Mahé, Seychelles

A Ilha Grande das Pequenas Seychelles


Desbloqueio
Cantoneiro corta uma enorme árvore que caiu sobre uma estrada e interrompeu o trânsito.
Casario de Mahé
Casario da maior das ilhas das Seychelles empoleirado nas encostas verdejantes de Mahé.
Foto-cascata
Casal fotografa-se nas quedas d'águas de Port Glaud.
Port Launay
Enseada luxuriante do Parque Marinho de Port Launay.
Família
Família seychellense conversa com os pés sobre um areal do arquipélago.
Ile-au-Cerf
Umas das várias ilhas tropicais ao largo da ilha-mãe de Mahé.
Ilhéu Só
Um ilhéu perdido num dos recifes de coral que envolvem Mahé.
Recife Exuberante
Cores e padrões dos corais e baixios de areia ao largo de Mahé.
Ocaso em Launay
Pôr-do-sol incendeia o céu a ocidente da enseada de Port Launay.
Tartarugas Gigantes
Espécimes conflituosos das grandes tartarugas das Seychelles.
Parque Marinho Port Launay
A enseada profunda e luxuriante de Port Launay.
Amigos da Praia
Banhistas caminham numa praia tropical, quase equatorial de Mahé.
Fim da Praia
Adolescentes de Mahé deixam uma areal inclinado da ilha.
Conversa balnear
Amigas conversam na água tépida de Port Launay.
Praia (quase) Privada
Banhista solitária numa praia divinal de Mahé.
Oceano Índico
Barcos salpicam o oceano Índico azulão ao largo de Mahé.
Salto do Riacho
A Ilha Mahé
Parte da grande ilha de Mahé, a maior das Seychelles.
Leia e as Tartarugas
Visitante do Leste europeu conversa com uma tartaruga gigante do Jardin du Roi.
Guia Camuflado
Guia Danny, camuflado na vegetação que envolve a Missão de Venns Town.
Mahé é maior das ilhas do país mais diminuto de África. Alberga a capital da nação e quase todos os seichelenses. Mas não só. Na sua relativa pequenez, oculta um mundo tropical deslumbrante, feito de selva montanhosa que se funde com o Índico em enseadas de todos os tons de mar.

Retém-nos um inesperado cataclismo vegetal. Seguíamos a caminho das cascatas de Port Glaud quando nos deparamos com uma fila de trânsito que se alongava pelos meandros da estrada.

Danny, irmão do motorista Teddy que era suposto conduzir-nos pragueja. “Mas que raio é isto? Engarrafamento no meio da selva das Seychelles? Esta é nova. Bom, vou ver que se passa.”

Danny substituía Teddy. À última hora, Teddy viu-se destacado para servir as comitivas de uma partida de futebol entre as Seychelles e a Etiópia.

Os trabalhos estavam para demorar. Umas centenas de metros para diante, jovens cantoneiros talhavam uma árvore que o vento da madrugada fizera colapsar.

O homem da motosserra cortava-a onde um revestimento denso de musgo dava lugar ao que parecia um novo tronco. Outros trabalhadores, colocavam toros sob a secção que obstruía o asfalto.

Mahé Ilhas das Seychelles, árvore estradaBásica, mas ecológica e funcional, a solução permitiu-lhes empurrar o empecilho para a berma em menos de meia-hora.

Danny louva a eficiência dos compatriotas. Nuns meros minutos, alcançamos o trilho para a ribeira de L’Isletta.

Noutros mais, damos com a lagoa, perdida numa floresta tropical cerrada pejada de palmeiras baixas e abastecida pelo riacho que nela se despenha por uma sequência de rampas e socalcos rochosos.

Um grupo de expatriados aventurava-se em saltos destemidos. Nessa altura, já conscientes de que Mahé era bem maior do que supúnhamos, abdicamos do direito ao nosso banho.

Mahé Ilhas das Seychelles, Cascatas Por Glaud

Venns Town: a Missão na Génese da Liberdade e Identidade das Seychelles

Em vez, internamo-nos em Morne Seychelles.

Este parque nacional vasto ocupa um quinto da ilha, incluindo o pico homónimo que, com 905 metros, constitui o zénite de Mahé e gera boa parte da pluviosidade que faz a ilha luxuriante.

