Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros


Mini-dinossauro
Portal para o submundo
Destino: Cuzamá
Meio de transporte semi-ferroviário que, ao longo da fazenda Chunkanan, conduz os visitantes e banhistas ao cenote de Cuzamá.
Despojos do tempo
Edifício da hacienda Chunkanan, em ruínas, não pelo impacto do meteorito mas pelo efeitos preversos da economia.
Vida. Boa vida.
Dois gringos celebram a vida humana que, segundo a teoria cada vez mais popular, a extinção dos dinossauros lhes permite desfrutar.
Cuesta Flaminga
Flamingos alimentam-se na lagoa salobra da Reserva Natural de El Corchito, uma área represada no limiar terrestre do impacto do meteorito.
Uma fractura verdejante
Abertura na camada predominante de rocha calcária que cobre a zona terrestre da Península de Iucatão afectada pelo impacto do meteorito.
Cenote
Parelha bi-color
Cavalos repousam sobre o solo pedregoso (de rocha calcária) gerado pela explosão apocaliptica provocada pelo meteorito de Chicxulub há 66 milhões de anos.
Banho subterrâneo
Banhistas divertem-se na lagoa de uma das inúmeras dolinas disseminadas pela península de Iucatão.
Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.

(Puerto) Progreso é, por excelência, a estância balnear dos merideños, sobretudo em Julho-Agosto, quando o calor e a humidade apertam nestas partes tropicais das Américas e tornam a atmosfera sufocante.

Durante o estivo, os lares e negócios da marginal que dá para o Golfo do México enchem-se de hóspedes temporários.

Alguns desses lares são pequenas casas pouco elegantes, mas pitorescas que parecem apertar-se umas às outras para usufruírem do vaivém suave do mar.

Outras, mais afastadas do centro da povoação, são vivendas sofisticadas e desafogadas que os norte-americanos erguem para lá se refugiarem da frigidez invernal.

Em época alta do turismo caribenho, enormes cruzeiros atracam junto ao pontão da povoação, o mais comprido do México, com uns módicos 6.5 km.

Então, os gringos desembarcam e passeiam-se pelo malecon, antes e depois de subirem a bordo das vans e autocarros e de saírem disparados rumo a Mérida, a Chichen Itza e outros lugares históricos e naturais da Península de Iucatão.

Com frequência, apesar de a água se manter todo o ano meio lamacenta, deparam-se com a beira-mar inundada de banhistas e convivas da região, uma multidão entregue a uma celebração solarenga, exótica e anfíbia da vida e do seu tempo livre.

Este é o quadro que pintamos da Progreso viva e caliente. A que encontramos numa manhã de Novembro quase a virar para Dezembro revela-se bem distinta.

Depois de três dias de frente fria, o céu volta ao azulão bem mais comum nestas partes. O sol brilha, mas com poder comedido. Quando passamos para o lado de lá da frente de casas, o malecon está entregue aos Nortes, os ventos prevalentes e furiosos que sopram golfo abaixo, oriundos dos confins boreais da América.

Também está deserto. O facto de não vermos vivalma incita-nos a debandar e a explorarmos outros recantos do cimo da península.

Iguana em Tulum, Quintana Roo, México

Uma iguana nas imediações do Templo do Vento de Tulum. A devastação provocada pelo meteorito de Chicxulub terá aniquilado todos os animais terrestres com mais de 25kg. Dos enormes dinossauros predominantes, sobraram espécimes bem mais pequenos.

Sobre Chicxulub. E a Extinção Abrupta dos Dinossauros.

Durante toda a manhã, percorremos um domínio igualmente desolado do Iucatão. Roçamos uma circunferência da Terra em tempos de tal forma esventrada que a sua destruição deu origem a uma espécie de Inverno Global e à consequente extinção das espécies de maior porte, com destaque para os dinossauros (não voadores) que há muito dominavam o planeta.

A teoria do impacto de um meteorito com 15km de diâmetro, há cerca de 65 milhões de anos, ganhou aceitação entre os cientistas como a explicação mais premente para o súbito desaparecimento destes répteis pré-históricos.

