Île Felicité e Île Curieuse, Seychelles

De Leprosaria a Lar de Tartarugas Gigantes


Snorkeling Apertado
Casa na Selva
A Felicidade do Snorkeling I
ile-curieuse-seychelles-board
Índico Turquesa
Ave Pouco Camuflada
A Felicidade do Snorkeling II
Outro Trilho
tartarugas de Aldabra II
Ao Largo
Pesca do Dia
Varanda do Doutor
Tripulação Mason’s
Doctor House
O Abrigo mais à Mão
O Manguezal
Monumental Granito Tropical
Casal na Doctor House
Casa do Doutor
Provocação
A meio do século XVIII, continuava inabitada e ignorada pelos europeus. A expedição francesa do navio “La Curieuse” revelou-a e inspirou-lhe o baptismo. Os britânicos mantiveram-na uma colónia de leprosos até 1968. Hoje, a Île Curieuse acolhe centenas de tartarugas de Aldabra, o mais longevo animal terrestre.

Por fim, cumprido um périplo aturado de recolha de passageiros, chegamos à doca prevista.

Embarcamos num catamarã de grandes dimensões e instalamo-nos receptivos ao sol tropical, ainda matinal.

Pouco depois, sobre um oceano Índico tranquilo e translúcido, confirmamos que o dia se desenrolaria bem mais prazeroso do que tinha começado.

O “Catalina” – assim se chamava o veleiro – ruma a leste e a Felicité, uma ilha com os seus dois terços sul ocupados pelo Parque Nacional Ramos.

É outra das áreas em que as autoridades protegem ecossistemas únicos das Seychelles.

Atracamos ao largo da costa norte.

Por ali, inauguramos o snorkeling do dia, num mar turquesa, com vista para a típica combinação de coqueiros e blocos anfíbios de granito característicos do arquipélago.

A fauna subaquática depressa se revela, abundante e garrida.

Como é apanágio destas incursões turísticas dos trópicos, em três tempos, a tripulação pesca os peixes necessários ao almoço de daí a pouco.

Reembarcamos revigorados pela Felicité.

Da Île Felicité à Île Cocos, em Modo de Snorkeling

A escala que se seguia estava à vista.

Tratava-se da Île Cocos, parte de outro parque nacional que integrava duas ilhas vizinhas do mesmo arquipélago diminuto, com os seus rochedos e vegetação destacados de um mar ainda mais cristalino, habitat da ameaçada de extinção tartaruga-de-pente.

Repetimos a fórmula.

Entretemo-nos a perseguir cardumes apreensivos e espécimes que, ora surgiam, ora sumiam, na amálgama coralífera que os acolhia.

A Passagem Pioneira de Vasco da Gama e o Alheamento de Portugal

De novo a bordo, enquanto recuperamos o fôlego e secamos as peles a ficarem tostadas, abordamos um vector histórico que intriga e para sempre intrigará qualquer português à descoberta das Seychelles:

o facto de Vasco da Gama por lá ter passado, em 1503, no regresso da sua segunda viagem à Índia, numa rota menos habitual.

E de as ter provavelmente baptizado de Ilhas do Almirante.

E o outro facto as ter desprezado, em temos coloniais, mais preocupado com atingir, em segurança, primeiro a Ilha de Moçambique e, no culminar de nova longa e aventurosa epopeia, Lisboa.

Este e futuros alheamentos, abriram portas à posterior ocupação e reclamação dos rivais franceses.

Rumamos a ocidente, apontados a norte de Praslin, a segunda maior ilha das Seychelles.

Desembarque na Île Curieuse e as suas Tartarugas Gigantes

Ancoramos numa tal de baía Laraie, de onde passamos para terra.

Além de um recife coralífero e de um areal alvo derivado da sua erosão, damos com a praia de Anse Papaie, porta de entrada para um complexo conquistado à floresta, em função de outra das atracções incontornáveis das Seychelles, as suas tartarugas gigantes.

