Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela


Dourado sobre azul
Charretes no Parque Itzamna com o lusco-fusco a apoderar-se de Izamal.
Dourado sobre azul II
Condutores de charretes conversam no Parque Itzamná, com o lusco-fusco a apoderar-se de Izamal.
A vida do parque
Ciclista contorna o Parque Itzamna, uma das várias praças verdejantes da cidade.
Que haja Sol II
Trabalhadores levam a cabo uma distribuição de cerveja Sol na esquina das Calle 31 e 28A.
Que haja Sol
Francisco exibe uma garrafa de Sol, a cerveja mexicana de que então abastecia o a sua mercearia na esquina das Calle 31 e 28A.
Moda equina
Um dos cavalos que puxam as calesas em que conduzem visitantes por Izamal.
Catolicismo amarelado
A entrada da igreja da Purísima Concepción destacada entre as arcadas do antigo convento de San António de Pádua.
bf01b2ad-81ab-4741-be42-f9d798b2403b
Pedestres atravessam o limiar do átrio do antigo convento de San António de Pádua
0b0e3c90-c079-4bd7-9977-e44f25e0d187
Estátua do Papa João Paulo II
Um atalho
Pedestres atravessam o limiar do átrio do antigo convento de San António de Pádua, o grande templo católico de Izamal.
Sumo-pontífice
Estátua do Papa João Paulo II, junto à entrada da igreja da Nª Purísima Concepción. João Paulo II visitou e abençoou Izamal em Agosto de 1993.
O que sobra do passado
Grupo de visitantes sobre a ruína da velha pirâmide de Kinich Kakmo, deus do Sol Maia.
Sob a arcada
Visitante à entrada da igreja da Purísima Concepcíon,
Um Passeio solitário
Morador pedala ao longo de uma calle corrida a arcadas, sobre o pôr-do-sol.
A caminho II
Moradores de Izamal descem a rampa de ascensão ao antigo convento de San António de Pádua.
México
Bandeira mexicana paira ao vento, com o ocaso a alaranjar o céu para Oeste do Iucatão.
Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.

Após dia e meio no norte do Iucatão, a frente fria que nos perseguia e apoquentava desfaz-se sobre a península.

Tínhamo-la passado a explorar os arredores de Mérida, com incursões a vários cenotes, as lagoas subterrâneas abundantes nesta região oriental do México.

À segunda tentativa, a meteorologia recompõe-se. Izamal encanta-nos de vez.

Quando lá chegamos, a meio da tarde, o sol que fulminava a paisagem verdejante havia-se suavizado.

Izamal em Fiesta

Uma feira de rua pejada de marquesitas (pequenos negócios sobre carrinhos de empurrar), bancas mais ambiciosas de petiscos e um bailarico pitoresco animam a praça central.

Famintos de tanto tempo entregues às pirâmides Maias e presos ao percurso que as ligava à cidade, começamos por nos instalar num comedor sob as arcadas do Mercado Municipal Izamal Iucateca.

Sem que o esperássemos, por ali se enrola e desenrola, ao som das trompetes, das guitarras, dos acordeões, violinos e da voz estridente dos cantores de serviço.

Cavalo puxador de calesa, em Izamal, México

Um dos cavalos que puxam as calesas em que conduzem visitantes por Izamal.

Uma troupe de dançarinos, eles trajados com fatos, calças e panamás brancos, elas com vestidos brancos e floridos, colares a pender do pescoço e flores a prender os cabelos, rodopia de braços erguidos ao céu, ao ritmo acelerado e estridente da música.

De quando em quando, estes protagonistas interrompem a sua exibição. Então, o povo de Izamal toma conta da festa. Fá-la arrastar-se sem clemência.

Acompanhamos o bailarico por algum tempo mais.

Até que constatamos que o sol tinha descido demasiado do seu zénite tropical e nos dedicamos à missão que ali nos tinha levado:

Izamal, a povoação, cidade das três culturas – Maia, colonial e a actual mestiça -, uma das primeiras a ser declarada pelas autoridades mexicanas “pueblo mágico” da nação.

O Reduto Católico Sobranceiro da Cidade

Só a esquina da Calle 31A com a 30 nos separava da rampa empedrada que conduzia ao antigo Convento de San António de Pádua, abrigado numa plataforma verdejante acima do âmago colonial da cidade.

