Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro


AS Ferroviário
Grafismo ilustra o CHEPE EXPRESS nas letras tridimensionais que identificam as Barrancas del Cobre.
O Cavalo de Ferro
Composição do CHEPE Express dá entrada na estação de El Divisadero.
Luz no Escuro
Passageiras iluminam a passagem do CHEPE EXPRESS num dos muitos túneis do percurso até Los Mochis.
Vista Apertada
Passageiro filma o trajecto sobre carris do CHEPE Express.
Vista sobre o Passado
Passageiros apreciam a paisagem do estado mexicano de Chihuahua a partir do fundo da composição do CHEPE EXPRESS.
Travessia a Trote
Cavalos cruzam a linha férrea pouco depois da passagem do CHEPE Express.
Vista de Deserto
Passageira desfruta de uma bebida na única carruagem de janelas abertas do CHEPE EXPRESS.
Cavalo de Ferro II
Máquina da composição do CHEPE EXPRESS, a chegar a El Divisadero.
A Caminho do Pacífico
Linha férrea percorrida pelo CHEPE EXPRESS, a passar entre cactos altivos.
Desfiladeiro do Septentrión
CHEPE EXPRESS serpenteia a meia encosta do vasto canyon do rio Septentrión.
Passem de Nível
Uma das raras passagens de nível na vastidão ressequida do estado de Sinaloa.
Viagem Paralela
Motociclistas acompanham a marcha do CHEPE EXPRESS à beira do rio Fuerte.
Puente Santa Bárbara
A longa composição do CHEPE EXPRESS a cruzar a ponte de Santa Bárbara, no canyon de Septentrión.
Fim da Linha
Ocaso em pleno estado de Sinaloa, já na iminência da estação de El Fuerte.
O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.

Os mexicanos sempre simpatizaram com diminutivos e com o sufixo ito.

Quando confrontados com o código CHP, de Chihuahua – Pacífico e com a inviabilidade de tratarem tamanho comboio por trenzito, acabaram por se render ao apodo carinhoso de El Chepe.

Tal como planeado no fim do século XIX, o Chepe tem a sua estação de partida (ou chegada) interior em Chihuahua. Apesar de termos passado dois dias na capital do estado homónimo, questões estratégicas da exploração da região, ditaram que viéssemos a embarcar no El Chepe, em versão Express e duas estações para sudoeste, na de El Divisadero.

Para lá saímos do Hotel Mirador, às 8h15 da manhã. Antes das 9h, estamos uma vez mais sobre o limiar das Barrancas del Cobre, a examinarmos as letras tridimensionais, garridas e icónicas com que se tornou moda, os lugares da América Latina se identificarem.

Na estação de El Divisadero, sobre o abismo do grande canyon mexicano, as letras estavam decoradas com um panorama intermitente do que mais caracterizava a zona.

Do B ao segundo R, de Barranca, os sulcos profundos do barranco e o seu teleférico. Do R ao C, personagens e a vida indígena Rarámuri. Do C para a direita, imagens de uma composição do Chepe.

Por algum tempo, os passageiros do dia entretiveram-se a encavalitar-se nas letras e a celebrar a sua visita. Quando se aproximou a hora de chegada do comboio, trocaram o passatempo por um alinhamento ansioso, algo frenético, sobre a plataforma.

Por Fim, o Embarque para Bordo do Chepe – Ferrocarril Chihuahua al Pacífico

O Chepe apareceu um pouco antes das dez, de um meandro de carris duplos, ladeado por pinheiros.

Embarcamos em Classe Executiva. Por pertencermos também à dos repórteres de viagem, concedem-nos um acesso excepcional mas providencial ao denominado vagón terraza, o único com janelas sem vidros, abertas aos cenários e ao vento.

Entusiasmados com esta benesse, pressionados pela urgência de um lugar que nos permitisse fotografar, mal ouvimos a dissertação de Maurício Navarro, o RP a bordo.

Sentamo-nos a contento, num dos últimos assentos laterais, com acesso à janela traseira da composição. Ali instalados, ajustamo-nos ao seu fluir ribombante e aos panoramas de pinhal que depressa sentimos passar de verdejante a constante.

A floresta de pinheiros que envolvia El Divisadero, parecia eternizar-se.

Para quebrarmos a sua monotonia, concentramo-nos no rasto de carris que o comboio deixava para trás, a determinada altura, com passagens escurecidas, com o seu quê de fantasmagóricas, pelos túneis sucessivos que permitiram abrir caminho na orografia acidentada da Sierra Madre Occidental.

Um casal agasalhado para o vento frígido, adoça a paisagem com licor de natas, do irlandês.

De tempos a tempos, os empregados da carruagem, também ela bar, trazem outras bebidas aos restantes passageiros.

