Caño Negro, Costa Rica

Uma Vida à Pesca entre a Vida Selvagem


Caño Negro aérea
O rio Frio e lagoas circundantes vistos do ar.
Ancoragem à sombra
Guia Rosi num dos barcos usados para tours no rio Frio.
Anhinga Anhinga
Anhinga seca as asas ao sol, numa margem do rio Frio.
“Rey Plateado II”
Pescadores a bordo "Rey Plateado" e abaixo de uma grande palmeira.
Olhar de Ararapa
Um ararapa juvenil atento no cimo duma árvore acima do rio Frio.
Um Túnel Arbóreo
Moradores de Caño Negro percorrem um trilho sombrio que conduz ao molhe de embarque para Caño Negro.
De entrada no Rio Frio
Barco com pescadores prepara-se para entrar no rio Frio.
Garça-Tigre
Garça-tigre de olho na superfície do rio Frio.
Sono de Morcego
Pequenos morcegos dormitam agarrados a uma árvore.
Triunfo das Pescadoras
Duas pescadoras exibem peixes recém pescados no Rio Frio.
Anhinga Anhinga II
Anhinga patrulha o rio Frio em busca de peixes.
Recarga Réptil
Crocodilo reaquece-se após um período de chuva.
Rosi busca Vida Selvagem
Guia Rosi procura animais numa árvore à beira do rio Frio.
Macaco-Aranha
Macaco-aranha acompanha os movimentos dos embarcados cá em baixo.
Trogon Azul
Um trogon azul, uma de muitas aves que habitam Caño Negro.
Duo à Pesca
Dois pescadores junto a um braço do rio Frio.
Pouso de Iguana
Iguana instalada sobre a vegetação densa em volta do rio Frio.
Martim Pescador à Pesca
Um dos vários martim pescador que habitam Caño-Negro.
Rio Frio & Lagoas
Vista aérea do rio Frio e das lagoas que a sua inundação gera durante a época das chuvas.
“Rey Plateado”
Pescadores compenetrados a bordo do "Rey Plateado"
Uma das zonas húmidas mais importantes da Costa Rica e do Mundo, Caño Negro deslumbra pelo seu ecossistema exuberante. Não só. Remota, isolada por rios, pântanos e estradas sofríveis, os seus habitantes encontraram na pesca um meio embarcado de fortalecerem os laços da sua comunidade.

Juntos, percorremos o longo trilho acima das águas, na base de um quase túnel de copas verdejantes, sulcado por inúmeras raízes que irrigam as árvores.

Chegados ao molhe, embarcados, Rosa Arguedas Sequeira, a guia e mulher do leme pergunta-nos: “e agora, querem ir para a esquerda ou para a direita?”. Como Rosi (assim a tratam os demais cañonegrenses) bem sabia, a questão suscitava, pelo menos, uma adicional.

Assim que acabámos de retorquir, tratou de nos esclarecer, com a tranquilidade sorridente que dela ainda retemos. “Bom, para a direita, o rio entra em terras mais abertas e, por isso, é mais fácil avistarmos aves.

Para a esquerda, é sinuoso, estreito e flui entre selva. Para ali, encontramos mais mamíferos e répteis, também algumas aves.

Barco, Caño Negro, Costa Rica

O rio em questão era o Frio. Uns dias mais tarde, haveríamos de nos mudar para o domínio do vulcão Tenório em que nasce.

Por enquanto, explorávamos a parte baixa da sua bacia, ainda a meio caminho da foz inusitada, em que se entrega ao rio San Juan, no ponto exacto em que este se lança do sudoeste do lago Cocibolga, já em terras da Nicarágua, como é também chamado o lago.

Antes de nos fazermos aos incontáveis meandros do Frio, detemo-nos para uma subida estratégica à torre de observação do Caño Negro, a apenas umas centenas de metros do molhe. Subimos os três.

A Revelação Panorâmica de Caño Negro

Do topo, desvendamos a vastidão alagada do humedal que o rio por ali gera, um conjunto de grandes lagoas tom de terra com mais de 8km2, que se destacavam da imensidão verde do norte da Costa Rica.Rosi aproveita o panorama a 360º para nos elucidar melhor.

Já não tanto acerca a geografia do Frio, em vez, sobre o magnetismo que as suas águas espraiadas exercem em centenas de espécies de aves migratórias vindas sobretudo do Norte, algumas delas, em perigo de extinção.

“Vejam que durante a época das chuvas, de Junho a Novembro, tudo o que veem é um grande mar de água doce.

Barco em Caño Negro, Costa Rica

Não se consegue identificar nem o rio nem as distintas lagoas. Depois, a chuva diminui de forma progressiva e o sol da época seca faz evaporar boa parte da água”

Uma Zona Inundada com uma Vida Selvagem Prolífica

A consequência que tínhamos a toda a volta representava um ponto de escala ou de estância providencial para íbis, cegonhas e garças, os intrigantes arapapás, patos com fartura, corvos-marinhos e muitos outros.

Ararapa, Caño Negro, Costa Rica

Criaturas asadas à parte, o rio Frio sempre foi abençoado com uma rara profusão e diversidade de peixes.