Passamos pela marquesitaLa Bendición de Dios” e inauguramos a ascensão. Cruzamo-nos com visitantes que, alheios ao pandemónio popular abaixo, completavam os seus périplos religiosos ao templo.

Rampa de acesso ao antigo convento de San António de Pádua, Izamal, México

Moradores de Izamal descem a rampa de ascensão ao antigo convento de San António de Pádua.

O cimo da ladeira revela-nos o pórtico de entrada intrincado, destacado acima das arcadas em redor do complexo. Reparamos pela primeira vez no amarelo predominante que alegrava Izamal.

Mesmo se manchado por um caos de produtos e da gente que o percorria, o mercado Mercado Municipal Izamal Iucateca era amarelo. Os edifícios térreos em volta do Parque 5 de Maio, idem.

Como amarelo se revelou todo o exterior do convento.

Entramos no jogo de sombras criado pelo ocaso iminente e cruzamos o pórtico. Do lado de lá, um relvado viçoso tão amplo como o de alguns campos de futebol preenchia o átrio rectangular.

Estávamos perante um dos conventos mais antigos do hemisfério ocidental, construído, em 1561, sobre as ruínas de Pap-hol-chac.

Erguido aliás, com as mesmas pedras que compunham esta que foi uma das maiores pirâmides do Iucatão. Logo após a chegada e a imposição dos conquistadores hispânicos aos povos mexicanos, a destruição dos templos Maias sistematizou-se.

Arcadas do antigo convento de San António de Pádua em Izamal, México

A entrada da igreja da Puríssima Concepción destacada entre as arcadas do antigo convento de San António de Pádua.

Diego de Landa e o Destino Colonial

Um dos principais responsáveis terá sido o frade Diego de Landa. De Landa desembarcou em terras de Iucatão nesse mesmo ano de 1561, incumbido pela Coroa Hispânica de converter os nativos.

Conduziu a missão quase sempre à força, com métodos, por vezes brutais. Crê-se que, entre outras atrocidades, mandou queimar 27 códices e destruir milhares de ídolos dispersos pelas povoações Maias.

Graças à sua intolerância, só três manuscritos Maias subsistem, e contra a vontade do frade que não suportava a ideia de muitos dos recém-convertidos continuarem a praticar ritos da sua antiga religião, fundidos com a crença e os rituais do catolicismo.

Reza a história que o proselitismo de Landa era de tal forma cruel que, quando chegou aos ouvidos dos mestres da Inquisição Espanhola, estes se chocaram e chamaram Landa de volta à metrópole. Subsistem dúvidas quanto à reacção do frade à descompostura que recebeu.

Certos historiadores afirmam que se terá arrependido e que se lembrou de compensar o seu comportamento criando “Yucatan antes y despues de la Conquista”. Outros, creem que o a Inquisição o terá obrigado a escrever o livro.

Seja como for, por mais contraditório que pareça, a obra escrita de Landa é, ainda hoje, uma fonte crucial de conhecimento dos Maias e da sua cultura.

Muito devido à sua acção pioneira, Izamal tornou-se um importante polo católico de peregrinação, em vez de Maia.

Uma Celebrada Visita Papal

A poucos metros da entrada da nave da igreja da Purísima Concepción, um Papa João Paulo II de bronze contempla o horizonte do cimo de um pedestal que versa: “Desde Yucatan, Bendigo a los Hermanos Indígenas y a Todos los Habitantes del Continente Americano.

A multidão que acolheu e louvou o sumo-pontífice em Agosto de 1993, presta-lhe um comovente tributo cromático.

Estátua do papa João Paulo II, entrada da igreja da Nª Purísima Concepción em Izamal, México

Estátua do Papa João Paulo II, junto à entrada da igreja da Nª Purísima Concepción. João Paulo II visitou e abençoou Izamal em Agosto de 1993

Até essa altura, como é apanágio das povoações coloniais mexicanas, as casas da cidade estavam pintadas em tons pastel. Várias eram já amarelas.

Mas, há mais de um milénio que Izamal funcionava como um centro de peregrinação em que os Maias veneravam Kinich Kakmo, o seu deus do Sol.

Ora, boa parte dos habitantes partilham a mesma ascendência Maia e falam, ainda hoje, tanto maia como castelhano.

