Caño Negro, Costa Rica

Uma Vida à Pesca entre a Vida Selvagem


Caño Negro aérea
O rio Frio e lagoas circundantes vistos do ar.
Ancoragem à sombra
Guia Rosi num dos barcos usados para tours no rio Frio.
Anhinga Anhinga
Anhinga seca as asas ao sol, numa margem do rio Frio.
“Rey Plateado II”
Pescadores a bordo "Rey Plateado" e abaixo de uma grande palmeira.
Olhar de Ararapa
Um ararapa juvenil atento no cimo duma árvore acima do rio Frio.
Um Túnel Arbóreo
Moradores de Caño Negro percorrem um trilho sombrio que conduz ao molhe de embarque para Caño Negro.
De entrada no Rio Frio
Barco com pescadores prepara-se para entrar no rio Frio.
Garça-Tigre
Garça-tigre de olho na superfície do rio Frio.
Sono de Morcego
Pequenos morcegos dormitam agarrados a uma árvore.
Triunfo das Pescadoras
Duas pescadoras exibem peixes recém pescados no Rio Frio.
Anhinga Anhinga II
Anhinga patrulha o rio Frio em busca de peixes.
Recarga Réptil
Crocodilo reaquece-se após um período de chuva.
Rosi busca Vida Selvagem
Guia Rosi procura animais numa árvore à beira do rio Frio.
Macaco-Aranha
Macaco-aranha acompanha os movimentos dos embarcados cá em baixo.
Trogon Azul
Um trogon azul, uma de muitas aves que habitam Caño Negro.
Duo à Pesca
Dois pescadores junto a um braço do rio Frio.
Pouso de Iguana
Iguana instalada sobre a vegetação densa em volta do rio Frio.
Martim Pescador à Pesca
Um dos vários martim pescador que habitam Caño-Negro.
Rio Frio & Lagoas
Vista aérea do rio Frio e das lagoas que a sua inundação gera durante a época das chuvas.
“Rey Plateado”
Pescadores compenetrados a bordo do "Rey Plateado"
Uma das zonas húmidas mais importantes da Costa Rica e do Mundo, Caño Negro deslumbra pelo seu ecossistema exuberante. Não só. Remota, isolada por rios, pântanos e estradas sofríveis, os seus habitantes encontraram na pesca um meio embarcado de fortalecerem os laços da sua comunidade.

Juntos, percorremos o longo trilho acima das águas, na base de um quase túnel de copas verdejantes, sulcado por inúmeras raízes que irrigam as árvores.

Chegados ao molhe, embarcados, Rosa Arguedas Sequeira, a guia e mulher do leme pergunta-nos: “e agora, querem ir para a esquerda ou para a direita?”. Como Rosi (assim a tratam os demais cañonegrenses) bem sabia, a questão suscitava, pelo menos, uma adicional.

Assim que acabámos de retorquir, tratou de nos esclarecer, com a tranquilidade sorridente que dela ainda retemos. “Bom, para a direita, o rio entra em terras mais abertas e, por isso, é mais fácil avistarmos aves.

Para a esquerda, é sinuoso, estreito e flui entre selva. Para ali, encontramos mais mamíferos e répteis, também algumas aves.

Barco, Caño Negro, Costa Rica

O rio em questão era o Frio. Uns dias mais tarde, haveríamos de nos mudar para o domínio do vulcão Tenório em que nasce.

Por enquanto, explorávamos a parte baixa da sua bacia, ainda a meio caminho da foz inusitada, em que se entrega ao rio San Juan, no ponto exacto em que este se lança do sudoeste do lago Cocibolga, já em terras da Nicarágua, como é também chamado o lago.

Antes de nos fazermos aos incontáveis meandros do Frio, detemo-nos para uma subida estratégica à torre de observação do Caño Negro, a apenas umas centenas de metros do molhe. Subimos os três.

A Revelação Panorâmica de Caño Negro

Do topo, desvendamos a vastidão alagada do humedal que o rio por ali gera, um conjunto de grandes lagoas tom de terra com mais de 8km2, que se destacavam da imensidão verde do norte da Costa Rica.Rosi aproveita o panorama a 360º para nos elucidar melhor.

Já não tanto acerca a geografia do Frio, em vez, sobre o magnetismo que as suas águas espraiadas exercem em centenas de espécies de aves migratórias vindas sobretudo do Norte, algumas delas, em perigo de extinção.

