
Personagens
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
ilha Martinica, Antilhas Francesas, Caraíbas Monumento Cap 110
Praias
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Forte de São Filipe, Cidade Velha, ilha de Santiago, Cabo Verde
Religião
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre Carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Sociedade
Tongatapu, Tonga

A Última Monarquia da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma outra monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Vida Selvagem
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
PT EN ES FR DE IT