Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação


A caminho
Grupo de adolescentes percorre uma ruela da cidade alta de Fianarantsoa.
Um Lar no Verde
Casa tradicional destacada abaixo do casario da Cidade Alta de Fianarantsoa.
Menino Merina
Menino de etnia merina bem agasalhado numa manhã fresca.
Família Cristã
Fieis descem de uma missa para o sopé da Cidade Alta
Fianar: zona alta
Casario da Cidade Alta de Fianarantsoa com a catedral de Ambonzontani em destaque, à direita.
Hora da missa
Missa numa das várias igrejas cristãs de Fianarantsoa.
Contemplação
Moradores da Cidade Alta de Fianarantsoa com tempo para contemplar.
A Fianar Alta e Velha
Casario da Cidade Alta de Fianarantsoa.
Ambonzontani
A catedral de Ambonzontani, a maior igreja da Cidade Alta de Fianarantsoa.
A Vida de Rova
Momento de vida no sopé da Cidade Alta de Fianarantsoa.
Equilíbrio sobre varandas típicas
Galinha sobre varanda típica da Cidade Alta e velha de Fianarantsoa.
Linhas de Fianar
Retalho da arquitectura tradicional religiosa e habitacional da Cidade Alta de Fianarantsoa.
Conversa em dia
Jovens moradoras numa pequena loja do bairro de Rova.
Roupa-suja
Mulheres lavam roupa num lavadouro do bairro de Rova.
Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.

À letra, o termo Fianarantsoa é traduzível como “a cidade onde se aprende o bem” ou “o lugar em que se pode aprender algo de bom”. Logo na primeira vez em que a contemplamos, o casario secular da sua zona suprema e mais antiga, sugeriu-nos uma Coimbra exótica e antípoda, uma “lição de sonho e tradição…” malgaxe que não estávamos dispostos a perder.

Como Coimbra, Fianar – assim é tratada com carinho especial – desenrola-se encosta de Ivoneana abaixo até às margens dos rios que fluem pela sua base, o Tsiandanitra, o Mandanofotsy. Ocupou o espaço de uma antiga aldeia betsileo com esse mesmo nome, traduzível como “onde os mortos são escondidos”.

Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar

Casario da Cidade Alta de Fianarantsoa.

Situada a uma altitude média de 1200 metros, Fianarantsoa mantém-se dividida em três níveis históricos e urbanísticos fáceis de destrinçar: a Cidade Alta ou Velha, o âmago da sua origem, onde se concentra a maior parte dos edifícios tradicionais.

A Cidade Colonial disposta sobre a colina vizinha de Tsianolondroa e que acolheu quase todos os edifícios administrativos construídos durante a soberania francesa, entre 1894 e 1960. Por fim, a Cidade Baixa, disseminada pela alternância de pequenas colinas e vales em redor.

Mesmo se a sua mentora Ranavalona Iª se afirmou como avessa à influência e prepotência da França e da Grã-Bretanha – e ainda mais à Cristianização tentada pela London Missionary Society no reino do seu antecessor Radama I – a imposição colonial (francesa) e o proselitismo cristão que lhe veio agregado, não tardaram a triunfar.

Catedral de Ambonzontani, Fianarantsoa, Madagascar

A catedral de Ambonzontani, a maior igreja da Cidade Alta de Fianarantsoa.

Escadarias, Igrejas e Muita Fé

Assim se explicam as quase cinquenta igrejas protestantes, luteranas e católicas que lá existem, na maior concentração de toda a grande ilha de Madagáscar e a sucessão de fiéis nos seus melhores trajes que encontramos enquanto subimos a escadaria de cimento que conduz aos píncaros da Cidade Velha, e ao cirandarmos pelas ruelas e becos que a servem.

Entramos num dos templos protestantes que acolhia missa, a igreja FLM Trinitie Masombahoaka, de 1859. Lá damos com uma cena eucarística que nos seria em tudo familiar, não fossem os crentes deixarem livre uma ampla frente de assentos que os mantinha distantes tanto do altar como do coro instalado à sua direita.