Em 1978, Glen Penfield, um geofísico que pesquisava petróleo para a companhia mexicana PEMEX detetou uma cratera com cerca de 300km de diâmetro.

Foi-lhe dado o nome de Chicxulub, uma povoação alguns quilómetros para sul de Progreso, de que nos aproximamos após admirarmos os bandos de flamingos nas águas salobras da Reserva Ecológica El Corchito e, para leste, na Laguna Rosada.

Flamingos na reserva natural El Corchito, Mérida, México

Flamingos alimentam-se na lagoa salobra da Reserva Natural de El Corchito, uma área represada no limiar terrestre do impacto do meteorito.

A reserva antecede o porto de Chicxulub, uma espécie de extensão marinha do pueblo homónimo do interior, por sua vez, vizinho de Dzibilchaltún, um sítio arqueológico Maia menor que aproveitamos para também espreitar.

No que diz respeito a El Corchito e à Laguna Rosada, percebemos, no mapa, que são apenas dois domínios da vasta área represada aquém da franja de costa quase insular que encerra o Iucatão.

Tal fraqueza – ou falha geológica – revela-se apenas mais ampla e exposta que as que salpicam a península, incluindo os seus incontáveis cenotes, (dolinas profundas) e os rios subterrâneos que os abastecem e ligam.

Este panorama de queijo-suíço é, afinal, a consequência geológica do fenómeno sideral que vitimou os dinossauros.

Um Impacto Apocalíptico

Estudos recentes levados a cabo no leito pouco profundo do Golfo do México permitiram concluir que o meteorito terá caído num dos lugares menos favoráveis à face da Terra.

Se o impacto se tivesse dado algumas horas antes ou depois, o mais provável seria o meteorito ter atingido uma zona profunda de oceano Atlântico ou Pacífico e essa profundidade ter amortizado o impacto.

À hora e no lugar em que se deu, o meteorito precipitou-se sobre um mar superficial, coberto de uma espécie de gesso mineral.

A colisão foi devastadora. Abriu uma cratera na crosta terrestre com 100km de extensão e 30km de profundidade. Mais tarde, essa cratera abateu e aumentou para mais do dobro.

Fractura agora verdejante na superfície de calcário da península de Iucatão

Abertura na camada predominante de rocha calcária que cobre a zona terrestre da Península de Iucatão afectada pelo impacto do meteorito.

Hoje, a sua secção marinha (a quase totalidade) está coberta por seiscentos metros de sedimentos. A terrestre, por sua vez, ficou debaixo de uma camada de pedra calcária, como já vimos, salpicada de dolinas e fenómenos erosivos afins.

A explosão gerada pelo impacto do meteorito teve uma potência equivalente a dez biliões de bombas atómicas “Little Boy”, aquela que o B-52 “Enola Gay” largou sobre Hiroxima. Gerou tremores de terra e maremotos que varreram boa parte do planeta. Libertou enormes quantidades de rocha e enxofre vaporizados, bem como uma fuligem que combinava ainda partículas de outras substâncias.

Joanna Morgan, uma professora e cientista britânica que participou nas mais recentes investigações, afirma que terão sido projetadas 325 gigatoneladas de enxofre, uma estimativa que afiança  conservadora.

Fosse qual fosse a quantidade, uma nuvem apocalíptica obscureceu a atmosfera. Barrou de tal maneira os raios solares que a temperatura desceu entre 8 e 17ºC e várias zonas sofreram secas catastróficas.

No hemisfério norte, a mudança climática verificou-se de forma mais acentuada e duradoura que no sul. Isto, numa era em que o clima à face da Terra já esfriava havia algum tempo devido a uma intensificação da atividade vulcânica.

É crível que a pluviosidade tivesse arrastado de volta para o mar parte dessas partículas vaporizadas. Kunio Kahio, um reputado cientista japonês defende, todavia, que uma porção substancial ficou a circular na alta atmosfera.

Sinal de Cenote, em Chunkanan, Mérida, México

Sinal identifica o cenote de Cumaná, uma dolina escondida na fazenda semi-abandonada de Chunkanan, a sul da cidade de Mérida.

