Cahuita, Costa Rica

Um Regresso Adulto a Cahuita


Letreiros do Pueblo
Trilho da Selva
Um Micado Litoral
cahuita-costa-rica-macaco-uivador
Tropical Divinal
Bocaraca Amarela
Punta Cahuita do Ar
Preguiça Dois Dedos
Passadiço do Parque
Guaxinim. Ou Mapache
Playa Negra enevoada
Tracção Animal
Tropical Casual
Pousos de Gaivinas
Duo Azul
Durante um périplo mochileiro pela Costa Rica, de 2003, deliciamo-nos com o aconchego caribenho de Cahuita. Em 2021, decorridos 18 anos, voltamos. Além de uma esperada, mas comedida modernização e hispanização do pueblo, pouco mais tinha mudado.

Quando cortamos da via principal, na direcção do mar e da povoação, Cahuita impinge-nos novos modos.

Surpreende-nos.

Da primeira vez que a visitámos, chegámos num velho autocarro e não nos lembramos sequer de por onde entrámos na aldeola. Desta vez, Cahuita exibia-se, garrida, na forma daquelas letras icónicas que, surgiram sabemos lá onde, e continuam a apoderar-se do Mundo.

Também pela Costa Rica se espalhou esse vírus.

Com o país ainda fechado, um grupo de moradores decidiu lutar contra o marasmo provocado pela pandemia Covid-19, e embelezar a sua terra com o adorno de que tantas outras paragens ticas já se orgulhavam.

Dotaram-na de letras cor-de-rosa, amarelas e azuis-cueca. O “C” a servir de pouso a um tucano, também ele multicolor.

Encontramos uma grelha de ruas, em vez de terra mal-batida e enlameada, já quase toda asfaltada. Bares e restaurantes maiores e mais opressivos que destoavam dos negócios humildes d’outrora.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, Letreiros

Instalamo-nos numas tais de Cabinas Smith, agora, como então, alojamento humilde e barato.

Cumprido um breve descanso, saímos em modo de saudosismo, em busca da Cahuita que nos encantara e que desejávamos reconhecer.

Lembrávamo-nos que nos tínhamos alojado num quarto mesmo à beira do Mar das Caraíbas, apenas protegido da ondulação por um recife largo e compacto.

Identificamos a Playa Negra e o campo de futebol onde nos juntámos a uma partida disputada pelos nativos. Sentamo-nos na esplanada de um bar, a assistirmos ao desfile de tons com que o arrebol tingia o Caribe.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, anoitecer

Jantamos o casado habitual.

Destruídos pela viagem de quase todo o dia a partir da capital San Jose, pela ruta 32, em obras eternas de ampliação, dormimos mais cedo do que seria habitual.

Na manhã seguinte, uma das primeiras coisas em que reparamos é o aparente desaparecimento dos moradores afro.

Nas quase duas décadas decorridas, a comunidade rasta local que nos havia abordado vezes sem conta parecia ausente, de acordo com uma nova etnicidade de Cahuita, reajustada ao predomínio branco-crioulo da nação tica.

Estranhamos apenas e só o necessário. Ansiávamos ver o quanto teria mudado o entorno selvagem da povoação.

 

De Volta ao Deslumbrante Parque Nacional Cahuita

Cahuita era, afinal, também o nome de um parque nacional, um dos primeiros criados no país, em 1970, com o fim de proteger o recife de coral vasto e prolífico ao largo.

A meio da manhã, apontamos à Playa Blanca em que as autoridades instalaram a casinha do SINAC – Sistema Nacional de Áreas de Conservación, num lugar estratégico para evitar incursões desautorizadas, com o mar por diante.

E o Kelly Creek atrás, a inaugurar a área de manguezal e pantanal, habitat de crocodilos, tartarugas e incontáveis iguanas, à imagem do ainda mais vasto Tortuguero a norte.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, Trilho

Cumpridos os protocolos, fazemo-nos ao trilho estreito, aberto uns poucos metros para dentro do areal e que, como tal, permite aos caminhantes estarem de olho nos dois ambientes:

o marinho, pejado de coqueiros e almendreras, das tropicais, as árvores preferidas das araras. E o florestal que nos separava e protegia do esquivo Rio Suarez.

