Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação


A caminho
Grupo de adolescentes percorre uma ruela da cidade alta de Fianarantsoa.
Um Lar no Verde
Casa tradicional destacada abaixo do casario da Cidade Alta de Fianarantsoa.
Menino Merina
Menino de etnia merina bem agasalhado numa manhã fresca.
Família Cristã
Fieis descem de uma missa para o sopé da Cidade Alta
Fianar: zona alta
Casario da Cidade Alta de Fianarantsoa com a catedral de Ambonzontani em destaque, à direita.
Hora da missa
Missa numa das várias igrejas cristãs de Fianarantsoa.
Contemplação
Moradores da Cidade Alta de Fianarantsoa com tempo para contemplar.
A Fianar Alta e Velha
Casario da Cidade Alta de Fianarantsoa.
Ambonzontani
A catedral de Ambonzontani, a maior igreja da Cidade Alta de Fianarantsoa.
A Vida de Rova
Momento de vida no sopé da Cidade Alta de Fianarantsoa.
Equilíbrio sobre varandas típicas
Galinha sobre varanda típica da Cidade Alta e velha de Fianarantsoa.
Linhas de Fianar
Retalho da arquitectura tradicional religiosa e habitacional da Cidade Alta de Fianarantsoa.
Conversa em dia
Jovens moradoras numa pequena loja do bairro de Rova.
Roupa-suja
Mulheres lavam roupa num lavadouro do bairro de Rova.
Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.

À letra, o termo Fianarantsoa é traduzível como “a cidade onde se aprende o bem” ou “o lugar em que se pode aprender algo de bom”. Logo na primeira vez em que a contemplamos, o casario secular da sua zona suprema e mais antiga, sugeriu-nos uma Coimbra exótica e antípoda, uma “lição de sonho e tradição…” malgaxe que não estávamos dispostos a perder.

Como Coimbra, Fianar – assim é tratada com carinho especial – desenrola-se encosta de Ivoneana abaixo até às margens dos rios que fluem pela sua base, o Tsiandanitra, o Mandanofotsy. Ocupou o espaço de uma antiga aldeia betsileo com esse mesmo nome, traduzível como “onde os mortos são escondidos”.

Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar

Casario da Cidade Alta de Fianarantsoa.

Situada a uma altitude média de 1200 metros, Fianarantsoa mantém-se dividida em três níveis históricos e urbanísticos fáceis de destrinçar: a Cidade Alta ou Velha, o âmago da sua origem, onde se concentra a maior parte dos edifícios tradicionais.

A Cidade Colonial disposta sobre a colina vizinha de Tsianolondroa e que acolheu quase todos os edifícios administrativos construídos durante a soberania francesa, entre 1894 e 1960. Por fim, a Cidade Baixa, disseminada pela alternância de pequenas colinas e vales em redor.

Mesmo se a sua mentora Ranavalona Iª se afirmou como avessa à influência e prepotência da França e da Grã-Bretanha – e ainda mais à Cristianização tentada pela London Missionary Society no reino do seu antecessor Radama I – a imposição colonial (francesa) e o proselitismo cristão que lhe veio agregado, não tardaram a triunfar.

Catedral de Ambonzontani, Fianarantsoa, Madagascar

A catedral de Ambonzontani, a maior igreja da Cidade Alta de Fianarantsoa.

Escadarias, Igrejas e Muita Fé

Assim se explicam as quase cinquenta igrejas protestantes, luteranas e católicas que lá existem, na maior concentração de toda a grande ilha de Madagáscar e a sucessão de fiéis nos seus melhores trajes que encontramos enquanto subimos a escadaria de cimento que conduz aos píncaros da Cidade Velha, e ao cirandarmos pelas ruelas e becos que a servem.

Entramos num dos templos protestantes que acolhia missa, a igreja FLM Trinitie Masombahoaka, de 1859. Lá damos com uma cena eucarística que nos seria em tudo familiar, não fossem os crentes deixarem livre uma ampla frente de assentos que os mantinha distantes tanto do altar como do coro instalado à sua direita.