Chicxulub, da Extinção dos Dinossauros à Renovação da Vida na Terra

Se voltarmos à faceta probabilística do impacto, veremos que, ao longo dos milénios, vários outros meteoritos de dimensões semelhantes se precipitaram sobre outras zonas da Terra: Chesaoeake Bay, nos E.U.A., Baviera, entre outras.

Mas só uma superfície terrestre rara e excepcional – carregada de hidrocarbonetos – como aquela em redor de Chicxulub, poderia originar uma alteração atmosférica e uma extinção em massa como a que se verificou.

Na Terra sufocada e frígida que o meteorito legou, a vegetação de porte significativo depressa sucumbiu. Sem alimento, possivelmente enregelados, seguiram-se os dinossauros e muitas outras espécies, crê-se que 75% de todos os animais ou pelo menos, todos os terrestres com mais de 25kg, se bem que, na sua maioria, os dinossauros-ave sobreviveram.

Na ressaca desta teoria, distintos cientistas descobriram áreas com dezenas de milhares de fragmentos de fósseis acumulados numa camada de sedimento com apenas 10cm.

Ora, esta concentração de espécimes vitimados e enterrados no mesmo lugar só seria possível se causada por um evento fulminante e arrasador como o que causou a cratera de Chicxulub.

Esse evento aniquilou para sempre os dinossauros. Ao mesmo tempo, baralhou os dados da vida na Terra. De tal maneira que, à medida que a atmosfera se normalizou, a evolução das espécies recebeu um incremento que a levou à incrível diversidade há algum tempo verificada, e ao surgimento, à proliferação e a supremacia da espécie humana.

Entrada para um cenote junto a Playa del Carmen, Quintana Roo, México

Mais uma entrada ao mundo subterrâneo da Península de Iucatão, desta feita, no estado de Quintana Roo, nas imediações de Playa del Carmen.

Também ali, à beira da cratera, nos legados geológicos do impacto, como nos que marcam o progresso antropológico do Homem, homens e mulheres nativos e forasteiros vivem e celebram a vida que, a crer nas teorias cada vez mais aceites, o meteorito catástrofe lhes terá concedido.

O Cenário Tropical pós-impacto da Península do Iucatão

De Progreso, ziguezagueamos pelo território do Iucatão, primeiro pelo do estado mexicano homónimo, logo, pelo resto da península. À imagem de milhares de visitantes de outras partes longínquas do planeta atingido, deslumbramo-nos com as cidades que os Maias disseminaram neste que, após uma incrível epopeia migratória, se tornou o seu recanto na Terra.

Depois de Dzibilchaltún, exploramos o complexo cerimonial Chichen Itza e outros lugares, como a cidade amarela Izamal em que os vestígios e a herança Maia e colonial hispânica convivem plaza a plaza, calle a calle.

Como é também de bom senso, descomprimimos de algum stresse turístico em vários dos SPAs aquáticos naturais que abundam nestas partes. À falta de condições balneares no litoral do Golfo do México, aventuramo-nos pelas profundezas do Rio Secreto (um rio subterrâneo).

Banhamo-nos nas praias caribenhas perfeitas de Quintana Roo, o mais recente dos estados da Península; também na de Tulum que é coroada por um dos raros conjuntos arquitectónicos Maias erguidos quase sobre o Mar das Caraíbas.

Ruínas da fazenda Chunkanan, em Mérida, México

Edifício da hacienda Chunkanan, em ruínas, não pelo impacto do meteorito mas pelo efeitos preversos da economia.

Noutro périplo pelo Iucatão, regressamos ao interior de Mérida, à descoberta de uma fazenda enequera secular, em tempos produtora de cactos usados para fibra de vestuário e outros usos.

Um Legado do Meteorito, os cenotes iucatecas

A Hacienda Chunkanan vem do tempo do presidente mexicano Porfírio Diaz. Segundo nos narra o guia residente, Diaz ofereceu-a, em 1937, a camponeses da zona para que dela retirassem o seu ganha-pão. Assim sucedeu até que, em 2002, num contexto em que a matéria-prima se tinha já desvalorizado, um tal de furacão Isidoro a arrasou.