Mahé Ilhas das Seychelles, Ilha Mahé

Não tarda, chegamos ao sopé sul do monte.

É lá, a uma altitude de 450m, que encontramos as ruínas de Venn’s Town, um dos pontos incontornáveis da história colonial das Seychelles que só obteve a sua independência, da Grã-Bretanha, em 1976.

As paredes e outras estruturas que ali subsistem são um testemunho sólido dos tempos da Missão.

Assim ficou conhecido um internato fundado por um reverendo da Church Missionary Society of London.

Teve como propósito de cuidar e de educar os filhos dos escravos que serviam as plantações do arquipélago a quem, numa fase de abolicionismo, a Marinha Britânica concedia liberdade.

Mahé Ilhas das Seychelles, famíliaNo seu apogeu, entre 1876 e 1889, Venn’s Town ocupou 50 acres da encosta de Sans Souci. Destes, uma boa parte foi dedicada ao cultivo de baunilha e de cacau.

Acolhiam e serviam as crianças, seus tutores e trabalhadores, dois grandes dormitórios, lavabos, cozinhas, uma oficina, um armazém, uma vivenda habitada pelo director da Missão e sua família. Ainda a morada final de todos, o cemitério local.

Com o passar dos anos, a selva engoliu o complexo e as estruturas ruíram. Ainda assim, em 1984, o governo das Seychelles reconheceu a importância do lugar e declarou-o Monumento Nacional.

Afinal, após séculos de opressão dos africanos escravizados, os seus descendentes protagonizaram uma nova fase de liberdade e de direitos humanos. Também formaram o tecido social e a matriz económica da nação seychellense.

Mahé Ilhas das Seychelles, praia privada

Danny não sabe ao certo se a história da sua família por ali passou. Fosse como fosse, ultrapassa a timidez e acede a que lá o fotografemos na sua t-shirt com padrão camuflado.

Pousa, meio sem jeito, meio dissimulado na floresta prodigiosa envolvente, repleta de plantas e animais mais que endémicos, únicos, caso do Sooglosus, o sapo mais pequeno do mundo com 10 a 40 milímetros.

Morne Seychelles: Parque Nacional Vasto e Tecto de Mahé

Do miradouro da Missão, admiramos o domínio do sapo e do PN Morne Seychelles, estendido por sucessivos outeiros frondosos, com vista até uma península que sulca o oceano Índico ciano em redor.

Mahé Ilhas das Seychelles, ilhéuDa Missão e da província de Port Glaud, mudamo-nos para a de Bel Air. Logo, para a São Luís e, por fim, para a de Beau Vallon. Esta última, tem limite na grande baía e praia homónima, uma das mais amplas de Mahé, popular a condizer.

Quando o percorremos, Beau Vallon atraía, sobretudo, famílias da capital Victória. Acolhia dezenas de piqueniques, churrascos e distintos momentos e eventos seychellenses de evasão.

Suscitou em nós a suspeição de que outros litorais da ilha se provariam mais fascinantes. Pelo que prosseguimos à descoberta, pela estrada marginal de Bel Ombre.

Nas imediações, Danny revela-nos uma beira-mar lamacenta e pedregosa. Começamos por torcer o nariz.

O Clã Cruise-Wilkins e o Tesouro do Pirata Olivier Levasseur, La Buse

Até que o guia nos explica que ali se concentravam escavações conduzidas durante vinte e sete anos por Reginald Herbert Cruise-Wilkins, até à sua morte em 1977, e, depois, pelo seu filho, John.

Reginald conquistou nas Seychelles – e legou ao filho – o cognome de Treasure Man. Como acontece, amiúde, no que diz respeito à era das descobertas, dos navegadores e dos piratas, a demanda a que ambos se entregaram, tem uma génese portuguesa.

Em 1721, o famoso corsário francês Olivier Levasseur, mais conhecido por La Buse (abutre), devido ao olfacto que tinha para encontrar e despedaçar outras embarcações e tripulações, detectou o galeão português “Nossa Senhora do Cabo” no porto da ilha Bourbon (hoje, Reunião), disfarçado com uma Union Flag.

La Buse atacou-o com 250 homens e assassinou a tripulação. Quando examinou o porão, deparou-se com uma fortuna inquantificável em barras de ouro e prata, pedras preciosas, moedas, artefactos religiosos argentos e outros.

