Cahuita, Costa Rica

Um Regresso Adulto a Cahuita


Letreiros do Pueblo
Negócios fazem-se notar junto à estrada que conduz à Playa Negra.
Trilho da Selva
Caminhantes percorrem o trilho estreito e verdejante no início do PN Cahuita.
Um Micado Litoral
Troncos derrubados pela passagem devastadora de ciclones pelo litoral caribenho da Costa Rica.
cahuita-costa-rica-macaco-uivador
Macaco-uivador contempla o cenário a partir de um ramo do PN Cahuita.
Tropical Divinal
Vegetação tropical quase anfíbia que precede a Punta Cahuita.
Bocaraca Amarela
Víbora repousa na ramagem de uma palmeira a caminho da Punta Cahuita.
Punta Cahuita do Ar
Areal e banco de coral ao largo da Punta Cahuita, o ponto do Parque Nacional homónimo que serve de fim da caminhada.
Preguiça Dois Dedos
Preguiça aprecia o mundo ao contrário como faz boa parte da sua vida.
Passadiço do Parque
Caminhante cruza um passadiço que conduz à Punta Cahuita do PN Cahuita.
Guaxinim. Ou Mapache
Espécime de um dos mamíferos rapaces e oportunistas que patrulham o PN Cahuita.
Playa Negra enevoada
Banhistas perdidos na névoa que irriga a vegetação limiar da Playa Negra.
Tracção Animal
Esquilo reclama o seu território numa das incontáveis árvores ao longo do trilho do PN Cahuita.
Tropical Casual
Pós-ocaso azula o cenário tropical da beira-mar de Cahuita.
Pousos Ferrujentos
Gaivinas repousam sobre os suportes de um velho ancoradouro do PN Cahuita destruído pelas tempestades.
Duo Azul
Namorados conversam num extremo da Playa Negra.
Durante um périplo mochileiro pela Costa Rica, de 2003, deliciamo-nos com o aconchego caribenho de Cahuita. Em 2021, decorridos 18 anos, voltamos. Além de uma esperada, mas comedida modernização e hispanização do pueblo, pouco mais tinha mudado.

Quando cortamos da via principal, na direcção do mar e da povoação, Cahuita impinge-nos novos modos.

Surpreende-nos.

Da primeira vez que a visitámos, chegámos num velho autocarro e não nos lembramos sequer de por onde entrámos na aldeola. Desta vez, Cahuita exibia-se, garrida, na forma daquelas letras icónicas que, surgiram sabemos lá onde, e continuam a apoderar-se do Mundo.

Também pela Costa Rica se espalhou esse vírus.

Com o país ainda fechado, um grupo de moradores decidiu lutar contra o marasmo provocado pela pandemia Covid-19, e embelezar a sua terra com o adorno de que tantas outras paragens ticas já se orgulhavam.

Dotaram-na de letras cor-de-rosa, amarelas e azuis-cueca. O “C” a servir de pouso a um tucano, também ele multicolor.

Encontramos uma grelha de ruas, em vez de terra mal-batida e enlameada, já quase toda asfaltada. Bares e restaurantes maiores e mais opressivos que destoavam dos negócios humildes d’outrora.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, Letreiros

Instalamo-nos numas tais de Cabinas Smith, agora, como então, alojamento humilde e barato.

Cumprido um breve descanso, saímos em modo de saudosismo, em busca da Cahuita que nos encantara e que desejávamos reconhecer.

Lembrávamo-nos que nos tínhamos alojado num quarto mesmo à beira do Mar das Caraíbas, apenas protegido da ondulação por um recife largo e compacto.

Identificamos a Playa Negra e o campo de futebol onde nos juntámos a uma partida disputada pelos nativos. Sentamo-nos na esplanada de um bar, a assistirmos ao desfile de tons com que o arrebol tingia o Caribe.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, anoitecer

Jantamos o casado habitual.

Destruídos pela viagem de quase todo o dia a partir da capital San Jose, pela ruta 32, em obras eternas de ampliação, dormimos mais cedo do que seria habitual.

