Cahuita, Costa Rica

Um Regresso Adulto a Cahuita


Letreiros do Pueblo
Negócios fazem-se notar junto à estrada que conduz à Playa Negra.
Trilho da Selva
Caminhantes percorrem o trilho estreito e verdejante no início do PN Cahuita.
Um Micado Litoral
Troncos derrubados pela passagem devastadora de ciclones pelo litoral caribenho da Costa Rica.
cahuita-costa-rica-macaco-uivador
Macaco-uivador contempla o cenário a partir de um ramo do PN Cahuita.
Tropical Divinal
Vegetação tropical quase anfíbia que precede a Punta Cahuita.
Bocaraca Amarela
Víbora repousa na ramagem de uma palmeira a caminho da Punta Cahuita.
Punta Cahuita do Ar
Areal e banco de coral ao largo da Punta Cahuita, o ponto do Parque Nacional homónimo que serve de fim da caminhada.
Preguiça Dois Dedos
Preguiça aprecia o mundo ao contrário como faz boa parte da sua vida.
Passadiço do Parque
Caminhante cruza um passadiço que conduz à Punta Cahuita do PN Cahuita.
Guaxinim. Ou Mapache
Espécime de um dos mamíferos rapaces e oportunistas que patrulham o PN Cahuita.
Playa Negra enevoada
Banhistas perdidos na névoa que irriga a vegetação limiar da Playa Negra.
Tracção Animal
Esquilo reclama o seu território numa das incontáveis árvores ao longo do trilho do PN Cahuita.
Tropical Casual
Pós-ocaso azula o cenário tropical da beira-mar de Cahuita.
Pousos Ferrujentos
Gaivinas repousam sobre os suportes de um velho ancoradouro do PN Cahuita destruído pelas tempestades.
Duo Azul
Namorados conversam num extremo da Playa Negra.
Durante um périplo mochileiro pela Costa Rica, de 2003, deliciamo-nos com o aconchego caribenho de Cahuita. Em 2021, decorridos 18 anos, voltamos. Além de uma esperada, mas comedida modernização e hispanização do pueblo, pouco mais tinha mudado.

Quando cortamos da via principal, na direcção do mar e da povoação, Cahuita impinge-nos novos modos.

Surpreende-nos.

Da primeira vez que a visitámos, chegámos num velho autocarro e não nos lembramos sequer de por onde entrámos na aldeola. Desta vez, Cahuita exibia-se, garrida, na forma daquelas letras icónicas que, surgiram sabemos lá onde, e continuam a apoderar-se do Mundo.

Também pela Costa Rica se espalhou esse vírus.

Com o país ainda fechado, um grupo de moradores decidiu lutar contra o marasmo provocado pela pandemia Covid-19, e embelezar a sua terra com o adorno de que tantas outras paragens ticas já se orgulhavam.

Dotaram-na de letras cor-de-rosa, amarelas e azuis-cueca. O “C” a servir de pouso a um tucano, também ele multicolor.

Encontramos uma grelha de ruas, em vez de terra mal-batida e enlameada, já quase toda asfaltada. Bares e restaurantes maiores e mais opressivos que destoavam dos negócios humildes d’outrora.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, Letreiros

Instalamo-nos numas tais de Cabinas Smith, agora, como então, alojamento humilde e barato.

Cumprido um breve descanso, saímos em modo de saudosismo, em busca da Cahuita que nos encantara e que desejávamos reconhecer.

Lembrávamo-nos que nos tínhamos alojado num quarto mesmo à beira do Mar das Caraíbas, apenas protegido da ondulação por um recife largo e compacto.

Identificamos a Playa Negra e o campo de futebol onde nos juntámos a uma partida disputada pelos nativos. Sentamo-nos na esplanada de um bar, a assistirmos ao desfile de tons com que o arrebol tingia o Caribe.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, anoitecer

Jantamos o casado habitual.