Desde então, a recuperação das infraestruturas e da produção continua a ser adiada. À falta de melhor, os camponeses aproveitam o que subsistiu ao ciclone e o que lhes deixou o meteorito de Chicxulub.

“Instalem-se à vontade, vamos ter dez minutos de viagem.” instrui-nos Jesus Pech Arjona, o condutor da carruagem que apanhamos. Confrontados com o crescente interesse dos forasteiros nas fazendas históricas e nas dolinas mais impressionantes do Iucatão, os trabalhadores nativos deram uso ao sistema ferroviário básico da propriedade.

Transporte de acesso ao cenote de Cuzamá, Mérida, México

Meio de transporte semi-ferroviário que, ao longo da fazenda Chunkanan, conduz os visitantes e banhistas ao cenote de Cuzamá.

De acordo, um cavalo pachorrento reboca-nos e à pequena carruagem, ao longo de um corredor limpo da vegetação tropical. Dez minutos depois, desembarcamos. “Estão a ver aquele sinal ao pé das escadas? A entrada é por ali!“

Avançamos e espreitamos a abertura em que estavam metidas as escadas. Lá em baixo, levemente iluminado pela luz do sol a pique, exibia-se o cenote de Cuzamá, uma dolina profunda e ampla, dotada de uma piscina de água esmeralda translúcida. Vestimos os trajes de banho.

Cenote (dolina) no estado de Mérida, México

Banhistas divertem-se na lagoa de uma das inúmeras dolinas disseminadas pela península de Iucatão.

Descemos a escadaria e juntamo-nos a quatro ou cinco outros banhistas que já desfrutavam da lagoa inusitada. Chapinhamos, nadamos, investigamos o estranho fundo da gruta inundada.

E ficamos minutos a fio a boiar, a pensar apenas na ironia de o mesmo meteorito furioso que aniquilou os dinossauros, nos ter validado a nós. E ao delicioso capricho geológico em que nos sentíamos renovar.

Mais informações turísticas sobre a Península de Iucatão no site VisitMexico

Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.
San Cristobal de las Casas a Campeche, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Nossa Senhora de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Campeche, México

Um Bingo tão lúdico que se joga com bonecos

Nas noites de sextas um grupo de senhoras ocupam mesas do Parque Independencia e apostam ninharias. Os prémios ínfimos saem-lhes em combinações de gatos, corações, cometas, maracas e outros ícones.

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Uxmal, Iucatão, México

A Capital Maia que Se Empilhou Até ao Colapso

O termo Uxmal significa construída três vezes. Na longa era pré-Hispânica de disputa do mundo Maia, a cidade teve o seu apogeu, correspondente ao cimo da Pirâmide do Adivinho no seu âmago. Terá sido abandonada antes da Conquista Espanhola do Iucatão. As suas ruínas são das mais intactas da Península do Iucatão.
Barrancas del Cobre, Chihuahua, México

O México Profundo das Barrancas del Cobre

Sem aviso, as terras altas de Chihuahua dão lugar a ravinas sem fim. Sessenta milhões de anos geológicos sulcaram-nas e tornaram-nas inóspitas. Os indígenas Rarámuri continuam a chamar-lhes casa.
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Chihuahua, México

¡ Ay Chihuahua !

Os mexicanos adaptaram a expressão como uma das suas preferidas manifestações de surpresa. À descoberta da capital do estado homónimo do Noroeste, exclamamo-la amiúde.
Chichen Itza, Iucatão, México

À Beira do Cenote, no Âmago da Civilização Maia

Entre os séculos IX a XIII d.C., Chichen Itza destacou-se como a cidade mais importante da Península do Iucatão e do vasto Império Maia. Se a Conquista Espanhola veio precipitar o seu declínio e abandono, a história moderna consagrou as suas ruínas Património da Humanidade e Maravilha do Mundo.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

De Filão da Nova Espanha a Pueblo Mágico Mexicano

No início do século XIX, era uma das povoações mineiras que mais prata garantia à Coroa Espanhola. Um século depois, a prata tinha-se desvalorizado de tal maneira que Real de Catorce se viu abandonada. A sua história e os cenários peculiares filmados por Hollywood, cotaram-na uma das aldeias preciosas do México.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