Uma Escala Urbanizada na Pino-Vastidão da Sierra de Tarahumara

Por alturas de San Rafael, por momentos, o Chepe deixa os túneis e a serrania sem fim. Entra numa planura habitada em que, antes e após a passagem da composição, vários moradores usam o caminho de ferro como o seu caminho.

Na estação de San Rafael, os carris multiplicam-se. Ali parados, vemos mulheres Rarámuri aproximarem-se sobre a gravilha. Duas delas, carregadas de cestos e outros artefactos recém-produzidos.

Todas se aproximam da última carruagem em vestidos ou camisas cor-de-rosa que contrastam com o negrume poeirento do solo. Uma das vendedoras ainda tenta a sua sorte nas carruagens finais. Sem sucesso.

Um apito potente anuncia o retomar da viagem. O Chepe prossegue uma vez mais pela serra pejada de pinhais e pelos túneis que a esventram.

A Passagem da Floresta Alpina, aos Desfiladeiros Sub-Tropicais do Septentrión

Ajusta-se aos meandros do rio Septentrión que seguimos até, sem aviso, entrarmos em desfiladeiros com visuais tropicais, em vez de alpinos, a que uma inesperada profundidade luxuriante devolve um dramatismo comparável ao das Barrancas del Cobre de que tínhamos partido.

A estação de Bahuichivo fica, de igual modo, para trás. O rio flui por um vale e leito pedregoso, salpicado de lagoas cristalinas em que chegamos a vislumbrar peixes.

A essa translucidez, sucede-se novo túnel, o La Pera, o 49º e um dos mais longos do percurso, com 937m sob a montanha, numa volta de 180º em que, consoante o sentido, sobe ou desce trinta e poucos metros.

Quando dele saímos, damos de caras com o barranco profundo do Septentrión, 1600 metros de desfiladeiro arredondado, medidos do leito fluvial ao cimo das falésias supremas.

A linha em que seguimos ganha a companhia de outras, um conjunto classificado como “retroceso Temóris”.

Uma delas cruza o rio amplo por uma ponte em ferradura, longa a condizer (237m), baptizada como Puente Santa Bárbara.

O nome fará sentido a dobrar durante a época das chuvas, curta, mas fulminante destas paragens.

Usual em Agosto e Setembro, a espaços, agravada pelos vendavais, bátegas, raios e trovões gerados pelos furacões vindos do Pacífico.

Em cada tempestade que se aventura Sierra Madre Occidental adentro, a linha ferroviária do Chepe, sofre os danos e as interrupções de serviço necessárias aos trabalhos de recuperação.

Logo, regressa ao serviço grandioso e providencial que lhe foi destinado.

A Necessidade e o Engenho de Albert Kimsey Owen

Desde o início do séc. XIX, comerciantes e empresários do litoral noroeste mexicano, da Sierra Madre Occidental e das terras altas a oriente sofriam os prejuízos de não poderem escoar os seus produtos nos sentidos inversos, sobretudo para o Golfo da Califórnia e o Oceano Pacífico, de onde poderiam embarcar para portos internacionais.

Numa época em que o cavalo de ferro se confirmava um meio de transporte revolucionário, Albert Kimsey Owen, um aventureiro e engenheiro com preponderância política apresentou, no Senado dos Estados Unidos, um projecto de linha ferroviária que ligaria o Texas ao litoral de Topolobampo.

Tratava-se duma baía que o havia deslumbrado e em que viria a fundar a primeira de várias Utopia Socialist Colonies, no estrangeiro, organizada em modo cooperativo, à imagem da de New Harmony, antes constituída no estado de Indiana.

Chegamos a 1880. O apoio dos generais Grant e Butler e de outras figuras político-militares dos E.U.A. facilitaram a concessão do Presidente do México de então, General Manuel González, de 3220 km ferroviários e de 16 milhões de dólares. A obra teve início em Fevereiro de 1885.

Na mente de Owen, a ferrovia estimularia o comércio entre as duas nações e a criação de um entreposto comercial prodigioso, a que chamaria de Pacific City.

O projecto depressa se viu barrado por um sortido de dificuldades.

O relevo provou-se muito mais complicado de vencer do que estimado. Os custos extrapolaram o subsídio mexicano.

Quando requisitou fundos adicionais ao governo dos Estados Unidos, Owen confrontou-se com a destrutiva e dispendiosa Guerra da Secessão norte-americana.

Em apenas um ano, o seu projecto colapsou.

O Concretizar Arrastado do Projecto Ferrocarril Chihuahua al Pacífico

Recuperou-o, em 1897, um concidadão de Owen. Foster Higgins – assim se chamava – mentor da Companhia del Ferrocarril del Rio Grande, Sierra Madre y Pacífico.

Com os anos, outras companhias se sucederam, cada qual responsável por tramos complementares do trajecto inicial, incluindo o ainda hoje emblemático Chihuahua – Creel.

