PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas


De olho na Selva
Guia Luis torres tenta avistar animais nas árvores em redor de um dos canais do PN Tortuguero.
Espanto Símio II
Macaco-aranha observa visitantes humanos do cimo de um coqueiro.
Lagarto Jesus Cristo
Espécime de lagarto basilisco, verde como é usual no "lado caribenho" da Costa Rica, por oposição aos castanhos do "lado do Pacífico".
Manobra
Barco prestes a atracar na margem do canal de Tortuguero mais próximo do Mar das Caraíbas.
Tarde Dourada
Casal sob o alpendre de sua casa, na aldeia de Tortuguero.
Iguana indolente
Iguana sobre uma árvore do Laguna Lodge, Tortuguero.
Convívio à beira d’água
Amigos convivem numa casa à beira do canal de Tortuguero.
Anhinga Anhinga
Anhinga Anhinga atenta ao movimento dos peixes à tona de um dos canais do PN Tortuguero.
Banho arriscado
Um morador banha-se na Lagoa Penitência de Tortuguero.
Navegação de Canal
Barco percorre um canal espelhado do PN Tortuguero.
Espanto Símio
Macaco-uivador espantado com a inesperada proximidade de humanos.
Grande Pescaria
Don Emílio e seus filhos regressam de mais uma pescaria na boa do rio Tortuguero, com grandes robalos.
Caimãozito
Caimão repousa num bercário repleto de seus irmãos no Caño Harold do PN Tortuguero.
Tortuguero
O sol assenta no horizonte e doura a costa caribenha de Tortuguero, no litoral nordeste da Costa Rica.
Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.

continuação de  A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

Cumprimos a entrada no Parque Nacional Tortuguero pela intersecção fluvial caprichosa estabelecida pela Isla de Cuatro Esquinas.

Como aconteceria em qualquer via rodoviária, a determinada altura, uma placa sinalizadora, neste caso, com letras amarelas sobre um fundo negro, subsumida num recanto repleto de vegetação, indica as possíveis direcções da navegação.

Não que Chito e Luís Torres, nativos, peritos naquelas paragens, alguma vez precisassem de indicações.

Guia, PN Tortuguero, Costa Rica

Guia Luis torres tenta avistar animais nas árvores em redor de um dos canais do PN Tortuguero.

De acordo, o duo segue Caño Água Fria acima. Água Fria porque, assim nos explica Luís, é feito de água de rio que, ao contrário da de outros leitos próximos, chega directa das montanhas com um tom mais escuro. O canal Água Fria flui repleto de nutrientes.

A Frescura da Fauna e Flora do Caño Água Fria

Alimenta a flora viçosa envolvente, habitat da panóplia de criaturas que continuávamos a avistar, sobretudo aves e répteis. Passamos por íbis negros e por anhingas que os locais chamam de pianos, devido à espécie de teclado que as suas asas negras e brancas aparentam formar.

Encontramos iguanas e lagartos basiliscos, também conhecidos de Jesus Cristos, devido à mestria que exibem em caminhar sobre as águas.

PN Tortuguero, Costa Rica

Espécime de lagarto basilisco, verde como é usual no “lado caribenho” da Costa Rica, por oposição aos castanhos do “lado do Pacífico”.

Cruzamo-nos com tucanos, garças azuis e brancas e com famílias de jaçanãs.

Não chegasse a longa lista de nomes que ostenta no Brasil e restante América do Sul, na Costa Rica, as fêmeas desta espécie são tratadas por malas madres.

Entusiasmado pelas peculiaridades de Tortuguero, Luís Torres, esclarece-nos: “é que a progenitora põe os ovos e, assim e sempre que pode, vai passear e deixa as crias ao cuidado do macho. Reparem que até estão dois machos de volta das crias mas o pai é o que as crias não hesitam em seguir.”

Palmeiras excêntricas brotam de verdadeiras paredes de trepadeiras sufocantes, na base das árvores a sério desta floresta tropical feita Pantanal.

Sobre os ramos mais elevados, pica-paus aperfeiçoam perfurações tresloucadas.

Macacos-uivadores disseminam os seus uivos dramáticos pela selva e, desconfiados, acompanham a passagem dos forasteiros embarcados.

Macaco-uivador, PN Tortuguero, Costa Rica

Macaco-uivador espantado com a inesperada proximidade de humanos.

Aqui e ali, o Tortuguero estreita. Obriga Luís a subir à proa e a verificar se a sua profundidade e suavidade de corrente nos permite continuarmos a subir.

Numa dessas verificações, o guia e o capitão decidem que deveríamos dar meia-volta.

Isla de Cuatro Esquinas, o Entroncamento Fulcral dos Caños do PN Tortuguero

Quando nos reaproximamos da Isla de Cuatro Esquinas, cruzamo-nos com um visitante solitário que pagaia sobre um caiaque, contra o fluxo do caudal, ainda assim, à vontade para nos saudar sem retroceder uma dezena de metros.