A Depreciação da Prata que Levou à do Pueblo (Parte II)

Com a viragem para o século XX, o valor do metal precioso bateu no fundo. De povoação prodigiosa, Real de Catorce passou a fantasma. Ainda à descoberta, exploramos as ruínas das minas na sua origem e o encanto do Pueblo ressuscitado.
Xilitla, San Luís Potosi, México

O Delírio Mexicano de Edward James

Na floresta tropical de Xilitla, a mente inquieta do poeta Edward James fez geminar um jardim-lar excêntrico. Hoje, Xilitla é louvada como um Éden do surreal.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Safari
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Lençóis da Bahia, Diamantes Eternos, Brasil
Arquitectura & Design
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
Cerimónias e Festividades
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Forte de São Filipe, Cidade Velha, ilha de Santiago, Cabo Verde
Cidades
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
O projeccionista
Cultura
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Em Viagem
Chefchouen a Merzouga, Marrocos

Marrocos de Cima a Baixo

Das ruelas anis de Chefchaouen às primeiras dunas do Saara revelam-se, em Marrocos, os contrastes bem marcados das primeiras terras africanas, como sempre encarou a Ibéria este vasto reino magrebino.
Étnico
Nelson a Wharariki, PN Abel Tasman, Nova Zelândia

O Litoral Maori em que os Europeus Deram à Costa

Abel Janszoon Tasman explorava mais da recém-mapeada e mítica "Terra Australis" quando um equívoco azedou o contacto com nativos de uma ilha desconhecida. O episódio inaugurou a história colonial da Nova Zelândia. Hoje, tanto a costa divinal em que o episódio se sucedeu como os mares em redor evocam o navegador holandês.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

Roça Bombaim, Roça Monte Café, ilha São Tomé, bandeira
História
Centro de São Tomé, São Tomé e Príncipe

De Roça em Roça, Rumo ao Coração Tropical de São Tomé

No caminho entre Trindade e Santa Clara confrontamo-nos com o passado colonial terrífico de Batepá. À passagem pelas roças Bombaim e Monte Café, a história da ilha parece ter-se diluído no tempo e na atmosfera clorofilina da selva santomense.
tarsio, bohol, filipinas, do outro mundo
Ilhas
Bohol, Filipinas

Umas Filipinas do Outro Mundo

O arquipélago filipino estende-se por 300.000 km² de oceano Pacífico. Parte do sub-arquipélago Visayas, Bohol abriga pequenos primatas com aspecto alienígena e as colinas extraterrenas de Chocolate Hills.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Sé Catedral, Funchal, Madeira
Natureza
Funchal, Madeira

Portal para um Portugal Quase Tropical

A Madeira está situada a menos de 1000km a norte do Trópico de Câncer. E a exuberância luxuriante que lhe granjeou o cognome de ilha jardim do Atlântico desponta em cada recanto da sua íngreme capital.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Uma Cidade Perdida e Achada
Património Mundial UNESCO
Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Cahuita, Costa Rica, Caribe, praia
Praias
Cahuita, Costa Rica

Um Regresso Adulto a Cahuita

Durante um périplo mochileiro pela Costa Rica, de 2003, deliciamo-nos com o aconchego caribenho de Cahuita. Em 2021, decorridos 18 anos, voltamos. Além de uma esperada, mas comedida modernização e hispanização do pueblo, pouco mais tinha mudado.
Detalhe do templo de Kamakhya, em Guwahati, Assam, Índia
Religião
Guwahati, India

A Cidade que Venera Kamakhya e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Mahu, Terceiro Sexo da Polinesia, Papeete, Taiti
Sociedade
Papeete, Polinésia Francesa

O Terceiro Sexo do Taiti

Herdeiros da cultura ancestral da Polinésia, os mahu preservam um papel incomum na sociedade. Perdidos algures entre os dois géneros, estes homens-mulher continuam a lutar pelo sentido das suas vidas.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Vida Selvagem
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.