“Vejam que durante a época das chuvas, de Junho a Novembro, tudo o que veem é um grande mar de água doce.

Barco em Caño Negro, Costa Rica

Não se consegue identificar nem o rio nem as distintas lagoas. Depois, a chuva diminui de forma progressiva e o sol da época seca faz evaporar boa parte da água”

Uma Zona Inundada com uma Vida Selvagem Prolífica

A consequência que tínhamos a toda a volta representava um ponto de escala ou de estância providencial para íbis, cegonhas e garças, os intrigantes arapapás, patos com fartura, corvos-marinhos e muitos outros.

Ararapa, Caño Negro, Costa Rica

Criaturas asadas à parte, o rio Frio sempre foi abençoado com uma rara profusão e diversidade de peixes.

Sem surpresa, na ausência de modernidade e de passatempos sofisticados, impossibilitados de se banharem naquele que é habitat de tubarões-touro que sobem o rio a partir do lago Nicarágua, de caimões, crocodilos e dos seus predadores jaguares e pumas, os habitantes da região veneram a pesca.

Crocodilo, Caño Negro, Costa Rica

Voltamos ao solo. Reembarcamos. Prosseguimos para jusante.

Da “recta” de que tínhamos zarpado, o Frio não tarda a submeter-se a um trajecto de sucessivos esses subsumidos na sombra da floresta tropical.

Todo o Pueblo de Caño Negro à Pesca

Daí em diante, deparamo-nos com pequenos barcos com gente a bordo, quase todos de canas de pesca em riste, silenciosos, compenetrados na superfície da água, por essa altura, escura mas ainda assim translúcida.

Pesca no Rio Frio, Caño Negro, Costa Rica

Alguns dos barcos, o “Rey Plateado”, o “El Gaspar”, víamo-los como obras de arte vivas, como estátuas fluviais deslumbrantes, monumentos à família, à amizade e à solidariedade de Caño Negro.

Reconhecíamos uma ou outra face de nativos que nos tinham servido refeições, ou visto a saborear as suas.

Pesca, Caño Negro, Costa Rica

Rosi conhecia-os a todos. Alguns, eram seus familiares. Mesmo tendo em conta que Rosi e o marido habitavam uma casa e propriedade situada numa ilha do rio Frio, outros eram vizinhos.

Pescadoras, Caño Negro, Costa Rica

“Então mas e não alaga durante a época das chuvas?” questionamo-la, preocupados com a precariedade da morada. “Pois…não. O lugar foi escolhido também por isso.

É um dos poucos que sempre esteve acima da subida das águas.”

Caño Negro, Costa Rica, Rio Frio

O rio Frio e lagoas circundantes, vistos do ar.

Rosi continua a pilotar o barco coberto em que seguíamos entre as comitivas piscatórias.

Uma Inundação de Animais Selvagens

E, para nossa delícia fotográfica, a revelar-nos as espécies animais de Caño Negro, abundantes aningas e garças, jabirus, crocodilos, lagartos basiliscos, um gangue uivador de macacos bugios, iguanas alaranjadas, martins-pescadores e até uma colónia de morcegos a dormirem agarrados a um tronco sobre o rio.

Iguana, Rio Frio, Caño Negro, Costa Rica

E peixes, claro está. Os que de quando em quando, saltavam para fora de água. Os que os corvos-marinhos e anhingas devoravam inteiros.

Anhinga devora peixe, Caño Negro, Costa Rica

Os robalos, guapotes (ciclídeos-lobos) e outros que os pescadores fisgavam.

A Atracção Pré-Histórica do Peixe Gaspar

Quando nos cruzamos de novo com o “El Gaspar”, o sobrinho de Rosi já tinha feito justiça ao nome do barco. A bordo, seguia um recém-pescado gaspar (Atractosteus tropicus), um dos peixes realmente emblemáticos do México e América Central, de Caño Negro e de algumas outras partes da Costa Rica.

Pescar um gaspar é uma tarefa que requer ou enorme conhecimento e prática ou uma sorte gigantesca. O gaspar é um predador potente e astuto, tão vigoroso e letal para os outros peixes que também é tratado por pejelagarto.

Guia Rosi, Caño Negro, Costa Rica

O que vai de encontro ao seu perfil improvável de peixe fóssil vivo, com uma fisionomia que pouco ou nada mudou desde há mais de 65 milhões de anos, desde a era dos dinossauros.