Destruídos pela viagem de quase todo o dia a partir da capital San Jose, pela ruta 32, em obras eternas de ampliação, dormimos mais cedo do que seria habitual.

Na manhã seguinte, uma das primeiras coisas em que reparamos é o aparente desaparecimento dos moradores afro.

Nas quase duas décadas decorridas, a comunidade rasta local que nos havia abordado vezes sem conta parecia ausente, de acordo com uma nova etnicidade de Cahuita, reajustada ao predomínio branco-crioulo da nação tica.

Estranhamos apenas e só o necessário. Ansiávamos ver o quanto teria mudado o entorno selvagem da povoação.

 

De Volta ao Deslumbrante Parque Nacional Cahuita

Cahuita era, afinal, também o nome de um parque nacional, um dos primeiros criados no país, em 1970, com o fim de proteger o recife de coral vasto e prolífico ao largo.

A meio da manhã, apontamos à Playa Blanca em que as autoridades instalaram a casinha do SINAC – Sistema Nacional de Áreas de Conservación, num lugar estratégico para evitar incursões desautorizadas, com o mar por diante.

E o Kelly Creek atrás, a inaugurar a área de manguezal e pantanal, habitat de crocodilos, tartarugas e incontáveis iguanas, à imagem do ainda mais vasto Tortuguero a norte.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, Trilho

Cumpridos os protocolos, fazemo-nos ao trilho estreito, aberto uns poucos metros para dentro do areal e que, como tal, permite aos caminhantes estarem de olho nos dois ambientes:

o marinho, pejado de coqueiros e almendreras, das tropicais, as árvores preferidas das araras. E o florestal que nos separava e protegia do esquivo Rio Suarez.

Já vínhamos com dois meses de exploração da Costa Rica, dos seus parques, da sua fauna.

Mesmo sem guia, nuns meros minutos, detectamos uma preguiça agarrada a um tronco alto.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, preguiça

Preguiças, Macacos e Guaxinins. Parte de uma Fauna muito Activa

Era amarelada, de dois dedos, como as tínhamos já aprendido a distinguir das de três, estas, donas de pelagem cinzenta e de uma “máscara” negra em redor dos olhos, que as faz parecer criminais.

Progredimos pelo trilho. Instantes depois, damos com o primeiro gangue de primatas oportunistas, macacos-pregos-de-cara-branca atentos a qualquer deslize e exposição de alimento por parte dos caminhantes e dos banhistas na praia.

Os símios alvejavam os humanos pelos seus caminhos aéreos de troncos e ramos.

Ao nível do solo, também os guaxinins (mapaches, como lhes chamam os costarriquenhos) tentavam a sua sorte, com os mesmos olhos “mascarados” das preguiças de três dedos, mas bastante mais mexidos e intrusivos.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, guaxinim

Nesta comunhão com a fauna local, chegamos à foz do rio Suárez.

Desvendamos a entrada desafogada para o pantanal.

E lembramo-nos do lugar exacto em que, em Fevereiro de 2003, a Sara tinha sido atacada e picada por um bando de mosquitos sedentos de sangue de que só uma correria e mergulho no mar a salvou.

Com danos de muita comichão.

Da Foz do Rio Suarez, Rumo à Punta Cahuita. Em Vão.

Cruzamos o rio. Prosseguimos pelo lado norte da península de Cahuita. Da foz do Suarez em diante, o trilho avança mais próximo da praia. Amiúde, pela praia.

A intimidade com o Mar das Caraíbas revela-nos os danos provocados pelos furacões que, nos últimos anos, têm fustigado com maior frequência as Honduras, a Nicarágua, a Costa Rica e o Panamá, os dois últimos países, já considerados fora das trajectórias caribenhas habituais dos ciclones.

Constatamos como, em comparação com 2003, o areal tinha recuado e até desaparecido. E como uma profusão de grandes troncos, entrecruzados, se estendia como um estranho micado arbóreo.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, troncos

Lembrávamo-nos do ponto alto da caminhada, o mais tropical.