Lá as encontramos, arrastando-se e à sua incrível antiguidade.

À chegada dos forasteiros, um par de tratadores encarregam-se de lhes oferecer os seus petiscos vegetais preferidos e de, assim, as activarem.

Favorecidos pela lentidão das criaturas, uns poucos visitantes recolhem pedaços de sobra.

Expõe-nos.

Conseguem movimentações e esticares de pescoços algo extraterrestres e, com o devido desconto, competitivos.

Tartarugas de Aldabra: do Perigo de Extinção à Disseminação pelo Índico

A partir do momento em que os descobridores europeus trespassaram os seus domínios perdidos no Índico, a Tartaruga de Aldabra ficou à mercê do Homem.

Nas vigências coloniais francesa e britânica, foram abatidas às centenas, para satisfazerem necessidades alimentares e em função das suas volumosas carapaças.

Este abate sistematizado provou-se ainda mais danoso por se tratar de uma espécie com o seu quê de especial.

A Tartaruga de Aldabra é a maior à face da Terra. Pode atingir mais de 1.20 metros e até 300kg.

Um seu espécime baptizado como Jonathan e que subsiste na ilha de Santa Helena onde habita a residência do governador, nasceu em 1832.

Com 191 anos, é considerado o animal terrestre conhecido mais idoso da Terra.

Várias das tartarugas gigantes que habitam La Digue, Curieuse e outras ilhas das Seychelles suplantam o século de vida.

Tal longevidade advém do seu particular processo evolutivo, com, pelo menos, 180 milhões de anos passados, em boa parte no período geológico Triássico em que o arquipélago seichelense integrava a compacta Gondwana.

Do Grande Atol de Aldabra para as Restantes Ilhas Seychelles

Como o nome deixa perceber, a Tartaruga de Aldabra é originária do atol homónimo, o maior atol do Mundo, seco, algo inóspito, disputado por mais de 150.000 espécimes contra meros onze ou doze moradores humanos.

Este número de tartarugas perfaz uma superpopulação problemática.

É a principal razão porque os esforços de preservação mundial da espécie têm passado por a transferir para outras ilhas seichelenses, mas não só.

Também as que admirávamos na Curieuse Island tinham provindo de Aldabra.

Partilhavam-na com outros animais nativos. Os caranguejos, em particular, pareciam ter-se habituado a conviver com os grandes répteis vagarosos.

Ao tentarmos fotografar uma tartaruga de perto, reparamos que um deles se enfiava o mais que conseguia entre as patas do réptil e sob a sua cabeça, como que a exigir proteção.

Distraídos por aquela peculiaridade da vida selvagem, perdemos o rasto ao tempo.

O guia dá o que tínhamos para o Santuário das Tartarugas por findo.

Em Busca da Casa do Doutor

O segundo e derradeiro ponto de interesse da Curieuse Island ficava na costa sul.

Distava cerca de 40 minutos, a pé, por um trilho que passava por praia, se metia na floresta e sulcava manguezal.

Ora, pouco depois de o inaugurarmos, cai-nos em cima uma das bátegas vespertinas que irrigam a tropicalidade das Seicheles.

Chegamos encharcados à entrada silvestre da Anse Saint José.

Como aconteceu durante quase um século, a casa local do Doutor provou-se um abrigo providencial.

Para explicarmos o que ali fazia, entre tartarugas, caranguejos e restante fauna e flora, urge avançarmos na história do arquipélago.

Tinham decorrido 266 anos após o avistamento de Vasco da Gama.

A Disputa das Seychelles entre Franceses e Britânicos

Como descrevemos, os franceses interessaram-se pelas Seychelles. Instalaram-se de armas e bagagens, de povoações, fortalezas e plantações.

Em 1768, incumbiram uma tripulação de reconhecer e mapear as mais de cem ilhas que compunham o arquipélago.