Missa, Fianarantsoa, Madagascar

Missa numa das várias igrejas cristãs de Fianarantsoa.

A missa termina com os fiéis a saírem ordeiramente pela coxia central, escoltados pelo padre e acólitos que se colocam à saída do templo, a jeito de se despedirem do rebanho.

Lá fora, outros fiéis mais vencem os degraus largos da escadaria Rabaut St. Etienne e os pisos antigos e algo irregulares da Rue du Rova.

O Dia a Dia Secular de Fianarantsoa

Mas nem só de fé vive a Cidade Alta de Fianarantsoa. Por aqueles mesmos lados, um grupo de mulheres em animada galhofa castiga a roupa suja das famílias num lavadouro público na base da colina.

Lavadouro, Rova, Fianarantsoa, Madagascar

Mulheres lavam roupa num lavadouro do bairro de Rova.

Um jovem morador de um dos lares tradicionais de tijolinho e reboco em tons pastel, estende alguma sua roupa enfiado numa t-shirt CR7 apertada da selecção portuguesa que combina com uma imitação grená de ténis All Stars.

Na base da Cidade Alta e da pirâmide social de Fianarantsoa, vendedores campesinos provenientes das aldeias em redor, tentam ganhar a vida num mercadinho de chão improvisado contra uma de tantas paredes ocres de adobe.

Lá dispõem sacas de arroz da sua última colheita, bananas, ananases, amendoins, tomate, outros vegetais. Parte deles partilha as feições indomalaias e o tom de pele caramelo que os migrantes trouxeram daqueles lados da Ásia para a maior das ilhas africanas crê-se que em redor do século V d.C.

Moradores, Fianarantsoa, Madagascar

Moradores da Cidade Alta de Fianarantsoa com tempo para contemplar.

Os Merinos no Cume do Mosaico Étnico Malgaxe

Outros, têm peles muito mais escuras e traços do rosto menos refinados. A diferença, bem como o padrão colorido e de manta de retalhos que usam como uma espécie de moda rural, deixa-nos intrigados quanto à sua etnia.

Naquele momento, não tínhamos por perto o guia e condutor Lalah Randrianary, ele próprio um merino de pele quase branca e olhos ainda algo rasgados. Ponderarmos por conta própria, um sentido para a genética daquelas gentes seria, à partida, uma missão impossível.

Preferimos resignar-nos ao facto de serem dezoito os povos principais e oficiais que dividem entre si Madagáscar. E que, como seria de esperar, com o passar dos tempos, estes povos se amalgamaram em algo que já só pode ser qualificado como malgaxe.

Compramos bananas a duas das vendedoras, tagarelamos um pouco sobre já nem sabemos bem o quê. O suficiente para lhes cairmos nas graças e nos deixarem fotografá-las ainda que naqueles preparos que – para tal nos alertaram vezes sem conta – não eram dignos do nosso trabalho.

Acima e Abaixo das Ruelas Íngremes de Rova

Voltamos a apontar para o cimo. Na praceta que faz de preâmbulo à rampa que lá conduz, uma placa gasta indica a direcção do “Centre de Santé de Base Niveau de Rova”.

Rova-Fianarantsoa-Madagascar

Momento de vida no sopé da Cidade Alta de Fianarantsoa.

Antecede-a um parque de estacionamento espontâneo ocupado por carros e carrinhas de cores garridas, quase todos franceses. Lá se destacam pela sua madurez e exuberância cromática duas Renault 4L, entre Clios, Peugeots 205 e afins.

Alguns miúdos pedem dinheiro dizem-nos que para cadernos da escola. Na dúvida quanto ao destino da verba, compramos-lhe um conjunto deles. Assim nos rendemos ao seu plano de abordagem que incluía realizar o peditório à entrada da papelaria mais próxima e conveniente da zona.

Uma jovem mãe surge à porta de uma loja de artesanato com o seu bebé pesadão ao colo, entre chapéus coloridos de palha e um cesto metálico em que vende ovos avulso.