Já ansiávamos, aliás, pela recompensa da deslumbrante Punta Cahuita. Não seria nessa tarde que lá chegaríamos.

Distrai-nos um velho tanque de cimento, um legado de águas ainda fervilhantes de uma prospecção petrolífera já mais que secular que, para fortuna do meio-ambiente costarriquenho, se ficou por aí.

A certo ponto da Playa Blanca, o trilho leva-nos para dentro da península e da floresta.

Dá lugar a um longo passadiço elevado sobre o solo alagado, com um posto de sombra e de descanso pelo meio.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, passadiço

Uma Comunidade Ululante de Macacos-Uivadores

Matamos a sede e recompomos as mochilas quando um rugido familiar, mas que nunca tínhamos ouvido tão próximo e fulminante, nos aturde.

Avançamos no passadiço. Percorridas mais umas dezenas de metros, damos connosco no meio de um bando de macacos-uivadores, num convívio sonolento, pouco perturbado com a observação dos caminhantes que se juntavam abaixo.

Uns atrás dos outros, em coros desarranjados, os seus urros ecoavam pela floresta. Penetravam, de tal forma, nos ouvidos e cérebros dos humanos que, estes, se limitavam a observar as bocas escancaradas e tremelicantes dos cantores.

Perdida no espanto, uma espectadora não reparou que um dos macacos se tinha mudado para um tronco acima de si. Percebeu-o quando o símio a prendou com uma descarga de urina.

Num pasmo similar, entre fotografia e vídeo, observamo-los e documentamo-los até quase às quatro da tarde.

Sem que o esperássemos, por essa hora, Lili Dias, uma guarda SINAC do parque, surgiu do lado oposto do passadiço.

Aos poucos, com mais determinação que paciência de tico, varreu todos os visitantes que encontrou pelo caminho, para a entrada de Kelly Creek.

À Re-descoberta da Playa Negra. E, de Volta ao Parque Cahuita

Voltamos ao litoral da Playa Negra. Encontramo-la repleta de costarriquenhos e de estrangeiros a aproveitarem as últimas horas do Sábado, animados por reggaeton e outros ritmos caribenhos, passados por um qualquer DJ, num bar além da estrada.

Caminhamos, por ali, encantados pela atmosfera de rumbear balnear a que nem o novo e súbito crepúsculo arroxeado retirava magia.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, névoa

Repetimos a fórmula de recuperação de energias da noite anterior. Cansados de sucessivas caminhadas, voltamos a despertar pelas nove.

Assim que conseguimos, reentramos no parque, mentalizados a irmos o mais directos possível até onde a guarda Lili Dias nos havia raptado, quase 4km após a entrada de Kelly Creek.

Voltamos a detectar preguiças e guaxinins. O clã de macacos-uivadores, esse, tinha-se mudado para outras paragens.

Uma Exuberante Serpente-de-Pestana

Uma vez mais embrenhados na selva, um guia nativo repara no empenho observador em que andávamos.

Resolve recompensar-nos. “Amigos, como tico que sou, faço questão que terminem a caminhada o mais felizes possível. Vou-vos mostrar uma coisa em que não repararam.”

Saudamo-lo, intrigados com a inesperada abordagem.

O guia aponta-nos os ramos de uma palmeira baixa. Neles, muito enrolada, estava uma serpente amarela, uma bocaraca, assim nos informou o guia ser o seu nome hispânico, tratada, em português, por víbora-de-pestana.

Venenosa, perigosa, a cobra mantinha-se, por aquela altura, inactiva.

O seu sono permitiu-nos fotografá-la de perto. E, a um esquilo vizinho, cirandar em redor, furioso com tanta intrusão nos seus domínios.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, esquilo

Continuamos.

O trilho revela nova abertura para a Playa Blanca, um trecho em tempos servido de um molhe que os furacões arrancaram por completo.

