Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação


A caminho
Grupo de adolescentes percorre uma ruela da cidade alta de Fianarantsoa.
Um Lar no Verde
Casa tradicional destacada abaixo do casario da Cidade Alta de Fianarantsoa.
Menino Merina
Menino de etnia merina bem agasalhado numa manhã fresca.
Família Cristã
Fieis descem de uma missa para o sopé da Cidade Alta
Fianar: zona alta
Casario da Cidade Alta de Fianarantsoa com a catedral de Ambonzontani em destaque, à direita.
Hora da missa
Missa numa das várias igrejas cristãs de Fianarantsoa.
Contemplação
Moradores da Cidade Alta de Fianarantsoa com tempo para contemplar.
A Fianar Alta e Velha
Casario da Cidade Alta de Fianarantsoa.
Ambonzontani
A catedral de Ambonzontani, a maior igreja da Cidade Alta de Fianarantsoa.
A Vida de Rova
Momento de vida no sopé da Cidade Alta de Fianarantsoa.
Equilíbrio sobre varandas típicas
Galinha sobre varanda típica da Cidade Alta e velha de Fianarantsoa.
Linhas de Fianar
Retalho da arquitectura tradicional religiosa e habitacional da Cidade Alta de Fianarantsoa.
Conversa em dia
Jovens moradoras numa pequena loja do bairro de Rova.
Roupa-suja
Mulheres lavam roupa num lavadouro do bairro de Rova.
Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.

À letra, o termo Fianarantsoa é traduzível como “a cidade onde se aprende o bem” ou “o lugar em que se pode aprender algo de bom”. Logo na primeira vez em que a contemplamos, o casario secular da sua zona suprema e mais antiga, sugeriu-nos uma Coimbra exótica e antípoda, uma “lição de sonho e tradição…” malgaxe que não estávamos dispostos a perder.

Como Coimbra, Fianar – assim é tratada com carinho especial – desenrola-se encosta de Ivoneana abaixo até às margens dos rios que fluem pela sua base, o Tsiandanitra, o Mandanofotsy. Ocupou o espaço de uma antiga aldeia betsileo com esse mesmo nome, traduzível como “onde os mortos são escondidos”.

Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar

Casario da Cidade Alta de Fianarantsoa.

Situada a uma altitude média de 1200 metros, Fianarantsoa mantém-se dividida em três níveis históricos e urbanísticos fáceis de destrinçar: a Cidade Alta ou Velha, o âmago da sua origem, onde se concentra a maior parte dos edifícios tradicionais.

A Cidade Colonial disposta sobre a colina vizinha de Tsianolondroa e que acolheu quase todos os edifícios administrativos construídos durante a soberania francesa, entre 1894 e 1960. Por fim, a Cidade Baixa, disseminada pela alternância de pequenas colinas e vales em redor.

Mesmo se a sua mentora Ranavalona Iª se afirmou como avessa à influência e prepotência da França e da Grã-Bretanha – e ainda mais à Cristianização tentada pela London Missionary Society no reino do seu antecessor Radama I – a imposição colonial (francesa) e o proselitismo cristão que lhe veio agregado, não tardaram a triunfar.

Catedral de Ambonzontani, Fianarantsoa, Madagascar

A catedral de Ambonzontani, a maior igreja da Cidade Alta de Fianarantsoa.

Escadarias, Igrejas e Muita Fé

Assim se explicam as quase cinquenta igrejas protestantes, luteranas e católicas que lá existem, na maior concentração de toda a grande ilha de Madagáscar e a sucessão de fiéis nos seus melhores trajes que encontramos enquanto subimos a escadaria de cimento que conduz aos píncaros da Cidade Velha, e ao cirandarmos pelas ruelas e becos que a servem.

Entramos num dos templos protestantes que acolhia missa, a igreja FLM Trinitie Masombahoaka, de 1859. Lá damos com uma cena eucarística que nos seria em tudo familiar, não fossem os crentes deixarem livre uma ampla frente de assentos que os mantinha distantes tanto do altar como do coro instalado à sua direita.

Missa, Fianarantsoa, Madagascar

Missa numa das várias igrejas cristãs de Fianarantsoa.

A missa termina com os fiéis a saírem ordeiramente pela coxia central, escoltados pelo padre e acólitos que se colocam à saída do templo, a jeito de se despedirem do rebanho.