Cidade alta, Fianarantsoa, Madagáscar

Casario da Cidade Alta de Fianarantsoa com a catedral de Ambonzontani em destaque, à direita.

O Mirante Conveniente do Cimo de Fianarantsoa

Nessa derradeira ascensão da Rue du Rova, cruzamo-nos com mais crentes, desta feita, vindos da igreja protestante de FJKM Antranobiriky, apontados à semi-base da colina de Ivoneana de que se destaca a catedral d’Ambozontany, a maior das igrejas de Fianar, pelo menos no que à Cidade Velha concerne.

Subimos ao topo da colina, lugar de um palácio mandado erguer em 1830 por Rafaralahindraininaly um dos governadores da cidade, na vigência de Ranavalona Iª.

Um reservatório de água vedado impede-nos de o explorar como merecia. Para compensar, o cume desvenda-nos vistas sobre a Cidade Baixa e sobre as colinas e vales verdejantes que a envolvem.

Casa típica, Fianarantsoa, Madagascar

Casa tradicional destacada abaixo do casario da Cidade Alta de Fianarantsoa.

Nem ali nos falta a companhia. Uma espécie de gang de miuditos arejados e bem-dispostos aparece do nada. Perguntam-nos o que andamos ali a fazer e apontam-nos alguns dos sítios lá em baixo que conseguem identificar.

Uma das miúdas, provavelmente a mais velha, carrega uma criança com um ano e meio, no máximo dois anos. “É o meu bebé, agora, sabem. Os pais dele desapareceram.  Eu é que tomo conta dele.”. A mensagem, directa e genuína, à boa moda juvenil, comove-nos e deixa-nos quase sem jeito.

Pelo menos, até que uma das jovens amiga intercede e brinca com a criança e com a mãe adoptiva, com uma sensibilidade bem mais madura do que a sua face pueril deixaria adivinhar.

Com o passar das horas e os sucessivos contactos, começámos a sentir que as gentes de Fianar de todas as idades, partilhavam uma mesma subtileza do ser, um tacto e bom-senso vivencial com o seu quê de contagioso. Tendo em conta a história da cidade, tais atributos pareciam-nos tão inesperados como explicáveis.

Galinha e varandas típicas, Fianarantsoa, Madagascar

Galinha sobre varanda típica da Cidade Alta e velha de Fianarantsoa.

Ranavalona Iª – a Rainha Avessa a Interferências Coloniais

Como puderam testemunhar os emissários franceses e britânicos, Ranavalona Iª, a fundadora de Fianarantsoa não brincava em serviço e fazia questão de o deixar bem claro: “A todos os europeus, ingleses ou franceses, em reconhecimento do bem que fizeram ao meu país ao ensinarem a sabedoria e o conhecimento, exprimo-vos os meus agradecimentos….

E declaro-vos que podem seguir os vossos hábitos, não tenham receio porque não tenho qualquer intenção de os modificar….” Agora repare o leitor no aviso que se segue: “mas se eu vejo qualquer um dos meus súbditos querer mudar o que seja das regras estabelecidas pelos grandes doze reis meus ancestrais, isso nunca permitirei…. Assim, no que diz respeito à religião, seja ao Domingo, seja durante a semana, os baptismos e comunhões, interdito os meus súbditos de neles tomarem parte deixando-vos livres vocês, europeus de fazerem o que quiserem”.

Fieis cristãos, Fianarantsoa, Madagascar.

Fieis descem de uma missa para o sopé da Cidade Alta

Senhora de um nariz imperial, Ranavalona Iª não tardou a dotar a sua capital do sul de instituições académicas que atraíram mais e mais intelectuais do reino,  uns professores, outros nem por isso. Após a sua morte, o seu filho Rakotosehenondradama sucedeu-a enquanto rei Radama II.

Por mais filho que fosse, Radama II desprezava o isolacionismo e anti-europeísmo da progenitora. Provou-se um monarca fortemente francófilo que admitiu que, às escolas e outras instituições académicas, se juntassem as religiosas e culturais que perduram e proliferam na cidade.