Já vínhamos com dois meses de exploração da Costa Rica, dos seus parques, da sua fauna.

Mesmo sem guia, nuns meros minutos, detectamos uma preguiça agarrada a um tronco alto.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, preguiça

Preguiças, Macacos e Guaxinins. Parte de uma Fauna muito Activa

Era amarelada, de dois dedos, como as tínhamos já aprendido a distinguir das de três, estas, donas de pelagem cinzenta e de uma “máscara” negra em redor dos olhos, que as faz parecer criminais.

Progredimos pelo trilho. Instantes depois, damos com o primeiro gangue de primatas oportunistas, macacos-pregos-de-cara-branca atentos a qualquer deslize e exposição de alimento por parte dos caminhantes e dos banhistas na praia.

Os símios alvejavam os humanos pelos seus caminhos aéreos de troncos e ramos.

Ao nível do solo, também os guaxinins (mapaches, como lhes chamam os costarriquenhos) tentavam a sua sorte, com os mesmos olhos “mascarados” das preguiças de três dedos, mas bastante mais mexidos e intrusivos.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, guaxinim

Nesta comunhão com a fauna local, chegamos à foz do rio Suárez.

Desvendamos a entrada desafogada para o pantanal.

E lembramo-nos do lugar exacto em que, em Fevereiro de 2003, a Sara tinha sido atacada e picada por um bando de mosquitos sedentos de sangue de que só uma correria e mergulho no mar a salvou.

Com danos de muita comichão.

Da Foz do Rio Suarez, Rumo à Punta Cahuita. Em Vão.

Cruzamos o rio. Prosseguimos pelo lado norte da península de Cahuita. Da foz do Suarez em diante, o trilho avança mais próximo da praia. Amiúde, pela praia.

A intimidade com o Mar das Caraíbas revela-nos os danos provocados pelos furacões que, nos últimos anos, têm fustigado com maior frequência as Honduras, a Nicarágua, a Costa Rica e o Panamá, os dois últimos países, já considerados fora das trajectórias caribenhas habituais dos ciclones.

Constatamos como, em comparação com 2003, o areal tinha recuado e até desaparecido. E como uma profusão de grandes troncos, entrecruzados, se estendia como um estranho micado arbóreo.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, troncos

Lembrávamo-nos do ponto alto da caminhada, o mais tropical.

Já ansiávamos, aliás, pela recompensa da deslumbrante Punta Cahuita. Não seria nessa tarde que lá chegaríamos.

Distrai-nos um velho tanque de cimento, um legado de águas ainda fervilhantes de uma prospecção petrolífera já mais que secular que, para fortuna do meio-ambiente costarriquenho, se ficou por aí.

A certo ponto da Playa Blanca, o trilho leva-nos para dentro da península e da floresta.

Dá lugar a um longo passadiço elevado sobre o solo alagado, com um posto de sombra e de descanso pelo meio.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, passadiço

Uma Comunidade Ululante de Macacos-Uivadores

Matamos a sede e recompomos as mochilas quando um rugido familiar, mas que nunca tínhamos ouvido tão próximo e fulminante, nos aturde.

Avançamos no passadiço. Percorridas mais umas dezenas de metros, damos connosco no meio de um bando de macacos-uivadores, num convívio sonolento, pouco perturbado com a observação dos caminhantes que se juntavam abaixo.

Uns atrás dos outros, em coros desarranjados, os seus urros ecoavam pela floresta. Penetravam, de tal forma, nos ouvidos e cérebros dos humanos que, estes, se limitavam a observar as bocas escancaradas e tremelicantes dos cantores.

Perdida no espanto, uma espectadora não reparou que um dos macacos se tinha mudado para um tronco acima de si. Percebeu-o quando o símio a prendou com uma descarga de urina.