Sobravam ruínas ferrugentas dos postes, agora, pousos convenientes de um bando de gaivinas.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, gaivinas

A Paragem Final Recompensadora de Punta Cahuita

Completados quatro quilómetros, atingimos a Punta Cahuita. Parecia-nos encolhida, desprovida de muitos dos coqueiros que antes dela despontavam.

De resto, assente na mesma areia coralífera de giz, envolta do mesmo Mar das Caraíbas verde-esmeralda e translúcido, movido por correntes que a maré intensificava.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, Punta Cahuita

Metemo-nos na água.

Deixamos os corpos flutuar e descontraírem da tensão a que a caminhada e o equipamento fotográfico os obrigavam.

Celebramos o retorno àquele extremo da Costa Rica que há muito retínhamos como especial.

Quase uma hora de relax depois, Lili Dias reaparece da extensão do trilho que vinha do lado oposto da península, da entrada do parque de Puerto Vargas.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, praia

Saudamo-la. Deixamos o bem-bom amornado.

Numa conversa bem-disposta com a guarda, completamos o derradeiro regresso a Cahuita.

 

Artigo realizado com o apoio de:

JUMBO CAR COSTA RICA

www.jumbocar-costarica.com

Código JUMBOCOSTARICA  =  -10% em todas as reservas, até 31-12-2022

Cahuita, Costa Rica

Uma Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral da Costa Rica tão afro quanto das Caraíbas. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas

Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.
Corn Islands-Ilhas do Milho, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands ou Ilhas do Milho, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.
PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
Miravalles, Costa Rica

O Vulcão que Miravalles

Com 2023 metros, o Miravalles destaca-se no norte da Costa Rica, bem acima de uma cordilheira de pares que inclui o La Giganta, o Tenório, Espiritu Santo, o Santa Maria, o Rincón de La Vieja e o Orosi. Inactivo no que diz respeito a erupções, alimenta um campo geotermal prolífico que amorna as vidas dos costarriquenhos à sua sombra.
Caño Negro, Costa Rica

Uma Vida à Pesca entre a Vida Selvagem

Uma das zonas húmidas mais importantes da Costa Rica e do Mundo, Caño Negro deslumbra pelo seu ecossistema exuberante. Não só. Remota, isolada por rios, pântanos e estradas sofríveis, os seus habitantes encontraram na pesca um meio embarcado de fortalecerem os laços da sua comunidade.
Montezuma, Costa Rica

De Volta aos Braços Tropicais de Montezuma

Passaram 18 anos desde que nos deslumbrámos com este que é um dos litorais abençoados da Costa Rica. Há apenas dois meses, reencontrámo-lo. Tão aconchegante como o  tínhamos conhecido.
Monteverde, Costa Rica

O Refúgio Ecológico que os Quakers Legaram ao Mundo

Desiludidos com a propensão militar dos E.U.A., um grupo de 44 Quakers migrou para a Costa Rica, nação que havia abolido o exército. Agricultores, criadores de gado, tornaram-se conservacionistas. Viabilizaram um dos redutos naturais mais reverenciados da América Central.
PN Tortuguero, Costa Rica

Uma Noite no Berçário de Tortuguero

O nome da região de Tortuguero tem uma óbvia e antiga razão. Há muito que as tartarugas do Atlântico e do Mar das Caraíbas se reunem nas praias de areia negro do seu estreito litoral para desovarem. Numa das noites que passamos em Tortuguero assistimos aos seus frenéticos nascimentos.
PN Henri Pittier, Venezuela

PN Henri Pittier: entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou
Fogón de Lola, Costa Rica

O Sabor a Costa Rica de El Fogón de Lola

Como o nome deixa perceber, o Fogón de Lola de Guapiles serve pratos confeccionados ao fogão e ao forno, segundo tradição familiar costarricense. Em particular, a família da Tia Lola.
Gandoca-Manzanillo (Refúgio de Vida Selvagem), Costa Rica