Sem surpresa, na ausência de modernidade e de passatempos sofisticados, impossibilitados de se banharem naquele que é habitat de tubarões-touro que sobem o rio a partir do lago Nicarágua, de caimões, crocodilos e dos seus predadores jaguares e pumas, os habitantes da região veneram a pesca.

Crocodilo, Caño Negro, Costa Rica

Voltamos ao solo. Reembarcamos. Prosseguimos para jusante.

Da “recta” de que tínhamos zarpado, o Frio não tarda a submeter-se a um trajecto de sucessivos esses subsumidos na sombra da floresta tropical.

Todo o Pueblo de Caño Negro à Pesca

Daí em diante, deparamo-nos com pequenos barcos com gente a bordo, quase todos de canas de pesca em riste, silenciosos, compenetrados na superfície da água, por essa altura, escura mas ainda assim translúcida.

Pesca no Rio Frio, Caño Negro, Costa Rica

Alguns dos barcos, o “Rey Plateado”, o “El Gaspar”, víamo-los como obras de arte vivas, como estátuas fluviais deslumbrantes, monumentos à família, à amizade e à solidariedade de Caño Negro.

Reconhecíamos uma ou outra face de nativos que nos tinham servido refeições, ou visto a saborear as suas.

Pesca, Caño Negro, Costa Rica

Rosi conhecia-os a todos. Alguns, eram seus familiares. Mesmo tendo em conta que Rosi e o marido habitavam uma casa e propriedade situada numa ilha do rio Frio, outros eram vizinhos.

Pescadoras, Caño Negro, Costa Rica

“Então mas e não alaga durante a época das chuvas?” questionamo-la, preocupados com a precariedade da morada. “Pois…não. O lugar foi escolhido também por isso.

É um dos poucos que sempre esteve acima da subida das águas.”

Caño Negro, Costa Rica, Rio Frio

O rio Frio e lagoas circundantes, vistos do ar.

Rosi continua a pilotar o barco coberto em que seguíamos entre as comitivas piscatórias.

Uma Inundação de Animais Selvagens

E, para nossa delícia fotográfica, a revelar-nos as espécies animais de Caño Negro, abundantes aningas e garças, jabirus, crocodilos, lagartos basiliscos, um gangue uivador de macacos bugios, iguanas alaranjadas, martins-pescadores e até uma colónia de morcegos a dormirem agarrados a um tronco sobre o rio.

Iguana, Rio Frio, Caño Negro, Costa Rica

E peixes, claro está. Os que de quando em quando, saltavam para fora de água. Os que os corvos-marinhos e anhingas devoravam inteiros.

Anhinga devora peixe, Caño Negro, Costa Rica

Os robalos, guapotes (ciclídeos-lobos) e outros que os pescadores fisgavam.

A Atracção Pré-Histórica do Peixe Gaspar

Quando nos cruzamos de novo com o “El Gaspar”, o sobrinho de Rosi já tinha feito justiça ao nome do barco. A bordo, seguia um recém-pescado gaspar (Atractosteus tropicus), um dos peixes realmente emblemáticos do México e América Central, de Caño Negro e de algumas outras partes da Costa Rica.

Pescar um gaspar é uma tarefa que requer ou enorme conhecimento e prática ou uma sorte gigantesca. O gaspar é um predador potente e astuto, tão vigoroso e letal para os outros peixes que também é tratado por pejelagarto.

Guia Rosi, Caño Negro, Costa Rica

O que vai de encontro ao seu perfil improvável de peixe fóssil vivo, com uma fisionomia que pouco ou nada mudou desde há mais de 65 milhões de anos, desde a era dos dinossauros.

A destreza de os pescar parece correr na família de Rosi. Joel Sandoval, o seu marido, guia de pesca, detém o recorde do maior exemplar capturado.

Dois dias mais tarde, haveríamos de o encontrar no mesmo molhe em que, entretanto, desembarcámos.

Intrigados por não vermos um único barco em redor perguntamos-lhe onde andavam os pescadores de Caño Negro. Recebemos uma resposta de perito: “quando vocês os viram, o Rio Frio estava perfeito para pescar.

Duo à Pesca, Caño Negro, Costa Rica

Só que, entretanto, mudou tudo.

Aqui choveu um pouco. Mas, na zona das montanhas, por onde o rio nasce (vulcões Tenório e Miravalles), tem sido um dilúvio.

A água do rio tornou-se lamacenta e opaca e, por uns dias, não vai dar para pescar.”

Joel esclarece-nos com entusiasmo, às tantas, algo saudoso do Caño Negro de antes. “Agora é uma porção do que chegou a ser. Em dias ventosos, o volume da água e as vagas eram tais que não podíamos sair com os barcos para o rio ou para as lagoas. Era demasiado perigoso.”

Despedimo-nos. Na sequência, conjecturamos se, além do famigerado aquecimento global, não seriam o aumento exponencial de plantações agrícolas e de pasto em redor, verdadeiros sorvedores de água, co-responsáveis pelo tanto que o Caño Negro minguara.