Num pasmo similar, entre fotografia e vídeo, observamo-los e documentamo-los até quase às quatro da tarde.

Sem que o esperássemos, por essa hora, Lili Dias, uma guarda SINAC do parque, surgiu do lado oposto do passadiço.

Aos poucos, com mais determinação que paciência de tico, varreu todos os visitantes que encontrou pelo caminho, para a entrada de Kelly Creek.

À Re-descoberta da Playa Negra. E, de Volta ao Parque Cahuita

Voltamos ao litoral da Playa Negra. Encontramo-la repleta de costarriquenhos e de estrangeiros a aproveitarem as últimas horas do Sábado, animados por reggaeton e outros ritmos caribenhos, passados por um qualquer DJ, num bar além da estrada.

Caminhamos, por ali, encantados pela atmosfera de rumbear balnear a que nem o novo e súbito crepúsculo arroxeado retirava magia.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, névoa

Repetimos a fórmula de recuperação de energias da noite anterior. Cansados de sucessivas caminhadas, voltamos a despertar pelas nove.

Assim que conseguimos, reentramos no parque, mentalizados a irmos o mais directos possível até onde a guarda Lili Dias nos havia raptado, quase 4km após a entrada de Kelly Creek.

Voltamos a detectar preguiças e guaxinins. O clã de macacos-uivadores, esse, tinha-se mudado para outras paragens.

Uma Exuberante Serpente-de-Pestana

Uma vez mais embrenhados na selva, um guia nativo repara no empenho observador em que andávamos.

Resolve recompensar-nos. “Amigos, como tico que sou, faço questão que terminem a caminhada o mais felizes possível. Vou-vos mostrar uma coisa em que não repararam.”

Saudamo-lo, intrigados com a inesperada abordagem.

O guia aponta-nos os ramos de uma palmeira baixa. Neles, muito enrolada, estava uma serpente amarela, uma bocaraca, assim nos informou o guia ser o seu nome hispânico, tratada, em português, por víbora-de-pestana.

Venenosa, perigosa, a cobra mantinha-se, por aquela altura, inactiva.

O seu sono permitiu-nos fotografá-la de perto. E, a um esquilo vizinho, cirandar em redor, furioso com tanta intrusão nos seus domínios.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, esquilo

Continuamos.

O trilho revela nova abertura para a Playa Blanca, um trecho em tempos servido de um molhe que os furacões arrancaram por completo.

Sobravam ruínas ferrugentas dos postes, agora, pousos convenientes de um bando de gaivinas.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, gaivinas

A Paragem Final Recompensadora de Punta Cahuita

Completados quatro quilómetros, atingimos a Punta Cahuita. Parecia-nos encolhida, desprovida de muitos dos coqueiros que antes dela despontavam.

De resto, assente na mesma areia coralífera de giz, envolta do mesmo Mar das Caraíbas verde-esmeralda e translúcido, movido por correntes que a maré intensificava.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, Punta Cahuita

Metemo-nos na água.

Deixamos os corpos flutuar e descontraírem da tensão a que a caminhada e o equipamento fotográfico os obrigavam.

Celebramos o retorno àquele extremo da Costa Rica que há muito retínhamos como especial.

Quase uma hora de relax depois, Lili Dias reaparece da extensão do trilho que vinha do lado oposto da península, da entrada do parque de Puerto Vargas.

Cahuita, Costa Rica, Caribe, praia

Saudamo-la. Deixamos o bem-bom amornado.

Numa conversa bem-disposta com a guarda, completamos o derradeiro regresso a Cahuita.