O propósito superior era, na realidade, garantir a soberania francesa, numa era colonial em que os Britânicos se afirmavam os principais inimigos.

Liderava a expedição Marion Dufresne, um navegador e explorador, a bordo de uma escuna denominada “La Curieuse”.

A principal descoberta na ilha, pelo menos para os franceses, terá sido a origem seichelense dos cocos-do-mar, tipos de coco que marinheiros de diversas nacionalidades encontravam a flutuar no oceano.

Diz-se que sobretudo em redor das Maldivas e Sumatra, para onde as correntes arrastavam os caídos ao mar.

ilha de Praslin, cocos do mar, Seychelles

Exemplares de cocos-do-mar expostos na reserva natural Vallée de Mai, onde as palmeiras que os geram continuam a crescer.

Durante um hiato considerável após o estudo de Marion Dufresne, a Curieuse Island manteve-se inabitada e selvagem.

Em 1811, os Britânicos apoderaram-se das Seychelles.

Os Raros Cocos-do-Mar e a Conversão da Ilha em Leprosaria

Mais tarde, a administração britânica de Victoria deparou-se com a disseminação da lepra entre os colonos. Viu-se forçada a isolar os leprosos.

À época, existiam já leprosarias, pelo menos, em Diego Garcia – hoje, lugar de uma controversa base militar britânica cedida aos Estados Unidos – e em Providence. Curieuse revelou-se um caso à parte.

Reza a história que George Harrison, um Agente Civil, valorizava sobremaneira os míticos cocos-do-mar, exclusivos das Seychelles.

Ora, ocorreu-lhe que tornar a ilha uma leprosaria os protegeria de intrusos.

Harrison implementou o plano.

De 1883 em diante, Curieuse recebeu edifícios, parte, dedicados a acolher os leprosos; os restantes, os funcionários e trabalhadores.

A leprosaria seichelense mudou para outras ilhas em diversas ocasiões.

Curieuse voltou a acolher os leprosos em 1938 e até 1968. Nesse ano, os pacientes foram enviados para serem cuidados pelas famílias.

Em Curieuse, subsiste a arejada “Doctor’s House”, erguida em 1873, em madeira, para um médico recém-assignado.

É um dos monumentos nacionais das Seychelles.

Menos antigo que boa parte das tartarugas gigantes do arquipélago.

La Digue, Seicheles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.
Mahé, Seychelles

A Ilha Grande das Pequenas Seychelles

Mahé é maior das ilhas do país mais diminuto de África. Alberga a capital da nação e quase todos os seichelenses. Mas não só. Na sua relativa pequenez, oculta um mundo tropical deslumbrante, feito de selva montanhosa que se funde com o Índico em enseadas de todos os tons de mar.

Praslin, Seychelles

 

O Éden dos Enigmáticos Cocos-do-Mar

Durante séculos, os marinheiros árabes e europeus acreditaram que a maior semente do mundo, que encontravam nos litorais do Índico com forma de quadris voluptuosos de mulher, provinha de uma árvore mítica no fundo dos oceanos.  A ilha sensual que sempre os gerou deixou-nos extasiados.
Victoria, Mahé, Seychelles

De "Estabelecimento" Francófono à Capital Crioula das Seychelles

Os franceses povoaram o seu “L’Établissement” com colonos europeus, africanos e indianos. Dois séculos depois, os rivais britânicos tomaram-lhes o arquipélago e rebaptizaram a cidade em honra da sua rainha Victoria. Quando a visitamos, a capital das Seychelles mantém-se tão multiétnica como diminuta.
Morondava, Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.
Maurícias

Uma Míni Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.
Maldivas

Cruzeiro pelas Maldivas, entre Ilhas e Atóis

Trazido de Fiji para navegar nas Maldivas, o Princess Yasawa adaptou-se bem aos novos mares. Por norma, bastam um ou dois dias de itinerário, para a genuinidade e o deleite da vida a bordo virem à tona.
Malé, Maldivas