Lá fora, outros fiéis mais vencem os degraus largos da escadaria Rabaut St. Etienne e os pisos antigos e algo irregulares da Rue du Rova.

O Dia a Dia Secular de Fianarantsoa

Mas nem só de fé vive a Cidade Alta de Fianarantsoa. Por aqueles mesmos lados, um grupo de mulheres em animada galhofa castiga a roupa suja das famílias num lavadouro público na base da colina.

Lavadouro, Rova, Fianarantsoa, Madagascar

Mulheres lavam roupa num lavadouro do bairro de Rova.

Um jovem morador de um dos lares tradicionais de tijolinho e reboco em tons pastel, estende alguma sua roupa enfiado numa t-shirt CR7 apertada da selecção portuguesa que combina com uma imitação grená de ténis All Stars.

Na base da Cidade Alta e da pirâmide social de Fianarantsoa, vendedores campesinos provenientes das aldeias em redor, tentam ganhar a vida num mercadinho de chão improvisado contra uma de tantas paredes ocres de adobe.

Lá dispõem sacas de arroz da sua última colheita, bananas, ananases, amendoins, tomate, outros vegetais. Parte deles partilha as feições indomalaias e o tom de pele caramelo que os migrantes trouxeram daqueles lados da Ásia para a maior das ilhas africanas crê-se que em redor do século V d.C.

Moradores, Fianarantsoa, Madagascar

Moradores da Cidade Alta de Fianarantsoa com tempo para contemplar.

Os Merinos no Cume do Mosaico Étnico Malgaxe

Outros, têm peles muito mais escuras e traços do rosto menos refinados. A diferença, bem como o padrão colorido e de manta de retalhos que usam como uma espécie de moda rural, deixa-nos intrigados quanto à sua etnia.

Naquele momento, não tínhamos por perto o guia e condutor Lalah Randrianary, ele próprio um merino de pele quase branca e olhos ainda algo rasgados. Ponderarmos por conta própria, um sentido para a genética daquelas gentes seria, à partida, uma missão impossível.

Preferimos resignar-nos ao facto de serem dezoito os povos principais e oficiais que dividem entre si Madagáscar. E que, como seria de esperar, com o passar dos tempos, estes povos se amalgamaram em algo que já só pode ser qualificado como malgaxe.

Compramos bananas a duas das vendedoras, tagarelamos um pouco sobre já nem sabemos bem o quê. O suficiente para lhes cairmos nas graças e nos deixarem fotografá-las ainda que naqueles preparos que – para tal nos alertaram vezes sem conta – não eram dignos do nosso trabalho.

Acima e Abaixo das Ruelas Íngremes de Rova

Voltamos a apontar para o cimo. Na praceta que faz de preâmbulo à rampa que lá conduz, uma placa gasta indica a direcção do “Centre de Santé de Base Niveau de Rova”.

Rova-Fianarantsoa-Madagascar

Momento de vida no sopé da Cidade Alta de Fianarantsoa.

Antecede-a um parque de estacionamento espontâneo ocupado por carros e carrinhas de cores garridas, quase todos franceses. Lá se destacam pela sua madurez e exuberância cromática duas Renault 4L, entre Clios, Peugeots 205 e afins.

Alguns miúdos pedem dinheiro dizem-nos que para cadernos da escola. Na dúvida quanto ao destino da verba, compramos-lhe um conjunto deles. Assim nos rendemos ao seu plano de abordagem que incluía realizar o peditório à entrada da papelaria mais próxima e conveniente da zona.

Uma jovem mãe surge à porta de uma loja de artesanato com o seu bebé pesadão ao colo, entre chapéus coloridos de palha e um cesto metálico em que vende ovos avulso.

Cidade alta, Fianarantsoa, Madagáscar

Casario da Cidade Alta de Fianarantsoa com a catedral de Ambonzontani em destaque, à direita.

O Mirante Conveniente do Cimo de Fianarantsoa

Nessa derradeira ascensão da Rue du Rova, cruzamo-nos com mais crentes, desta feita, vindos da igreja protestante de FJKM Antranobiriky, apontados à semi-base da colina de Ivoneana de que se destaca a catedral d’Ambozontany, a maior das igrejas de Fianar, pelo menos no que à Cidade Velha concerne.

Subimos ao topo da colina, lugar de um palácio mandado erguer em 1830 por Rafaralahindraininaly um dos governadores da cidade, na vigência de Ranavalona Iª.