Na manhã seguinte, uma das primeiras coisas em que reparamos é o aparente desaparecimento dos moradores afro.

Nas quase duas décadas decorridas, a comunidade rasta local que nos havia abordado vezes sem conta parecia ausente, de acordo com uma nova etnicidade de Cahuita, reajustada ao predomínio branco-crioulo da nação tica.

Estranhamos apenas e só o necessário. Ansiávamos ver o quanto teria mudado o entorno selvagem da povoação.

 

De Volta ao Deslumbrante Parque Nacional Cahuita

Cahuita era, afinal, também o nome de um parque nacional, um dos primeiros criados no país, em 1970, com o fim de proteger o recife de coral vasto e prolífico ao largo.

A meio da manhã, apontamos à Playa Blanca em que as autoridades instalaram a casinha do SINAC – Sistema Nacional de Áreas de Conservación, num lugar estratégico para evitar incursões desautorizadas, com o mar por diante.

E o Kelly Creek atrás, a inaugurar a área de manguezal e pantanal, habitat de crocodilos, tartarugas e incontáveis iguanas, à imagem do ainda mais vasto Tortuguero a norte.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, Trilho

Cumpridos os protocolos, fazemo-nos ao trilho estreito, aberto uns poucos metros para dentro do areal e que, como tal, permite aos caminhantes estarem de olho nos dois ambientes:

o marinho, pejado de coqueiros e almendreras, das tropicais, as árvores preferidas das araras. E o florestal que nos separava e protegia do esquivo Rio Suarez.

Já vínhamos com dois meses de exploração da Costa Rica, dos seus parques, da sua fauna.

Mesmo sem guia, nuns meros minutos, detectamos uma preguiça agarrada a um tronco alto.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, preguiça

Preguiças, Macacos e Guaxinins. Parte de uma Fauna muito Activa

Era amarelada, de dois dedos, como as tínhamos já aprendido a distinguir das de três, estas, donas de pelagem cinzenta e de uma “máscara” negra em redor dos olhos, que as faz parecer criminais.

Progredimos pelo trilho. Instantes depois, damos com o primeiro gangue de primatas oportunistas, macacos-pregos-de-cara-branca atentos a qualquer deslize e exposição de alimento por parte dos caminhantes e dos banhistas na praia.

Os símios alvejavam os humanos pelos seus caminhos aéreos de troncos e ramos.

Ao nível do solo, também os guaxinins (mapaches, como lhes chamam os costarriquenhos) tentavam a sua sorte, com os mesmos olhos “mascarados” das preguiças de três dedos, mas bastante mais mexidos e intrusivos.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, guaxinim

Nesta comunhão com a fauna local, chegamos à foz do rio Suárez.

Desvendamos a entrada desafogada para o pantanal.

E lembramo-nos do lugar exacto em que, em Fevereiro de 2003, a Sara tinha sido atacada e picada por um bando de mosquitos sedentos de sangue de que só uma correria e mergulho no mar a salvou.

Com danos de muita comichão.

Da Foz do Rio Suarez, Rumo à Punta Cahuita. Em Vão.

Cruzamos o rio. Prosseguimos pelo lado norte da península de Cahuita. Da foz do Suarez em diante, o trilho avança mais próximo da praia. Amiúde, pela praia.

A intimidade com o Mar das Caraíbas revela-nos os danos provocados pelos furacões que, nos últimos anos, têm fustigado com maior frequência as Honduras, a Nicarágua, a Costa Rica e o Panamá, os dois últimos países, já considerados fora das trajectórias caribenhas habituais dos ciclones.

Constatamos como, em comparação com 2003, o areal tinha recuado e até desaparecido. E como uma profusão de grandes troncos, entrecruzados, se estendia como um estranho micado arbóreo.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, troncos

Lembrávamo-nos do ponto alto da caminhada, o mais tropical.

Já ansiávamos, aliás, pela recompensa da deslumbrante Punta Cahuita. Não seria nessa tarde que lá chegaríamos.