Aos poucos, Fianarantsoa resplandeceu de conhecimento e de fé. Ao que se veio a juntar o trunfo não menos francófono de se ter tornado o centro vinícola e gastronómico da grande ilha de África.

A Relação Bipolar com Ravanalona Iª os ex-colonos Franceses

Durante a década de 50, o povo malgaxe passou pelo processo independentista comum a todas as colónias africanas.

Ainda que os franceses mantenham o seu cunho histórico em Fianar e em Madagáscar em geral, de cada vez que a nação se vê ameaçada por intrusões pós-coloniais excessivas, é comum os malgaxes da cidade (e não só) exaltarem a referência da cruel soberana Ranavalona Iª, não a do descendente quase gaulês Radama II.

Isto, apesar de a rainha ter assegurado o seu reinado de 33 anos e 15 dias após mandar assassinar todos os regentes que a ameaçavam na sucessão do recém-falecido marido: outras mulheres, filhos e até a sua própria mãe, de ter torturado e assassinado inúmeros súbditos malgaxes mas também estrangeiros.

Jovens moradoras, Rova, Fianarantsoa, Madagascar

Jovens moradoras numa pequena loja do bairro de Rova.

E de muitos malgaxes discordantes tratarem a sua vigência por “tany maizina” ou “os anos de escuridão”.

Na madrugada seguinte, conduzidos pelo nativo Lalah Randrianary embarcamos noutro dos contributos europeus que Ranavalona Iª teria permitido e agradecido: o Fianarantsoa-Côte Est railway.

Este caminho de ferro foi construído pelos franceses em dez anos (1926 – 1936) para ligar, em 162 km, o planalto em que se expande Fianar ao litoral tropical da costa leste da ilha. O TGV (Train à Gran Vibrations) malgaxe demorou quase 40 horas a cumprir o percurso. Fianarantsoa quase entrava noutra era.

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Morondava, Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.
Casario

Lares Doces Lares

Poucas espécies são mais sociais e gregárias que a humana. O Homem tende emular outros lares doces lares do mundo. Alguns desses casarios revelam-se impressionantes.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Yak Kharka a Thorong Phedi, Circuito Annapurna, Nepal, iaques
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 11º: Yak Karkha a Thorong Phedi, Nepal

A Chegada ao Sopé do Desfiladeiro

Num pouco mais de 6km, subimos dos 4018m aos 4450m, na base do desfiladeiro de Thorong La. Pelo caminho, questionamos se o que sentíamos seriam os primeiros problemas de Mal de Altitude. Nunca passou de falso alarme.
Luderitz, Namibia
Arquitectura & Design
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Aventura
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
cavaleiros do divino, fe no divino espirito santo, Pirenopolis, Brasil
Cerimónias e Festividades
Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
Viagem na História de Santa Cruz de La Palma, Canárias, Varandas Avenida Marítima
Cidades
Santa Cruz de La Palma, Canárias

A Viagem na História de Santa Cruz de La Palma

Começou como mera Villa del Apurón. Chegado o séc. XVI, a povoação não só tinha ultrapassado as suas dificuldades como era já a terceira cidade portuária da Europa. Herdeira dessa abençoada prosperidade, Santa Cruz de La Palma tornou-se uma das capitais mais elegantes das Canárias.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Cultura
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia – Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Twelve Apostles, Great Ocean Road, Victoria, Austrália
Em Viagem
Great Ocean Road, Austrália

Oceano Fora, pelo Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
Moradora de Dali, Yunnan, China
Étnico
Dali, China

A China Surrealista de Dali

Encaixada num cenário lacustre mágico, a antiga capital do povo Bai manteve-se, até há algum tempo, um refúgio da comunidade mochileira de viajantes. As mudanças sociais e económicas da China fomentaram a invasão de chineses à descoberta do recanto sudoeste da nação.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