O Refúgio Caribenho de Gandoca-Manzanillo

No fundo do seu litoral sudeste, na iminência do Panamá, a nação “tica” protege um retalho de selva, de pântano e de Mar das Caraíbas. Além de um refúgio de vida selvagem providencial, Gandoca-Manzanillo revela-se um deslumbrante éden tropical.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Safari
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
A pequena-grande Senglea II
Arquitectura & Design
Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
Bom conselho Budista
Cerimónias e Festividades
Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.
Casario de Gangtok, Sikkim, Índia
Cidades
Gangtok, Índia

Uma Vida a Meia-Encosta

Gangtok é a capital de Sikkim, um antigo reino da secção dos Himalaias da Rota da Seda tornado província indiana em 1975. A cidade surge equilibrada numa vertente, de frente para a Kanchenjunga, a terceira maior elevação do mundo que muitos nativos crêem abrigar um Vale paradisíaco da Imortalidade. A sua íngreme e esforçada existência budista visa, ali, ou noutra parte, o alcançarem.
fogon de Lola, comida rica, Costa Rica, Guapiles
Comida
Fogón de Lola, Costa Rica

O Sabor a Costa Rica de El Fogón de Lola

Como o nome deixa perceber, o Fogón de Lola de Guapiles serve pratos confeccionados ao fogão e ao forno, segundo tradição familiar costarricense. Em particular, a família da Tia Lola.
Sombra de sucesso
Cultura
Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Vista do John Ford Point, Monument Valley, Nacao Navajo, Estados Unidos
Em Viagem
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Retorno na mesma moeda
Étnico
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Garranos galopam pelo planalto acima de Castro Laboreiro, PN Peneda-Gerês, Portugal
História
Castro Laboreiro, Portugal  

Do Castro de Laboreiro à Raia da Serra Peneda – Gerês

Chegamos à (i) eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Ilhéu das Rolas, São Tomé e Príncipe, equador, enseada
Ilhas
Ilhéu das Rolas, São Tomé e Príncipe

Ilhéu das Rolas: São Tomé e Principe a Latitude Zero

Ponto mais austral de São Tomé e Príncipe, o Ilhéu das Rolas é luxuriante e vulcânico. A grande novidade e ponto de interesse desta extensão insular da segunda menor nação africana está na coincidência de a cruzar a Linha do Equador.
Quebra-Gelo Sampo, Kemi, Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Barrancas del Cobre, Chihuahua, mulher Rarámuri
Natureza
Barrancas del Cobre, Chihuahua, México

O México Profundo das Barrancas del Cobre

Sem aviso, as terras altas de Chihuahua dão lugar a ravinas sem fim. Sessenta milhões de anos geológicos sulcaram-nas e tornaram-nas inóspitas. Os indígenas Rarámuri continuam a chamar-lhes casa.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Dunas da ilha de Bazaruto, Moçambique
Parques Naturais
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
no Palco, Antigua, Guatemala
Património Mundial UNESCO
Antigua, Guatemala

Guatemala Hispânica à Moda Antigua

Em 1743, vários sismos arrasaram uma das cidades coloniais pioneiras mais encantadora das Américas. Antigua regenerou-se mas preserva a religiosidade e o dramatismo do seu passado épico-trágico.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, recife coral
Praias
Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.
Forte de São Filipe, Cidade Velha, ilha de Santiago, Cabo Verde
Religião
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre Carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Graffiti deusa creepy, Haight Ashbury, Sao Francisco, EUA, Estados Unidos America
Sociedade
The Haight, São Francisco, E.U.A.

Órfãos do Verão do Amor

O inconformismo e a criatividade ainda estão presentes no antigo bairro Flower Power. Mas, quase 50 anos depois, a geração hippie deu lugar a uma juventude sem-abrigo, descontrolada e até agressiva.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Maria Jacarés, Pantanal Brasil
Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.