Um reservatório de água vedado impede-nos de o explorar como merecia. Para compensar, o cume desvenda-nos vistas sobre a Cidade Baixa e sobre as colinas e vales verdejantes que a envolvem.

Casa típica, Fianarantsoa, Madagascar

Casa tradicional destacada abaixo do casario da Cidade Alta de Fianarantsoa.

Nem ali nos falta a companhia. Uma espécie de gang de miuditos arejados e bem-dispostos aparece do nada. Perguntam-nos o que andamos ali a fazer e apontam-nos alguns dos sítios lá em baixo que conseguem identificar.

Uma das miúdas, provavelmente a mais velha, carrega uma criança com um ano e meio, no máximo dois anos. “É o meu bebé, agora, sabem. Os pais dele desapareceram.  Eu é que tomo conta dele.”. A mensagem, directa e genuína, à boa moda juvenil, comove-nos e deixa-nos quase sem jeito.

Pelo menos, até que uma das jovens amiga intercede e brinca com a criança e com a mãe adoptiva, com uma sensibilidade bem mais madura do que a sua face pueril deixaria adivinhar.

Com o passar das horas e os sucessivos contactos, começámos a sentir que as gentes de Fianar de todas as idades, partilhavam uma mesma subtileza do ser, um tacto e bom-senso vivencial com o seu quê de contagioso. Tendo em conta a história da cidade, tais atributos pareciam-nos tão inesperados como explicáveis.

Galinha e varandas típicas, Fianarantsoa, Madagascar

Galinha sobre varanda típica da Cidade Alta e velha de Fianarantsoa.

Ranavalona Iª – a Rainha Avessa a Interferências Coloniais

Como puderam testemunhar os emissários franceses e britânicos, Ranavalona Iª, a fundadora de Fianarantsoa não brincava em serviço e fazia questão de o deixar bem claro: “A todos os europeus, ingleses ou franceses, em reconhecimento do bem que fizeram ao meu país ao ensinarem a sabedoria e o conhecimento, exprimo-vos os meus agradecimentos….

E declaro-vos que podem seguir os vossos hábitos, não tenham receio porque não tenho qualquer intenção de os modificar….” Agora repare o leitor no aviso que se segue: “mas se eu vejo qualquer um dos meus súbditos querer mudar o que seja das regras estabelecidas pelos grandes doze reis meus ancestrais, isso nunca permitirei…. Assim, no que diz respeito à religião, seja ao Domingo, seja durante a semana, os baptismos e comunhões, interdito os meus súbditos de neles tomarem parte deixando-vos livres vocês, europeus de fazerem o que quiserem”.

Fieis cristãos, Fianarantsoa, Madagascar.

Fieis descem de uma missa para o sopé da Cidade Alta

Senhora de um nariz imperial, Ranavalona Iª não tardou a dotar a sua capital do sul de instituições académicas que atraíram mais e mais intelectuais do reino,  uns professores, outros nem por isso. Após a sua morte, o seu filho Rakotosehenondradama sucedeu-a enquanto rei Radama II.

Por mais filho que fosse, Radama II desprezava o isolacionismo e anti-europeísmo da progenitora. Provou-se um monarca fortemente francófilo que admitiu que, às escolas e outras instituições académicas, se juntassem as religiosas e culturais que perduram e proliferam na cidade.

Aos poucos, Fianarantsoa resplandeceu de conhecimento e de fé. Ao que se veio a juntar o trunfo não menos francófono de se ter tornado o centro vinícola e gastronómico da grande ilha de África.

A Relação Bipolar com Ravanalona Iª os ex-colonos Franceses

Durante a década de 50, o povo malgaxe passou pelo processo independentista comum a todas as colónias africanas.

Ainda que os franceses mantenham o seu cunho histórico em Fianar e em Madagáscar em geral, de cada vez que a nação se vê ameaçada por intrusões pós-coloniais excessivas, é comum os malgaxes da cidade (e não só) exaltarem a referência da cruel soberana Ranavalona Iª, não a do descendente quase gaulês Radama II.

Isto, apesar de a rainha ter assegurado o seu reinado de 33 anos e 15 dias após mandar assassinar todos os regentes que a ameaçavam na sucessão do recém-falecido marido: outras mulheres, filhos e até a sua própria mãe, de ter torturado e assassinado inúmeros súbditos malgaxes mas também estrangeiros.