O Terreno e o Celestial

Colonia del Sacramento, Uruguai
História
Colónia do Sacramento, Uruguai

Colónia do Sacramento: o Legado Uruguaio de um Vaivém Histórico

A fundação de Colónia do Sacramento pelos portugueses gerou conflitos recorrentes com os rivais hispânicos. Até 1828, esta praça fortificada, hoje sedativa, mudou de lado vezes sem conta.
Ilha Saona, República Dominicana, Piscina Playa Palmilla
Ilhas
Ilha Saona, República Dominicana

Uma Savona nas Antilhas

Durante a sua segunda viagem às Américas, Colombo desembarcou numa ilha exótica encantadora. Baptizou-a de Savona, em honra de Michele da Cuneo, marinheiro savonês que a percebeu destacada da grande Hispaniola. Hoje tratada por Saona, essa ilha é um dos édenes tropicais idolatrados da República Dominicana.

Verificação da correspondência
Inverno Branco
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Almada Negreiros, Roça Saudade, São Tomé
Literatura
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Banho refrescante no Blue-hole de Matevulu.
Natureza
Espiritu Santo, Vanuatu

Os Blue Holes Misteriosos de Espiritu Santo

A humanidade rejubilou, há pouco tempo, com a primeira fotografia de um buraco negro. Em jeito de resposta, decidimos celebrar o que de melhor temos cá na Terra. Este artigo é dedicado aos blue holes de uma das ilhas abençoadas de Vanuatu.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Namibe, Angola, Gruta, Parque Iona
Parques Naturais
Namibe, Angola

Incursão ao Namibe Angolano

À descoberta do sul de Angola, deixamos Moçâmedes para o interior da província desértica. Ao longo de milhares de quilómetros sobre terra e areia, a rudeza dos cenários só reforça o assombro da sua vastidão.
hué, cidade comunista, Vietname Imperial, Comunismo Imperial
Património Mundial UNESCO
Hué, Vietname

A Herança Vermelha do Vietname Imperial

Sofreu as piores agruras da Guerra do Vietname e foi desprezada pelos vietcong devido ao passado feudal. As bandeiras nacional-comunistas esvoaçam sobre as suas muralhas mas Hué recupera o esplendor.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Cabo Ledo Angola, moxixeiros
Praias
Cabo Ledo, Angola

O Cabo Ledo e a Baía do Regozijo

A apenas a 120km a sul de Luanda, vagas do Atlântico caprichosas e falésias coroadas de moxixeiros disputam a terra de musseque. Partilham a grande enseada forasteiros rendidos ao cenário e os angolanos residentes que o mar generoso há muito sustenta.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Religião
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Trem do Serra do Mar, Paraná, vista arejada
Sobre Carris
Curitiba a Morretes, Paraná, Brasil

Paraná Abaixo, a Bordo do Trem Serra do Mar

Durante mais de dois séculos, só uma estrada sinuosa e estreita ligava Curitiba ao litoral. Até que, em 1885, uma empresa francesa inaugurou um caminho-de-ferro com 110 km. Percorremo-lo, até Morretes, a estação, hoje, final para passageiros. A 40km do término original e costeiro de Paranaguá.
Fiéis cristãos à saida de uma igreja, Upolu, Samoa Ocidental
Sociedade
Upolu, Samoa  

No Coração Partido da Polinésia

O imaginário do Pacífico do Sul paradisíaco é inquestionável em Samoa mas a sua formosura tropical não paga as contas nem da nação nem dos habitantes. Quem visita este arquipélago encontra um povo dividido entre sujeitar-se à tradição e ao marasmo financeiro ou desenraizar-se em países com horizontes mais vastos.
saksun, Ilhas Faroé, Streymoy, aviso
Vida Quotidiana
Saksun, StreymoyIlhas Faroé

A Aldeia Faroesa que Não Quer ser a Disneylandia

Saksun é uma de várias pequenas povoações deslumbrantes das Ilhas Faroé, que cada vez mais forasteiros visitam. Diferencia-a a aversão aos turistas do seu principal proprietário rural, autor de repetidas antipatias e atentados contra os invasores da sua terra.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Vida Selvagem
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.