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, Malé, a capital das Maldivas, pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano  genuíno que as brochuras turísticas omitem.
Zanzibar, Tanzânia

As Ilhas Africanas das Especiarias

Vasco da Gama abriu o Índico ao império luso. No século XVIII, o arquipélago de Zanzibar tornou-se o maior produtor de cravinho e as especiarias disponíveis diversificaram-se, tal como os povos que as disputaram.
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
PN Yala-Ella-Kandy, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Safari
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Cabana de Bay Watch, Miami beach, praia, Florida, Estados Unidos,
Arquitectura & Design
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É parco para o número de almas que a desejam.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Cerimónias e Festividades
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Rua de São Pedro Atacama, Chile
Cidades
San Pedro de Atacama, Chile

São Pedro de Atacama: a Vida em Adobe no Mais Árido dos Desertos

Os conquistadores espanhóis tinham partido e o comboio desviou as caravanas de gado e nitrato. San Pedro recuperava a paz mas uma horda de forasteiros à descoberta da América do Sul invadiu o pueblo.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Parada e Pompa
Cultura
São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Bark Europa, Canal Beagle, Evolucao, Darwin, Ushuaia na Terra do fogo
Em Viagem
Canal Beagle, Argentina

Darwin e o Canal Beagle: no Rumo da Evolução

Em 1833, Charles Darwin navegou a bordo do "Beagle" pelos canais da Terra do Fogo. A sua passagem por estes confins meridionais moldou a teoria revolucionária que formulou da Terra e das suas espécies
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Étnico
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

O Terreno e o Celestial

Colonia del Sacramento, Uruguai
História
Colónia do Sacramento, Uruguai

Colónia do Sacramento: o Legado Uruguaio de um Vaivém Histórico

A fundação de Colónia do Sacramento pelos portugueses gerou conflitos recorrentes com os rivais hispânicos. Até 1828, esta praça fortificada, hoje sedativa, mudou de lado vezes sem conta.
Caldeirão da Ilha do Corvo, Açores,
Ilhas
Corvo, Açores

O Abrigo Atlântico Inverosímil da Ilha do Corvo

17 km2 de vulcão afundado numa caldeira verdejante. Uma povoação solitária assente numa fajã. Quatrocentas e trinta almas aconchegadas pela pequenez da sua terra e pelo vislumbre da vizinha Flores. Bem-vindo à mais destemida das ilhas açorianas.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Eternal Spring Shrine
Natureza

Garganta de Taroko, Taiwan

Nas Profundezas de Taiwan

Em 1956, taiwaneses cépticos duvidavam que os 20km iniciais da Central Cross-Island Hwy fossem possíveis. O desfiladeiro de mármore que a desafiou é, hoje, o cenário natural mais notável da Formosa.

Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Camiguin, Filipinas, manguezal de Katungan.
Parques Naturais
Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Património Mundial UNESCO
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Pescador manobra barco junto à Praia de Bonete, Ilhabela, Brasil
Praias
Ilhabela, Brasil

Em Ilhabela, a Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das dez melhores praias do Brasil.
Pemba, Moçambique, Capital de Cabo Delgado, de Porto Amélia a Porto de Abrigo, Paquitequete
Religião
Pemba, Moçambique

De Porto Amélia ao Porto de Abrigo de Moçambique

Em Julho de 2017, visitámos Pemba. Dois meses depois, deu-se o primeiro ataque a Mocímboa da Praia. Nem então nos atrevemos a imaginar que a capital tropical e solarenga de Cabo Delgado se tornaria a salvação de milhares de moçambicanos em fuga de um jihadismo aterrorizador.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre Carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
San Cristobal de Las Casas, Chiapas, Zapatismo, México, Catedral San Nicolau
Sociedade
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Vida Selvagem
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.