Missa, Fianarantsoa, Madagascar

Missa numa das várias igrejas cristãs de Fianarantsoa.

A missa termina com os fiéis a saírem ordeiramente pela coxia central, escoltados pelo padre e acólitos que se colocam à saída do templo, a jeito de se despedirem do rebanho.

Lá fora, outros fiéis mais vencem os degraus largos da escadaria Rabaut St. Etienne e os pisos antigos e algo irregulares da Rue du Rova.

O Dia a Dia Secular de Fianarantsoa

Mas nem só de fé vive a Cidade Alta de Fianarantsoa. Por aqueles mesmos lados, um grupo de mulheres em animada galhofa castiga a roupa suja das famílias num lavadouro público na base da colina.

Lavadouro, Rova, Fianarantsoa, Madagascar

Mulheres lavam roupa num lavadouro do bairro de Rova.

Um jovem morador de um dos lares tradicionais de tijolinho e reboco em tons pastel, estende alguma sua roupa enfiado numa t-shirt CR7 apertada da selecção portuguesa que combina com uma imitação grená de ténis All Stars.

Na base da Cidade Alta e da pirâmide social de Fianarantsoa, vendedores campesinos provenientes das aldeias em redor, tentam ganhar a vida num mercadinho de chão improvisado contra uma de tantas paredes ocres de adobe.

Lá dispõem sacas de arroz da sua última colheita, bananas, ananases, amendoins, tomate, outros vegetais. Parte deles partilha as feições indomalaias e o tom de pele caramelo que os migrantes trouxeram daqueles lados da Ásia para a maior das ilhas africanas crê-se que em redor do século V d.C.

Moradores, Fianarantsoa, Madagascar

Moradores da Cidade Alta de Fianarantsoa com tempo para contemplar.

Os Merinos no Cume do Mosaico Étnico Malgaxe

Outros, têm peles muito mais escuras e traços do rosto menos refinados. A diferença, bem como o padrão colorido e de manta de retalhos que usam como uma espécie de moda rural, deixa-nos intrigados quanto à sua etnia.

Naquele momento, não tínhamos por perto o guia e condutor Lalah Randrianary, ele próprio um merino de pele quase branca e olhos ainda algo rasgados. Ponderarmos por conta própria, um sentido para a genética daquelas gentes seria, à partida, uma missão impossível.

Preferimos resignar-nos ao facto de serem dezoito os povos principais e oficiais que dividem entre si Madagáscar. E que, como seria de esperar, com o passar dos tempos, estes povos se amalgamaram em algo que já só pode ser qualificado como malgaxe.

Compramos bananas a duas das vendedoras, tagarelamos um pouco sobre já nem sabemos bem o quê. O suficiente para lhes cairmos nas graças e nos deixarem fotografá-las ainda que naqueles preparos que – para tal nos alertaram vezes sem conta – não eram dignos do nosso trabalho.

Acima e Abaixo das Ruelas Íngremes de Rova

Voltamos a apontar para o cimo. Na praceta que faz de preâmbulo à rampa que lá conduz, uma placa gasta indica a direcção do “Centre de Santé de Base Niveau de Rova”.

Rova-Fianarantsoa-Madagascar

Momento de vida no sopé da Cidade Alta de Fianarantsoa.

Antecede-a um parque de estacionamento espontâneo ocupado por carros e carrinhas de cores garridas, quase todos franceses. Lá se destacam pela sua madurez e exuberância cromática duas Renault 4L, entre Clios, Peugeots 205 e afins.

Alguns miúdos pedem dinheiro dizem-nos que para cadernos da escola. Na dúvida quanto ao destino da verba, compramos-lhe um conjunto deles. Assim nos rendemos ao seu plano de abordagem que incluía realizar o peditório à entrada da papelaria mais próxima e conveniente da zona.

Uma jovem mãe surge à porta de uma loja de artesanato com o seu bebé pesadão ao colo, entre chapéus coloridos de palha e um cesto metálico em que vende ovos avulso.

Cidade alta, Fianarantsoa, Madagáscar

Casario da Cidade Alta de Fianarantsoa com a catedral de Ambonzontani em destaque, à direita.