A destreza de os pescar parece correr na família de Rosi. Joel Sandoval, o seu marido, guia de pesca, detém o recorde do maior exemplar capturado.

Dois dias mais tarde, haveríamos de o encontrar no mesmo molhe em que, entretanto, desembarcámos.

Intrigados por não vermos um único barco em redor perguntamos-lhe onde andavam os pescadores de Caño Negro. Recebemos uma resposta de perito: “quando vocês os viram, o Rio Frio estava perfeito para pescar.

Duo à Pesca, Caño Negro, Costa Rica

Só que, entretanto, mudou tudo.

Aqui choveu um pouco. Mas, na zona das montanhas, por onde o rio nasce (vulcões Tenório e Miravalles), tem sido um dilúvio.

A água do rio tornou-se lamacenta e opaca e, por uns dias, não vai dar para pescar.”

Joel esclarece-nos com entusiasmo, às tantas, algo saudoso do Caño Negro de antes. “Agora é uma porção do que chegou a ser. Em dias ventosos, o volume da água e as vagas eram tais que não podíamos sair com os barcos para o rio ou para as lagoas. Era demasiado perigoso.”

Despedimo-nos. Na sequência, conjecturamos se, além do famigerado aquecimento global, não seriam o aumento exponencial de plantações agrícolas e de pasto em redor, verdadeiros sorvedores de água, co-responsáveis pelo tanto que o Caño Negro minguara.

Terminada a volta fluvial, Rosi dedica-se a um grupo de visitantes ticos. Nós, passamos para o barco de Jimmy Gutierrez.

O mais recente anfitrião conduz-nos até ao Rancho Pitin, uma propriedade e negócio da sua família, situada sobre um meandro em que o Frio se espraiava em mais uma vasta lagoa.

Caño Negro, Costa Rica

Quando desembarcamos, a família de Jimmy em peso zarpava num único barco, fretado para se juntar à pesca comunitária.

Jimmy, o irmão e a esposa deste tinham-se sacrificado em função do dever.

Mostram-nos o edifício principal do rancho, ao mesmo tempo, restaurante, bar e lugar de confraternização dos visitantes que lá afluíam para incursões piscatórias, tours ecológicos, cavalgadas e outros programas.

Bar do Rancho Pitin, Caño Negro, Costa Rica

O trio explica-nos a génese do negócio.

Também nos chama a atenção para o trabalho incrível do pai Pedro Gutierrez, que construíra o edifício quase todo em madeira, boa parte dela recuperada de troncos, cepos e ramos que a Natureza e as cheias de Caño Negro, em particular, lhe concederam.

Além da arquitectura do edifício, Pedro Gutierrez também se preocupava com a decoração. Alguns dos tampos de mesas e assentos do estabelecimento tinham sido aprimorados com pinturas garridas de araras, garças e outras criaturas asadas do humedal.

Em jeito de ajuste ao nome da propriedade, deixamos o Rancho Pitin a cavalo, ao longo das margens enlameadas do rio, de tal forma ensopadas que, a cada novo passo, os equinos se tinham que aplicar para que as suas patas se soltassem do lodaçal.

Cavalos, Caño Negro, Costa RicaAssim mesmo, em modo pantaneiro, chegamos ao centro da povoação.

Passada a pequena esquadra local da polícia, damos entrada no restaurante “Luna Mágica” de Jorge Zelledon, um dos pousos gastronómicos incontornáveis de Caño Negro, como o é o “Fogón Caño Negro” que, noutras ocasiões, nos restabeleceu de energia e deliciou com os melhores pratos do norte tico.

Quando nos mudámos para o sopé dos vulcões Tenório e Miravalles, sabíamos que tínhamos acabado de desvendar uma Costa Rica preciosa.