Concretizado o saque, os corsários retiraram. A Marinha Britânica seguiu-os. Já no seu covil de Madagáscar, dividiram o lote. La Buse conservou o quinhão principal e partiu para parte incerta.

Mahé Ilhas das Seychelles,As Escavações Aturadas e Infrutíferas dos Cruise-Wilkins

Reginald Cruise-Wilkins estava quase certo que o corsário gaulês enterrou o seu tesouro numa gruta ali situada, entretanto, colapsada pelo mar. Após os seus homens fecharem o buraco, executou-os.

Por essa razão, o paradeiro do tesouro permaneceu desconhecido.

A família Cruise-Wilkins continua a tentar encontrá-lo. Até hoje, em vão. Nós, só vimos lodo, entulho e pequenos muros semi-afundados pela maré.

O Sanctuário Marinho de Port Launay

Com o sol prestes a dar entrada no seu esconderijo de poente, regressamos ao recanto noroeste de Port Glaud em que estávamos alojados, pelo mesmo caminho da vinda.

No fundo dos “esses” sem fim que conduzem à costa ocidental, tomamos a estrada Port Launay.

Às tantas, essa via revela-nos o ziguezaguear da Riviére Cascade.

E o Parque Marinho Port Launay, outra área protegida da ilha, preenchida por manguezal sujeito as marés e por recifes de coral imaculados, casos do da ilha Therese ao largo.

Mahé Ilhas das Seychelles, Port LaunayPara oeste, estendia-se uma península recortada, lugar de algumas das melhores praias do arquipélago, a Anse des Anglais, a Lans Trusalo e outras.

Em ilhas como as Seychelles, é inevitável a pressão das cadeias de resorts sobre áreas paradisíacas. Por aqueles lados de Port Launay, uma delas tinha-se apoderado da Anse des Anglais e da praia de Lans Trusalo.

Também tentou a exclusividade da grande enseada de Port Launay.

Mas a indignação da população seychellense que há muito lá se banhava, fez com que as autoridades a deixassem a salvo.

Port Launay e o Ocaso Exuberante a Ocidente

Quando lá chegamos, com o ocaso iminente, damos com uma celebração balnear exuberante. Soava música de bares e de carros estacionados entre os coqueiros.

Crianças brincavam em cordas e baloiços pendurados das árvores.

Mahé Ilhas das Seychelles, conversa balnear

Grupos de nativos bebiam cerveja e dançavam, alguns até mar adentro. No mar da enseada, outros, tagarelavam massajados pelo vaivém da água tépida.

Por fim, o ocaso assentou e incendiou os céus sobre a desembocadura.

Gerou silhuetas dramáticas dos barcos por ali ancorados e da cruz marinha que os abençoa.

Mahé Ilhas das Seychelles, ocaso em Launay

A Costa Oeste, o Jardin du Roi e as Tartarugas Gigantes das Seychelles

Na manhã seguinte, o mais cedo que conseguimos, dedicamo-nos a descer a costa oeste, com paragens estratégicas para banhos nas baías que mais nos convidavam.

Só desviamos para o interior para uma embaixada ao Jardin du Roi, inspirado no lugar original do século XVIII, que a realeza francesa ali instalou e expandiu com o objectivo de promover o comércio de especiarias entre as suas colónias.

Hoje, mais que as temperilhas, são as tartarugas gigantes e centenárias das Seychelles que ali atraem forasteiros.

Mahé Ilhas das Seychelles, Tartarugas gigantes

A Atracção Secular das Tartarugas Gigantes das Seychelles

Quase todos chegam determinados em conviverem com as criaturas, demasiados, desejosos de se fotografarem a montá-las, como o fez, em 1995, o presidente português de então Mário Soares, com o mesmo à vontade com que, na ilha vizinha de La Digue, se refastelou na cadeira da erótica “Emanuelle”.

Sem o esperarmos, no Jardin du Roi, assistimos a uma cena digna de outra famosa saga.

Uma visitante russa, com cabelo de Leia mas metida em trajes de ganga bem mais ínfimos que os da princesa seduz uma tartaruga com uma qualquer fruta recém-colhida.

Assim que nos vê afastar do recinto, grita ao companheiro. Como planeado, este, fotografa-a instalada sobre a carapaça secular do animal.