Distrai-nos um velho tanque de cimento, um legado de águas ainda fervilhantes de uma prospecção petrolífera já mais que secular que, para fortuna do meio-ambiente costarriquenho, se ficou por aí.

A certo ponto da Playa Blanca, o trilho leva-nos para dentro da península e da floresta.

Dá lugar a um longo passadiço elevado sobre o solo alagado, com um posto de sombra e de descanso pelo meio.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, passadiço

Uma Comunidade Ululante de Macacos-Uivadores

Matamos a sede e recompomos as mochilas quando um rugido familiar, mas que nunca tínhamos ouvido tão próximo e fulminante, nos aturde.

Avançamos no passadiço. Percorridas mais umas dezenas de metros, damos connosco no meio de um bando de macacos-uivadores, num convívio sonolento, pouco perturbado com a observação dos caminhantes que se juntavam abaixo.

Uns atrás dos outros, em coros desarranjados, os seus urros ecoavam pela floresta. Penetravam, de tal forma, nos ouvidos e cérebros dos humanos que, estes, se limitavam a observar as bocas escancaradas e tremelicantes dos cantores.

Perdida no espanto, uma espectadora não reparou que um dos macacos se tinha mudado para um tronco acima de si. Percebeu-o quando o símio a prendou com uma descarga de urina.

Num pasmo similar, entre fotografia e vídeo, observamo-los e documentamo-los até quase às quatro da tarde.

Sem que o esperássemos, por essa hora, Lili Dias, uma guarda SINAC do parque, surgiu do lado oposto do passadiço.

Aos poucos, com mais determinação que paciência de tico, varreu todos os visitantes que encontrou pelo caminho, para a entrada de Kelly Creek.

À Re-descoberta da Playa Negra. E, de Volta ao Parque Cahuita

Voltamos ao litoral da Playa Negra. Encontramo-la repleta de costarriquenhos e de estrangeiros a aproveitarem as últimas horas do Sábado, animados por reggaeton e outros ritmos caribenhos, passados por um qualquer DJ, num bar além da estrada.

Caminhamos, por ali, encantados pela atmosfera de rumbear balnear a que nem o novo e súbito crepúsculo arroxeado retirava magia.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, névoa

Repetimos a fórmula de recuperação de energias da noite anterior. Cansados de sucessivas caminhadas, voltamos a despertar pelas nove.

Assim que conseguimos, reentramos no parque, mentalizados a irmos o mais directos possível até onde a guarda Lili Dias nos havia raptado, quase 4km após a entrada de Kelly Creek.

Voltamos a detectar preguiças e guaxinins. O clã de macacos-uivadores, esse, tinha-se mudado para outras paragens.

Uma Exuberante Serpente-de-Pestana

Uma vez mais embrenhados na selva, um guia nativo repara no empenho observador em que andávamos.

Resolve recompensar-nos. “Amigos, como tico que sou, faço questão que terminem a caminhada o mais felizes possível. Vou-vos mostrar uma coisa em que não repararam.”

Saudamo-lo, intrigados com a inesperada abordagem.

O guia aponta-nos os ramos de uma palmeira baixa. Neles, muito enrolada, estava uma serpente amarela, uma bocaraca, assim nos informou o guia ser o seu nome hispânico, tratada, em português, por víbora-de-pestana.

Venenosa, perigosa, a cobra mantinha-se, por aquela altura, inactiva.

O seu sono permitiu-nos fotografá-la de perto. E, a um esquilo vizinho, cirandar em redor, furioso com tanta intrusão nos seus domínios.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, esquilo

Continuamos.

O trilho revela nova abertura para a Playa Blanca, um trecho em tempos servido de um molhe que os furacões arrancaram por completo.

Sobravam ruínas ferrugentas dos postes, agora, pousos convenientes de um bando de gaivinas.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, gaivinas

A Paragem Final Recompensadora de Punta Cahuita

Completados quatro quilómetros, atingimos a Punta Cahuita. Parecia-nos encolhida, desprovida de muitos dos coqueiros que antes dela despontavam.