O Mirante Conveniente do Cimo de Fianarantsoa

Nessa derradeira ascensão da Rue du Rova, cruzamo-nos com mais crentes, desta feita, vindos da igreja protestante de FJKM Antranobiriky, apontados à semi-base da colina de Ivoneana de que se destaca a catedral d’Ambozontany, a maior das igrejas de Fianar, pelo menos no que à Cidade Velha concerne.

Subimos ao topo da colina, lugar de um palácio mandado erguer em 1830 por Rafaralahindraininaly um dos governadores da cidade, na vigência de Ranavalona Iª.

Um reservatório de água vedado impede-nos de o explorar como merecia. Para compensar, o cume desvenda-nos vistas sobre a Cidade Baixa e sobre as colinas e vales verdejantes que a envolvem.

Casa típica, Fianarantsoa, Madagascar

Casa tradicional destacada abaixo do casario da Cidade Alta de Fianarantsoa.

Nem ali nos falta a companhia. Uma espécie de gang de miuditos arejados e bem-dispostos aparece do nada. Perguntam-nos o que andamos ali a fazer e apontam-nos alguns dos sítios lá em baixo que conseguem identificar.

Uma das miúdas, provavelmente a mais velha, carrega uma criança com um ano e meio, no máximo dois anos. “É o meu bebé, agora, sabem. Os pais dele desapareceram.  Eu é que tomo conta dele.”. A mensagem, directa e genuína, à boa moda juvenil, comove-nos e deixa-nos quase sem jeito.

Pelo menos, até que uma das jovens amiga intercede e brinca com a criança e com a mãe adoptiva, com uma sensibilidade bem mais madura do que a sua face pueril deixaria adivinhar.

Com o passar das horas e os sucessivos contactos, começámos a sentir que as gentes de Fianar de todas as idades, partilhavam uma mesma subtileza do ser, um tacto e bom-senso vivencial com o seu quê de contagioso. Tendo em conta a história da cidade, tais atributos pareciam-nos tão inesperados como explicáveis.

Galinha e varandas típicas, Fianarantsoa, Madagascar

Galinha sobre varanda típica da Cidade Alta e velha de Fianarantsoa.

Ranavalona Iª – a Rainha Avessa a Interferências Coloniais

Como puderam testemunhar os emissários franceses e britânicos, Ranavalona Iª, a fundadora de Fianarantsoa não brincava em serviço e fazia questão de o deixar bem claro: “A todos os europeus, ingleses ou franceses, em reconhecimento do bem que fizeram ao meu país ao ensinarem a sabedoria e o conhecimento, exprimo-vos os meus agradecimentos….

E declaro-vos que podem seguir os vossos hábitos, não tenham receio porque não tenho qualquer intenção de os modificar….” Agora repare o leitor no aviso que se segue: “mas se eu vejo qualquer um dos meus súbditos querer mudar o que seja das regras estabelecidas pelos grandes doze reis meus ancestrais, isso nunca permitirei…. Assim, no que diz respeito à religião, seja ao Domingo, seja durante a semana, os baptismos e comunhões, interdito os meus súbditos de neles tomarem parte deixando-vos livres vocês, europeus de fazerem o que quiserem”.

Fieis cristãos, Fianarantsoa, Madagascar.

Fieis descem de uma missa para o sopé da Cidade Alta

Senhora de um nariz imperial, Ranavalona Iª não tardou a dotar a sua capital do sul de instituições académicas que atraíram mais e mais intelectuais do reino,  uns professores, outros nem por isso. Após a sua morte, o seu filho Rakotosehenondradama sucedeu-a enquanto rei Radama II.

Por mais filho que fosse, Radama II desprezava o isolacionismo e anti-europeísmo da progenitora. Provou-se um monarca fortemente francófilo que admitiu que, às escolas e outras instituições académicas, se juntassem as religiosas e culturais que perduram e proliferam na cidade.

Aos poucos, Fianarantsoa resplandeceu de conhecimento e de fé. Ao que se veio a juntar o trunfo não menos francófono de se ter tornado o centro vinícola e gastronómico da grande ilha de África.