Terminada a volta fluvial, Rosi dedica-se a um grupo de visitantes ticos. Nós, passamos para o barco de Jimmy Gutierrez.

O mais recente anfitrião conduz-nos até ao Rancho Pitin, uma propriedade e negócio da sua família, situada sobre um meandro em que o Frio se espraiava em mais uma vasta lagoa.

Caño Negro, Costa Rica

Quando desembarcamos, a família de Jimmy em peso zarpava num único barco, fretado para se juntar à pesca comunitária.

Jimmy, o irmão e a esposa deste tinham-se sacrificado em função do dever.

Mostram-nos o edifício principal do rancho, ao mesmo tempo, restaurante, bar e lugar de confraternização dos visitantes que lá afluíam para incursões piscatórias, tours ecológicos, cavalgadas e outros programas.

Bar do Rancho Pitin, Caño Negro, Costa Rica

O trio explica-nos a génese do negócio.

Também nos chama a atenção para o trabalho incrível do pai Pedro Gutierrez, que construíra o edifício quase todo em madeira, boa parte dela recuperada de troncos, cepos e ramos que a Natureza e as cheias de Caño Negro, em particular, lhe concederam.

Além da arquitectura do edifício, Pedro Gutierrez também se preocupava com a decoração. Alguns dos tampos de mesas e assentos do estabelecimento tinham sido aprimorados com pinturas garridas de araras, garças e outras criaturas asadas do humedal.

Em jeito de ajuste ao nome da propriedade, deixamos o Rancho Pitin a cavalo, ao longo das margens enlameadas do rio, de tal forma ensopadas que, a cada novo passo, os equinos se tinham que aplicar para que as suas patas se soltassem do lodaçal.

Cavalos, Caño Negro, Costa RicaAssim mesmo, em modo pantaneiro, chegamos ao centro da povoação.

Passada a pequena esquadra local da polícia, damos entrada no restaurante “Luna Mágica” de Jorge Zelledon, um dos pousos gastronómicos incontornáveis de Caño Negro, como o é o “Fogón Caño Negro” que, noutras ocasiões, nos restabeleceu de energia e deliciou com os melhores pratos do norte tico.

Quando nos mudámos para o sopé dos vulcões Tenório e Miravalles, sabíamos que tínhamos acabado de desvendar uma Costa Rica preciosa.

Onde Ficar em Caño Negro:

Pousada Rural Oásis – PosadaOasis.com

PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas

Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
Miravalles, Costa Rica

O Vulcão que Miravalles

Com 2023 metros, o Miravalles destaca-se no norte da Costa Rica, bem acima de uma cordilheira de pares que inclui o La Giganta, o Tenório, Espiritu Santo, o Santa Maria, o Rincón de La Vieja e o Orosi. Inactivo no que diz respeito a erupções, alimenta um campo geotermal prolífico que amorna as vidas dos costarriquenhos à sua sombra.
Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.
San Cristobal de Las Casas, Chiapas, Zapatismo, México, Catedral San Nicolau
UNESCO
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Lençóis da Bahia, Diamantes Eternos, Brasil
Arquitectura & Design
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Cansaço em tons de verde
Cerimónias e Festividades
Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival.
Mural de Key West, Flórida Keys, Estados Unidos
Cidades
Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Camponesa, Majuli, Assam, India
Cultura
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
jet lag evitar voo, jetlag, turbulência
Em Viagem
Jet Lag (Parte 1)

Evite a Turbulência do Pós Voo

Quando voamos através de mais que 3 fusos horários, o relógio interno que regula o nosso organismo confunde-se. O máximo que podemos fazer é aliviar o mal-estar que sentimos até se voltar a acertar.
Pequena súbdita
Étnico

Hampi, India

À Descoberta do Antigo Reino de Bisnaga

Em 1565, o império hindu de Vijayanagar sucumbiu a ataques inimigos. 45 anos antes, já tinha sido vítima da aportuguesação do seu nome por dois aventureiros portugueses que o revelaram ao Ocidente.

luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Assuão, Egipto, rio Nilo encontra a África negra, ilha Elefantina
História
Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.
Efate, Vanuatu, transbordo para o "Congoola/Lady of the Seas"
Ilhas
Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Pitões das Júnias, Montalegre, Portugal
Natureza
Montalegre, Portugal

Pelo Alto do Barroso, Cimo de Trás-os-Montes

Mudamo-nos das Terras de Bouro para as do Barroso. Com base em Montalegre, deambulamos à descoberta de Paredes do Rio, Tourém, Pitões das Júnias e o seu mosteiro, povoações deslumbrantes do cimo raiano de Portugal. Se é verdade que o Barroso já teve mais habitantes, visitantes não lhe deviam faltar.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Teleférico que liga Puerto Plata ao cimo do PN Isabel de Torres
Parques Naturais
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Pastéis nos ares
Património Mundial UNESCO
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Personagens
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Banhista, The Baths, Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas
Praias
Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os “Caribanhos” Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
Glamour vs Fé
Religião
Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a votaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
A Toy Train story
Sobre carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
city hall, capital, oslo, noruega
Sociedade
Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Crocodilos, Queensland Tropical Australia Selvagem
Vida Selvagem
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.