De resto, assente na mesma areia coralífera de giz, envolta do mesmo Mar das Caraíbas verde-esmeralda e translúcido, movido por correntes que a maré intensificava.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, Punta Cahuita

Metemo-nos na água.

Deixamos os corpos flutuar e descontraírem da tensão a que a caminhada e o equipamento fotográfico os obrigavam.

Celebramos o retorno àquele extremo da Costa Rica que há muito retínhamos como especial.

Quase uma hora de relax depois, Lili Dias reaparece da extensão do trilho que vinha do lado oposto da península, da entrada do parque de Puerto Vargas.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, praia

Saudamo-la. Deixamos o bem-bom amornado.

Numa conversa bem-disposta com a guarda, completamos o derradeiro regresso a Cahuita.

 

Artigo realizado com o apoio de:

JUMBO CAR COSTA RICA

www.jumbocar-costarica.com

Código JUMBOCOSTARICA  =  -10% em todas as reservas, até 31-12-2022

Cahuita, Costa Rica

Uma Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral da Costa Rica tão afro quanto das Caraíbas. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas

Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.
Corn Islands-Ilhas do Milho, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands ou Ilhas do Milho, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.
PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
Miravalles, Costa Rica

O Vulcão que Miravalles

Com 2023 metros, o Miravalles destaca-se no norte da Costa Rica, bem acima de uma cordilheira de pares que inclui o La Giganta, o Tenório, Espiritu Santo, o Santa Maria, o Rincón de La Vieja e o Orosi. Inactivo no que diz respeito a erupções, alimenta um campo geotermal prolífico que amorna as vidas dos costarriquenhos à sua sombra.
Caño Negro, Costa Rica

Uma Vida à Pesca entre a Vida Selvagem

Uma das zonas húmidas mais importantes da Costa Rica e do Mundo, Caño Negro deslumbra pelo seu ecossistema exuberante. Não só. Remota, isolada por rios, pântanos e estradas sofríveis, os seus habitantes encontraram na pesca um meio embarcado de fortalecerem os laços da sua comunidade.
Montezuma, Costa Rica

De Volta aos Braços Tropicais de Montezuma

Passaram 18 anos desde que nos deslumbrámos com este que é um dos litorais abençoados da Costa Rica. Há apenas dois meses, reencontrámo-lo. Tão aconchegante como o  tínhamos conhecido.
Monteverde, Costa Rica

O Refúgio Ecológico que os Quakers Legaram ao Mundo

Desiludidos com a propensão militar dos E.U.A., um grupo de 44 Quakers migrou para a Costa Rica, nação que havia abolido o exército. Agricultores, criadores de gado, tornaram-se conservacionistas. Viabilizaram um dos redutos naturais mais reverenciados da América Central.
PN Tortuguero, Costa Rica

Uma Noite no Berçário de Tortuguero

O nome da região de Tortuguero tem uma óbvia e antiga razão. Há muito que as tartarugas do Atlântico e do Mar das Caraíbas se reunem nas praias de areia negro do seu estreito litoral para desovarem. Numa das noites que passamos em Tortuguero assistimos aos seus frenéticos nascimentos.
PN Henri Pittier, Venezuela

PN Henri Pittier: entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou
Fogón de Lola, Costa Rica

O Sabor a Costa Rica de El Fogón de Lola

Como o nome deixa perceber, o Fogón de Lola de Guapiles serve pratos confeccionados ao fogão e ao forno, segundo tradição familiar costarricense. Em particular, a família da Tia Lola.
Gandoca-Manzanillo (Refúgio de Vida Selvagem), Costa Rica

O Refúgio Caribenho de Gandoca-Manzanillo

No fundo do seu litoral sudeste, na iminência do Panamá, a nação “tica” protege um retalho de selva, de pântano e de Mar das Caraíbas. Além de um refúgio de vida selvagem providencial, Gandoca-Manzanillo revela-se um deslumbrante éden tropical.
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Safari
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Treasures, Las Vegas, Nevada, Cidade do Pecado e Perdao
Arquitectura & Design
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Cerimónias e Festividades
Pentecostes, Vanuatu