Quando, em 1993, foram informados de que João Paulo II visitaria Izamal e lá daria missa concordaram de imediato na necessidade de embelezar da cidade.

Um deles sugeriu que deveriam pintar todos os edifícios, convento incluído, da mesma cor.

A Expressão Amarela de Fé

O amarelo pareceu, a todos, óbvio. Izamal já tinha a relação Maia milenar com o Sol.

O milho que alimenta a cidade e a região é amarelo, como o é a metade esquerda da bandeira do Vaticano, a nação católica de que procederia o Papa para os abençoar e prendá-los com uma estátua da Virgem Maria com uma coroa de prata.

Contornamos o átrio pelo prolongamento das suas arcadas. Até que damos com nova rampa e com a saída noroeste do complexo.

Também esta conduzia a um parque, o Itzamná, tal como a cidade, baptizado em honra do deus Maia supremo, o regente dos céus, do dia e da noite.

Arcadas do do antigo convento de San António de Pádua, Izamal, México

Pedestres atravessam o limiar do átrio do antigo convento de San António de Pádua, o grande templo católico de Izamal

Descemos a rampa. Já de volta ao plano inferior e mundano da cidade, confrontamo-nos com uma praça de charretes ali estacionadas para proporcionarem passeios pelas ruelas da cidade.

Negamos as insistentes propostas dos donos e seguimos em modo pedestre de exploração.

Do Lado de Lá do Convento de Santo António

Com a festa ainda a concentrar as atenções e animação no Parque 5 de Mayo, esta face de Izamal permanecia numa paz sedativa.

Os condutores das charretes conformavam-se com o interregno e conversavam acalmados pela talassoterapia da fonte e do lago no centro da plaza.

Charretes no Parque Itzamna de Izamal, México

Ciclista contorna o Parque Itzamna, uma das várias praças verdejantes da cidade

Um ou outro raro ciclista ou motociclista contornavam o parque pela sua frente.

E uma camioneta de distribuição da Coca-Cola, desafiava o amarelo predominante com a arrogância do seu vermelho capitalista.

Sem que os esperássemos, malgrado o apelo cromático quase sanguinário do camião e do “Disfrútala” destacado a branco sobre a traseira, é uma outra bebida, 100% mexicana, que acaba por nos atrair.

Distribuição de cerveja SOL, em Izamal, México

Trabalhadores levam a cabo uma distribuição de cerveja Sol na esquina das Calle 31 e 28A

Atravessamos o parque. A sua aresta noroeste faz confrontar as Calles 31A e 28.

Ali, o proprietário do café e mercearia que ocupava o meio da bifurcação reabastecia o estabelecimento para os dias vindouros servido por uma pick up carregada de caixotes de cerveja Sol.

Uma placa rendilhada anunciava “Prohibido o Consumo de Bebidas Alcohólicas en la Via Publica”. De acordo, aos poucos, Francisco e alguns auxiliares descarregavam-nas para o interior do negócio onde, a salvo dos caprichosos agentes da lei, lhe trariam bom lucro.

Naquele peculiar cenário pós-colonial amarelo, a descarga exibia uma forte fotogenia publicitária.

Sem termos como lhe resistirmos, metemos conversa com o grupo de homens e dispomo-nos a fotografar a cena até que os actores se mostrassem saturados da intrusão.

Trabalhador exibe garrafa de cerveja SOL, Izamal, México

Francisco exibe uma garrafa de Sol, a cerveja mexicana de que então abastecia o a sua mercearia na esquina das Calle 31 e 28A.

E a Fiesta Contínua

As luzes dos velhos candeeiros acendem-se e anunciam a entrada em palco do lusco-fusco. A iluminação nos muros e sob as arcadas conferiam ao velho convento um visual holográfico, como se fosse, a qualquer momento, levitar para a abóbada celeste.

Anoitecer no Parque Itzamna, Izamal, México

Charretes no Parque Itzamna com o lusco-fusco a apoderar-se de Izamal.

Regressamos ao Parque de 5 Mayo.

Por aqueles lados, a vaqueria tinha terminado. O bailarico saíra reforçado por dezenas de jovens recém-chegados e sedentos de diversão.

Subimos a rampa do convento uma derradeira vez para contemplarmos o panorama em redor.