Outra placa sinalizadora da Isla de Cuatro Esquinas indica-nos a direcção de três caños vizinhos, o de Harold, o Chiquero, o Mora.

Placa de direcções, PN Tortuguero, Costa Rica

Placa escondida pela vegetação, junto à Isla Cuatro Esquinas, indica várias indicações.

Na manhã seguinte, percorreríamos também o de Palma.

Encontramo-lo como um espelho perfeito, de tão escura e imóvel se mantinha a sua água, ladeada por uma selva ainda mais apertada e, a espaços, percorrido pelos barcos públicos que asseguram a ligação entre La Pavona e as principais povoações de Tortuguero.

Embarcação no Caño Palma, PN Tortuguero, Costa Rica

Barco percorre o Caño de Palma, um de vários de Tortuguero.

No tempo que decorrera, na brincadeira, chateámos Luís com o não podermos voltar ao lodge sem fotografarmos as espécies estrela que nos faltavam: um jaguar, uma boa, crocodilos.

Luís, responde com a paciência de muitos anos como guia e humor que nos faz rir a todos. “De certeza que não querem compor melhor essa lista? Bom, vamos procurar uns caimões que, esses sim, temos a obrigação de vos mostrar.”

Percorridas apenas umas centenas de metros sinuosas num dos caños sinalizados, chegamos a uma ramificação sem saída.

Ali, numa densa floresta anfíbia, Luís Torres indica-nos um berçário de caimões, com doze ou treze caimõezinhos emersos, a aquecerem apoiados na folhagem.

Caimão juvenil, PN Tortuguero, Costa Rica

Caimão repousa num bercário repleto de seus irmãos no Caño Harold do PN Tortuguero.

De regresso ao canal principal, Chito detecta uma tartaruga de rio, camuflada contra vegetação de tons condizentes. Não pertencia à espécie marinha que desova em números impressionantes nos areais negros das Caraíbas.

Essas, a seu tempo, haveríamos de as admirar.

Regresso Estratégico ao Laguna Lodge

E, por falar em tempo, estávamos há quatro horas embarcados, à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. De acordo, Luís Torres decretou um já premente regresso ao lodge para almoço e merecido descanso.

Em vez do repouso, resolvemos deambular pelas terras ajardinadas e florestadas do Laguna Lodge. O casal de iguanas nosso vizinho, dormitava no cimo da sua árvore.

Iguana em repouso, PN Tortuguero, Costa Rica

Iguana sobre uma árvore do Laguna Lodge, Tortuguero.

Na frente marinha, nem sinal de animais sobre o areal. Acabamos por perseguir, num modo o mais furtivo possível, um bando de araras que debatiam, estridentes, um qualquer tema do dia.

Até que chegam às 2h30 da tarde. A hora do reencontro com Luís e Chito.

E de nova incursão nos canais de Tortuguero.

Navegação pela Laguna Penitência, PN Tortuguero, Costa Rica

Capitão Chito ao leme de um barco, ao largo de São Francisco de Tortuguero.

Uma vez mais, apontamos à Isla de Cuatro Esquinas. Contornamo-la rumo a norte, pela Laguna Penitência acima, bem mais aberta que o canal paralelo em que se situa o Laguna Lodge.

De Passagem por São Francisco de Tortuguero

Já com o meandro em gancho oposto ao da Isla Quatro Esquinas à vista, a navegação de Chito desvenda-nos o casario lacustre de San Francisco de Tortuguero, ao som de uma qualquer cúmbia cada vez menos difusa.

Findo o dilúvio, a lagoa quase se apoderara da povoação mas a sua marginal resplandecia de vida.

Sem complexos, uma garça secava as penas ao sol, sobre um telheiro de chapa. Logo ao lado, festivo, um morador banhava-se, nas águas lamacentas em frente a um restaurante bar avarandado.

Luís e Chito não tocam no assunto mas, do que tínhamos apreendido sobre Tortuguero, algo ali não fazia sentido. “Então como é, Luís? Os canais não estão cheios de crocodilos?” perguntamos-lhe.

“Pois, estar, estão mas o que é que querem? Algumas pessoas de cá, às vezes, não têm noção. Dá-me a ideia de que o homem já bebeu mais do que devia.”

Em frente à entrada da Casita del Bosque, a forma do cerro frondoso de Tortuguero impõe-se como nunca.

À “Conquista” do Cerro Tortuguero…

Ancoramos junto à sua base, na extensão norte do Parque Nacional Tortuguero.

Embrenhamo-nos na floresta densa, elevada e alagada em redor do outeiro, por um caminho que serpenteava entre incontáveis raízes, habitada por mosquitos sedentos de sangue.

Trilho para o cimo do Cerro Tortuguero,PN Tortuguero, Costa Rica

Guia Luís Torres percorre o trilho sombrio de acesso ao cimo do Cerro Tortuguero.

E por rãs venenosas oophaga pumilio, de secção superior vermelha e  pernas azuis, a razão porque ostentam o nome anglófono de blue-jeans frog.