 

Artigo realizado com o apoio de:

JUMBO CAR COSTA RICA

www.jumbocar-costarica.com

Código JUMBOCOSTARICA  =  -10% em todas as reservas, até 31-12-2022

Cahuita, Costa Rica

Uma Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral da Costa Rica tão afro quanto das Caraíbas. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas

Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.
Corn Islands-Ilhas do Milho, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands ou Ilhas do Milho, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.
PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
Miravalles, Costa Rica

O Vulcão que Miravalles

Com 2023 metros, o Miravalles destaca-se no norte da Costa Rica, bem acima de uma cordilheira de pares que inclui o La Giganta, o Tenório, Espiritu Santo, o Santa Maria, o Rincón de La Vieja e o Orosi. Inactivo no que diz respeito a erupções, alimenta um campo geotermal prolífico que amorna as vidas dos costarriquenhos à sua sombra.
Caño Negro, Costa Rica

Uma Vida à Pesca entre a Vida Selvagem

Uma das zonas húmidas mais importantes da Costa Rica e do Mundo, Caño Negro deslumbra pelo seu ecossistema exuberante. Não só. Remota, isolada por rios, pântanos e estradas sofríveis, os seus habitantes encontraram na pesca um meio embarcado de fortalecerem os laços da sua comunidade.
Montezuma, Costa Rica

De Volta aos Braços Tropicais de Montezuma

Passaram 18 anos desde que nos deslumbrámos com este que é um dos litorais abençoados da Costa Rica. Há apenas dois meses, reencontrámo-lo. Tão aconchegante como o  tínhamos conhecido.
Monteverde, Costa Rica

O Refúgio Ecológico que os Quakers Legaram ao Mundo

Desiludidos com a propensão militar dos E.U.A., um grupo de 44 Quakers migrou para a Costa Rica, nação que havia abolido o exército. Agricultores, criadores de gado, tornaram-se conservacionistas. Viabilizaram um dos redutos naturais mais reverenciados da América Central.
PN Tortuguero, Costa Rica

Uma Noite no Berçário de Tortuguero

O nome da região de Tortuguero tem uma óbvia e antiga razão. Há muito que as tartarugas do Atlântico e do Mar das Caraíbas se reunem nas praias de areia negro do seu estreito litoral para desovarem. Numa das noites que passamos em Tortuguero assistimos aos seus frenéticos nascimentos.
PN Henri Pittier, Venezuela

PN Henri Pittier: entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design
Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Cerimónias e Festividades
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
A Crucificação em Helsínquia
Cidades
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Cultura
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Twelve Apostles, Great Ocean Road, Victoria, Austrália
Em Viagem
Great Ocean Road, Austrália

Oceano Fora, pelo Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Étnico
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

Missoes, San Ignacio Mini, argentina
História
San Ignácio Mini, Argentina

As Missões Jesuíticas Impossíveis de San Ignácio Mini

No séc. XVIII, os jesuítas expandiam um domínio religioso no coração da América do Sul em que convertiam os indígenas guarani em missões jesuíticas. Mas as Coroas Ibéricas arruinaram a utopia tropical da Companhia de Jesus.
Camiguin, Filipinas, manguezal de Katungan.
Ilhas
Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Natureza
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Mini-snorkeling
Parques Naturais
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
Viajante acima da lagoa gelada de Jökursarlón, Islândia
Património Mundial UNESCO
Lagoa Jökursarlón, Glaciar Vatnajökull, Islândia

Já Vacila o Glaciar Rei da Europa

Só na Gronelândia e na Antárctica se encontram geleiras comparáveis ao Vatnajökull, o glaciar supremo do velho continente. E no entanto, até este colosso que dá mais sentido ao termo Terra do Gelo se está a render ao cerco inexorável do aquecimento global.
Verificação da correspondência
Personagens
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Lançamento de rede, ilha de Ouvéa-Ilhas Lealdade, Nova Caledónia
Praias
Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Na ilha de Ouvéa, arquipélago das Lealdade, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Religião
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Cabine Saphire, Purikura, Tóquio, Japão
Sociedade
Tóquio, Japão

Fotografia Tipo-Passe à Japonesa

No fim da década de 80, duas multinacionais nipónicas já viam as fotocabines convencionais como peças de museu. Transformaram-nas em máquinas revolucionárias e o Japão rendeu-se ao fenómeno Purikura.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Vida Selvagem
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
EN FR PT ES