Naghol: O Bungee Jumping sem Modernices

Em Pentecostes, no fim da adolescência, os jovens lançam-se de uma torre apenas com lianas atadas aos tornozelos. Cordas elásticas e arneses são pieguices impróprias de uma iniciação à idade adulta.
Casario de Ushuaia, ultima das cidades, Terra do Fogo, Argentina
Cidades
Ushuaia, Argentina

A Última das Cidades Austrais

A capital da Terra do Fogo marca o limiar austral da civilização. De Ushuaia partem inúmeras incursões ao continente gelado. Nenhuma destas aventuras de toca e foge se compara à da vida na cidade final.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Cabine lotada
Cultura
Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. O imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
kings canyon, Red centre, coracao, Australia
Em Viagem
Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália

O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Austrália. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.
Pequeno navegador
Étnico
Honiara e Gizo, Ilhas Salomão

O Templo Profanado das Ilhas Salomão

Um navegador espanhol baptizou-as, ansioso por riquezas como as do rei bíblico. Assoladas pela 2ª Guerra Mundial, por conflitos e catástrofes naturais, as Ilhas Salomão estão longe da prosperidade.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Pitões das Júnias, Montalegre, Portugal
História
Montalegre, Portugal

Pelo Alto do Barroso, Cimo de Trás-os-Montes

Mudamo-nos das Terras de Bouro para as do Barroso. Com base em Montalegre, deambulamos à descoberta de Paredes do Rio, Tourém, Pitões das Júnias e o seu mosteiro, povoações deslumbrantes do cimo raiano de Portugal. Se é verdade que o Barroso já teve mais habitantes, visitantes não lhe deviam faltar.
Ao fim da tarde
Ilhas
Ilha de Moçambique, Moçambique  

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Recompensa Kukenam
Natureza
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Monte Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Graciosa, Açores, Monte da Ajuda
Parques Naturais
Graciosa, Açores

Sua Graça a Graciosa

Por fim, desembarcarmos na Graciosa, a nossa nona ilha dos Açores. Mesmo se menos dramática e verdejante que as suas vizinhas, a Graciosa preserva um encanto atlântico que é só seu. Quem tem o privilégio de o viver, leva desta ilha do grupo central uma estima que fica para sempre.
A República Dominicana Balnear de Barahona, Balneário Los Patos
Património Mundial UNESCO
Barahona, República Dominicana

A República Dominicana Balnear de Barahona

Sábado após Sábado, o recanto sudoeste da República Dominicana entra em modo de descompressão. Aos poucos, as suas praias e lagoas sedutoras acolhem uma maré de gente eufórica que se entrega a um peculiar rumbear anfíbio.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Personagens
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Conversa ao pôr-do-sol
Praias
Boracay, Filipinas

A Praia Filipina de Todos os Sonhos

Foi revelada por mochileiros ocidentais e pela equipa de filmagem de “Assim Nascem os Heróis”. Seguiram-se centenas de resorts e milhares de veraneantes orientais mais alvos que o areal de giz.
Um contra todos, Mosteiro de Sera, Sagrado debate, Tibete
Religião
Lhasa, Tibete

Sera, o Mosteiro do Sagrado Debate

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre Carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Vulcão ijen, Escravos do Enxofre, Java, Indonesia
Sociedade
Vulcão Ijen, Indonésia

Os Escravos do Enxofre do Vulcão Ijen

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Bwabwata Parque Nacional, Namíbia, girafas
Vida Selvagem
PN Bwabwata, Namíbia

Um Parque Namibiano que Vale por Três

Consolidada a independência da Namíbia, em 1990, para simplificarem a sua gestão, as autoridades agruparam um trio de parques e reservas da faixa de Caprivi. O PN Bwabwata resultante acolhe uma imensidão deslumbrante de ecossistemas e vida selvagem, às margens dos rios Cubango (Okavango) e Cuando.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.