O sendero contorna o monte. O miradouro escondido entre árvores no seu cimo revela-nos uma incrível versão panorâmica de Tortuguero, com as linhas do rio homónimo a ondularem desde a base longínqua da Cordilheira Vulcânica Central e replicadas em diversos canais.

PN Tortuguero, Costa Rica

Barco prestes a atracar na margem do canal de Tortuguero mais próximo do Mar das Caraíbas.

Vemo-nos prendados pela brisa oceânica e pelo bónus de dali podermos admirar a foz do rio Tortuguero, o areal negro fechado por uma pequena floresta de coqueiros e o Mar das Caraíbas.

… e a Boca do Rio Tortuguero

Um par de abutres zopilotes esvoaçavam em redor do monte. Com o sol quase a assentar-se a oeste da Cordilheira Vulcânica Central, descemos para a base do monte contrária àquela de que tínhamos ascendido, sobre a Boca do rio, que é como dizer, a sua foz.

Já do lado de lá, apreciamos a azáfama de fim de dia de alguns pescadores intrigados pela atenção que lhes dedicávamos. Quando o escuro se apodera do arrebol, zarpamos de volta ao abrigo do Laguna Lodge.

Tortuguero, Costa Rica

O sol assenta no horizonte e doura a costa caribenha de Tortuguero, no litoral nordeste da Costa Rica.

Era suposto termos uma noite de algum trabalho em computador e, o mais cedo que conseguíssemos, de descanso sagrado.

Uma vez mais, Tortuguero trocou-nos as voltas.

O Berçário virado ao Mar das Caraíbas

Não eram ainda sete horas quando um segurança do lodge nos bate à porta. “O Carlos pediu-me para vos avisar que encontraram tartarugas. Eu levo-vos lá.”

Seguimos-lhe os passos. A luz da sua lanterna ilumina o breu e, às tantas, diversos buracos no areal repletos de pequenos ovos brancos já quebrados pelas tartarugas recém-nascidas.

Observamo-las, desorientadas, devido ao brilho das lanternas, que procuravam em vez do da lua reflectida.

Apesar de alguns desnortes e voltas desnecessárias, a maioria das tartaruguinhas lá chegou à rebentação, venceu o vaivém das vagas e entrou em água mais alta que lhes permitiu nadar.

Uma atrás de outra, vimos dezenas sumirem-se na vastidão marinha do Caribe.

O ciclo de vida da espécie ficou assim renovado. Com ele, o sentido do deslumbrante Tortuguero.

 

Artigo realizado com o apoio de:

JUMBO CAR COSTA RICA

https://en.jumbocar-costarica.com/?utm_source=got2globe

Código JUMBOCOSTARICA:   -10% em todas as reservas, até 31-12-2022

 

LAGUNA LODGE TORTUGUERO

www.lagunatortuguero.com

PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.
Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.
Iriomote, Japão

Iriomote, uma Pequena Amazónia do Japão Tropical

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Thorong Pedi a High Camp, circuito Annapurna, Nepal, caminhante solitário
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 12º: Thorong Phedi a High Camp

O Prelúdio da Travessia Suprema

Este trecho do Circuito Annapurna só dista 1km mas, em menos de duas horas, leva dos 4450m aos 4850m e à entrada do grande desfiladeiro. Dormir no High Camp é uma prova de resistência ao Mal de Montanha que nem todos passam.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
A Crucificação em Helsínquia
Cerimónias e Festividades
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
Teleférico que liga Puerto Plata ao cimo do PN Isabel de Torres
Cidades
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Cultura
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia – Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Composição sobre Nine Arches Bridge, Ella, Sri Lanka
Em Viagem
PN Yala-Ella-Kandy, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
Dunas da ilha de Bazaruto, Moçambique
Étnico
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
, México, cidade da prata e do Ouro, lares sobre túneis
História
Guanajuato, México

A Cidade que Brilha de Todas as Cores

Durante o século XVIII, foi a cidade que mais prata produziu no mundo e uma das mais opulentas do México e da Espanha colonial. Várias das suas minas continuam activas mas a riqueza de Guanuajuato que impressiona está na excentricidade multicolor da sua história e património secular.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Ilhas
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
Verificação da correspondência
Inverno Branco
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Glaciar Meares
Natureza
Prince William Sound, Alasca

Viagem por um Alasca Glacial

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do Alasca. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Parques Naturais
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Selfie, Muralha da china, Badaling, China
Património Mundial UNESCO
Badaling, China

A Invasão Chinesa da Muralha da China

Com a chegada dos dias quentes, hordas de visitantes Han apoderam-se da Muralha da China, a maior estrutura criada pelo homem. Recuam à era das dinastias imperiais e celebram o protagonismo recém-conquistado pela nação.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
Magníficos Dias Atlânticos
Praias
Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.
Religião
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Sociedade
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Vida Selvagem
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
PT EN ES FR DE IT