A Relação Bipolar com Ravanalona Iª os ex-colonos Franceses

Durante a década de 50, o povo malgaxe passou pelo processo independentista comum a todas as colónias africanas.

Ainda que os franceses mantenham o seu cunho histórico em Fianar e em Madagáscar em geral, de cada vez que a nação se vê ameaçada por intrusões pós-coloniais excessivas, é comum os malgaxes da cidade (e não só) exaltarem a referência da cruel soberana Ranavalona Iª, não a do descendente quase gaulês Radama II.

Isto, apesar de a rainha ter assegurado o seu reinado de 33 anos e 15 dias após mandar assassinar todos os regentes que a ameaçavam na sucessão do recém-falecido marido: outras mulheres, filhos e até a sua própria mãe, de ter torturado e assassinado inúmeros súbditos malgaxes mas também estrangeiros.

Jovens moradoras, Rova, Fianarantsoa, Madagascar

Jovens moradoras numa pequena loja do bairro de Rova.

E de muitos malgaxes discordantes tratarem a sua vigência por “tany maizina” ou “os anos de escuridão”.

Na madrugada seguinte, conduzidos pelo nativo Lalah Randrianary embarcamos noutro dos contributos europeus que Ranavalona Iª teria permitido e agradecido: o Fianarantsoa-Côte Est railway.

Este caminho de ferro foi construído pelos franceses em dez anos (1926 – 1936) para ligar, em 162 km, o planalto em que se expande Fianar ao litoral tropical da costa leste da ilha. O TGV (Train à Gran Vibrations) malgaxe demorou quase 40 horas a cumprir o percurso. Fianarantsoa quase entrava noutra era.

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.

Casario

Lares Doces Lares

Poucas espécies são mais sociais e gregárias que a humana. O Homem tende emular outros lares doces lares do mundo. Alguns desses casarios revelam-se impressionantes.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Parques nacionais
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Escadaria Palácio Itamaraty, Brasilia, Utopia, Brasil
Arquitectura & Design
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Aventura
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
cowboys oceania, Rodeo, El Caballo, Perth, Australia
Cerimónias e Festividades
Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
MAL(E)divas
Cidades
Malé, Maldivas

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, Malé, a capital das Maldivas, pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano  genuíno que as brochuras turísticas omitem.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cultura
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
De volta ao porto
Em Viagem

Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum. 

Promessa?
Étnico
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
panorâmica, Saint Pierre, Martinica, antilhas francesas
História
Saint-Pierre, Martinica

A Cidade que Renasceu das Cinzas

Em 1900, a capital económica das Antilhas era invejada pela sua sofisticação parisiense, até que o vulcão Pelée a carbonizou e soterrou. Passado mais de um século, Saint-Pierre ainda se regenera.
Mme Moline popinée
Ilhas

Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.

Verificação da correspondência
Inverno Branco
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Repouso anfíbio
Natureza

Mar Morto, Israel

À Tona d’água, nas profundezas da Terra

É o lugar mais baixo à superfície do planeta e palco de várias narrativas bíblicas. Mas o Mar Morto também é especial pela concentração de sal que inviabiliza a vida mas sustém quem nele se banha. 

Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Vulcão ijen, Escravos do Enxofre, Java, Indonesia
Parques Naturais
Vulcão Ijen, Indonésia

Os Escravos do Enxofre do Vulcão Ijen

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.
Um dos prédios mais altos de Valletta, Malta
Património Mundial UNESCO
Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.
Sol nascente nos olhos
Praias

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Teleférico de Sanahin, Arménia
Religião
Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Graffiti deusa creepy, Haight Ashbury, Sao Francisco, EUA, Estados Unidos America
Sociedade
The Haight, São Francisco, E.U.A.

Órfãos do Verão do Amor

O inconformismo e a criatividade ainda estão presentes no antigo bairro Flower Power. Mas, quase 50 anos depois, a geração hippie deu lugar a uma juventude sem-abrigo, descontrolada e até agressiva.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Vida Selvagem
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.