Em 1940, o governo mexicano comprou os direitos de duas companhias gestoras de tramos complementares. Injectou verbas astronómicas e empregou os melhores engenheiros mexicanos e estrangeiros.

Como resultado tardio, em 1961, inaugurou boa parte do trecho (mexicano) da ferrovia original, entre Ojinaga (Chihuahua) e Topolobampo (Sinaloa), a mesma em que continuávamos a viajar.

Pelas Planícies Quentes de Sinaloa, Rumo ao Pacífico

Do barranco majestoso e luxuriante da zona de Temóris, o Chepe Express prossegue por terras mais baixas, planas e, à medida que se aproximava da costa, secas e abafadas.

Passamos a avançar por rectas sem fim, ladeadas de cardones de braços ao alto e de arbustos espinhosos.

Por essa altura, o vagon terraza já quase nos era exclusivo. Das suas janelas desertas, acompanhamos as marchas paralelas de motociclistas e condutores de pick-ups.

Junta-se-nos o rio Fuerte, engrossado pela junção do Verde e do Urique, ambos chegados das já longínquas Barrancas del Cobre.

O Chepe volta a deter-se, na cidade histórica de El Fuerte, em que inúmeros passageiros inauguram, todos os anos, as suas viagens no sentido inverso. Uns dias depois, haveríamos de a conquistar.

Nesse fim de tarde, já quase noite, desembarcamos em Los Mochis, a meros 24 km de Topolobampo, a inspiração utópica de Albert Kimsey Owen.

A razão de ser do seu sonho mexicano sobre carris.

 

Onde Ficar nas Barrancas del Cobre e em El Fuerte

hotelmirador.mx            hotelposadadelhidalgo.com

+52 (668) 812 1613                      +52 (668) 893 11 94

Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
PN Yala-Ella-Kandy, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Safari
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Verificação da correspondência
Cerimónias e Festividades
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Cortejo garrido
Cidades
Suzdal, Rússia

Mil Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Cultura
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Passageira agasalhada-ferry M:S Viking Tor, Aurlandfjord, Noruega
Em Viagem
Flam a Balestrand, Noruega

Onde as Montanhas Cedem aos Fiordes

A estação final do Flam Railway, marca o término da descida ferroviária vertiginosa das terras altas de Hallingskarvet às planas de Flam. Nesta povoação demasiado pequena para a sua fama, deixamos o comboio e navegamos pelo fiorde de Aurland abaixo rumo à prodigiosa Balestrand.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Étnico
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

O Terreno e o Celestial

Alasca, de Homer em Busca de Whittier
História
Homer a Whittier, Alasca

Em Busca da Furtiva Whittier

Deixamos Homer, à procura de Whittier, um refúgio erguido na 2ª Guerra Mundial e que abriga duzentas e poucas pessoas, quase todas num único edifício.
Vai-e-vem fluvial
Ilhas
Iriomote, Japão

Iriomote, uma Pequena Amazónia do Japão Tropical

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Monte Denali, McKinley, Tecto Sagrado Alasca, América do Norte, cume, Mal de Altitude, Mal de Montanha, Prevenir, Tratar
Natureza
Monte Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Merida a Los Nevados confins dos Andes, Venezuela
Parques Naturais
Mérida, Venezuela

Mérida a Los Nevados: nos Confins Andinos da Venezuela

Nos anos 40 e 50, a Venezuela atraiu 400 mil portugueses mas só metade ficou em Caracas. Em Mérida, encontramos lugares mais semelhantes às origens e a geladaria excêntrica dum portista imigrado.
Caiaquer no lago Sinclair, Cradle Mountain - Lake Sinclair National Park, Tasmania, Austrália
Património Mundial UNESCO
À Descoberta de Tassie, Parte 4 -  Devonport a Strahan, Austrália

Pelo Oeste Selvagem da Tasmânia

Se a quase antípoda Tazzie já é um mundo australiano à parte, o que dizer então da sua inóspita região ocidental. Entre Devonport e Strahan, florestas densas, rios esquivos e um litoral rude batido por um oceano Índico quase Antárctico geram enigma e respeito.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Cabana de Bay Watch, Miami beach, praia, Florida, Estados Unidos,
Praias
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Religião
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Sociedade
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Pesca, Caño Negro, Costa Rica
Vida Selvagem
Caño Negro, Costa Rica

Uma Vida à Pesca entre a Vida Selvagem

Uma das zonas húmidas mais importantes da Costa Rica e do Mundo, Caño Negro deslumbra pelo seu ecossistema exuberante. Não só. Remota, isolada por rios, pântanos e estradas sofríveis, os seus habitantes encontraram na pesca um meio embarcado de fortalecerem os laços da sua comunidade.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
EN FR PT ES