Descortinamos, ao longe, uma pequena multidão sobre os 34 metros do que restava da pirâmide Kinich Kakmo, do deus do Sol.

pirâmide de Kinich Kakmo em Izamal, México

Grupo de visitantes sobre a ruína da velha pirâmide de Kinich Kakmo, deus do Sol Maia

O grande astro preparava-se para mergulhar nas profundezas da mitologia e da Terra. Estava hora de recolhermos ao refúgio nocturno merideño que nos calhara.

Bandeira mexicana, ao pôr-do-sol, Izamal, México

Bandeira mexicana paira ao vento, com o ocaso a alaranjar o céu para Oeste do Iucatão

Mais informação sobre Izamal na página respectiva da UNESCO.

Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Campeche, México

Um Bingo tão lúdico que se joga com bonecos

Nas noites de sextas um grupo de senhoras ocupam mesas do Parque Independencia e apostam ninharias. Os prémios ínfimos saem-lhes em combinações de gatos, corações, cometas, maracas e outros ícones.
Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.
San Cristobal de las Casas a Campeche, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Nossa Senhora de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Treasures, Las Vegas, Nevada, Cidade do Pecado e Perdao
Arquitectura & Design
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Cerimónias e Festividades
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida, Suas Danças e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
Entrada para a Cidade das Areias de Dunhuang, China
Cidades
Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Cabine lotada
Cultura
Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. O imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Em Viagem
Chefchouen a Merzouga, Marrocos

Marrocos de Cima a Baixo

Das ruelas anis de Chefchaouen às primeiras dunas do Saara revelam-se, em Marrocos, os contrastes bem marcados das primeiras terras africanas, como sempre encarou a Ibéria este vasto reino magrebino.
Étnico
Gizo, Ilhas Salomão

Gala dos Pequenos Cantores de Saeraghi

Em Gizo, ainda são bem visíveis os estragos provocados pelo tsunami que assolou as ilhas Salomão. No litoral de Saeraghi, a felicidade balnear das crianças contrasta com a sua herança de desolação.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Sensações vs Impressões

muralha da fortaleza de Novgorod e da Catedral Ortodoxa de Santa Sofia, Rússia
História
Novgorod, Rússia

A Avó Viking da Mãe Rússia

Durante quase todo o século que passou, as autoridades da U.R.S.S. omitiram parte das origens do povo russo. Mas a história não deixa lugar para dúvidas. Muito antes da ascensão e supremacia dos czares e dos sovietes, os primeiros colonos escandinavos fundaram, em Novgorod, a sua poderosa nação.
Efate, Vanuatu, transbordo para o "Congoola/Lady of the Seas"
Ilhas
Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Sombra vs Luz
Literatura
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Maori haka, Waitangi Treaty Grounds, Nova Zelândia
Natureza
Bay of Islands, Nova Zelândia

O Âmago Civilizacional da Nova Zelândia

Waitangi é o lugar chave da Independência e da já longa coexistência dos nativos maori com os colonos britânicos. Na Bay of Islands em redor, celebra-se a beleza idílico-marinha dos antípodas neozelandeses mas também a complexa e fascinante nação kiwi.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Parques Naturais
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Barco no rio Amarelo, Gansu, China
Património Mundial UNESCO
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Soufrière e Pitons, Saint Luci
Praias
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Buda Vairocana, templo Todai ji, Nara, Japão
Religião
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Substituição de lâmpadas, Hidroelétrica de Itaipu watt, Brasil, Paraguai
Sociedade
Hidroeléctrica Binacional de Itaipu, Brasil

HidroElétrica Binacional do Itaipu: a Febre do Watt

Em 1974, milhares de brasileiros e paraguaios confluíram para a zona de construção da então maior barragem do Mundo. 30 anos após a conclusão, Itaipu gera 90% da energia paraguaia e 20% da do Brasil.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Vida Selvagem
Fazenda São João, Miranda, Brasil

Pantanal com o Paraguai à Vista

Quando a fazenda Passo do Lontra decidiu expandir o seu ecoturismo, recrutou a outra fazenda da família, a São João. Mais afastada do rio Miranda, esta outra propriedade revela um Pantanal remoto, na iminência do Paraguai. Do país e do rio homónimo.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
EN FR PT ES