As tartarugas gigantes da ilha já passaram por muito pior. Como passaram Mahé, Praslin, La Digue e as restantes Seychelles que as acolhem.

São a menor nação de África e uma das mais desejadas do continente.

La Digue, Seicheles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.
Praslin, Seichelles

O Éden dos Enigmáticos Cocos-do-Mar

Durante séculos, os marinheiros árabes e europeus acreditaram que a maior semente do mundo, que encontravam nos litorais do Índico com forma de quadris voluptuosos de mulher, provinha de uma árvore mítica no fundo dos oceanos.  A ilha sensual que sempre os gerou deixou-nos extasiados.
Maldivas

Cruzeiro pelas Maldivas, entre Ilhas e Atóis

Trazido de Fiji para navegar nas Maldivas, o Princess Yasawa adaptou-se bem aos novos mares. Por norma, bastam um ou dois dias de itinerário, para a genuinidade e o deleite da vida a bordo virem à tona.
Malé, Maldivas

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, Malé, a capital das Maldivas, pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano  genuíno que as brochuras turísticas omitem.
Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Maurícias

Uma Míni Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Morondava, Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Zanzibar, Tanzânia

As Ilhas Africanas das Especiarias

Vasco da Gama abriu o Índico ao império luso. No século XVIII, o arquipélago de Zanzibar tornou-se o maior produtor de cravinho e as especiarias disponíveis diversificaram-se, tal como os povos que as disputaram.
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Arquitectura & Design
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
cavaleiros do divino, fe no divino espirito santo, Pirenopolis, Brasil
Cerimónias e Festividades
Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Cidades
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Tombola, bingo de rua-Campeche, Mexico
Cultura
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Bark Europa, Canal Beagle, Evolucao, Darwin, Ushuaia na Terra do fogo
Em Viagem
Canal Beagle, Argentina

Darwin e o Canal Beagle: no Rumo da Evolução

Em 1833, Charles Darwin navegou a bordo do "Beagle" pelos canais da Terra do Fogo. A sua passagem por estes confins meridionais moldou a teoria revolucionária que formulou da Terra e das suas espécies
Centro Cultural Jean Marie Tjibaou, Nova Caledonia, Grande Calhau, Pacifico do Sul
Étnico
Grande Terre, Nova Caledónia

O Grande Calhau do Pacífico do Sul

James Cook baptizou assim a longínqua Nova Caledónia porque o fez lembrar a Escócia do seu pai, já os colonos franceses foram menos românticos. Prendados com uma das maiores reservas de níquel do mundo, chamaram Le Caillou à ilha-mãe do arquipélago. Nem a sua mineração obsta a que seja um dos mais deslumbrantes retalhos de Terra da Oceânia.
luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
hué, cidade comunista, Vietname Imperial, Comunismo Imperial
História
Hué, Vietname

A Herança Vermelha do Vietname Imperial

Sofreu as piores agruras da Guerra do Vietname e foi desprezada pelos vietcong devido ao passado feudal. As bandeiras nacional-comunistas esvoaçam sobre as suas muralhas mas Hué recupera o esplendor.
Buraco Azul, ilha de Gozo, Malta
Ilhas
Gozo, Malta

Dias Mediterrânicos de Puro Gozo

A ilha de Gozo tem um terço do tamanho de Malta mas apenas trinta dos trezentos mil habitantes da pequena nação. Em duo com o recreio balnear de Comino, abriga uma versão mais terra-a-terra e serena da sempre peculiar vida maltesa.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Pescador manobra barco junto à Praia de Bonete, Ilhabela, Brasil
Natureza
Ilhabela, Brasil

Em Ilhabela, a Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das dez melhores praias do Brasil.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Ilha do Norte, Nova Zelândia, Maori, Tempo de surf
Património Mundial UNESCO
Ilha do Norte, Nova Zelândia

Viagem pelo Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Cabana de Bay Watch, Miami beach, praia, Florida, Estados Unidos,
Praias
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.
Detalhe do templo de Kamakhya, em Guwahati, Assam, Índia
Religião
Guwahati, India

A Cidade que Venera Kamakhya e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sociedade
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
manada, febre aftosa, carne fraca, colonia pellegrini, argentina
Vida Quotidiana
Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Vida Selvagem
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.