Onde Ficar em Caño Negro:

Pousada Rural Oásis – PosadaOasis.com

PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas

Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
Miravalles, Costa Rica

O Vulcão que Miravalles

Com 2023 metros, o Miravalles destaca-se no norte da Costa Rica, bem acima de uma cordilheira de pares que inclui o La Giganta, o Tenório, Espiritu Santo, o Santa Maria, o Rincón de La Vieja e o Orosi. Inactivo no que diz respeito a erupções, alimenta um campo geotermal prolífico que amorna as vidas dos costarriquenhos à sua sombra.
Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Safari
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
A pequena-grande Senglea II
Arquitectura & Design
Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Saida Ksar Ouled Soltane, festival dos ksour, tataouine, tunisia
Cerimónias e Festividades
Tataouine, Tunísia

Festival dos Ksour: Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. O Festival dos Ksour presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.
ocupação Tibete pela China, Tecto do Mundo, As forças ocupantes
Cidades
Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Danças
Cultura
Okinawa, Japão

Danças de Ryukyu: têm séculos. Não têm grandes pressas.

O reino Ryukyu prosperou até ao século XIX como entreposto comercial da China e do Japão. Da estética cultural desenvolvida pela sua aristocracia cortesã contaram-se vários estilos de dança vagarosa.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Caiaquer no lago Sinclair, Cradle Mountain - Lake Sinclair National Park, Tasmania, Austrália
Em Viagem
À Descoberta de Tassie, Parte 4 -  Devonport a Strahan, Austrália

Pelo Oeste Selvagem da Tasmânia

Se a quase antípoda Tazzie já é um mundo australiano à parte, o que dizer então da sua inóspita região ocidental. Entre Devonport e Strahan, florestas densas, rios esquivos e um litoral rude batido por um oceano Índico quase Antárctico geram enigma e respeito.
Passagem, Tanna, Vanuatu ao Ocidente, Meet the Natives
Étnico
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

panorâmica, Saint Pierre, Martinica, antilhas francesas
História
Saint-Pierre, Martinica

A Cidade que Renasceu das Cinzas

Em 1900, a capital económica das Antilhas era invejada pela sua sofisticação parisiense, até que o vulcão Pelée a carbonizou e soterrou. Passado mais de um século, Saint-Pierre ainda se regenera.
Vai-e-vem fluvial
Ilhas
Iriomote, Japão

Iriomote, uma Pequena Amazónia do Japão Tropical

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Devils Marbles, Alice Springs a Darwin, Stuart hwy, Caminho do Top End
Natureza
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Caminhada sobre a orla, vulcão villarrica, Pucon, Chile
Parques Naturais
Vulcão Villarrica, Chile

Ascensão à Cratera do Vulcão Villarrica, Sempre em Actividade

Pucón abusa da confiança da natureza e prospera no sopé da montanha Villarrica.Seguimos este mau exemplo por trilhos gelados e conquistamos a cratera de um dos vulcões mais activos da América do Sul.
tarsio, bohol, filipinas, do outro mundo
Património Mundial UNESCO
Bohol, Filipinas

Umas Filipinas do Outro Mundo

O arquipélago filipino estende-se por 300.000 km² de oceano Pacífico. Parte do sub-arquipélago Visayas, Bohol abriga pequenos primatas com aspecto alienígena e as colinas extraterrenas de Chocolate Hills.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Mini-snorkeling
Praias
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
Cândia, Dente de Buda, Ceilão, lago
Religião
Cândia, Sri Lanka

Incursão à Raíz Dental do Budismo Cingalês

Situada no âmago montanhoso do Sri Lanka, no final do século XV, Cândia assumiu-se a capital do reino do velho Ceilão que resistiu às sucessivas tentativas coloniais de conquista. Tornou-se ainda o seu âmago budista, para o que continua a contribuir o facto de a cidade preservar e exibir um dente sagrado de Buda.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre Carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Sociedade
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
saksun, Ilhas Faroé, Streymoy, aviso
Vida Quotidiana
Saksun, StreymoyIlhas Faroé

A Aldeia Faroesa que Não Quer ser a Disneylandia

Saksun é uma de várias pequenas povoações deslumbrantes das Ilhas Faroé, que cada vez mais forasteiros visitam. Diferencia-a a aversão aos turistas do seu principal proprietário rural, autor de repetidas antipatias e atentados contra os invasores da sua terra.
Fazenda de São João, Pantanal, Miranda, Mato Grosso do Sul, ocaso
Vida Selvagem
Fazenda São João, Miranda, Brasil

Pantanal com o Paraguai à Vista

Quando a fazenda Passo do Lontra decidiu expandir o seu ecoturismo, recrutou a outra fazenda da família, a São João. Mais afastada do rio Miranda, esta outra propriedade revela um Pantanal remoto, na iminência do Paraguai. Do país e do rio homónimo.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
PT EN ES FR DE IT