Jovens moradoras, Rova, Fianarantsoa, Madagascar

Jovens moradoras numa pequena loja do bairro de Rova.

E de muitos malgaxes discordantes tratarem a sua vigência por “tany maizina” ou “os anos de escuridão”.

Na madrugada seguinte, conduzidos pelo nativo Lalah Randrianary embarcamos noutro dos contributos europeus que Ranavalona Iª teria permitido e agradecido: o Fianarantsoa-Côte Est railway.

Este caminho de ferro foi construído pelos franceses em dez anos (1926 – 1936) para ligar, em 162 km, o planalto em que se expande Fianar ao litoral tropical da costa leste da ilha. O TGV (Train à Gran Vibrations) malgaxe demorou quase 40 horas a cumprir o percurso. Fianarantsoa quase entrava noutra era.

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Morondava, Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.
Casario

Lares Doces Lares

Poucas espécies são mais sociais e gregárias que a humana. O Homem tende emular outros lares doces lares do mundo. Alguns desses casarios revelam-se impressionantes.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Safari
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Casario tradicional, Bergen, Noruega
Arquitectura & Design
Bergen, Noruega

O Grande Porto Hanseático da Noruega

Já povoada no início do século XI, Bergen chegou a capital, monopolizou o comércio do norte norueguês e, até 1830, manteve-se uma das maiores cidades da Escandinávia. Hoje, Oslo lidera a nação. Bergen continua a destacar-se pela sua exuberância arquitectónica, urbanística e histórica.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Dia da Austrália, Perth, bandeira australiana
Cerimónias e Festividades
Perth, Austrália

Dia da Austrália: em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.
Kiomizudera, Quioto, um Japão Milenar quase perdido
Cidades
Quioto, Japão

Um Japão Milenar Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Jardin Escultórico, Edward James, Xilitla, Huasteca Potosina, San Luis Potosi, México, Cobra dos Pecados
Cultura
Xilitla, San Luís Potosi, México

O Delírio Mexicano de Edward James

Na floresta tropical de Xilitla, a mente inquieta do poeta Edward James fez geminar um jardim-lar excêntrico. Hoje, Xilitla é louvada como um Éden do surreal.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Iguana em Tulum, Quintana Roo, México
Em Viagem
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
Dunas da ilha de Bazaruto, Moçambique
Étnico
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Composição sobre Nine Arches Bridge, Ella, Sri Lanka
História
PN Yala-Ella-Kandy, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
Aldeia da Cuada, Ilha das Flores, Açores, quarto de arco-íris
Ilhas
Aldeia da Cuada, Ilha das Flores, Açores

O Éden Açoriano Traído pelo outro Lado do Mar

A Cuada foi fundada, estima-se que em 1676, junto ao limiar oeste das Flores. Já em pleno século XX, os seus moradores juntaram-se à grande debandada açoriana para as Américas. Deixaram para trás uma aldeia tão deslumbrante como a ilha e os Açores.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
agua grande plataforma, cataratas iguacu, brasil, argentina
Natureza
Cataratas Iguaçu/Iguazu, Brasil/Argentina

O Troar da Grande Água

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Totem, Sitka, Viagem Alasca que já foi da Rússia
Parques Naturais
Sitka, Alasca

Sitka: Viagem por um Alasca que Já foi Russo

Em 1867, o czar Alexandre II teve que vender o Alasca russo aos Estados Unidos. Na pequena cidade de Sitka, encontramos o legado russo mas também os nativos Tlingit que os combateram.
Património Mundial UNESCO
Nikko, Japão

Nikko, Toshogu: o Santuário e Mausoléu do Xogum Tokugawa

Um tesouro histórico e arquitectónico incontornável do Japão, o santuário Toshogu de Nikko homenageia o mais importante dos xoguns nipónicos, mentor da nação japonesa: Tokugawa Ieyasu.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Tambores e tatoos
Praias
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Fiéis cristãos à saida de uma igreja, Upolu, Samoa Ocidental
Sociedade
Upolu, Samoa  

No Coração Partido da Polinésia

O imaginário do Pacífico do Sul paradisíaco é inquestionável em Samoa mas a sua formosura tropical não paga as contas nem da nação nem dos habitantes. Quem visita este arquipélago encontra um povo dividido entre sujeitar-se à tradição e ao marasmo financeiro ou desenraizar-se em países com horizontes mais vastos.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Vida Selvagem
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
PT EN ES FR DE IT